SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Antroposofia aplicada à saúde:
uma visão ampliada do ser humano e
dos processos de saúde e doença
Iracema de Almeida Benevides
CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS
INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES:
ANTROPOSOFIA APLICADA À SAÚDE
O que é....Antroposofia?
A palavra Antroposofia tem origem
no idioma grego e significa
“sabedoria sobre o ser humano”
Antropos= ser humano
Sofia = saber, sabedoria
O nome foi escolhido por Rudolf Steiner (1861-1925), o
filósofo que desenvolveu as bases desse conhecimento que
busca integrar ciência, arte e espiritualidade.
Fonte fotos: arquivos ABMA
Visão ampliada: o macrocosmo
Segundo a Antroposofia, cada elemento, substância e ser
vivo é parte de um conjunto harmonioso e integrado: o
macrocosmo
Fonte fotos: arquivos ABMA
Visão ampliada: o macrocosmo
Esse macrocosmo possui um
aspecto visível e mensurável
com o qual nos relacionamos
através de nossos sentidos e
que compreendemos
racionalmente através do nosso
intelecto, mas também possui
um conjunto de forças não
visíveis, que compõem o seu
aspecto imaterial ou
suprassensível
Fonte foto: arquivos ABMA
Visão ampliada: o microcosmo
O ser humano, na cosmovisão antroposófica, é considerado
uma imagem condensada desse mundo ao seu redor: é um
microcosmo em permanente interação com o macrocosmo
material e espiritual
Fonte fotos: arquivos ABMA
O conceito de Trimembração:
polaridades integradas pelo elemento rítmico
Nos organismos vivos podemos perceber
três movimentos:
Contração – Ritmo - Expansão
O conceito de Trimembração:
polaridades integradas pelo elemento rítmico
Nas plantas
“arquetípicas”
identificamos:
raízes
caule e folhas
flores e frutos
Fonte foto: arquivos ABMA
Trimembração no organismo humano:
polaridades integradas pelo elemento rítmico
Quando contemplamos o corpo humano, podemos
perceber três partes bem distintas, embora integradas:
cabeça, tronco (tórax e abdome) e membros
Cada uma dessas regiões possui um conjunto de forças
organizadoras e abriga órgãos e sistemas diferenciados
Para facilitar nosso estudo vamos identificar três regiões:
cabeça – tórax – abdome e membros
A cabeça: polo neurossensorial
A cabeça possui uma forma arredondada
Os ossos do crânio têm formas planas e formam uma
proteção em torno do cérebro. Por meio do sistema nervoso
percebemos e nos situamos no mundo.
Predomina o elemento “nervo”: frio, baixo metabolismo,
organização, simetria
É a sede do “pensar”: reflexão
Forças: centrípetas (contração)
Abdome e membros: polo metabólico
O abdome: abriga os órgãos digestivos e reprodutores
Os membros (braços e pernas): predomínio de ossos
longos e radiados. Possibilitam nossa atuação no mundo
Predomina o elemento “sangue”: calor, alto metabolismo
Sede do “fazer”: ação
Forças: centrífugas (expansão)
Tórax: ritmo e integração de polaridades
O tórax abriga os órgãos centrais da circulação e da respiração:
coração e pulmões
Forma semicircular. Ossos planos e radiados (arcos costais)
Predomina o elemento “ritmo”: trocas respiratórias e circulação
sanguínea
Sede do “sentir”
Forças: centrípetas e centrífugas. Movimento rítmico
Contração e expansão harmoniosas
Trimembração no ser humano
Fonte desenho: arquivos ABMA
Os quatro elementos
Os gregos falavam que o universo e os seres vivos eram
formados por quatro elementos: terra (mineral), água
(líquido), ar (aéreo) e fogo (calor).
Fonte fotos: arquivos ABMA
O elemento terra
Mineral: essência sólida, material, concreta.
Estrutura. Forma. Substância. PESO
Fonte fotos: arquivos ABMA
O elemento água
Elemento aquoso: essência fluída, maleável.
Relação com o mundo vegetal. VIDA
Fonte fotos: arquivos ABMA
O elemento ar
Elemento aéreo: essência gasosa, volátil. Leveza.
Permeação. MOVIMENTO, CONSCIÊNCIA
Fonte fotos: arquivos ABMA
O elemento calor
Elemento calor: essência luminosa. Relação com o
fogo. AUTOCONSCIÊNCIA
Fonte fotos: arquivos ABMA
Quadrimembração: as dimensões
Elemento mineral: dimensão física
Elemento aquoso: dimensão vital
...............................................................
Elemento aéreo: dimensão anímica
(alma, corpo astral,
sentimentos)
Elemento calor: dimensão espiritual
(“Eu” humano)
dimensão biológica
dimensão consciência
e autoconsciência
Os quatro elementos e o ser humano
Fonte fotos: arquivos ABMA
Reino
Mineral
Reino
Vegetal
Reino
Animal
Ser Humano
Individualidade ou
organização do “Eu”
Organização anímica ou
corpo astral
Organização vital ou
corpo etérico
Corpo físico, mineral
Conceitos fundamentais
Trimembração e quadrimebração são conceitos
fundamentais da Antroposofia que permitem compreender
os processos de saúde e doença no ser humano e propor
medidas terapêuticas medicamentosas e não
medicamentosas
Metodologia
Durante a formação específica, os profissionais de saúde
aprenderão métodos para compreender as relações de
equilíbrio ou desequilíbrio entre os polos (neurossensorial e
metabólico), a condição e o funcionamento do sistema
rítmico na trimembração. Da mesma forma aprenderão a
identificar harmonia ou desequilíbrios na quadrimembração
Referências:
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e
Complementares. Brasília, Ministério da Saúde, 2006
LUZ, MT; AFONSO, VW. A Medicina Antroposófica como racionalidade
médica e prática integral de cuidado em saúde. 1ª Ed. Juiz de Fora.
UFJF, 2014
MORAES, WA. Medicina Antroposófica: um paradigma para o século XII.
Associação Brasileira de Medicina Antroposófica. São Paulo, 2007
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
Simone Oliveira
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
Mickael Gomes
 
Buddhism in America.pdf
Buddhism in America.pdfBuddhism in America.pdf
Buddhism in America.pdf
S Meyer
 
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Avaliacao postural-e-prescricao-de-exercicios-corretivos
Avaliacao postural-e-prescricao-de-exercicios-corretivosAvaliacao postural-e-prescricao-de-exercicios-corretivos
Avaliacao postural-e-prescricao-de-exercicios-corretivos
 
Auriculopuntura
AuriculopunturaAuriculopuntura
Auriculopuntura
 
03 saúde da criança 2012
03  saúde da criança 201203  saúde da criança 2012
03 saúde da criança 2012
 
Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015Missa parte por parte março 2015
Missa parte por parte março 2015
 
Apostila cinesiologia do ombro
Apostila   cinesiologia do ombroApostila   cinesiologia do ombro
Apostila cinesiologia do ombro
 
Ano liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmosAno liturgico.ritmos
Ano liturgico.ritmos
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Introducao a antroposofia_aplicada_a_saude_
Introducao a antroposofia_aplicada_a_saude_Introducao a antroposofia_aplicada_a_saude_
Introducao a antroposofia_aplicada_a_saude_
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatal
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
 
Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}Formação para acólitos{turíbulo}
Formação para acólitos{turíbulo}
 
A Santa Missa
A Santa MissaA Santa Missa
A Santa Missa
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Buddhism in America.pdf
Buddhism in America.pdfBuddhism in America.pdf
Buddhism in America.pdf
 
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
 
AS ETAPAS DA CAMINHADA BÍBLICA DO CONCÍLIO DE TRENTO AO VATICANO II
AS ETAPAS DA CAMINHADA BÍBLICA DO CONCÍLIO DE TRENTO AO VATICANO IIAS ETAPAS DA CAMINHADA BÍBLICA DO CONCÍLIO DE TRENTO AO VATICANO II
AS ETAPAS DA CAMINHADA BÍBLICA DO CONCÍLIO DE TRENTO AO VATICANO II
 
Fluxograma psiquiátrico
Fluxograma psiquiátricoFluxograma psiquiátrico
Fluxograma psiquiátrico
 

Semelhante a Apresentação ma 2

Semelhante a Apresentação ma 2 (20)

O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)
 
A epífise e os centros de energia vital (sef)
A epífise e os centros de energia vital (sef)A epífise e os centros de energia vital (sef)
A epífise e os centros de energia vital (sef)
 
A epífise e os centros de energia vital (sef)
A epífise e os centros de energia vital (sef)A epífise e os centros de energia vital (sef)
A epífise e os centros de energia vital (sef)
 
Palestra ESE cap 6 cristo consolador
Palestra ESE cap 6 cristo consoladorPalestra ESE cap 6 cristo consolador
Palestra ESE cap 6 cristo consolador
 
09 duplo etérico
09 duplo etérico09 duplo etérico
09 duplo etérico
 
Espirito materia perispirito
Espirito materia perispiritoEspirito materia perispirito
Espirito materia perispirito
 
09
0909
09
 
Centros de força
Centros de forçaCentros de força
Centros de força
 
Introdução a Anatomia e Fisiologia Veterinária
Introdução a Anatomia e Fisiologia VeterináriaIntrodução a Anatomia e Fisiologia Veterinária
Introdução a Anatomia e Fisiologia Veterinária
 
Anatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção iAnatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção i
 
ENFERMAGEM - MÓDULO I - ANATOMIA E FISIOLOGIA revisada.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I -  ANATOMIA E FISIOLOGIA revisada.pptxENFERMAGEM - MÓDULO I -  ANATOMIA E FISIOLOGIA revisada.pptx
ENFERMAGEM - MÓDULO I - ANATOMIA E FISIOLOGIA revisada.pptx
 
Anatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humanaAnatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humana
 
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
 
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
 
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
 
Introdução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmáciaIntrodução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmácia
 
CONSTITUIÇAO DO HOMEM
CONSTITUIÇAO DO HOMEMCONSTITUIÇAO DO HOMEM
CONSTITUIÇAO DO HOMEM
 
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxAnatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Apost1 alma
Apost1 almaApost1 alma
Apost1 alma
 

Mais de Plataforma Colaborativa Comunidade de Práticas

Mais de Plataforma Colaborativa Comunidade de Práticas (20)

Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra epsTutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativaHistórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
 
Paternidade e identidade de genero
Paternidade e identidade de generoPaternidade e identidade de genero
Paternidade e identidade de genero
 
Aumento da licença paternidade
Aumento da licença paternidadeAumento da licença paternidade
Aumento da licença paternidade
 
Remedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinaisRemedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinais
 
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordesteInscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
 
Tutorial inscrição de relato para a chamada
Tutorial inscrição de relato para a chamadaTutorial inscrição de relato para a chamada
Tutorial inscrição de relato para a chamada
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
(20) unidade 4 slide share
 
(19) unidade 4 slide share
(19) unidade 4   slide share(19) unidade 4   slide share
(19) unidade 4 slide share
 
(17) unidade 4 slide share-para as-os filhas-os
(17) unidade 4   slide share-para as-os filhas-os(17) unidade 4   slide share-para as-os filhas-os
(17) unidade 4 slide share-para as-os filhas-os
 
(17) unidade 4 slide share-mulheres
(17) unidade 4   slide share-mulheres(17) unidade 4   slide share-mulheres
(17) unidade 4 slide share-mulheres
 
(17) unidade 4 slide share-no seu tempo livre
(17) unidade 4   slide share-no seu tempo livre(17) unidade 4   slide share-no seu tempo livre
(17) unidade 4 slide share-no seu tempo livre
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
(20) unidade 4 slide share
 
(20) slide share
(20)   slide share(20)   slide share
(20) slide share
 
(13) slide share
(13)   slide share(13)   slide share
(13) slide share
 
(17) unidade 4 slide share-gestação e parto
(17) unidade 4   slide share-gestação e parto(17) unidade 4   slide share-gestação e parto
(17) unidade 4 slide share-gestação e parto
 
(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais
(17) unidade 4   slide share-benefícios para os pais(17) unidade 4   slide share-benefícios para os pais
(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais
 
(17) slide share
(17)   slide share(17)   slide share
(17) slide share
 

Apresentação ma 2

  • 1.   Antroposofia aplicada à saúde: uma visão ampliada do ser humano e dos processos de saúde e doença Iracema de Almeida Benevides CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: ANTROPOSOFIA APLICADA À SAÚDE
  • 2. O que é....Antroposofia? A palavra Antroposofia tem origem no idioma grego e significa “sabedoria sobre o ser humano” Antropos= ser humano Sofia = saber, sabedoria O nome foi escolhido por Rudolf Steiner (1861-1925), o filósofo que desenvolveu as bases desse conhecimento que busca integrar ciência, arte e espiritualidade. Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 3. Visão ampliada: o macrocosmo Segundo a Antroposofia, cada elemento, substância e ser vivo é parte de um conjunto harmonioso e integrado: o macrocosmo Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 4. Visão ampliada: o macrocosmo Esse macrocosmo possui um aspecto visível e mensurável com o qual nos relacionamos através de nossos sentidos e que compreendemos racionalmente através do nosso intelecto, mas também possui um conjunto de forças não visíveis, que compõem o seu aspecto imaterial ou suprassensível Fonte foto: arquivos ABMA
  • 5. Visão ampliada: o microcosmo O ser humano, na cosmovisão antroposófica, é considerado uma imagem condensada desse mundo ao seu redor: é um microcosmo em permanente interação com o macrocosmo material e espiritual Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 6. O conceito de Trimembração: polaridades integradas pelo elemento rítmico Nos organismos vivos podemos perceber três movimentos: Contração – Ritmo - Expansão
  • 7. O conceito de Trimembração: polaridades integradas pelo elemento rítmico Nas plantas “arquetípicas” identificamos: raízes caule e folhas flores e frutos Fonte foto: arquivos ABMA
  • 8. Trimembração no organismo humano: polaridades integradas pelo elemento rítmico Quando contemplamos o corpo humano, podemos perceber três partes bem distintas, embora integradas: cabeça, tronco (tórax e abdome) e membros Cada uma dessas regiões possui um conjunto de forças organizadoras e abriga órgãos e sistemas diferenciados Para facilitar nosso estudo vamos identificar três regiões: cabeça – tórax – abdome e membros
  • 9. A cabeça: polo neurossensorial A cabeça possui uma forma arredondada Os ossos do crânio têm formas planas e formam uma proteção em torno do cérebro. Por meio do sistema nervoso percebemos e nos situamos no mundo. Predomina o elemento “nervo”: frio, baixo metabolismo, organização, simetria É a sede do “pensar”: reflexão Forças: centrípetas (contração)
  • 10. Abdome e membros: polo metabólico O abdome: abriga os órgãos digestivos e reprodutores Os membros (braços e pernas): predomínio de ossos longos e radiados. Possibilitam nossa atuação no mundo Predomina o elemento “sangue”: calor, alto metabolismo Sede do “fazer”: ação Forças: centrífugas (expansão)
  • 11. Tórax: ritmo e integração de polaridades O tórax abriga os órgãos centrais da circulação e da respiração: coração e pulmões Forma semicircular. Ossos planos e radiados (arcos costais) Predomina o elemento “ritmo”: trocas respiratórias e circulação sanguínea Sede do “sentir” Forças: centrípetas e centrífugas. Movimento rítmico Contração e expansão harmoniosas
  • 12. Trimembração no ser humano Fonte desenho: arquivos ABMA
  • 13. Os quatro elementos Os gregos falavam que o universo e os seres vivos eram formados por quatro elementos: terra (mineral), água (líquido), ar (aéreo) e fogo (calor). Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 14. O elemento terra Mineral: essência sólida, material, concreta. Estrutura. Forma. Substância. PESO Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 15. O elemento água Elemento aquoso: essência fluída, maleável. Relação com o mundo vegetal. VIDA Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 16. O elemento ar Elemento aéreo: essência gasosa, volátil. Leveza. Permeação. MOVIMENTO, CONSCIÊNCIA Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 17. O elemento calor Elemento calor: essência luminosa. Relação com o fogo. AUTOCONSCIÊNCIA Fonte fotos: arquivos ABMA
  • 18. Quadrimembração: as dimensões Elemento mineral: dimensão física Elemento aquoso: dimensão vital ............................................................... Elemento aéreo: dimensão anímica (alma, corpo astral, sentimentos) Elemento calor: dimensão espiritual (“Eu” humano) dimensão biológica dimensão consciência e autoconsciência
  • 19. Os quatro elementos e o ser humano Fonte fotos: arquivos ABMA Reino Mineral Reino Vegetal Reino Animal Ser Humano Individualidade ou organização do “Eu” Organização anímica ou corpo astral Organização vital ou corpo etérico Corpo físico, mineral
  • 20. Conceitos fundamentais Trimembração e quadrimebração são conceitos fundamentais da Antroposofia que permitem compreender os processos de saúde e doença no ser humano e propor medidas terapêuticas medicamentosas e não medicamentosas
  • 21. Metodologia Durante a formação específica, os profissionais de saúde aprenderão métodos para compreender as relações de equilíbrio ou desequilíbrio entre os polos (neurossensorial e metabólico), a condição e o funcionamento do sistema rítmico na trimembração. Da mesma forma aprenderão a identificar harmonia ou desequilíbrios na quadrimembração
  • 22. Referências: BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília, Ministério da Saúde, 2006 LUZ, MT; AFONSO, VW. A Medicina Antroposófica como racionalidade médica e prática integral de cuidado em saúde. 1ª Ed. Juiz de Fora. UFJF, 2014 MORAES, WA. Medicina Antroposófica: um paradigma para o século XII. Associação Brasileira de Medicina Antroposófica. São Paulo, 2007