SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
PROJETO	
  DE	
  URBANIZAÇÃO	
  E	
  
PAISAGISMO	
  
AULA	
  03	
  –	
  PAISAGEM	
  URBANA	
  	
  
APREENSÃO	
  DA	
  FORMA	
  
Universidade	
  Católica	
  de	
  Brasília	
  
Curso	
  de	
  Arquitetura	
  e	
  Urbanismo	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
Cidade	
  segundo	
  Gordon	
  Cullen:	
  
¨  mais	
  do	
  que	
  o	
  somatório	
  dos	
  seus	
  habitantes;	
  
¨  uma	
  unidade	
  geradora	
  de	
  um	
  excedente	
  de	
  bem-­‐
estar	
  e	
  de	
  facilidades	
  que	
  leva	
  a	
  maioria	
  das	
  pessoas	
  
preferirem	
  –	
  independentemente	
  de	
  outras	
  razões	
  –	
  
viver	
  em	
  comunidade	
  a	
  viverem	
  isoladas.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
“Há	
  uma	
  série	
  de	
  vantagens	
  a	
  considerar	
  na	
  reunião	
  de	
  pessoas	
  
para	
  formar	
  uma	
  cidade.	
  Uma	
  família	
  isolada	
  no	
  campo	
  não	
  terá	
  
muitas	
  hipóteses	
  de	
  ir	
  ao	
  teatro,	
  ao	
  restaurante	
  ou	
  a	
  uma	
  
biblioteca,	
  enquanto	
  que	
  na	
  cidade	
  tudo	
  isto	
  passará	
  a	
  estar	
  ao	
  
alcance.	
  Os	
  reduzidos	
  meios	
  de	
  cada	
  agregado	
  familiar	
  
mul`plicados	
  por	
  dezenas	
  ou	
  centenas	
  de	
  milhar	
  permitem	
  
imediatamente	
  a	
  criação	
  de	
  equipamentos	
  cole`vos.	
  
Efe`vamente,	
  uma	
  cidade	
  é	
  algo	
  mais	
  do	
  que	
  o	
  somatório	
  dos	
  
seus	
  habitantes:	
  é	
  uma	
  unidade	
  geradora	
  de	
  um	
  excedente	
  de	
  
bem-­‐estar	
  e	
  de	
  facilidades	
  que	
  leva	
  a	
  maioria	
  das	
  pessoas	
  
preferirem	
  –	
  independentemente	
  de	
  outras	
  razões	
  –	
  viver	
  em	
  
comunidade	
  a	
  viverem	
  isoladas.”	
  Gordon	
  Cullen	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
O	
  meio	
  ambiente	
  provoca	
  reações	
  emocionais.	
  Como	
  as	
  reações	
  emocionais	
  são	
  
processadas,	
  3	
  aspectos	
  a	
  serem	
  considerados:	
  
Ó`co	
  |	
  Local	
  |	
  Conteúdo	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Fotos	
  de	
  Henri	
  
Car`er-­‐Bresson	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
¨  Óp<ca	
  –	
  visão	
  serial,	
  a	
  
paisagem	
  urbana	
  surge	
  na	
  
maioria	
  das	
  vezes	
  como	
  
uma	
  sucessão	
  de	
  surpresas	
  
ou	
  revelações	
  súbitas.	
  
Pontos	
  de	
  vista	
  –	
  imagens	
  
emergentes	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
¨  Local	
  –	
  posição	
  no	
  espaço	
  
–	
  as	
  reações	
  humanas	
  
diante	
  de	
  seu	
  
posicionamento	
  no	
  
espaço,	
  uma	
  relação	
  
constante	
  e	
  ins`n`va	
  com	
  
o	
  meio	
  ambiente.	
  Este	
  
sen`do	
  não	
  pode	
  ser	
  
ignorado	
  no	
  processo	
  de	
  
projetação	
  do	
  ambiente	
  
urbano.	
  Aqui	
  e	
  Além	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
¨  Conteúdo	
  –	
  a	
  cons`tuição	
  
do	
  espaço	
  da	
  cidade;	
  cor,	
  
textura,	
  escala,	
  es`lo,	
  
natureza	
  ou	
  personalidade	
  
ou	
  ainda	
  tudo	
  aquilo	
  que	
  
individualiza	
  a	
  cidade.	
  Isto	
  e	
  
Aquilo	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Para	
  Cullen	
  o	
  planejamento	
  urbano	
  deve	
  ser	
  visto	
  como	
  um	
  jogo	
  e	
  os	
  3	
  aspectos	
  
são	
  os	
  parâmetros	
  que	
  serão	
  organizados	
  em	
  uma	
  série	
  de	
  lances	
  e	
  jogadas	
  
ditadas	
  pela	
  experiência	
  adquirida	
  pelos	
  jogadores,	
  ou	
  seja,	
  a	
  arte	
  de	
  jogar.	
  
	
  
Paisagem	
  Urbana	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  Espaço	
  urbano	
  e	
  sociedade	
  são	
  faces	
  da	
  mesma	
  
moeda:	
  o	
  espaço	
  urbano	
  é	
  o	
  aspecto	
  estrutural	
  da	
  
cidade.	
  
¨  Assim,	
  como	
  qualquer	
  outro	
  fenômeno	
  da	
  realidade,	
  
o	
  espaço	
  urbano	
  é	
  passível	
  de	
  conhecimento.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
“A	
   apreensão	
   dos	
   lugares	
   dá-­‐se,	
   necessariamente,	
   a	
  
par`r	
   de	
   sua	
   forma	
   isica,	
   conforme	
   diversas	
  
abordagens	
   arquitetônicas	
   e	
   geográficas	
   da	
   cidade,	
   e	
  
também	
   nos	
   estudos	
   centrados	
   nos	
   mecanismos	
  
cogni`vos.	
   Esse	
   fato	
   requer	
   análise	
   do	
   espaço	
   como	
  
forma	
   isica	
   e	
   resultado	
   da	
   ordenação	
   de	
   elementos	
  
morfológicos	
  segundo	
  certas	
  leis.	
  Em	
  outras	
  palavras,	
  
é	
  preciso	
  que	
  se	
  observe	
  os	
  lugares	
  como	
  composição	
  
plás,ca,	
  isto	
  é,	
  elementos	
  relacionados	
  em	
  conjunto,	
  
ou,	
  ainda,	
  totalidades.”	
  	
  
M.	
  Elaine	
  Kohlsdorf	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  Composição	
   Plás<ca	
   é	
   o	
  
“conjunto	
   de	
   pontos,	
   linhas,	
  
planos,	
   volumes	
   ou	
   cores	
  
dispostos	
   de	
   acordo	
   com	
   certas	
  
normas	
   e	
   visando	
   a	
   uma	
  
determinada	
   intenção	
   plás`ca”.	
  
Costa,	
  Lucio.	
  Ensino	
  do	
  Desenho.	
  In:	
  Lucio	
  Costa:	
  
Sobre	
  Arquitetura.	
  Porto	
  Alegre.	
  CEUA.1962.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  Par<do	
   Plás<co	
   é	
   numa	
  
composição	
   plás`ca	
   “a	
  
escolha	
   e	
   fixação	
   do	
  
sen`do	
   geral	
   a	
   prevalecer	
  
na	
   disposição	
   dos	
   pontos,	
  
das	
  linhas,	
  dos	
  volumes	
  ou	
  
cores.”	
   Costa,	
   Lucio.	
   Ensino	
   do	
  
Desenho.	
   In:	
   Lucio	
   Costa:	
   Sobre	
  
Arquitetura.	
   Porto	
   Alegre.	
   CEUA.1962	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Resumindo...	
  composição	
  plás`ca	
  de	
  uma	
  obra	
  de	
  arte	
  é	
  a	
  ar`culação	
  de	
  
elementos	
  segundo	
  certas	
  normas,	
  estabelecidas	
  pelo	
  próprio	
  ar`sta	
  e	
  visando	
  
uma	
  intensão	
  projetual.	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
“O	
  espaço	
  
urbano	
  é	
  
apreensível	
  a	
  
par`r	
  de	
  suas	
  
manifestações	
  
externas,	
  em	
  
etapas	
  de	
  
sucessão	
  
cogni`va	
  onde	
  
se	
  desenvolve	
  
um	
  movimento	
  
de	
  obje`vação	
  
de	
  
informações.”	
  
M.	
  Elaine	
  Kohlsdorf	
  
Apreensão	
  do	
  espaço	
  urbano	
  :	
  
¨  análise	
  
¨  síntese	
  
¨  verificação	
  
	
  
Espaço	
   urbano	
   real	
   –	
   uma	
   totalidade	
  
complexa	
   formada	
   por	
   a`vidades,	
  
formas,	
   significados	
   e	
   prá`cas	
   sociais,	
  
que	
  é	
  sensivelmente	
  captável.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  Kohlsdorf	
   chama	
   de	
   apreensão	
   a	
   etapa	
   inicial	
   do	
  
processo	
   cogni`vo,	
   que	
   se	
   compromete	
   com	
  
informações	
  preponderantemente	
  sensíveis.	
  	
  
¨  A	
   importância	
   do	
   trabalho	
   com	
   a	
   apreensão	
   dos	
  
lugares	
   da	
   cidade	
   fica	
   clara	
   quando	
   se	
   refere	
   a	
  
planejamento	
   e	
   desenho	
   urbano,	
   a`vidade	
   que	
  
envolve	
  pesquisadores,	
  técnicos	
  e	
  população.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  As	
  decisões	
  projetuais:	
  
construir	
  espaços	
  reais	
  que	
  
serão	
  lidos	
  e	
  interpretados	
  
pelos	
  habitantes	
  da	
  cidade	
  
segundo	
  seus	
  modos	
  de	
  
conhecimento	
  sensível	
  
¨  técnicos	
  e	
  pesquisadores	
  
habilitados:	
  interpretar	
  a	
  
paisagem	
  urbana	
  através	
  
de	
  um	
  conhecimento	
  
empírico,	
  ou	
  sensível,	
  e	
  
traduzi-­‐lo	
  em	
  dados	
  
técnicos	
  para	
  projetar.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  responsável	
  por	
  
representações	
  
geométricas	
  do	
  espaço,	
  
sistemas	
  de	
  projeções	
  
ortogonais.	
  A	
  ciência	
  	
  
¨  responsável	
  por	
  
representações	
  empíricas	
  
e	
  arls`cas,	
  ou	
  sensíveis	
  do	
  
espaço.	
  A	
  arte	
  
Conhecimento	
  Racional	
   Conhecimento	
  Sensível	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
2	
  modos	
  de	
  conhecer	
  as	
  coisas	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
Conhecimento	
  sensível:	
  
¨  sensação	
  
¨  percepção	
  
¨  imaginação	
  
¨  intuição	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  As	
  sensações	
  são	
  
responsáveis	
  por	
  nosso	
  
primeiro	
  contato	
  com	
  os	
  
lugares	
  e	
  cons`tuem-­‐se	
  
na	
  ligação	
  mais	
  próxima	
  
da	
  consciência	
  com	
  a	
  
realidade	
  obje`va.	
  
Exercem	
  um	
  função	
  
cogni`va;	
  o	
  desenho	
  de	
  
uma	
  imagem	
  subje`va	
  
que	
  tem	
  a	
  finalidade	
  de	
  
orientação	
  e	
  sinalização.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  A	
  percepção	
  tem	
  como	
  
base	
  ou	
  matéria	
  prima	
  as	
  
sensações,	
  o	
  processo	
  de	
  
percepção	
  tem	
  ligação	
  
estrutural	
  com	
  a	
  
consciência	
  e	
  a	
  memória	
  e	
  
principalmente	
  com	
  o	
  
grau	
  de	
  desenvolvimento	
  
da	
  inteligência	
  dos	
  
indivíduos.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  A	
  imaginação	
  é	
  entendida	
  
como	
  uma	
  a`vidade	
  
composta	
  pela	
  
coordenação	
  de	
  imagens	
  
mentais	
  e	
  que	
  aparece	
  
quando	
  o	
  indivíduo	
  
adquiriu	
  certo	
  
desenvolvimento	
  cogni`vo	
  
que	
  lhe	
  permite	
  
simbolizar.	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
¨  A	
  intuição	
  apela	
  aos	
  sen`dos,	
  
à	
  percepção	
  e	
  à	
  imaginação,	
  
mas	
  não	
  se	
  reduz	
  a	
  esta	
  
recorrência,	
  não	
  se	
  limita	
  a	
  
efetuar	
  uma	
  leitura	
  das	
  
propriedades	
  fornecidas	
  pelas	
  
coisas,	
  mas	
  exerce	
  ação	
  sobre	
  
as	
  mesmas,	
  caracterizando-­‐se	
  
como	
  inteligência	
  em	
  nível	
  
ainda	
  não	
  formalizado.	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
A	
  intuição	
  do	
  espaço	
  permite	
  que	
  haja	
  o	
  desenvolvimento	
  cogni`vo	
  
necessário	
  à	
  organização	
  de	
  seus	
  elementos,	
  a	
  par`r	
  do	
  primeiro	
  contato.	
  
Apreensão	
  da	
  Forma	
  da	
  Cidade	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Esta	
   noção	
   inicia-­‐se	
   desde	
   o	
   nascimento	
   do	
   indivíduo	
   e	
  
desenvolve-­‐se	
  com	
  a	
  própria	
  inteligência.	
  
A	
  idéia	
  de	
  lugar	
  origina-­‐se	
  de	
  espaços	
  orgânicos	
  próprios	
  
do	
   indivíduo	
   e	
   inicia-­‐se	
   na	
   primeira	
   infância	
   através	
   das	
  
primeiras	
   experiências	
   sensíveis	
   e	
   de	
   movimento	
   que	
   a	
  
criança	
  realiza	
  no	
  mundo	
  que	
  a	
  cerca.	
  
O	
  espaço	
  concebido	
  neste	
  estágio	
  de	
  vida	
  caracteriza-­‐se	
  
por:	
  
•  Ação	
  e	
  Vivencia	
  
	
  
A	
  formação	
  da	
  noção	
  de	
  espaço	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Ação	
  e	
  Vivencia	
  =	
  Relação	
  Topológica	
  
A	
  formação	
  da	
  noção	
  de	
  espaço	
  
Estabelecimento	
  de	
  vínculos	
  entre	
  o	
  corpo	
  	
  e	
  os	
  limites	
  
isicos	
  e	
  perceplveis	
  dos	
  lugares	
  onde	
  se	
  esta	
  no	
  espaço.	
  
proximidade	
  /	
  afastamento	
  
Localização	
  do	
  corpo	
  no	
  espaço	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
O	
  espaço	
  topológico	
  não	
  se	
  realiza	
  pela	
  noção	
  de	
  
deslocamento	
  do	
  corpo	
  no	
  espaço,	
  mas	
  de	
  movimento	
  
aparente	
  dos	
  elementos	
  configuradores	
  dos	
  lugares,	
  ou	
  
seja,	
  de	
  efeitos	
  de	
  percepção:	
  paredes,	
  tetos,	
  pisos	
  ou	
  
objetos	
  isolados	
  que	
  se	
  avizinham	
  ou	
  se	
  distanciam	
  do	
  
observador.	
  
	
  
Importante:	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
A	
  noção	
  de	
  espaço	
  
“...	
  mesmo	
  que	
  as	
  sensações	
  do	
  indivíduo	
  estejam	
  
sujeitas	
  ao	
  desenvolvimento	
  da	
  inteligência,	
  sua	
  
apreensão	
  de	
  qualquer	
  ambiente	
  reproduz	
  os	
  passos	
  da	
  
formação	
  da	
  noção	
  de	
  espaço	
  na	
  gênese	
  das	
  estruturas	
  
cogni`vas.	
  Assim,	
  parte-­‐se	
  sempre	
  da	
  percepção	
  de	
  um	
  
espaço	
  topológico,	
  caracterizado	
  por	
  efeitos	
  como,	
  por	
  
exemplo,	
  envolvimento	
  ou	
  amplidão,	
  que	
  se	
  
complementa	
  por	
  efeitos	
  perspec`vos	
  (como,	
  por	
  
exemplo,	
  direcionamento).”	
  	
  
M.	
  Elaine	
  Kohlsdorf	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
A	
  noção	
  de	
  espaço	
  
¨  “Logo,	
  o	
  que	
  se	
  olha	
  não	
  é	
  o	
  que	
  se	
  percebe.	
  A	
  
percepção	
  realiza,	
  necessariamente,	
  um	
  movimento	
  
de	
  transformação	
  de	
  sinais	
  (emissões	
  de	
  luz	
  pelos	
  
eslmulos	
  cons`tuintes	
  dos	
  espaços)	
  em	
  signos	
  
(representações	
  segundo	
  as	
  estruturas	
  percep`vas).	
  
Se	
  quisermos	
  entender	
  quais	
  são	
  as	
  caracterís`cas	
  
percebidas	
  de	
  certo	
  lugar,	
  temos	
  de	
  selecionar	
  seus	
  
atributos	
  de	
  estruturação	
  topológica	
  e	
  perspec`va	
  
ao	
  invés	
  de	
  representa-­‐lo	
  por	
  qualidades	
  aleatórias.”	
  
M.	
  Elaine	
  Kohlsdorf	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
A	
  noção	
  de	
  espaço	
  
¨  “	
  O	
  espaço	
  euclidiano	
  é	
  eminentemente	
  representa`vo	
  
e	
  ocorre,	
  como	
  gênese,	
  em	
  um	
  segundo	
  nível	
  de	
  
apreensão,	
  na	
  imagem	
  mental	
  quando	
  o	
  individuo	
  não	
  
se	
  encontra	
  mais	
  fisicamente	
  no	
  lugar	
  considerado.”	
  	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  M.	
  Elaine	
  Kohlsdorf	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
¨  fornece	
  indicações	
  que	
  
oriente	
  as	
  pessoas	
  ou	
  não	
  
¨  permite	
  que	
  haja	
  uma	
  
iden`ficação	
  de	
  lugar	
  
¨  quan`dade	
  de	
  eslmulos	
  
visuais	
  
¨  qualidade	
  dos	
  eslmulos	
  
visuais	
  
*	
  Eslmulos	
  visuais	
  –	
  capacidade	
  de	
  
inovação	
  trazida	
  pelo	
  meio	
  
ambiente.	
  
O	
  comportamento	
  do	
  espaço	
  da	
  
cidade	
  	
  
As	
  condições	
  da	
  informação	
  que	
  a	
  
forma	
  do	
  espaço	
  da	
  cidade	
  oferece	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  
Prof.	
  Carla	
  Freitas	
  |	
  estudio@caliandradesenhos.com.br|	
  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br	
  
Desempenho	
  Topocep`vo	
  na	
  Percepção	
  	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandResenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandIZIS PAIXÃO
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura modernaCristiane Kröhling Bernardi
 
Jane Jacobs - Visão Geral
Jane Jacobs - Visão GeralJane Jacobs - Visão Geral
Jane Jacobs - Visão GeralAngélica Vidal
 
Rem Koolhaas e a cidade genérica
Rem Koolhaas e a cidade genéricaRem Koolhaas e a cidade genérica
Rem Koolhaas e a cidade genéricaMarcia Rodrigues
 
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdf
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdfAula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdf
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdfAndreaFrancoVelazque
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaUrban Acabamentos
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaUNAERP
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidadermpatron
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaViviane Marques
 
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade  A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade Janaína Bandeira
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS Mariana Mincarone
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialMarcia Rodrigues
 
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do Idoso
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do IdosoModelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do Idoso
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do IdosoTemas para TCC
 

Mais procurados (20)

Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves BruandResenha: Escola Carioca - Yves Bruand
Resenha: Escola Carioca - Yves Bruand
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
 
Jane Jacobs - Visão Geral
Jane Jacobs - Visão GeralJane Jacobs - Visão Geral
Jane Jacobs - Visão Geral
 
Rem Koolhaas e a cidade genérica
Rem Koolhaas e a cidade genéricaRem Koolhaas e a cidade genérica
Rem Koolhaas e a cidade genérica
 
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdf
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdfAula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdf
Aula3-TecnicasRetrospectivas-Teoria do Restauro-secXX.pdf
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robba
 
Aula2 cartas patrimoniais
Aula2 cartas patrimoniaisAula2 cartas patrimoniais
Aula2 cartas patrimoniais
 
5 luos - gabarito e altura máxima
5   luos - gabarito e altura máxima5   luos - gabarito e altura máxima
5 luos - gabarito e altura máxima
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquitetura
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
 
Lina Bo Bardi Arquitetura
Lina Bo Bardi ArquiteturaLina Bo Bardi Arquitetura
Lina Bo Bardi Arquitetura
 
FAUUSP (Vilanova Artigas)
FAUUSP (Vilanova Artigas)FAUUSP (Vilanova Artigas)
FAUUSP (Vilanova Artigas)
 
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade  A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
 
Cartas patrimoniais
Cartas patrimoniaisCartas patrimoniais
Cartas patrimoniais
 
Aula 3 reform urbanas paris
Aula 3   reform urbanas parisAula 3   reform urbanas paris
Aula 3 reform urbanas paris
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrial
 
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do Idoso
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do IdosoModelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do Idoso
Modelo de TCC em arquitetura - Centro de Convivência do Idoso
 

Destaque (20)

Aula02 formacidade
Aula02 formacidadeAula02 formacidade
Aula02 formacidade
 
Planta baixa
Planta baixaPlanta baixa
Planta baixa
 
Estudos caso
Estudos casoEstudos caso
Estudos caso
 
Pa1 composição introdução
Pa1 composição introduçãoPa1 composição introdução
Pa1 composição introdução
 
Dea aula 04desenhoarq
Dea aula 04desenhoarqDea aula 04desenhoarq
Dea aula 04desenhoarq
 
Dte aula-desenhogeometrico
Dte aula-desenhogeometricoDte aula-desenhogeometrico
Dte aula-desenhogeometrico
 
Aula05 escala cor
Aula05 escala corAula05 escala cor
Aula05 escala cor
 
Planta baixa2
Planta baixa2Planta baixa2
Planta baixa2
 
Pmu aulasinalizaçãovisual
Pmu aulasinalizaçãovisualPmu aulasinalizaçãovisual
Pmu aulasinalizaçãovisual
 
De4 ilustraçãobotanica
De4 ilustraçãobotanicaDe4 ilustraçãobotanica
De4 ilustraçãobotanica
 
Aula07 noçõesperspectiva
Aula07 noçõesperspectivaAula07 noçõesperspectiva
Aula07 noçõesperspectiva
 
Equipamentos urbanos
Equipamentos urbanosEquipamentos urbanos
Equipamentos urbanos
 
Vistaortografica exercicio
Vistaortografica exercicioVistaortografica exercicio
Vistaortografica exercicio
 
Folha01 exercicio
Folha01 exercicioFolha01 exercicio
Folha01 exercicio
 
Dte azulejos
Dte azulejosDte azulejos
Dte azulejos
 
Aula04 contornos-sombras
Aula04 contornos-sombrasAula04 contornos-sombras
Aula04 contornos-sombras
 
Nbr9050 31052004
Nbr9050 31052004Nbr9050 31052004
Nbr9050 31052004
 
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeituraspManual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
 
2014 daq plano
2014 daq plano2014 daq plano
2014 daq plano
 
Dea aula 02tecnicabasica
Dea aula 02tecnicabasicaDea aula 02tecnicabasica
Dea aula 02tecnicabasica
 

Semelhante a Aula03 apreensaopaisagemurbana

Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobsSuelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobsSuelton Crispiano
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãohelio vaz
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfladraoalmas11
 
Tese eliane costa completa
Tese eliane costa   completaTese eliane costa   completa
Tese eliane costa completaEliane Costa
 
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosAlvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosSafra Brasileira
 
Apresentação InCiti LabCEUs
Apresentação InCiti LabCEUsApresentação InCiti LabCEUs
Apresentação InCiti LabCEUsRicardo Ruiz
 
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...MarcelaBelo1
 
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamos
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamosInstituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamos
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamosUTFPR
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfRose Silva
 
Artes gilberto sampaiomacedo_tcc
Artes  gilberto sampaiomacedo_tccArtes  gilberto sampaiomacedo_tcc
Artes gilberto sampaiomacedo_tccSimoneHelenDrumond
 
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...SimoneHelenDrumond
 

Semelhante a Aula03 apreensaopaisagemurbana (20)

Aula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidadeAula01 imagemcidade
Aula01 imagemcidade
 
Dte aula 01tiposdesenho
Dte aula 01tiposdesenhoDte aula 01tiposdesenho
Dte aula 01tiposdesenho
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobsSuelton  morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
Suelton morte e vida de grandes cidades- jane jacobs
 
Aula02 figurahumana
Aula02 figurahumanaAula02 figurahumana
Aula02 figurahumana
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Tese eliane costa completa
Tese eliane costa   completaTese eliane costa   completa
Tese eliane costa completa
 
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanosAlvetti hummell-imaginarios-urbanos
Alvetti hummell-imaginarios-urbanos
 
Apresentação InCiti LabCEUs
Apresentação InCiti LabCEUsApresentação InCiti LabCEUs
Apresentação InCiti LabCEUs
 
Apresentação LabCEUs
Apresentação LabCEUsApresentação LabCEUs
Apresentação LabCEUs
 
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...
¡ATENÇÃO ARTE! imaginabilidade e legibilidade como estratégia de pertencim...
 
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamos
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamosInstituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamos
Instituto Faber-Ludens - Quem somos e pra onde vamos
 
O Conceito De Cidade
O Conceito De CidadeO Conceito De Cidade
O Conceito De Cidade
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdf
 
Artes gilberto sampaiomacedo_tcc
Artes  gilberto sampaiomacedo_tccArtes  gilberto sampaiomacedo_tcc
Artes gilberto sampaiomacedo_tcc
 
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...
Pintura mural na arte-educação: Possibilidades reflexivas a respeito da histó...
 
Apresentação TCC Parte 1 - A pesquisa
Apresentação TCC Parte 1 - A pesquisaApresentação TCC Parte 1 - A pesquisa
Apresentação TCC Parte 1 - A pesquisa
 

Mais de Caliandra Desenhos (8)

Ergonomia aula01
Ergonomia aula01Ergonomia aula01
Ergonomia aula01
 
Ergonomia aula01
Ergonomia aula01Ergonomia aula01
Ergonomia aula01
 
Codigode obrasdf
Codigode obrasdfCodigode obrasdf
Codigode obrasdf
 
Pmu plano ensino_2sem2014
Pmu plano ensino_2sem2014Pmu plano ensino_2sem2014
Pmu plano ensino_2sem2014
 
Aula03 luz-sombra1
Aula03 luz-sombra1Aula03 luz-sombra1
Aula03 luz-sombra1
 
Malha isometrica
Malha isometricaMalha isometrica
Malha isometrica
 
Dea aula 03sistemaprojecao
Dea aula 03sistemaprojecaoDea aula 03sistemaprojecao
Dea aula 03sistemaprojecao
 
2014 dr odesenhar a face
2014 dr odesenhar a face2014 dr odesenhar a face
2014 dr odesenhar a face
 

Último

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 

Aula03 apreensaopaisagemurbana

  • 1. PROJETO  DE  URBANIZAÇÃO  E   PAISAGISMO   AULA  03  –  PAISAGEM  URBANA     APREENSÃO  DA  FORMA   Universidade  Católica  de  Brasília   Curso  de  Arquitetura  e  Urbanismo   Prof.  Carla  Freitas  
  • 2. Paisagem  Urbana   Cidade  segundo  Gordon  Cullen:   ¨  mais  do  que  o  somatório  dos  seus  habitantes;   ¨  uma  unidade  geradora  de  um  excedente  de  bem-­‐ estar  e  de  facilidades  que  leva  a  maioria  das  pessoas   preferirem  –  independentemente  de  outras  razões  –   viver  em  comunidade  a  viverem  isoladas.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 3. “Há  uma  série  de  vantagens  a  considerar  na  reunião  de  pessoas   para  formar  uma  cidade.  Uma  família  isolada  no  campo  não  terá   muitas  hipóteses  de  ir  ao  teatro,  ao  restaurante  ou  a  uma   biblioteca,  enquanto  que  na  cidade  tudo  isto  passará  a  estar  ao   alcance.  Os  reduzidos  meios  de  cada  agregado  familiar   mul`plicados  por  dezenas  ou  centenas  de  milhar  permitem   imediatamente  a  criação  de  equipamentos  cole`vos.   Efe`vamente,  uma  cidade  é  algo  mais  do  que  o  somatório  dos   seus  habitantes:  é  uma  unidade  geradora  de  um  excedente  de   bem-­‐estar  e  de  facilidades  que  leva  a  maioria  das  pessoas   preferirem  –  independentemente  de  outras  razões  –  viver  em   comunidade  a  viverem  isoladas.”  Gordon  Cullen   Paisagem  Urbana   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 4. O  meio  ambiente  provoca  reações  emocionais.  Como  as  reações  emocionais  são   processadas,  3  aspectos  a  serem  considerados:   Ó`co  |  Local  |  Conteúdo   Paisagem  Urbana   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Fotos  de  Henri   Car`er-­‐Bresson  
  • 5. Paisagem  Urbana   ¨  Óp<ca  –  visão  serial,  a   paisagem  urbana  surge  na   maioria  das  vezes  como   uma  sucessão  de  surpresas   ou  revelações  súbitas.   Pontos  de  vista  –  imagens   emergentes   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 7. Paisagem  Urbana   ¨  Local  –  posição  no  espaço   –  as  reações  humanas   diante  de  seu   posicionamento  no   espaço,  uma  relação   constante  e  ins`n`va  com   o  meio  ambiente.  Este   sen`do  não  pode  ser   ignorado  no  processo  de   projetação  do  ambiente   urbano.  Aqui  e  Além   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 8. Paisagem  Urbana   ¨  Conteúdo  –  a  cons`tuição   do  espaço  da  cidade;  cor,   textura,  escala,  es`lo,   natureza  ou  personalidade   ou  ainda  tudo  aquilo  que   individualiza  a  cidade.  Isto  e   Aquilo   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 9. Para  Cullen  o  planejamento  urbano  deve  ser  visto  como  um  jogo  e  os  3  aspectos   são  os  parâmetros  que  serão  organizados  em  uma  série  de  lances  e  jogadas   ditadas  pela  experiência  adquirida  pelos  jogadores,  ou  seja,  a  arte  de  jogar.     Paisagem  Urbana   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 10. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  Espaço  urbano  e  sociedade  são  faces  da  mesma   moeda:  o  espaço  urbano  é  o  aspecto  estrutural  da   cidade.   ¨  Assim,  como  qualquer  outro  fenômeno  da  realidade,   o  espaço  urbano  é  passível  de  conhecimento.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 11. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   “A   apreensão   dos   lugares   dá-­‐se,   necessariamente,   a   par`r   de   sua   forma   isica,   conforme   diversas   abordagens   arquitetônicas   e   geográficas   da   cidade,   e   também   nos   estudos   centrados   nos   mecanismos   cogni`vos.   Esse   fato   requer   análise   do   espaço   como   forma   isica   e   resultado   da   ordenação   de   elementos   morfológicos  segundo  certas  leis.  Em  outras  palavras,   é  preciso  que  se  observe  os  lugares  como  composição   plás,ca,  isto  é,  elementos  relacionados  em  conjunto,   ou,  ainda,  totalidades.”     M.  Elaine  Kohlsdorf   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 12. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  Composição   Plás<ca   é   o   “conjunto   de   pontos,   linhas,   planos,   volumes   ou   cores   dispostos   de   acordo   com   certas   normas   e   visando   a   uma   determinada   intenção   plás`ca”.   Costa,  Lucio.  Ensino  do  Desenho.  In:  Lucio  Costa:   Sobre  Arquitetura.  Porto  Alegre.  CEUA.1962.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 13. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  Par<do   Plás<co   é   numa   composição   plás`ca   “a   escolha   e   fixação   do   sen`do   geral   a   prevalecer   na   disposição   dos   pontos,   das  linhas,  dos  volumes  ou   cores.”   Costa,   Lucio.   Ensino   do   Desenho.   In:   Lucio   Costa:   Sobre   Arquitetura.   Porto   Alegre.   CEUA.1962   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 14. Resumindo...  composição  plás`ca  de  uma  obra  de  arte  é  a  ar`culação  de   elementos  segundo  certas  normas,  estabelecidas  pelo  próprio  ar`sta  e  visando   uma  intensão  projetual.   Apreensão  da  Forma  da  Cidade   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 15. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   “O  espaço   urbano  é   apreensível  a   par`r  de  suas   manifestações   externas,  em   etapas  de   sucessão   cogni`va  onde   se  desenvolve   um  movimento   de  obje`vação   de   informações.”   M.  Elaine  Kohlsdorf   Apreensão  do  espaço  urbano  :   ¨  análise   ¨  síntese   ¨  verificação     Espaço   urbano   real   –   uma   totalidade   complexa   formada   por   a`vidades,   formas,   significados   e   prá`cas   sociais,   que  é  sensivelmente  captável.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 16. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  Kohlsdorf   chama   de   apreensão   a   etapa   inicial   do   processo   cogni`vo,   que   se   compromete   com   informações  preponderantemente  sensíveis.     ¨  A   importância   do   trabalho   com   a   apreensão   dos   lugares   da   cidade   fica   clara   quando   se   refere   a   planejamento   e   desenho   urbano,   a`vidade   que   envolve  pesquisadores,  técnicos  e  população.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 17. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  As  decisões  projetuais:   construir  espaços  reais  que   serão  lidos  e  interpretados   pelos  habitantes  da  cidade   segundo  seus  modos  de   conhecimento  sensível   ¨  técnicos  e  pesquisadores   habilitados:  interpretar  a   paisagem  urbana  através   de  um  conhecimento   empírico,  ou  sensível,  e   traduzi-­‐lo  em  dados   técnicos  para  projetar.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 18. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  responsável  por   representações   geométricas  do  espaço,   sistemas  de  projeções   ortogonais.  A  ciência     ¨  responsável  por   representações  empíricas   e  arls`cas,  ou  sensíveis  do   espaço.  A  arte   Conhecimento  Racional   Conhecimento  Sensível   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   2  modos  de  conhecer  as  coisas  
  • 19. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   Conhecimento  sensível:   ¨  sensação   ¨  percepção   ¨  imaginação   ¨  intuição   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 20. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  As  sensações  são   responsáveis  por  nosso   primeiro  contato  com  os   lugares  e  cons`tuem-­‐se   na  ligação  mais  próxima   da  consciência  com  a   realidade  obje`va.   Exercem  um  função   cogni`va;  o  desenho  de   uma  imagem  subje`va   que  tem  a  finalidade  de   orientação  e  sinalização.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 21. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  A  percepção  tem  como   base  ou  matéria  prima  as   sensações,  o  processo  de   percepção  tem  ligação   estrutural  com  a   consciência  e  a  memória  e   principalmente  com  o   grau  de  desenvolvimento   da  inteligência  dos   indivíduos.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 22. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  A  imaginação  é  entendida   como  uma  a`vidade   composta  pela   coordenação  de  imagens   mentais  e  que  aparece   quando  o  indivíduo   adquiriu  certo   desenvolvimento  cogni`vo   que  lhe  permite   simbolizar.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 23. Apreensão  da  Forma  da  Cidade   ¨  A  intuição  apela  aos  sen`dos,   à  percepção  e  à  imaginação,   mas  não  se  reduz  a  esta   recorrência,  não  se  limita  a   efetuar  uma  leitura  das   propriedades  fornecidas  pelas   coisas,  mas  exerce  ação  sobre   as  mesmas,  caracterizando-­‐se   como  inteligência  em  nível   ainda  não  formalizado.     Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 24. A  intuição  do  espaço  permite  que  haja  o  desenvolvimento  cogni`vo   necessário  à  organização  de  seus  elementos,  a  par`r  do  primeiro  contato.   Apreensão  da  Forma  da  Cidade   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 25. Esta   noção   inicia-­‐se   desde   o   nascimento   do   indivíduo   e   desenvolve-­‐se  com  a  própria  inteligência.   A  idéia  de  lugar  origina-­‐se  de  espaços  orgânicos  próprios   do   indivíduo   e   inicia-­‐se   na   primeira   infância   através   das   primeiras   experiências   sensíveis   e   de   movimento   que   a   criança  realiza  no  mundo  que  a  cerca.   O  espaço  concebido  neste  estágio  de  vida  caracteriza-­‐se   por:   •  Ação  e  Vivencia     A  formação  da  noção  de  espaço   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 26. Ação  e  Vivencia  =  Relação  Topológica   A  formação  da  noção  de  espaço   Estabelecimento  de  vínculos  entre  o  corpo    e  os  limites   isicos  e  perceplveis  dos  lugares  onde  se  esta  no  espaço.   proximidade  /  afastamento   Localização  do  corpo  no  espaço   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 27. O  espaço  topológico  não  se  realiza  pela  noção  de   deslocamento  do  corpo  no  espaço,  mas  de  movimento   aparente  dos  elementos  configuradores  dos  lugares,  ou   seja,  de  efeitos  de  percepção:  paredes,  tetos,  pisos  ou   objetos  isolados  que  se  avizinham  ou  se  distanciam  do   observador.     Importante:   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 28. A  noção  de  espaço   “...  mesmo  que  as  sensações  do  indivíduo  estejam   sujeitas  ao  desenvolvimento  da  inteligência,  sua   apreensão  de  qualquer  ambiente  reproduz  os  passos  da   formação  da  noção  de  espaço  na  gênese  das  estruturas   cogni`vas.  Assim,  parte-­‐se  sempre  da  percepção  de  um   espaço  topológico,  caracterizado  por  efeitos  como,  por   exemplo,  envolvimento  ou  amplidão,  que  se   complementa  por  efeitos  perspec`vos  (como,  por   exemplo,  direcionamento).”     M.  Elaine  Kohlsdorf   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 29. A  noção  de  espaço   ¨  “Logo,  o  que  se  olha  não  é  o  que  se  percebe.  A   percepção  realiza,  necessariamente,  um  movimento   de  transformação  de  sinais  (emissões  de  luz  pelos   eslmulos  cons`tuintes  dos  espaços)  em  signos   (representações  segundo  as  estruturas  percep`vas).   Se  quisermos  entender  quais  são  as  caracterís`cas   percebidas  de  certo  lugar,  temos  de  selecionar  seus   atributos  de  estruturação  topológica  e  perspec`va   ao  invés  de  representa-­‐lo  por  qualidades  aleatórias.”   M.  Elaine  Kohlsdorf   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 30. A  noção  de  espaço   ¨  “  O  espaço  euclidiano  é  eminentemente  representa`vo   e  ocorre,  como  gênese,  em  um  segundo  nível  de   apreensão,  na  imagem  mental  quando  o  individuo  não   se  encontra  mais  fisicamente  no  lugar  considerado.”                    M.  Elaine  Kohlsdorf   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 31. Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção     ¨  fornece  indicações  que   oriente  as  pessoas  ou  não   ¨  permite  que  haja  uma   iden`ficação  de  lugar   ¨  quan`dade  de  eslmulos   visuais   ¨  qualidade  dos  eslmulos   visuais   *  Eslmulos  visuais  –  capacidade  de   inovação  trazida  pelo  meio   ambiente.   O  comportamento  do  espaço  da   cidade     As  condições  da  informação  que  a   forma  do  espaço  da  cidade  oferece   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 32. Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção     Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  • 33. Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção    
  • 34. Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção    
  • 35. Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção    
  • 36. Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção    
  • 37. Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Desempenho  Topocep`vo  na  Percepção