SlideShare uma empresa Scribd logo
Redação Jornalística I
Prof. Ms. Laércio Torres de Góes
Frase


É o enunciado com sentido completo, capaz de fazer uma comunicação. Na
frase é facultativo o uso do verbo.



Exemplos:
- Atenção!
- Que frio!
- A China passa por dificuldades.













As frases classificam-se em:
Declarativa: faz uma declaração. “Os olhos luziam de muita vida…”
(Machado de Assis)
Interrogativa: utiliza uma pergunta. “Entro num drama ou saio de uma
comédia?” (Machado de Assis)
Exclamativa: expressa sentimento. “Que imenso poeta, D. Guiomar!”
(Machado de Assis)
Imperativa: dá uma ordem ou pedido. “Chegue-se mais perto…” (Machado
de Assis)
Optativa: expressa um desejo. “Tomara que você passe na prova”.
Oração


É o enunciado com sentido que se estrutura com base em um
verbo.



Na oração é preciso usar verbo ou locução verbal.



Exemplos:
- A fábrica, hoje, produziu bem.
- Homens e mulheres são iguais perante a lei.
- O senhor tem sempre um cumprimento de reserva: vejo que
não perdeu o tempo na academia. Vou-me embora.




Período


É a oração composta por um ou mais verbos.



O período classifica-se em:



Simples: tem apenas uma oração.
- “As senhoras como se chamam?” (Machado de Assis)






Composto: tem duas ou mais orações.
- “Um deles perguntou-lhes familiarmente se iam consultar a
adivinha”. (Machado de Assis)
O parágrafo


Unidade de composição constituída por um ou mais período, em
que desenvolve determinada ideia central, a que se juntas outras
ideias secundárias (modelo padrão).



Facilita ao escritor a tarefa de isolar e depois ajustar
convenientemente as ideias principais do seu texto, permitindo ao
leitor acompanhar-lhes o desenvolvimento nos seus diferentes
estágios.



O tamanho do parágrafo deve levar em conta, além do senso de
proporção, mas também, principalmente, o seu núcleo, a sua ideia
central.



As ideias complexas podem ser divididas em mais de um parágrafo.
O parágrafo


Exemplo:



A leitura de jornais já foi no Brasil, em tempos não muito distantes, uma
das mais gratificantes atividades para os espíritos curiosos. Abrir um diário
era como escancarar uma janela para o mundo. Apesar de encontrar
interpretações da realidade com as quais eventualmente não concordasse,
o leitor ou leitora tinha a convicção de que, mesmo as parcialidades que lhe
impunha a imprensa, buscavam sua legitimação num esforço de objetividade.
Assim, o conservadorismo do Estado de S. Paulo e a ligeireza do Globo
podiam ser comparados à afoiteza impertinente da Folha de S. Paulo e à
austera obsessão do Jornal do Brasil pela acuidade, e podia-se perceber o
valor simbólico de seus conteúdos.



Uma das razões para essa percepção era a presença, nas redações, de
profissionais qualificados com o que existe de essencial no jornalismo: a
humilde curiosidade pelo que há de vir (...).

(Não há inocentes na imprensa - Luciano Martins Costa – Observatório
da Imprensa em 28/08/2013)
Tópico frasal


Introdução do parágrafo.



Representada na maioria dos casos por um ou dois períodos
curtos iniciais, em que se expressa de maneira sumária e
sucinta a ideia-núcleo do parágrafo.



Modelo padrão



Método dedutivo: do geral para o particular.



Garante de antemão a objetividade, a coerência e a unidade do
parágrafo.
Formas do tópico frasal


Declaração



O autor afirma ou nega algo na abertura do parágrafo para, logo a seguir,
desenvolver a proposição, justificando ou fundamentando o que afirmou.



Exemplo: ”A finalidade da escola é educar e ensinar. Ensinar é ministrar
conhecimentos, experiências. A educação é ação formadora da personalidade, que
faculta ao indivíduo alcançar, com sua atividade, a meta da sua vida.”



Definição



O autor se propõe a expor uma definição ou um conceito que explicará
posteriormente.



Exemplo: “O tópico frasal é o segmento inicial de um parágrafo, que contém a
ideia-núcleo. Esta ideia pode, por vezes, ser completa em si mesma, dispensando as
ideias subsidiárias que a explicariam.“
Formas do tópico frasal


Alusão histórica



Um fato acontecido no passado é relembrado como ponto de
partida para novas afirmações e julgamentos. É necessário explicar
que essa referência não precisa necessariamente estar ligada à
história de um povo, de um país. Qualquer fato representativo, já
acontecido, pode servir para abrir este tipo de parágrafo.



Exemplo: Diz a lenda que Rômulo e Remo, fundadores de Roma,
foram amamentados por uma loba. Esse mito do herói amamentado
por animais foi revivido neste século por Edgar R. Burroughs, com a
criação do personagem Tarzan, que deveu sua subsistência a uma
macaca e cuja trajetória passou do livro para o cinema.
Formas do tópico frasal


Interrogação



Uma frase interrogativa inicia o parágrafo. Uma questão é
lançada para reflexão ou mesmo para motivação da
leitura das ideias subsequentes. Nelas, o autor, geralmente,
procura responder à indagação feita, apresentando seus
motivos.



Exemplo: O que é redigir? Redigir é um ato do nosso
cotidiano. Estamos, até sem nos dar conta, redigindo nas
diversas situações.
Formas do tópico frasal


Citação



O autor cita uma declaração de alguém para, a partir daí,
desenvolver suas próprias ideias.



Exemplo: “O silêncio não é a negação da palavra, como
a palavra não é tampouco a negação do silêncio”. Tristão
de Athayde, ao afirmar tais verdades, declara-se
novamente inimigo mortal das palavras vãs.
Formas do tópico frasal


Divisão



Formato didático por suas características de objetividade e
clareza.



Apresenta o tópico frasal sob forma de divisão ou
discriminação das ideias a serem desenvolvidas,



Exemplo: As frases classificam-se em: declarativa,
interrogativa, exclamativa, imperativa e optativa
Texto jornalístico


O que caracteriza o texto jornalístico é o volume de
informação factual.



Resultado da apuração e tratamento de dados.



Pretende informar e não convencer.



O texto básico do jornalismo é a notícia, que expõe um fato
novo ou desconhecido, ou uma série de fatos novos ou
desconhecidos do mesmo evento, com suas circunstâncias.
Texto jornalístico


A notícia parte do aspecto mais relevante da informação.



A notícia se define como o relato de uma série de fatos a partir da
fato mais importante ou interessante; e de cada fato a partir do
aspecto mais importante ou interessante.



Fases do processo de produção da notícia:
Seleção dos eventos
Ordenação dos eventos
Nomeação (escolha das palavras)






A notícia trata das aparências do mundo. Não basta ser verdadeiro,
é preciso parecer verdadeiro.
Texto jornalístico


Lead



O primeiro parágrafo da notícia em jornalismo impresso.



É tipicamente um parágrafo tópico, que se inicia pela sentença
tópico (tópico frasal).



A origem do lead está relacionada à oralidade, na maneira como,
numa conversa, alguém relata algo a que assistiu (contar uma
história).



Relato oral de uma informação nova e de interesse, situado no
tempo-espaço.
Texto jornalístico


Lead clássico:



O Que? Quem? Quando? Onde? Como? Por que?/Para que?



A partir da informação mais importante.



Exemplo: A estudante de cinema Rani Messias Castro, de 19
anos, foi derrubada e agredida por um grupo de policiais
militares com golpes de cassetete, socos e chutes na cabeça
nesta quarta-feira, 28, de madrugada na Lapa, centro do Rio, no
fim de mais um protesto contra o governador Sérgio Cabral
Filho (PMDB) que havia começado na rua do Palácio
Guanabara, em Laranjeiras, zona sul. (Agência Estado –
28/08/13)
Texto jornalístico


Pirâmide invertida
Texto jornalístico


Lead sobre declarações: discurso direito e indireto.



Exemplo: O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen,
disse nesta quarta-feira que tem informações de várias fontes
provando que o regime de Bashar al-Assad é o responsável
pelo uso de armas químicas na Síria. Para ele, o uso das armas
é "inaceitável e não pode ficar sem resposta“.
As declarações da aliança ocidental acontecem após Estados
Unidos, Reino Unido e França, que são membros da união,
anunciarem que estão prontos para uma ação armada na Síria,
em represália ao ataque químico na periferia de Damasco, na
semana passada. O governo sírio atribui o ataque a rebeldes.
(Folha.com – 28/08/13)
Texto jornalístico


Desenvolvimento da notícia



Lead secundário ou sublead: segundo parágrafo com informações
secundárias.



Exemplo: Rani foi chamada de "vagabunda" por um dos policiais enquanto
era espancada. Os PMs também empurraram e agrediram jornalistas que
filmavam a cena para afastá-los do local.Vídeos divulgados nos canais do
Youtube de Adrian Rojas e do jornal A Nova Democracia mostram a
agressão. "É mulher!", grita um dos cinegrafistas. "Não atrapalha o trabalho
da polícia", diz um PM. (Agência Estado – 28/08/13)



Antes do terceiro parágrafo, costuma-se colocar o primeiro entretítulo ou
intertítulo.



Entretítulos são colocados à medida que se muda de assunto.
Texto jornalístico


Os elementos de subjetividade não desaparecem, mas são
reduzidos ao mínimo.



Método de apuração e técnica de redação que concentrase no fato.



O importante são sempre os fatos.
Referências


GARCIA, Othon M.. Comunicação em prosa moderna. 13
ed. Rio de Janeiro: FGV, 1986.



LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. 6 ed. São Paulo: Ática,
2006.



LAGE, Nilson. Teoria e técnica do texto jornalístico, Rio
de Janeiro: Elsevier, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Luis Lacerda
 
Tecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagemTecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagem
aulasdejornalismo
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
GoisBemnoEnem
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
becastanheiradepera
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
Tatiana Costa
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
Antonio Minharro
 
Técnicas de jornalismo resumão
Técnicas de jornalismo   resumãoTécnicas de jornalismo   resumão
Técnicas de jornalismo resumão
Ana Dall'Agnol
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
Kleber Brito
 
O Que é O Ciberjornalismo
O Que é O CiberjornalismoO Que é O Ciberjornalismo
O Que é O Ciberjornalismo
isapferraz
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
Cláudia
 
Notícia e reportagem
Notícia e reportagemNotícia e reportagem
Notícia e reportagem
Laércio Góes
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Textos Jornalisticos
Textos JornalisticosTextos Jornalisticos
Textos Jornalisticos
Rosalina Simão Nunes
 
Entrevistas
EntrevistasEntrevistas
Entrevistas
Laércio Góes
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
Ana Lúcia Moura Neves
 
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Manuel Pinto
 
Infográfico
InfográficoInfográfico
Infográfico
Cíntia Dal Bello
 
Funções na redação - rádio
Funções na redação - rádioFunções na redação - rádio
Funções na redação - rádio
Cláudia
 

Mais procurados (20)

Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
 
Tecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagemTecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagem
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 3ª SÉRIE | INFORMAÇÃO NO TEXTO
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
Técnicas de jornalismo resumão
Técnicas de jornalismo   resumãoTécnicas de jornalismo   resumão
Técnicas de jornalismo resumão
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
 
O Que é O Ciberjornalismo
O Que é O CiberjornalismoO Que é O Ciberjornalismo
O Que é O Ciberjornalismo
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
 
Notícia e reportagem
Notícia e reportagemNotícia e reportagem
Notícia e reportagem
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Textos Jornalisticos
Textos JornalisticosTextos Jornalisticos
Textos Jornalisticos
 
Entrevistas
EntrevistasEntrevistas
Entrevistas
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
 
Infográfico
InfográficoInfográfico
Infográfico
 
Funções na redação - rádio
Funções na redação - rádioFunções na redação - rádio
Funções na redação - rádio
 

Destaque

Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Márcio Eduardo Borges
 
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitaisO jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
Andrey Martins
 
Comunicação comparada - Aula 4
Comunicação comparada -  Aula 4Comunicação comparada -  Aula 4
Comunicação comparada - Aula 4
Cláudia
 
Comunicação comparada - Aula 6
Comunicação comparada -  Aula 6Comunicação comparada -  Aula 6
Comunicação comparada - Aula 6
Cláudia
 
Comunicação comparada - Aula 7
Comunicação comparada - Aula 7Comunicação comparada - Aula 7
Comunicação comparada - Aula 7
Cláudia
 
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
ANER - Associação Nacional de Editores de Revistas
 
Publieditoriais - Por que fazer?
Publieditoriais - Por que fazer?Publieditoriais - Por que fazer?
Publieditoriais - Por que fazer?
Tiago Cordeiro
 
Analise do discurso politico
Analise do discurso politicoAnalise do discurso politico
Analise do discurso politico
Cicero Araujo
 
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticasConvergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
Cláudia
 
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
Emerson Campos
 
Comunicação comparada
Comunicação comparadaComunicação comparada
Comunicação comparada
Patricia Azzi
 
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
Nino Carvalho - Consultor e Professor
 
Comunicação comparada - Aula 2
 Comunicação comparada -  Aula 2 Comunicação comparada -  Aula 2
Comunicação comparada - Aula 2
Cláudia
 
Comunicação comparada - Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada - Aula 5
Cláudia
 
Webjornalismo: características
Webjornalismo: característicasWebjornalismo: características
Webjornalismo: características
Mayara de Araújo
 
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias BrasileirosComunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
Everton Souza
 
Jornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
Jornalismo On-line vs Jornalismo ImpressoJornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
Jornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
zuquinhaaa
 
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Universidade Federal do Paraná
 
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Aula 04   ética e legislação JornalismoAula 04   ética e legislação Jornalismo
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Elizeu Nascimento Silva
 

Destaque (19)

Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
 
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitaisO jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
 
Comunicação comparada - Aula 4
Comunicação comparada -  Aula 4Comunicação comparada -  Aula 4
Comunicação comparada - Aula 4
 
Comunicação comparada - Aula 6
Comunicação comparada -  Aula 6Comunicação comparada -  Aula 6
Comunicação comparada - Aula 6
 
Comunicação comparada - Aula 7
Comunicação comparada - Aula 7Comunicação comparada - Aula 7
Comunicação comparada - Aula 7
 
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
Estratégias Digitais para o Público Feminino - Alan Fontevecchia (Editora Caras)
 
Publieditoriais - Por que fazer?
Publieditoriais - Por que fazer?Publieditoriais - Por que fazer?
Publieditoriais - Por que fazer?
 
Analise do discurso politico
Analise do discurso politicoAnalise do discurso politico
Analise do discurso politico
 
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticasConvergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
Convergência midiática e comunicação:cenários, atores e práticas
 
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
Convergência midiática e narrativa jornalística: um modelo de análise para a ...
 
Comunicação comparada
Comunicação comparadaComunicação comparada
Comunicação comparada
 
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
Jornalismo Digital - tendências do jornalismo no mundo 2.0
 
Comunicação comparada - Aula 2
 Comunicação comparada -  Aula 2 Comunicação comparada -  Aula 2
Comunicação comparada - Aula 2
 
Comunicação comparada - Aula 5
Comunicação comparada -  Aula 5Comunicação comparada -  Aula 5
Comunicação comparada - Aula 5
 
Webjornalismo: características
Webjornalismo: característicasWebjornalismo: características
Webjornalismo: características
 
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias BrasileirosComunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
Comunicação Comparada - A Real Diferença entre os Sites de Notícias Brasileiros
 
Jornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
Jornalismo On-line vs Jornalismo ImpressoJornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
Jornalismo On-line vs Jornalismo Impresso
 
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
 
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
Aula 04   ética e legislação JornalismoAula 04   ética e legislação Jornalismo
Aula 04 ética e legislação Jornalismo
 

Semelhante a Redação jornalística

GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptxGENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
MoneliseVilela
 
ag1_aula6
ag1_aula6ag1_aula6
ag1_aula6
Artur Araujo
 
1ª série 20-04.pptx
1ª série 20-04.pptx1ª série 20-04.pptx
1ª série 20-04.pptx
GoisTec
 
1ª série - LP 23.pptx
1ª série - LP 23.pptx1ª série - LP 23.pptx
1ª série - LP 23.pptx
GoisTec
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
Editora Moderna
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
micheleluzzatto
 
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptxAula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Isaquia Franco
 
Lingua portuguesa_iii_parte2
Lingua  portuguesa_iii_parte2Lingua  portuguesa_iii_parte2
Lingua portuguesa_iii_parte2
Eleneir Pompeo
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
teleestacao
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Virginia Fortes
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Larissa Raminelli
 
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacaoA diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
Dilmara Faria
 
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
marcelocaxias
 
Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015
Elisangela Zati
 
Revisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativosRevisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativos
ma.no.el.ne.ves
 
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
Ana Carolina Ribeiro
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
Cleber Pereira de Sousa
 
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
jasonrplima
 

Semelhante a Redação jornalística (20)

GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptxGENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
GENEROS E TIPOS TEXTUAIS PPT.pptx
 
ag1_aula6
ag1_aula6ag1_aula6
ag1_aula6
 
1ª série 20-04.pptx
1ª série 20-04.pptx1ª série 20-04.pptx
1ª série 20-04.pptx
 
1ª série - LP 23.pptx
1ª série - LP 23.pptx1ª série - LP 23.pptx
1ª série - LP 23.pptx
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
 
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptxAula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
Aula 01 Interpretação e eleaboração de textos.pptx
 
Lingua portuguesa_iii_parte2
Lingua  portuguesa_iii_parte2Lingua  portuguesa_iii_parte2
Lingua portuguesa_iii_parte2
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacaoA diferença entre descricao, narracao e dissertacao
A diferença entre descricao, narracao e dissertacao
 
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
 
Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015Conversa filosófica 2015
Conversa filosófica 2015
 
Revisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativosRevisando os gêneros argumentativos
Revisando os gêneros argumentativos
 
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
Diário de Leitura e Resenha Sobre o artigo Designação: a arma secreta, porém ...
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03CILP 2014  - slides 3 - Redação - aula 29/03
CILP 2014 - slides 3 - Redação - aula 29/03
 

Mais de Laércio Góes

Ecologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagiaEcologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagia
Laércio Góes
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
Laércio Góes
 
Ferramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídiaFerramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídia
Laércio Góes
 
Modelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digitalModelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digital
Laércio Góes
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
Laércio Góes
 
Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
Laércio Góes
 
Infográfico Multimídia
Infográfico MultimídiaInfográfico Multimídia
Infográfico Multimídia
Laércio Góes
 
Jornalismo e fake news
Jornalismo e fake newsJornalismo e fake news
Jornalismo e fake news
Laércio Góes
 
Jornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveisJornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveis
Laércio Góes
 
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicaçãoPesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Características do jornalismo digital
Características do jornalismo digitalCaracterísticas do jornalismo digital
Características do jornalismo digital
Laércio Góes
 
Reportagem multimídia
Reportagem multimídiaReportagem multimídia
Reportagem multimídia
Laércio Góes
 
Jornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociaisJornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociais
Laércio Góes
 
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtTeoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Laércio Góes
 
Multimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismoMultimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismo
Laércio Góes
 
Aula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em redeAula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em rede
Laércio Góes
 
Aula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindicalAula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindical
Laércio Góes
 
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitáriaAula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Laércio Góes
 
Aula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambientalAula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambiental
Laércio Góes
 
Aula - Perfil
Aula - PerfilAula - Perfil
Aula - Perfil
Laércio Góes
 

Mais de Laércio Góes (20)

Ecologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagiaEcologia da comunicação e iconofagia
Ecologia da comunicação e iconofagia
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
 
Ferramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídiaFerramentas para reportagem multimídia
Ferramentas para reportagem multimídia
 
Modelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digitalModelos de negócio no jornalismo digital
Modelos de negócio no jornalismo digital
 
Paradigma midiológico
Paradigma midiológicoParadigma midiológico
Paradigma midiológico
 
Comunicação e linguagem
Comunicação e linguagemComunicação e linguagem
Comunicação e linguagem
 
Infográfico Multimídia
Infográfico MultimídiaInfográfico Multimídia
Infográfico Multimídia
 
Jornalismo e fake news
Jornalismo e fake newsJornalismo e fake news
Jornalismo e fake news
 
Jornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveisJornalismo e aplicativos móveis
Jornalismo e aplicativos móveis
 
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicaçãoPesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
Pesquisa norte-americana - Teorias da comunicação
 
Características do jornalismo digital
Características do jornalismo digitalCaracterísticas do jornalismo digital
Características do jornalismo digital
 
Reportagem multimídia
Reportagem multimídiaReportagem multimídia
Reportagem multimídia
 
Jornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociaisJornalismo e redes sociais
Jornalismo e redes sociais
 
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtTeoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
 
Multimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismoMultimidialidade no jornalismo
Multimidialidade no jornalismo
 
Aula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em redeAula - Movimentos sociais em rede
Aula - Movimentos sociais em rede
 
Aula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindicalAula - Jornalismo sindical
Aula - Jornalismo sindical
 
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitáriaAula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
Aula - Comunicação popular, alternativa e comunitária
 
Aula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambientalAula - Jornalismo ambiental
Aula - Jornalismo ambiental
 
Aula - Perfil
Aula - PerfilAula - Perfil
Aula - Perfil
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Redação jornalística

  • 1. Redação Jornalística I Prof. Ms. Laércio Torres de Góes
  • 2. Frase  É o enunciado com sentido completo, capaz de fazer uma comunicação. Na frase é facultativo o uso do verbo.  Exemplos: - Atenção! - Que frio! - A China passa por dificuldades.          As frases classificam-se em: Declarativa: faz uma declaração. “Os olhos luziam de muita vida…” (Machado de Assis) Interrogativa: utiliza uma pergunta. “Entro num drama ou saio de uma comédia?” (Machado de Assis) Exclamativa: expressa sentimento. “Que imenso poeta, D. Guiomar!” (Machado de Assis) Imperativa: dá uma ordem ou pedido. “Chegue-se mais perto…” (Machado de Assis) Optativa: expressa um desejo. “Tomara que você passe na prova”.
  • 3. Oração  É o enunciado com sentido que se estrutura com base em um verbo.  Na oração é preciso usar verbo ou locução verbal.  Exemplos: - A fábrica, hoje, produziu bem. - Homens e mulheres são iguais perante a lei. - O senhor tem sempre um cumprimento de reserva: vejo que não perdeu o tempo na academia. Vou-me embora.   
  • 4. Período  É a oração composta por um ou mais verbos.  O período classifica-se em:  Simples: tem apenas uma oração. - “As senhoras como se chamam?” (Machado de Assis)    Composto: tem duas ou mais orações. - “Um deles perguntou-lhes familiarmente se iam consultar a adivinha”. (Machado de Assis)
  • 5. O parágrafo  Unidade de composição constituída por um ou mais período, em que desenvolve determinada ideia central, a que se juntas outras ideias secundárias (modelo padrão).  Facilita ao escritor a tarefa de isolar e depois ajustar convenientemente as ideias principais do seu texto, permitindo ao leitor acompanhar-lhes o desenvolvimento nos seus diferentes estágios.  O tamanho do parágrafo deve levar em conta, além do senso de proporção, mas também, principalmente, o seu núcleo, a sua ideia central.  As ideias complexas podem ser divididas em mais de um parágrafo.
  • 6. O parágrafo  Exemplo:  A leitura de jornais já foi no Brasil, em tempos não muito distantes, uma das mais gratificantes atividades para os espíritos curiosos. Abrir um diário era como escancarar uma janela para o mundo. Apesar de encontrar interpretações da realidade com as quais eventualmente não concordasse, o leitor ou leitora tinha a convicção de que, mesmo as parcialidades que lhe impunha a imprensa, buscavam sua legitimação num esforço de objetividade. Assim, o conservadorismo do Estado de S. Paulo e a ligeireza do Globo podiam ser comparados à afoiteza impertinente da Folha de S. Paulo e à austera obsessão do Jornal do Brasil pela acuidade, e podia-se perceber o valor simbólico de seus conteúdos.  Uma das razões para essa percepção era a presença, nas redações, de profissionais qualificados com o que existe de essencial no jornalismo: a humilde curiosidade pelo que há de vir (...). (Não há inocentes na imprensa - Luciano Martins Costa – Observatório da Imprensa em 28/08/2013)
  • 7. Tópico frasal  Introdução do parágrafo.  Representada na maioria dos casos por um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sumária e sucinta a ideia-núcleo do parágrafo.  Modelo padrão  Método dedutivo: do geral para o particular.  Garante de antemão a objetividade, a coerência e a unidade do parágrafo.
  • 8. Formas do tópico frasal  Declaração  O autor afirma ou nega algo na abertura do parágrafo para, logo a seguir, desenvolver a proposição, justificando ou fundamentando o que afirmou.  Exemplo: ”A finalidade da escola é educar e ensinar. Ensinar é ministrar conhecimentos, experiências. A educação é ação formadora da personalidade, que faculta ao indivíduo alcançar, com sua atividade, a meta da sua vida.”  Definição  O autor se propõe a expor uma definição ou um conceito que explicará posteriormente.  Exemplo: “O tópico frasal é o segmento inicial de um parágrafo, que contém a ideia-núcleo. Esta ideia pode, por vezes, ser completa em si mesma, dispensando as ideias subsidiárias que a explicariam.“
  • 9. Formas do tópico frasal  Alusão histórica  Um fato acontecido no passado é relembrado como ponto de partida para novas afirmações e julgamentos. É necessário explicar que essa referência não precisa necessariamente estar ligada à história de um povo, de um país. Qualquer fato representativo, já acontecido, pode servir para abrir este tipo de parágrafo.  Exemplo: Diz a lenda que Rômulo e Remo, fundadores de Roma, foram amamentados por uma loba. Esse mito do herói amamentado por animais foi revivido neste século por Edgar R. Burroughs, com a criação do personagem Tarzan, que deveu sua subsistência a uma macaca e cuja trajetória passou do livro para o cinema.
  • 10. Formas do tópico frasal  Interrogação  Uma frase interrogativa inicia o parágrafo. Uma questão é lançada para reflexão ou mesmo para motivação da leitura das ideias subsequentes. Nelas, o autor, geralmente, procura responder à indagação feita, apresentando seus motivos.  Exemplo: O que é redigir? Redigir é um ato do nosso cotidiano. Estamos, até sem nos dar conta, redigindo nas diversas situações.
  • 11. Formas do tópico frasal  Citação  O autor cita uma declaração de alguém para, a partir daí, desenvolver suas próprias ideias.  Exemplo: “O silêncio não é a negação da palavra, como a palavra não é tampouco a negação do silêncio”. Tristão de Athayde, ao afirmar tais verdades, declara-se novamente inimigo mortal das palavras vãs.
  • 12. Formas do tópico frasal  Divisão  Formato didático por suas características de objetividade e clareza.  Apresenta o tópico frasal sob forma de divisão ou discriminação das ideias a serem desenvolvidas,  Exemplo: As frases classificam-se em: declarativa, interrogativa, exclamativa, imperativa e optativa
  • 13. Texto jornalístico  O que caracteriza o texto jornalístico é o volume de informação factual.  Resultado da apuração e tratamento de dados.  Pretende informar e não convencer.  O texto básico do jornalismo é a notícia, que expõe um fato novo ou desconhecido, ou uma série de fatos novos ou desconhecidos do mesmo evento, com suas circunstâncias.
  • 14. Texto jornalístico  A notícia parte do aspecto mais relevante da informação.  A notícia se define como o relato de uma série de fatos a partir da fato mais importante ou interessante; e de cada fato a partir do aspecto mais importante ou interessante.  Fases do processo de produção da notícia: Seleção dos eventos Ordenação dos eventos Nomeação (escolha das palavras)     A notícia trata das aparências do mundo. Não basta ser verdadeiro, é preciso parecer verdadeiro.
  • 15. Texto jornalístico  Lead  O primeiro parágrafo da notícia em jornalismo impresso.  É tipicamente um parágrafo tópico, que se inicia pela sentença tópico (tópico frasal).  A origem do lead está relacionada à oralidade, na maneira como, numa conversa, alguém relata algo a que assistiu (contar uma história).  Relato oral de uma informação nova e de interesse, situado no tempo-espaço.
  • 16. Texto jornalístico  Lead clássico:  O Que? Quem? Quando? Onde? Como? Por que?/Para que?  A partir da informação mais importante.  Exemplo: A estudante de cinema Rani Messias Castro, de 19 anos, foi derrubada e agredida por um grupo de policiais militares com golpes de cassetete, socos e chutes na cabeça nesta quarta-feira, 28, de madrugada na Lapa, centro do Rio, no fim de mais um protesto contra o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) que havia começado na rua do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, zona sul. (Agência Estado – 28/08/13)
  • 18. Texto jornalístico  Lead sobre declarações: discurso direito e indireto.  Exemplo: O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse nesta quarta-feira que tem informações de várias fontes provando que o regime de Bashar al-Assad é o responsável pelo uso de armas químicas na Síria. Para ele, o uso das armas é "inaceitável e não pode ficar sem resposta“. As declarações da aliança ocidental acontecem após Estados Unidos, Reino Unido e França, que são membros da união, anunciarem que estão prontos para uma ação armada na Síria, em represália ao ataque químico na periferia de Damasco, na semana passada. O governo sírio atribui o ataque a rebeldes. (Folha.com – 28/08/13)
  • 19. Texto jornalístico  Desenvolvimento da notícia  Lead secundário ou sublead: segundo parágrafo com informações secundárias.  Exemplo: Rani foi chamada de "vagabunda" por um dos policiais enquanto era espancada. Os PMs também empurraram e agrediram jornalistas que filmavam a cena para afastá-los do local.Vídeos divulgados nos canais do Youtube de Adrian Rojas e do jornal A Nova Democracia mostram a agressão. "É mulher!", grita um dos cinegrafistas. "Não atrapalha o trabalho da polícia", diz um PM. (Agência Estado – 28/08/13)  Antes do terceiro parágrafo, costuma-se colocar o primeiro entretítulo ou intertítulo.  Entretítulos são colocados à medida que se muda de assunto.
  • 20. Texto jornalístico  Os elementos de subjetividade não desaparecem, mas são reduzidos ao mínimo.  Método de apuração e técnica de redação que concentrase no fato.  O importante são sempre os fatos.
  • 21. Referências  GARCIA, Othon M.. Comunicação em prosa moderna. 13 ed. Rio de Janeiro: FGV, 1986.  LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. 6 ed. São Paulo: Ática, 2006.  LAGE, Nilson. Teoria e técnica do texto jornalístico, Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.