SlideShare uma empresa Scribd logo
Drenagem Viária 
Padronização e Execução 
Patologias 
Ivan Roberto 
Laura Maria 
Mauro Rafael 
Max Martins 
Raimundo Vargas 
Disciplina: Estradas 
Prof: Valcir Soares
Drenagem Superficial
Drenagem Profunda
Drenagem Talvegue
Método CCL 
COLETAR CONDUZIR LANÇAR
DRENAGEM VIÁRIA 
Iniciando pela chuva, temos basicamente 4 destinos para as 
águas pluviais: 
1. Parte evapora retornando à atmosfera; 
2. Parte é absorvida e retida pela vegetação; 
3. Parte escoa sobre a superfície = são as águas superficiais; 
4. E parte penetra na crosta incorporando-se ao lençol freático = são as águas 
subterrâneas e profundas.
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL 
Valetas de proteção de aterro
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL 
Sarjetas
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL 
Boca de Lobo
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL 
Descidas d’água
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM PROFUNDA 
Drenos Longitudinais
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM PROFUNDA 
Caixas coletoras
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUBSUPERFICIAL 
Drenos rasos longitudinais
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUBSUPERFICIAL 
Valotões
DISPOSITIVOS DE DRENAGEM TALVEGUES 
Talvegues
MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA 
• São as águas superficiais e as profundas que afetam e 
prejudicam as obras em andamento e as rodovias concluídas. 
1. Escorregamento e erosão de taludes; 
2. Rompimento de aterros; 
3. Entupimento de bueiros; 
4. Queda de pontes; 
5. Diminuição da estrutura do pavimento; 
6. Variação de volume de solos mais expansivos; 
7. Destruição do pavimento pela pressão hidráulica; 
8. Oxidação e envelhecimento prematuro dos asfaltos.
• Infiltração pelas trincas, 
juntas ou transições; 
• Deterioração funcional e 
estrutural do Pavimento; 
• Bombeamento – pavimento 
rígido 
Drenagem Superficial
• Deterioração funcional e 
estrutural do pavimento; 
• Perda de suporte do 
subleito ; 
• Recalque e afundamento da 
plataforma; 
Drenagem Profunda
• Inundação da pista – 
interrupção do tráfego; 
• Estabilidade do talude – 
rebaixamento rápido do 
solo; 
• Erosão generalizada. 
Drenagem de Talvegue
MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
Processo de Execução 
Drenagem Viária
PROCESSO DE EXECUÇÃO 
Generalidade do Projeto 
1. Previsão da intensidade e frequência das chuvas, visando o escoamento 
superficial; 
2. Determinação de pontos naturais de concentração e descarga, e outras 
condições hidráulicas; 
3. Remoção dos excessos de água prejudiciais, do subsolo; 
4. Proporcionar a disposição mais eficiente das instalações de drenagem, de 
acordo com o custo, importância da rodovia, economia na conservação e 
normas em vigor.
ESTIMATIVA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL 
• Pelo menos para áreas de até 100 m². 
• Para locais em que os índices pluviométricos são extraordinariamente 
elevados para chuvas de curta duração, tem-se adotado 170 mm/h; 
• Estações subterrâneas do metrô, adota-se no cálculo de drenagem 
3,6 l/min por m², o que corresponde a 216 mm/h.
ESTIMATIVA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL 
Chamando (S) de área em m², (p) de precipitação em mm/h, (Q) 
de vazão em l/s teremos: 
Q = S x p / (3600) Vazão de projeto 
Para 1 m² e p = 150 mm/h teremos: 
Q = 0,0042 l/s por m² ou 2,52 l/min por m².

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila barragens feagr_2011
Apostila barragens feagr_2011Apostila barragens feagr_2011
Apostila barragens feagr_2011
Welvis Furtado
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
Ricardo Deboni
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Mateus Dezotti
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Giovanna Ortiz
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludes
camilapasta
 
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Giovani Aurélio Costa
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Apostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagemApostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagem
THIAGO RODRIGUES
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
Natalia Araújo Storck
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
marciotecsoma
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Aula 4 dimensionamento
Aula 4   dimensionamentoAula 4   dimensionamento
Aula 4 dimensionamento
Anderson Barroso Silva
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
Hidrologia UFC
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
Ronaldo Cesar
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Claudio Santos
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
Lucas Pereira Leão
 
Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
Cristhiane Okawa
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Jacqueline Schultz
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
Matheus Dias
 

Mais procurados (20)

Apostila barragens feagr_2011
Apostila barragens feagr_2011Apostila barragens feagr_2011
Apostila barragens feagr_2011
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludes
 
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Apostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagemApostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagem
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Drenagem urbana
 
Aula 4 dimensionamento
Aula 4   dimensionamentoAula 4   dimensionamento
Aula 4 dimensionamento
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
 

Semelhante a Drenagem Viária

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
lipemodesto
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
Danusa Campos
 
Af jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digitalAf jardins de-chuva-print-digital
Drenagem
DrenagemDrenagem
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
Gabriella Ribeiro
 
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVELLEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
Mariana Marchioni
 
Hidrologia aula03
Hidrologia aula03Hidrologia aula03
Hidrologia aula03
Geiza Correia
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
admilson silva
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
admilson silva
 
Unidade 4.pdf
Unidade 4.pdfUnidade 4.pdf
Unidade 4.pdf
yasminlorena8
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Carlos Gomes
 
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de taludeParecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Marcelo Forest
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
AfonsoCuamba1
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
CamilaCamposGomezFam
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
GETA - UFG
 
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Sergio Freitas
 
Aula 4 hidrogeologia
Aula 4   hidrogeologiaAula 4   hidrogeologia
Aula 4 hidrogeologia
JOAO CARLOS DA SILVA
 

Semelhante a Drenagem Viária (20)

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
 
Af jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digitalAf jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digital
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Drenagem
 
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
A RELAÇÃO ENTRE A HIDROGEOLOGIA E OS LINEAMENTOS ESTRUTURAIS DO PLANALTO SERR...
 
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVELLEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
LEGISLAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PAVIMENTO PERMEÁVEL
 
Hidrologia aula03
Hidrologia aula03Hidrologia aula03
Hidrologia aula03
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Unidade 4.pdf
Unidade 4.pdfUnidade 4.pdf
Unidade 4.pdf
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
Parecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de taludeParecer técnico sobre estabilização de talude
Parecer técnico sobre estabilização de talude
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
 
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
 
Aula 4 hidrogeologia
Aula 4   hidrogeologiaAula 4   hidrogeologia
Aula 4 hidrogeologia
 

Drenagem Viária

  • 1. Drenagem Viária Padronização e Execução Patologias Ivan Roberto Laura Maria Mauro Rafael Max Martins Raimundo Vargas Disciplina: Estradas Prof: Valcir Soares
  • 5. Método CCL COLETAR CONDUZIR LANÇAR
  • 6. DRENAGEM VIÁRIA Iniciando pela chuva, temos basicamente 4 destinos para as águas pluviais: 1. Parte evapora retornando à atmosfera; 2. Parte é absorvida e retida pela vegetação; 3. Parte escoa sobre a superfície = são as águas superficiais; 4. E parte penetra na crosta incorporando-se ao lençol freático = são as águas subterrâneas e profundas.
  • 7.
  • 8. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL Valetas de proteção de aterro
  • 9. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL Sarjetas
  • 10. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL Boca de Lobo
  • 11. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUPERFICIAL Descidas d’água
  • 12. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM PROFUNDA Drenos Longitudinais
  • 13. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM PROFUNDA Caixas coletoras
  • 14. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUBSUPERFICIAL Drenos rasos longitudinais
  • 15. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM SUBSUPERFICIAL Valotões
  • 16. DISPOSITIVOS DE DRENAGEM TALVEGUES Talvegues
  • 17. MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA • São as águas superficiais e as profundas que afetam e prejudicam as obras em andamento e as rodovias concluídas. 1. Escorregamento e erosão de taludes; 2. Rompimento de aterros; 3. Entupimento de bueiros; 4. Queda de pontes; 5. Diminuição da estrutura do pavimento; 6. Variação de volume de solos mais expansivos; 7. Destruição do pavimento pela pressão hidráulica; 8. Oxidação e envelhecimento prematuro dos asfaltos.
  • 18. • Infiltração pelas trincas, juntas ou transições; • Deterioração funcional e estrutural do Pavimento; • Bombeamento – pavimento rígido Drenagem Superficial
  • 19. • Deterioração funcional e estrutural do pavimento; • Perda de suporte do subleito ; • Recalque e afundamento da plataforma; Drenagem Profunda
  • 20. • Inundação da pista – interrupção do tráfego; • Estabilidade do talude – rebaixamento rápido do solo; • Erosão generalizada. Drenagem de Talvegue
  • 21. MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
  • 22. MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
  • 23. MECANISMOS DE DANOS EM DRENAGEM VIÁRIA
  • 24. Processo de Execução Drenagem Viária
  • 25. PROCESSO DE EXECUÇÃO Generalidade do Projeto 1. Previsão da intensidade e frequência das chuvas, visando o escoamento superficial; 2. Determinação de pontos naturais de concentração e descarga, e outras condições hidráulicas; 3. Remoção dos excessos de água prejudiciais, do subsolo; 4. Proporcionar a disposição mais eficiente das instalações de drenagem, de acordo com o custo, importância da rodovia, economia na conservação e normas em vigor.
  • 26. ESTIMATIVA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL • Pelo menos para áreas de até 100 m². • Para locais em que os índices pluviométricos são extraordinariamente elevados para chuvas de curta duração, tem-se adotado 170 mm/h; • Estações subterrâneas do metrô, adota-se no cálculo de drenagem 3,6 l/min por m², o que corresponde a 216 mm/h.
  • 27. ESTIMATIVA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL Chamando (S) de área em m², (p) de precipitação em mm/h, (Q) de vazão em l/s teremos: Q = S x p / (3600) Vazão de projeto Para 1 m² e p = 150 mm/h teremos: Q = 0,0042 l/s por m² ou 2,52 l/min por m².