SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula 1.2 revisão intemperismo

K
karolpoa
1 de 93
Baixar para ler offline
PEDOLOGIA 
Prof. Carolina Corrêa
OBJETIVOS 
Camadas da Terra; 
Rochas ígneas, sedimentares e metamórficas; 
Intemperismo. 
carolcorreageo.blogspot.com
A Terra é constituída, basicamente, por três camadas : o núcleo, o manto e a crosta, cada uma com suas características físicas e químicas distintas. 
Essas camadas não são homogêneas; as variações em seu interior explicam a existência de fenômenos como a deriva continental, os vulcões, os terremotos e o campo magnético do planeta. 
Camadas da terra 
carolcorreageo.blogspot.com
Crosta - Camada superficial sólida que circunda a Terra. Tem, em média, de 30 a 40 km de espessura, mas pode ser bem mais fina ou chegar a até 80km. Existem dois tipos de crosta: a crosta oceânica, jovem, de pouca espessura, densa e constituída por rochas basálticas, abrangendo 65% da superfície da Terra; e a crosta continental mais antiga, espessa e menos densa, correspondente a 35% da superfície da Terra. 
carolcorreageo.blogspot.com
Manto - O manto estende-se desde cerca de 30 km e por uma profundidade de 2900 km. É formada por vários tipos de rochas que, devido às altas temperaturas, encontram-se em um estado complexo que mistura materiais fundidos e sólidos e recebe o nome de magma. As temperaturas do manto variam de 100 graus Celsius até 3500 graus Celsius. 
carolcorreageo.blogspot.com
Núcleo - É a parte central do planeta. Acredita-se que seja formado por metais como ferro e níquel em altíssimas temperaturas. Possui duas partes : 
Núcleo externo : Líquido - de 2900 a 5150 km. 
Núcleo interno : Sólido, devido à altíssima pressão. - Até 6371 km. 
carolcorreageo.blogspot.com
Anúncio

Recomendados

Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.Slide: Relevo brasileiro, Geografia.
Slide: Relevo brasileiro, Geografia.agendab
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoRodrigo Pavesi
 
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Yago Matos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilThamires Bragança
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRogério Bartilotti
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismoceama
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosãokarolpoa
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosProfessor
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoMateus Ribeiro
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoJaicinha
 
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevoprofacacio
 
1 ocupação antrópica - zonas de vertente
1   ocupação antrópica - zonas de vertente1   ocupação antrópica - zonas de vertente
1 ocupação antrópica - zonas de vertentemargaridabt
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solodaianeagricola
 

Mais procurados (20)

Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
Cap. 5   os agentes modeladores do relevoCap. 5   os agentes modeladores do relevo
Cap. 5 os agentes modeladores do relevo
 
1 ocupação antrópica - zonas de vertente
1   ocupação antrópica - zonas de vertente1   ocupação antrópica - zonas de vertente
1 ocupação antrópica - zonas de vertente
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 

Destaque

Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaWendell Fabrício
 
Aula revisão intemperismo
Aula  revisão intemperismoAula  revisão intemperismo
Aula revisão intemperismoCarolina Corrêa
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosengenhar
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochaskarolpoa
 
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º anoRenan Silva
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas SedimentaresJoka Bp
 
A importância da atmosfera
A importância da atmosferaA importância da atmosfera
A importância da atmosferaGeografias Geo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solosdela28
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraAna Castro
 
Solos
SolosSolos
Solosceama
 
Tipos de Rochas - Magmática, Sedimentares e Metamórficas
Tipos de Rochas  -  Magmática, Sedimentares e MetamórficasTipos de Rochas  -  Magmática, Sedimentares e Metamórficas
Tipos de Rochas - Magmática, Sedimentares e MetamórficasLinguagem Geográfica
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticasTânia Reis
 

Destaque (20)

Solos
SolosSolos
Solos
 
Combustíveis fósseis e petróleo
Combustíveis fósseis e petróleoCombustíveis fósseis e petróleo
Combustíveis fósseis e petróleo
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
 
Aula revisão intemperismo
Aula  revisão intemperismoAula  revisão intemperismo
Aula revisão intemperismo
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 5 ciencias 6º ano
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
Rochas e sua importância
Rochas e sua importânciaRochas e sua importância
Rochas e sua importância
 
A importância da atmosfera
A importância da atmosferaA importância da atmosfera
A importância da atmosfera
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Rochas – 5º ano
Rochas – 5º anoRochas – 5º ano
Rochas – 5º ano
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Tipos de Rochas - Magmática, Sedimentares e Metamórficas
Tipos de Rochas  -  Magmática, Sedimentares e MetamórficasTipos de Rochas  -  Magmática, Sedimentares e Metamórficas
Tipos de Rochas - Magmática, Sedimentares e Metamórficas
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 

Semelhante a Aula 1.2 revisão intemperismo

Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevoantoniogeo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20Joao Paulo
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoVitor Perfeito
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosProfessor
 
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) llAula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) llHomero Alves de Lima
 
formação do relevo terrestre
 formação do relevo terrestre  formação do relevo terrestre
formação do relevo terrestre AnaClaudiaHonorio
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)Nefer19
 
O papel do clima na esculturação do relevo
O papel do clima na esculturação do relevoO papel do clima na esculturação do relevo
O papel do clima na esculturação do relevo Lucelia Santos
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorizaçãoRui Magalhães
 
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...Luiza Collet
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoRita Pereira
 

Semelhante a Aula 1.2 revisão intemperismo (20)

Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Agentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevoAgentes formadores do relevo
Agentes formadores do relevo
 
Os Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - GeografiaOs Agentes do Relevo - Geografia
Os Agentes do Relevo - Geografia
 
Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevo
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
6ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 206ano grupo 04 atividade 20
6ano grupo 04 atividade 20
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
 
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) llAula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
Aula 02 auxiliar de mineração (geologia) ll
 
formação do relevo terrestre
 formação do relevo terrestre  formação do relevo terrestre
formação do relevo terrestre
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Aula 2 geo
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
O papel do clima na esculturação do relevo
O papel do clima na esculturação do relevoO papel do clima na esculturação do relevo
O papel do clima na esculturação do relevo
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorização
 
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...Estudo de geografia    6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana  ...
Estudo de geografia 6º ano – 3º trimestre – Novembro – 2012 – Prof.ª Ana ...
 
Revisão Geologia Geral 2012 - SARTRE
Revisão Geologia Geral 2012 - SARTRERevisão Geologia Geral 2012 - SARTRE
Revisão Geologia Geral 2012 - SARTRE
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticoskarolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficaskarolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferakarolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasilkarolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológicokarolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológicokarolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos soloskarolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos soloskarolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticaskarolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosferakarolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologiakarolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e climakarolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométricakarolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicaskarolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos soloskarolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Último

CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdfJanielleCristina1
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 

Aula 1.2 revisão intemperismo

  • 2. OBJETIVOS Camadas da Terra; Rochas ígneas, sedimentares e metamórficas; Intemperismo. carolcorreageo.blogspot.com
  • 3. A Terra é constituída, basicamente, por três camadas : o núcleo, o manto e a crosta, cada uma com suas características físicas e químicas distintas. Essas camadas não são homogêneas; as variações em seu interior explicam a existência de fenômenos como a deriva continental, os vulcões, os terremotos e o campo magnético do planeta. Camadas da terra carolcorreageo.blogspot.com
  • 4. Crosta - Camada superficial sólida que circunda a Terra. Tem, em média, de 30 a 40 km de espessura, mas pode ser bem mais fina ou chegar a até 80km. Existem dois tipos de crosta: a crosta oceânica, jovem, de pouca espessura, densa e constituída por rochas basálticas, abrangendo 65% da superfície da Terra; e a crosta continental mais antiga, espessa e menos densa, correspondente a 35% da superfície da Terra. carolcorreageo.blogspot.com
  • 5. Manto - O manto estende-se desde cerca de 30 km e por uma profundidade de 2900 km. É formada por vários tipos de rochas que, devido às altas temperaturas, encontram-se em um estado complexo que mistura materiais fundidos e sólidos e recebe o nome de magma. As temperaturas do manto variam de 100 graus Celsius até 3500 graus Celsius. carolcorreageo.blogspot.com
  • 6. Núcleo - É a parte central do planeta. Acredita-se que seja formado por metais como ferro e níquel em altíssimas temperaturas. Possui duas partes : Núcleo externo : Líquido - de 2900 a 5150 km. Núcleo interno : Sólido, devido à altíssima pressão. - Até 6371 km. carolcorreageo.blogspot.com
  • 8. Forças endógenas são as responsáveis pela estruturação das formas de relevo. O Planeta em Constante Transformação carolcorreageo.blogspot.com
  • 9. Resultam da dinâmica interna da Terra, que envolve a estrutura da Terra, a dinâmica da litosfera e os fenômenos magmáticos, metamórficos, tectônicos, orogenéticos e epirogenéticos. carolcorreageo.blogspot.com
  • 10. Forças exógenas são as que modelam o relevo e resultam da dinâmica da atmosfera, da hidrosfera e da atividade biológica na superfície da Terra. carolcorreageo.blogspot.com
  • 11. Que processos exógenos são esses? Os processos exógenos são intemperismo, erosão, transporte e deposição que atuam através da ação dos seus agentes que são as chuvas, os rios, o gelo, a gravidade e o vento. Existe uma tendência constante de nivelamento da superfície terrestre. carolcorreageo.blogspot.com
  • 12. Geodinâmica Interna Os processos endógenos envolvem todos os fenômenos magmáticos, metamórficos e tectônicos que estão ligados à tectônica de placas e à dinâmica da litosfera. carolcorreageo.blogspot.com
  • 13. Fenômenos magmáticos: são aqueles relacionados à gênese, evolução e solidificação do magma. Quando ocorrem no interior da crosta são intrusivos ou plutônicos e quando ocorrem no exterior são chamados extrusivos ou vulcânicos. carolcorreageo.blogspot.com
  • 14. Fenômenos metamórficos: ocorrem sob altas temperaturas e/ou pressões e provocam recristalização e deformação das rochas ígneas, sedimentares e metamórficas, com mudanças de suas características mineralógicas e texturais. carolcorreageo.blogspot.com
  • 15. Fenômenos tectônicos: geram falhamentos e dobramentos devido à movimentação das placas. A incidência de tensões de diferentes tipos e magnitudes sobre as rochas da litosfera, gera deformações e movimentos em larga escala. carolcorreageo.blogspot.com
  • 16. Os fenômenos tectônicos podem ser de dois tipos: orogenéticos e epirogenéticos. Orogenias ou orogêneses – processos tectônicos pelos quais vastas regiões da crosta são deformadas e elevadas formando grandes cinturões de montanhas (Ex: Alpes, Andes, Himalaias). carolcorreageo.blogspot.com
  • 17. Epirogenias ou epirogêneses – movimentos lentos de subida ou descida de grandes áreas da crosta terrestre. É um reajustamento isostático afetando grandes regiões, sem perturbar significativamente a disposição e estrutura das formações geológicas antigas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 18. De acordo com a sua origem, as rochas são agrupadas em três grandes classes: Ígneas ou magmáticas; Metamórficas; Sedimentares. Rochas carolcorreageo.blogspot.com
  • 19. Rochas Ígneas Formadas pela cristalização do magma, classificando-se como vulcânica quando ocorre na superfície, e plutônica quando ocorre em subsuperfície. carolcorreageo.blogspot.com
  • 22. Rochas ígnea extrusiva ou Vulcânicas São hipabissais quando solidificadas em níveis mais rasos da crosta e com texturas médias a finas e, vulcânicas quando solidificadas na superfície e com texturas geralmente finas . Exemplos: riolitos, basaltos, etc. carolcorreageo.blogspot.com
  • 24. Parque Nacional de Abrolhos e Ilha de Trindade carolcorreageo.blogspot.com
  • 25. 25 Moais da Ilha de Páscoa carolcorreageo.blogspot.com
  • 26. Mauna Loa (1984) Mauna Kea carolcorreageo.blogspot.com
  • 28. Vulcão Santa Helena carolcorreageo.blogspot.com
  • 29. ROCHAS MAGMÁTICAS OU ÍGNEAS Intrusivas ou Plutônicas Extrusivas ou Vulcânicas Vista numa lente de aumento Vista num microscópio de luz polarizada TEXTURA carolcorreageo.blogspot.com
  • 30. Intemperismo Quando as rochas ígneas são expostas na superfície, sofrem a ação de agentes como a água, as variações de temperatura, mecanismos de oxidação, entre outros. carolcorreageo.blogspot.com
  • 31. Intemperismo Estes agentes causam a desintegração e a decomposição das rochas na superfície em um processo chamado de intemperismo ou meteorização. Erosão: Remoção dos materiais pelos agentes de transporte (água, vento, gelo ou gravidade). carolcorreageo.blogspot.com
  • 32. Em função dos mecanismos predominantes de atuação, são classificados em: Intemperismo químico; Intemperismo biológico; Intemperismo físico.
  • 33. Intemperismo Físico É a desagregação física das rochas; Prepara a rocha para a atuação do intemperismo químico; Não há alteração da composição química das rochas.
  • 34. Intemperismo Físico Os principais fatores desta desintegração são: Alívio de pressão; Expansão térmica; Crescimento de cristais pelo congelamento da água.
  • 35. Crescimento de cristais nos poros ou fendas – congelamento (crioclastia); cristalização de cloretos sulfatos e carbonatos. carolcorreageo.blogspot.com
  • 36. Quando a água congela aumenta cerca de 9% do seu volume devido ao rearranjo das moléculas da água em uma estrutura cristalina aberta. Isto ocorre principalmente em áreas de altas latitudes.
  • 38. Bloco de gnaisse fraturado pela ação do gelo nas fissuras (Antartida) . Foto: M. Hambrey carolcorreageo.blogspot.com
  • 40. O intemperismo físico prepara a rocha para a atuação do intemperismo químico faces (Área superficial total) (Área superficial total) faces cubos carolcorreageo.blogspot.com
  • 41. Consiste na decomposição das rochas devido ao rompimento do equilíbrio do conjunto de íons que constituem os minerais. Intemperismo Químico
  • 42. Seu principal agente: A água de infiltração por ser levemente ácida e quimicamente ativa; carolcorreageo.blogspot.com
  • 43. Reações do intemperismo químico: Hidrólise É uma reação química de quebra de uma molécula devido a presença de água. Esta reação de alteração envolve fluido aquoso com íons de hidrogênio (H+) ou de hidroxila (OH–) substituindo íons que são liberados para a solução. carolcorreageo.blogspot.com
  • 44. Acidólise É a reação de decomposição de minerais que ocorre em ambientes de clima frio, onde a decomposição da matéria orgânica é incompleta, formando ácidos orgânicos que diminuem muito o pH das águas, complexando e solubilizando o Fe e o Al. carolcorreageo.blogspot.com
  • 45. Hidratação Consiste na incorporação de água à estrutura mineral, formando um novo mineral. Dissolução Consiste da sulubilização completa de alguns minerais como, por exemplo, a calcita e a halita. Essa dissolução intensa é mais comum em terrenos calcários formando cavernas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 46. Gruta: Lago Azul/Bonto-MS Fonte: http://www.infobibos.com/Artigos/2010_1/Aguas1/index.htm carolcorreageo.blogspot.com
  • 47. Poço encantado e gruta da pratinha –Chapada Diamantina - BA Fonte: http://oprevisor.blogspot.com.br/2009/08/as-cidades-da-chapada-diamantina.html carolcorreageo.blogspot.com
  • 50. Guatemala, junho de 2010. Buraco com 30 metros de diâmetro. Fonte: www.cienciahoje.pt carolcorreageo.blogspot.com
  • 51. Oxidação Consiste na mudança do estado de oxidação de um elemento, através de reação com o oxigênio. O ferro , por exemplo, encontra-se nos minerais primários como biotita, piroxênio, anfibólio e olivina. Quando liberado em solução oxida-se e precipita como um novo composto. Ex.: geothita. carolcorreageo.blogspot.com
  • 53. Consiste na desagregação física e na decomposição química das rochas causada pelos organismos vivos. Intemperismo Biológico
  • 54. Exemplo de Intemperismo biológico que contribui para o intemperismo mecânico através das raízes das plantas. Podemos ver a ação desagregadora das raízes. No Arpoador – RJ. carolcorreageo.blogspot.com
  • 55. Outro exemplo de intemperismo biológico apresentando neste caso, orifícios de ouriços do mar. No Arpoador – RJ. carolcorreageo.blogspot.com
  • 57. Sedimentos O material resultante da desagregação e decomposição das rochas é chamado de sedimentos. Os sedimentos são transportados pelos agentes erosivos – água, gelo, vento ou ondas – e posteriormente depositados. carolcorreageo.blogspot.com
  • 58. Rochas Sedimentares O processo de transformação de sedimentos em rocha é chamado de litificação e resulta na formação de rochas sedimentares. carolcorreageo.blogspot.com
  • 59. Litificação Quando os sedimentos são compactados, através da sobreposição de camadas de sedimentos, ou cimentados através da percolação de água contendo carbonato de cálcio ou sílica; Esses sedimentos então se convertem em rocha. carolcorreageo.blogspot.com
  • 60. Exemplos de rochas Sedimentares carolcorreageo.blogspot.com
  • 63. Químicas Originadas pela decomposição de sedimentos por processos químicos. Evaporitos: formados pela evaporação da água marinha. Evaporitos no Vale da Morte, nos Estados Unidos (sal). carolcorreageo.blogspot.com
  • 64. Carbonato: formado a partir de restos de esqueletos de animais marinhos e plantas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 66. Rochas Metamórficas Se as rochas sedimentares forem submetidas a grandes temperaturas e pressões, responderão às mudanças das condições ambientais com a recristalização e o rearranjo de seus minerais, criando o terceiro tipo de rocha – as rochas metamórficas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 67. O metamorfismo é o processo através do qual as rochas ígneas, sedimentares ou mesmo metamórficas sofrem transformação na composição mineralógica, na estrutura e textura, no estado sólido, em resposta às altas temperaturas e pressões. carolcorreageo.blogspot.com
  • 68. O calor, a pressão interna e a presença de fluidos são os três principais fatores que controlam o metamorfismo. De acordo com a pressão e a temperatura envolvidos, podemos separar o metamorfismo em diferentes graus Baixo Grau Grau Intermédiário Alto Grau carolcorreageo.blogspot.com
  • 69. Rochas de Baixo grau Pressão ( Kbar) Temperatura (ºC) Profundidade (Km) Rochas não encontradas naturalmente sob essas condições 1kilobar = 1000 x 1atm carolcorreageo.blogspot.com
  • 70. Textura metamórfica O metamorfismo imprime nova textura as rochas sendo a foliação a mais proeminente Foliação : conjunto de superfícies paralelas, planas ou onduladas produzidas pela deformação. carolcorreageo.blogspot.com
  • 71. Rochas Foliadas: Ardósia Rocha foliada de mais baixo grau. Possui grãos tão finos que seus minerais individuais não podem ser vistos facilmente sem microscópio. São geralmente formadas pelo metamorfismo de folhelhos, ou com menos freqüência de depósitos de cinzas vulcânicas. Variam de cinza-escuro a preto carolcorreageo.blogspot.com
  • 72. Filito De grau levemente mais alto que a ardósia. Eles tendem a ter um brilho mais lustroso, resultado de micas e cloritas que cresceram um pouco mais que na ardósia. Tendem a se partir em folhas , porém menos perfeitas que as ardósias. carolcorreageo.blogspot.com
  • 73. Xisto Metamorfismo de grau intermediário. Os cristais crescem suficientemente para serem visíveis a olho nú. Os minerais tendem a segregar-se em bandas mais claras e mais escuras. carolcorreageo.blogspot.com
  • 74. Gnaisse Metamorfismo de alto grau; Possui foliação ainda mais espessa; Possui bandas espessas de minerais claros e escuros; Rochas de grão grosso; carolcorreageo.blogspot.com
  • 75. Migmatito Metamorfimo de alto grau; Rochas extremamente deformadas e contorcidas; Rochas formadas em temperaturas próximas a da fusão total. carolcorreageo.blogspot.com
  • 76. Rochas Granoblásticas (não foliadas) Quartzito Rochas muito duras Derivadas de arenitos carolcorreageo.blogspot.com
  • 77. Mármores Metamorfismo de calcários e dolomitas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 78. As rochas metamórficas geralmente são mais compactas e duras que a rocha original, como ocorre com o calcário e o arenito que, recristalizados, passam a mármore e quartzito. carolcorreageo.blogspot.com
  • 80. Melting (Material Fundido) Se as condições ambientais a que forem submetidas as rochas sedimentares ou rochas ígneas forem capazes de fundi-las, estas rochas serão transformadas em magma. Podem voltar a formar rochas ígneas. carolcorreageo.blogspot.com
  • 81. Qual a importância das rochas? carolcorreageo.blogspot.com
  • 82. Ciclo das Rochas carolcorreageo.blogspot.com
  • 83. O ciclo das rochas nos ajuda a entender a origem das rochas ígneas, sedimentares e metamórficas e a perceber que cada tipo está ligado ao outro através de processos que agem na superfície e no interior do planeta. carolcorreageo.blogspot.com
  • 84. Quando o magma vai esfriando, desenvolvem-se minerais formando as rochas ígneas ou magmáticas; Este processo de solidificação do magma é chamado de cristalização. carolcorreageo.blogspot.com
  • 85. As rochas ígneas ascendem sob a forma de uma elevada cordilheira; carolcorreageo.blogspot.com
  • 86. As rochas da crosta sobrejacentes às rochas ígneas que sofreram ascensão, são gradualmente meteorizadas ( desagregadas e decompostas) expondo as rochas ígneas à superfície; carolcorreageo.blogspot.com
  • 87. As rochas ígneas são então expostas aos diferentes processos de imptemperismo; A erosão por água, gelo e vento transporta os sedimentos rochosos e os íons dissolvidos para os diversos ambientes de sedimentação; carolcorreageo.blogspot.com
  • 88. Estes sedimentos depositados vão sendo enterrados; Gradualmente vão sofrendo litificação e dão origem às rochas sedimentares; A medida que esta afunda na crosta, vai se tornando mais quente; carolcorreageo.blogspot.com
  • 89. Os minerais começam a transformar- se em minerais mais estáveis a estas condições de temperatura e pressão mais elevadas; Este é o processo de metamorfismo; carolcorreageo.blogspot.com
  • 90. Continuando com o aquecimento, pode dar-se a fusão das rochas e a formação de um novo magma a partir do qual novas rochas ígneas irão cristalizar recomeçando o ciclo. carolcorreageo.blogspot.com
  • 91. O CICLO DAS ROCHAS INTEMPERISMO TRANSPORTE DEPOSIÇÃO SEDIMENTOS LITIFICAÇÃO ROCHAS SEDIMENTARES ROCHAS METAMÓRFICAS ROCHAS ÍGNEAS (INTRUSIVAS) ROCHAS ÍGNEAS (EXTRUSIVAS) METAMORFISMO FUSÃO CRISTALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO SOERGUIMENTO E EXPOSIÇÃO carolcorreageo.blogspot.com
  • 93. GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980. PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p. TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. Referências carolcorreageo.blogspot.com