SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso de Divulgação Científica
Astronomia Prática e Observacional
Professor:
Carlos Eduardo A. Mariano
Julho de 2011
66o
Curso de Astronomia realizado no Observatório Municipal de Amparo
Desde 1996
Módulo 1:
-Reconhecimento do céu;
-Noções de orientação;
-Cartas Celestes.
A Astronomia é certamente uma das ciências mais antigas !
Alinhamentos de pedras e registros muito antigos, indicam que povos que viveram
há milhares de anos, já observavam o firmamento.
A importância da Astronomia para os povos antigos:
1. Marcação do tempo e construção de calendários
2. Orientação
3. Agricultura
4. Religião
5. Curiosidade natural de entender o Universo
Que é possível ver a olho nu no céu ?
-Sol.
-Lua com mudança de fases.
-Cinco planetas: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.
-Aproximadamente 6.000 estrelas.
-Dezenas de aglomerados de estrelas e nebulosas.
-A Via Láctea.
-Três galáxias.
Em um local com boas condições de observação !
Boas condições significa:
-Condições atmosféricas favoráveis: céu limpo, sem nuvens, nebulosidades
e baixa turbulência;
-Pouca poluição atmosférica;
-Pouca poluição luminosa.
Os astros estão a uma mesma
distância da Terra
Quando olhamos para o céu, temos a impressão de que todos os astros estão a
uma mesma distância. Os astros parecem estar “pregados” em uma
superfície esférica que tem o observador como centro.
Quando olhamos para o céu não temos noção de
profundidade, mas as distâncias que nos separam dos
astros são muito diferentes !
O astro mais próximo da Terra é a Lua: 384.000 Km
Tempo de Viagem: 2 dias.
O Sol é a estrela mais próxima da Terra: 150.000.000 Km
Tempo de Viagem: 4 a 7 meses.
Os planetas também são astros vizinhos !
Distâncias Mínimas Aproximadas de Alguns Planetas:
- Vênus: 47.000.000 Km
- Marte: 56.000.000 Km
- Júpiter: 600.000.000 Km
- Saturno: 1.500.000.000 Km
As estrelas estão muito mais longe !
Alfa do Centauro é a estrela mais próxima do Sistema Solar:
4,26 anos-luz ou aproximadamente 40.000.000.000.000 Km
Os aglomerados de estrelas e as nebulosas estão a
centenas ou até milhares de anos-luz de distância !
As galáxias estão a milhares, milhões ou até bilhões
de anos-luz de distância !
A uma distância de 2.700.000 anos-luz, a galáxia de Andromeda é
objeto mais distante que podemos observar a olho nu.
Um conjunto de estrelas, forma uma constelação !Um conjunto de estrelas, forma uma constelação !
Existem 88 constelações espalhadas por todo o céu.
Qual é a mais conhecida no Brasil ?
Andromeda (Andrômeda) Cygnus (Cisne) Pavo (Pavão)
Antlia(Máquina Pneumática) Delphinus (Delfim Pegasus (Pégaso)
Apus (Ave do Paraíso) Dorado (Dourado) Perseus (Perseu)
Aquarius (Aquário) Draco (Dragão) Phoenix (Fênix)
Aquila (Águia) Equileus (Cavalo Menor) Pictor (Pintor)
Ara (Altar) Eridanus (Eridano) Pisces (Peixes)
Aries (Carneiro) Fornax (Fornalha) Pisces Austrinus (Peixe Austral)
Auriga (Cocheiro) Gemini (Gêmeos) Puppis (Popa)
Bootes (Boeiro) Gus (Grou) Pyxis (Bússola)
Caelum (Buril) Hercules (Hércules) Reticulum (Retículo)
Camelopardus(Girafa) Horologium (Relógio) Sagitta (Flecha)
Cancer (Caranguejo) Hydra (Hidra Fêmea) Sagittarius (Sagitário)
Canis Venatici Hydrus (Hidra Macho) Scorpius (Escorpião)
Canis Major (Cão Maior) Indus (Indio) Sculptor (Escultor)
Canis Minor (Cão Menor) Lacerta (Lagarta) Scutum (Escudo)
Capricornus (Capricórnio) Leo (Leão) Serpens (Serpente)
Carina (Quilha) Leo Minor (Leão Menor) Sextans (Sextante)
Cassiopea (Cassiopéia) Lepus (Lebre) Taurus (Touro)
Centaurus (Centauro) Lupus (Lobo) Telescopium (Telescópio)
Cepheus (Cefeu) Libra (Balanca) Triangulum (Triângulo)
Cetus (Baleia) Lynx (Lince) Triangulum Australe (T. Austral)
Chamaleon (Camaleão) Lyra (Lira) Tucana (Tucano)
Circinus (Compasso) Mensa (Mesa) Ursa Major (Ursa Maior)
Columba (Pomba) Microscopium (Microscópio) Ursa Minor (Ursa Menor)
Coma Berenices Monoceros (Unicórnio) Vela (Vela)
Corona Australis Musca (Mosca) Virgo (Virgem)
Corona Borealis Norma (Régua) Volans (Peixe Voador)
Corvus (Corvo) Octans (Oitante) Vulpecula (Raposa)
Crater (Taca) Ophiucus (Serpentário)
Crux (Cruzeiro do Sul) Orion (Órion)
As 88 ConstelaçõesAs 88 Constelações
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Nomes das Estrelas
- Além de criar as constelações, os povos antigos também deram nomes as estrelas.
- Muitas estrelas receberam nomes próprios gregos e árabes. Muitos nomes foram dados
de acordo com algumas características especiais que as estrelas apresentavam. Outros
nomes, tinham a ver com as posições que as estrelas ocupavam nas constelações.
Achernar (Alfa do Eridano) a foz do rio
Alphard (Alfa da Hidra) a solitária
Altair (Alfa da Águia) o pássaro que voa
Antares (Alfa do Escorpião) Rival de Marte
Arcturus (Alfa do Boieiro) a guarda da Ursa Maior
Canopus (Alfa da Quilha) a guia
Capella (Alfa do Cocheiro) a cabra
Deneb (Alfa do Cisne) a cauda
Fomalhaut (Alfa do Peixe Austral) a boca do peixe
Mira (Omicron da Baleia) a maravilha
Regulus (Alfa do Leão) o pequeno rei
Rigel (Beta de Orion) o pé
Rigel Kentaurus (Beta do Centauro) o pé do Centauro
Spica (Alfa da Virgem) Espiga
Vega (Alfa da Lira) a águia que cai
Nomes Significado
- Em 1.603, um astrônomo chamado Bayer criou um novo método para dar nomes as estrelas. Ele usou
as letras do alfabeto grego.
- Pelo seu sistema, a estrela mais brilhante de uma constelação recebia o nome da primeira letra do
alfabeto grego, seguida pelo nome da constelação da qual pertence. Já a segunda estrela mais brilhante
da constelação, recebia o nome da segunda letra do alfabeto grego, e assim sucessivamente.
α − alpha κ − kappa σ − sigma
β − beta ι − iota ρ − rho
γ − gamma λ − lambda τ − tau
δ − delta − mu υ − u
ε − epsilon ν − nu φ − phi
ζ − zeta ξ − xi ζ − chi
η − eta µ − omicron ϕ − psi
θ − theta π − pi ϖ
O Alfabeto Grego
Usando o alfabeto gregoUsando o alfabeto grego
Os antigos usavam as estrelas para se orientar !
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Módulo 2:
-Noções de Esfera Celeste;
-Mudança diária do céu;
-Mudança anual do céu;
-O céu de diferentes regiões.
Todas as estrelas estão a uma mesma
distância de nós ?
As constelações existem de verdade ?
Quando olhamos para o céu, não
temos noção de profundidade !
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Órion
A Esfera Celeste
Movimento Diário da Esfera Celeste
O céu é um bom relógio !
1 dia sideral = 23 h 56 m
Fotografando os movimentos aparentes das estrelas.
‘
A aparência do céu muda durante o ano ?
Se observarmos o céu sempre no mesmo horário (21:00 horas por
exemplo) ao longo dos meses, perceberemos alguma mudança ?
Starry Night
Estações do ano do ponto de vista heliocêntrico
Estações do Ano
http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/eclipticsimulator.html
O Sol sempre nasce no leste ?
Posições do nascer e ocaso do Sol
http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/horizon.html
- 21 de dezembro : solstício de verão
- 21 de março: equinócio de outono
- 21 de junho: solstício de inverno
- 23 de setembro: equinócio da primavera
L
O
Ano Solar: 365 d 05 h 48m 46s
http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/sunmotionsoverview.html
Posições do Sol
http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/sunmotions.html
Movimentos do Sol
No Verão o calor é maior !
Posições do ocaso do Sol
Não vemos a Terra girando ao redor do Sol !
Para a grande maioria dos modelos astronômicos antigos, era o
Sol que girava em torno da Terra.
Conforme a Terra realiza o seu movimento orbital, temos a impressão
de que Sol se move no céu com relação às estrelas, de OESTE para LESTE ,
completando uma volta a cada ano.
Movimento Aparente Anual do Sol
Esse movimento aparente do Sol é produzido pela translação da Terra !
Ele projeta na Esfera Celeste um círculo máximo conhecido como ECLÍPTICA
A ECLÍPTICA também pode ser imaginada como sendo a projeção da órbita da Terra na Esfera Celeste
http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/zodiac.html
Movimento Anual do Sol no Zodíaco
Aries (Carneiro) .................................. 21/03 a 20/04
Taurus (Touro) .................................... 21/04 a 20/05
Gemini (Gêmeos) ................................ 21/05 a 20/06
Cancer (Caranguejo) .......................... 21/06 a 20/07
Leo (Leão) ........................................... 21/07 a 20/08
Virgo (Virgem) ..................................... 21/08 a 20/09
Libra (Balança) .................................... 21/09 a 20/10
Scorpius (Escorpião) .......................... 21/10 a 20/11
Sagitarius (Sagitário) .......................... 21/11 a 20/12
Capricornus (Capricórnio) ................. 21/12 a 20/01
Aquarius (Aquário) ............................. 21/01 a 20/02
Pisces (Peixes) .................................... 21/02 a 20/03
CONSTELAÇÕES - SIGNOS ZODIACAIS
por onde passaria o Sol (segundo a astrologia)
CONSTELAÇÕES - SIGNOS ZODIACAIS
por onde passa o Sol (o que a natureza mostra)
Aries (Carneiro) .................................. 19/04 a 13/05
Taurus (Touro) .................................... 14/05 a 21/06
Gemini (Gêmeos) ................................ 22/06 a 20/07
Cancer (Caranguejo) .......................... 21/07 a 10/08
Leo (Leão) ........................................... 11/08 a 17/09
Virgo (Virgem) ..................................... 18/09 a 30/10
Libra (Balança) .................................... 31/10 a 22/11
Scorpius (Escorpião) .......................... 23/11 a 29/11
Ophiuchus (Serpentário) .................... 30/11 a 17/12
Sagitarius (Sagitário) .......................... 18/12 a 19/01
Capricornus (Capricórnio) ................. 20/01 a 16/02
Aquarius (Aquário) ............................. 17/02 a 11/03
Pisces (Peixes) .................................... 12/03 a 18/04
O movimento aparente anual do Sol, determina um círculo
máximo na Esfera Celeste Conhecido como ECLIPTICA.
Cada estação do ano tem sua constelação símbolo:
- Inverno: Escorpião
-Primavera: Pégaso
-Verão: Órion
- Outono: Leão
O céu apresenta o mesmo
aspecto em todas as regiões da Terra ?
O céu muda de acordo com a latitude geográfica do local !
- No Equador da Terra: Esfera Reta.
- Nos Pólos: Esfera Paralela.
- Em outras latitudes: Esfera Oblíqua.
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Importante: a altura do pólo celeste elevado,
é sempre igual a latitude geográfica do observador.
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Foto com a máquina apontada
Para o Pólo Celeste Sul.
O Brilho dos astros
Brilho é a quantidade de luz recebida de um astro, por um receptor qualquer:
Olho humano, chip de uma máquina digital etc
Magnitude aparente ( m ) : escala que mostra o brilho relativo dos astros
um astro de m=1 é 2,512 vezes + brilhante do que um astro de m=2
um astro de m=2 é 2,512 vezes + brilhante do que um astro de m=3
Magnitudes de alguns astros:
Sol= -27 Lua Cheia= -12,7 Vênus= -4,4 Sirius= -1,7 Vega= 0
Estrelas mais fracas visíveis a olho nu = +6 (em um céu muito bom !)
Em Siena que está no Trópico de Câncer, ao meio dia de 21 de junho, o Sol
Não projeta sombra com uma haste na vertical.
Já em Alexandria que está mais ao norte, existe no mesmo dia e hora, uma
sombra.
Se as duas hastes estiverem na vertical, os ângulos A e B são iguais
Esse ângulo é igual a 7,2 graus, que é a diferença de latitude entre as duas cidades
7,2 graus = 1/50 de circunferência - circunferência = 360 graus = 2πR
Distância entre as cidades: 800 Km , então circunferência da Terra = 40.000 Km
Cálculo da circunferência da Terra por Eratóstenes entre 276 a 194 a.C,
Módulo 3:
-Movimentos e fases da Lua, e eclipses.
Órbita da Lua
A Lua demora aproximadamente 27 dias para dar uma volta ao redor da Terra.
Quantas fases a Lua apresenta ?
A Lua também se move com relação as estrelas, dando
uma volta completa a cada aproximadamente 27 dias.
Conforme gira ao redor da Terra, a Lua também muda de fase.
http://astro.unl.edu/naap/lps/animations/lps.swf
Fase = phasis (grego) = aparência, aspecto.
1 mês sinódico = 29,5 dias
As Marés
A Força Gravitacional produz as marés.
F = G Ml X Mt
d2
http://astro.unl.edu/classaction/animations/lunarcycles/tidesim.html
Eclipses da Lua
Eclipse Lunar
Eclipses Lunares: ocorrem quando a Lua
entra na sombra que a Terra projeta no
espaço.
Tipos:
-Total
-Parcial
-Penumbral
Eclipse Lunar
Eclipse Solar
O Eclipse Solarocorre quando a
sombra da Lua toca a superfície da
Terra.
Eclipse Solar
Tipos: Total
Parcial
Anular
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
O Plano da órbita da Lua tem uma inclinação de 5 graus em relação à Eclíptica !
Módulo 4:
-Configurações Planetárias;
-Cometas, asteróides, meteoróides e meteoros;
-Coordenadas celestes;
-Efemérides astronômicas.
Os planetas se movem no céu, com relação as estrelas !
Planeta: “astro errante” , “astro que se move”
Planetas Interiores:
-Mercúrio;
-Vênus.
Planetas Exteriores:
-Marte;
-Júpiter;
-Saturno;
-Urano;
-Netuno.
Explicação dos movimentos dos planetas
Planetas inferiores ou interiores.
Planetas Superiores ou Exteriores
Existem épocas certas para observar os planetas !
Configurações planetárias...
Os planetas interiores aparecem com mais destaque
quando estão próximos de uma Elongação Máxima !
Mercúrio e Vênus sempre aparecem próximos do Sol !
Visibilidade dos Planetas EXteriores
Conjunções: bonito e fácil de observar !
Lua e Júpiter
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Outros Objetos do Sistema Solar
Cometas
Halley em 1986.
Hyakutake em 1995.
Halle-Bopp em 1997.
As Órbitas dos Cometas
- Órbitas Fechadas:
Elípticas
- Órbitas Abertas:
Parabólicas ou Hiperbólicas
Cometas com órbitas fechadas são os Periódicos !
Plano da Órbita do cometa Hyakutake
Longe do Sol, o cometa apresenta apenas o núcleo congelado.
Composição: materiais congelados e poeira.
Núcleo do cometa Wild 2, foto feita pela sonda espacial Stardust a
uma distância de 500Km !
Mais perto do Sol, parte dos materiais do núcleo transformam-se
e são ejetados na forma de gases e grãos de poeira.
Foto do núcleo do Halley,
feita pela sonda Giotto.
Formação da coma e da cauda!
Cometa Hyakutake em 1996
Asteróides
Meteoróide atraído pelo campo gravitacional da Terra produz:
Meteoro ou “estrela cadente”
Dependendo de sua massa e constituição, o meteoróide pode atravessar
a atmosfera e atingir a superfície do planeta.
Aos meteoróides que atingem a superfície terrestre, damos o nome de METEORITOS.
Chuva
(nome)
Radiante
( AR e D )
Período de
Visibilidade
Média
Horária
de
Meteoros
Quadrantídeos 232o
+50o
1-4 de Janeiro 40
Lirídeos 274o
+34o
5 de Março-2
de Abril
12
Eta Aquáridas 336 0 25 de Abril-12
de Maio
30
Cetídeos 28 - 4 19-Maio 20
Arietídeos 45 +23 29de Maio-19
de Junho
50
Perseídeos 62 +24 1-7 de Junho 40
Taurídeos 87 +20 28 de Junho 30
Perseídeos 46 +58 15deJulho-
17de Agosto
50
Orionídeos 95 +15 18-27 de
Outubro
60
Bielídeos 24 +44 14 de
Novembro
?
Leonídeos 142 +22 14-20 de
Novembro
?
Geminídeos 113 +32 7-15 de
Dezembro
50
Principais Chuvas de Meteoros
Como localizar os astros na Esfera Celeste ?
Sistema Horizontal:
- A : Azimute
- h : Altura
Coordenadas Geográficas
Sistema Equatorial:
Dividindo a Esfera Celeste
em Meridianos e Paralelos.
Sistema Equatorial: Ascensão Reta e Declinação.
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
As coordenadas equatoriais de
todos os astros são fixas ?
Efemérides Astronômicas: posições dos astros ao longo do tempo
e ocorrência de fenômenos celestes.
Revistas
Internet
Softwares
Módulo 5:
-Instrumentos de observação do céu;
-Softwares astronômicos;
-Objetos do céu profundo (Deep Sky).
INSTRUMENTOS ASTRONÔMICOS ANTIGOS
- Medidas das posições e distâncias
angulares.
- Não usavam dispositivos ópticos.
- Astrolábio
- Esfera armilar
- Quadrante
- Sextante
Nascimento da Astronomia Moderna
- Invenção do telescópio: Hans Lippershey em 1608.
- Uso do telescópio na Astronomia: Galileu em 1609.
- Lunetas construídas por Galileu em 1609.
- Galileu demonstrando o telescópio.
Sistema Óptico da Luneta ou Telescópio Refrator
- Uso de duas lentes biconvexas simples.
- Imagens de baixa qualidade.
Telescópio Refletor
- Uso de espelhos.
- Imagens sem aberração cromática.
- Primeiros telescópios refletores foram construídos por :
James Gregory em 1660 e Isaac Newton em 1670.
Telescópio construído por Newton.
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal  de Amparo
Características Ópticas dos Telescópios
1. Abertura: diâmetro da objetiva seja espelho ou lente.
2. Luminosidade: capacidade de coletar luz. Depende da abertura da
objetiva. Também depende da relação entre a Distância Focal e a Abertura
da Objetiva (F/D). Exemplos:
*Telescópio com 200mm de abertura e 2000mm de Distância Focal.
2000/200 = 10 telescópio F/10
*Telescópio com 200mm de abertura e 1000mm de Distância Focal.
1000/200 = 5 telescópio F/5
Quanto menor o F/D, maior é a sua luminosidade !
3. Poder de Resolução: capacidade de separar pontos próximos entre
si. Também depende da abertura da objetiva.
Poder de Resolução(“) = 120 / Abertura em mm
1” = 1 / 3600o
O Aumento do Telescópio
- O telescópio aumenta o ângulo de visão de um objeto.
- Depende das Distâncias Focais da Objetiva (F) e da Ocular (f).
Aumento do Telescópio
- Um único telescópio usado com oculares de diferentes distâncias focais,
oferece diferentes aumentos.
Exemplos:
Telescópio de 200mm de abertura e espelho de 1000mm de distância
focal.
Ocular de 20mm de distância focal: 1000 / 20 = 50x de aumento.
Ocular de 10mm de distância focal: 1000 / 10 = 100x de aumento.
Ocular de 5mm de distância focal: 1000 / 5 = 250x de aumento.
Quanto maior o aumento, menor o campo de
visão e menor a nitidez da imagem !
Montagem de um Telescópio
É o conjunto mecânico que permite o apoio e a movimentação do tubo.
Principais Tipos:
- Montagem Azimutal: movimentos em altura e azimute.
Azimutal simples. Azimutal dobsoniana.
- Montagem Equatorial: possui um eixo alinhado com o eixo de rotação
da Terra. Isso permite o acompanhamento do movimento do astro com
a movimentação de um único eixo.
Equatorial Alemã. Equatorial de forca.
Telescópios Refratores Modernos
Luneta de 160mm de abertura.
Montagem Equatorial Alemã.
Telescópios Refletores Modernos
Telescópio Refletor Schmidt-
Cassegrain de 400mm de Abertura e
Montagem Equatorial de Forca.
Refrator ou Refletor ?
- Vantagens do refrator:
Melhor qualidade óptica.
Melhor para observação do Sol, Lua e planetas.
- Desvantagens do refrator:
Objetiva de difícil construção.
Custo elevado.
- Vantagens do refletor:
Baixo custo.
Possibilidade de construção de espelhos de grande abertura.
Possibilidade de construção de espelhos bem luminosos.
- Desvantagens do refletor:
Se comparado com refrator de boa qualidade e igual abertura, mostra uma
imagem de qualidade inferior.
Melhor opção para o iniciante:
Refletor Newtoniano de 150mm de abertura
Telescópios Gigantes
Refletores com espelhos de vários metros de abertura !
Instalados em observatórios localizados em grandes altitudes.
Refletor de 5m do Observatório de Palomar
Very Large Telescope - Observatório Europeu do
Sul, localizado no deserto do Atacama no Chile.
Oito refletores de 8m que podem trabalhar
independentemente ou conjuntamente
como um único telescópio de 16m de
abertura !
Observando os Planetas com Telescópios Amadores
Imagem de Vênus com CCD
Desenho de Vênus
Observação de Marte
Imagem com CCD
Desenho com Telescópio de 200mm
Observação de Júpiter
Imagem com CCD
Desenho com telescópio de 230mm
Observação de Saturno
Imagem feita com webcam e
telescópio de 260mm
Desenho com telescópio de 200mm
Objetos do Céu Profundo (Deep Sky)
São objetos que não fazem parte do Sistema Solar, e estão muito
distantes: estrelas, aglomerados estelares, nebulosas e galáxias.
O que é necessário para observar esses objetos?
- Céu escuro e transparente.
- Saber identificar as principais constelações.
- Usar bons mapas celestes.
- Utilizar binóculos ou pequenos telescópios.
Nomenclatura
- Alguns objetos têm nomes próprios.
- A maioria recebe nomes de catálagos.
Principais Catálagos:
- Messier
-NGC (New General Catalogue)
M 42
NGC 4622
-Muitos aparecem a olho nu como pequenas manchas.
-Dezenas podem ser observados com bons binóculos.
-Centenas podem ser vistos com um pequeno telescópio.
Desenho com telescópio de 160mm
Foto com tele-objetiva
Aglomerados Abertos
Aglomerados Globulares
-Alguns podem ser observados a olho nu ou com binóculos.
-Dezenas podem ser vistos através de um pequeno telescópio.
-Os três mais bonitos estão no hemisfério celeste sul: Omega
Centauri, 47 tucanae e M22.
Desenho com telescópio de 160mm
Foto com telescópio de 200mm
-Muitas aparecem a olho nu como pequenas manchas.
-Dezenas podem ser observadas com bons binóculos.
-Centenas podem ser vistas com um pequeno telescópio.
Nebulosas
Foto da nebulosa de Órion - M42 Desenho da Nebulosa do
Pelicano com telescópio de
160mm
Galáxias
-As galáxias são objetos que estão a dezenas ou até centenas de
milhões de anos-luz, por isso sua observação exige céu negro.
-Através de pequenos telescópios, elas aparecem com discretas
manchas esbranquiçadas.
NGC 1232 - foto VLT
-Só três são visíveis a olho nu: As Nuvens de Magalhães e Andrômeda.
-Centenas de galáxias podem ser observadas com um telescópio de 160mm.
Desenho de M104 com
telescópio de 160mm
Desenho de M51 com telescópio
de 160mm
Os planetas exteriores aparecem com mais
destaque, quando estão em Oposição !
Na internet:
www.on.br
www.nasa.gov
www.solarviews.com
www.nineplanets.org
www.hubblesite.org
www.esa.int
www.revistamacrocosmo.zip.net
www.iag.usp.br
www.aeb.gov.br
www.livrariadafisica.com.br.
Publicações:
Revista Astronomy Brasil
Softwares:
-Cartes du Ciel (gratuito)
-Sky Map (gratuito)
-Distant Suns (versão gratuita)
-Red Shift
-Starry Night
Para aprender mais:
Angelo.nascimento@ig.com.br
Carlosemariano@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Especialidade de astronomia
Especialidade de astronomiaEspecialidade de astronomia
Especialidade de astronomia
Ismael Rosa
 
CONSTELAÇÕES
CONSTELAÇÕESCONSTELAÇÕES
CONSTELAÇÕES
Fábio Ribeiro
 
Especialidade em Astronomia - Desbravadores
Especialidade em Astronomia - DesbravadoresEspecialidade em Astronomia - Desbravadores
Especialidade em Astronomia - Desbravadores
André Luiz Marques
 
Astronomia
AstronomiaAstronomia
Astronomia
maroca87
 
Estrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E UniversoEstrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E Universo
Ivanderson da Silva
 
Plano de Aula Sistema Solar
Plano de Aula Sistema SolarPlano de Aula Sistema Solar
Plano de Aula Sistema Solar
Marilda Sales Vaz
 
Revisão bimestral 6º ano - 4º bimestre 2012
Revisão bimestral   6º ano - 4º bimestre 2012Revisão bimestral   6º ano - 4º bimestre 2012
Revisão bimestral 6º ano - 4º bimestre 2012
Raphaell Garcia
 
A esfera celeste
A esfera celesteA esfera celeste
A esfera celeste
Instituto Iprodesc
 
Dicionário de Astronomia
Dicionário de AstronomiaDicionário de Astronomia
Dicionário de Astronomia
slayerf
 
O universo
O universoO universo
O universo
KLARA Rocha
 
Meios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
Meios tecnológicos que permitem o estudo do UniversoMeios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
Meios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
Catir
 
Astronomia 2 - A esfera celeste
Astronomia 2 - A esfera celesteAstronomia 2 - A esfera celeste
Astronomia 2 - A esfera celeste
Nuricel Aguilera
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Leonardo Kaplan
 
O universo
O universoO universo
O universo
Isadora Girio
 
Universo e Sistema Solar
Universo e Sistema SolarUniverso e Sistema Solar
Universo e Sistema Solar
robertoaabfilho
 
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRAUNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
Ana Beatriz Cargnin
 
Atividades o Grupo Local e a Via Láctea
Atividades o Grupo Local e a Via LácteaAtividades o Grupo Local e a Via Láctea
Atividades o Grupo Local e a Via Láctea
Doug Caesar
 
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
Instituto Iprodesc
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
Colégio Espaço Aberto
 
Via láctea d
Via láctea dVia láctea d
Via láctea d
Escola Dromos - DF
 

Mais procurados (20)

Especialidade de astronomia
Especialidade de astronomiaEspecialidade de astronomia
Especialidade de astronomia
 
CONSTELAÇÕES
CONSTELAÇÕESCONSTELAÇÕES
CONSTELAÇÕES
 
Especialidade em Astronomia - Desbravadores
Especialidade em Astronomia - DesbravadoresEspecialidade em Astronomia - Desbravadores
Especialidade em Astronomia - Desbravadores
 
Astronomia
AstronomiaAstronomia
Astronomia
 
Estrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E UniversoEstrelas, GaláXias E Universo
Estrelas, GaláXias E Universo
 
Plano de Aula Sistema Solar
Plano de Aula Sistema SolarPlano de Aula Sistema Solar
Plano de Aula Sistema Solar
 
Revisão bimestral 6º ano - 4º bimestre 2012
Revisão bimestral   6º ano - 4º bimestre 2012Revisão bimestral   6º ano - 4º bimestre 2012
Revisão bimestral 6º ano - 4º bimestre 2012
 
A esfera celeste
A esfera celesteA esfera celeste
A esfera celeste
 
Dicionário de Astronomia
Dicionário de AstronomiaDicionário de Astronomia
Dicionário de Astronomia
 
O universo
O universoO universo
O universo
 
Meios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
Meios tecnológicos que permitem o estudo do UniversoMeios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
Meios tecnológicos que permitem o estudo do Universo
 
Astronomia 2 - A esfera celeste
Astronomia 2 - A esfera celesteAstronomia 2 - A esfera celeste
Astronomia 2 - A esfera celeste
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
 
O universo
O universoO universo
O universo
 
Universo e Sistema Solar
Universo e Sistema SolarUniverso e Sistema Solar
Universo e Sistema Solar
 
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRAUNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
 
Atividades o Grupo Local e a Via Láctea
Atividades o Grupo Local e a Via LácteaAtividades o Grupo Local e a Via Láctea
Atividades o Grupo Local e a Via Láctea
 
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
Curso: O céu das 4 Estações! - Aula 1 de 3. (2013)
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
 
Via láctea d
Via láctea dVia láctea d
Via láctea d
 

Destaque

WebGL
WebGLWebGL
WebGL
Melyon
 
OpenGL
OpenGLOpenGL
OpenGL
Melyon
 
ویژگی های HTML5
ویژگی های HTML5ویژگی های HTML5
ویژگی های HTML5
Melyon
 
پشتیبانی مرورگرها از WebGL
پشتیبانی مرورگرها از WebGLپشتیبانی مرورگرها از WebGL
پشتیبانی مرورگرها از WebGL
Melyon
 
Drawings
DrawingsDrawings
Drawings
Joseph Bulak
 
Plumeria website
Plumeria websitePlumeria website
Plumeria website
Rick Wagner
 
Aplicatii
AplicatiiAplicatii
Aplicatii
ElenaWwq
 
Breguet Mobile-Hora Mundi
Breguet Mobile-Hora MundiBreguet Mobile-Hora Mundi
Breguet Mobile-Hora Mundi
Rick Wagner
 
Astronomia antiga
 Astronomia antiga Astronomia antiga
Astronomia antiga
Paulo Rogerio Dias
 
Html5 history
Html5 historyHtml5 history
Html5 history
Melyon
 
Slide citazioni marketing vendita
Slide citazioni marketing venditaSlide citazioni marketing vendita
Slide citazioni marketing vendita
Fulvio Sarao
 

Destaque (11)

WebGL
WebGLWebGL
WebGL
 
OpenGL
OpenGLOpenGL
OpenGL
 
ویژگی های HTML5
ویژگی های HTML5ویژگی های HTML5
ویژگی های HTML5
 
پشتیبانی مرورگرها از WebGL
پشتیبانی مرورگرها از WebGLپشتیبانی مرورگرها از WebGL
پشتیبانی مرورگرها از WebGL
 
Drawings
DrawingsDrawings
Drawings
 
Plumeria website
Plumeria websitePlumeria website
Plumeria website
 
Aplicatii
AplicatiiAplicatii
Aplicatii
 
Breguet Mobile-Hora Mundi
Breguet Mobile-Hora MundiBreguet Mobile-Hora Mundi
Breguet Mobile-Hora Mundi
 
Astronomia antiga
 Astronomia antiga Astronomia antiga
Astronomia antiga
 
Html5 history
Html5 historyHtml5 history
Html5 history
 
Slide citazioni marketing vendita
Slide citazioni marketing venditaSlide citazioni marketing vendita
Slide citazioni marketing vendita
 

Semelhante a Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal de Amparo

A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
Maria Sedas
 
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptxO SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
HugoFerrer6
 
Trabalho De Fisica Sistema Solar
Trabalho De Fisica Sistema SolarTrabalho De Fisica Sistema Solar
Trabalho De Fisica Sistema Solar
fernando
 
Trabalho de fisica sistema solar
Trabalho de fisica sistema solarTrabalho de fisica sistema solar
Trabalho de fisica sistema solar
fernando
 
Trabahlo de fisica sistema solar
Trabahlo de fisica sistema solarTrabahlo de fisica sistema solar
Trabahlo de fisica sistema solar
fernando
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
Maria Sedas
 
Sistema Solar
Sistema SolarSistema Solar
Sistema Solar
ecsette
 
Aula01 astronomia
Aula01 astronomiaAula01 astronomia
Aula01 astronomia
Tiago Marinho
 
Universo1
Universo1Universo1
Universo1
malhadinhas
 
Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014
Instituto Iprodesc
 
Planetas visíveis a olho nu
Planetas visíveis a olho nuPlanetas visíveis a olho nu
Planetas visíveis a olho nu
Instituto Iprodesc
 
História físico química
História físico químicaHistória físico química
História físico química
joaosantosterrivel
 
GE 030 Astronomia.pdf
GE 030 Astronomia.pdfGE 030 Astronomia.pdf
GE 030 Astronomia.pdf
andersonmbraga1
 
Introdução ao Estudo da Astronomia
Introdução ao Estudo da AstronomiaIntrodução ao Estudo da Astronomia
Introdução ao Estudo da Astronomia
Fernando Martins
 
Sistema solar
Sistema solarSistema solar
Sistema solar
ereasantoandre
 
Visita ao espaço
Visita ao espaçoVisita ao espaço
Visita ao espaço
clubedeinformatica
 
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
Ademir Santana
 
Mec4
Mec4Mec4
O universo e o sistema solar slide power point
O universo e o sistema solar slide power pointO universo e o sistema solar slide power point
O universo e o sistema solar slide power point
JorgeDias104
 
História físico química
História físico químicaHistória físico química
História físico química
joaosantosterrivel
 

Semelhante a Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal de Amparo (20)

A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
 
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptxO SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
O SISTEMA SOLAR E A VIDA FORA DA TERRA.pptx
 
Trabalho De Fisica Sistema Solar
Trabalho De Fisica Sistema SolarTrabalho De Fisica Sistema Solar
Trabalho De Fisica Sistema Solar
 
Trabalho de fisica sistema solar
Trabalho de fisica sistema solarTrabalho de fisica sistema solar
Trabalho de fisica sistema solar
 
Trabahlo de fisica sistema solar
Trabahlo de fisica sistema solarTrabahlo de fisica sistema solar
Trabahlo de fisica sistema solar
 
A terra no espaço
A terra no espaço A terra no espaço
A terra no espaço
 
Sistema Solar
Sistema SolarSistema Solar
Sistema Solar
 
Aula01 astronomia
Aula01 astronomiaAula01 astronomia
Aula01 astronomia
 
Universo1
Universo1Universo1
Universo1
 
Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014Oba aula 1 2014
Oba aula 1 2014
 
Planetas visíveis a olho nu
Planetas visíveis a olho nuPlanetas visíveis a olho nu
Planetas visíveis a olho nu
 
História físico química
História físico químicaHistória físico química
História físico química
 
GE 030 Astronomia.pdf
GE 030 Astronomia.pdfGE 030 Astronomia.pdf
GE 030 Astronomia.pdf
 
Introdução ao Estudo da Astronomia
Introdução ao Estudo da AstronomiaIntrodução ao Estudo da Astronomia
Introdução ao Estudo da Astronomia
 
Sistema solar
Sistema solarSistema solar
Sistema solar
 
Visita ao espaço
Visita ao espaçoVisita ao espaço
Visita ao espaço
 
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
6 ano-atividade-complementar-2-o-sistema-solar
 
Mec4
Mec4Mec4
Mec4
 
O universo e o sistema solar slide power point
O universo e o sistema solar slide power pointO universo e o sistema solar slide power point
O universo e o sistema solar slide power point
 
História físico química
História físico químicaHistória físico química
História físico química
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Astronomia prática e observacional _ Observatório Municipal de Amparo

  • 1. Curso de Divulgação Científica Astronomia Prática e Observacional Professor: Carlos Eduardo A. Mariano Julho de 2011 66o Curso de Astronomia realizado no Observatório Municipal de Amparo Desde 1996
  • 2. Módulo 1: -Reconhecimento do céu; -Noções de orientação; -Cartas Celestes.
  • 3. A Astronomia é certamente uma das ciências mais antigas ! Alinhamentos de pedras e registros muito antigos, indicam que povos que viveram há milhares de anos, já observavam o firmamento.
  • 4. A importância da Astronomia para os povos antigos: 1. Marcação do tempo e construção de calendários 2. Orientação 3. Agricultura 4. Religião 5. Curiosidade natural de entender o Universo
  • 5. Que é possível ver a olho nu no céu ? -Sol. -Lua com mudança de fases. -Cinco planetas: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. -Aproximadamente 6.000 estrelas. -Dezenas de aglomerados de estrelas e nebulosas. -A Via Láctea. -Três galáxias. Em um local com boas condições de observação !
  • 6. Boas condições significa: -Condições atmosféricas favoráveis: céu limpo, sem nuvens, nebulosidades e baixa turbulência; -Pouca poluição atmosférica; -Pouca poluição luminosa.
  • 7. Os astros estão a uma mesma distância da Terra
  • 8. Quando olhamos para o céu, temos a impressão de que todos os astros estão a uma mesma distância. Os astros parecem estar “pregados” em uma superfície esférica que tem o observador como centro.
  • 9. Quando olhamos para o céu não temos noção de profundidade, mas as distâncias que nos separam dos astros são muito diferentes ! O astro mais próximo da Terra é a Lua: 384.000 Km Tempo de Viagem: 2 dias.
  • 10. O Sol é a estrela mais próxima da Terra: 150.000.000 Km Tempo de Viagem: 4 a 7 meses.
  • 11. Os planetas também são astros vizinhos ! Distâncias Mínimas Aproximadas de Alguns Planetas: - Vênus: 47.000.000 Km - Marte: 56.000.000 Km - Júpiter: 600.000.000 Km - Saturno: 1.500.000.000 Km
  • 12. As estrelas estão muito mais longe ! Alfa do Centauro é a estrela mais próxima do Sistema Solar: 4,26 anos-luz ou aproximadamente 40.000.000.000.000 Km
  • 13. Os aglomerados de estrelas e as nebulosas estão a centenas ou até milhares de anos-luz de distância !
  • 14. As galáxias estão a milhares, milhões ou até bilhões de anos-luz de distância ! A uma distância de 2.700.000 anos-luz, a galáxia de Andromeda é objeto mais distante que podemos observar a olho nu.
  • 15. Um conjunto de estrelas, forma uma constelação !Um conjunto de estrelas, forma uma constelação ! Existem 88 constelações espalhadas por todo o céu. Qual é a mais conhecida no Brasil ?
  • 16. Andromeda (Andrômeda) Cygnus (Cisne) Pavo (Pavão) Antlia(Máquina Pneumática) Delphinus (Delfim Pegasus (Pégaso) Apus (Ave do Paraíso) Dorado (Dourado) Perseus (Perseu) Aquarius (Aquário) Draco (Dragão) Phoenix (Fênix) Aquila (Águia) Equileus (Cavalo Menor) Pictor (Pintor) Ara (Altar) Eridanus (Eridano) Pisces (Peixes) Aries (Carneiro) Fornax (Fornalha) Pisces Austrinus (Peixe Austral) Auriga (Cocheiro) Gemini (Gêmeos) Puppis (Popa) Bootes (Boeiro) Gus (Grou) Pyxis (Bússola) Caelum (Buril) Hercules (Hércules) Reticulum (Retículo) Camelopardus(Girafa) Horologium (Relógio) Sagitta (Flecha) Cancer (Caranguejo) Hydra (Hidra Fêmea) Sagittarius (Sagitário) Canis Venatici Hydrus (Hidra Macho) Scorpius (Escorpião) Canis Major (Cão Maior) Indus (Indio) Sculptor (Escultor) Canis Minor (Cão Menor) Lacerta (Lagarta) Scutum (Escudo) Capricornus (Capricórnio) Leo (Leão) Serpens (Serpente) Carina (Quilha) Leo Minor (Leão Menor) Sextans (Sextante) Cassiopea (Cassiopéia) Lepus (Lebre) Taurus (Touro) Centaurus (Centauro) Lupus (Lobo) Telescopium (Telescópio) Cepheus (Cefeu) Libra (Balanca) Triangulum (Triângulo) Cetus (Baleia) Lynx (Lince) Triangulum Australe (T. Austral) Chamaleon (Camaleão) Lyra (Lira) Tucana (Tucano) Circinus (Compasso) Mensa (Mesa) Ursa Major (Ursa Maior) Columba (Pomba) Microscopium (Microscópio) Ursa Minor (Ursa Menor) Coma Berenices Monoceros (Unicórnio) Vela (Vela) Corona Australis Musca (Mosca) Virgo (Virgem) Corona Borealis Norma (Régua) Volans (Peixe Voador) Corvus (Corvo) Octans (Oitante) Vulpecula (Raposa) Crater (Taca) Ophiucus (Serpentário) Crux (Cruzeiro do Sul) Orion (Órion) As 88 ConstelaçõesAs 88 Constelações
  • 18. Nomes das Estrelas - Além de criar as constelações, os povos antigos também deram nomes as estrelas. - Muitas estrelas receberam nomes próprios gregos e árabes. Muitos nomes foram dados de acordo com algumas características especiais que as estrelas apresentavam. Outros nomes, tinham a ver com as posições que as estrelas ocupavam nas constelações. Achernar (Alfa do Eridano) a foz do rio Alphard (Alfa da Hidra) a solitária Altair (Alfa da Águia) o pássaro que voa Antares (Alfa do Escorpião) Rival de Marte Arcturus (Alfa do Boieiro) a guarda da Ursa Maior Canopus (Alfa da Quilha) a guia Capella (Alfa do Cocheiro) a cabra Deneb (Alfa do Cisne) a cauda Fomalhaut (Alfa do Peixe Austral) a boca do peixe Mira (Omicron da Baleia) a maravilha Regulus (Alfa do Leão) o pequeno rei Rigel (Beta de Orion) o pé Rigel Kentaurus (Beta do Centauro) o pé do Centauro Spica (Alfa da Virgem) Espiga Vega (Alfa da Lira) a águia que cai Nomes Significado
  • 19. - Em 1.603, um astrônomo chamado Bayer criou um novo método para dar nomes as estrelas. Ele usou as letras do alfabeto grego. - Pelo seu sistema, a estrela mais brilhante de uma constelação recebia o nome da primeira letra do alfabeto grego, seguida pelo nome da constelação da qual pertence. Já a segunda estrela mais brilhante da constelação, recebia o nome da segunda letra do alfabeto grego, e assim sucessivamente. α − alpha κ − kappa σ − sigma β − beta ι − iota ρ − rho γ − gamma λ − lambda τ − tau δ − delta − mu υ − u ε − epsilon ν − nu φ − phi ζ − zeta ξ − xi ζ − chi η − eta µ − omicron ϕ − psi θ − theta π − pi ϖ O Alfabeto Grego Usando o alfabeto gregoUsando o alfabeto grego
  • 20. Os antigos usavam as estrelas para se orientar !
  • 23. Módulo 2: -Noções de Esfera Celeste; -Mudança diária do céu; -Mudança anual do céu; -O céu de diferentes regiões.
  • 24. Todas as estrelas estão a uma mesma distância de nós ? As constelações existem de verdade ?
  • 25. Quando olhamos para o céu, não temos noção de profundidade !
  • 29. Movimento Diário da Esfera Celeste O céu é um bom relógio ! 1 dia sideral = 23 h 56 m
  • 30. Fotografando os movimentos aparentes das estrelas. ‘
  • 31. A aparência do céu muda durante o ano ? Se observarmos o céu sempre no mesmo horário (21:00 horas por exemplo) ao longo dos meses, perceberemos alguma mudança ? Starry Night
  • 32. Estações do ano do ponto de vista heliocêntrico
  • 34. O Sol sempre nasce no leste ?
  • 35. Posições do nascer e ocaso do Sol http://astro.unl.edu/classaction/animations/coordsmotion/horizon.html
  • 36. - 21 de dezembro : solstício de verão - 21 de março: equinócio de outono - 21 de junho: solstício de inverno - 23 de setembro: equinócio da primavera L O
  • 37. Ano Solar: 365 d 05 h 48m 46s
  • 40. No Verão o calor é maior !
  • 42. Não vemos a Terra girando ao redor do Sol ! Para a grande maioria dos modelos astronômicos antigos, era o Sol que girava em torno da Terra. Conforme a Terra realiza o seu movimento orbital, temos a impressão de que Sol se move no céu com relação às estrelas, de OESTE para LESTE , completando uma volta a cada ano.
  • 43. Movimento Aparente Anual do Sol Esse movimento aparente do Sol é produzido pela translação da Terra ! Ele projeta na Esfera Celeste um círculo máximo conhecido como ECLÍPTICA A ECLÍPTICA também pode ser imaginada como sendo a projeção da órbita da Terra na Esfera Celeste
  • 45. Aries (Carneiro) .................................. 21/03 a 20/04 Taurus (Touro) .................................... 21/04 a 20/05 Gemini (Gêmeos) ................................ 21/05 a 20/06 Cancer (Caranguejo) .......................... 21/06 a 20/07 Leo (Leão) ........................................... 21/07 a 20/08 Virgo (Virgem) ..................................... 21/08 a 20/09 Libra (Balança) .................................... 21/09 a 20/10 Scorpius (Escorpião) .......................... 21/10 a 20/11 Sagitarius (Sagitário) .......................... 21/11 a 20/12 Capricornus (Capricórnio) ................. 21/12 a 20/01 Aquarius (Aquário) ............................. 21/01 a 20/02 Pisces (Peixes) .................................... 21/02 a 20/03 CONSTELAÇÕES - SIGNOS ZODIACAIS por onde passaria o Sol (segundo a astrologia)
  • 46. CONSTELAÇÕES - SIGNOS ZODIACAIS por onde passa o Sol (o que a natureza mostra) Aries (Carneiro) .................................. 19/04 a 13/05 Taurus (Touro) .................................... 14/05 a 21/06 Gemini (Gêmeos) ................................ 22/06 a 20/07 Cancer (Caranguejo) .......................... 21/07 a 10/08 Leo (Leão) ........................................... 11/08 a 17/09 Virgo (Virgem) ..................................... 18/09 a 30/10 Libra (Balança) .................................... 31/10 a 22/11 Scorpius (Escorpião) .......................... 23/11 a 29/11 Ophiuchus (Serpentário) .................... 30/11 a 17/12 Sagitarius (Sagitário) .......................... 18/12 a 19/01 Capricornus (Capricórnio) ................. 20/01 a 16/02 Aquarius (Aquário) ............................. 17/02 a 11/03 Pisces (Peixes) .................................... 12/03 a 18/04
  • 47. O movimento aparente anual do Sol, determina um círculo máximo na Esfera Celeste Conhecido como ECLIPTICA.
  • 48. Cada estação do ano tem sua constelação símbolo: - Inverno: Escorpião -Primavera: Pégaso -Verão: Órion - Outono: Leão
  • 49. O céu apresenta o mesmo aspecto em todas as regiões da Terra ?
  • 50. O céu muda de acordo com a latitude geográfica do local ! - No Equador da Terra: Esfera Reta. - Nos Pólos: Esfera Paralela. - Em outras latitudes: Esfera Oblíqua.
  • 55. Importante: a altura do pólo celeste elevado, é sempre igual a latitude geográfica do observador.
  • 57. Foto com a máquina apontada Para o Pólo Celeste Sul.
  • 58. O Brilho dos astros Brilho é a quantidade de luz recebida de um astro, por um receptor qualquer: Olho humano, chip de uma máquina digital etc Magnitude aparente ( m ) : escala que mostra o brilho relativo dos astros um astro de m=1 é 2,512 vezes + brilhante do que um astro de m=2 um astro de m=2 é 2,512 vezes + brilhante do que um astro de m=3 Magnitudes de alguns astros: Sol= -27 Lua Cheia= -12,7 Vênus= -4,4 Sirius= -1,7 Vega= 0 Estrelas mais fracas visíveis a olho nu = +6 (em um céu muito bom !)
  • 59. Em Siena que está no Trópico de Câncer, ao meio dia de 21 de junho, o Sol Não projeta sombra com uma haste na vertical. Já em Alexandria que está mais ao norte, existe no mesmo dia e hora, uma sombra. Se as duas hastes estiverem na vertical, os ângulos A e B são iguais Esse ângulo é igual a 7,2 graus, que é a diferença de latitude entre as duas cidades 7,2 graus = 1/50 de circunferência - circunferência = 360 graus = 2πR Distância entre as cidades: 800 Km , então circunferência da Terra = 40.000 Km Cálculo da circunferência da Terra por Eratóstenes entre 276 a 194 a.C,
  • 60. Módulo 3: -Movimentos e fases da Lua, e eclipses.
  • 61. Órbita da Lua A Lua demora aproximadamente 27 dias para dar uma volta ao redor da Terra.
  • 62. Quantas fases a Lua apresenta ?
  • 63. A Lua também se move com relação as estrelas, dando uma volta completa a cada aproximadamente 27 dias. Conforme gira ao redor da Terra, a Lua também muda de fase.
  • 65. Fase = phasis (grego) = aparência, aspecto. 1 mês sinódico = 29,5 dias
  • 66. As Marés A Força Gravitacional produz as marés. F = G Ml X Mt d2
  • 69. Eclipse Lunar Eclipses Lunares: ocorrem quando a Lua entra na sombra que a Terra projeta no espaço. Tipos: -Total -Parcial -Penumbral
  • 71. Eclipse Solar O Eclipse Solarocorre quando a sombra da Lua toca a superfície da Terra.
  • 74. O Plano da órbita da Lua tem uma inclinação de 5 graus em relação à Eclíptica !
  • 75. Módulo 4: -Configurações Planetárias; -Cometas, asteróides, meteoróides e meteoros; -Coordenadas celestes; -Efemérides astronômicas.
  • 76. Os planetas se movem no céu, com relação as estrelas ! Planeta: “astro errante” , “astro que se move”
  • 78. Explicação dos movimentos dos planetas Planetas inferiores ou interiores.
  • 80. Existem épocas certas para observar os planetas ! Configurações planetárias...
  • 81. Os planetas interiores aparecem com mais destaque quando estão próximos de uma Elongação Máxima !
  • 82. Mercúrio e Vênus sempre aparecem próximos do Sol !
  • 84. Conjunções: bonito e fácil de observar ! Lua e Júpiter
  • 86. Outros Objetos do Sistema Solar Cometas Halley em 1986. Hyakutake em 1995. Halle-Bopp em 1997.
  • 87. As Órbitas dos Cometas - Órbitas Fechadas: Elípticas - Órbitas Abertas: Parabólicas ou Hiperbólicas Cometas com órbitas fechadas são os Periódicos !
  • 88. Plano da Órbita do cometa Hyakutake
  • 89. Longe do Sol, o cometa apresenta apenas o núcleo congelado. Composição: materiais congelados e poeira. Núcleo do cometa Wild 2, foto feita pela sonda espacial Stardust a uma distância de 500Km !
  • 90. Mais perto do Sol, parte dos materiais do núcleo transformam-se e são ejetados na forma de gases e grãos de poeira. Foto do núcleo do Halley, feita pela sonda Giotto.
  • 91. Formação da coma e da cauda! Cometa Hyakutake em 1996
  • 93. Meteoróide atraído pelo campo gravitacional da Terra produz: Meteoro ou “estrela cadente”
  • 94. Dependendo de sua massa e constituição, o meteoróide pode atravessar a atmosfera e atingir a superfície do planeta. Aos meteoróides que atingem a superfície terrestre, damos o nome de METEORITOS.
  • 95. Chuva (nome) Radiante ( AR e D ) Período de Visibilidade Média Horária de Meteoros Quadrantídeos 232o +50o 1-4 de Janeiro 40 Lirídeos 274o +34o 5 de Março-2 de Abril 12 Eta Aquáridas 336 0 25 de Abril-12 de Maio 30 Cetídeos 28 - 4 19-Maio 20 Arietídeos 45 +23 29de Maio-19 de Junho 50 Perseídeos 62 +24 1-7 de Junho 40 Taurídeos 87 +20 28 de Junho 30 Perseídeos 46 +58 15deJulho- 17de Agosto 50 Orionídeos 95 +15 18-27 de Outubro 60 Bielídeos 24 +44 14 de Novembro ? Leonídeos 142 +22 14-20 de Novembro ? Geminídeos 113 +32 7-15 de Dezembro 50 Principais Chuvas de Meteoros
  • 96. Como localizar os astros na Esfera Celeste ?
  • 97. Sistema Horizontal: - A : Azimute - h : Altura
  • 99. Sistema Equatorial: Dividindo a Esfera Celeste em Meridianos e Paralelos.
  • 100. Sistema Equatorial: Ascensão Reta e Declinação.
  • 102. As coordenadas equatoriais de todos os astros são fixas ?
  • 103. Efemérides Astronômicas: posições dos astros ao longo do tempo e ocorrência de fenômenos celestes. Revistas Internet Softwares
  • 104. Módulo 5: -Instrumentos de observação do céu; -Softwares astronômicos; -Objetos do céu profundo (Deep Sky).
  • 105. INSTRUMENTOS ASTRONÔMICOS ANTIGOS - Medidas das posições e distâncias angulares. - Não usavam dispositivos ópticos. - Astrolábio - Esfera armilar - Quadrante - Sextante
  • 106. Nascimento da Astronomia Moderna - Invenção do telescópio: Hans Lippershey em 1608. - Uso do telescópio na Astronomia: Galileu em 1609. - Lunetas construídas por Galileu em 1609. - Galileu demonstrando o telescópio.
  • 107. Sistema Óptico da Luneta ou Telescópio Refrator - Uso de duas lentes biconvexas simples. - Imagens de baixa qualidade.
  • 108. Telescópio Refletor - Uso de espelhos. - Imagens sem aberração cromática. - Primeiros telescópios refletores foram construídos por : James Gregory em 1660 e Isaac Newton em 1670. Telescópio construído por Newton.
  • 111. Características Ópticas dos Telescópios 1. Abertura: diâmetro da objetiva seja espelho ou lente. 2. Luminosidade: capacidade de coletar luz. Depende da abertura da objetiva. Também depende da relação entre a Distância Focal e a Abertura da Objetiva (F/D). Exemplos: *Telescópio com 200mm de abertura e 2000mm de Distância Focal. 2000/200 = 10 telescópio F/10 *Telescópio com 200mm de abertura e 1000mm de Distância Focal. 1000/200 = 5 telescópio F/5 Quanto menor o F/D, maior é a sua luminosidade ! 3. Poder de Resolução: capacidade de separar pontos próximos entre si. Também depende da abertura da objetiva. Poder de Resolução(“) = 120 / Abertura em mm 1” = 1 / 3600o
  • 112. O Aumento do Telescópio - O telescópio aumenta o ângulo de visão de um objeto. - Depende das Distâncias Focais da Objetiva (F) e da Ocular (f).
  • 113. Aumento do Telescópio - Um único telescópio usado com oculares de diferentes distâncias focais, oferece diferentes aumentos. Exemplos: Telescópio de 200mm de abertura e espelho de 1000mm de distância focal. Ocular de 20mm de distância focal: 1000 / 20 = 50x de aumento. Ocular de 10mm de distância focal: 1000 / 10 = 100x de aumento. Ocular de 5mm de distância focal: 1000 / 5 = 250x de aumento. Quanto maior o aumento, menor o campo de visão e menor a nitidez da imagem !
  • 114. Montagem de um Telescópio É o conjunto mecânico que permite o apoio e a movimentação do tubo. Principais Tipos: - Montagem Azimutal: movimentos em altura e azimute. Azimutal simples. Azimutal dobsoniana.
  • 115. - Montagem Equatorial: possui um eixo alinhado com o eixo de rotação da Terra. Isso permite o acompanhamento do movimento do astro com a movimentação de um único eixo. Equatorial Alemã. Equatorial de forca.
  • 116. Telescópios Refratores Modernos Luneta de 160mm de abertura. Montagem Equatorial Alemã.
  • 117. Telescópios Refletores Modernos Telescópio Refletor Schmidt- Cassegrain de 400mm de Abertura e Montagem Equatorial de Forca.
  • 118. Refrator ou Refletor ? - Vantagens do refrator: Melhor qualidade óptica. Melhor para observação do Sol, Lua e planetas. - Desvantagens do refrator: Objetiva de difícil construção. Custo elevado. - Vantagens do refletor: Baixo custo. Possibilidade de construção de espelhos de grande abertura. Possibilidade de construção de espelhos bem luminosos. - Desvantagens do refletor: Se comparado com refrator de boa qualidade e igual abertura, mostra uma imagem de qualidade inferior. Melhor opção para o iniciante: Refletor Newtoniano de 150mm de abertura
  • 119. Telescópios Gigantes Refletores com espelhos de vários metros de abertura ! Instalados em observatórios localizados em grandes altitudes. Refletor de 5m do Observatório de Palomar
  • 120. Very Large Telescope - Observatório Europeu do Sul, localizado no deserto do Atacama no Chile. Oito refletores de 8m que podem trabalhar independentemente ou conjuntamente como um único telescópio de 16m de abertura !
  • 121. Observando os Planetas com Telescópios Amadores Imagem de Vênus com CCD Desenho de Vênus
  • 122. Observação de Marte Imagem com CCD Desenho com Telescópio de 200mm
  • 123. Observação de Júpiter Imagem com CCD Desenho com telescópio de 230mm
  • 124. Observação de Saturno Imagem feita com webcam e telescópio de 260mm Desenho com telescópio de 200mm
  • 125. Objetos do Céu Profundo (Deep Sky) São objetos que não fazem parte do Sistema Solar, e estão muito distantes: estrelas, aglomerados estelares, nebulosas e galáxias. O que é necessário para observar esses objetos? - Céu escuro e transparente. - Saber identificar as principais constelações. - Usar bons mapas celestes. - Utilizar binóculos ou pequenos telescópios.
  • 126. Nomenclatura - Alguns objetos têm nomes próprios. - A maioria recebe nomes de catálagos. Principais Catálagos: - Messier -NGC (New General Catalogue) M 42 NGC 4622
  • 127. -Muitos aparecem a olho nu como pequenas manchas. -Dezenas podem ser observados com bons binóculos. -Centenas podem ser vistos com um pequeno telescópio. Desenho com telescópio de 160mm Foto com tele-objetiva Aglomerados Abertos
  • 128. Aglomerados Globulares -Alguns podem ser observados a olho nu ou com binóculos. -Dezenas podem ser vistos através de um pequeno telescópio. -Os três mais bonitos estão no hemisfério celeste sul: Omega Centauri, 47 tucanae e M22. Desenho com telescópio de 160mm Foto com telescópio de 200mm
  • 129. -Muitas aparecem a olho nu como pequenas manchas. -Dezenas podem ser observadas com bons binóculos. -Centenas podem ser vistas com um pequeno telescópio. Nebulosas Foto da nebulosa de Órion - M42 Desenho da Nebulosa do Pelicano com telescópio de 160mm
  • 130. Galáxias -As galáxias são objetos que estão a dezenas ou até centenas de milhões de anos-luz, por isso sua observação exige céu negro. -Através de pequenos telescópios, elas aparecem com discretas manchas esbranquiçadas. NGC 1232 - foto VLT
  • 131. -Só três são visíveis a olho nu: As Nuvens de Magalhães e Andrômeda. -Centenas de galáxias podem ser observadas com um telescópio de 160mm. Desenho de M104 com telescópio de 160mm Desenho de M51 com telescópio de 160mm
  • 132. Os planetas exteriores aparecem com mais destaque, quando estão em Oposição ! Na internet: www.on.br www.nasa.gov www.solarviews.com www.nineplanets.org www.hubblesite.org www.esa.int www.revistamacrocosmo.zip.net www.iag.usp.br www.aeb.gov.br www.livrariadafisica.com.br. Publicações: Revista Astronomy Brasil Softwares: -Cartes du Ciel (gratuito) -Sky Map (gratuito) -Distant Suns (versão gratuita) -Red Shift -Starry Night Para aprender mais: Angelo.nascimento@ig.com.br Carlosemariano@hotmail.com