SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à Cartografia e
          Geoprocessamento


Carlos Ruberto Fragoso Jr.
CTEC – UFAL
Tópicos


O   que é Geoprocessamento
 O que é um SIG
 Importância do Geoprocessamento em
  Recursos Hídricos
 Noções de cartografia
 Introdução ao ArcGIS
Geoprocessamento

   Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de
    informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas,
    relatórios, arquivos digitais, etc;
   Deve prover recursos para sua estocagem, gerenciamento,
    manipulação e análise.
Geoprocessamento X SIGs

 Geoprocessamento representa qualquer tipo de
 processamento de dados georeferenciados (conceito
 muito mais abrangente).

 Um  SIG é capaz de processar dados gráficos e não
 gráficos (alfanuméricos), com ferramentas de análises
 espaciais e modelagens de superfícies.
SIG’s - Definições

   Burrough
       “Conjunto poderoso de ferramentas para coletar, armazenar,
         recuperar, transformar e visualizar dados sobre o mundo
         real”

   Cowen
       “Um sistema de suporte à decisão que integra dados
         referenciados espacialmente num ambiente de respostas a
         problemas”

   Smith
       “Um banco de dados indexados espacialmente, sobre o qual
         opera um conjunto de procedimentos para responder a
         consultas sobre entidades espaciais”
SIG’s - Definições

   Oppenshaw
       “Sistema com um conjunto de métodos analíticos que permite o
         acesso a atributos e localização dos objetos geográficos em
         estudo”.

   Goodchild
       “O valor potencial maior de sistemas de informação geográfica
         está em sua capacidade de analisar dados espaciais. “

   Dangerramond
       “Um SIG agrupa, unifica e integra a informação. Torna-a
         disponível de uma forma que ninguém teve acesso
         anteriormente, e coloca informação antiga num novo
         contexto.”
Software SIG
 Um   programa de SIG é um programa de
    computador projetado para fazer o computador
    pensar que é um mapa.

A    diferença entre um mapa e um programa SIG
    é que o segundo é mais inteligente. Você pode
    perguntar e ele responde.

   adaptado de Kennedy, M. 2006 Introducing Geographic Information Systems with
    ArcGIS
Por que utilizar cartografia computadorizada?

1.   Fazer mapas mais rapidamente.
2.   Fazer mapas mais baratos.
3.   Fazer mapas para usos específicos.
4.   Fazer mapas em situações em que não há disponibilidade de
     pessoal especializado
5.   Permitir experimentos com representações espaciais diversas
     dos mesmos dados.
6.   Facilitar atualização de mapas.
7.   Facilitar análises de dados que exigem interação entre estatística
     e mapas.
8.   Minimizar a necessidade de mapas em papel.
9.   Fazer mapas que não podem ser representados em papel (3D,
     mapas estereoscópicos).

        Algumas razões apresentadas por Burrough e McDonnell
Estrutura de um SIG


                        Interface



Entrada e Integr.   Consulta e Análise     Visualização
     Dados              Espacial            Plotagem



                     Gerência Dados
                        Espaciais




                                         BANCO DE DADOS
                                          GEOGRÁFICO
O que deve existir num SIG?
   Mostrar localização de entidades específicas.
   Mostrar localização de entidade A em relação ao local
    B.
   Contar o número de ocorrências da entidade A dentro
    de uma região definida por uma distância máxima ou
    mínima da entidade B.
   Avaliar o valor da função f na posição x.
   Calcular o tamanho de B (área, perímetro, número de
    entidades A no interior).
   Permitir operações de união e intersecção.
   Permitir encontrar caminhos ótimos entre dois pontos.
   Listar os atributos das entidades localizadas em x.
O que deve existir num SIG?
 Determinar     que entidades estão próximas às
  entidades que combinam certos atributos.
 Reclassificar entidades que apresentam certa
  combinação de atributos.
 Conhecendo o valor de uma variável z nos
  pontos x1, x2,... xn, definir o valor de z nos pontos
  y1, y2,... yn.
 Derivar novos atributos a partir de atributos
  existentes.
 Usando a base de dados como uma
  representação do mundo real, simular o efeito
  de um processo P ao longo de um período T
  num determinado cenário S.
O que é um mapa?

 Mapa:   modelos simplificados da realidade
  –   representa, normalmente em escala, uma seleção de
      entidades abstratas sobre ou relacionadas com a
      superfície da Terra (ICA).
Produção de um Mapa


 Definição   de escala e projeção cartográfica
 Seleção   dos elementos do mundo
 Classificação   em grupos (e.g. tipos de solo)
 Simplificação   de elementos gráficos
 Exagero   de elementos importantes
 Simbologia   para apresentar dados
Tipos de Mapas em Geoprocessamento
   Características dos mapas: diversidade de fontes
    geradoras e de formatos apresentados.

   O sistema se restringe a tratar os seguintes tipos de
    dados:
    – Mapas Temáticos: conceitos qualitativos (uso e
      cobertura do solo, clima);
    – Imagens;
      Imagens
    – Mapas Numéricos (representação de superfícies)
    – Mapas Cadastrais e Redes (localização de objetos
      do mundo - e.g. lotes)
Importância do geoprocessamento em
Recursos Hídricos

 Recursos  Hídricos – Bacia hidrográfica
 Bacia Hidrográfica é um integrador espacial de
  processos.
 Uso dos recursos hídricos – Cobertura e uso do
  solo (urbanizado, florestas, campos agrícolas)
 A cobertura e uso do solo se distribui no
  espaço de forma heterogênea e dinâmica.
 Cada elemento responde diferentemente em
  funções dos processos hidrológicos.
Modelos Complexos em Bacias
                         B Dados específicos de
                             uso do solo e poluição
 A Dados da bacia

                                                      C       Dados
                                                          Meteorológicos
                       Fontes
                                         D Interface em Windows
                      pontuais
SIG
                     Distribuição
                    do uso do solo
                                                                     E     Modelo

                                                                         HSPF HSPF
                       Dados
                       do rio

                                                  F Pos-Processamento
Mas cuidado!
   Os SIG tem um impacto muito grande sobre qualquer área do
    conhecimento que está ligada ao manejo e análise de dados
    distribuídos no espaço. Algumas pessoas podem enxergar os SIG
    como uma mágica, como em: “…os dados foram inseridos no
    computador e a resposta é …”. A velocidade, consistência e
    precisão de um SIG são impressionantes, e as figuras podem ser
    bonitas. Com a experiência, no entanto, o SIG passa a ser uma
    mera extensão da capacidade de pensar do usuário. O SIG não
    tem respostas inerentes, somente o usuário. SIG é uma
    ferramenta, como a estatística e a modelagem hidrológica.
Bibliografia - Livros
   Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas; José
    Iguelmar Miranda (Embrapa) 2005.

   Análise espacial de dados geográficos; Vários autores (EMBRAPA)
    2004.

   Geoprocessamento em Recursos Hídricos: Princípios, Integração e
    Aplicações. Carlos André Bulhões Mendes e José Almir Cirilo 2001.

   Fundamentos de informação geográfica. João Matos 2001

   Principles of Geographical Information Systems for Land Resources
    Assessment. P. A. Bourrough
Bibliografia - Manuais
 Tutorial do Idrisi
 Tutorial e Help do SPRING
 Tutorial e Help do MapWindow
 Tutorial e Help do ArcGIS
 Manuais de outros programas
Bibliografia - Periódicos
   International Journal of Geographical Information Science
   Geographical Analysis
   Computers and Geosciences
   Photogrametric Engineering and Remote Sensing
   Remote Sensing and Environment
   Environment and Planning B: Planning and Design
   Periódicos da área de recursos hídricos (WRR; Journal of Hydrology;
    Environmental modeling and software; Journal of Hydrologic
    Engineering; HESS; IAHS; Hydrological Processes...)
Noções de Cartografia
 Escalas
 Entidades espaciais
 Sistema de coordenadas
 Formas de representar a superfície da Terra
 Sistema Geográfico de Coordenadas
 Projeções
 Projeção UTM
Escala
 Virtualmente todas as fontes de dados
  espaciais são menores do que a realidade que
  elas representam
 A escala indica quão menor que a realidade é
  um mapa
 é a razão entre a distância do mapa e a
  correspondente distância na terra.
Escala

É    expressa de três formas
  –   um quociente (1:5000; 1:5.000.000)
  –   verbalmente (1 cm representa 50m)
  –   graficamente (ícones usados em mapas
      computadorizados
 Terminologia
  –   escala pequena (1:250.000, 1:1.000.000) cobrem
      áreas grandes
  –   escala grande (1:10.000, 1:25.000) cobrem áreas
      pequenas com muito detalhes
Escala do Mapa e Resolução da Grade
Escala

 Não confunda escala numérica com escala
 gráfica!!!
Entidades espaciais (feições)
    Tradicionalmente, mapas são usados para
     representar elementos do mundo real
    Símbolos espaciais básicos são: ponto, linha e área.
    A escolha de um destes símbolos para representar
     uma entidade espacial depende da escala.
    Exemplo: cidades representadas num mapa
          num mapa mundi pontos poderiam ser adotados
          num mapa regional áreas seriam adotadas
          num mapa local: pontos, linhas e áreas
Sistemas de coordenadas
 No  século XVII Rene Descartes contribuiu para
  unir a álgebra e a geometria inventando o
  sistema de coordenadas



   y

                     x,y
                             que passou a ser chamado
                             Sistema Cartesiano




                       x
Sistema de coordenadas cartesiano
 Qualquer ponto em um plano é definido pelas
  suas coordenadas x e y.




   y

                    x,y




                      x
Sistema de coordenadas cartesiano
 Uma  reta que passa pelos pontos x1 e y1 e x2
  e y2 pode ser definida como uma equação
  algébrica em termos de y e x.



   y

                    x,y




                      x
Sistema de coordenadas cartesiano
 Qualquer ponto no espaço pode ser definido
  pelas suas coordenadas x, y e z.




   z                x,y,z

                            y




                      x
Sistema de coordenadas polar
   Qualquer ponto no
    plano pode ser
    definido pelas suas
    coordenadas r, θ
Sistema de coordenadas esférico
   Qualquer ponto no
    espaço pode ser definido
    pelas suas coordenadas
    r, θ e ϕ.
Conversões entre sistemas
Exemplo de utilidade dos sistema de
coordenadas




  Cálculo de distâncias entre pontos
Formas de representar a superfície da Terra
A    forma da Terra
  –   No século XVII, o astrônomo francês Jean Richer
      observou na Guiana Francesa:
         Um relógio com pêndulo de 1m, atrasava cerca de 2 minutos
          e meio por dia em relação à Paris.
         Fazendo análise gravitacional, percebeu que na zona
          equatorial a distância entre a superfície e o centro da Terra
          deveria ser maior do que esta distância medida dos Pólos,
          conclusão:
         A terra NÃO seria uma esfera perfeita e sim “achatada”. =>
          Surge então o Elipsóide!!!
         Diâmetro equatorial = 12.756Km e diâmetro do eixo de
          rotação = 12.714km, com diferença de 42km, o que
          representa um achatamento de perto de 1/300, por isso, a
          terra vista do espaço assemelha-se a uma esfera.
Formas de representar a superfície da Terra
 Esfera: definida pelo raio R = 6.370.997 m
  numa área de aproximadamente 520 M Km 2
 Esferóide: definida por
   –   semi-major axis (a) e semi-minor axis (b)
   –   WGS 84 (padrão dos USA)
        a   = 6.378.137 e b = 6.356.752,3142
   –   Clarke 1866 (padrão histórico no US)
        a   = 6.378.205,4 e b = 6.356.583,8
Formas de representar a superfície da Terra
Sistema de Coordenadas Geográficas
 Baseadas   numa simplificação da forma da terra
  (esfera ou elipsóide)
 Definem a posição de um ponto utilizando
  ângulos chamados latitude e longitude
Longitude
Latitude
Problemas do Sistema de Coordenadas
Geográficas

 Qual é a distância entre o ponto A (56 W e 32
  S) do ponto B (45 W e 31 S)?
 É possível calcular, considerando que a terra é
  uma esfera, ou um elipsóide, mas é difícil
  manualmente.
Solução: Projeção para sistema de
coordenadas cartesianas




                    x,y
Projeções

 Localizamos   as feições da terra num plano 2-
  D (mapa)
 Mundo é esférico e mapa é 2-D
 Portanto, precisamos de uma projeção de
  mapa, que transfere a terra esférica no mapa
  num plano
 Este processo introduz erros nos dados
  espaciais
Projeções

 Existem  várias projeções que são adotadas
  de acordo com o local e que minimizam estes
  erros
 Exemplo: Algumas projeções preservam as
  distâncias entre as entidades em detrimento
  da direção
 Outras, forma é preservada em detrimento
  da acurácia na área
       Se colocarmos uma lâmpada dentro de uma bola que tem
        o desenho da terra, e projetarmos a luz numa parede,
        veremos que a parte central da imagem é melhor
        representada
Projeções

 Distorção    de projeção ocorre em:
  –   Forma, área, distância ou direção
 Projeções    diferentes produzem distorções
  diferentes.
 As características de cada projeção definem
  sua utilidade para algumas aplicações e
  inutilidade para outras.
Projeções
 Cilíndrica
  –   (mercator) a superfície da terra é projetada num
      cilindro que envolve o globo.
  –   Imagem contínua da terra
  –   Países perto do equador têm verdadeiras posições
      relativas
  –   A visão dos pólos é bastante distorcida
  –   Área é preservada em grande parte
  –   Mantém escala, forma, área para pequenas áreas.
Projeção Cilíndrica
Projeções
 Azimuthal
  –   Projeção num plano
  –   Apenas parte da superfície da terra é visível
  –   A visão será metade do globo ou menos
  –   Distorção ocorre nos quatro cantos do plano
  –   Distância é preservada na maior parte
Projeção Azimuthal
Referência Espacial: Exemplo de Projeções

  –   Lamberth
       Azimuthal
Projeções
 Cônica
  –   a superfície da terra é projetada num cone que
      envolve o globo.
  –   Área é distorcida
  –   Distância é muito distorcida quando se move para
      baixo da imagem
  –   Escala é preservada na maior parte da imagem
Projeção Cônica
Referência Espacial: Exemplo de
Projeções
 –   Lamberth Azimuthal Cônica
Referência Espacial: Exemplo de
Projeções
  –   Comparando Projeções
Mundo visto em diferentes projeções




                                         Figura do livro
                                          Getting to know
                                          ArcGIS de Ormsby
                                          et al. 2004
Projeções
  –   Mapas usados em SIG têm uma projeção associada
      a eles
  –   É importante usar uma determinada projeção de
      acordo com a localização e o propósito do mapa
  –   Ex. se uma aplicação de SIG requer acurácia no
      cálculo das áreas, usando uma projeção que distorce
      áreas não é indicado
  –   A maioria dos SIGs permite reprojetar um mapa em
      outra projeção (fazendo mapeamento entre as
      centenas de projeções existentes)
Projeção UTM

      UTM - Universal Transverse Mercator grid system usa a
       projeção Mercator e divide a terra em 60 zonas verticais (fusos)
       que têm 6 º de longitude de largura.
      UTM usa uma projeção cilíndrica, transversal e secante ao globo
       terrestre. (é transversal pois a projeção é análogo à colocar um
       cilindro envolvendo o globo secante aos polos ao invés do
       Equador.
      Os limites de mapeamento são os paralelos 80S e 84N, a partir
       dos quais usa-se uma projeção estereográfica polar.
      UTM adota coordenadas métricas (plano-retangulares) com
       informações específicas que aparecem nas margens das cartas
       (mapas) acompanhando um grid de quadrículas planas.
      UTM é conformal de forma a preservar forma e escala.
Projeção UTM

      O cruzamento do equador com o meridiano padrão
       específico, denominado Meridiano Central (MC) é a
       origem deste sistema de coordenadas.
      Os paralelos e meridianos numa zona UTM são curvados
       com exceção do meridiano central e do equador que são
       retos.
      As coordenadas UTM são definidas em metros e estão de
       acordo com o Meridiano central.
      O valor do MC é sempre 500.000m (portanto Easting varia
       de 0 a 1.000.000m.
      No hemisfério norte o Equador é a origem de Northing
       (0m). Então um ponto em Northing 5.000.000m está a
       5.000Km do Equador.
      No hemisfério sul o Equador tem um Northing de
       10.000.000m, então todos os outros Northing neste
       hemisfério tem um valor menor que o Equador.
Projeção UTM


       O fato das coordenadas UTM serem em metros facilita o
        cálculo preciso de distâncias (curtas) entre pontos e
        áreas.
       Na verdade UTM é um conjunto de 60 projeções.
        Portanto, mapas de zonas diferentes tendem a não se
        encontrarem nas bordas das zonas.
       Coordenadas UTM são fáceis de reconhecer pois
        consistem de 6 dígitos (inteiro) Easting e 7 dígitos inteiros
        Northing.
Projeção UTM
Referência Espacial: Exemplo de Projeções
Projeção UTM
Introdução ao ArcGIS




    http://www.esri.com/software/arcgis/index.html
ArcGIS
O     ArcGIS é um pacote de softwares da ESRI
    (Environmental Systems Research Institute) de
    elaboração e manipulação de informações vetoriais e
    matriciais para o uso e gerenciamento de bases
    temáticas. O ArcGIS disponibiliza em um ambiente de
    Sistema de Informação Geográfica (SIG) uma gama
    de ferramentas de forma integrada e de fácil
    utilização.

•   O ArcGIS integra na mesma base:
       →   DADOS CARTOGRÁFICOS
       →   DADOS DE CENSO
       →   CADASTRO URBANO E RURAL
       →   IMAGENS DE SATÉLITE
       →   REDES
       →   MODELOS NUMÉRICOS DE TERRENO
ArcGIS
ArcGIS Desktop

  ArcMap  – comumente chamado de ArcGIS, principal
  componente do ArcGIS Desktop, conjunto de
  programas de processamento geo-espaciais, usado
  principalmente para visualizar, editar, criar e analisar
  dados geoespaciais.
  ArcCatalog- permite a visualização, gerenciamento e
  organização dos dados espaciais.
  ArcToolbox– reúne uma abrangente coleção de
  funções para geoprocessamento.
  ArcGlobe   – Visualização 3D
Obrigado!

    Carlos Ruberto Fragoso Jr.

      crubertofj@hotmail.com

http://www.ctec.ufal.br/professor/crfj

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geoprocessamento aula unip
Geoprocessamento aula unipGeoprocessamento aula unip
Geoprocessamento aula unip
jfelipe17
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Geoprocessamento
GeoprocessamentoGeoprocessamento
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados AmbientaisModelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Georreferenciamento de Bases Cartográficas
Georreferenciamento de Bases CartográficasGeorreferenciamento de Bases Cartográficas
Georreferenciamento de Bases Cartográficas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Elaboração de Mapas no QGIS
Elaboração de Mapas no QGISElaboração de Mapas no QGIS
Elaboração de Mapas no QGIS
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Escalas: Conceitos e Aplicações
Escalas: Conceitos e AplicaçõesEscalas: Conceitos e Aplicações
Escalas: Conceitos e Aplicações
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução TeóricaSensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01
ProfGeoJean
 
As categorias da geografia
As categorias da geografiaAs categorias da geografia
As categorias da geografia
Jane Mary Lima Castro
 
Aula 1 e 2 topografia
Aula 1 e 2   topografiaAula 1 e 2   topografia
Aula 1 e 2 topografia
LorenaAlencarRodrigues
 
Minicurso de Introdução ao QGIS
Minicurso de Introdução ao QGISMinicurso de Introdução ao QGIS
Minicurso de Introdução ao QGIS
Anderson Medeiros
 
Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções Cartográficas
Eduardo Mendes
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula 02 cartografia sistemática e temática
Aula 02   cartografia sistemática e temáticaAula 02   cartografia sistemática e temática
Aula 02 cartografia sistemática e temática
Pedro Paulo Gomes de Oliveira
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remoto
naiararohling
 
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdfAula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
LuizPauloSantos20
 
Autocorrelação espacial
Autocorrelação espacialAutocorrelação espacial
Autocorrelação espacial
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Geoprocessamento Parte1
Geoprocessamento Parte1Geoprocessamento Parte1
Geoprocessamento Parte1
INPE
 

Mais procurados (20)

Geoprocessamento aula unip
Geoprocessamento aula unipGeoprocessamento aula unip
Geoprocessamento aula unip
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Geoprocessamento
GeoprocessamentoGeoprocessamento
Geoprocessamento
 
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados AmbientaisModelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
Modelagem Numérica de Terrenos e Fontes de Dados Ambientais
 
Georreferenciamento de Bases Cartográficas
Georreferenciamento de Bases CartográficasGeorreferenciamento de Bases Cartográficas
Georreferenciamento de Bases Cartográficas
 
Elaboração de Mapas no QGIS
Elaboração de Mapas no QGISElaboração de Mapas no QGIS
Elaboração de Mapas no QGIS
 
Escalas: Conceitos e Aplicações
Escalas: Conceitos e AplicaçõesEscalas: Conceitos e Aplicações
Escalas: Conceitos e Aplicações
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução TeóricaSensoriamento Remoto - Introdução Teórica
Sensoriamento Remoto - Introdução Teórica
 
Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01
 
As categorias da geografia
As categorias da geografiaAs categorias da geografia
As categorias da geografia
 
Aula 1 e 2 topografia
Aula 1 e 2   topografiaAula 1 e 2   topografia
Aula 1 e 2 topografia
 
Minicurso de Introdução ao QGIS
Minicurso de Introdução ao QGISMinicurso de Introdução ao QGIS
Minicurso de Introdução ao QGIS
 
Projeções Cartográficas
Projeções CartográficasProjeções Cartográficas
Projeções Cartográficas
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Aula 02 cartografia sistemática e temática
Aula 02   cartografia sistemática e temáticaAula 02   cartografia sistemática e temática
Aula 02 cartografia sistemática e temática
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remoto
 
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdfAula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
Aula 1 Introdução e Cartografia - Geoprocessamento.pdf
 
Autocorrelação espacial
Autocorrelação espacialAutocorrelação espacial
Autocorrelação espacial
 
Geoprocessamento Parte1
Geoprocessamento Parte1Geoprocessamento Parte1
Geoprocessamento Parte1
 

Destaque

Introdução ao Geoprocessamento
Introdução ao GeoprocessamentoIntrodução ao Geoprocessamento
Introdução ao Geoprocessamento
holler
 
Metodologia de fotointerpretação geológica
Metodologia de fotointerpretação geológicaMetodologia de fotointerpretação geológica
Metodologia de fotointerpretação geológica
Pessoal
 
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSS
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSSApresentação Webinar GlobalGeo GNSS
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSS
GlobalgeoGNSS
 
Apostila terraplenagem
Apostila terraplenagemApostila terraplenagem
Apostila terraplenagem
sfon
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
Roberta Sumar
 
Programatopografia cadastral
Programatopografia cadastralProgramatopografia cadastral
Programatopografia cadastral
alvesteixeiracarvalho
 
1 seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
1  seminário - como orientar um trabalho de fim de curso1  seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
1 seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
Zoraya Gonçalves Araujo
 
Apresentação sigeted
Apresentação sigetedApresentação sigeted
Apresentação sigeted
Jelson Santos
 
Execicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto TerraplenagemExecicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto Terraplenagem
Eduardo Andreoli
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
Renata Rodrigues
 
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e UrbanismoApostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
GRUPO S.I.T.U
 
Topografia exercícios propostos com solução
Topografia    exercícios  propostos com soluçãoTopografia    exercícios  propostos com solução
Topografia exercícios propostos com solução
Maíra Barros
 
Fotogrametria terceira parte
Fotogrametria terceira parteFotogrametria terceira parte
Fotogrametria terceira parte
Edilson Bias
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Suely Takahashi
 
Fotogrametria digital
Fotogrametria digitalFotogrametria digital
Fotogrametria digital
guest72086
 
Topografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
Topografia - Nivelamento e Sistematização de TerrenosTopografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
Topografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
Bruno Anacleto
 
Topografia apostila-2010-1
Topografia apostila-2010-1Topografia apostila-2010-1
Topografia apostila-2010-1
afonso zobeto
 
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e TopografiaApostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
Professor Renato Mascarenhas
 
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inversoTrabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
afonso zobeto
 
Fotogrametría
FotogrametríaFotogrametría
Fotogrametría
Angie Gomez
 

Destaque (20)

Introdução ao Geoprocessamento
Introdução ao GeoprocessamentoIntrodução ao Geoprocessamento
Introdução ao Geoprocessamento
 
Metodologia de fotointerpretação geológica
Metodologia de fotointerpretação geológicaMetodologia de fotointerpretação geológica
Metodologia de fotointerpretação geológica
 
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSS
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSSApresentação Webinar GlobalGeo GNSS
Apresentação Webinar GlobalGeo GNSS
 
Apostila terraplenagem
Apostila terraplenagemApostila terraplenagem
Apostila terraplenagem
 
Cartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapasCartografia: A linguagem dos mapas
Cartografia: A linguagem dos mapas
 
Programatopografia cadastral
Programatopografia cadastralProgramatopografia cadastral
Programatopografia cadastral
 
1 seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
1  seminário - como orientar um trabalho de fim de curso1  seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
1 seminário - como orientar um trabalho de fim de curso
 
Apresentação sigeted
Apresentação sigetedApresentação sigeted
Apresentação sigeted
 
Execicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto TerraplenagemExecicio Projeto Terraplenagem
Execicio Projeto Terraplenagem
 
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICASREPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS, ESCALAS E PROJEÇÕES - NOÇÕES BÁSICAS
 
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e UrbanismoApostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
Apostila Projeto Urbano para o curso de Arquitetura e Urbanismo
 
Topografia exercícios propostos com solução
Topografia    exercícios  propostos com soluçãoTopografia    exercícios  propostos com solução
Topografia exercícios propostos com solução
 
Fotogrametria terceira parte
Fotogrametria terceira parteFotogrametria terceira parte
Fotogrametria terceira parte
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Fotogrametria digital
Fotogrametria digitalFotogrametria digital
Fotogrametria digital
 
Topografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
Topografia - Nivelamento e Sistematização de TerrenosTopografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
Topografia - Nivelamento e Sistematização de Terrenos
 
Topografia apostila-2010-1
Topografia apostila-2010-1Topografia apostila-2010-1
Topografia apostila-2010-1
 
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e TopografiaApostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
Apostila Desenho Técnico,Cartografia e Topografia
 
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inversoTrabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
Trabalho de geodesia 2 problema dirfecto e inverso
 
Fotogrametría
FotogrametríaFotogrametría
Fotogrametría
 

Semelhante a Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento

aula-sig-1.ppt
aula-sig-1.pptaula-sig-1.ppt
aula-sig-1.ppt
Alexson Dutra
 
Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento
Pedro Nelson
 
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
Development Workshop Angola
 
Cartografia e suas representações cartográficas
Cartografia  e suas representações cartográficasCartografia  e suas representações cartográficas
Cartografia e suas representações cartográficas
polyanabritto35
 
Palestra IAB/RS 2012
Palestra IAB/RS 2012Palestra IAB/RS 2012
Palestra IAB/RS 2012
gaup_geo
 
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
ampla engenharia
 
Monografia geoprocessamento
Monografia geoprocessamentoMonografia geoprocessamento
Monografia geoprocessamento
Alexandre Carvalho
 
Geoprocessamento
GeoprocessamentoGeoprocessamento
Geoprocessamento
saulsms
 
PostGis
PostGisPostGis
Banco de dados geográficos
Banco de dados geográficosBanco de dados geográficos
Banco de dados geográficos
FredericoResende4
 
Geo-Informação
Geo-InformaçãoGeo-Informação
Geo-Informação
Leonardo Felipe
 
Metodologia para aquisição de dados cartograficos
Metodologia para aquisição de dados cartograficosMetodologia para aquisição de dados cartograficos
Metodologia para aquisição de dados cartograficos
Allanzito Pinheiro
 
Introducão ao arcgis
Introducão ao arcgisIntroducão ao arcgis
Introducão ao arcgis
gfcoutobrito
 
Dados espaciais
Dados espaciaisDados espaciais
Dados espaciais
Vitor Vieira Vasconcelos
 
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
EuricoPortugal
 
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Ricardo de Sampaio Dagnino
 
Apostila arcgis-prof-patricia
Apostila arcgis-prof-patriciaApostila arcgis-prof-patricia
Apostila arcgis-prof-patricia
Universidade do Estado do Pará - UEPA
 
Introdução ao sig
Introdução ao sigIntrodução ao sig
Introdução ao sig
Agnobel Silva
 
Apresentação li segunda feira
Apresentação li segunda feiraApresentação li segunda feira
Apresentação li segunda feira
cesar do amaral
 
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos BásicosTreinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
CBH Rio das Velhas
 

Semelhante a Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento (20)

aula-sig-1.ppt
aula-sig-1.pptaula-sig-1.ppt
aula-sig-1.ppt
 
Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento Introdução ao geoprocessamento
Introdução ao geoprocessamento
 
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
20150904 DW Debate: Uso do SIG como ferramenta de Suporte a Projectos da DW
 
Cartografia e suas representações cartográficas
Cartografia  e suas representações cartográficasCartografia  e suas representações cartográficas
Cartografia e suas representações cartográficas
 
Palestra IAB/RS 2012
Palestra IAB/RS 2012Palestra IAB/RS 2012
Palestra IAB/RS 2012
 
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
 
Monografia geoprocessamento
Monografia geoprocessamentoMonografia geoprocessamento
Monografia geoprocessamento
 
Geoprocessamento
GeoprocessamentoGeoprocessamento
Geoprocessamento
 
PostGis
PostGisPostGis
PostGis
 
Banco de dados geográficos
Banco de dados geográficosBanco de dados geográficos
Banco de dados geográficos
 
Geo-Informação
Geo-InformaçãoGeo-Informação
Geo-Informação
 
Metodologia para aquisição de dados cartograficos
Metodologia para aquisição de dados cartograficosMetodologia para aquisição de dados cartograficos
Metodologia para aquisição de dados cartograficos
 
Introducão ao arcgis
Introducão ao arcgisIntroducão ao arcgis
Introducão ao arcgis
 
Dados espaciais
Dados espaciaisDados espaciais
Dados espaciais
 
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
QGIS - inicio (Sistemas de Informação Geográfica SIG)
 
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
Sistemas de Informação Geográfica (SIG) na identificação de padrões e modelos...
 
Apostila arcgis-prof-patricia
Apostila arcgis-prof-patriciaApostila arcgis-prof-patricia
Apostila arcgis-prof-patricia
 
Introdução ao sig
Introdução ao sigIntrodução ao sig
Introdução ao sig
 
Apresentação li segunda feira
Apresentação li segunda feiraApresentação li segunda feira
Apresentação li segunda feira
 
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos BásicosTreinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
Treinamento SIG - Introdução e Conceitos Básicos
 

Aula 01 noções de cartografia e geoprocessamento

  • 1. Introdução à Cartografia e Geoprocessamento Carlos Ruberto Fragoso Jr. CTEC – UFAL
  • 2. Tópicos O que é Geoprocessamento  O que é um SIG  Importância do Geoprocessamento em Recursos Hídricos  Noções de cartografia  Introdução ao ArcGIS
  • 3. Geoprocessamento  Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;  Deve prover recursos para sua estocagem, gerenciamento, manipulação e análise.
  • 4. Geoprocessamento X SIGs  Geoprocessamento representa qualquer tipo de processamento de dados georeferenciados (conceito muito mais abrangente).  Um SIG é capaz de processar dados gráficos e não gráficos (alfanuméricos), com ferramentas de análises espaciais e modelagens de superfícies.
  • 5. SIG’s - Definições  Burrough “Conjunto poderoso de ferramentas para coletar, armazenar, recuperar, transformar e visualizar dados sobre o mundo real”  Cowen “Um sistema de suporte à decisão que integra dados referenciados espacialmente num ambiente de respostas a problemas”  Smith “Um banco de dados indexados espacialmente, sobre o qual opera um conjunto de procedimentos para responder a consultas sobre entidades espaciais”
  • 6. SIG’s - Definições  Oppenshaw “Sistema com um conjunto de métodos analíticos que permite o acesso a atributos e localização dos objetos geográficos em estudo”.  Goodchild “O valor potencial maior de sistemas de informação geográfica está em sua capacidade de analisar dados espaciais. “  Dangerramond “Um SIG agrupa, unifica e integra a informação. Torna-a disponível de uma forma que ninguém teve acesso anteriormente, e coloca informação antiga num novo contexto.”
  • 7. Software SIG  Um programa de SIG é um programa de computador projetado para fazer o computador pensar que é um mapa. A diferença entre um mapa e um programa SIG é que o segundo é mais inteligente. Você pode perguntar e ele responde.  adaptado de Kennedy, M. 2006 Introducing Geographic Information Systems with ArcGIS
  • 8. Por que utilizar cartografia computadorizada? 1. Fazer mapas mais rapidamente. 2. Fazer mapas mais baratos. 3. Fazer mapas para usos específicos. 4. Fazer mapas em situações em que não há disponibilidade de pessoal especializado 5. Permitir experimentos com representações espaciais diversas dos mesmos dados. 6. Facilitar atualização de mapas. 7. Facilitar análises de dados que exigem interação entre estatística e mapas. 8. Minimizar a necessidade de mapas em papel. 9. Fazer mapas que não podem ser representados em papel (3D, mapas estereoscópicos). Algumas razões apresentadas por Burrough e McDonnell
  • 9. Estrutura de um SIG Interface Entrada e Integr. Consulta e Análise Visualização Dados Espacial Plotagem Gerência Dados Espaciais BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO
  • 10. O que deve existir num SIG?  Mostrar localização de entidades específicas.  Mostrar localização de entidade A em relação ao local B.  Contar o número de ocorrências da entidade A dentro de uma região definida por uma distância máxima ou mínima da entidade B.  Avaliar o valor da função f na posição x.  Calcular o tamanho de B (área, perímetro, número de entidades A no interior).  Permitir operações de união e intersecção.  Permitir encontrar caminhos ótimos entre dois pontos.  Listar os atributos das entidades localizadas em x.
  • 11. O que deve existir num SIG?  Determinar que entidades estão próximas às entidades que combinam certos atributos.  Reclassificar entidades que apresentam certa combinação de atributos.  Conhecendo o valor de uma variável z nos pontos x1, x2,... xn, definir o valor de z nos pontos y1, y2,... yn.  Derivar novos atributos a partir de atributos existentes.  Usando a base de dados como uma representação do mundo real, simular o efeito de um processo P ao longo de um período T num determinado cenário S.
  • 12. O que é um mapa?  Mapa: modelos simplificados da realidade – representa, normalmente em escala, uma seleção de entidades abstratas sobre ou relacionadas com a superfície da Terra (ICA).
  • 13. Produção de um Mapa  Definição de escala e projeção cartográfica  Seleção dos elementos do mundo  Classificação em grupos (e.g. tipos de solo)  Simplificação de elementos gráficos  Exagero de elementos importantes  Simbologia para apresentar dados
  • 14. Tipos de Mapas em Geoprocessamento  Características dos mapas: diversidade de fontes geradoras e de formatos apresentados.  O sistema se restringe a tratar os seguintes tipos de dados: – Mapas Temáticos: conceitos qualitativos (uso e cobertura do solo, clima); – Imagens; Imagens – Mapas Numéricos (representação de superfícies) – Mapas Cadastrais e Redes (localização de objetos do mundo - e.g. lotes)
  • 15. Importância do geoprocessamento em Recursos Hídricos  Recursos Hídricos – Bacia hidrográfica  Bacia Hidrográfica é um integrador espacial de processos.  Uso dos recursos hídricos – Cobertura e uso do solo (urbanizado, florestas, campos agrícolas)  A cobertura e uso do solo se distribui no espaço de forma heterogênea e dinâmica.  Cada elemento responde diferentemente em funções dos processos hidrológicos.
  • 16. Modelos Complexos em Bacias B Dados específicos de uso do solo e poluição A Dados da bacia C Dados Meteorológicos Fontes D Interface em Windows pontuais SIG Distribuição do uso do solo E Modelo HSPF HSPF Dados do rio F Pos-Processamento
  • 17. Mas cuidado!  Os SIG tem um impacto muito grande sobre qualquer área do conhecimento que está ligada ao manejo e análise de dados distribuídos no espaço. Algumas pessoas podem enxergar os SIG como uma mágica, como em: “…os dados foram inseridos no computador e a resposta é …”. A velocidade, consistência e precisão de um SIG são impressionantes, e as figuras podem ser bonitas. Com a experiência, no entanto, o SIG passa a ser uma mera extensão da capacidade de pensar do usuário. O SIG não tem respostas inerentes, somente o usuário. SIG é uma ferramenta, como a estatística e a modelagem hidrológica.
  • 18. Bibliografia - Livros  Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas; José Iguelmar Miranda (Embrapa) 2005.  Análise espacial de dados geográficos; Vários autores (EMBRAPA) 2004.  Geoprocessamento em Recursos Hídricos: Princípios, Integração e Aplicações. Carlos André Bulhões Mendes e José Almir Cirilo 2001.  Fundamentos de informação geográfica. João Matos 2001  Principles of Geographical Information Systems for Land Resources Assessment. P. A. Bourrough
  • 19. Bibliografia - Manuais  Tutorial do Idrisi  Tutorial e Help do SPRING  Tutorial e Help do MapWindow  Tutorial e Help do ArcGIS  Manuais de outros programas
  • 20. Bibliografia - Periódicos  International Journal of Geographical Information Science  Geographical Analysis  Computers and Geosciences  Photogrametric Engineering and Remote Sensing  Remote Sensing and Environment  Environment and Planning B: Planning and Design  Periódicos da área de recursos hídricos (WRR; Journal of Hydrology; Environmental modeling and software; Journal of Hydrologic Engineering; HESS; IAHS; Hydrological Processes...)
  • 21. Noções de Cartografia  Escalas  Entidades espaciais  Sistema de coordenadas  Formas de representar a superfície da Terra  Sistema Geográfico de Coordenadas  Projeções  Projeção UTM
  • 22. Escala  Virtualmente todas as fontes de dados espaciais são menores do que a realidade que elas representam  A escala indica quão menor que a realidade é um mapa  é a razão entre a distância do mapa e a correspondente distância na terra.
  • 23. Escala É expressa de três formas – um quociente (1:5000; 1:5.000.000) – verbalmente (1 cm representa 50m) – graficamente (ícones usados em mapas computadorizados  Terminologia – escala pequena (1:250.000, 1:1.000.000) cobrem áreas grandes – escala grande (1:10.000, 1:25.000) cobrem áreas pequenas com muito detalhes
  • 24. Escala do Mapa e Resolução da Grade
  • 25. Escala  Não confunda escala numérica com escala gráfica!!!
  • 26. Entidades espaciais (feições)  Tradicionalmente, mapas são usados para representar elementos do mundo real  Símbolos espaciais básicos são: ponto, linha e área.  A escolha de um destes símbolos para representar uma entidade espacial depende da escala.  Exemplo: cidades representadas num mapa  num mapa mundi pontos poderiam ser adotados  num mapa regional áreas seriam adotadas  num mapa local: pontos, linhas e áreas
  • 27. Sistemas de coordenadas  No século XVII Rene Descartes contribuiu para unir a álgebra e a geometria inventando o sistema de coordenadas y x,y que passou a ser chamado Sistema Cartesiano x
  • 28. Sistema de coordenadas cartesiano  Qualquer ponto em um plano é definido pelas suas coordenadas x e y. y x,y x
  • 29. Sistema de coordenadas cartesiano  Uma reta que passa pelos pontos x1 e y1 e x2 e y2 pode ser definida como uma equação algébrica em termos de y e x. y x,y x
  • 30. Sistema de coordenadas cartesiano  Qualquer ponto no espaço pode ser definido pelas suas coordenadas x, y e z. z x,y,z y x
  • 31. Sistema de coordenadas polar  Qualquer ponto no plano pode ser definido pelas suas coordenadas r, θ
  • 32. Sistema de coordenadas esférico  Qualquer ponto no espaço pode ser definido pelas suas coordenadas r, θ e ϕ.
  • 34. Exemplo de utilidade dos sistema de coordenadas Cálculo de distâncias entre pontos
  • 35. Formas de representar a superfície da Terra A forma da Terra – No século XVII, o astrônomo francês Jean Richer observou na Guiana Francesa:  Um relógio com pêndulo de 1m, atrasava cerca de 2 minutos e meio por dia em relação à Paris.  Fazendo análise gravitacional, percebeu que na zona equatorial a distância entre a superfície e o centro da Terra deveria ser maior do que esta distância medida dos Pólos, conclusão:  A terra NÃO seria uma esfera perfeita e sim “achatada”. => Surge então o Elipsóide!!!  Diâmetro equatorial = 12.756Km e diâmetro do eixo de rotação = 12.714km, com diferença de 42km, o que representa um achatamento de perto de 1/300, por isso, a terra vista do espaço assemelha-se a uma esfera.
  • 36. Formas de representar a superfície da Terra  Esfera: definida pelo raio R = 6.370.997 m numa área de aproximadamente 520 M Km 2  Esferóide: definida por – semi-major axis (a) e semi-minor axis (b) – WGS 84 (padrão dos USA) a = 6.378.137 e b = 6.356.752,3142 – Clarke 1866 (padrão histórico no US) a = 6.378.205,4 e b = 6.356.583,8
  • 37. Formas de representar a superfície da Terra
  • 38. Sistema de Coordenadas Geográficas  Baseadas numa simplificação da forma da terra (esfera ou elipsóide)  Definem a posição de um ponto utilizando ângulos chamados latitude e longitude
  • 41. Problemas do Sistema de Coordenadas Geográficas  Qual é a distância entre o ponto A (56 W e 32 S) do ponto B (45 W e 31 S)?  É possível calcular, considerando que a terra é uma esfera, ou um elipsóide, mas é difícil manualmente.
  • 42. Solução: Projeção para sistema de coordenadas cartesianas x,y
  • 43. Projeções  Localizamos as feições da terra num plano 2- D (mapa)  Mundo é esférico e mapa é 2-D  Portanto, precisamos de uma projeção de mapa, que transfere a terra esférica no mapa num plano  Este processo introduz erros nos dados espaciais
  • 44. Projeções  Existem várias projeções que são adotadas de acordo com o local e que minimizam estes erros  Exemplo: Algumas projeções preservam as distâncias entre as entidades em detrimento da direção  Outras, forma é preservada em detrimento da acurácia na área  Se colocarmos uma lâmpada dentro de uma bola que tem o desenho da terra, e projetarmos a luz numa parede, veremos que a parte central da imagem é melhor representada
  • 45. Projeções  Distorção de projeção ocorre em: – Forma, área, distância ou direção  Projeções diferentes produzem distorções diferentes.  As características de cada projeção definem sua utilidade para algumas aplicações e inutilidade para outras.
  • 46. Projeções  Cilíndrica – (mercator) a superfície da terra é projetada num cilindro que envolve o globo. – Imagem contínua da terra – Países perto do equador têm verdadeiras posições relativas – A visão dos pólos é bastante distorcida – Área é preservada em grande parte – Mantém escala, forma, área para pequenas áreas.
  • 48.
  • 49. Projeções  Azimuthal – Projeção num plano – Apenas parte da superfície da terra é visível – A visão será metade do globo ou menos – Distorção ocorre nos quatro cantos do plano – Distância é preservada na maior parte
  • 51. Referência Espacial: Exemplo de Projeções – Lamberth Azimuthal
  • 52. Projeções  Cônica – a superfície da terra é projetada num cone que envolve o globo. – Área é distorcida – Distância é muito distorcida quando se move para baixo da imagem – Escala é preservada na maior parte da imagem
  • 54. Referência Espacial: Exemplo de Projeções – Lamberth Azimuthal Cônica
  • 55. Referência Espacial: Exemplo de Projeções – Comparando Projeções
  • 56. Mundo visto em diferentes projeções  Figura do livro Getting to know ArcGIS de Ormsby et al. 2004
  • 57. Projeções – Mapas usados em SIG têm uma projeção associada a eles – É importante usar uma determinada projeção de acordo com a localização e o propósito do mapa – Ex. se uma aplicação de SIG requer acurácia no cálculo das áreas, usando uma projeção que distorce áreas não é indicado – A maioria dos SIGs permite reprojetar um mapa em outra projeção (fazendo mapeamento entre as centenas de projeções existentes)
  • 58. Projeção UTM  UTM - Universal Transverse Mercator grid system usa a projeção Mercator e divide a terra em 60 zonas verticais (fusos) que têm 6 º de longitude de largura.  UTM usa uma projeção cilíndrica, transversal e secante ao globo terrestre. (é transversal pois a projeção é análogo à colocar um cilindro envolvendo o globo secante aos polos ao invés do Equador.  Os limites de mapeamento são os paralelos 80S e 84N, a partir dos quais usa-se uma projeção estereográfica polar.  UTM adota coordenadas métricas (plano-retangulares) com informações específicas que aparecem nas margens das cartas (mapas) acompanhando um grid de quadrículas planas.  UTM é conformal de forma a preservar forma e escala.
  • 59. Projeção UTM  O cruzamento do equador com o meridiano padrão específico, denominado Meridiano Central (MC) é a origem deste sistema de coordenadas.  Os paralelos e meridianos numa zona UTM são curvados com exceção do meridiano central e do equador que são retos.  As coordenadas UTM são definidas em metros e estão de acordo com o Meridiano central.  O valor do MC é sempre 500.000m (portanto Easting varia de 0 a 1.000.000m.  No hemisfério norte o Equador é a origem de Northing (0m). Então um ponto em Northing 5.000.000m está a 5.000Km do Equador.  No hemisfério sul o Equador tem um Northing de 10.000.000m, então todos os outros Northing neste hemisfério tem um valor menor que o Equador.
  • 60. Projeção UTM  O fato das coordenadas UTM serem em metros facilita o cálculo preciso de distâncias (curtas) entre pontos e áreas.  Na verdade UTM é um conjunto de 60 projeções. Portanto, mapas de zonas diferentes tendem a não se encontrarem nas bordas das zonas.  Coordenadas UTM são fáceis de reconhecer pois consistem de 6 dígitos (inteiro) Easting e 7 dígitos inteiros Northing.
  • 61. Projeção UTM Referência Espacial: Exemplo de Projeções
  • 63. Introdução ao ArcGIS http://www.esri.com/software/arcgis/index.html
  • 64. ArcGIS O ArcGIS é um pacote de softwares da ESRI (Environmental Systems Research Institute) de elaboração e manipulação de informações vetoriais e matriciais para o uso e gerenciamento de bases temáticas. O ArcGIS disponibiliza em um ambiente de Sistema de Informação Geográfica (SIG) uma gama de ferramentas de forma integrada e de fácil utilização. • O ArcGIS integra na mesma base: → DADOS CARTOGRÁFICOS → DADOS DE CENSO → CADASTRO URBANO E RURAL → IMAGENS DE SATÉLITE → REDES → MODELOS NUMÉRICOS DE TERRENO
  • 66. ArcGIS Desktop  ArcMap – comumente chamado de ArcGIS, principal componente do ArcGIS Desktop, conjunto de programas de processamento geo-espaciais, usado principalmente para visualizar, editar, criar e analisar dados geoespaciais.  ArcCatalog- permite a visualização, gerenciamento e organização dos dados espaciais.  ArcToolbox– reúne uma abrangente coleção de funções para geoprocessamento.  ArcGlobe – Visualização 3D
  • 67. Obrigado! Carlos Ruberto Fragoso Jr. crubertofj@hotmail.com http://www.ctec.ufal.br/professor/crfj