SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2
Considerações Históricas
Conceito Criança/Adolescente é nova –
- 1693 – Carta à Portugal da Capitania onde hoje é Rio de Janeiro –
solicitando autorização para se trabalhar com crianças. Comidos por cães e
ratos.
- 1726 – Casa dos Expostos na Bahia  Instituição não governamental
criada pela Igreja. Roda dos Expostos  crianças eram colocadas na roda
sem que se soubesse quem eram os pais – fruto da carência e relações
extra-conjugais.
- Século XIX 1896 – Mary Anny (EUA – Nova York) Símbolo do mau trato
pelos pais – sem comida, mau-tratada, sem legislação a criança era
propriedade dos pais. Denúncia ao órgão de defesa dos animais já existia,
porém não havia nada em relação à criança.

3
- 1913 – criação do Instituto 7 de Setembro – orfanato,
internato  sem legislação – autoritarismo.
- 1927 – Código de Mello Matos – Decreto 17.943-A.
Submetidas à intervenção social – “Para desajuste social” –
sem distinção à infração, orfandade, vítimas de violência.
- 1940 – Departamento Nacional da Criança.
-1941 – SAM – Serviço de Assistência ao Menor.
- 1942 – LBA – Legião Brasileira da Assistência – Escândalo
Rosiane Collor – pagamento de roupas.
- 1948 – Declaração Universal dos Direitos Humanos,
provocado pela 2ª Guerra através da ONU.

4
- 1959 – Declaração Universal dos Direitos da Criança –
indica que deve ser em caráter integral.
- 1964 – FUNABEM e FEBEM (reflexo do SAM)
- 1978 – PLIMEC – Plano de Integração do Menor na Família
e Comunidade (Apoio à família ou contra-turno escolar)
- 1979 – Código de Menores – Lei 6.697 de 10/10/1979. Lei
pautada na doutrina de “Situação Irregular”.
- 1988 – CONSTITUIÇÃO FEDERAL
- 1989 – Convenção da ONU dos Direitos da Criança
- 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente.
5
6
7
•Centralismo burocrático – Programas Federais
•Controle Social da população. Pobre = objeto passível de intervenção
Estatal
•Participação dos usuários com mão-de-obra
•Instrumentalização Político Eleitoral, comprometendo o caráter social
proposto.
•Efeito político desmobilizador – sonegação da iniciativa e criatividade das
bases comunitárias.
•Desuniformidade dos critérios na distribuição de verbas
•Não coincidência entre pauta de prioridade do Estado e as necessidades
objetivas da comunidade.
•Retenção da maior parte das verbas em atividades de intermediação e
controle, sem acesso aos usuários.

8
•Tratamento igual à situações diferentes
•Visão do usuário como incapaz
•Políticas fim – institucionalização como resposta a problemas
•Orientação discriminatória por parte das instituições
•Inacessibilidade total ao orçamento
•Seletividade, clientelismo
•Autoridade com força coercitiva
•Poder centralizado na figura “Juiz de Menores”
•Vadios e vagabundos que se mostram refratários
•Ocorrência de paralelismo, desperdício, superposição e
antagonismo entre os programas

9
•Exclusão do acesso aos mínimos sociais
•Determinação histórica
•Violação de direitos humanos
•20% mais ricos detém 65% da renda nacional
•Maior concentração de pobreza no nordeste e regiões
metropolitanas
•PNAD – Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliares – 1/3
das famílias abaixo da linha da pobreza
•Empobrecimento crescente
•Mapa da fome – ¼ da população infanto-juvenil (15 milhões
estão em famílias consideradas indigentes)
10
11
12
•Caráter emancipados, sócio-educativo, à pessoa
em peculiaridade de de adequada
Falta ser em desenvolvimento.
•Garantia de direitos ≠s da discriminação
aplicação e
•Fiscalização de entidades com medidas de punição
COMPREENSÃO do
•Medidas pedagógicas de privação de liberdade
•Instituição ECA corrobora do cumprimento do
do CT, fiscalizador para o
ECA
aumento do grau de
•Planejamento, critérios de seleção, democratização
criminalidade dos
e capacitação permanente.

adolescentes!

13
•Criança/Adolescente = prioridade absoluta
•Políticas Sociais Básicas são direitos de todos
(saúde, educação, esporte, lazer, cultura)
•Políticas de Assistência Social como direito a
quem dela necessita (abrigo, alimento, inclusão
familiar)
•Política de Proteção Especial – atendimento e
encaminhamento especializado – situação de risco
pessoal e social.
•Participação das famílias, crianças e adolescentes.

14
•Universalização e descentralização político-administrativa –
participação popular
•Criação de espaço comunitário para desenvolvimento das
crianças e adolescentes
•Previsão Orçamentária  Dotação orçamentária com
prioridade absoluta – verificável de forma transparente
•Transparência no trato da coisa pública
•Articulação com a comunidade
•Divulgação das atividades resultantes
•Boletim Informativo do CT e do CMDCA para a comunidade

•Legitimidade das instâncias políticas
15
•Vida
•Saúde
•Respeito
•Dignidade
•Convivência familiar e Comunitária
•Educação
•Cultura
•Esporte e Lazer
•Profissionalização
•Proteção no Trabalho

16
POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENÇÃO
À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE
•Garantia dos Direitos Fundamentais
•Universalidade dos Serviços
•Qualidade no Atendimento
•Atenção Integral e Atuação Interdisciplinar
•Cumprimento do ECA
17
1. Publicização da Política de Atenção à Criança e Adolescente
2. Intersetorialidade articulando todas as ações
1. COMANDO ÚNICO das ações – Secretário de Desenvolvimento
Social, não é comando Governamental e outro não-governamental – o
comando é ÚNICO.

3. Criação de Serviços inexistentes e/ou com defasagem
4. Reestruturação da Rede de Serviços do Município (Públicos e
Privados) – Chamar para reunião em assembléia para
reestruturação da rede: abrigos, casas lares.  Fazendo a
CONSTRUÇÃO COLETIVA.
5. Transparência nas informações do orçamento com os critérios de
acesso aos serviços.
18
6.
7.
8.
9.

Articulação ente os serviços da mesma natureza
Garantia de participação do usuário nos serviços prestados
Articulação entre os Conselhos Municipais na execução da Política
Capacitação permanente dos sujeitos envolvidos (gestores,
conselheiros, técnicos, dirigentes, voluntários.
1. Registro  participação em cursos.

6. Divulgação dos serviços existentes no Município
7. Política Regionais na área de articulação entre as várias esferas
8. Legitimação – fortalecimento do CMDCA
1. Deliberar sobre políticas que fortaleçam e corroborem com a rede
19
1. Disposições Preliminares
2. Direitos Fundamentais
3. Prevenção
4. Política de Atendimento
5. Medidas de Proteção
6. Prática de Ato-Infracional
7. Medidas aos Pais e Responsáveis
8. Conselho Tutelar
9. Acesso à Justiça, Crimes e Infrações.

20
CMDCA – tem o papel de fiscalizar as entidades que compõem a rede de
proteção à criança e adolescente e deliberar sobre os recursos e a Política
referente ao Segmento.
CONSELHO TUTELAR – é o órgão responsável por re-estabelecer o
direito quando ele é violado. Não é órgão repressivo, nem pode fazer
atendimentos que substituam os filhos à sua rede.
MINISTÉRIO PÚBLICO – promove a proteção ao interesses individuais,
coletivos e difusos referente à infância e adolescência, representando ao
Judiciário quando há a violação de direitos.
JUDICIÁRIO – acolhe as representações do MP, aplicando medidas
cabíveis.
21
22
23
24
Instrumento Jurídico

Código de Menores

ECA

Concepção SócioJurídica

Doutrina de Situação
Irregular

Doutrina da
Proteção Integra

Nomenclatura

Menor Abandonado
Carente, Infrator
Delinqüente, Marginal

Criança, Adolescente
Situação de Risco Pessoal
e Social

Característica do
Atendimento

Controle, Disciplina
Perspectiva Individual
Patologia Social

Garantia de Atendimento de
qualidade e respeito à
individualidade

Instituição

Docilidade para manter a
ordem. Perspectiva
controladora e
repressora

Atendimento personalizado
e em pequenos grupos

25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
Neste caso
podemos
citar o
Bullying
...
seja ele na
escola, na
rua, em
casa, nos
brinquedos
domésticos,
ou até
mesmo nos
tratos
indevidos de
pais ou
responsáveis

60
61
62
Familiar,

63
Neste caso podemos comentar sobre a
conduta do aluno na escola, direito
violado por um ou mais de seus pares,
neste sentido este aluno pode ter seu
direito violado, violar direito de alguém,
ou ambos
64
De quanto em quanto tempo o CT fará
visitas para acompanhamento?!!!
65
Neste caso do aluno na escola, o Conselho Tutela solicita, requisita
(força de Juiz nesta hora) os profissionais de psicologia, assistência
social, pedagogia (outros) – para se sentarem TODOS para o estudo
de caso a fim de elaboração de PIA, caso seja necessário – sempre
propondo período de apresentação de relatórios, avaliação periódica
conjunta ou não.
66
67
Neste caso a Assistência Social pode extrapolar suas
ações na garantia de direitos da criança e do adolescente,
principalmente do que diz respeito ao recorte de renda.
68
69
70
71
72
73
ANOTAR TUDO
para que não
seja interpelado
negativamente
por ninguém,
LEMBRANDO
as ações SÃO
SÃO COLEGIADAS
COLEGIADAS

74
No caso de
necessidade
de ir ao
psicólogo,
requisita-se
transporte em
qualquer
secretaria:
saúde,
assistência,
transporte,
etc., a violação
de sua
requisição
deverá ser
questionada e
tomar as
medidas
cabíveis
75
76
77
78
79
poder familiar;

80
81
82
83
Caso o
Município
não possua
os serviços,
programas e
projetos
para o bom
andamento
das
demandas
do CT ...
talvez seja
por falta da
ação
referente a
esta
atribuição 
FALHOU o
CT

Deixar de
estudar a
matéria
orçamentária do
município,
deixar de
provocar seu
estudo e
aprimoramento,
pode ser
considerado
como FALTA do
CT ... FALHOU
o CT – crime.
84
85
86
87
88
O CT deve
elaborar
agenda de
palestras e
esclarecimentos, a
fim de
estreitar
relações,
afinar os
procedimentos e tornar
transparente
suas ações,
além de ser
sua
atribuição

89
90
O Presidente do CT não tem força interna no Conselho, no entanto deve ser o
representante do CT para fazer a interlocução entre estas instituições a fim de
estabelecer estreita relação, provocar a alimentação do IR ao Fundo CA. O CT deve
organizar-se para diversas tarefas, que por vezes INDIRETAS às ações CA.

91
Tornar a
universidade
aliada na
elaboração
de
diagnóstico
e condutas
científicas
dos diversos
atores do
SGD,
provocando
estudos e
pesquisas
na área DCA

92
93
Através do
SIPIA o CT
deve ser
importante
aliado na
construção
de Política
Pública para
a área DCA,
apontando
as áreas
descobertas
de ações
públicas,
bem como o
território a
ser
considerado
seu alvo
94
95
96
O Conselheiro Eficaz, no desempenho de suas atribuições
legais, precisa superar o senso comum e o comodismo
burocrático, ocupando os novos espaços de ação social com
criatividade e perseverança.
Pais, mães, tios, irmãos, crianças e adolescentes, juízes,
promotores, delegados, professores, médicos, dirigentes
de instituições particulares, padres, prefeitos, secretários
municipais, líderes comunitários, assistentes sociais,
psicólogos, vizinhos, parentes...
Esta é uma lista sem fim. O conselheiro tutelar, para
desempenhar o seu trabalho, precisa relacionar-se com
toda essa gente. Não é fácil. Não é impossível. É
necessário.
Para facilitar o seu trabalho, o conselheiro tutelar deve
estar sempre atento a isso e desenvolver habilidades
imprescindíveis:
97
• DE RELACIONAMENTO COM AS PESSOAS;
• DE CONVIVÊNCIA COMUNITÁRIA;
• DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO SOCIAL;
O conselheiro tutelar deve ser um construtor, um organizador, um
persuasor permanente, com ações que combatam os pequenos atos
malfeitos, improvisados, impensados e de horizonte curto. E,
principalmente, com um trabalho que incorpore genuinamente o alerta de
D. Paulo Evaristo Arns: não adianta a luta intensa por novas estruturas
organizacionais, sem a luta profunda por novos comportamentos.
O que fazer? Como agir para não permitir que o dia-a-dia do Conselho
Tutelar naufrague na mesmice, no formalismo, na acomodação?
Utilizando plenamente as capacidades e os recurso gerenciais destacados
a seguir:
98
99
100
No mundo GLOBALIZADO a
TAREFA de gestão de
informações é
IMPRESCINDÍVEL, capacitação
para a área = necessidade de
CNH, a resistência à informática,
nesta caso, pode ser
considerada como DESÍDIA

101
102
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
116
117
118
119
120
121
122
123
124
125
126
127
O Conselheiro Tutelar é,

antes de tudo,
um educador de crianças,
jovens e da comunidade.

128
129
130

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comentario Sobre Eca
Comentario Sobre  EcaComentario Sobre  Eca
Comentario Sobre Eca
guest9fe2149
 
Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creas
Orlei Almeida
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
ACTEBA
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
Alinebrauna Brauna
 
Cartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelarCartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelar
Impactto Cursos
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
marcaocampos
 
Deveres dos pais em relação á educação dos
Deveres dos pais em relação á educação dosDeveres dos pais em relação á educação dos
Deveres dos pais em relação á educação dos
Leonarda Macedo
 

Mais procurados (20)

Rede de Atendimento Nioaque Slides pbf cadunico
Rede de Atendimento Nioaque Slides pbf cadunicoRede de Atendimento Nioaque Slides pbf cadunico
Rede de Atendimento Nioaque Slides pbf cadunico
 
Comentario Sobre Eca
Comentario Sobre  EcaComentario Sobre  Eca
Comentario Sobre Eca
 
Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creas
 
Palestra sobre os 20 anos eca
Palestra sobre os 20 anos  ecaPalestra sobre os 20 anos  eca
Palestra sobre os 20 anos eca
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 
Conselho tutelar.pptx
Conselho tutelar.pptxConselho tutelar.pptx
Conselho tutelar.pptx
 
Resumo ECA
Resumo  ECAResumo  ECA
Resumo ECA
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
 
Convivência familiar e comunitária
Convivência familiar e comunitáriaConvivência familiar e comunitária
Convivência familiar e comunitária
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
Cartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelarCartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelar
 
Estatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescenteEstatuto da criança e do adolescente
Estatuto da criança e do adolescente
 
Deveres dos pais em relação á educação dos
Deveres dos pais em relação á educação dosDeveres dos pais em relação á educação dos
Deveres dos pais em relação á educação dos
 
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
Scfv 6 a 15 anos apresentacao (1)
 
Estatuto do Idoso
Estatuto do IdosoEstatuto do Idoso
Estatuto do Idoso
 
Metodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creasMetodologia de trabalho do creas
Metodologia de trabalho do creas
 
estatuto
estatuto estatuto
estatuto
 
Palestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnnPalestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnn
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 

Destaque

Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECA
claudiadmaia
 
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
Editora Síntese
 
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
VIROUCLIPTAQ
 
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista páginaConselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
Jhosyrene Oliveira
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescente
Adriano Monteiro
 
exploraçao infantil
exploraçao infantilexploraçao infantil
exploraçao infantil
nelson0
 
Apresentação direitos e deveres da criança
Apresentação   direitos e deveres da criançaApresentação   direitos e deveres da criança
Apresentação direitos e deveres da criança
Marlidia Pinheiro
 
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Luisa Sena
 

Destaque (20)

Conselho tutelar e a escola
Conselho tutelar e a escola Conselho tutelar e a escola
Conselho tutelar e a escola
 
Cartilha sobre os Direitos e Deveres da Criança...
Cartilha sobre os Direitos e Deveres da Criança...Cartilha sobre os Direitos e Deveres da Criança...
Cartilha sobre os Direitos e Deveres da Criança...
 
Direitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escolaDireitos e deveres na escola
Direitos e deveres na escola
 
Visão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECAVisão geral sobre o ECA
Visão geral sobre o ECA
 
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
Revista Síntese Direito Admisnitrativo #64
 
Projeto conselheiro tutelar 2
Projeto conselheiro tutelar   2Projeto conselheiro tutelar   2
Projeto conselheiro tutelar 2
 
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RSPalestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
Palestra para educação infanttil - CONSELHO TUTELAR / TAQ-RS
 
Abuso
AbusoAbuso
Abuso
 
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista páginaConselho tutelar e educação versão final-revista página
Conselho tutelar e educação versão final-revista página
 
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho InfantilPapel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
Papel Do Ct Na ErradicaçãO Do Trabalho Infantil
 
Conselho tutelar sudoeste
Conselho tutelar sudoesteConselho tutelar sudoeste
Conselho tutelar sudoeste
 
18 de Maio
18 de Maio 18 de Maio
18 de Maio
 
Estatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescenteEstatuto da criança e adolescente
Estatuto da criança e adolescente
 
Programa de erradicação do trabalho infantil 02
Programa de erradicação do trabalho infantil 02Programa de erradicação do trabalho infantil 02
Programa de erradicação do trabalho infantil 02
 
Causos do eca Você conhece alguma história real em que crianças e adolescente...
Causos do eca Você conhece alguma história real em que crianças e adolescente...Causos do eca Você conhece alguma história real em que crianças e adolescente...
Causos do eca Você conhece alguma história real em que crianças e adolescente...
 
exploraçao infantil
exploraçao infantilexploraçao infantil
exploraçao infantil
 
A importância do eca
A importância do ecaA importância do eca
A importância do eca
 
Apresentação direitos e deveres da criança
Apresentação   direitos e deveres da criançaApresentação   direitos e deveres da criança
Apresentação direitos e deveres da criança
 
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
 
Trabalho infantil
Trabalho infantilTrabalho infantil
Trabalho infantil
 

Semelhante a Capacitação conselho tutelar

O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
AugustoSvio2
 
Direitos, políticas públicas e participação
Direitos, políticas públicas e participaçãoDireitos, políticas públicas e participação
Direitos, políticas públicas e participação
guest116801
 
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Bruna Rangel
 
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptxArticulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
ssuser4d9949
 

Semelhante a Capacitação conselho tutelar (20)

Mesa_2_Trabalho_Infantil.pdf
Mesa_2_Trabalho_Infantil.pdfMesa_2_Trabalho_Infantil.pdf
Mesa_2_Trabalho_Infantil.pdf
 
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
 
Cartilha Jpg Final
Cartilha Jpg FinalCartilha Jpg Final
Cartilha Jpg Final
 
Marcos Rolim - Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
Marcos Rolim - Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e AdolescentesMarcos Rolim - Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
Marcos Rolim - Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
 
Trabalho 8 Metas do Milênio
Trabalho 8 Metas do MilênioTrabalho 8 Metas do Milênio
Trabalho 8 Metas do Milênio
 
SLIDE PERFEITO PETI.pptx
SLIDE PERFEITO PETI.pptxSLIDE PERFEITO PETI.pptx
SLIDE PERFEITO PETI.pptx
 
Direitos e deveres das Crianças e Adolescentes. Ministério Público, Escola e ...
Direitos e deveres das Crianças e Adolescentes. Ministério Público, Escola e ...Direitos e deveres das Crianças e Adolescentes. Ministério Público, Escola e ...
Direitos e deveres das Crianças e Adolescentes. Ministério Público, Escola e ...
 
8 Metas do Milênio (Grupo 01)
8 Metas do Milênio (Grupo 01)8 Metas do Milênio (Grupo 01)
8 Metas do Milênio (Grupo 01)
 
Trabalho 8 Metas do Milênio
Trabalho 8 Metas do MilênioTrabalho 8 Metas do Milênio
Trabalho 8 Metas do Milênio
 
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
 
MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO
MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO
MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Eca 25anos
Eca 25anosEca 25anos
Eca 25anos
 
Direitos, políticas públicas e participação
Direitos, políticas públicas e participaçãoDireitos, políticas públicas e participação
Direitos, políticas públicas e participação
 
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
 
IV CONFERÊNCIA DIREITOS CRIANÇA E ADOLESCENTE DE RIO CLARO
IV CONFERÊNCIA DIREITOS CRIANÇA E ADOLESCENTE DE RIO CLAROIV CONFERÊNCIA DIREITOS CRIANÇA E ADOLESCENTE DE RIO CLARO
IV CONFERÊNCIA DIREITOS CRIANÇA E ADOLESCENTE DE RIO CLARO
 
Eca E Ldb
Eca E LdbEca E Ldb
Eca E Ldb
 
ECA e LDB
ECA e LDBECA e LDB
ECA e LDB
 
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptxArticulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
Articulação-do-Sistema-de-Garantia-de-Direitos-Petrucia.pptx
 

Capacitação conselho tutelar

  • 1. 1
  • 2. 2
  • 3. Considerações Históricas Conceito Criança/Adolescente é nova – - 1693 – Carta à Portugal da Capitania onde hoje é Rio de Janeiro – solicitando autorização para se trabalhar com crianças. Comidos por cães e ratos. - 1726 – Casa dos Expostos na Bahia  Instituição não governamental criada pela Igreja. Roda dos Expostos  crianças eram colocadas na roda sem que se soubesse quem eram os pais – fruto da carência e relações extra-conjugais. - Século XIX 1896 – Mary Anny (EUA – Nova York) Símbolo do mau trato pelos pais – sem comida, mau-tratada, sem legislação a criança era propriedade dos pais. Denúncia ao órgão de defesa dos animais já existia, porém não havia nada em relação à criança. 3
  • 4. - 1913 – criação do Instituto 7 de Setembro – orfanato, internato  sem legislação – autoritarismo. - 1927 – Código de Mello Matos – Decreto 17.943-A. Submetidas à intervenção social – “Para desajuste social” – sem distinção à infração, orfandade, vítimas de violência. - 1940 – Departamento Nacional da Criança. -1941 – SAM – Serviço de Assistência ao Menor. - 1942 – LBA – Legião Brasileira da Assistência – Escândalo Rosiane Collor – pagamento de roupas. - 1948 – Declaração Universal dos Direitos Humanos, provocado pela 2ª Guerra através da ONU. 4
  • 5. - 1959 – Declaração Universal dos Direitos da Criança – indica que deve ser em caráter integral. - 1964 – FUNABEM e FEBEM (reflexo do SAM) - 1978 – PLIMEC – Plano de Integração do Menor na Família e Comunidade (Apoio à família ou contra-turno escolar) - 1979 – Código de Menores – Lei 6.697 de 10/10/1979. Lei pautada na doutrina de “Situação Irregular”. - 1988 – CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1989 – Convenção da ONU dos Direitos da Criança - 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. 5
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 8. •Centralismo burocrático – Programas Federais •Controle Social da população. Pobre = objeto passível de intervenção Estatal •Participação dos usuários com mão-de-obra •Instrumentalização Político Eleitoral, comprometendo o caráter social proposto. •Efeito político desmobilizador – sonegação da iniciativa e criatividade das bases comunitárias. •Desuniformidade dos critérios na distribuição de verbas •Não coincidência entre pauta de prioridade do Estado e as necessidades objetivas da comunidade. •Retenção da maior parte das verbas em atividades de intermediação e controle, sem acesso aos usuários. 8
  • 9. •Tratamento igual à situações diferentes •Visão do usuário como incapaz •Políticas fim – institucionalização como resposta a problemas •Orientação discriminatória por parte das instituições •Inacessibilidade total ao orçamento •Seletividade, clientelismo •Autoridade com força coercitiva •Poder centralizado na figura “Juiz de Menores” •Vadios e vagabundos que se mostram refratários •Ocorrência de paralelismo, desperdício, superposição e antagonismo entre os programas 9
  • 10. •Exclusão do acesso aos mínimos sociais •Determinação histórica •Violação de direitos humanos •20% mais ricos detém 65% da renda nacional •Maior concentração de pobreza no nordeste e regiões metropolitanas •PNAD – Pesquisa Nacional de Amostra Domiciliares – 1/3 das famílias abaixo da linha da pobreza •Empobrecimento crescente •Mapa da fome – ¼ da população infanto-juvenil (15 milhões estão em famílias consideradas indigentes) 10
  • 11. 11
  • 12. 12
  • 13. •Caráter emancipados, sócio-educativo, à pessoa em peculiaridade de de adequada Falta ser em desenvolvimento. •Garantia de direitos ≠s da discriminação aplicação e •Fiscalização de entidades com medidas de punição COMPREENSÃO do •Medidas pedagógicas de privação de liberdade •Instituição ECA corrobora do cumprimento do do CT, fiscalizador para o ECA aumento do grau de •Planejamento, critérios de seleção, democratização criminalidade dos e capacitação permanente. adolescentes! 13
  • 14. •Criança/Adolescente = prioridade absoluta •Políticas Sociais Básicas são direitos de todos (saúde, educação, esporte, lazer, cultura) •Políticas de Assistência Social como direito a quem dela necessita (abrigo, alimento, inclusão familiar) •Política de Proteção Especial – atendimento e encaminhamento especializado – situação de risco pessoal e social. •Participação das famílias, crianças e adolescentes. 14
  • 15. •Universalização e descentralização político-administrativa – participação popular •Criação de espaço comunitário para desenvolvimento das crianças e adolescentes •Previsão Orçamentária  Dotação orçamentária com prioridade absoluta – verificável de forma transparente •Transparência no trato da coisa pública •Articulação com a comunidade •Divulgação das atividades resultantes •Boletim Informativo do CT e do CMDCA para a comunidade •Legitimidade das instâncias políticas 15
  • 16. •Vida •Saúde •Respeito •Dignidade •Convivência familiar e Comunitária •Educação •Cultura •Esporte e Lazer •Profissionalização •Proteção no Trabalho 16
  • 17. POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE •Garantia dos Direitos Fundamentais •Universalidade dos Serviços •Qualidade no Atendimento •Atenção Integral e Atuação Interdisciplinar •Cumprimento do ECA 17
  • 18. 1. Publicização da Política de Atenção à Criança e Adolescente 2. Intersetorialidade articulando todas as ações 1. COMANDO ÚNICO das ações – Secretário de Desenvolvimento Social, não é comando Governamental e outro não-governamental – o comando é ÚNICO. 3. Criação de Serviços inexistentes e/ou com defasagem 4. Reestruturação da Rede de Serviços do Município (Públicos e Privados) – Chamar para reunião em assembléia para reestruturação da rede: abrigos, casas lares.  Fazendo a CONSTRUÇÃO COLETIVA. 5. Transparência nas informações do orçamento com os critérios de acesso aos serviços. 18
  • 19. 6. 7. 8. 9. Articulação ente os serviços da mesma natureza Garantia de participação do usuário nos serviços prestados Articulação entre os Conselhos Municipais na execução da Política Capacitação permanente dos sujeitos envolvidos (gestores, conselheiros, técnicos, dirigentes, voluntários. 1. Registro  participação em cursos. 6. Divulgação dos serviços existentes no Município 7. Política Regionais na área de articulação entre as várias esferas 8. Legitimação – fortalecimento do CMDCA 1. Deliberar sobre políticas que fortaleçam e corroborem com a rede 19
  • 20. 1. Disposições Preliminares 2. Direitos Fundamentais 3. Prevenção 4. Política de Atendimento 5. Medidas de Proteção 6. Prática de Ato-Infracional 7. Medidas aos Pais e Responsáveis 8. Conselho Tutelar 9. Acesso à Justiça, Crimes e Infrações. 20
  • 21. CMDCA – tem o papel de fiscalizar as entidades que compõem a rede de proteção à criança e adolescente e deliberar sobre os recursos e a Política referente ao Segmento. CONSELHO TUTELAR – é o órgão responsável por re-estabelecer o direito quando ele é violado. Não é órgão repressivo, nem pode fazer atendimentos que substituam os filhos à sua rede. MINISTÉRIO PÚBLICO – promove a proteção ao interesses individuais, coletivos e difusos referente à infância e adolescência, representando ao Judiciário quando há a violação de direitos. JUDICIÁRIO – acolhe as representações do MP, aplicando medidas cabíveis. 21
  • 22. 22
  • 23. 23
  • 24. 24
  • 25. Instrumento Jurídico Código de Menores ECA Concepção SócioJurídica Doutrina de Situação Irregular Doutrina da Proteção Integra Nomenclatura Menor Abandonado Carente, Infrator Delinqüente, Marginal Criança, Adolescente Situação de Risco Pessoal e Social Característica do Atendimento Controle, Disciplina Perspectiva Individual Patologia Social Garantia de Atendimento de qualidade e respeito à individualidade Instituição Docilidade para manter a ordem. Perspectiva controladora e repressora Atendimento personalizado e em pequenos grupos 25
  • 26. 26
  • 27. 27
  • 28. 28
  • 29. 29
  • 30. 30
  • 31. 31
  • 32. 32
  • 33. 33
  • 34. 34
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. 37
  • 38. 38
  • 39. 39
  • 40. 40
  • 41. 41
  • 42. 42
  • 43. 43
  • 44. 44
  • 45. 45
  • 46. 46
  • 47. 47
  • 48. 48
  • 49. 49
  • 50. 50
  • 51. 51
  • 52. 52
  • 53. 53
  • 54. 54
  • 55. 55
  • 56. 56
  • 57. 57
  • 58. 58
  • 59. 59
  • 60. Neste caso podemos citar o Bullying ... seja ele na escola, na rua, em casa, nos brinquedos domésticos, ou até mesmo nos tratos indevidos de pais ou responsáveis 60
  • 61. 61
  • 62. 62
  • 64. Neste caso podemos comentar sobre a conduta do aluno na escola, direito violado por um ou mais de seus pares, neste sentido este aluno pode ter seu direito violado, violar direito de alguém, ou ambos 64
  • 65. De quanto em quanto tempo o CT fará visitas para acompanhamento?!!! 65
  • 66. Neste caso do aluno na escola, o Conselho Tutela solicita, requisita (força de Juiz nesta hora) os profissionais de psicologia, assistência social, pedagogia (outros) – para se sentarem TODOS para o estudo de caso a fim de elaboração de PIA, caso seja necessário – sempre propondo período de apresentação de relatórios, avaliação periódica conjunta ou não. 66
  • 67. 67
  • 68. Neste caso a Assistência Social pode extrapolar suas ações na garantia de direitos da criança e do adolescente, principalmente do que diz respeito ao recorte de renda. 68
  • 69. 69
  • 70. 70
  • 71. 71
  • 72. 72
  • 73. 73
  • 74. ANOTAR TUDO para que não seja interpelado negativamente por ninguém, LEMBRANDO as ações SÃO SÃO COLEGIADAS COLEGIADAS 74
  • 75. No caso de necessidade de ir ao psicólogo, requisita-se transporte em qualquer secretaria: saúde, assistência, transporte, etc., a violação de sua requisição deverá ser questionada e tomar as medidas cabíveis 75
  • 76. 76
  • 77. 77
  • 78. 78
  • 79. 79
  • 81. 81
  • 82. 82
  • 83. 83
  • 84. Caso o Município não possua os serviços, programas e projetos para o bom andamento das demandas do CT ... talvez seja por falta da ação referente a esta atribuição  FALHOU o CT Deixar de estudar a matéria orçamentária do município, deixar de provocar seu estudo e aprimoramento, pode ser considerado como FALTA do CT ... FALHOU o CT – crime. 84
  • 85. 85
  • 86. 86
  • 87. 87
  • 88. 88
  • 89. O CT deve elaborar agenda de palestras e esclarecimentos, a fim de estreitar relações, afinar os procedimentos e tornar transparente suas ações, além de ser sua atribuição 89
  • 90. 90
  • 91. O Presidente do CT não tem força interna no Conselho, no entanto deve ser o representante do CT para fazer a interlocução entre estas instituições a fim de estabelecer estreita relação, provocar a alimentação do IR ao Fundo CA. O CT deve organizar-se para diversas tarefas, que por vezes INDIRETAS às ações CA. 91
  • 92. Tornar a universidade aliada na elaboração de diagnóstico e condutas científicas dos diversos atores do SGD, provocando estudos e pesquisas na área DCA 92
  • 93. 93
  • 94. Através do SIPIA o CT deve ser importante aliado na construção de Política Pública para a área DCA, apontando as áreas descobertas de ações públicas, bem como o território a ser considerado seu alvo 94
  • 95. 95
  • 96. 96
  • 97. O Conselheiro Eficaz, no desempenho de suas atribuições legais, precisa superar o senso comum e o comodismo burocrático, ocupando os novos espaços de ação social com criatividade e perseverança. Pais, mães, tios, irmãos, crianças e adolescentes, juízes, promotores, delegados, professores, médicos, dirigentes de instituições particulares, padres, prefeitos, secretários municipais, líderes comunitários, assistentes sociais, psicólogos, vizinhos, parentes... Esta é uma lista sem fim. O conselheiro tutelar, para desempenhar o seu trabalho, precisa relacionar-se com toda essa gente. Não é fácil. Não é impossível. É necessário. Para facilitar o seu trabalho, o conselheiro tutelar deve estar sempre atento a isso e desenvolver habilidades imprescindíveis: 97
  • 98. • DE RELACIONAMENTO COM AS PESSOAS; • DE CONVIVÊNCIA COMUNITÁRIA; • DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO SOCIAL; O conselheiro tutelar deve ser um construtor, um organizador, um persuasor permanente, com ações que combatam os pequenos atos malfeitos, improvisados, impensados e de horizonte curto. E, principalmente, com um trabalho que incorpore genuinamente o alerta de D. Paulo Evaristo Arns: não adianta a luta intensa por novas estruturas organizacionais, sem a luta profunda por novos comportamentos. O que fazer? Como agir para não permitir que o dia-a-dia do Conselho Tutelar naufrague na mesmice, no formalismo, na acomodação? Utilizando plenamente as capacidades e os recurso gerenciais destacados a seguir: 98
  • 99. 99
  • 100. 100
  • 101. No mundo GLOBALIZADO a TAREFA de gestão de informações é IMPRESCINDÍVEL, capacitação para a área = necessidade de CNH, a resistência à informática, nesta caso, pode ser considerada como DESÍDIA 101
  • 102. 102
  • 103. 103
  • 104. 104
  • 105. 105
  • 106. 106
  • 107. 107
  • 108. 108
  • 109. 109
  • 110. 110
  • 111. 111
  • 112. 112
  • 113. 113
  • 114. 114
  • 115. 115
  • 116. 116
  • 117. 117
  • 118. 118
  • 119. 119
  • 120. 120
  • 121. 121
  • 122. 122
  • 123. 123
  • 124. 124
  • 125. 125
  • 126. 126
  • 127. 127
  • 128. O Conselheiro Tutelar é, antes de tudo, um educador de crianças, jovens e da comunidade. 128
  • 129. 129
  • 130. 130