SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
PROCESSO DE
ESTERILIZAÇÃO
O Centro de Materiais e Esterilização (CME) possui
uma história que vem acompanhando os
procedimentos cirúrgicos, a fim de zelar por melhores
condições de cirurgia e procedimentos invasivos nos
cuidados pós-cirúrgicos. Esse setor atua visando à
prevenção de infecções, mesmo que indiretamente,
articulando ciência, segurança e qualidade, por meio
da equipe de enfermagem. (OURIQUES; MACHADO,
2013, p.696)
ESTERILIZAÇÃO
O processo de esterilização começa na CME
que é compreendida como uma unidade
técnica da área hospitalar que fica engajada
pelo processamento dos artigos sendo estes
instrumentais, roupas e outros.
SegundoTraldi (2004, p. 70) “esterilização é o
processo através do qual busca-se destruir todas as
formas de vida microbiana – vírus, bacterianas,
fungos, esporos, protozoários e helmintos –
utilizando-se métodos físicos e químicos.”
ESTERILIZAÇÃO
ESTERILIZAÇÃO
•Antes da Esterilização
Limpeza
Desinfecção
Os instrumentais cirúrgicos precisam de uma
rigorosa limpeza, uma limpeza do material, pois
é um processo importante na esterilização.
Assim evita-se que forem barreiras de carga
microbiana que vão impedir que os agentes
esterilizantes penetrem nos artigos. Se isso
acontecer todas as outras etapas serão
ineficientes.
“Desinfecção é o processo que elimina todos os
microorganismos ou objetos inanimados
patológicos, com exceção dos endosporos
bacterianos. (MEIRELLES; JOSÉ, 1994, p. 01)”
Processos da Esterilização
Calor Seco
• Feito apenas em materiais que são sensíveis ao
calor úmido. Realizado em estufas elétricas.
• Vantagens: De não corroer os instrumentais, mas
exige um tempo de exposição para ter um
resultado satisfatório, pois ocorre uma oxidação
dos componentes celulares.
• Desvantagens: Não e muito confiável, encontra-se
temperaturas diferentes em seu interior
comprometendo a sua eficácia.
Vapor
• Utilizados em matérias hospitalares críticos, pois
com feita por vapor é um dos o vapor quente sob
pressão realizar uma troca de calor entre o meio e o
objeto em esterilização.
• Vantagens: Destruir e desnaturar de forma
irreversível as enzimas e proteínas estruturais no
qual este processo é realizado em autoclaves.
• Desvantagens: Busca por matérias que permitam a
máxima remoção do ar, mas para isso é preciso
profissionais totalmente treinados.
Óxido de Etileno
• Exclusivamente utilizado para esterilização de
equipamento que não pode ser autoclavado.
• Vantagens: Alcalinização de proteínas, DNA e RNA.
• Desvantagens:Tempo necessário para efetivar o
processo, o custo operacional e os possíveis riscos
aos pacientes e aos profissionais envolvidos.
Radiação Ionizante
É um método extremamente caro de
esterilização, tendo sido usado para
tecidos destinados a transplantes,
drogas, etc.
Químicos Líquidos
• Aplicadas por período de seis a dez horas.
• É recomendado somente para aqueles materiais
que não podem ser esterilizados por calor ou
óxido de etileno.
Filtração
• Usada para remover bactérias de fluidos
farmacêuticos termolábeis que não podem ser
esterilizados de outra forma.
• Ondas curtas é eficaz para inativar culturas
bacterianas, vírus e alguns esporos bacterianos.
Autoclave Pré-Vacuo
• Através de uma bomba de vácuo que esta aderida ao
equipamento
• O ar é removido dos pacotes e da câmera interna que
permite uma penetração mais uniforme e rápida do
vapor nos pacotes que contém as cargas.
• Logo a esterilização a bomba faz a sucção do vapor e da
umidade da carga tornando-se mais rápida a secagem
Esterilização Ultrarrápida
Utilizada em autoclaves especificas e que sejam
de pequeno porte e em casos de emergências
como contaminação acidental e de alguns
instrumentos indispensáveis durante uma
cirurgia.
Esterilização Ultrarrápida
• Uso imediato
• O empacotamento tem que favorecer o uso após a
esterilização
• Os equipamentos articulados devem ser desmontados o
máximo possível
• Deve haver uma distancia entre os pacotes (25 a 50 mm)
• Os pacotes menores devem ficar encima dos maiores para
favorecer o fluxo
• E objetos com concavidade devem ser colocados com
abertura para baixo.
Esterilização
“Esterilizantes químicos cujos princípios
ativos são autorizados pela Portaria nº.
930/92 do Ministério da Saúde são: aldeídos,
ácido peracético e outros, desde que
atendam a legislação especifica.’’ (LEITE,
2008, p. 5)
Invólucros Utilizados para
Esterilização
•Tecido de algodão cru, papeis que dentre eles
estão papel gral cirúrgico e papel crepado como
alternativa ao tecido de algodão.
•Tyvec é compatível com óxido de etileno, vapor,
peróxido de hidrogênio e radiação gama
•Lâminas de alumínio e caixas, cestos, bandejas
metálicas que podem ser utilizadas na
esterilização por vapor;Vidros refratários que
resistentes a altas temperaturas e são indicados
para serem usados em estufa quanto em
autoclaves
Invólucros Utilizados para
Esterilização
•Conteiners são caixas perfuradas com proteção
dos orifícios através de filtros de papel grau
cirúrgico, tecido ou não tecido;
•Não tecido que resulta da união de três camadas
de não tecido 100% polipropileno e podem ser
utilizado em autoclaves a vapor, óxido de etileno e
plasma de peróxido de hidrogênio.
Invólucros Utilizados para
Esterilização
Invólucros Utilizados para
Esterilização
Controle de Esterilização
•È necessário testes que comprovem isso com
métodos físicos, químicos e biológicos
•“A validação da esterilização precisa confirmar
que a letalidade do ciclo seja suficiente para
garantir uma probabilidade de sobrevida
microbiana não superior a 10º.” (LEITE, 2008, p.
5)
Teste Físico
•Ele consiste na utilização de termômetros
e manômetros que vão que apontam a
temperatura e pressão, recomenda-se a
leitura durante a fase de esterilização nas
autoclaves.
Teste Químico
•È feito através de fitas reagentes que
são colocadas no interior da autoclave e
em locais diferentes. Nessas tiras
contem tintas termocrômica.
Teste de Bowie and Dick
•Mostra a eficácia do sistema a vácuo na
autoclave pré-vacuo.
• Ele deve ser feito todos os dias e o tempo que é
recomendado para o ciclo é de 3,5 – 4 minutos
134º após o processo.
•Se apresentar área não revelada indica que há
formação de bolsões de ar e que o equipamento
deve ser revisto.
Teste Biológicos
•Feito com fitas ou ampolas com prazo
determinado para alteração. Este é o único
que confirma que o processo de
esterilização foi garantido com eficácia.
Processo de esterilização

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
dapab
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção IndividualU. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
I.Braz Slideshares
 

Mais procurados (20)

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção
Esterilização e desinfecção
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Monitoramento da Esterilização
Monitoramento da EsterilizaçãoMonitoramento da Esterilização
Monitoramento da Esterilização
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Limpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalarLimpeza e higienização hospitalar
Limpeza e higienização hospitalar
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Higiene hospitalar ieda
Higiene  hospitalar iedaHigiene  hospitalar ieda
Higiene hospitalar ieda
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção IndividualU. 7 -  Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
U. 7 - Roupas e Equipamentos de Protecção Individual
 

Destaque

Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
I.Braz Slideshares
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecção
Rômulo S. Dias
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
Writing close up design template
Writing close up design templateWriting close up design template
Writing close up design template
Mario Santos Aguiar
 

Destaque (19)

Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Esterilização por Peróxido de Hidrogênio [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
 
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: EsterilizaçãoPrevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
Prevenção e Controlo da Infeção: Esterilização
 
Esterilizacao
EsterilizacaoEsterilizacao
Esterilizacao
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagens
 
47 desinfeccao e esterilizacao
47   desinfeccao e esterilizacao47   desinfeccao e esterilizacao
47 desinfeccao e esterilizacao
 
Passo a passo Esterilização de Equipamentos
Passo a passo Esterilização de Equipamentos Passo a passo Esterilização de Equipamentos
Passo a passo Esterilização de Equipamentos
 
A 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecçãoA 5 esterilização e desinfecção
A 5 esterilização e desinfecção
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
 
Como funciona-autoclave
Como funciona-autoclaveComo funciona-autoclave
Como funciona-autoclave
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISAManual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
Manual de Limpeza e Desinfecção – ANVISA
 
Tuberculosis in renal transplant recipients
Tuberculosis in renal transplant recipientsTuberculosis in renal transplant recipients
Tuberculosis in renal transplant recipients
 
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos HospitalaresIFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
 
63 riscos
63 riscos63 riscos
63 riscos
 
Writing close up design template
Writing close up design templateWriting close up design template
Writing close up design template
 

Semelhante a Processo de esterilização

1 assep
1 assep1 assep
1 assep
Myself
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
GiselaBruns
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
alexandrelourador
 

Semelhante a Processo de esterilização (20)

Serviços SOS equipa
Serviços SOS equipaServiços SOS equipa
Serviços SOS equipa
 
Aula sobre a central de materiais e esterilização
Aula sobre a central de materiais e esterilizaçãoAula sobre a central de materiais e esterilização
Aula sobre a central de materiais e esterilização
 
1 assep
1 assep1 assep
1 assep
 
Aula6 esteriliza
Aula6 esterilizaAula6 esteriliza
Aula6 esteriliza
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
 
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptxAula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
 
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
Biossegurança em laboratórios de análises clínicas 2014
 
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgicoambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
 
Atividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docxAtividade Febre Aftosa 1.docx
Atividade Febre Aftosa 1.docx
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Cme
CmeCme
Cme
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
 

Mais de Amanda Amate (7)

Anti-helmínticos
Anti-helmínticosAnti-helmínticos
Anti-helmínticos
 
NOBS 01/96 e NOAS 01/01
NOBS 01/96 e NOAS 01/01NOBS 01/96 e NOAS 01/01
NOBS 01/96 e NOAS 01/01
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
 
Anemia Megaloblástica
Anemia MegaloblásticaAnemia Megaloblástica
Anemia Megaloblástica
 
A responsabilidade ético legal do enfermeiro
A responsabilidade ético legal do enfermeiroA responsabilidade ético legal do enfermeiro
A responsabilidade ético legal do enfermeiro
 
Sistema urinário 12.09
Sistema urinário   12.09Sistema urinário   12.09
Sistema urinário 12.09
 
Ida jean orlando pelletier
Ida jean orlando pelletierIda jean orlando pelletier
Ida jean orlando pelletier
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Processo de esterilização

  • 2. O Centro de Materiais e Esterilização (CME) possui uma história que vem acompanhando os procedimentos cirúrgicos, a fim de zelar por melhores condições de cirurgia e procedimentos invasivos nos cuidados pós-cirúrgicos. Esse setor atua visando à prevenção de infecções, mesmo que indiretamente, articulando ciência, segurança e qualidade, por meio da equipe de enfermagem. (OURIQUES; MACHADO, 2013, p.696)
  • 3. ESTERILIZAÇÃO O processo de esterilização começa na CME que é compreendida como uma unidade técnica da área hospitalar que fica engajada pelo processamento dos artigos sendo estes instrumentais, roupas e outros.
  • 4. SegundoTraldi (2004, p. 70) “esterilização é o processo através do qual busca-se destruir todas as formas de vida microbiana – vírus, bacterianas, fungos, esporos, protozoários e helmintos – utilizando-se métodos físicos e químicos.” ESTERILIZAÇÃO
  • 6. Os instrumentais cirúrgicos precisam de uma rigorosa limpeza, uma limpeza do material, pois é um processo importante na esterilização. Assim evita-se que forem barreiras de carga microbiana que vão impedir que os agentes esterilizantes penetrem nos artigos. Se isso acontecer todas as outras etapas serão ineficientes.
  • 7. “Desinfecção é o processo que elimina todos os microorganismos ou objetos inanimados patológicos, com exceção dos endosporos bacterianos. (MEIRELLES; JOSÉ, 1994, p. 01)”
  • 9. Calor Seco • Feito apenas em materiais que são sensíveis ao calor úmido. Realizado em estufas elétricas. • Vantagens: De não corroer os instrumentais, mas exige um tempo de exposição para ter um resultado satisfatório, pois ocorre uma oxidação dos componentes celulares. • Desvantagens: Não e muito confiável, encontra-se temperaturas diferentes em seu interior comprometendo a sua eficácia.
  • 10. Vapor • Utilizados em matérias hospitalares críticos, pois com feita por vapor é um dos o vapor quente sob pressão realizar uma troca de calor entre o meio e o objeto em esterilização. • Vantagens: Destruir e desnaturar de forma irreversível as enzimas e proteínas estruturais no qual este processo é realizado em autoclaves. • Desvantagens: Busca por matérias que permitam a máxima remoção do ar, mas para isso é preciso profissionais totalmente treinados.
  • 11. Óxido de Etileno • Exclusivamente utilizado para esterilização de equipamento que não pode ser autoclavado. • Vantagens: Alcalinização de proteínas, DNA e RNA. • Desvantagens:Tempo necessário para efetivar o processo, o custo operacional e os possíveis riscos aos pacientes e aos profissionais envolvidos.
  • 12. Radiação Ionizante É um método extremamente caro de esterilização, tendo sido usado para tecidos destinados a transplantes, drogas, etc.
  • 13. Químicos Líquidos • Aplicadas por período de seis a dez horas. • É recomendado somente para aqueles materiais que não podem ser esterilizados por calor ou óxido de etileno.
  • 14. Filtração • Usada para remover bactérias de fluidos farmacêuticos termolábeis que não podem ser esterilizados de outra forma. • Ondas curtas é eficaz para inativar culturas bacterianas, vírus e alguns esporos bacterianos.
  • 15. Autoclave Pré-Vacuo • Através de uma bomba de vácuo que esta aderida ao equipamento • O ar é removido dos pacotes e da câmera interna que permite uma penetração mais uniforme e rápida do vapor nos pacotes que contém as cargas. • Logo a esterilização a bomba faz a sucção do vapor e da umidade da carga tornando-se mais rápida a secagem
  • 16. Esterilização Ultrarrápida Utilizada em autoclaves especificas e que sejam de pequeno porte e em casos de emergências como contaminação acidental e de alguns instrumentos indispensáveis durante uma cirurgia.
  • 17. Esterilização Ultrarrápida • Uso imediato • O empacotamento tem que favorecer o uso após a esterilização • Os equipamentos articulados devem ser desmontados o máximo possível • Deve haver uma distancia entre os pacotes (25 a 50 mm) • Os pacotes menores devem ficar encima dos maiores para favorecer o fluxo • E objetos com concavidade devem ser colocados com abertura para baixo.
  • 18. Esterilização “Esterilizantes químicos cujos princípios ativos são autorizados pela Portaria nº. 930/92 do Ministério da Saúde são: aldeídos, ácido peracético e outros, desde que atendam a legislação especifica.’’ (LEITE, 2008, p. 5)
  • 19. Invólucros Utilizados para Esterilização •Tecido de algodão cru, papeis que dentre eles estão papel gral cirúrgico e papel crepado como alternativa ao tecido de algodão. •Tyvec é compatível com óxido de etileno, vapor, peróxido de hidrogênio e radiação gama
  • 20. •Lâminas de alumínio e caixas, cestos, bandejas metálicas que podem ser utilizadas na esterilização por vapor;Vidros refratários que resistentes a altas temperaturas e são indicados para serem usados em estufa quanto em autoclaves Invólucros Utilizados para Esterilização
  • 21. •Conteiners são caixas perfuradas com proteção dos orifícios através de filtros de papel grau cirúrgico, tecido ou não tecido; •Não tecido que resulta da união de três camadas de não tecido 100% polipropileno e podem ser utilizado em autoclaves a vapor, óxido de etileno e plasma de peróxido de hidrogênio. Invólucros Utilizados para Esterilização
  • 23. Controle de Esterilização •È necessário testes que comprovem isso com métodos físicos, químicos e biológicos •“A validação da esterilização precisa confirmar que a letalidade do ciclo seja suficiente para garantir uma probabilidade de sobrevida microbiana não superior a 10º.” (LEITE, 2008, p. 5)
  • 24. Teste Físico •Ele consiste na utilização de termômetros e manômetros que vão que apontam a temperatura e pressão, recomenda-se a leitura durante a fase de esterilização nas autoclaves.
  • 25. Teste Químico •È feito através de fitas reagentes que são colocadas no interior da autoclave e em locais diferentes. Nessas tiras contem tintas termocrômica.
  • 26. Teste de Bowie and Dick •Mostra a eficácia do sistema a vácuo na autoclave pré-vacuo. • Ele deve ser feito todos os dias e o tempo que é recomendado para o ciclo é de 3,5 – 4 minutos 134º após o processo. •Se apresentar área não revelada indica que há formação de bolsões de ar e que o equipamento deve ser revisto.
  • 27. Teste Biológicos •Feito com fitas ou ampolas com prazo determinado para alteração. Este é o único que confirma que o processo de esterilização foi garantido com eficácia.