SlideShare uma empresa Scribd logo
Lutar e vencer
As histórias em quadrinhos como
pré-texto, pretexto e texto
em sala de aula
Diva Lea Batista da Silva
FEMA/Assis/SP/Brasil
diva.lea@superig.com.br
Lutar e vencer
CONGRESO IBEROAMERICANO DE LAS
LENGUAS EN LA EDUCACIÓN
Lutar e vencer
3 tipos de mensagem (Barthes)
1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens
- quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica
verbal?
3 tipos de mensagem (Barthes)
1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens
- quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica
verbal?
3 tipos de mensagem (Barthes)
1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens
- quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica
verbal?
ENTRE OUTROS.
LOCAL - SALAMANCA
PERÍODO - 5 A 7 DE SETEMBRO DE 2012
Ponte Romana
CONGRESO IBEROAMERICANO DE LAS
LENGUAS EN LA EDUCACIÓN
- IMESA -
INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO
SUPERIOR DE ASSIS – SÃO PAULO -
2- Experiencias de “haceres” docentes
sobre prácticas de lectura y escritura
CRIAR OPORTUNIDADES PARA O
ALUNO PENSAR
comparar
observar
imaginar
supor
interpretar
classificar
OPERAÇÕES
DE
PENSAMENTO
decidir etc.
INVESTIGAÇÃO
I N (V E) S T I G [A Ç Ã O]
INSTIGAÇÃO
INVESTIGAÇÃ
O
AÇÃO
músicas, leituras,
histórias em quadrinhos,
textos de jornais e revistas,
discussões em sala de aula,
podem levar o aluno
a ...
1ª etapa - INSTIGAÇÃO
2ª etapa - INVESTIGAÇÃO
- pesquisas, leituras ... elementos para
ter o que pensar, perguntar,
discutir...
ee VERVER
com outros e novoscom outros e novos
olhos o assunto em discussão e à...olhos o assunto em discussão e à...
3ª etapa - AÇÃO
- leitura de outros textos e,
com mais e novos argumentos, à
produção de textos orais e/ou
escritos:
a) questionamentos, dramatizações,a) questionamentos, dramatizações,
b) análises de HQs, peças publicitárias,b) análises de HQs, peças publicitárias,
c)c) seminários, resenhas, debates ...seminários, resenhas, debates ...
USO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
PRÉ-TEXTO
PRETEXTO
TEXTO
PRÉ-TEXTO = texto-estímulo, material objetivo,
concreto, como HQS, artigos de jornais e revistas,
crônicas, filmes, gravuras, cartuns, charges etc.
PRETEXTO = motivação provocada no aluno, ou
seja, material didático subjetivo. Que motivos
damos ao aluno para pensar, ler e escrever?
TEXTO = produção do aluno: dramatizado, cantado,
desenhado, oral, escrito etc.
TEXTO VERBAL
TEXTO NÃO-VERBAL
TEXTO NÃO-VERBAL
SIRI, Ricardo (LINIERS).O grito, de Edvard Munch. Disponível
em: http://www.tumblr.com/tagged/liniers?before=1296861263.
Acesso em: 21 jun. 2012.
TEXTO VERBO-VISUAL (MISTO)
FIGURA 1 – Edvard Munch se inspira (Liniers). Disponível em:
http://www.meneame.net/story/edward-munch-se-inspira. Acesso em:
16 maio 2010.
E A TIRA EM QUADRINHOS TRABALHADA...
Disponível em:
http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/cultu
ra/2012/07/12/O-GRITO-DE-EDVARD-MUNCH-E-
O-QUADRO-MAIS-CARO-JA-ARREMATADO-
EM-LEILAO.htm. Acesso em: 20 ago. 2012.
1ª versão d’O Grito: teve o nome de ‘O Desespero’.
1- Plano de fundo do quadro “O grito” - a cidade de Oslo, na
Noruega. Faz parte de uma série de quatro quadros que
abordam o desespero, a angústia de um homem...
2- Também apresenta um homem de cartola e meio de
costas, inclinado sobre uma vedação num cenário em tudo
semelhante à da sua experiência pessoal.
(Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Grito_(pintura).
Acesso em: 16 maio 2010)
3- Nova composição: com uma figura mais
andrógina, de frente para o observador e numa
atitude menos contemplativa e mais desesperada.
Fonte de inspiração: uma múmia peruana que
Munch viu na exposição universal de Paris, em 1887,
segundo um trabalho de Robert Rosenblum (um
especialista da obra do pintor).
(Disponível em: http://malomil.blogspot.
com.br/2012/03/o-grito-os-gritos-sao-
quatro.html. Acesso em: 20 ago. 2012)
(Disponível em: htpp://wikipedia.org/wiki/
O_Grito(pintura). Acesso em: 16 maio
2010)
FIGURA 2- Quadro “o grito”, de Edvard Munch (pintor
norueguês, 1873-1944)
FONTE: Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Grito_(pintura).
Acesso em: 16 maio 2010.
FIGURA 3- Releitura do quadro “O grito”: E a internet sai
do ar...
Disponível em: http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito
-versoes-e-releituras-de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
RELEITURAS
FIGURA 4- Releitura do quadro “O grito”: uso de peças do
brinquedo “Lego”. Disponível em:
http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras-
de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
FIGURA 5- Releitura do quadro “O grito”: o Coringa, vilão
do super-herói (fantoche) e Batman, ao fundo.
Disponível em:
http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras-
de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
FIGURA 6- Releitura do quadro “O grito”: Homer Simpson,
primeiro plano, e sua família ao fundo. Disponível em:
http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras-de-
animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
E O AUTOR DESSA TIRA EM QUADRINHOS?
QUEM É ELE?
LINIERS- Ricardo Siri, argentino, nascido em Buenos
Aires, no dia 15/09/1973. Tem este pseudônimo por ser
descendente de Santiago de Liniers, vice-rei de Buenos
Aires .
Personagens que desenha: Macanudo, El misterioso hombre de
negro, Enriqueta e seu gato Fellini, Alfio, la bola troglodita,
Martincito e seu amigo imaginario Olga , e o próprio Liniers,
que se desenha como um coelho . Escreve também tiras contando
fatos de sua vida que publica na revista "ADN Cultura" de La
Nación todos os sábados: "Cosas que te pasan si estás vivo".
Disponível em:
http://es.wikipedia.org/wiki/Liniers_(historietista). Acesso em:
21 jun. 2012.
SIRI, Ricardo (LINIERS). Enriqueta e seu gato Fellini.
Disponível em: http://www.tumblr.com/tagged/liniers?
before=1294316094. Acesso em: 21 jun. 2012.
FIGURA 1 – Edvard Munch se inspira (Liniers). Disponível em:
http://www.meneame.net/story/edward-munch-se-inspira.
Acesso em: 16 maio 2010.
Nesta tira em quadrinhos, há um relato centrado:
a)num fato;
b) personagens atuando;
c) um espaço que é visto e não imaginado, onde estão
as personagens;
d) há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na
tira (dia: janelas com iluminação ou noite???).
Assim não existe uma ordem predeterminada;
a ordem é estabelecida pelas circunstâncias que
envolvem cada história.
s personagens; há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (almoço ou jantas personagens; há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (almoço ou janta
INTERPRETAÇÃO E INTERTEXTUALIDADE
RATHS (1977)- INTERPRETAR: dar sentido às nossas
experiências; ler nas entrelinhas; preencher os
vazios.
LIPMAN (1990)- INTERPRETAR OU TRADUZIR: dizer
com as próprias palavras o lido ou o visto,
preservando o significado do texto.
Pré-requisitos: prestar atenção, perceber
implicações e suposições, parafrasear etc.
INTERTEXTUALIDADE
Expressão criada por Júlia Kristeva, para indicar o
fenômeno da relação dialógica entre textos (CURI,
1995: 64).
- Ativação de dois mundos textuais: o conhecido
(outros textos previamente existentes, já efetivamente
produzidos) e o novo;
- processo de autoconhecimento, conhecimento do
outro e conhecimento de mundo;
- um texto (novo) cita o outro para reafirmar alguns
sentidos do texto conhecido ou para alterá-los, até
questionando alguns sentidos do texto-base.
NA INTERPRETAÇÃO DE UM TEXTO,
EXISTE UM JOGO ENTRE:
a) as leituras previstas (espaço real)
- aquelas que estão de acordo com os sentidos de
base e contextuais do material linguístico
apresentado , na área da SEMÂNTICA.
b) e as leituras possíveis
- aquelas que se referem aos valores expressivos
(EU- desejos, emoções) e valores
sociocontextuais (GRUPO), na área da
ESTILÍSTICA. (Guiraud, in: SILVA, 1996, p.
64)
ATIVIDADE APLICADA
Nesta tira, Liniers, cartunista argentino, toma
como referência uma determinada obra de arte.
Quando se apropria de algo (texto, imagem) já
existente, o autor provoca uma ruptura que
desencadeia no elemento central de animação da
tira em quadrinhos. Com base nessa informação,
responda:
a)Em qual obra de arte Liniers se baseia?
Explique o último quadrinho com base nessa obra
de arte.
(CONTINUAÇÃO)
b) Para responder à questão anterior, Liniers
pressupõe que o leitor/espectador compartilhe
desse conhecimento. Explique o processo
linguístico-imagético envolvido nessa questão.
c) Você classificaria essa tira em quadrinhos
como um texto humorístico, irônico ou crítico? Por
quê? Explique as características presentes que o
levam a fazer essa classificação.
d) Construa um texto verbal ou imagético que
trate desse processo de relação entre textos, de
acordo com o estudado em sala de aula.
WUERKER, Matt. It´s the end of the world as we know it... again: a brief
history of a socialist plots to end the american way life. Disponível em:
http://www.commondreams.org/further/2009/11/23-0. Acesso em: 20 ago. 2012.
CONCLUSÃO
[...] o eterno abismo entre o ser e a ideia só pode ser
franqueado pelo arco-íris da imaginação. Os
conceitos, prisioneiros das palavras, são sempre
inadequados em relação à torrente da vida; portanto, é
apenas a palavra-imagem, a palavra figurativa, que é
capaz de dar expressão às coisas e ao mesmo tempo
banhá-las com a luminosidade das ideias: ideia e coisa
são unidas na imagem.
HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Trad. J. P.
Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 1990, p. 149 (grifos meus).
OBJETIVOS DEL CONGRESO DE LAS LENGUAS
IBEROAMERICANAS EN LA EDUCACIÓN:
• Impulsar el proyecto de las lenguas en la educación;
• Reflexionar sobre la enseñanza de las lenguas;
• Profundizar en la importancia de las lenguas como eje de
transmisión cultural;
• Analizar las relaciones entre las
diferentes lenguas y las nuevas
tecnologías de la información.
META ESPECÍFICA
- fortalecimiento de la lectura en las escuelas:
todos los alumnos iberoamericanos mejoren sus
competencias básicas en el conocimiento y uso de
su lengua materna, junto con el apoyo y
fortalecimiento de aquellas otras lenguas
presentes en cada uno de los países.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Cirne, Moacy. (2000). Quadrinhos, sedução e paixão.
Petrópolis, RJ: Vozes.
Curi, Samir Meserani (1995). O intertexto escolar: sobre
leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez.
Huizinga, J. (1990). Homo ludens: o jogo como elemento da
cultura. Trad. J. P. Monteiro. São Paulo: Perspectiva.
Libaneo, José Carlos (1992). Didática. São Paulo: Cortez.
Lipman, Matthew. (1990). A filosofia vai à escola. São Paulo:
Summus.
Platão, Francisco. S.; Fiorin, José L. (1992). Para entender o
texto. São Paulo: Ática.
Raths, Louis. et al.(1977). Ensinar a pensar: teoria e aplicação.
Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Pedagógica e
Universitária (EPU).
Silva, Diva Lea Batista da. (2009). Humor, crítica e/ou ironia nas
tiras de Bill Watterson? II Seminário Lecotec de Comunicação e
Ciência. 9-11 nov. São Paulo, Brasil.
_____. (2000). Do pensar ao escrever: um prazer. Assis/SP.
341p. Doutorado em Filologia e Linguística Portuguesa. UNESP-
Universidade Estadual Paulista.
Xavier, C.; Zupardo, E. (2004). Entregando o “ouro” para os
mocinhos: o roteiro da comunicação empresarial. São Paulo:
Zennex Publishing.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pessoa alberto-historias-em-quadradinhos
Pessoa alberto-historias-em-quadradinhosPessoa alberto-historias-em-quadradinhos
Pessoa alberto-historias-em-quadradinhos
deysitta
 
Aula português 2
Aula português 2Aula português 2
Aula português 2
Helison Anselmo
 
Trabalhando com quadrinhos em sala de aula
Trabalhando com quadrinhos em sala de aulaTrabalhando com quadrinhos em sala de aula
Trabalhando com quadrinhos em sala de aula
Rosane Sá
 
Genero conto
Genero contoGenero conto
Genero conto
Gilson Moura
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011ma.no.el.ne.ves
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Pibid-Letras Córdula
 
Coscarelli 2007
Coscarelli 2007Coscarelli 2007
Coscarelli 2007
Jonas dos Santos Messias
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
IFMA
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Vera Pinho
 
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
José Humberto dos Santos Santana
 
Projeto perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
Projeto   perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídiceProjeto   perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
Projeto perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
Cleia Lucia de Castro Castro
 
4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb
Kárita Borges
 
81
8181
882 3946-1-pb
882 3946-1-pb882 3946-1-pb
882 3946-1-pb
Jaires Aquino Barros
 
Esboço da sequência didática 02
Esboço da sequência didática   02Esboço da sequência didática   02
Esboço da sequência didática 02
Renally Arruda
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro"
Ana Polo
 

Mais procurados (17)

Pessoa alberto-historias-em-quadradinhos
Pessoa alberto-historias-em-quadradinhosPessoa alberto-historias-em-quadradinhos
Pessoa alberto-historias-em-quadradinhos
 
Aula português 2
Aula português 2Aula português 2
Aula português 2
 
Trabalhando com quadrinhos em sala de aula
Trabalhando com quadrinhos em sala de aulaTrabalhando com quadrinhos em sala de aula
Trabalhando com quadrinhos em sala de aula
 
Genero conto
Genero contoGenero conto
Genero conto
 
0000016801
00000168010000016801
0000016801
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
 
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
Sequência Didática: Luz, CLIC e Ação: a reciprocidade cultural entre a Litera...
 
Coscarelli 2007
Coscarelli 2007Coscarelli 2007
Coscarelli 2007
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso na Literatura Brasileira: Sequência ...
 
Projeto perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
Projeto   perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídiceProjeto   perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
Projeto perfazendo a trajetória do mito de orfeu e eurídice
 
4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb
 
81
8181
81
 
882 3946-1-pb
882 3946-1-pb882 3946-1-pb
882 3946-1-pb
 
Esboço da sequência didática 02
Esboço da sequência didática   02Esboço da sequência didática   02
Esboço da sequência didática 02
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro"
 

Destaque

Diferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
Diferenças entre suposição e hipótese- Diva LeaDiferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
Diferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
Diva Lea Batista da Silva
 
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIRPROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
Janicélia Feijó Garcia
 
TCC ADELFRANIO
TCC ADELFRANIOTCC ADELFRANIO
TCC ADELFRANIO
Leilany Campos
 
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
Leilany Campos
 
História em quadrinhos (hqs)
História em quadrinhos (hqs)História em quadrinhos (hqs)
História em quadrinhos (hqs)
ritasbett
 
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
HISTÓRIAS EM QUADRINHOSHISTÓRIAS EM QUADRINHOS
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
jpsales
 
Histórias em quadrinhos na sala de aula
Histórias em quadrinhos na sala de aulaHistórias em quadrinhos na sala de aula
Plano de aula com gibis
Plano de aula com gibisPlano de aula com gibis
Plano de aula com gibis
RaquelUFOP
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
TaiFilosofa
 
Gênero textual Quadrinhos
Gênero textual QuadrinhosGênero textual Quadrinhos
Gênero textual Quadrinhos
Franco Sena Jr.
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
Giorgia Marrone
 
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _  História em QuadrinhosProjeto de Leitura _  História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
Patrícia Fernanda da Costa Santos
 
Oficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhosOficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhos
Aldean
 
2013 sub21 3b
2013 sub21 3b2013 sub21 3b
2013 sub21 3b
clubbillarsueca
 
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURAHISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
Diana Carla Mendonça
 
HQs
HQsHQs
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
jpsales
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Alice Nogueira
 

Destaque (18)

Diferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
Diferenças entre suposição e hipótese- Diva LeaDiferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
Diferenças entre suposição e hipótese- Diva Lea
 
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIRPROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
PROJETO DESENVOLVIDO PELA PROFESSORA CLEBENIR
 
TCC ADELFRANIO
TCC ADELFRANIOTCC ADELFRANIO
TCC ADELFRANIO
 
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
Tcc 2014.1 A IMPORTÂNCIA DAS HQ's COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS...
 
História em quadrinhos (hqs)
História em quadrinhos (hqs)História em quadrinhos (hqs)
História em quadrinhos (hqs)
 
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
HISTÓRIAS EM QUADRINHOSHISTÓRIAS EM QUADRINHOS
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
 
Histórias em quadrinhos na sala de aula
Histórias em quadrinhos na sala de aulaHistórias em quadrinhos na sala de aula
Histórias em quadrinhos na sala de aula
 
Plano de aula com gibis
Plano de aula com gibisPlano de aula com gibis
Plano de aula com gibis
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
 
Gênero textual Quadrinhos
Gênero textual QuadrinhosGênero textual Quadrinhos
Gênero textual Quadrinhos
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _  História em QuadrinhosProjeto de Leitura _  História em Quadrinhos
Projeto de Leitura _ História em Quadrinhos
 
Oficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhosOficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhos
 
2013 sub21 3b
2013 sub21 3b2013 sub21 3b
2013 sub21 3b
 
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURAHISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: INFORMAÇÃO E DIVERSÃO ATRAVÉS DA LEITURA
 
HQs
HQsHQs
HQs
 
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
 
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhosGênero Textual: histórias em quadrinhos
Gênero Textual: histórias em quadrinhos
 

Semelhante a As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-es-2012-ppt

8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
douglasfronja07
 
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
DalvaSantos25
 
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptxGENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
Janaina Diniz
 
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdfCHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
Erikajosiane
 
Plano de aula historia em quadrinhos
Plano de aula historia em quadrinhosPlano de aula historia em quadrinhos
Plano de aula historia em quadrinhos
Wilson Charles
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Carol Rocha
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
profealbattaiola
 
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-20092 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
Diva Lea Batista da Silva
 
Dom quixote
Dom quixoteDom quixote
Dom quixote
Eduardo Silva Alves
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
Lailsa Li
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
ma.no.el.ne.ves
 
História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhos
ntebrusque
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
Dirce Cristiane Camilotti
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
ma.no.el.ne.ves
 
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanholaMaterial de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
NathSantana
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
Editora Moderna
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
micheleluzzatto
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
weleslima
 
Conto pausa de moacyr sc lia r final
Conto pausa de moacyr sc lia r finalConto pausa de moacyr sc lia r final
Conto pausa de moacyr sc lia r final
gis22
 
Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]
guest9b23a8
 

Semelhante a As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-es-2012-ppt (20)

8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
8_704__8o_ano_aula_N1_2024.pptx para aulas de artes
 
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
38790_a5d6bab71405e9f56f0149228a6169ad.pptx
 
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptxGENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
GENEROS TEXTUAIS QUADRINHOS E TIRINHAS.pptx
 
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdfCHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
CHARGUE 8 ANO - ATIVIDADE.pdf
 
Plano de aula historia em quadrinhos
Plano de aula historia em quadrinhosPlano de aula historia em quadrinhos
Plano de aula historia em quadrinhos
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) NarrativaAnimação 1 - Roteiro (1) Narrativa
Animação 1 - Roteiro (1) Narrativa
 
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-20092 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
2 humor, crítica e-ou ironia nas tiras de bill watterson- dlbs-bauru-2009
 
Dom quixote
Dom quixoteDom quixote
Dom quixote
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
 
História em quadrinhos
História em quadrinhosHistória em quadrinhos
História em quadrinhos
 
181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos181213historiaemquadrinhos
181213historiaemquadrinhos
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
 
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanholaMaterial de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Tipos de textos moderna
Tipos de textos   modernaTipos de textos   moderna
Tipos de textos moderna
 
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAFORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Conto pausa de moacyr sc lia r final
Conto pausa de moacyr sc lia r finalConto pausa de moacyr sc lia r final
Conto pausa de moacyr sc lia r final
 
Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]
 

Último

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-es-2012-ppt

  • 1. Lutar e vencer As histórias em quadrinhos como pré-texto, pretexto e texto em sala de aula Diva Lea Batista da Silva FEMA/Assis/SP/Brasil diva.lea@superig.com.br
  • 2. Lutar e vencer CONGRESO IBEROAMERICANO DE LAS LENGUAS EN LA EDUCACIÓN
  • 3. Lutar e vencer 3 tipos de mensagem (Barthes) 1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens - quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica verbal? 3 tipos de mensagem (Barthes) 1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens - quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica verbal? 3 tipos de mensagem (Barthes) 1- mensagem lingüística (verbal); auxilia na compreensão das imagens - quais figuras de linguagem e de pensamento são aplicadas na comunica verbal? ENTRE OUTROS.
  • 4. LOCAL - SALAMANCA PERÍODO - 5 A 7 DE SETEMBRO DE 2012 Ponte Romana CONGRESO IBEROAMERICANO DE LAS LENGUAS EN LA EDUCACIÓN
  • 5. - IMESA - INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE ASSIS – SÃO PAULO -
  • 6. 2- Experiencias de “haceres” docentes sobre prácticas de lectura y escritura
  • 7. CRIAR OPORTUNIDADES PARA O ALUNO PENSAR comparar observar imaginar supor interpretar classificar OPERAÇÕES DE PENSAMENTO decidir etc.
  • 8. INVESTIGAÇÃO I N (V E) S T I G [A Ç Ã O]
  • 10. músicas, leituras, histórias em quadrinhos, textos de jornais e revistas, discussões em sala de aula, podem levar o aluno a ... 1ª etapa - INSTIGAÇÃO
  • 11. 2ª etapa - INVESTIGAÇÃO - pesquisas, leituras ... elementos para ter o que pensar, perguntar, discutir... ee VERVER com outros e novoscom outros e novos olhos o assunto em discussão e à...olhos o assunto em discussão e à...
  • 12. 3ª etapa - AÇÃO - leitura de outros textos e, com mais e novos argumentos, à produção de textos orais e/ou escritos: a) questionamentos, dramatizações,a) questionamentos, dramatizações, b) análises de HQs, peças publicitárias,b) análises de HQs, peças publicitárias, c)c) seminários, resenhas, debates ...seminários, resenhas, debates ...
  • 13. USO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PRÉ-TEXTO PRETEXTO TEXTO
  • 14. PRÉ-TEXTO = texto-estímulo, material objetivo, concreto, como HQS, artigos de jornais e revistas, crônicas, filmes, gravuras, cartuns, charges etc. PRETEXTO = motivação provocada no aluno, ou seja, material didático subjetivo. Que motivos damos ao aluno para pensar, ler e escrever? TEXTO = produção do aluno: dramatizado, cantado, desenhado, oral, escrito etc.
  • 17.
  • 19. SIRI, Ricardo (LINIERS).O grito, de Edvard Munch. Disponível em: http://www.tumblr.com/tagged/liniers?before=1296861263. Acesso em: 21 jun. 2012.
  • 21. FIGURA 1 – Edvard Munch se inspira (Liniers). Disponível em: http://www.meneame.net/story/edward-munch-se-inspira. Acesso em: 16 maio 2010. E A TIRA EM QUADRINHOS TRABALHADA...
  • 22. Disponível em: http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/cultu ra/2012/07/12/O-GRITO-DE-EDVARD-MUNCH-E- O-QUADRO-MAIS-CARO-JA-ARREMATADO- EM-LEILAO.htm. Acesso em: 20 ago. 2012. 1ª versão d’O Grito: teve o nome de ‘O Desespero’. 1- Plano de fundo do quadro “O grito” - a cidade de Oslo, na Noruega. Faz parte de uma série de quatro quadros que abordam o desespero, a angústia de um homem... 2- Também apresenta um homem de cartola e meio de costas, inclinado sobre uma vedação num cenário em tudo semelhante à da sua experiência pessoal. (Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Grito_(pintura). Acesso em: 16 maio 2010)
  • 23. 3- Nova composição: com uma figura mais andrógina, de frente para o observador e numa atitude menos contemplativa e mais desesperada. Fonte de inspiração: uma múmia peruana que Munch viu na exposição universal de Paris, em 1887, segundo um trabalho de Robert Rosenblum (um especialista da obra do pintor). (Disponível em: http://malomil.blogspot. com.br/2012/03/o-grito-os-gritos-sao- quatro.html. Acesso em: 20 ago. 2012) (Disponível em: htpp://wikipedia.org/wiki/ O_Grito(pintura). Acesso em: 16 maio 2010)
  • 24. FIGURA 2- Quadro “o grito”, de Edvard Munch (pintor norueguês, 1873-1944) FONTE: Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Grito_(pintura). Acesso em: 16 maio 2010.
  • 25. FIGURA 3- Releitura do quadro “O grito”: E a internet sai do ar... Disponível em: http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito -versoes-e-releituras-de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010. RELEITURAS
  • 26. FIGURA 4- Releitura do quadro “O grito”: uso de peças do brinquedo “Lego”. Disponível em: http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras- de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
  • 27. FIGURA 5- Releitura do quadro “O grito”: o Coringa, vilão do super-herói (fantoche) e Batman, ao fundo. Disponível em: http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras- de-animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
  • 28. FIGURA 6- Releitura do quadro “O grito”: Homer Simpson, primeiro plano, e sua família ao fundo. Disponível em: http://www.putsgrilo.com/curiosidades/quadro-o-grito-versoes-e-releituras-de- animacoes-a-politica/. Acesso em: 16 maio 2010.
  • 29. E O AUTOR DESSA TIRA EM QUADRINHOS? QUEM É ELE? LINIERS- Ricardo Siri, argentino, nascido em Buenos Aires, no dia 15/09/1973. Tem este pseudônimo por ser descendente de Santiago de Liniers, vice-rei de Buenos Aires .
  • 30. Personagens que desenha: Macanudo, El misterioso hombre de negro, Enriqueta e seu gato Fellini, Alfio, la bola troglodita, Martincito e seu amigo imaginario Olga , e o próprio Liniers, que se desenha como um coelho . Escreve também tiras contando fatos de sua vida que publica na revista "ADN Cultura" de La Nación todos os sábados: "Cosas que te pasan si estás vivo". Disponível em: http://es.wikipedia.org/wiki/Liniers_(historietista). Acesso em: 21 jun. 2012.
  • 31. SIRI, Ricardo (LINIERS). Enriqueta e seu gato Fellini. Disponível em: http://www.tumblr.com/tagged/liniers? before=1294316094. Acesso em: 21 jun. 2012.
  • 32. FIGURA 1 – Edvard Munch se inspira (Liniers). Disponível em: http://www.meneame.net/story/edward-munch-se-inspira. Acesso em: 16 maio 2010.
  • 33. Nesta tira em quadrinhos, há um relato centrado: a)num fato; b) personagens atuando; c) um espaço que é visto e não imaginado, onde estão as personagens; d) há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (dia: janelas com iluminação ou noite???). Assim não existe uma ordem predeterminada; a ordem é estabelecida pelas circunstâncias que envolvem cada história. s personagens; há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (almoço ou jantas personagens; há um tempo não denotado pelo espaço e verbos na tira (almoço ou janta
  • 34. INTERPRETAÇÃO E INTERTEXTUALIDADE RATHS (1977)- INTERPRETAR: dar sentido às nossas experiências; ler nas entrelinhas; preencher os vazios. LIPMAN (1990)- INTERPRETAR OU TRADUZIR: dizer com as próprias palavras o lido ou o visto, preservando o significado do texto. Pré-requisitos: prestar atenção, perceber implicações e suposições, parafrasear etc.
  • 35. INTERTEXTUALIDADE Expressão criada por Júlia Kristeva, para indicar o fenômeno da relação dialógica entre textos (CURI, 1995: 64). - Ativação de dois mundos textuais: o conhecido (outros textos previamente existentes, já efetivamente produzidos) e o novo; - processo de autoconhecimento, conhecimento do outro e conhecimento de mundo; - um texto (novo) cita o outro para reafirmar alguns sentidos do texto conhecido ou para alterá-los, até questionando alguns sentidos do texto-base.
  • 36. NA INTERPRETAÇÃO DE UM TEXTO, EXISTE UM JOGO ENTRE: a) as leituras previstas (espaço real) - aquelas que estão de acordo com os sentidos de base e contextuais do material linguístico apresentado , na área da SEMÂNTICA. b) e as leituras possíveis - aquelas que se referem aos valores expressivos (EU- desejos, emoções) e valores sociocontextuais (GRUPO), na área da ESTILÍSTICA. (Guiraud, in: SILVA, 1996, p. 64)
  • 37. ATIVIDADE APLICADA Nesta tira, Liniers, cartunista argentino, toma como referência uma determinada obra de arte. Quando se apropria de algo (texto, imagem) já existente, o autor provoca uma ruptura que desencadeia no elemento central de animação da tira em quadrinhos. Com base nessa informação, responda: a)Em qual obra de arte Liniers se baseia? Explique o último quadrinho com base nessa obra de arte.
  • 38. (CONTINUAÇÃO) b) Para responder à questão anterior, Liniers pressupõe que o leitor/espectador compartilhe desse conhecimento. Explique o processo linguístico-imagético envolvido nessa questão. c) Você classificaria essa tira em quadrinhos como um texto humorístico, irônico ou crítico? Por quê? Explique as características presentes que o levam a fazer essa classificação. d) Construa um texto verbal ou imagético que trate desse processo de relação entre textos, de acordo com o estudado em sala de aula.
  • 39. WUERKER, Matt. It´s the end of the world as we know it... again: a brief history of a socialist plots to end the american way life. Disponível em: http://www.commondreams.org/further/2009/11/23-0. Acesso em: 20 ago. 2012.
  • 40. CONCLUSÃO [...] o eterno abismo entre o ser e a ideia só pode ser franqueado pelo arco-íris da imaginação. Os conceitos, prisioneiros das palavras, são sempre inadequados em relação à torrente da vida; portanto, é apenas a palavra-imagem, a palavra figurativa, que é capaz de dar expressão às coisas e ao mesmo tempo banhá-las com a luminosidade das ideias: ideia e coisa são unidas na imagem. HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Trad. J. P. Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 1990, p. 149 (grifos meus).
  • 41. OBJETIVOS DEL CONGRESO DE LAS LENGUAS IBEROAMERICANAS EN LA EDUCACIÓN: • Impulsar el proyecto de las lenguas en la educación; • Reflexionar sobre la enseñanza de las lenguas; • Profundizar en la importancia de las lenguas como eje de transmisión cultural; • Analizar las relaciones entre las diferentes lenguas y las nuevas tecnologías de la información.
  • 42. META ESPECÍFICA - fortalecimiento de la lectura en las escuelas: todos los alumnos iberoamericanos mejoren sus competencias básicas en el conocimiento y uso de su lengua materna, junto con el apoyo y fortalecimiento de aquellas otras lenguas presentes en cada uno de los países.
  • 43. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Cirne, Moacy. (2000). Quadrinhos, sedução e paixão. Petrópolis, RJ: Vozes. Curi, Samir Meserani (1995). O intertexto escolar: sobre leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez. Huizinga, J. (1990). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Trad. J. P. Monteiro. São Paulo: Perspectiva. Libaneo, José Carlos (1992). Didática. São Paulo: Cortez. Lipman, Matthew. (1990). A filosofia vai à escola. São Paulo: Summus.
  • 44. Platão, Francisco. S.; Fiorin, José L. (1992). Para entender o texto. São Paulo: Ática. Raths, Louis. et al.(1977). Ensinar a pensar: teoria e aplicação. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária (EPU). Silva, Diva Lea Batista da. (2009). Humor, crítica e/ou ironia nas tiras de Bill Watterson? II Seminário Lecotec de Comunicação e Ciência. 9-11 nov. São Paulo, Brasil. _____. (2000). Do pensar ao escrever: um prazer. Assis/SP. 341p. Doutorado em Filologia e Linguística Portuguesa. UNESP- Universidade Estadual Paulista. Xavier, C.; Zupardo, E. (2004). Entregando o “ouro” para os mocinhos: o roteiro da comunicação empresarial. São Paulo: Zennex Publishing.