SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
ECOLOGIA
RELAÇÕES TRÓFICAS
Energia: definições básicas
 Energia: É a capacidade de realizar trabalho. Esta capacidade
pode-se manifestar sob várias formas: radiação
eletromagnética, energia potencial ou incorporada, energia
cinética, energia química (dos alimentos) e calor.
 1ª Lei da Termodinâmica: (Conservação da energia) A energia
pode ser transformada de um tipo em outro, mas não pode ser
criada nem destruída. Exemplos destas transformações: luz em
calor, energia potencial em cinética.
 2ª Lei da Termodinâmica: (Lei da Entropia) Nenhum processo
que implique numa transformação energética ocorrerá
espontaneamente, a menos que haja uma degradação de
energia de uma forma concentrada numa forma mais dispersa
(ou desorganizada). Assim sendo, nenhuma transformação de
energia é 100% eficiente. A entropia é uma medida de energia
não disponível, que resulta das transformações energéticas.
Sua variação é sempre positiva em qualquer transformação
Energia nos organismos vivos
 Os organismos vivos possuem uma característica
termodinâmica essencial: eles conseguem criar e
manter um alto grau de ordem interna, ou uma
condição de baixa entropia, que é obtido através de
processos biológicos contínuos e eficientes de
dissipação energética.
O ambiente energético da
biosfera
 A luz solar que atinge o topo da biosfera iluminada
terrestre chega a uma taxa constante, a chamada
constante solar (1.94 cal/cm2.min). Um máximo de
67% da constante solar (~ 1.34 cal/cm².min) pode
atingir a superfície terrestre.
 A radiação solar sofre consideráveis modificações
qualitativas e quantitativas ao atravessar a atmosfera
terrestre. Tais modificações são influenciadas por
vários fatores dentre eles a topografia, a latitude, o
clima bem como composição gasosa da atmosfera. A
água e o gás carbônico absorvem ativamente a
radiação na faixa do infra-vermelho.
Ecossistema: histórico
Charles Elton (década de 1920): “as relações de
alimentação ligam os organismos numa entidade
funcional única, a comunidade biológica.”
A. G. Tansley (década de 1930): “visualizou as
partes físicas e biológicas da natureza juntas,
unificadas pela dependência dos animais e das
plantas da sua vizinhança física e da sua contribuição
à manutenção do mundo físico. A isto denominou de
ecossistema.
Raymond Lindeman (1942): definiu níveis tróficos
e visualizou uma pirâmide de energia.
Ecossistema: definições
Eugene P. Odum (1953): retratou os
ecossistemas como diagramas de fluxo de
energia.
Hoje em dia, uma definição de ecossistema
muito usada em Ecologia seria a seguinte:
qualquer unidade que inclua a totalidade dos
organismos (comunidades) de uma área
determinada, que atuam em reciprocidade com o
meio físico de modo que uma corrente de
energia conduza a uma estrutura trófica, a uma
diversidade biótica e a ciclos biogeoquímicos
(Odum, 1977).
Ecossistema: aspectos
estruturais
 substâncias inorgânicas (particuladas, dissolvidas)
 substâncias orgânicas (particuladas e dissolvidas)
 clima
 substrato físico (sólido, líquido e gasoso)
 componentes bióticos
 produtores
 consumidores
 predadores
 desintegradores
 regeneradores
Ecossistema: aspectos
funcionais
 fluxo de energia
 cadeias de alimentos
 diversidade (tempo e espaço)
 ciclos de nutrientes
 sucessão e evolução
 controle (cibernética)
Ecologia trófica
 O estudo das interações tróficas é essencial para o
entendimento do que se passa dentro de um
ecossistema. Este tipo de estudo demonstra de
modo inequívoco o grau de inter-relações existente
entre os organismos e aponta os principais
elementos na manutenção da estrutura do
ecossistema.
 Uma das formas mais tradicionais de se estudar a
ecologia trófica está na identificação das rotas
alimentares dentro dos ecossistemas.
 a) cadeias alimentares;
 b) teias tróficas;
 c) pirâmides energéticas e
 d) matrizes tróficas.
Ecologia de processos
 Eficiências Energéticas: As proporções (ou razões)
entre os fluxos de energia em diversos pontos ao
longo da cadeia de alimentos, quando expressas em
percentuais. Calcula-se com as seguintes variáveis:
 E: excreção
 R: respiração
 B: biomassa
 A: assimilação
 I: ingestão
Serviços ecossistêmicos
 1. Regulação gasosa
 2. Regulação climática
 3. Regulação de distúrbios
 4. Regulação de recursos
hídricos
 5. Disponibilização de
recursos hídricos
 6. Controle de erosão e
retenção de sedimentos
 7. Formação de solo
 8. Ciclagem de nutrientes
 9. Controle de
poluentes
 10. Polinização
 11. Controle biológico
 12. Refúgio
 13. Produção de
alimentos
 14. Matéria-prima
 15. Recursos
genéticos
 16. Recreação
 17. Cultural
Valor médio anual: $ 33 trilhões
Desenvolvimento Sustentável
 Desenvolvimento capaz de suprir as
necessidades da geração atual, sem
comprometer a capacidade de atender
as necessidades das futuras gerações.
 É o desenvolvimento que não esgota os
recursos para o futuro.
 Harmonia entre desenvolvimento
econômico e a conservação ambiental.
Como se alcança o
desenvolvimento
sustentável?
 O desenvolvimento sustentável depende
de planejamento e do reconhecimento de
que os recursos naturais são finitos.
 Qualidade em vez de quantidade, com a
redução do uso de matérias-primas e
produtos e o aumento da reutilização e da
reciclagem.
Qual o modelo de
desenvolvimento a ser adotado?
 O caminho a seguir não pode ser o mesmo
adotado pelos países industrializados.
 Ao invés de aumentar os níveis de consumo
dos países em desenvolvimento, é preciso
reduzir os níveis observados nos países
industrializados.
 Desenvolvimento  crescimento econômico.
 Crescimento econômico depende do
consumo crescente de energia e recursos
naturais.
Energia: consumo e fontes no
Brasil
CADEIA ALIMENTAR
Seqüência de organismos que se relacionam pela alimentação.
Existem basicamente dois tipos de cadeia alimentar: as que
começam a partir das plantas fotossintetizantes e as originadas
através da matéria orgânica animal e vegetal morta.
Ex.: PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO
Uma cadeia alimentar é uma seqüência linear de
seres vivos, uns servindo de alimento a outros, e
também é uma simplificação do que acontece nos
ecossistemas e, portanto, artificial.
NÍVEL TRÓFICO
Posição do organismo numa cadeia alimentar.
PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO
1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico
Produtores - São sempre seres autótrofos (que produzem seu próprio
alimento), produzem alimento que será usado na cadeia e são
obrigatoriamente a base de qualquer cadeia alimentar. A energia
transformada a partir da luz solar e do gás carbônico (fotossíntese) será
repassada a todos os outros componentes restantes da cadeia ecológica.
Os principais produtores conhecidos são as plantas e algas
microscópicas (fitoplâncton).
Consumidores - São os organismos que necessitam de se alimentar de
outros organismos para obter a energia, uma vez que são incapazes de
produzir seu próprio alimento. Se alimentam dos seres autótrofos e de
outros heterótrofos. Como exemplo, os herbívoros e carnívoros.
Decompositores - São organismos que atuam na transformação da
matéria orgânica em matéria inorgânica, fazendo com que estes
compostos retornem ao solo para serem utilizados novamente por outro
produtor, gerando uma nova cadeia alimentar. Os decompositores mais
importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem de matéria em
decomposição são considerados saprófitos ou sapróvoros.
COMPONENTES DE UMA CADEIA ALIMENTAR
- PRODUTORES:  AUTÓTROFOS:
FOTOSSÍNTESE
QUIMIOSSÍNTESE
- CONSUMIDORES:  HETERÓTROFOS:
HERBÍVOROS
CARNÍVOROS
ONÍVOROS
- DECOMPOSITORES:  SAPRÓFAGOS: (FUNGOS E BACTÉRIAS)
TEIA ALIMENTAR
Um conjunto de cadeias alimentares.
Ex.:
Uma teia alimentar pode incluir seres vivos de diversos
ecossistemas, é complexa e expressa o que realmente
ocorre.
FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA NA CADEIA
ALIMENTAR
A matéria se mantém num ciclo interminável, ora passa
por uma fase inorgânica, ora atravessa uma fase
orgânica.
A energia, entretanto, não segue um caminho cíclico. Ela
é unidirecional, pois se dispersa dos seres para o
ambiente, sob a forma de calor, não mais sendo
recuperável pelos organismos.
PPIRÂMIDES ECOLÓGICAS
Representações gráficas das relações alimentares de uma
comunidade.
Os degraus de uma pirâmide poderão representar:
-- a quantidade de kilocalorias (energia) presentes nos
componentes de uma cadeia alimentar,
- a Biomassa armazenada em cada nível trófico ou
- o número de indivíduos envolvidos na referida cadeia.
Portanto existem:
· PIRÂMIDES DE ENERGIA
PIRÂMIDES DE BIOMASSA
PIRÂMIDES DE NÚMEROS
PIRÂMIDES DE BIOMASSA:são representadas, em cada
nível, pelo peso seco consumido numa cadeia
alimentar e expressa a quantidade de matéria orgânica
por área.
São invertidas em ecossistemas aquáticos:
- onde os produtores são bem menores e consumidos
em grande quantidade por consumidores cada vez
maiores
- este tipo de ecossistema só pode existir devido ao
alta velocidade de reprodução dos produtores
representados ali geralmente pelo fitoplâncton.
PIRÂMIDES DE NÚMEROS: mostra o número de
indivíduos que existe em cada nível trófico. A largura
dos níveis representam o número de representantes de
cada espécie naquela cadeia alimentar; é a mais
variada.
PIRÂMIDES DE ENERGIA: correspondem a energia
contida na biomassa de cada nível trófico, assim cada
parte da pirâmide terá indicada a energia de um nível
trófico. A energia não é acumulada , a medida que vai
passando de um consumidor para o outro ela vai
diminuindo, e, por isto mesmo não pode ser invertida.
MAGNIFICAÇÃO TRÓFICA
Substâncias tóxicas como DDT, BHC (Agrotóxicos),
mercúrio, cromo e elementos radioativos tendem a se
acumular ao longo da cadeia alimentar, prejudicando
principalmente os carnívoros.
MERCÚRIO
Origem: Atividade de mineração (ouro).
Efeito: Acumulação na cadeia alimentar (magnificação
trófica).
DDT E HERBICIDAS
Origem: Atividade agrícola.
Efeito: Acumulo nas cadeias alimentares (magnificação
trófica).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemaslpmir
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - EcologiaCiências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologiaelonvila
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemasguest5b12783
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraCarla Brites
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasLeonardo Alves
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.Allef B. Santos
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasisabelalexandrapinto
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaLucca
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaCarlos Priante
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaTânia Reis
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiCristina Vitória
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tcTeresa Monteiro
 
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.rafaelcef3
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;s1lv1alouro
 

Mais procurados (20)

fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemas
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - EcologiaCiências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Individuos nos ecossistemas
Individuos nos ecossistemasIndividuos nos ecossistemas
Individuos nos ecossistemas
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matéria
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
 
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.Cap 03   a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
Cap 03 a transferência de energia e de matéria num ecossistema.
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
 

Semelhante a 03 ecologia relacoes troficas

Semelhante a 03 ecologia relacoes troficas (20)

Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
 
apresentação sobre Fluxo energético para turma de biologia
apresentação sobre Fluxo energético  para turma de biologiaapresentação sobre Fluxo energético  para turma de biologia
apresentação sobre Fluxo energético para turma de biologia
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
 
piramide ecologica.pptx
piramide ecologica.pptxpiramide ecologica.pptx
piramide ecologica.pptx
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Ecossistemas matéria e energia (2) (1)
Ecossistemas   matéria e energia (2) (1)Ecossistemas   matéria e energia (2) (1)
Ecossistemas matéria e energia (2) (1)
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

03 ecologia relacoes troficas

  • 2. Energia: definições básicas  Energia: É a capacidade de realizar trabalho. Esta capacidade pode-se manifestar sob várias formas: radiação eletromagnética, energia potencial ou incorporada, energia cinética, energia química (dos alimentos) e calor.  1ª Lei da Termodinâmica: (Conservação da energia) A energia pode ser transformada de um tipo em outro, mas não pode ser criada nem destruída. Exemplos destas transformações: luz em calor, energia potencial em cinética.  2ª Lei da Termodinâmica: (Lei da Entropia) Nenhum processo que implique numa transformação energética ocorrerá espontaneamente, a menos que haja uma degradação de energia de uma forma concentrada numa forma mais dispersa (ou desorganizada). Assim sendo, nenhuma transformação de energia é 100% eficiente. A entropia é uma medida de energia não disponível, que resulta das transformações energéticas. Sua variação é sempre positiva em qualquer transformação
  • 3. Energia nos organismos vivos  Os organismos vivos possuem uma característica termodinâmica essencial: eles conseguem criar e manter um alto grau de ordem interna, ou uma condição de baixa entropia, que é obtido através de processos biológicos contínuos e eficientes de dissipação energética.
  • 4. O ambiente energético da biosfera  A luz solar que atinge o topo da biosfera iluminada terrestre chega a uma taxa constante, a chamada constante solar (1.94 cal/cm2.min). Um máximo de 67% da constante solar (~ 1.34 cal/cm².min) pode atingir a superfície terrestre.  A radiação solar sofre consideráveis modificações qualitativas e quantitativas ao atravessar a atmosfera terrestre. Tais modificações são influenciadas por vários fatores dentre eles a topografia, a latitude, o clima bem como composição gasosa da atmosfera. A água e o gás carbônico absorvem ativamente a radiação na faixa do infra-vermelho.
  • 5. Ecossistema: histórico Charles Elton (década de 1920): “as relações de alimentação ligam os organismos numa entidade funcional única, a comunidade biológica.” A. G. Tansley (década de 1930): “visualizou as partes físicas e biológicas da natureza juntas, unificadas pela dependência dos animais e das plantas da sua vizinhança física e da sua contribuição à manutenção do mundo físico. A isto denominou de ecossistema. Raymond Lindeman (1942): definiu níveis tróficos e visualizou uma pirâmide de energia.
  • 6. Ecossistema: definições Eugene P. Odum (1953): retratou os ecossistemas como diagramas de fluxo de energia. Hoje em dia, uma definição de ecossistema muito usada em Ecologia seria a seguinte: qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidades) de uma área determinada, que atuam em reciprocidade com o meio físico de modo que uma corrente de energia conduza a uma estrutura trófica, a uma diversidade biótica e a ciclos biogeoquímicos (Odum, 1977).
  • 7. Ecossistema: aspectos estruturais  substâncias inorgânicas (particuladas, dissolvidas)  substâncias orgânicas (particuladas e dissolvidas)  clima  substrato físico (sólido, líquido e gasoso)  componentes bióticos  produtores  consumidores  predadores  desintegradores  regeneradores
  • 8. Ecossistema: aspectos funcionais  fluxo de energia  cadeias de alimentos  diversidade (tempo e espaço)  ciclos de nutrientes  sucessão e evolução  controle (cibernética)
  • 9. Ecologia trófica  O estudo das interações tróficas é essencial para o entendimento do que se passa dentro de um ecossistema. Este tipo de estudo demonstra de modo inequívoco o grau de inter-relações existente entre os organismos e aponta os principais elementos na manutenção da estrutura do ecossistema.  Uma das formas mais tradicionais de se estudar a ecologia trófica está na identificação das rotas alimentares dentro dos ecossistemas.  a) cadeias alimentares;  b) teias tróficas;  c) pirâmides energéticas e  d) matrizes tróficas.
  • 10. Ecologia de processos  Eficiências Energéticas: As proporções (ou razões) entre os fluxos de energia em diversos pontos ao longo da cadeia de alimentos, quando expressas em percentuais. Calcula-se com as seguintes variáveis:  E: excreção  R: respiração  B: biomassa  A: assimilação  I: ingestão
  • 11. Serviços ecossistêmicos  1. Regulação gasosa  2. Regulação climática  3. Regulação de distúrbios  4. Regulação de recursos hídricos  5. Disponibilização de recursos hídricos  6. Controle de erosão e retenção de sedimentos  7. Formação de solo  8. Ciclagem de nutrientes  9. Controle de poluentes  10. Polinização  11. Controle biológico  12. Refúgio  13. Produção de alimentos  14. Matéria-prima  15. Recursos genéticos  16. Recreação  17. Cultural Valor médio anual: $ 33 trilhões
  • 12. Desenvolvimento Sustentável  Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações.  É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro.  Harmonia entre desenvolvimento econômico e a conservação ambiental.
  • 13. Como se alcança o desenvolvimento sustentável?  O desenvolvimento sustentável depende de planejamento e do reconhecimento de que os recursos naturais são finitos.  Qualidade em vez de quantidade, com a redução do uso de matérias-primas e produtos e o aumento da reutilização e da reciclagem.
  • 14. Qual o modelo de desenvolvimento a ser adotado?  O caminho a seguir não pode ser o mesmo adotado pelos países industrializados.  Ao invés de aumentar os níveis de consumo dos países em desenvolvimento, é preciso reduzir os níveis observados nos países industrializados.  Desenvolvimento  crescimento econômico.  Crescimento econômico depende do consumo crescente de energia e recursos naturais.
  • 15. Energia: consumo e fontes no Brasil
  • 16. CADEIA ALIMENTAR Seqüência de organismos que se relacionam pela alimentação. Existem basicamente dois tipos de cadeia alimentar: as que começam a partir das plantas fotossintetizantes e as originadas através da matéria orgânica animal e vegetal morta. Ex.: PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO
  • 17. Uma cadeia alimentar é uma seqüência linear de seres vivos, uns servindo de alimento a outros, e também é uma simplificação do que acontece nos ecossistemas e, portanto, artificial. NÍVEL TRÓFICO Posição do organismo numa cadeia alimentar. PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico
  • 18. Produtores - São sempre seres autótrofos (que produzem seu próprio alimento), produzem alimento que será usado na cadeia e são obrigatoriamente a base de qualquer cadeia alimentar. A energia transformada a partir da luz solar e do gás carbônico (fotossíntese) será repassada a todos os outros componentes restantes da cadeia ecológica. Os principais produtores conhecidos são as plantas e algas microscópicas (fitoplâncton). Consumidores - São os organismos que necessitam de se alimentar de outros organismos para obter a energia, uma vez que são incapazes de produzir seu próprio alimento. Se alimentam dos seres autótrofos e de outros heterótrofos. Como exemplo, os herbívoros e carnívoros. Decompositores - São organismos que atuam na transformação da matéria orgânica em matéria inorgânica, fazendo com que estes compostos retornem ao solo para serem utilizados novamente por outro produtor, gerando uma nova cadeia alimentar. Os decompositores mais importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem de matéria em decomposição são considerados saprófitos ou sapróvoros.
  • 19. COMPONENTES DE UMA CADEIA ALIMENTAR - PRODUTORES:  AUTÓTROFOS: FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE - CONSUMIDORES:  HETERÓTROFOS: HERBÍVOROS CARNÍVOROS ONÍVOROS - DECOMPOSITORES:  SAPRÓFAGOS: (FUNGOS E BACTÉRIAS)
  • 20. TEIA ALIMENTAR Um conjunto de cadeias alimentares. Ex.: Uma teia alimentar pode incluir seres vivos de diversos ecossistemas, é complexa e expressa o que realmente ocorre.
  • 21. FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA NA CADEIA ALIMENTAR A matéria se mantém num ciclo interminável, ora passa por uma fase inorgânica, ora atravessa uma fase orgânica. A energia, entretanto, não segue um caminho cíclico. Ela é unidirecional, pois se dispersa dos seres para o ambiente, sob a forma de calor, não mais sendo recuperável pelos organismos.
  • 22. PPIRÂMIDES ECOLÓGICAS Representações gráficas das relações alimentares de uma comunidade. Os degraus de uma pirâmide poderão representar: -- a quantidade de kilocalorias (energia) presentes nos componentes de uma cadeia alimentar, - a Biomassa armazenada em cada nível trófico ou - o número de indivíduos envolvidos na referida cadeia. Portanto existem: · PIRÂMIDES DE ENERGIA PIRÂMIDES DE BIOMASSA PIRÂMIDES DE NÚMEROS
  • 23. PIRÂMIDES DE BIOMASSA:são representadas, em cada nível, pelo peso seco consumido numa cadeia alimentar e expressa a quantidade de matéria orgânica por área. São invertidas em ecossistemas aquáticos: - onde os produtores são bem menores e consumidos em grande quantidade por consumidores cada vez maiores - este tipo de ecossistema só pode existir devido ao alta velocidade de reprodução dos produtores representados ali geralmente pelo fitoplâncton.
  • 24. PIRÂMIDES DE NÚMEROS: mostra o número de indivíduos que existe em cada nível trófico. A largura dos níveis representam o número de representantes de cada espécie naquela cadeia alimentar; é a mais variada.
  • 25. PIRÂMIDES DE ENERGIA: correspondem a energia contida na biomassa de cada nível trófico, assim cada parte da pirâmide terá indicada a energia de um nível trófico. A energia não é acumulada , a medida que vai passando de um consumidor para o outro ela vai diminuindo, e, por isto mesmo não pode ser invertida.
  • 26. MAGNIFICAÇÃO TRÓFICA Substâncias tóxicas como DDT, BHC (Agrotóxicos), mercúrio, cromo e elementos radioativos tendem a se acumular ao longo da cadeia alimentar, prejudicando principalmente os carnívoros. MERCÚRIO Origem: Atividade de mineração (ouro). Efeito: Acumulação na cadeia alimentar (magnificação trófica). DDT E HERBICIDAS Origem: Atividade agrícola. Efeito: Acumulo nas cadeias alimentares (magnificação trófica).