SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
AÇÃO EDUCATIVA, AÇÕES CULTURAIS
E MARKETING NAS INSTITUIÇÕES
ARQUIVÍSTICAS
Carlos Henrique Gonçalves Pinto
ARQUIVO (INSTITUIÇÕES
  ARQUIVÍSTICAS): CONCEITO INICIAIS
Conceito
• Instituição ou serviço que tem por finalidade a custódia, o
  processamento técnico, a conservação e o acesso a documentos.
Função principal
• Recolher, custodiar, preservar e organizar fundos documentais
  originados na área governamental, transferindo-lhes
  informação de modo a servir ao administrador, ao cidadão e ao
  historiador.
Função secundária
• Serviços editoriais, de difusão cultural e de assistência
  educativa.
INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS
                  X
             EDUCAÇÃO
• “O desenvolvimento de laços entre os arquivos e
  a educação não depende só da compreensão do
  papel que a educação deve exercer no mundo
  contemporâneo; são igualmente importantes : o
  reconhecimento do verdadeiro valor dos
  arquivos como fonte educativa e a vontade de
  transformar o valor educativo potencial dos
  arquivos em programas positivos e realistas”

                                   ◦ Hugh W. L. Payne
AÇÕES EDUCACIONAIS:
                    BREVE HISTÓRICO
                                                                   Brasil
                                                               1997 – PCN de
   França                                                        História e
1912 - Circular                    Itália                       Geografia, o
do diretor dos                 1976 –Inicio                      contato se
   Archives                     das relações                    daria desde o
 Nationales.                   educacionais.                   primeiro ciclo.




                   França                          Brasil
                    1950 –                     1986 – PCN de
                   Primeiro                        História
                    serviço                      contato com
                  educativo.                    documentos é
                                                fundamental
                                                    para o
                                               conhecimento.
EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

Conceito
• Atividades extracurriculares, hoje classificadas como trans ou
  interdisciplinares, que procuram reconhecer e valorizar as referências
  culturais locais, regionais ou nacionais.
Objetivo
• Envolver a comunidade na gestão do Patrimônio, pelo qual ela também
  é responsável, levando-a a apropriar-se e usufruir dos bens e valores
  que o constituem.
Método
• Provoca-se situações de aprendizado sobre o processo cultural e seus
  produtos e manifestações, que despertem nos alunos o interesse em
  resolver questões significativas para a vida pessoal e coletiva.
A IMPORTÂNCIA DOS ARQUIVOS
MUNICIPAIS NO PROCESSO EDUCACIONAL
• Charles Braibant, “o melhor meio de aproximar os
  alunos dos fatos da história nacional é mostrar-lhes,
  pelo documento, a repercussão em sua província,
  seu distrito, sua cidade”.

• O. Ermisse, “graças à história local, o aluno se
  apodera das referências culturais que lhe permitem
  conhecer melhor e amar sua cidade e sua região e,
  talvez, interessar-se mais por essa história geral que
  lhe parece, muitas vezes, demasiado austera e
  afastada do seu meio”.
Crescimento dos serviços educativos
 em arquivos regionais (1954/1978)
               Serviços Educativos em Arquivos Regionais


                                                           93     97


                                            64     67
                                    54
                             45

                     20
               15
 5      9


1954   1955   1956   1957   1968   1972    1973   1975     1977   1978
Quantidade de usuários atendidos nas
instituições arquivísticas francesas
(1956/1977)
                                Arquivos Nacionais
                                         X
                              Arquivos Departamentais
Axis Title




                                  1956      1972     1973     1976     1977
             Arquivos Nacionais   11,000   19,000   20,000   19,000   22,000
                Arquivos
                                  16,000   60,000   77,000   90,000   148,000
             Departamentais
PROFESSOR X ARQUIVISTA: O PAPEL DE
CADA UM NO PROCESSO EDUCACIONAL
Arquivista
 • No caso de visitas, cabe a ele os comentários sobre os documentos.
 • Acompanhar, principalmente, os alunos de cursos técnicos ou pré-
   universitários.
Professor
 • Sua presença é fundamental do ponto de vista psicológico e pedagógico.
 • Cabe ao professor fazer a correspondência entre a matéria exposta e o
   que foi visto no arquivo.
 • Incentivar o debate entre alunos e arquivista.
Arquivista e Professor
 • Planejamento e organização de exposições, visitas guiadas, aulas no
   arquivo, publicação de textos e documentos pedagógicos.
Atividades   desenvolvidas pelos
serviços educativos dos arquivos
franceses
• Visitas;
• Aula de história no arquivo;
• Atendimento de alunos isoladamente ou em
  grupos;
• Concurso Jovem Historiador;
• Divulgação de reproduções de documentos e
  publicações;
• Exposição de originais no recinto do arquivo;
• Atividades diversas.
EDUCAÇÃO-ARQUIVO: MODALIDADES À
DISTÂNCIA

• Publicação do conteúdo integral de documentos
  de arquivos em jornais diários, ou a emissão, do
  mesmo conteúdo, por rádio ou televisão.

• Publicação ou apresentação de temas
  preparados à base de documentos ou que lhes
  explore o conteúdo.
MODALIDADES À DISTÂNCIA: EXEMPLOS
DE OUTROS PAÍSES




                                                     4 mil artigos em jornais
Exibição    dos  mais   Aulas     de      história   e     aproximadamente
conhecidos documentos   catalã,              pelos   1.500           emissões
históricos.             arquivista, na televisão.    radiofônicas e 500
                                                     televisionadas.
AÇÕES EDUCATIVAS EM INSTITUIÇÕES
      ARQUIVÍSTICAS NO BRASIL

• As atividades de ação educativa visam aproximar
  a prática de ensino do acervo do arquivo
  público,   ressaltando    a   importância    do
  patrimônio histórico documental para a
  formação dos cidadãos.
AÇÕES EDUCATIVAS
                 MEIOS:
• Deve ser de forma sistematizada, e não apenas
  circunstancial;
• Necessário entusiasmo e perseverança, para não
  desistir devido à burocracia, falta de recursos e
  apoio;
• Necessidade de incluir as ações nos projetos
  políticos pedagógicos das escolas;
• Presidir o contato do aluno com o documento
  através de métodos pedagógicos;
• Uso didático, e não só acadêmico;
• Criatividade, conforme características do acervo.
AÇÕES EDUCATIVAS
               FORMAS:

• Arquivistas e professores (níveis fundamental e
  médio) em parceria;
• Visitas monitoradas ao arquivo;
• Oficinas temáticas e cursos;
• Exposições
• Concursos de produção bibliográfica;
• Espetáculos teatrais.
ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO

•   Núcleo de ação educativa há 10 anos;
•   Promoção de atividades de caráter acadêmico;
•   Seminários, mesa-redonda com arquivistas;
•   Palestras para profissionais e interessados;
•   Oficinas técnicas (paleografia, fotografia, suporte
    papel) destinadas a troca de experiências e
    qualificação profissional.
ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO

• Visitas monitoradas, público geral;
• Visitas técnicas, estudantes acadêmicos;
• “Aula no arquivo” para estudantes dos níveis
  fundamental e médio;
• Visita institucional, monitor do arquivo vai a
  instituições de ensino e esclarece sobre o papel
  social e a importância do arquivo.
ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO

• Eventos em parceria com outras instituições ou
  outros profissionais;
• Em 2008, seminário “Paleografia: a arte de
  decifrar” com vários especialistas do Brasil;
• Em 2009, seminário “A luta pela anistia: 30
  anos”, em parceria com a PGR;
• Durante todo o ano curso de conservação de
  documentos,                           organização
  documental, restauração, etc.
ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO
• Exposições virtuais como forma de possibilitar
  aos escolares um acesso diferenciado às fontes
  históricas;

• Publicações       sobre       “história       da
  educação”, métodos pedagógicos, estrutura física
  e patrimonial da educação pública no decorrer da
  história.
ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA

• Projeto Arquivo Escola – proporciona visitas
  monitoradas para alunos da rede pública;
• Nas visitas há apresentação de vídeos, exposição
  de documentos, aulas sobre história da
  Bahia,    visita   a     setores  do     arquivo
  (restauração, pesquisa, etc.);
• Em 2005, projeto Memória e Cidadania;
• Ainda em 2005, “Exposição Malê 170 anos”.
AÇÃO CULTURAL NAS
       INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS

• Ações e atividades culturais: são um conjunto
  de técnicas sociais que, se baseiam na pedagogia
  participativa que tem por finalidade a promoção de
  práticas e atividades voluntárias que, com a ação
  voluntária dos indivíduos, desenvolve-se em um
  grupo ou comunidade determinada, e se
  manifesta,     nos     diferentes     âmbitos      do
  desenvolvimento da qualidade de vida de uma
  sociedade e dos próprios profissionais arquivísticos.
• Comprometimento: as ações culturais nas
  instituições arquivísticas são comprometidas
  com o desenvolvimento do cenário cultural
  sejam melhorando as condições em que a arte é
  produzida. Seja facilitando o seu acesso por
  parte de uma camada mais ampla da população.
  E incentivando as pessoas a conhecerem mais
  um pouco da sua própria história através dos
  arquivos e os movimentos que essa instituições
  promovem.
AÇÃO CULTURAL:
       PROGRAMAS SISTEMÁTICOS




                Palestras.
Conferências.                  Programas de
                Programas de      rádio.
 Projeções.
                TV.
AÇÃO CULTURAL:
          DUAS LEIS INOVADORAS


• Lei de Robin Hood;
• Lei Estadual de Incentivo à Cultura.
• Essas duas lei fornecem recursos financeiros
  para as instituições que fazem ações culturais na
  sua região e até mesmo fora dela.
AÇÃO CULTURAL: IDENTIDADE


• “A identidade depende cada vez mais daquilo
  que aprendemos, da nossa formação, da nossa
  capacidade de produzir ideias, do nosso tempo
  de viver o tempo livre”


                                   ◦ Domenico de Masi
ATIVIDADES FAVORECIDAS
         PELAS AÇÕES CULTURAIS


• Turísticas;

• Empresariais;

• Educacionais.
AÇÕES CULTURAIS: INCENTIVOS

• Os prêmios concedidos pelo Governo, por meio
  da Secretaria de Estado de Cultura, cumprem
  seu papel de estimular e subsidiar manifestações
  culturais em áreas específicas.

• Os recursos fornecidos as empresas para
  favorecerem as ações culturais nas suas
  instituições.
• “Um país que não valoriza sua
  memória, é um país em estado de
  amnésia”



                                        • Paulo Sérgio
 • (especialista em restauração de documentos gráficos)
MARKETING: CONSIDERAÇÕES INICIAIS


Conceito
• Conjunto de técnicas e atividades
  relacionadas com o fluxo de bens e
  serviços do produtor para o consumidor.
Objetivo
• Obter e manter clientes e usuários.
MARKETING EM ARQUIVOLOGIA

Arquivo
• Preocupação com as informações e a importância dos
  arquivos.
Usuários da informação arquivística
• Administrador, historiador, estudiosos em geral e o
  cidadão comum.
Papel do arquivista na empresa
• Orientar e incentivar as pesquisas.
MARKETING EM ARQUIVOLOGIA

Marketing
• Satisfazer as necessidades dos usuários e demais obrigações
  sociais.
Problema
• Aumento da massa documental e dificuldade de localização.
• Falta de divulgação.
Cenário Arquivístico
• Edição elaborada com base nas colaborações enviadas por
  profissionais arquivistas ou de áreas afins.
• UEL: Daniella Debertolis cria um blog com a intenção de fazer
  marketing dentro da área da Arquivologia.
ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO
       HORIZONTE - APCBH

• Apenas 20 anos;
• Desde 1993 tem o projeto “Novos Registros”, que
  reúne trabalhos acadêmicos sobre BH;
• A cada ano letivo, nove palestrantes expõem seus
  trabalhos acadêmicos no arquivo;
• Cartilha APCBH, que dá suporte aos educadores
  nas visitas monitoradas. Com sugestões de
  atividades e conceitos básicos.
CONCLUSÃO

• Mesmo não sendo a função primordial do arquivo, essa
  nova abertura para a educação pode se constituir numa
  forma de aproximação que lhe garantirá um novo espaço
  social.
• Quando                       um                     arquivo
  público, instala, alimenta, desenvolve e expande seus
  serviços editoriais, culturais e educativos, alinhando-os à
  sua função informacional administrativa e científica, ele
  preenche seu lugar por direito e por conquista na
  sociedade.
• É através dessa aproximação com o cidadão, seja através
  de ações culturais ou educacionais, que o arquivo pode
  tornar mais conhecida sua própria função primária. Esse
  contato trará como consequência um maior respeito ao
  documento escrito.
LINKS INTERESSANTES


• http://www.iepha.mg.gov.br - IEPHA - MG
• www.dossiedebrasilia.blogspot.com
• www.acervoarquivopublico.pbh.gov.br
REFERÊNCIAS:
• Arquivo Nacional. www.conarq.arquivonacional.gov.br
• Arquivo Público da Bahia. www.diarq.fpc.ba.gov.br
• Arquivo Público de BH. www.portalpbh.pbh.gov.br
• Arquivo Público de São Paulo www.arquivoestado.sp.gov.br
• BELOTTO, Heloisa Liberalli. Arquivos Permanentes –
  Tratamento Documental. 4ª ed.,Rio de Janeiro: FGV, 2006.
  320p.
• Faria, Carlos Alberto de. Definição de marketing, objetivo do
  marketing.                      Disponível                 em
  http://www.merkatus.com.br/10_bolrtim/18.html
• Subsídios para um dicionário brasileiro de Terminologia
  Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (7)

Património Mundial e Turismo Cultural -Definição de Património- Artur Filipe ...
Património Mundial e Turismo Cultural -Definição de Património- Artur Filipe ...Património Mundial e Turismo Cultural -Definição de Património- Artur Filipe ...
Património Mundial e Turismo Cultural -Definição de Património- Artur Filipe ...
 
Patrimonio y turismo
Patrimonio y turismoPatrimonio y turismo
Patrimonio y turismo
 
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
 
TIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoTIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turistico
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
 
Venezuela y su Patrimonio Cultural
Venezuela y su Patrimonio CulturalVenezuela y su Patrimonio Cultural
Venezuela y su Patrimonio Cultural
 
Turismo Patrimonio Cultural E Historia
Turismo Patrimonio Cultural E HistoriaTurismo Patrimonio Cultural E Historia
Turismo Patrimonio Cultural E Historia
 

Semelhante a Ação educativa, ações culturais e marketing nas instituições arquivísticas

Actividades_sessão1
Actividades_sessão1Actividades_sessão1
Actividades_sessão1
FilipaNeves
 
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesaAbordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
Pedro Abreu Peixoto
 
Burgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docxBurgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docx
Nuno Marçal
 
PPT - Conselho Geral.pptx
PPT - Conselho Geral.pptxPPT - Conselho Geral.pptx
PPT - Conselho Geral.pptx
Marilia Ceia
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Muriel Pinto
 
Carta de-petropolis
Carta de-petropolisCarta de-petropolis
Carta de-petropolis
remrgs
 

Semelhante a Ação educativa, ações culturais e marketing nas instituições arquivísticas (20)

Museu da Educação SME
Museu da Educação SMEMuseu da Educação SME
Museu da Educação SME
 
Museu histórias em quadrinhos do Brasil
Museu histórias em quadrinhos do BrasilMuseu histórias em quadrinhos do Brasil
Museu histórias em quadrinhos do Brasil
 
Educação Museal - MUSEU DO PIAUÍ
Educação Museal - MUSEU DO PIAUÍEducação Museal - MUSEU DO PIAUÍ
Educação Museal - MUSEU DO PIAUÍ
 
Actividades_sessão1
Actividades_sessão1Actividades_sessão1
Actividades_sessão1
 
O ENSINO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A INTERFACE COM AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BR...
O ENSINO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A INTERFACE COM AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BR...O ENSINO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A INTERFACE COM AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BR...
O ENSINO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A INTERFACE COM AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BR...
 
Apresentação do plano anual de atividades de 2015
Apresentação do plano anual de atividades de 2015Apresentação do plano anual de atividades de 2015
Apresentação do plano anual de atividades de 2015
 
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e DesenvolvimentoQuintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
 
Documento do Eixo Memoria Digital
Documento do Eixo Memoria DigitalDocumento do Eixo Memoria Digital
Documento do Eixo Memoria Digital
 
Kit Jovens
Kit JovensKit Jovens
Kit Jovens
 
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesaAbordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
Abordagens publicas aos arquivos privados no contexto da arquivistica portuguesa
 
Desfile comemorativo 7 de setembro
Desfile comemorativo 7 de setembroDesfile comemorativo 7 de setembro
Desfile comemorativo 7 de setembro
 
Burgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docxBurgos. apresentação.docx
Burgos. apresentação.docx
 
Projeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru CulturalProjeto CCajuru Cultural
Projeto CCajuru Cultural
 
Apresentaçao
ApresentaçaoApresentaçao
Apresentaçao
 
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: uma experiência no Museu da Imagem e do So...
 
Palestra Cooperação entre os profissionais de Biblioteconomia EREBD 2016 RIO
Palestra Cooperação entre os profissionais de Biblioteconomia EREBD 2016 RIOPalestra Cooperação entre os profissionais de Biblioteconomia EREBD 2016 RIO
Palestra Cooperação entre os profissionais de Biblioteconomia EREBD 2016 RIO
 
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom BoscoEncontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
Encontro dos Museus Salesianos de Dom Bosco
 
PPT - Conselho Geral.pptx
PPT - Conselho Geral.pptxPPT - Conselho Geral.pptx
PPT - Conselho Geral.pptx
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
 
Carta de-petropolis
Carta de-petropolisCarta de-petropolis
Carta de-petropolis
 

Último

Último (20)

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Ação educativa, ações culturais e marketing nas instituições arquivísticas

  • 1. AÇÃO EDUCATIVA, AÇÕES CULTURAIS E MARKETING NAS INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS Carlos Henrique Gonçalves Pinto
  • 2. ARQUIVO (INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS): CONCEITO INICIAIS Conceito • Instituição ou serviço que tem por finalidade a custódia, o processamento técnico, a conservação e o acesso a documentos. Função principal • Recolher, custodiar, preservar e organizar fundos documentais originados na área governamental, transferindo-lhes informação de modo a servir ao administrador, ao cidadão e ao historiador. Função secundária • Serviços editoriais, de difusão cultural e de assistência educativa.
  • 3. INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS X EDUCAÇÃO • “O desenvolvimento de laços entre os arquivos e a educação não depende só da compreensão do papel que a educação deve exercer no mundo contemporâneo; são igualmente importantes : o reconhecimento do verdadeiro valor dos arquivos como fonte educativa e a vontade de transformar o valor educativo potencial dos arquivos em programas positivos e realistas” ◦ Hugh W. L. Payne
  • 4. AÇÕES EDUCACIONAIS: BREVE HISTÓRICO Brasil 1997 – PCN de França História e 1912 - Circular Itália Geografia, o do diretor dos 1976 –Inicio contato se Archives das relações daria desde o Nationales. educacionais. primeiro ciclo. França Brasil 1950 – 1986 – PCN de Primeiro História serviço contato com educativo. documentos é fundamental para o conhecimento.
  • 5. EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Conceito • Atividades extracurriculares, hoje classificadas como trans ou interdisciplinares, que procuram reconhecer e valorizar as referências culturais locais, regionais ou nacionais. Objetivo • Envolver a comunidade na gestão do Patrimônio, pelo qual ela também é responsável, levando-a a apropriar-se e usufruir dos bens e valores que o constituem. Método • Provoca-se situações de aprendizado sobre o processo cultural e seus produtos e manifestações, que despertem nos alunos o interesse em resolver questões significativas para a vida pessoal e coletiva.
  • 6. A IMPORTÂNCIA DOS ARQUIVOS MUNICIPAIS NO PROCESSO EDUCACIONAL • Charles Braibant, “o melhor meio de aproximar os alunos dos fatos da história nacional é mostrar-lhes, pelo documento, a repercussão em sua província, seu distrito, sua cidade”. • O. Ermisse, “graças à história local, o aluno se apodera das referências culturais que lhe permitem conhecer melhor e amar sua cidade e sua região e, talvez, interessar-se mais por essa história geral que lhe parece, muitas vezes, demasiado austera e afastada do seu meio”.
  • 7. Crescimento dos serviços educativos em arquivos regionais (1954/1978) Serviços Educativos em Arquivos Regionais 93 97 64 67 54 45 20 15 5 9 1954 1955 1956 1957 1968 1972 1973 1975 1977 1978
  • 8. Quantidade de usuários atendidos nas instituições arquivísticas francesas (1956/1977) Arquivos Nacionais X Arquivos Departamentais Axis Title 1956 1972 1973 1976 1977 Arquivos Nacionais 11,000 19,000 20,000 19,000 22,000 Arquivos 16,000 60,000 77,000 90,000 148,000 Departamentais
  • 9. PROFESSOR X ARQUIVISTA: O PAPEL DE CADA UM NO PROCESSO EDUCACIONAL Arquivista • No caso de visitas, cabe a ele os comentários sobre os documentos. • Acompanhar, principalmente, os alunos de cursos técnicos ou pré- universitários. Professor • Sua presença é fundamental do ponto de vista psicológico e pedagógico. • Cabe ao professor fazer a correspondência entre a matéria exposta e o que foi visto no arquivo. • Incentivar o debate entre alunos e arquivista. Arquivista e Professor • Planejamento e organização de exposições, visitas guiadas, aulas no arquivo, publicação de textos e documentos pedagógicos.
  • 10. Atividades desenvolvidas pelos serviços educativos dos arquivos franceses • Visitas; • Aula de história no arquivo; • Atendimento de alunos isoladamente ou em grupos; • Concurso Jovem Historiador; • Divulgação de reproduções de documentos e publicações; • Exposição de originais no recinto do arquivo; • Atividades diversas.
  • 11. EDUCAÇÃO-ARQUIVO: MODALIDADES À DISTÂNCIA • Publicação do conteúdo integral de documentos de arquivos em jornais diários, ou a emissão, do mesmo conteúdo, por rádio ou televisão. • Publicação ou apresentação de temas preparados à base de documentos ou que lhes explore o conteúdo.
  • 12. MODALIDADES À DISTÂNCIA: EXEMPLOS DE OUTROS PAÍSES 4 mil artigos em jornais Exibição dos mais Aulas de história e aproximadamente conhecidos documentos catalã, pelos 1.500 emissões históricos. arquivista, na televisão. radiofônicas e 500 televisionadas.
  • 13. AÇÕES EDUCATIVAS EM INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS NO BRASIL • As atividades de ação educativa visam aproximar a prática de ensino do acervo do arquivo público, ressaltando a importância do patrimônio histórico documental para a formação dos cidadãos.
  • 14. AÇÕES EDUCATIVAS MEIOS: • Deve ser de forma sistematizada, e não apenas circunstancial; • Necessário entusiasmo e perseverança, para não desistir devido à burocracia, falta de recursos e apoio; • Necessidade de incluir as ações nos projetos políticos pedagógicos das escolas; • Presidir o contato do aluno com o documento através de métodos pedagógicos; • Uso didático, e não só acadêmico; • Criatividade, conforme características do acervo.
  • 15. AÇÕES EDUCATIVAS FORMAS: • Arquivistas e professores (níveis fundamental e médio) em parceria; • Visitas monitoradas ao arquivo; • Oficinas temáticas e cursos; • Exposições • Concursos de produção bibliográfica; • Espetáculos teatrais.
  • 16. ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO • Núcleo de ação educativa há 10 anos; • Promoção de atividades de caráter acadêmico; • Seminários, mesa-redonda com arquivistas; • Palestras para profissionais e interessados; • Oficinas técnicas (paleografia, fotografia, suporte papel) destinadas a troca de experiências e qualificação profissional.
  • 17. ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO • Visitas monitoradas, público geral; • Visitas técnicas, estudantes acadêmicos; • “Aula no arquivo” para estudantes dos níveis fundamental e médio; • Visita institucional, monitor do arquivo vai a instituições de ensino e esclarece sobre o papel social e a importância do arquivo.
  • 18. ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO • Eventos em parceria com outras instituições ou outros profissionais; • Em 2008, seminário “Paleografia: a arte de decifrar” com vários especialistas do Brasil; • Em 2009, seminário “A luta pela anistia: 30 anos”, em parceria com a PGR; • Durante todo o ano curso de conservação de documentos, organização documental, restauração, etc.
  • 19. ARQUIVO PÚBLICO DE SÃO PAULO • Exposições virtuais como forma de possibilitar aos escolares um acesso diferenciado às fontes históricas; • Publicações sobre “história da educação”, métodos pedagógicos, estrutura física e patrimonial da educação pública no decorrer da história.
  • 20. ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA • Projeto Arquivo Escola – proporciona visitas monitoradas para alunos da rede pública; • Nas visitas há apresentação de vídeos, exposição de documentos, aulas sobre história da Bahia, visita a setores do arquivo (restauração, pesquisa, etc.); • Em 2005, projeto Memória e Cidadania; • Ainda em 2005, “Exposição Malê 170 anos”.
  • 21. AÇÃO CULTURAL NAS INSTITUIÇÕES ARQUIVÍSTICAS • Ações e atividades culturais: são um conjunto de técnicas sociais que, se baseiam na pedagogia participativa que tem por finalidade a promoção de práticas e atividades voluntárias que, com a ação voluntária dos indivíduos, desenvolve-se em um grupo ou comunidade determinada, e se manifesta, nos diferentes âmbitos do desenvolvimento da qualidade de vida de uma sociedade e dos próprios profissionais arquivísticos.
  • 22. • Comprometimento: as ações culturais nas instituições arquivísticas são comprometidas com o desenvolvimento do cenário cultural sejam melhorando as condições em que a arte é produzida. Seja facilitando o seu acesso por parte de uma camada mais ampla da população. E incentivando as pessoas a conhecerem mais um pouco da sua própria história através dos arquivos e os movimentos que essa instituições promovem.
  • 23. AÇÃO CULTURAL: PROGRAMAS SISTEMÁTICOS Palestras. Conferências. Programas de Programas de rádio. Projeções. TV.
  • 24. AÇÃO CULTURAL: DUAS LEIS INOVADORAS • Lei de Robin Hood; • Lei Estadual de Incentivo à Cultura. • Essas duas lei fornecem recursos financeiros para as instituições que fazem ações culturais na sua região e até mesmo fora dela.
  • 25. AÇÃO CULTURAL: IDENTIDADE • “A identidade depende cada vez mais daquilo que aprendemos, da nossa formação, da nossa capacidade de produzir ideias, do nosso tempo de viver o tempo livre” ◦ Domenico de Masi
  • 26. ATIVIDADES FAVORECIDAS PELAS AÇÕES CULTURAIS • Turísticas; • Empresariais; • Educacionais.
  • 27. AÇÕES CULTURAIS: INCENTIVOS • Os prêmios concedidos pelo Governo, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, cumprem seu papel de estimular e subsidiar manifestações culturais em áreas específicas. • Os recursos fornecidos as empresas para favorecerem as ações culturais nas suas instituições.
  • 28. • “Um país que não valoriza sua memória, é um país em estado de amnésia” • Paulo Sérgio • (especialista em restauração de documentos gráficos)
  • 29. MARKETING: CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conceito • Conjunto de técnicas e atividades relacionadas com o fluxo de bens e serviços do produtor para o consumidor. Objetivo • Obter e manter clientes e usuários.
  • 30. MARKETING EM ARQUIVOLOGIA Arquivo • Preocupação com as informações e a importância dos arquivos. Usuários da informação arquivística • Administrador, historiador, estudiosos em geral e o cidadão comum. Papel do arquivista na empresa • Orientar e incentivar as pesquisas.
  • 31. MARKETING EM ARQUIVOLOGIA Marketing • Satisfazer as necessidades dos usuários e demais obrigações sociais. Problema • Aumento da massa documental e dificuldade de localização. • Falta de divulgação. Cenário Arquivístico • Edição elaborada com base nas colaborações enviadas por profissionais arquivistas ou de áreas afins. • UEL: Daniella Debertolis cria um blog com a intenção de fazer marketing dentro da área da Arquivologia.
  • 32. ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE - APCBH • Apenas 20 anos; • Desde 1993 tem o projeto “Novos Registros”, que reúne trabalhos acadêmicos sobre BH; • A cada ano letivo, nove palestrantes expõem seus trabalhos acadêmicos no arquivo; • Cartilha APCBH, que dá suporte aos educadores nas visitas monitoradas. Com sugestões de atividades e conceitos básicos.
  • 33. CONCLUSÃO • Mesmo não sendo a função primordial do arquivo, essa nova abertura para a educação pode se constituir numa forma de aproximação que lhe garantirá um novo espaço social. • Quando um arquivo público, instala, alimenta, desenvolve e expande seus serviços editoriais, culturais e educativos, alinhando-os à sua função informacional administrativa e científica, ele preenche seu lugar por direito e por conquista na sociedade. • É através dessa aproximação com o cidadão, seja através de ações culturais ou educacionais, que o arquivo pode tornar mais conhecida sua própria função primária. Esse contato trará como consequência um maior respeito ao documento escrito.
  • 34. LINKS INTERESSANTES • http://www.iepha.mg.gov.br - IEPHA - MG • www.dossiedebrasilia.blogspot.com • www.acervoarquivopublico.pbh.gov.br
  • 35. REFERÊNCIAS: • Arquivo Nacional. www.conarq.arquivonacional.gov.br • Arquivo Público da Bahia. www.diarq.fpc.ba.gov.br • Arquivo Público de BH. www.portalpbh.pbh.gov.br • Arquivo Público de São Paulo www.arquivoestado.sp.gov.br • BELOTTO, Heloisa Liberalli. Arquivos Permanentes – Tratamento Documental. 4ª ed.,Rio de Janeiro: FGV, 2006. 320p. • Faria, Carlos Alberto de. Definição de marketing, objetivo do marketing. Disponível em http://www.merkatus.com.br/10_bolrtim/18.html • Subsídios para um dicionário brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.