SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOFERTILIZANTES
Josimar Rodrigues Oliveira
MARI – PB, 2009.
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Primeira etapa antes de se realizar correções
ou adubações;
Alguns cuidados devem ser tomados na
amostragem;
Análise laboratorial não corrige os erros
cometidos na coleta;
Para se obter amostras que sejam
representativas da área deve-se seguir
alguns passos.
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Subdividir a área a ser amostrada em glebas
ou talhões homogêneos;
Observar cor do solo, textura, drenagem,
vegetação, relevo, cultura anterior, histórico e
manejo;
Deve-se coletar várias amostras simples de
forma aleatória;
Coletar no mínimo 20 pontos e formar uma
amostra composta.
Campus Bambuí
Campus BambuíCampus Bambuí
Encosta mais suave com
Agricultura esporádica Pastagem no Sopé da
Encosta
Relevo Suave
Ondulado
Pastagem nativa com
drenagem deficiente
Recebeu Calagem
Não Recebeu Calagem
Cor Acinzentada
Cor Amarelada
Encosta Ingreme
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Para culturas perenes deve-se observar
cultivares, idade da planta e produtividade;
As amostras coletadas devem ser colocadas
em recipiente de plástico;
Não se deve ter contato da amostra com as
mãos do operador;
Misturar de forma homogênea as amostras
simples;
Retirar 300 a 500 g de amostra composta
para análise.
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Colocar a amostra em saco plástico;
Identificar a amostra;
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Pode-se retirar amostras com vários
equipamentos:
Campus Bambuí
Trado de
Rosca
Trado
Sonda
Trado
Holandês Pá de Corte
Amostragem de Solos
Quando utilizado trado holandês ou pá de
corte retirar somente fatia central;
Profundidade da amostragem depende do
objetivo, cultura e sistema;
Culturas anuais (S. Convencional): 0-20 cm;
Correções Subsuperficiais: 20-40 e 40-60 cm;
Plantio de Culturas Perenes: 0-20 e 20-40 cm;
Formação de Pastagens: 0-20 cm.
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Culturas anuais (Plantio Direto): 0-10 cm;
Manutenção de culturas perenes e pastagens:
0-10 cm;
Campo Nativo (Plantio sem revolvimento):0-10
cm;
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Amostragem em área de Plantio Direto:
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Amostragem em área de culturas perenes:
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
ATENÇÃO !!!!!
Não retirar amostras próximo a casas,
currais, brejos, voçorocas, estradas, etc;
Nunca utilizar materiais ou recipientes sujos
para amostragem;
Não utilizar sacos de cimento, adubo, ração
ou defensivos;
Não utilizar saquinhos ou caixinhas de leite
para guardar amostras.
Campus Bambuí
Amostragem de Solos
Coletar e enviar as amostras com
antecedência ao plantio;
Para culturas instaladas coletar e enviar no
período da seca;
Análise deve ser anual em áreas de cultivo
intenso;
Guardar as análises de solo das glebas,
formando um histórico.
Campus Bambuí
Adubação Mineral
Fornecimento de Macro e Micronutrientes;
Alta concentração de nutrientes;
Adubos simples e Formulados;
Deve-se utilizar seguindo recomendações
conforme análise de solo;
Pode ser associada com adubação orgânica
ou biofertilizantes.
Campus Bambuí
O que são biofertilizantes?
Fertilizantes com a presença de
microrganismos vivos;
Preparados com esterco, água ou outros
materiais;
Podem ser enriquecidos com alguns
minerais;
Podem ser líquidos ou em forma de
compostos.
Campus Bambuí
Como são preparados?
Preparados com material de baixo custo e
fácil acesso;
São utilizados leite, soro, garapa de cana,
esterco fresco e outros como fonte de
microrganismos;
Utiliza-se capins e outros diversos materiais
para elaboração.
Campus Bambuí
Vantagens dos biofertilizantes
Nutrição vegetal;
Reaproveitamento de resíduos;
Confere resistência contra pragas e doenças;
Fácil manejo;
Custo mínimo ao produtor;
Equilíbrio biológico na lavoura;
Campus Bambuí
AGROBIO (PESAGRO – RJ)
Adubo Foliar;
200 L de água;
100 L de esterco bovino fresco;
20 L de leite de vaca ou soro de leite;
3 Kg de melaço de cana;
Misturar bem e deixar fermentar durante 7
dias;
Misturar 2 vezes ao dia na primeira semana;
Campus Bambuí
AGROBIO (PESAGRO – RJ)
A cada 7 dias nas sete primeiras semanas
acrescentar:
430 g de ácido bórico;
570 g de cinza de lenha;
850 g de cloreto de cálcio;
43 g de sulfato ferroso;
60 g de farinha de osso;
60 g de farinha de carne;
Campus Bambuí
AGROBIO (PESAGRO – RJ)
143 g de termofosfato magnesiano;
1,5 Kg de melaço;
30 g de Molibdato de Sódio;
30 g de Sulfato de Cobalto;
43 g de Sulfato de Cobre;
86 g de Sulfato de Manganês;
143 g de Sulfato de Magnésio.
Campus Bambuí
AGROBIO (PESAGRO – RJ)
57 g de Sulfato de Zinco;
29 g de Torta de Mamona;
Nas 4 últimas semanas adicionar 500 ml de
urina de vaca;
Após oito semanas completar o volume para
500 litros;
Coar e diluir para utilização conforme
recomendações.
Campus Bambuí
AGROBIO (PESAGRO – RJ)
Tratamento de Mudas: 400 ml em 20 L de
água;
Hortaliças folhosas: 800 ml em 20 L de água
(no dia do transplantio e 1 semana depois);
Hortaliças de Fruto: 800 ml em 20 L de água
semanalmente;
Frutíferas: 800 ml em 20 L de água ( 5
pulverizações por ano);
Validade do produto: 1 ano.
Campus Bambuí
VAIRO (EMATER – RJ)
100 L de esterco bovino fresco;
100 L de água;
Colocar em tambor de 200 L;
Deixar espaço vazio de 15 a 20 cm;
Vedar tambor;
Colocar mangueira plástica fina adaptada
com outra extremidade mergulhada dentro de
uma garrafa com água.
Campus Bambuí
VAIRO (EMATER – RJ)
Deixar durante 30 dias;
Coar, filtrar e usar a parte líquida
imediatamente após o preparo;
Parte sólida pode ser utilizada como adubo
em cova ou compostagem;
Diluir 300 ml em 1 L de água e pulverizar;
Pode ser utilizado puro (100%) como
bactericida de solo.
Campus Bambuí
TINOCÃO (EMATER – MG)
Adubo Foliar e de Solo;
Tambor de 200 L;
30 Kg de esterco de curral fresco;
10 Kg de esterco novo de galinha caipira ou
cama de frango;
2 L de leite integral;
2 l de garapa ou 5 Kg de açucar;
5 Kg de cinza de madeira;
Campus Bambuí
TINOCÃO (EMATER – MG)
1 Kg de termofosfato magnesiano ou 5 Kg de
fosfato natural;
1 Kg de FTE BR 12 (dividido em 3 vezes);
5 Kg de diversas folhas trituradas;
Colocar esterco fresco no tambor e
acrescentar demais ingredientes;
FTE deverá ser colocado 335 g por semana,
durante 3 semanas.
Campus Bambuí
TINOCÃO (EMATER – MG)
Completar o tambor com água pura;
Deixar espaço de 15 a 20 cm;
Agitar bem para uniformizar a mistura;
Pode-se deixar o tambor aberto;
Agitar diariamente de 2 a 3 vezes por dia
durante 15 primeiros dias;
Agitar 1 vez por dia após os 15 dias de
fermentação.
Campus Bambuí
TINOCÃO (EMATER – MG)
Coar, filtrar e diluir para pulverizar conforme
recomendações;
A parte sólida pode ser utilizada em canteiros
ou em covas como adubo orgânico;
Aplicação via foliar: 1 L em 20 L de água;
Aplicação via solo: 6 a 10 L em 20 L de água;
Pode-se aplicar quinzenalmente.
Campus Bambuí
URINA DE VACA
Adubação foliar e controle de pragas e
doenças;
Possui em média: N, P, K, Ca, Mg, Fe, S, Mn,
Co, Zn, B e Na;
pH em torno de 7,6;
Colete 500 ml e deixe em recipiente fechado
por 10 dias;
Em recipiente fechado conserva as
propriedades por 1 ano.
Campus Bambuí
URINA DE VACA
Diluir e pulverizar após o período de 10 dias
da coleta;
Frutíferas: 500 ml em 10 L de água;
Hortaliças folhosas: 50 ml em 10 L de água;
Outras hortaliças: 100 ml em 10 L de água;
Café: 500 ml em 10 L de água, realizar 4
pulverizações por ano;
Campus Bambuí
URINA DE VACA
Controle de Bicho Mineiro na cafeicultura: 3
litros em 20 L de água;
Adubação de cobertura em mudas: 500 ml
em 20 L de água;
Para Tomate, Pimentão, Jiló, Berinjela,
Batata Inglesa e Pimentas: 150 ml em 20 L
de água;
Tratamento de sementes, manivas de
mandioca e toletes de cana: imersão por 1
minuto em urina pura.
Campus Bambuí
URINA DE VACA ENRIQUECIDA
Adubação foliar e controle de pragas e
doenças;
200 ml de Urina de Vaca;
100 g de Farinha de Trigo em 1 L de água;
50 g de Sabão em 1 L de água quente;
18 L de água;
Pulverizar molhando bem todas as folhas;
Pulverizar nas horas mais frescas do dia.
Campus Bambuí
BIOGEO (EMATER – MG)
Adubo Foliar e de Solo;
Tambor de 200 L;
30 Kg de resto ruminal;
20 a 30 Kg de esterco fresco de curral;
10 Kg de folhas e restos vegetais;
5 L de garapa ou 5 Kg de açucar;
Campus Bambuí
BIOGEO (EMATER – MG)
Pode ser enriquecido com fosfato natural ou
pó de carvão;
Misturar todos os ingredientes e deixar
fermentar durante 20 a 30 dias;
Agitar diariamente de 2 a 3 vezes por dia;
Coar e pulverizar seguindo dosagens;
Aplicação foliar: 1 litro em 20 L de água;
Aplicação via solo: 6 a 10 litros em 20 L de
água.
Campus Bambuí
COMPOSTO ORGÂNICO
(EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG)
Adubo de Solo;
1 carrinho de esterco bovino;
2,5 carrinhos de resíduos vegetais;
½ carrinho de folhas de Mamona;
400 g de fosfato natural ou farinha de osso;
400 g de cinzas;
200 g de sulfato duplo de potássio e
magnésio.
Campus Bambuí
COMPOSTO ORGÂNICO
(EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG)
Colocar uma camada de 20 cm de palha ou
capim;
Colocar sobre esse uma camada de 5 cm da
mistura com esterco;
Intercalar camadas;
Umedecer o material;
Cobrir a pilha de compostagem depois de
pronta com folhas de bananeira, capins, etc.
Campus Bambuí
COMPOSTO ORGÂNICO
(EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG)
O período de compostagem pode variar de
30 a 90 dias;
Não necessita fazer a reviragem deste tipo
de composto;
Se acrescentar alguma fonte de
microrganismos acelera o processo;
Quanto mais triturado o material, mais rápida
é a compostagem.
Campus Bambuí
BOKASHI (EMATER –MG)
Adubo orgânico de plantio;
Utilizado para culturas exigentes;
250 Kg de terra virgem de barranco;
100 Kg de esterco de galinha ou cama de
frango;
100 Kg de farelo de arroz;
75 Kg de farinha de osso;
1 L de microrganismos diluidos em 20 L de
água.
Campus Bambuí
BOKASHI (EMATER –MG)
Deixar fermentar por 7 a 10 dias;
Revirar 3 vezes ao dias nos 4 primeiros dias;
Utilizar nas dosagens recomendadas após o
período de fermentação;
Canteiro para hortaliças: 200 a 300 g/m²;
Sulcos de plantio: 150 a 200 g/m;
Plantio de frutíferas: 500 g/cova;
Outras culturas: 300 g/cova.
Campus Bambuí
RESÍDUO DA FERMENTAÇÃO DO MELAÇO
(PENTEADO, 1999)
Adubo foliar orgânico;
Resíduo da fermentação biológica do
melaço;
Rico em N, K, S e aminoácidos;
Recomendado para o controle de oídio em
abobrinha e pepino;
2,5 Kg de resíduo do melaço;
100 litros de água;
Pulverizar semanalmente;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
Adubo foliar;
Fonte suplementar de micronutrientes;
Inibidor de fungos e bactérias;
Aumenta a resistência vegetal contra insetos
e ácaros;
Recomendado para culturas de uva,
pêssego, maçã, tomate, batata e hortaliças
em geral;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
Recipiente de 200 L;
40 L de esterco de curral fresco;
100 L de água;
1 L de leite;
500 g de açúcar;
Misturar bem e deixar fermentar por 3 dias;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
A cada 5 dias adicionar um dos componentes
abaixo diluidos em 2 L de água morna + 1 L
de leite + 0,5 Kg de açúcar;
1,5 Kg de Sulfato de Zinco + 200 g de farinha
de osso;
1,5 Kg de Sulfato de Zinco + 500 g de
Carcaça de peixes;
1 Kg de Sulfato de Magnésio + 100 g de
Sangue animal.
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
300 g de Sulfato de Manganês + 200 g de
fígado moído;
300 g de Sulfato de Cobre;
2 Kg de Cloreto de Cálcio;
500 g de Ácido Bórico ou Bórax;
500 g de Ácido Bórico ou Bórax (2ª dose);
125 g de Cofermol (Co, Fe, Mo).
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
Após adicionar todos os sais na ordem
recomendada completar até 180 L;
Tampar o recipiente e deixar fermentar
durante 30 dias no verão e 45 no inverno;
Aplicar via foliar nas dosagens
recomendadas;
Frutíferas e hortaliças: 400 ml em 20 L de
água;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999)
Tomate: 800 ml em 20 L de água;
Outras culturas: 200 ml a 1 L em 20 L de
água;
Pulverizar quinzenalmente culturas perenes;
Tomate e hortaliças de fruto pulverizar
semanalmente;
Outras hortaliças pulverizar de 20 em 20
dias.
Campus Bambuí
BIOFERTILIZANTE AERÓBIO ENRIQUECIDO
Adubo foliar e de solo;
Tambor de 200 L;
40 Kg de esterco fresco de curral;
10 Kg de esterco fresco de aves;
2 latas de 20 L de diversas folhas verdes;
3 L de leite ou soro sem sal;
1 Kg de açúcar;
1 Kg de cinzas;
Campus Bambuí
BIOFERTILIZANTE AERÓBIO ENRIQUECIDO
1 Kg de calcário;
Completar com água e mexer bem;
Deixar fermentar de 7 a 10 dias;
Coar e utilizar;
Diluir 400 ml em 20 L de água para
pulverização foliar;
Diluir 4 L em 20 L de água para adubação via
solo.
Campus Bambuí
BIOFERTILIZANTE DE ESTERCO E CAPIM
Adubação foliar;
50 Kg de esterco de gado fresco;
5 Kg de capim;
50 litros de água;
Preparar tampado com mangueira para saída
de gás mergulhada em água;
Deixar fermentar durante 40 dias;
Diluir 1 L em 10 L de água e pulverizar.
Campus Bambuí
SUPERMAGRO ORGÂNICO
Adubo foliar;
Tambor de 200 L;
40 Kg de esterco de gado fresco;
6 Kg de mato fresco;
Adicionar durante seis vezes seguidas de 5
em 5 dias a mistura recomendada;
Aplicar mensalmente 1 litro diluido em 20 L
de água;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO ORGÂNICO
Mistura recomendada para Supermagro
Orgânico:
1 Kg de micronutrientes (sais café);
1 litro de leite;
500 g de açúcar;
Campus Bambuí
SUPERMAGRO ORGÂNICO
100 ml de microrganismos vivos;
500 g de calcário;
1,2 litros de sangue animal;
200g de farinha de osso.
Campus Bambuí
OBRIGADO!
Josimar Rodrigues Oliveira
josimarodrigues@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
Geagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Agroecologia controle de pragas e doenças
Agroecologia controle de pragas e doençasAgroecologia controle de pragas e doenças
Agroecologia controle de pragas e doenças
Carol Daemon
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Ariana Francielle
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Giovani de Oliveira Arieira
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
Tayza Taveira
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
Geagra UFG
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Revista Cafeicultura
 
Tomate
TomateTomate
Sistema de cultivo na produção de hortaliças
Sistema de cultivo na produção de hortaliçasSistema de cultivo na produção de hortaliças
Sistema de cultivo na produção de hortaliças
Rural Pecuária
 

Mais procurados (20)

AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Agroecologia controle de pragas e doenças
Agroecologia controle de pragas e doençasAgroecologia controle de pragas e doenças
Agroecologia controle de pragas e doenças
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
 
Tomate
TomateTomate
Tomate
 
Sistema de cultivo na produção de hortaliças
Sistema de cultivo na produção de hortaliçasSistema de cultivo na produção de hortaliças
Sistema de cultivo na produção de hortaliças
 

Semelhante a Biofertilizantes

272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia
Paulo Do Amaral
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
João Siqueira da Mata
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Receita do biogel
Receita do biogelReceita do biogel
Receita do biogel
Jorge Ferreira
 
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdfe-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
Ronaldo Fernandes
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
Lenildo Araujo
 
1. composto orgânico
1. composto orgânico1. composto orgânico
1. composto orgânico
Deivi Santos Deivi
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
Lenildo Araujo
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
Leonardo Martins Santana
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapa
Alexandre Panerai
 
Compostagem.pdf
Compostagem.pdfCompostagem.pdf
Compostagem.pdf
AlexRibeiro747577
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
Embrapa Milho e Sorgo
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
pauloweimann
 
Forragicultura e-pastagens-22
Forragicultura e-pastagens-22Forragicultura e-pastagens-22
Forragicultura e-pastagens-22
Gerson Ndafa
 
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
Revista Cafeicultura
 

Semelhante a Biofertilizantes (20)

272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Receita do biogel
Receita do biogelReceita do biogel
Receita do biogel
 
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdfe-book-bambu-broto-comestível.pdf
e-book-bambu-broto-comestível.pdf
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
 
1. composto orgânico
1. composto orgânico1. composto orgânico
1. composto orgânico
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapa
 
Compostagem.pdf
Compostagem.pdfCompostagem.pdf
Compostagem.pdf
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
 
Forragicultura e-pastagens-22
Forragicultura e-pastagens-22Forragicultura e-pastagens-22
Forragicultura e-pastagens-22
 
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
Matiello Avanços Tecnológicos - Apresentação 9º Agrocafé 2008
 

Mais de Josimar Oliveira

Batata Semente
Batata SementeBatata Semente
Batata Semente
Josimar Oliveira
 
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mateProporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Josimar Oliveira
 
Produção e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de BonsaiProdução e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de Bonsai
Josimar Oliveira
 
Plantas carnívoras
Plantas carnívorasPlantas carnívoras
Plantas carnívoras
Josimar Oliveira
 
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadasManejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Josimar Oliveira
 
Granitos
GranitosGranitos
Deficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do soloDeficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do solo
Josimar Oliveira
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
Josimar Oliveira
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Josimar Oliveira
 
Colheita florestal
Colheita florestalColheita florestal
Colheita florestal
Josimar Oliveira
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
Josimar Oliveira
 
Utilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’sUtilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’s
Josimar Oliveira
 

Mais de Josimar Oliveira (14)

Batata Semente
Batata SementeBatata Semente
Batata Semente
 
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mateProporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
Proporção de sexo e produtividade de massa foliar da erva mate
 
Produção e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de BonsaiProdução e nutrição de Bonsai
Produção e nutrição de Bonsai
 
Plantas carnívoras
Plantas carnívorasPlantas carnívoras
Plantas carnívoras
 
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadasManejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
Manejo de fertilidade de solo em áreas degradadas
 
Granitos
GranitosGranitos
Granitos
 
Deficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do soloDeficiência de fertilidade do solo
Deficiência de fertilidade do solo
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Colheita florestal
Colheita florestalColheita florestal
Colheita florestal
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
 
Utilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’sUtilização correta de EPI’s
Utilização correta de EPI’s
 

Biofertilizantes

  • 2. Amostragem de Solos Primeira etapa antes de se realizar correções ou adubações; Alguns cuidados devem ser tomados na amostragem; Análise laboratorial não corrige os erros cometidos na coleta; Para se obter amostras que sejam representativas da área deve-se seguir alguns passos. Campus Bambuí
  • 3. Amostragem de Solos Subdividir a área a ser amostrada em glebas ou talhões homogêneos; Observar cor do solo, textura, drenagem, vegetação, relevo, cultura anterior, histórico e manejo; Deve-se coletar várias amostras simples de forma aleatória; Coletar no mínimo 20 pontos e formar uma amostra composta. Campus Bambuí
  • 4. Campus BambuíCampus Bambuí Encosta mais suave com Agricultura esporádica Pastagem no Sopé da Encosta Relevo Suave Ondulado Pastagem nativa com drenagem deficiente Recebeu Calagem Não Recebeu Calagem Cor Acinzentada Cor Amarelada Encosta Ingreme
  • 13. Amostragem de Solos Para culturas perenes deve-se observar cultivares, idade da planta e produtividade; As amostras coletadas devem ser colocadas em recipiente de plástico; Não se deve ter contato da amostra com as mãos do operador; Misturar de forma homogênea as amostras simples; Retirar 300 a 500 g de amostra composta para análise. Campus Bambuí
  • 14. Amostragem de Solos Colocar a amostra em saco plástico; Identificar a amostra; Campus Bambuí
  • 16. Amostragem de Solos Pode-se retirar amostras com vários equipamentos: Campus Bambuí Trado de Rosca Trado Sonda Trado Holandês Pá de Corte
  • 17. Amostragem de Solos Quando utilizado trado holandês ou pá de corte retirar somente fatia central; Profundidade da amostragem depende do objetivo, cultura e sistema; Culturas anuais (S. Convencional): 0-20 cm; Correções Subsuperficiais: 20-40 e 40-60 cm; Plantio de Culturas Perenes: 0-20 e 20-40 cm; Formação de Pastagens: 0-20 cm. Campus Bambuí
  • 18. Amostragem de Solos Culturas anuais (Plantio Direto): 0-10 cm; Manutenção de culturas perenes e pastagens: 0-10 cm; Campo Nativo (Plantio sem revolvimento):0-10 cm; Campus Bambuí
  • 19. Amostragem de Solos Amostragem em área de Plantio Direto: Campus Bambuí
  • 20. Amostragem de Solos Amostragem em área de culturas perenes: Campus Bambuí
  • 21. Amostragem de Solos ATENÇÃO !!!!! Não retirar amostras próximo a casas, currais, brejos, voçorocas, estradas, etc; Nunca utilizar materiais ou recipientes sujos para amostragem; Não utilizar sacos de cimento, adubo, ração ou defensivos; Não utilizar saquinhos ou caixinhas de leite para guardar amostras. Campus Bambuí
  • 22. Amostragem de Solos Coletar e enviar as amostras com antecedência ao plantio; Para culturas instaladas coletar e enviar no período da seca; Análise deve ser anual em áreas de cultivo intenso; Guardar as análises de solo das glebas, formando um histórico. Campus Bambuí
  • 23. Adubação Mineral Fornecimento de Macro e Micronutrientes; Alta concentração de nutrientes; Adubos simples e Formulados; Deve-se utilizar seguindo recomendações conforme análise de solo; Pode ser associada com adubação orgânica ou biofertilizantes. Campus Bambuí
  • 24. O que são biofertilizantes? Fertilizantes com a presença de microrganismos vivos; Preparados com esterco, água ou outros materiais; Podem ser enriquecidos com alguns minerais; Podem ser líquidos ou em forma de compostos. Campus Bambuí
  • 25. Como são preparados? Preparados com material de baixo custo e fácil acesso; São utilizados leite, soro, garapa de cana, esterco fresco e outros como fonte de microrganismos; Utiliza-se capins e outros diversos materiais para elaboração. Campus Bambuí
  • 26. Vantagens dos biofertilizantes Nutrição vegetal; Reaproveitamento de resíduos; Confere resistência contra pragas e doenças; Fácil manejo; Custo mínimo ao produtor; Equilíbrio biológico na lavoura; Campus Bambuí
  • 27. AGROBIO (PESAGRO – RJ) Adubo Foliar; 200 L de água; 100 L de esterco bovino fresco; 20 L de leite de vaca ou soro de leite; 3 Kg de melaço de cana; Misturar bem e deixar fermentar durante 7 dias; Misturar 2 vezes ao dia na primeira semana; Campus Bambuí
  • 28. AGROBIO (PESAGRO – RJ) A cada 7 dias nas sete primeiras semanas acrescentar: 430 g de ácido bórico; 570 g de cinza de lenha; 850 g de cloreto de cálcio; 43 g de sulfato ferroso; 60 g de farinha de osso; 60 g de farinha de carne; Campus Bambuí
  • 29. AGROBIO (PESAGRO – RJ) 143 g de termofosfato magnesiano; 1,5 Kg de melaço; 30 g de Molibdato de Sódio; 30 g de Sulfato de Cobalto; 43 g de Sulfato de Cobre; 86 g de Sulfato de Manganês; 143 g de Sulfato de Magnésio. Campus Bambuí
  • 30. AGROBIO (PESAGRO – RJ) 57 g de Sulfato de Zinco; 29 g de Torta de Mamona; Nas 4 últimas semanas adicionar 500 ml de urina de vaca; Após oito semanas completar o volume para 500 litros; Coar e diluir para utilização conforme recomendações. Campus Bambuí
  • 31. AGROBIO (PESAGRO – RJ) Tratamento de Mudas: 400 ml em 20 L de água; Hortaliças folhosas: 800 ml em 20 L de água (no dia do transplantio e 1 semana depois); Hortaliças de Fruto: 800 ml em 20 L de água semanalmente; Frutíferas: 800 ml em 20 L de água ( 5 pulverizações por ano); Validade do produto: 1 ano. Campus Bambuí
  • 32. VAIRO (EMATER – RJ) 100 L de esterco bovino fresco; 100 L de água; Colocar em tambor de 200 L; Deixar espaço vazio de 15 a 20 cm; Vedar tambor; Colocar mangueira plástica fina adaptada com outra extremidade mergulhada dentro de uma garrafa com água. Campus Bambuí
  • 33. VAIRO (EMATER – RJ) Deixar durante 30 dias; Coar, filtrar e usar a parte líquida imediatamente após o preparo; Parte sólida pode ser utilizada como adubo em cova ou compostagem; Diluir 300 ml em 1 L de água e pulverizar; Pode ser utilizado puro (100%) como bactericida de solo. Campus Bambuí
  • 34. TINOCÃO (EMATER – MG) Adubo Foliar e de Solo; Tambor de 200 L; 30 Kg de esterco de curral fresco; 10 Kg de esterco novo de galinha caipira ou cama de frango; 2 L de leite integral; 2 l de garapa ou 5 Kg de açucar; 5 Kg de cinza de madeira; Campus Bambuí
  • 35. TINOCÃO (EMATER – MG) 1 Kg de termofosfato magnesiano ou 5 Kg de fosfato natural; 1 Kg de FTE BR 12 (dividido em 3 vezes); 5 Kg de diversas folhas trituradas; Colocar esterco fresco no tambor e acrescentar demais ingredientes; FTE deverá ser colocado 335 g por semana, durante 3 semanas. Campus Bambuí
  • 36. TINOCÃO (EMATER – MG) Completar o tambor com água pura; Deixar espaço de 15 a 20 cm; Agitar bem para uniformizar a mistura; Pode-se deixar o tambor aberto; Agitar diariamente de 2 a 3 vezes por dia durante 15 primeiros dias; Agitar 1 vez por dia após os 15 dias de fermentação. Campus Bambuí
  • 37. TINOCÃO (EMATER – MG) Coar, filtrar e diluir para pulverizar conforme recomendações; A parte sólida pode ser utilizada em canteiros ou em covas como adubo orgânico; Aplicação via foliar: 1 L em 20 L de água; Aplicação via solo: 6 a 10 L em 20 L de água; Pode-se aplicar quinzenalmente. Campus Bambuí
  • 38. URINA DE VACA Adubação foliar e controle de pragas e doenças; Possui em média: N, P, K, Ca, Mg, Fe, S, Mn, Co, Zn, B e Na; pH em torno de 7,6; Colete 500 ml e deixe em recipiente fechado por 10 dias; Em recipiente fechado conserva as propriedades por 1 ano. Campus Bambuí
  • 39. URINA DE VACA Diluir e pulverizar após o período de 10 dias da coleta; Frutíferas: 500 ml em 10 L de água; Hortaliças folhosas: 50 ml em 10 L de água; Outras hortaliças: 100 ml em 10 L de água; Café: 500 ml em 10 L de água, realizar 4 pulverizações por ano; Campus Bambuí
  • 40. URINA DE VACA Controle de Bicho Mineiro na cafeicultura: 3 litros em 20 L de água; Adubação de cobertura em mudas: 500 ml em 20 L de água; Para Tomate, Pimentão, Jiló, Berinjela, Batata Inglesa e Pimentas: 150 ml em 20 L de água; Tratamento de sementes, manivas de mandioca e toletes de cana: imersão por 1 minuto em urina pura. Campus Bambuí
  • 41. URINA DE VACA ENRIQUECIDA Adubação foliar e controle de pragas e doenças; 200 ml de Urina de Vaca; 100 g de Farinha de Trigo em 1 L de água; 50 g de Sabão em 1 L de água quente; 18 L de água; Pulverizar molhando bem todas as folhas; Pulverizar nas horas mais frescas do dia. Campus Bambuí
  • 42. BIOGEO (EMATER – MG) Adubo Foliar e de Solo; Tambor de 200 L; 30 Kg de resto ruminal; 20 a 30 Kg de esterco fresco de curral; 10 Kg de folhas e restos vegetais; 5 L de garapa ou 5 Kg de açucar; Campus Bambuí
  • 43. BIOGEO (EMATER – MG) Pode ser enriquecido com fosfato natural ou pó de carvão; Misturar todos os ingredientes e deixar fermentar durante 20 a 30 dias; Agitar diariamente de 2 a 3 vezes por dia; Coar e pulverizar seguindo dosagens; Aplicação foliar: 1 litro em 20 L de água; Aplicação via solo: 6 a 10 litros em 20 L de água. Campus Bambuí
  • 44. COMPOSTO ORGÂNICO (EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG) Adubo de Solo; 1 carrinho de esterco bovino; 2,5 carrinhos de resíduos vegetais; ½ carrinho de folhas de Mamona; 400 g de fosfato natural ou farinha de osso; 400 g de cinzas; 200 g de sulfato duplo de potássio e magnésio. Campus Bambuí
  • 45. COMPOSTO ORGÂNICO (EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG) Colocar uma camada de 20 cm de palha ou capim; Colocar sobre esse uma camada de 5 cm da mistura com esterco; Intercalar camadas; Umedecer o material; Cobrir a pilha de compostagem depois de pronta com folhas de bananeira, capins, etc. Campus Bambuí
  • 46. COMPOSTO ORGÂNICO (EMBRAPA – SETE LAGOAS/MG) O período de compostagem pode variar de 30 a 90 dias; Não necessita fazer a reviragem deste tipo de composto; Se acrescentar alguma fonte de microrganismos acelera o processo; Quanto mais triturado o material, mais rápida é a compostagem. Campus Bambuí
  • 47. BOKASHI (EMATER –MG) Adubo orgânico de plantio; Utilizado para culturas exigentes; 250 Kg de terra virgem de barranco; 100 Kg de esterco de galinha ou cama de frango; 100 Kg de farelo de arroz; 75 Kg de farinha de osso; 1 L de microrganismos diluidos em 20 L de água. Campus Bambuí
  • 48. BOKASHI (EMATER –MG) Deixar fermentar por 7 a 10 dias; Revirar 3 vezes ao dias nos 4 primeiros dias; Utilizar nas dosagens recomendadas após o período de fermentação; Canteiro para hortaliças: 200 a 300 g/m²; Sulcos de plantio: 150 a 200 g/m; Plantio de frutíferas: 500 g/cova; Outras culturas: 300 g/cova. Campus Bambuí
  • 49. RESÍDUO DA FERMENTAÇÃO DO MELAÇO (PENTEADO, 1999) Adubo foliar orgânico; Resíduo da fermentação biológica do melaço; Rico em N, K, S e aminoácidos; Recomendado para o controle de oídio em abobrinha e pepino; 2,5 Kg de resíduo do melaço; 100 litros de água; Pulverizar semanalmente; Campus Bambuí
  • 50. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) Adubo foliar; Fonte suplementar de micronutrientes; Inibidor de fungos e bactérias; Aumenta a resistência vegetal contra insetos e ácaros; Recomendado para culturas de uva, pêssego, maçã, tomate, batata e hortaliças em geral; Campus Bambuí
  • 51. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) Recipiente de 200 L; 40 L de esterco de curral fresco; 100 L de água; 1 L de leite; 500 g de açúcar; Misturar bem e deixar fermentar por 3 dias; Campus Bambuí
  • 52. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) A cada 5 dias adicionar um dos componentes abaixo diluidos em 2 L de água morna + 1 L de leite + 0,5 Kg de açúcar; 1,5 Kg de Sulfato de Zinco + 200 g de farinha de osso; 1,5 Kg de Sulfato de Zinco + 500 g de Carcaça de peixes; 1 Kg de Sulfato de Magnésio + 100 g de Sangue animal. Campus Bambuí
  • 53. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) 300 g de Sulfato de Manganês + 200 g de fígado moído; 300 g de Sulfato de Cobre; 2 Kg de Cloreto de Cálcio; 500 g de Ácido Bórico ou Bórax; 500 g de Ácido Bórico ou Bórax (2ª dose); 125 g de Cofermol (Co, Fe, Mo). Campus Bambuí
  • 54. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) Após adicionar todos os sais na ordem recomendada completar até 180 L; Tampar o recipiente e deixar fermentar durante 30 dias no verão e 45 no inverno; Aplicar via foliar nas dosagens recomendadas; Frutíferas e hortaliças: 400 ml em 20 L de água; Campus Bambuí
  • 55. SUPERMAGRO (PENTEADO, 1999) Tomate: 800 ml em 20 L de água; Outras culturas: 200 ml a 1 L em 20 L de água; Pulverizar quinzenalmente culturas perenes; Tomate e hortaliças de fruto pulverizar semanalmente; Outras hortaliças pulverizar de 20 em 20 dias. Campus Bambuí
  • 56. BIOFERTILIZANTE AERÓBIO ENRIQUECIDO Adubo foliar e de solo; Tambor de 200 L; 40 Kg de esterco fresco de curral; 10 Kg de esterco fresco de aves; 2 latas de 20 L de diversas folhas verdes; 3 L de leite ou soro sem sal; 1 Kg de açúcar; 1 Kg de cinzas; Campus Bambuí
  • 57. BIOFERTILIZANTE AERÓBIO ENRIQUECIDO 1 Kg de calcário; Completar com água e mexer bem; Deixar fermentar de 7 a 10 dias; Coar e utilizar; Diluir 400 ml em 20 L de água para pulverização foliar; Diluir 4 L em 20 L de água para adubação via solo. Campus Bambuí
  • 58. BIOFERTILIZANTE DE ESTERCO E CAPIM Adubação foliar; 50 Kg de esterco de gado fresco; 5 Kg de capim; 50 litros de água; Preparar tampado com mangueira para saída de gás mergulhada em água; Deixar fermentar durante 40 dias; Diluir 1 L em 10 L de água e pulverizar. Campus Bambuí
  • 59. SUPERMAGRO ORGÂNICO Adubo foliar; Tambor de 200 L; 40 Kg de esterco de gado fresco; 6 Kg de mato fresco; Adicionar durante seis vezes seguidas de 5 em 5 dias a mistura recomendada; Aplicar mensalmente 1 litro diluido em 20 L de água; Campus Bambuí
  • 60. SUPERMAGRO ORGÂNICO Mistura recomendada para Supermagro Orgânico: 1 Kg de micronutrientes (sais café); 1 litro de leite; 500 g de açúcar; Campus Bambuí
  • 61. SUPERMAGRO ORGÂNICO 100 ml de microrganismos vivos; 500 g de calcário; 1,2 litros de sangue animal; 200g de farinha de osso. Campus Bambuí