SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Úlceras por pressão   (UP) É a terminologia internacionalmente usada para o que já foi: escara, úlcera ou ferida de decúbito ferida de pressão Úlcera POR pressão vem sendo usada internacionalmente, em função da pressão ser o fator etiológico de maior significado para o aparecimento destas lesões.
Úlceras por pressão   (UP) UP é definida como uma área localizada de morte celular, que se desenvolve quando um tecido mole é comprimido entre uma proeminência óssea e uma superfície dura por um prolongado período de tempo.
Úlceras por pressão   (UP) O custo da internação de um paciente que desenvolve úlcera de pressão nos Estados Unidos gira em torno de U$ 37.000;  ao passo que a mesma internação sem a presença da úlcera de pressão custaria U$ 14.000 (ALLMAN, 2001).
Úlceras por pressão   (UP) O desenvolvimento da úlcera de pressão em doentes  hospitalizados tem sido apresentado  como um dos indicadores da  qualidade   da assistência prestada pela equipe  ou sinônimo da deficiência na qualidade da assistência de enfermagem prestada  (STANLEY & FOER , 2000).
Fatores de risco da up Entre os fatores de risco os mais comuns são: Perfusão tecidual insuficiente; Idade avançada; Imobilidade; Nível de consciência alterado; Redução da percepção sensorial e da sensibilidade;
FATORES DE RISCO DA UP Medicamentos (sedação); Umidade excessiva; Desidratação; Imobilidade (fraturas, hemiplegia e ou tetraplegia)
FATORES DE RISCO DA UP Desnutrição, caquexia ou obesidade Doenças crônicas, como DM Má circulação, úlcera prévia Uso prolongado de corticóide
Imunossupressão Incontinência Uso de drogas (anticoagulantes, quimioterápicos)  Fricção e cisalhamento FATORES DE RISCO DA UP
•  Fricção: Ocorre quando duas superfícies entram em atrito. A causa mais comum é quando o paciente é arrastado sobre a cama, ao invés de ser levantado (Dealey, 1996).
•  Cisalhamento Causado por interação da gravidade e da superfície, que exercem forças paralelas na pele.  Enquanto a gravidade empurra o corpo para baixo, há resistência do paciente sobre a superfície da cama ou cadeira.
ÁREAS DE INCIDÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO :
PREVENÇÃO DA UP A  prevenção está basicamente vinculada a qualidade dos cuidados prestados pela equipe de saúde aos pacientes , com o objetivo de prevenir a ocorrência das mesmas. A prevenção está associada a uma habilidade clínica de avaliar o risco, e assim, programar as condutas preventivas.
[object Object],[object Object]
 
[object Object]
 
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
•  Evitar substâncias irritantes a pele. •  Limpar a pele com água e sabão neutro, evitando força e fricção . •  Usar colchão para alívio de pressão: piramidal, ciclado, gel, ar, água (promove alívio das áreas de pressão).
 
[object Object],[object Object],[object Object]
•  Avaliar o estado nutricional do paciente (oferecer suporte nutricional). Segundo o (IBANUTI, 2001), 50% dos indivíduos hospitalizados no Brasil em hospitais gerais possuem desnutrição. Recomendação de dieta hipercalórica.
Estadiamento de Feridas (National Pressure Ulcer Advisory Panel): ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estágio I ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estágio II É uma perda parcial da pele, envolvendo epiderme, derme, ou ambos. A úlcera é superficial e apresenta-se clinicamente como um abrasão, uma bolha ou uma cratera rasa.
Estágio III Perda de toda espessura da pele com envolvimento do tecido subcutâneo podendo se estender à fáscia.  A úlcera se apresenta clinicamente como uma cratera profunda.
Estágio IV Se estende ao tecido muscular, osso ou estruturas periarticulares (tendão).
Sistema de estadiamento por cores: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Sistema de estadiamento de acordo com o tipo de tecido atingido: ,[object Object],[object Object],[object Object]
Não se faz estadiamento de úlcera por pressão com tecido necrosado
ESCALAS PARA AVALIAÇÃO DO RISCO PARA ÚLCERA POR PRESSÃO Escala de Norton Escala de Gosnell Escala de Waterlow Escala de Braden
 
Escala de Norton - Total de 14 pontos ou  menos  “ Correndo Risco ” Condi ç ões F í sicas Condi ç ões Mentais Atividades Mobilidade Continência Boa  4 Alerta  4 Deambula  4 Plena  4 Boa  4 Razo á vel  3 Ap á tico  3 Deambula com ajuda  3  Discretamente limitada  3 Ocasional  3 Ruim  2 Confuso  2 Senta em uma cadeira  2 Muito limitada  2 Freqüente  2 Muito Ruim  1 Torporoso  1 Permanece no leito  1  Im ó vel  1 Urin á ria e  Fecal  1 Total:_________ Total:_________ Total:___________ Total:______ Total:______
A contagem de pontos baixa, indica uma baixa habilidade funcional, estando o indivíduo em alto risco para desenvolver a úlcera de pressão. A pontuação pode ir de 4 a 23.  Pacientes adultos hospitalizados, com uma contagem =/< que 16 pontos, são considerados de risco. Uma pontuação de 16 é considerada risco mínimo;  de 13 a 14, risco moderado;  de 12 ou menos, risco elevado.
Avalia ç ão do grau de risco - Escala de Braden * Percep ç ão Sensorial 1.Totalmente limitado 2. Muito limitado 3.Levemente limitado 4.Nenhuma limita ç ão Umidade 1.Excessiva 2. Muita 3.Ocasional 4.Rara Atividade 1.Acamado 2. Confinado a cadeira 3.Deambula ocasionalmente 4.Deambula freq ü entemente Mobilidade 1.Im ó vel 2. Muito limitado 3.Discreta limita ç ão 4.Sem limita ç ão Nutri ç ão 1.Deficiente 2. Inadequada 3.Adequada 4.Excelente Fric ç ão e Cisalhamento 1.Problema 2. Problema potencial 3.Sem problema aparente -------------- Total: Risco Brando 15  a 16  (  ) Risco Moderado de 12 a 14 (  ) Risco Severo abaixo de 11 (  )
 
Cartão de Pontuação de Waterlow   Tipo de pele Mobilidade Débito Neurológico Continência Riscos Especiais Má Nutrição Tecidual Cirurgia grande porte ou trauma Medicação Saudável 0 Total 0 MS. paraplegia   4-6 Normal 0 Caquexia terminal 8 Ortopédica abaixo cintura, espinha dorsal    5  Esteróides 4 Fina - folha de papel 1 Nervoso 1 Incontinência Ocasional 1 Insuficiência cardíaca 5 Na mesa de operação:  >2 horas  5 Citotóxicos 4 Seca 1 Apático 2 Catéter Incontinência  2 Doença vascular periférica 5 Anti-inflamatório  4 Edematosa  1 Restrita 3 Incontinência Dupla 3 Anemia 2 Viscosa  Inerte/Tração    4 Fumo 1 Descorada 2 Preso à cadeira de rodas 5 Quebradiça   3 Médio risco > 10 pontos   Alto risco > 15 pontos
 
 
Reavaliação Uma úlcera limpa e com fluxo sanguíneo adequado deve mostrar melhora em 2 a 4 semanas.
Sinais de Piora: Aumento do exsudato ou edema Perda da granulação Surgimento de EXSUDATO PURULENTO Febre
Mapa de Cicatrização:  PUSH P ressure  U lcer  S cale for  H ealing Comprimento x Largura Quantidade de Exsudato Tipo de Tecido
 
Comprimento x largura:  Meça o maior comprimento (no sentido da cabeça para os pés) e a maior largura (do sentido de um lado para o outro) usando uma régua em centímetros. Multiplique estas duas medidas (comprimento x largura) para obter uma área de superfície estimada em centímetros quadrados (cm2). Atenção: Não tente adivinhar! Use sempre uma régua em centímetros e utilize sempre o mesmo método de cada vez que a úlcera for medida.
Quantidade de exsudato:  Avalie a quantidade de exsudato (drenagem) presente após a remoção da cobertura e antes de aplicação de qualquer agente tópico na úlcera. Quantifique a exsudado (drenagem) como nenhum, escasso, moderado ou abundante.
Tipo de tecido:  Refere-se aos tipos de tecido presentes no leito da ferida (úlcera).  Pontue com “4” se houver algum tipo de tecido necrótico. Pontue com “3” se houver alguma quantidade de tecido desvitalizado e se não houver tecido necrótico.  Pontue com “2” se a ferida estiver limpa e contiver tecido de granulação.  A ferida superficial que está em re-epitelização é pontuada com “1”. Quando a ferida estiver cicatrizada, pontue com “0”.
4  –  Tecido necrótico (dura):  tecido negro, castanho ou castanho-claro que adere firmemente ao leito da ferida ou aos bordos e que pode estar mais firme ou mole do que a pele circundante. 3  –  Tecido desvitalizado : tecido amarelo ou branco que adere ao leito da ferida em fios ou camadas espessas ou com muco. 2  –  Tecido de granulação : tecido cor-de-rosa ou vermelho-vivo com um aspecto brilhante, úmida e granulosa. 1  –  Tecido epitelial : para úlceras superficiais, novo tecido cor-de-rosa ou brilhante (pele) que cresce a partir dos bordos ou como ilhas na superfície da úlcera. 0  –  Tecido cicatrizado/reepitelizado : a ferida está completamente coberta de epitélio (pele nova).
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],DEBRIDAMENTO
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Quando Debridar: ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Debridamento Cirúrgico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Debridamento Enzimático ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Aplicação de força mecânica diretamente sobre o tecido necrótico a fim de facilitar sua remoção e facilitar a ação das coberturas no local. Fricção com gaze ou esponja estéril  - Esfregar a gaze ou esponja durante 2 a 3 minutos do centro para as bordas sem tocar nas áreas com tecido de granulação. Indicação:  Lesões pequenas com áreas de necrose de liquefação. Pode ser doloroso para o paciente.
NA REMOÇÃO TECIDUAL COM INSTRUMENTAL CORTANTE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Cuidados com a lesão após o debridamento ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
COMPETÊNCIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Está acabando...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As feridas...
As feridas...As feridas...
As feridas...
Cristiano Ferreira
 
Úlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: PrevençãoÚlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: Prevenção
Proqualis
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
SMS - Petrópolis
 
Guidelines Prevenção úlceras de pressão
Guidelines Prevenção úlceras de pressãoGuidelines Prevenção úlceras de pressão
Guidelines Prevenção úlceras de pressão
Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
Rodrigo Abreu
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Janaína Lassala
 
Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas
Mayara Oliveira
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
Jocasta Bonmann
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
Viviane da Silva
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
Ana Paula Sales
 
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptxFERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
ssuser51d27c1
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
Frederico Brandão
 
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
Proqualis
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Laíz Coutinho
 
Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos
Edileuza Leite
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
Elayne Nunes
 

Mais procurados (20)

As feridas...
As feridas...As feridas...
As feridas...
 
Úlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: PrevençãoÚlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: Prevenção
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Guidelines Prevenção úlceras de pressão
Guidelines Prevenção úlceras de pressãoGuidelines Prevenção úlceras de pressão
Guidelines Prevenção úlceras de pressão
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas Trabalho sobre feridas
Trabalho sobre feridas
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptxFERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
 
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
Aula: Ocorrência de lesão por pressão durante a pandemia da Covid-19: manejo ...
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
 
Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 

Destaque

úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nathanael Amparo
 
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Alexsandro Ribeiro
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
Higiene e saude
Higiene e saudeHigiene e saude
Higiene e saude
estevamdua
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Rômulo Augusto
 

Destaque (6)

úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Higiene e saude
Higiene e saudeHigiene e saude
Higiene e saude
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
 

Semelhante a Ulcera Por Pressao 1

Tc lesaopressao
Tc lesaopressaoTc lesaopressao
Tc lesaopressao
Eliane Santos
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nay Ribeiro
 
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
Dominngos
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
Alessandro Silva
 
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.pptprimeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
SESMTTC
 
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.pptprimeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
SESMTTC
 
Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
Proqualis
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
elinalda bento
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Dona Fátima
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Dona Fátima
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
elinalda bento
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
elinalda bento
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
elinalda bento
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
elinalda bento
 
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptxUFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
Nome Sobrenome
 
Primeiros socorros-apresentacao
Primeiros socorros-apresentacaoPrimeiros socorros-apresentacao
Primeiros socorros-apresentacao
Graziela
 
Primeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basicoPrimeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basico
Marco Faria
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
CFCParaty
 
Ferida senac
Ferida senacFerida senac
Ferida senac
Geyse Aguiar
 
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptxAtualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Brunno Rosique
 

Semelhante a Ulcera Por Pressao 1 (20)

Tc lesaopressao
Tc lesaopressaoTc lesaopressao
Tc lesaopressao
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
62346 6560233 atendimento-primeiros-socorros
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.pptprimeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
 
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.pptprimeiros-socorros-apresentacao.ppt
primeiros-socorros-apresentacao.ppt
 
Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptxUFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
UFCD 6571 ULCERAS POR PRESSÃO 2020.pptx
 
Primeiros socorros-apresentacao
Primeiros socorros-apresentacaoPrimeiros socorros-apresentacao
Primeiros socorros-apresentacao
 
Primeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basicoPrimeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basico
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Ferida senac
Ferida senacFerida senac
Ferida senac
 
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptxAtualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
 

Ulcera Por Pressao 1

  • 1.  
  • 2. Úlceras por pressão (UP) É a terminologia internacionalmente usada para o que já foi: escara, úlcera ou ferida de decúbito ferida de pressão Úlcera POR pressão vem sendo usada internacionalmente, em função da pressão ser o fator etiológico de maior significado para o aparecimento destas lesões.
  • 3. Úlceras por pressão (UP) UP é definida como uma área localizada de morte celular, que se desenvolve quando um tecido mole é comprimido entre uma proeminência óssea e uma superfície dura por um prolongado período de tempo.
  • 4. Úlceras por pressão (UP) O custo da internação de um paciente que desenvolve úlcera de pressão nos Estados Unidos gira em torno de U$ 37.000; ao passo que a mesma internação sem a presença da úlcera de pressão custaria U$ 14.000 (ALLMAN, 2001).
  • 5. Úlceras por pressão (UP) O desenvolvimento da úlcera de pressão em doentes hospitalizados tem sido apresentado como um dos indicadores da qualidade da assistência prestada pela equipe ou sinônimo da deficiência na qualidade da assistência de enfermagem prestada (STANLEY & FOER , 2000).
  • 6. Fatores de risco da up Entre os fatores de risco os mais comuns são: Perfusão tecidual insuficiente; Idade avançada; Imobilidade; Nível de consciência alterado; Redução da percepção sensorial e da sensibilidade;
  • 7. FATORES DE RISCO DA UP Medicamentos (sedação); Umidade excessiva; Desidratação; Imobilidade (fraturas, hemiplegia e ou tetraplegia)
  • 8. FATORES DE RISCO DA UP Desnutrição, caquexia ou obesidade Doenças crônicas, como DM Má circulação, úlcera prévia Uso prolongado de corticóide
  • 9. Imunossupressão Incontinência Uso de drogas (anticoagulantes, quimioterápicos) Fricção e cisalhamento FATORES DE RISCO DA UP
  • 10. • Fricção: Ocorre quando duas superfícies entram em atrito. A causa mais comum é quando o paciente é arrastado sobre a cama, ao invés de ser levantado (Dealey, 1996).
  • 11. • Cisalhamento Causado por interação da gravidade e da superfície, que exercem forças paralelas na pele. Enquanto a gravidade empurra o corpo para baixo, há resistência do paciente sobre a superfície da cama ou cadeira.
  • 12. ÁREAS DE INCIDÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO :
  • 13. PREVENÇÃO DA UP A prevenção está basicamente vinculada a qualidade dos cuidados prestados pela equipe de saúde aos pacientes , com o objetivo de prevenir a ocorrência das mesmas. A prevenção está associada a uma habilidade clínica de avaliar o risco, e assim, programar as condutas preventivas.
  • 14.
  • 15.  
  • 16.
  • 17.  
  • 18.
  • 19.
  • 20. • Evitar substâncias irritantes a pele. • Limpar a pele com água e sabão neutro, evitando força e fricção . • Usar colchão para alívio de pressão: piramidal, ciclado, gel, ar, água (promove alívio das áreas de pressão).
  • 21.  
  • 22.
  • 23. • Avaliar o estado nutricional do paciente (oferecer suporte nutricional). Segundo o (IBANUTI, 2001), 50% dos indivíduos hospitalizados no Brasil em hospitais gerais possuem desnutrição. Recomendação de dieta hipercalórica.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Estágio II É uma perda parcial da pele, envolvendo epiderme, derme, ou ambos. A úlcera é superficial e apresenta-se clinicamente como um abrasão, uma bolha ou uma cratera rasa.
  • 27. Estágio III Perda de toda espessura da pele com envolvimento do tecido subcutâneo podendo se estender à fáscia. A úlcera se apresenta clinicamente como uma cratera profunda.
  • 28. Estágio IV Se estende ao tecido muscular, osso ou estruturas periarticulares (tendão).
  • 29.
  • 30.
  • 31. Não se faz estadiamento de úlcera por pressão com tecido necrosado
  • 32. ESCALAS PARA AVALIAÇÃO DO RISCO PARA ÚLCERA POR PRESSÃO Escala de Norton Escala de Gosnell Escala de Waterlow Escala de Braden
  • 33.  
  • 34. Escala de Norton - Total de 14 pontos ou menos “ Correndo Risco ” Condi ç ões F í sicas Condi ç ões Mentais Atividades Mobilidade Continência Boa 4 Alerta 4 Deambula 4 Plena 4 Boa 4 Razo á vel 3 Ap á tico 3 Deambula com ajuda 3 Discretamente limitada 3 Ocasional 3 Ruim 2 Confuso 2 Senta em uma cadeira 2 Muito limitada 2 Freqüente 2 Muito Ruim 1 Torporoso 1 Permanece no leito 1 Im ó vel 1 Urin á ria e Fecal 1 Total:_________ Total:_________ Total:___________ Total:______ Total:______
  • 35. A contagem de pontos baixa, indica uma baixa habilidade funcional, estando o indivíduo em alto risco para desenvolver a úlcera de pressão. A pontuação pode ir de 4 a 23. Pacientes adultos hospitalizados, com uma contagem =/< que 16 pontos, são considerados de risco. Uma pontuação de 16 é considerada risco mínimo; de 13 a 14, risco moderado; de 12 ou menos, risco elevado.
  • 36. Avalia ç ão do grau de risco - Escala de Braden * Percep ç ão Sensorial 1.Totalmente limitado 2. Muito limitado 3.Levemente limitado 4.Nenhuma limita ç ão Umidade 1.Excessiva 2. Muita 3.Ocasional 4.Rara Atividade 1.Acamado 2. Confinado a cadeira 3.Deambula ocasionalmente 4.Deambula freq ü entemente Mobilidade 1.Im ó vel 2. Muito limitado 3.Discreta limita ç ão 4.Sem limita ç ão Nutri ç ão 1.Deficiente 2. Inadequada 3.Adequada 4.Excelente Fric ç ão e Cisalhamento 1.Problema 2. Problema potencial 3.Sem problema aparente -------------- Total: Risco Brando 15 a 16 ( ) Risco Moderado de 12 a 14 ( ) Risco Severo abaixo de 11 ( )
  • 37.  
  • 38. Cartão de Pontuação de Waterlow Tipo de pele Mobilidade Débito Neurológico Continência Riscos Especiais Má Nutrição Tecidual Cirurgia grande porte ou trauma Medicação Saudável 0 Total 0 MS. paraplegia 4-6 Normal 0 Caquexia terminal 8 Ortopédica abaixo cintura, espinha dorsal    5 Esteróides 4 Fina - folha de papel 1 Nervoso 1 Incontinência Ocasional 1 Insuficiência cardíaca 5 Na mesa de operação: >2 horas  5 Citotóxicos 4 Seca 1 Apático 2 Catéter Incontinência  2 Doença vascular periférica 5 Anti-inflamatório  4 Edematosa  1 Restrita 3 Incontinência Dupla 3 Anemia 2 Viscosa  Inerte/Tração    4 Fumo 1 Descorada 2 Preso à cadeira de rodas 5 Quebradiça   3 Médio risco > 10 pontos   Alto risco > 15 pontos
  • 39.  
  • 40.  
  • 41. Reavaliação Uma úlcera limpa e com fluxo sanguíneo adequado deve mostrar melhora em 2 a 4 semanas.
  • 42. Sinais de Piora: Aumento do exsudato ou edema Perda da granulação Surgimento de EXSUDATO PURULENTO Febre
  • 43. Mapa de Cicatrização: PUSH P ressure U lcer S cale for H ealing Comprimento x Largura Quantidade de Exsudato Tipo de Tecido
  • 44.  
  • 45. Comprimento x largura: Meça o maior comprimento (no sentido da cabeça para os pés) e a maior largura (do sentido de um lado para o outro) usando uma régua em centímetros. Multiplique estas duas medidas (comprimento x largura) para obter uma área de superfície estimada em centímetros quadrados (cm2). Atenção: Não tente adivinhar! Use sempre uma régua em centímetros e utilize sempre o mesmo método de cada vez que a úlcera for medida.
  • 46. Quantidade de exsudato: Avalie a quantidade de exsudato (drenagem) presente após a remoção da cobertura e antes de aplicação de qualquer agente tópico na úlcera. Quantifique a exsudado (drenagem) como nenhum, escasso, moderado ou abundante.
  • 47. Tipo de tecido: Refere-se aos tipos de tecido presentes no leito da ferida (úlcera). Pontue com “4” se houver algum tipo de tecido necrótico. Pontue com “3” se houver alguma quantidade de tecido desvitalizado e se não houver tecido necrótico. Pontue com “2” se a ferida estiver limpa e contiver tecido de granulação. A ferida superficial que está em re-epitelização é pontuada com “1”. Quando a ferida estiver cicatrizada, pontue com “0”.
  • 48. 4 – Tecido necrótico (dura): tecido negro, castanho ou castanho-claro que adere firmemente ao leito da ferida ou aos bordos e que pode estar mais firme ou mole do que a pele circundante. 3 – Tecido desvitalizado : tecido amarelo ou branco que adere ao leito da ferida em fios ou camadas espessas ou com muco. 2 – Tecido de granulação : tecido cor-de-rosa ou vermelho-vivo com um aspecto brilhante, úmida e granulosa. 1 – Tecido epitelial : para úlceras superficiais, novo tecido cor-de-rosa ou brilhante (pele) que cresce a partir dos bordos ou como ilhas na superfície da úlcera. 0 – Tecido cicatrizado/reepitelizado : a ferida está completamente coberta de epitélio (pele nova).
  • 49.  
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.  
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.