SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
DRENAGEM SUPERFICIAL
DRENAGEM SUPERFICIAL
Tem por objetivo a captação ou interceptação e
remoção das águas precipitadas, sobre as estradas e
áreas adjacentes, que escoam superficialmente. A água
superficial é a água que resta de uma chuva após serem
deduzidas as perdas por evaporação e por infiltração.
DRENAGEM SUPERFICIAL
As águas superficiais devem ser removidas ou
conduzidas para fora do corpo estradal, ou para locais
apropriados de desague seguro, para evitar a sua
acumulação na estrada, bem como visando
proporcionar estabilidade aos maciços de terra que
constituem a infraestrutura e não causar erosão nos
terrenos marginais.
O sistema de drenagem superficial se compõe dos
seguintes dispositivos, os quais serão detalhados na
sequência:
• valeta de proteção de corte;
• valeta de proteção de aterro;
• sarjeta de corte;
• sarjeta e meio-fio de aterro;
• sarjeta de canteiro central e de banquetas;
• transposição de segmentos de sarjetas;
• saída e descida d’água em talude;
• dissipador de energia;
• bueiro de greide;
• caixa coletora;
• bacia de captação e vala de derivação;
• vala lateral e corta-rio.
• valeta de proteção de corte;
• valeta de proteção de aterro;
• sarjeta de corte;
• sarjeta e meio-fio de aterro;
• sarjeta de canteiro central e de banquetas;
• transposição de segmentos de sarjetas;
• saída e descida d’água em talude;
• dissipador de energia;
• bueiro de greide;
• caixa coletora;
• bacia de captação e vala de derivação;
• vala lateral e corta-rio.
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
Também denominada de Valeta de Coroamento,
consiste em dispositivo destinado a interceptar e
conduzir as águas precipitadas sobre as áreas
adjacentes e que escoam a montante dos cortes,
visando impedir que estas atinjam o corpo estradal.
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
~ 3 m
até 1,50 m
1
n
Plantio de Grama em Leivas
Material da Valeta apiloado
Arredondamento
Talude de Corte
a
1
1
Figura 6.1.1.1
Valeta de Proteção de Corte, ou Valeta de Crista
de Corte Trapezoidal
Revestimento de concreto
ou grama ou alvenaria ou
pedra argamassada
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE
VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
As valetas de proteção de aterros interceptam as águas
que escoam nas partes superiores dos aterros,
impedindo-as de atingir o pé do talude de aterro,
evitando a erosão do solo, além de conter o águas
provenientes das sarjetas e valetas de corte,
conduzindo-as para algum dispositivo de transposição
de talvegues.
VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
Terreno Natural
Material retirado da
valeta, apiloado
Terreno Natural
Subjacente
Figura 6.1.1.4
Valeta de Pé de Aterro
2,0 a 3,0m
a Talude de Aterro
1
b
Revestimento de
concreto ou grama ou
alvenaria ou pedra
arrumada
(argamassada ou
não)
VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO COM SAÍDA D’ ÁGUA
• valeta de proteção de corte;
• valeta de proteção de aterro;
• sarjeta de corte;
• sarjeta e meio-fio de aterro;
• sarjeta de canteiro central e de banquetas;
• transposição de segmentos de sarjetas;
• saída e descida d’água em talude;
• dissipador de energia;
• bueiro de greide;
• caixa coletora;
• bacia de captação e vala de derivação;
• vala lateral e corta-rio.
SARJETA DE CORTE
As sarjetas de corte são dispositivos de drenagem
construídos lateralmente as pistas de rolamento,
destinados a captar e conduzir longitudinalmente as
águas precipitadas sobre a pista de rolamento e áreas
laterais a rodovia para os bueiros, saídas dos cortes ou
talvegues naturais.
SARJETA DE CORTE
SARJETA DE CORTE
SARJETA DE CORTE
SARJETA DE CORTE
Revestimento Vegetal
Talude de Corte
1
1
1 (V)
4 (H)
n
n
PARAMENTO JUNTO
AO ACOSTAMENTO
Figura 6.1.1.2
Sarjeta de Corte, triangular 1(V):4(H)
(n: segue o talude de corte)
variávelACOSTAMENTO
Revestimento de concreto ou
grama ou alvenaria ou pedra
arrumada (revestida ou não)
Pavimentação
SARJETA DE CORTE
• valeta de proteção de corte;
• valeta de proteção de aterro;
• sarjeta de corte;
• sarjeta e meio-fio de aterro;
• sarjeta de canteiro central e de banquetas;
• transposição de segmentos de sarjetas;
• saída e descida d’água em talude;
• dissipador de energia;
• bueiro de greide;
• caixa coletora;
• bacia de captação e vala de derivação;
• vala lateral e corta-rio.
SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO
As sarjetas e meio-fios de aterro são dispositivos
destinados a conduzir longitudinalmente as águas
precipitadas sobre a pista de rolamento para os bueiros
de greide ou saídas d’água, impedindo que escoem
pelo talude do aterro, provocando pontos de erosão.
SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO
SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO
6 (h)
1 (v)
Acostamento
Base de concreto
Continuação da Pavimentação
do Acostamento ou Binder
Revestimento Vegetal
de Aterro
Guia ( Meio Fio)
variável
SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 11.682-Estabilidade de taludes
Nbr 11.682-Estabilidade de taludesNbr 11.682-Estabilidade de taludes
Nbr 11.682-Estabilidade de taludespaulolubas159263
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS Eduardo Spech
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Thayris Cruz
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água paraJacqueline Schultz
 
684067 apostila drenagem (parte 1)
684067 apostila   drenagem (parte 1)684067 apostila   drenagem (parte 1)
684067 apostila drenagem (parte 1)Rodrigo Grazi
 
Unidade 3 Projeto de terraplenagem
Unidade 3   Projeto de terraplenagemUnidade 3   Projeto de terraplenagem
Unidade 3 Projeto de terraplenagemAlexandre Esmeraldo
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturasWillian De Sá
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgotoClaudio Santos
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999UNIFIA
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989UNIFIA
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaSérgio Lessa
 

Mais procurados (20)

Nbr 11.682-Estabilidade de taludes
Nbr 11.682-Estabilidade de taludesNbr 11.682-Estabilidade de taludes
Nbr 11.682-Estabilidade de taludes
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 
Revestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassaRevestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassa
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
 
Aula 3 estradas
Aula 3   estradasAula 3   estradas
Aula 3 estradas
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
684067 apostila drenagem (parte 1)
684067 apostila   drenagem (parte 1)684067 apostila   drenagem (parte 1)
684067 apostila drenagem (parte 1)
 
Unidade 3 Projeto de terraplenagem
Unidade 3   Projeto de terraplenagemUnidade 3   Projeto de terraplenagem
Unidade 3 Projeto de terraplenagem
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Topografia aula01
Topografia aula01Topografia aula01
Topografia aula01
 
Estaqueamento
EstaqueamentoEstaqueamento
Estaqueamento
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
NBR 6118
NBR 6118NBR 6118
NBR 6118
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 

Semelhante a Drenagem Superficial

Semelhante a Drenagem Superficial (20)

Valas
ValasValas
Valas
 
Valas
ValasValas
Valas
 
Valas
ValasValas
Valas
 
Aula de Abertura de Pista
Aula de Abertura de PistaAula de Abertura de Pista
Aula de Abertura de Pista
 
Procedimentos de Sinalização e Escoramentos em Obras de
Procedimentos de Sinalização e Escoramentos em Obras deProcedimentos de Sinalização e Escoramentos em Obras de
Procedimentos de Sinalização e Escoramentos em Obras de
 
Aula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaAula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de Vala
 
Valas
ValasValas
Valas
 
2º resumo estradas
2º resumo estradas2º resumo estradas
2º resumo estradas
 
Aula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson TavaresAula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson Tavares
 
Implantacao de estradas
Implantacao de estradasImplantacao de estradas
Implantacao de estradas
 
Microdrenagem.pdf
Microdrenagem.pdfMicrodrenagem.pdf
Microdrenagem.pdf
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
 
Fsa06.5 betonagem
Fsa06.5 betonagemFsa06.5 betonagem
Fsa06.5 betonagem
 
Barragem subterrânea
Barragem subterrâneaBarragem subterrânea
Barragem subterrânea
 
Adutoras
AdutorasAdutoras
Adutoras
 
Tema II.pptx
Tema II.pptxTema II.pptx
Tema II.pptx
 
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Concreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestresConcreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestres
 

Último

CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADEssusercc9a5f
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticaleilannygaldino
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxWiliamArmandoHarisso
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdftatebib346
 

Último (6)

CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Drenagem Superficial

  • 2. DRENAGEM SUPERFICIAL Tem por objetivo a captação ou interceptação e remoção das águas precipitadas, sobre as estradas e áreas adjacentes, que escoam superficialmente. A água superficial é a água que resta de uma chuva após serem deduzidas as perdas por evaporação e por infiltração.
  • 3. DRENAGEM SUPERFICIAL As águas superficiais devem ser removidas ou conduzidas para fora do corpo estradal, ou para locais apropriados de desague seguro, para evitar a sua acumulação na estrada, bem como visando proporcionar estabilidade aos maciços de terra que constituem a infraestrutura e não causar erosão nos terrenos marginais.
  • 4. O sistema de drenagem superficial se compõe dos seguintes dispositivos, os quais serão detalhados na sequência: • valeta de proteção de corte; • valeta de proteção de aterro; • sarjeta de corte; • sarjeta e meio-fio de aterro; • sarjeta de canteiro central e de banquetas; • transposição de segmentos de sarjetas;
  • 5. • saída e descida d’água em talude; • dissipador de energia; • bueiro de greide; • caixa coletora; • bacia de captação e vala de derivação; • vala lateral e corta-rio.
  • 6. • valeta de proteção de corte; • valeta de proteção de aterro; • sarjeta de corte; • sarjeta e meio-fio de aterro; • sarjeta de canteiro central e de banquetas; • transposição de segmentos de sarjetas; • saída e descida d’água em talude; • dissipador de energia; • bueiro de greide; • caixa coletora; • bacia de captação e vala de derivação; • vala lateral e corta-rio.
  • 7. VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE Também denominada de Valeta de Coroamento, consiste em dispositivo destinado a interceptar e conduzir as águas precipitadas sobre as áreas adjacentes e que escoam a montante dos cortes, visando impedir que estas atinjam o corpo estradal.
  • 12. VALETA DE PROTEÇÃO DE CORTE ~ 3 m até 1,50 m 1 n Plantio de Grama em Leivas Material da Valeta apiloado Arredondamento Talude de Corte a 1 1 Figura 6.1.1.1 Valeta de Proteção de Corte, ou Valeta de Crista de Corte Trapezoidal Revestimento de concreto ou grama ou alvenaria ou pedra argamassada
  • 15. VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO As valetas de proteção de aterros interceptam as águas que escoam nas partes superiores dos aterros, impedindo-as de atingir o pé do talude de aterro, evitando a erosão do solo, além de conter o águas provenientes das sarjetas e valetas de corte, conduzindo-as para algum dispositivo de transposição de talvegues.
  • 16. VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
  • 17. VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO
  • 18. VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO Terreno Natural Material retirado da valeta, apiloado Terreno Natural Subjacente Figura 6.1.1.4 Valeta de Pé de Aterro 2,0 a 3,0m a Talude de Aterro 1 b Revestimento de concreto ou grama ou alvenaria ou pedra arrumada (argamassada ou não)
  • 19. VALETA DE PROTEÇÃO DE ATERRO COM SAÍDA D’ ÁGUA
  • 20. • valeta de proteção de corte; • valeta de proteção de aterro; • sarjeta de corte; • sarjeta e meio-fio de aterro; • sarjeta de canteiro central e de banquetas; • transposição de segmentos de sarjetas; • saída e descida d’água em talude; • dissipador de energia; • bueiro de greide; • caixa coletora; • bacia de captação e vala de derivação; • vala lateral e corta-rio.
  • 21. SARJETA DE CORTE As sarjetas de corte são dispositivos de drenagem construídos lateralmente as pistas de rolamento, destinados a captar e conduzir longitudinalmente as águas precipitadas sobre a pista de rolamento e áreas laterais a rodovia para os bueiros, saídas dos cortes ou talvegues naturais.
  • 25. SARJETA DE CORTE Revestimento Vegetal Talude de Corte 1 1 1 (V) 4 (H) n n PARAMENTO JUNTO AO ACOSTAMENTO Figura 6.1.1.2 Sarjeta de Corte, triangular 1(V):4(H) (n: segue o talude de corte) variávelACOSTAMENTO Revestimento de concreto ou grama ou alvenaria ou pedra arrumada (revestida ou não) Pavimentação
  • 27. • valeta de proteção de corte; • valeta de proteção de aterro; • sarjeta de corte; • sarjeta e meio-fio de aterro; • sarjeta de canteiro central e de banquetas; • transposição de segmentos de sarjetas; • saída e descida d’água em talude; • dissipador de energia; • bueiro de greide; • caixa coletora; • bacia de captação e vala de derivação; • vala lateral e corta-rio.
  • 28. SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO As sarjetas e meio-fios de aterro são dispositivos destinados a conduzir longitudinalmente as águas precipitadas sobre a pista de rolamento para os bueiros de greide ou saídas d’água, impedindo que escoem pelo talude do aterro, provocando pontos de erosão.
  • 29. SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO
  • 30. SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO 6 (h) 1 (v) Acostamento Base de concreto Continuação da Pavimentação do Acostamento ou Binder Revestimento Vegetal de Aterro Guia ( Meio Fio) variável
  • 31. SARJETA E MEIO FIO DE ATERRO