Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial

1.417 visualizações

Publicada em

M ,M ,M ,, ,MKK KMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMLM LM

Publicada em: Dispositivos e hardware
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.417
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guia orientativo para elaboracao de projeto eletrico residencial

  1. 1. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 1 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores, divisão em circuitos, seção dos condutores, dispositivos de manobra, carga de cada circuito e carga total, localização da distribuição geral e da medição de energia elétrica da unidade. O projeto elétrico é elaborado para garantir a transferência de energia elétrica de uma fonte (geração própria ou da rede da concessionária) às cargas (equipamentos elétricos) instaladas na unidade de forma segura e eficiente. Este roteiro contém prescrições específicas aplicáveis a locais utilizados como habitação, fixa ou temporária, compreendendo as unidades residenciais como um todo. De uma maneira geral, o projeto compreende quatro partes:  Memorial descritivo, onde o projetista apresenta e justifica o cálculo e a metodologia adotada no dimensionamento dos vários elementos da instalação (pontos de luz, pontos de tomada, seção dos condutores, diâmetro dos eletrodutos, capacidade dos elementos de proteção contra sobrecarga e curto circuito, etc.);  Conjunto de plantas, com localização dos pontos de luz, pontos de tomada, quadro de medição, quadro de distribuição, esquemas e detalhes que deverão conter todos os elementos necessários à perfeita execução do projeto;  Especificações dos materiais (interruptores, tomadas, disjuntores, eletrodutos, condutores elétricos, etc.), a serem utilizados na instalação e as normas para a sua aplicação;  Lista de Materiais, onde é levantada a quantidade de materiais necessários ao funcionamento da instalação elétrica. 2. CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS O projeto elétrico deve ser elaborado considerando-se além dos critérios técnicos (dimensionamento das cargas e demais elementos), os seguintes critérios:  Acessibilidade: Localização dos pontos de luz e tomada, bem como quadros de medição e distribuição acessíveis para manobra e manutenção;  Flexibilidade e Reserva de Carga: Reserva para acréscimos de carga e pequenas alterações futuras na instalação elétrica;  Confiabilidade: Estreita obediência às normas técnicas de segurança e serviços em instalações elétricas, de forma a proporcionar o correto funcionamento dos componentes e a integridade física dos usuários.
  2. 2. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 2 3. NORMAS APLICAVÉIS  NBR – 5410/2004 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão  NBR – 5419/2005 - Proteção de Estruturas contra Descargas Atmosféricas.  Normas da Energisa: NDU 001, NDU 002 e NDU 003 (Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de distribuição).  NBR – 5444/86 - Símbolos Gráficos para Instalações Prediais.  NR 10 - Segurança em instalações e serviços em eletricidade. 4. ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 4.1 INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1. Planta de situação (ruas de acesso, localização da rede elétrica ou unidade geradora de energia, etc.); 2. Projeto arquitetônico da unidade (planta baixa, cortes, detalhes, etc.); 3. Projetos complementares:  Projeto estrutural, projetos de instalações hidrossanitárias, projetos de instalações de gás e outras tubulações, sonorização, etc.  Localização de vigas, pilares, etc. 4. Informações obtidas com o proprietário da obra:  Localização de pontos particulares de tomadas de energia e luz (luminárias decorativas, sensores internos, etc.);  Previsão de cargas atuais e futuras;  Localização de aparelhos especiais: condicionadores de ar, refletores, área de lazer, piscinas, aquecedores, etc. 4.2 PREVISÃO DE CARGA Com a definição das necessidades de pontos de luz e força, obtidas junto ao proprietário e de posse de normas técnicas tem-se condições de se prever as cargas do projeto isto é quantificar as cargas (pontos) e suas potências (lâmpadas, aparelhos de aquecimento, eletrodomésticos, etc.). Na impossibilidade de definição de pontos de luz e força junto ao proprietário, aplicam-se os critérios adotados na NBR 5410. A NBR 5410 estabelece as condições mínimas para quantificação, localização e determinação dos pontos de iluminação e tomadas (casa, apartamentos, hotéis e similares).
  3. 3. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 3 Quando os pontos definidos pelo proprietário da obra forem inferiores em potência e número aos estabelecidos por norma, deve ser adotado o critério da NBR 5410. 4.2.1 Iluminação Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, comandado por interruptor. Admite-se que o ponto de luz fixo no teto seja substituído por ponto na parede em espaços sob escada, depósitos, despensas, lavabos e varandas, desde que de pequenas dimensões e onde a colocação do ponto no teto seja de difícil execução ou não conveniente. Na determinação das cargas de iluminação, conveniente a cada recinto, recomenda-se a elaboração de um projeto de luminotécnica, considerando os níveis de Iluminâncias por classe de tarefas visuais, conforme procedimentos de aplicação da NBR 5413. Como alternativa à aplicação da NBR 5413, pode ser adotado o seguinte critério:  Em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m2 , deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA;  Em cômodo ou dependências com área superior a 6 m2 , deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m2 , acrescida de 60 VA para cada aumento de 4 m2 inteiros. Os valores apurados correspondem à potência destinada à iluminação para efeito de dimensionamento dos circuitos, e não necessariamente à potência nominal das lâmpadas. A NBR 5410 não estabelece critérios para iluminação de áreas externas. 4.2.2 Pontos de tomada Um ponto de tomada é definido com um ponto de utilização em que a conexão do equipamento ou equipamentos a serem alimentados é feita através de tomada de corrente. Um ponto de tomada pode conter uma ou mais tomadas de corrente. O número de pontos de tomada deve ser determinado em função da destinação do local e dos equipamentos elétricos previstos para o ambiente, observando-se no mínimo os seguintes critérios:  Em banheiros, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada, próximo ao lavatório com distância mínima de 60 cm do limite do box;  Em cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos, deve ser previsto no mínimo um ponto de tomada para cada 3,5 m, ou fração, de perímetro, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente, no mesmo ponto ou em pontos distintos;  Em varandas ou próximo ao seu acesso, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada;  Em ambientes com área superior a 6 m², como salas e dormitórios devem ser previstos pelo menos um ponto de tomada para cada 5 m, ou fração, de perímetro, devendo esses pontos ser espaçados tão uniformemente quanto possível. Particularmente no caso de salas de estar deve-se
  4. 4. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 4 atentar para a possibilidade de que um ponto de tomada venha a ser usado para alimentação de mais de um equipamento, sendo recomendável equipá-lo, portanto, com a quantidade de tomadas julgada adequada.  Em cada um dos demais cômodos e dependências de habitação com área inferior a 6 m² devem ser previstos pelo menos um ponto de tomada. Quando a área do cômodo ou dependência for igual ou inferior a 2,25 m2 , admite-se que esse ponto seja posicionado externamente ao cômodo ou dependência, a até 0,80 m no máximo de sua porta de acesso; 4.2.3 Potência mínima de TUG’s - Tomadas de Uso Geral  Em banheiros, cozinhas, copas, copa-cozinha, áreas de serviços, lavanderia e locais semelhantes, atribuir 600 VA por tomada, para as três primeiras tomadas e 100 VA para cada uma das excedentes;  Nas demais dependências: 100 VA por tomada. 4.2.4 Quantidade de TUE’s - Tomadas de Uso Específico A tomada de uso específico (TUE) é uma tomada de corrente exclusiva a ligação de aparelhos fixos ou estacionários: chuveiros elétricos, torneiras elétricas, condicionadores de ar, secadoras e lavadoras de roupas, fornos, lavadoras de louça, etc. Os pontos de tomada destinados a alimentar mais de um equipamento devem ser providos com a quantidade adequada de tomadas. Quando um ponto de tomada for previsto para uso específico, este deve ser localizado no máximo a 1,5 m do ponto previsto para a localização do equipamento a ser alimentado. O ponto de tomada deve apresentar potência ou soma das potências dos equipamentos mais potentes que o ponto pode vir a alimentar. 4.3 PROTEÇÃO COM O USO DE DISPOSITIVO DIFERENCIAL-RESIDUAL DE ALTA SENSIBILIDADE Nas instalações residenciais, qualquer que seja o esquema de aterramento, deve ser instalada proteção adicional por dispositivos de corrente diferencial residual nominal, com In igual ou inferior a 30 mA, nos seguintes casos:  Os circuitos que sirvam a pontos de utilização situados em locais contendo banheira ou chuveiro  Os circuitos que alimentem tomadas de corrente situadas em áreas externas à edificação;  Os circuitos de tomadas de corrente situadas em áreas internas que possam vir a alimentar equipamentos no exterior;  Os circuitos que, em locais de habitação, sirvam a pontos de utilização situados em cozinhas, copas cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e demais dependências internas molhadas em uso normal ou sujeitas a lavagens.
  5. 5. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 5 4.4 QUADRO DE QUANTIDADE DE CARGAS TABELA DE QUANTIDADE DE CARGAS Item Local Dimensões Quantidade Cargas Área (m2 ) Perímetro (m) Ilum. TUG’s TUE’s Ilum. TUG’s TUE’s 1 Sala 2 Copa 3 Cozinha 4 Quarto 1 5 Quarto 2 6 Banheiro 7 Área de serviço 8 Hall Total = 4.5 DIVISÃO DAS CARGAS EM CIRCUITOS 4.5.1 Objetivos da Divisão  Limitar as conseqüências de um curto circuito ou sobrecarga;  Facilitar as verificações, testes e manutenções;  Interrupções individuais de cada circuito ao invés de toda a instalação;  Obrigatoriedade da divisão para alguns casos;  Necessidade de proteção (disjuntores termomagnéticos ou disjuntores residuais diferenciais DR). 4.5.2 Recomendações  Separar os circuitos de iluminação dos circuitos de força;  Todo ponto de utilização previsto para alimentar, de modo exclusivo ou virtualmente dedicado, equipamento com corrente nominal superior a 10 A deve constituir um circuito independente;
  6. 6. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 6  De acordo com a NBR 5410, os circuitos terminais contendo pontos cuja corrente individual for inferior a 10 A podem ser agrupados em "circuitos de uso geral". No item 4.2.5.5, sugere que sejam previstos circuitos distintos para os pontos de luz e força e, nesse caso, deixa a cargo do projetista estabelecer o número de pontos e corrente máxima por circuito.  Os pontos de tomada de cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos devem ser atendidos por circuitos exclusivamente destinados à alimentação de tomadas desses locais;  Em locais de habitação, admite-se, como exceção à regra geral de que pontos de tomada, exceto aqueles indicados no parágrafo anterior, e pontos de iluminação possam ser alimentados por circuito comum, desde que as seguintes condições sejam simultaneamente atendidas: a) a corrente de projeto (IB) do circuito comum (iluminação mais tomadas) não deve ser superior a 16 A; b) os pontos de iluminação não sejam alimentados, em sua totalidade, por um só circuito, caso esse circuito seja comum (iluminação mais tomadas); e c) os pontos de tomadas, já excluídos os indicados no parágrafo anterior, não sejam alimentados, em sua totalidade, por um só circuito, caso esse circuito seja comum (iluminação mais tomadas).  Toda instalação dever ser dividida em circuitos de forma que cada um possa ser seccionado, sem risco de realimentação inadvertida por outro circuito;  Em instalações com duas ou três fases as cargas devem ser distribuídas uniformemente entre as fases de modo a se obter o maior equilíbrio possível. 4.5.3 Proteção contra sobrecorrentes Todo circuito terminal deve ser protegido contra sobrecorrentes por dispositivo que assegure o seccionamento simultâneo de todos os condutores de fase.  NOTA: Isso significa que o dispositivo de proteção deve ser multipolar, quando o circuito for constituído de mais de uma fase. 4.6 CÁLCULO DA DEMANDA A determinação da potência de alimentação é essencial para a concepção econômica e segura de uma instalação, dentro de limites adequados de elevação de temperatura e de queda de tensão. Na determinação da potência de alimentação de uma instalação ou de parte de uma instalação devem ser computados os equipamentos de utilização a serem alimentados, com suas respectivas potências nominais e, em seguida, consideradas as possibilidades de não-simultaneidade de funcionamento destes equipamentos, bem como capacidade de reserva para futuras ampliações.
  7. 7. Curso Técnico em Eletrotécnica Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Prof. Ronimack Trajano 7 Entende-se por Demanda Elétrica a média das potências elétricas, ativas ou reativas, solicitadas ao sistema elétrico, pela parcela de carga instalada em operação na unidade consumidora, durante um intervalo de tempo especificado. Cálculo da demanda: Pd = (Pil + Ptugs)*FD1 + (Ptues)*FD2  Pd = Potência demandada da instalação;  Pil = Potência da iluminação;  Ptugs = Potência das tomadas de uso geral;  g1 = Fator de demanda para a iluminação e tomadas de uso geral.  Ptues = Potência das tomadas de uso específico;  g2 = Fator de demanda para as tomadas de uso específico. O fator de demanda é determinado considerando as possibilidades de não simultaneidade no funcionamento das cargas de um dado conjunto de cargas, o que é feito através da adoção de um fator de demanda (g) adequado. A determinação dos fatores de demanda exige o conhecimento detalhado da instalação considerada, bem como experiência quanto às condições de funcionamento e de utilização dos equipamentos. Assim, não é, a rigor, possível especificar, na prática, os fatores de demanda, para cada tipo de instalação. No entanto, as Tabelas fornecidas pelas concessionárias de energia elétrica, podem servir como orientação básica. É importante observar que, via de regra, o fator de demanda depende da quantidade de equipamentos de utilização do conjunto de cargas.

×