SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
Baixar para ler offline
Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL E PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Professor Doutor 
Artur Filipe dos Santos
PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL DA HUMANIDADE O CANTE ALENTEJANO 
2
AUTOR 
Artur Filipe dos Santos 
artursantosdocente@gmail.com 
artursantos.no.sapo.pt 
politicsandflags.wordpress.com 
•Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. 
•Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 
3 
Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt
A Universidade Sénior Contemporânea 
Web: www.usc.no.sapo.pt 
Email: usc@sapo.pt 
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com 
•A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 
Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 
4
O Património Cultural Imaterial 
•Património Cultural Imaterial da Humanidade (português europeu), também chamado Património Cultural Intangível da Humanidade e antes designado Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, é uma distinção criada em 1997 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura para a proteção e o reconhecimento do património cultural imaterial. 
5 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Abrange as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras. 
6 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Cyprus – Croatia – Spain – Greece – Italy – Morocco – Portugal
•São exemplos de património imaterial: os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições. 
7 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•A cada dois anos são escolhidos os bens a partir das candidaturas apresentadas pelos países signatários da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. A primeira lista de bens inscritos foi divulgada em 2001, sendo que em 2014 o número atingiu os 314 bens inscritos na Lista Representativa. 
8 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•O que é Património Cultural Imaterial? 
Património cultural imaterial (ou património cultural intangível) é uma concepção de património cultural que abrange as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras. 
9 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
México
•São exemplos de património imaterial: os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições. 
10 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Festa de 'la Mare de Déu de la Salut "de Algemesí 
Espanha
•O termo "património cultural" mudou o conteúdo consideravelmente nas últimas décadas, em parte devido aos instrumentos desenvolvidos pela UNESCO. 
11 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•O património cultural não termina em monumentos e coleções de objetos. 
12 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
França
•Este também inclui tradições ou expressões vivas herdadas de nossos ancestrais e repassados aos nossos descendentes, como tradições orais , artes cênicas , práticas sociais, rituais, eventos festivos , conhecimentos e práticas relativos natureza e do universo ou o conhecimento e habilidades para produzir tradicional artesanato 
13 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Peru
•Embora frágil, o património cultural imaterial é um fator importante na manutenção da diversidade cultural em face da crescente globalização. Uma compreensão do património cultural imaterial das comunidades diferentes ajuda com o diálogo intercultural e encoraja o respeito mútuo para outras formas de vida. 
14 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Burkina Faso
•A importância do património cultural imaterial não é a própria manifestação cultural, mas sim a riqueza de conhecimentos e habilidades que é transmitida através dele, de uma geração para a seguinte. 
15 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Indonesia
•O valor social e económico dessa transmissão do conhecimento é relevante para os grupos minoritários e para os grupos sociais dominantes dentro de um Estado, e é tão importante para os Estados em desenvolvimento como para os desenvolvidos. 
16 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
Património cultural imaterial é: 
•Tradicional, contemporânea e viver ao mesmo tempo : património cultural imaterial representa, não só as tradições herdadas do passado, mas também práticas rurais e urbanas contemporâneas em que diversos grupos culturais participam; 
17 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Botsuwana
•Inclusivo : podemos compartilhar expressões do património cultural imaterial que são semelhantes aos praticados por outros. 
18 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Espanha
•Se eles são da aldeia vizinha, a partir de uma cidade no lado oposto do mundo, ou que foram adaptados por povos que migraram e se estabeleceram em uma região diferente, todos eles são património cultural imaterial: eles foram passados de uma geração para outra, têm evoluído em resposta a seus ambientes e contribuem para dar-nos um sentimento de identidade e continuidade, fornecendo um link do nosso passado, através do presente, e para o nosso futuro. 
19 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Japão
•Património cultural imaterial não dá origem a questões sobre se ou não certas práticas são específicas de uma cultura. A cultura contribui para a coesão social, estimular um sentimento de identidade e de responsabilidade que ajuda as pessoas a se sentir parte de uma ou várias comunidades e de se sentir parte da sociedade em geral; 
20 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Brasil
•Representante : O património cultural imaterial não é apenas valorizado como um bem cultural, numa base comparativa, por sua exclusividade ou o seu valor excepcional. 
21 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Japão
•O património desenvolve- se na sua base em comunidades e depende aqueles cujo conhecimento de tradições, habilidades e costumes são repassados para o resto da comunidade, de geração em geração, ou para outras comunidades; 
22 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Turquia
•Baseada na Comunidade : quando ele é reconhecido como tal pelas comunidades, grupos ou indivíduos que criam, mantêm e transmiti- lo património cultural imaterial só pode ser herança - sem o seu reconhecimento, ninguém mais pode decidir por eles que uma determinada expressão ou a prática é a sua herança. 
23 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Irão
Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade 
•As Listas do Património Cultural Imaterial da Humanidade foram estabelecidas pela UNESCO para garantir a melhor protecção dos importantes patrimónios culturais intangíveis em todo o mundo e a consciência da sua importância. 
24 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
• Através de um compêndio dos diferentes tesouros orais e imateriais da humanidade em todo o mundo, o programa tem como objectivo chamar a atenção para a importância da salvaguarda do património intangível, que foi identificado pela UNESCO como um componente essencial e um repositório de diversidade cultural e da expressão criativa. 
25 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•O programa tem actualmente duas listas. A maior, Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade, junta "práticas e expressões [que] ajudam a demonstrar a diversidade desse património e aumentar a consciencialização sobre a sua importância." A mais pequena, Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade com Necessidade Urgente de Salvaguarda, é composta por elementos culturais que causa preocupação às comunidades e aos países que consideram necessárias medidas urgentes para mantê-los vivos. 
26 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Em 2013, foram inscritos quatro elementos na Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade com Necessidade Urgente de Salvaguarda, o que ajuda os Estados Membros a mobilizar a cooperação e a assistência internacional para assegurar a transmissão desse património, com a participação das comunidades em causa. 
27 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
• Actualmente a lista tem 35 elementos. 
28 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
Objectivos 
Este programa foi estabelecido para: 
•Levar o público a reconhecer, salvaguardar e revitalizar o património imaterial; 
•Avaliar e inventariar a herança cultural intangível em todo o mundo; 
29 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Incentivar os Estados a estabelecer inventários nacionais e tomarem medidas legais e administrativas relevantes; 
•Encorajar os portadores do conhecimento a identificar, revitalizar e salvaguardar a sua herança. 
30 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Macedónia
Categorias 
•Cada obra está classificada em pelo menos umas das seguintes categorias: 
31 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Bolívia
•Espaços culturais 
•Saber tradicional 
•Tradição oral 
•Artes cénicas 
•Rituais e festas 
32 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Moldavia
33 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
Texto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial 
•A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura a seguir designado UNESCO, reunido em Paris, a partir de 29 setembro - 17 outubro de 2003, na sua 32ª sessão 
34 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
35 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
Referindo-se aos instrumentos existentes internacionais de direitos humanos, em particular a Declaração Universal dos Direitos do Homem, de 1948, do Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, de 1966, e no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, de 1966,
•Considerando-se a importância do património cultural imaterial como mola mestra da diversidade cultural e da garantia de um desenvolvimento sustentável, 
36 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Brasil
•como foi sublinhado na Recomendação da UNESCO sobre a Salvaguarda da Cultura Tradicional e Popular, de 1989, na Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural, de 2001, e na Declaração de Istambul de 2002, adoptada pela Terceira Mesa Redonda de Ministros da Cultura. 
37 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Peru
•Considerando a interdependência profunda entre o património cultural imaterial e do património cultural e natural tangível, 
38 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Reconhecendo que os processos de globalização e de transformação social, juntamente com as condições que criam para um diálogo renovado entre as comunidades, também dão origem, assim como o fenómeno da intolerância, a graves ameaças de deterioração, 
39 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Vietname
•desaparecimento e destruição do património cultural imaterial, nomeadamente devido a falta de recursos para a salvaguarda desse património, 
40 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
República Dominicana
•Ciente da vontade universal e da preocupação comum a salvaguardar o património cultural imaterial da humanidade, 
41 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Reconhecendo que as comunidades, em especial os indígenas comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos, desempenham um papel importante na produção, salvaguarda, manutenção e recriação do património cultural imaterial, contribuindo assim para o enriquecimento da diversidade cultural e da criatividade humana, 
42 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt 
Estónia, Lituânia e Letónia
•Observando o impacto de longo alcance das atividades da UNESCO no estabelecimento de instrumentos normativos para a protecção do património cultural, nomeadamente a Convenção para a Protecção do Património Mundial, Cultural e Natural, de 1972, 
43 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
O CANTE ALENTEJANO 
•É um género musical tradicional do Alentejo, Portugal. O cante nunca foi a única expressão de música tradicional no Alentejo, sendo aliás mais próprio do Baixo Alentejo que do Alto. 
44 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Com o cante coexistiram sempre formas instrumentais de música com adaptação de peças entre os géneros. A 27 de Novembro de 2014, durante a reunião do Comité em Paris, a UNESCO considerou o Cante Alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade. 
45 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
Características 
•É um canto coral, em que alternam um ponto a sós e um coro, havendo um alto preenchendo as pausas e rematando as estrofes. 
46 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•O canto começa invariavelmente com um ponto dando a deixa, cedendo o lugar ao alto e logo intervindo o coro em que participam também o ponto e o alto. 
47 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Terminadas as estrofes, pode o ponto recomeçar com um nova deixa, seguindo-se o mesmo conjunto de estrofes. 
48 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•Este ciclo repete-se o número de vezes que os participantes desejarem. Esta característica repetitiva, assim como o andamento lento e a abundância de pausas contribuem para a natureza monótona do cante. 
49 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
História 
•No cante sobrevivem os modos gregos extintos tanto na música erudita como na popular europeia, as quais restringem-se aos modos maior e menor. 
50 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Esta face helénica do canto poderá provir tanto do canto gregoriano como da cultura árabe, se bem que certos musicólogos se apercebam no cante de aspectos bem mais primitivos, pré-cristãos e possivelmente mesmo pré-romanos. 
51 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•Antigamente o cante acompanhava ambos os sexos nos trabalhos da lavoura. 
52 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•Público era também o cante nos momentos masculinos de ócio e libação, seja em quietude, seja em percurso nas ditas arruadas. 
53 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Público ainda era o cante mais solene das ocasiões religiosas. Outro cante existia no domínio doméstico, onde era exercido principalmente por mulheres e no qual participariam também jovens. 
54 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
Actualidade 
•Após a Segunda Guerra Mundial, a progressiva mecanização da lavoura, a generalização da rádio e da televisão, assim como o êxodo rural massivo causaram o declínio do género. 
55 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•Hoje o cante sobrevive em grupos oficializados que o cultivam, mas já sem a espontaneidade de outrora, limitando-se eles a recapitular em ensaio o repertório conhecido de memória, amiúde sem qualquer registo escrito nem sonoro e já sem acção criativa. 
56 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Apesar de serem estes grupos e a sua manifestação em festas, encontros e concursos os guardiães da tradição, em numerosos casos progride neles o afastamento da dita com a inclusão no repertório de peças estranhas ao cante, instrumentação e adulteração de peças tradicionais num sentido mais popular, com destaque para o desvio direito ao fado, numa tendência de avivamento do género que visa torná-lo mais garrido. 
57 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•Já Património da Humanidade, "o que importa é dar futuro a este Cante, para expressar as novas dinâmicas de mudança, a melhoria dos quadros de vida, a atracção e fixação de novas gentes e o sucesso crescente desta região como território turístico. 
58 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•O Comité para o Património Imaterial da Humanidade descreve o Cante Alentejano como “um género da tradicional canto de duas partes realizado por grupos corais amadores no sul de Portugal, caracterizadas por melodias distintas, letras e estilos vocais, e realizada sem instrumentação. 
59 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•Os Grupos consistem em até trinta cantores divididos em grupos. O Ponto, na faixa inferior, começa a cantar, seguido pelo alto, na faixa mais alta, o que duplica a melodia de um terço ou um décimo acima, muitas vezes acrescentando ornamentos. 
60 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•Todo o grupo coral assume então, cantar as estrofes restantes em terças paralelas. O alto é a voz orientadora ouvido acima do grupo durante toda a canção. 
61 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•Um vasto repertório de poesia tradicional está definido para melodias existentes ou recém- criados. Letra explorar ambos os temas tradicionais, como a vida rural, natureza, amor, maternidade e religião, e mudanças no contexto cultural e social. 
62 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•O Cante é um aspecto fundamental da vida social em toda Alentejano comunidades, permeando encontros sociais em ambos os espaços públicos e privados. 
63 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•A transmissão ocorre principalmente nos ensaios grupo coral entre os membros mais velhos e mais jovens. Para os seus praticantes e aficionados, o cante encarna um forte senso de identidade e de pertença. 
64 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•Este também reforça o diálogo entre diferentes gerações, géneros e indivíduos de diferentes origens, contribuindo assim para a coesão social. 
65 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•O Comité (...) decide que [esse elemento] satisfaz os critérios para inscrição na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade , como segue: 
66 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•R.1: Realizada em várias ocasiões festivas e recriado de acordo com a mudança dos tempos, o Cante Alentejano reafirma um sentimento de pertença e uma ligação emocional com o lugar, mantendo vivo o dialeto local e tradicional forma de transmissão; 
67 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•R.2: A sua inscrição na Lista Representativa poderia aumentar a visibilidade do património cultural intangível de forma mais ampla e consciência de sua importância, especialmente em lugares onde as tradições polifônicos semelhantes são praticados, contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana; 
68 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
•R.3: Proposta de medidas de salvaguarda se concentrar sobre a ampliação da promoção através de exposições e performances, programas educacionais formais e não-formais, como o networking dos portadores para compartilhar conhecimentos sobre canto polifônico; os compromissos das comunidades interessadas e grupos corais para a implementação destas medidas e do Estado para financiar eles são descritos 
69 
Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
•R.4: Os membros das comunidades e grupos preocupados com o elemento estiveram activamente envolvidos na preparação da candidatura, por meio de reuniões, debates e outras consultas, e desde que o seu consentimento livre, prévio e informado; 
70 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
•R.5: O elemento é cadastrado na base de dados da Casa do Cante, bem como na base do património cultural imaterial Português do e-Museu dados Memoriamedia do Património Imaterial Cultural; a sua inclusão no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial Português está atualmente em processo. 
• 
71 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
72
Bibliografia 
•http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B4nio_Cultural_Imaterial_ da_Humanidade 
•http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_do_Patrim%C3%B3nio_Cultural_Imaterial_da_Humanidade 
•http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B4nio_cultural_imaterial 
•http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00011 
•http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00011&RL=01007 
•http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00002 
•http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00006 
73

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação do património cultural artur filipe dos santos - património c...
Classificação do património cultural   artur filipe dos santos - património c...Classificação do património cultural   artur filipe dos santos - património c...
Classificação do património cultural artur filipe dos santos - património c...Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
patrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputopatrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputoElvis Enhard
 
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...Artur Filipe dos Santos
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújomega
 
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoApresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoColégio Santa terezinha
 
Patrimonio mundial
Patrimonio mundialPatrimonio mundial
Patrimonio mundialdaryldj
 
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pePreservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-peÂnderson Nunes
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHANozgauche
 
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabaráO iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabarásabara300
 
Patrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoPatrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoCarolzitaah
 
Apresentação powerpoint
Apresentação powerpointApresentação powerpoint
Apresentação powerpointMANGUITO
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalElizete Ignacio
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Lilian Oliveira Rosa
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalCurso Letrados
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoMuriel Pinto
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialJunior Lima
 
Educação patrimonial
Educação patrimonialEducação patrimonial
Educação patrimonialAdriana Rocha
 

Mais procurados (20)

Classificação do património cultural artur filipe dos santos - património c...
Classificação do património cultural   artur filipe dos santos - património c...Classificação do património cultural   artur filipe dos santos - património c...
Classificação do património cultural artur filipe dos santos - património c...
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
 
patrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputopatrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputo
 
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
 
Cultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio culturalCultura e patrimônio cultural
Cultura e patrimônio cultural
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
 
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do desehoApresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
Apresentação sobre Patrimônio cultural, arte popular e os elementos do deseho
 
Patrimonio mundial
Patrimonio mundialPatrimonio mundial
Patrimonio mundial
 
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pePreservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
Preservação do patrimônio histórico-cultural do município de Bonito-pe
 
O que é IPHAN
O que é IPHANO que é IPHAN
O que é IPHAN
 
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabaráO iphan na preservação do patrimônio de sabará
O iphan na preservação do patrimônio de sabará
 
Patrimônio histórico
Patrimônio histórico Patrimônio histórico
Patrimônio histórico
 
Patrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural ArtisticoPatrimônio Cultural Artistico
Patrimônio Cultural Artistico
 
Apresentação powerpoint
Apresentação powerpointApresentação powerpoint
Apresentação powerpoint
 
Palestra patrimonio natural
Palestra patrimonio naturalPalestra patrimonio natural
Palestra patrimonio natural
 
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
Minicurso educação e patrimônio cultural 2012
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológicoProjeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
Projeto de Educação Patrimonial - levantamento e criação acervo museológico
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonial
 
Educação patrimonial
Educação patrimonialEducação patrimonial
Educação patrimonial
 

Destaque

Teste avaliação do m c6 cef2 a
Teste avaliação do m c6 cef2 aTeste avaliação do m c6 cef2 a
Teste avaliação do m c6 cef2 aJoão Couto
 
Atividades Patrimônio da Humanidade
Atividades Patrimônio da HumanidadeAtividades Patrimônio da Humanidade
Atividades Patrimônio da HumanidadeDoug Caesar
 
Atividade pares~grupo catástrofes naturais
Atividade pares~grupo catástrofes naturaisAtividade pares~grupo catástrofes naturais
Atividade pares~grupo catástrofes naturaisAna Pereira
 
Ficha 2 autoavaliação
Ficha 2  autoavaliaçãoFicha 2  autoavaliação
Ficha 2 autoavaliaçãoAna Pereira
 
Teste 2 versão a
Teste 2 versão aTeste 2 versão a
Teste 2 versão aAna Pereira
 
Trabalho grupo cidades-2º per
Trabalho grupo cidades-2º perTrabalho grupo cidades-2º per
Trabalho grupo cidades-2º perAna Pereira
 
Ficha informativa 1 formativa barreiras ao processo de comunicação
Ficha informativa 1 formativa   barreiras ao processo de comunicaçãoFicha informativa 1 formativa   barreiras ao processo de comunicação
Ficha informativa 1 formativa barreiras ao processo de comunicaçãoAna Pereira
 
Ficha formativa d 5 - correção
Ficha formativa  d 5 - correçãoFicha formativa  d 5 - correção
Ficha formativa d 5 - correçãoAna Pereira
 
Visita de estudo da turma cef b (1)
Visita de estudo da turma cef b (1)Visita de estudo da turma cef b (1)
Visita de estudo da turma cef b (1)Ana Pereira
 
Ficha formativa b 8-versão a
Ficha formativa  b 8-versão aFicha formativa  b 8-versão a
Ficha formativa b 8-versão aAna Pereira
 
Ficha de trabalho catástrofes
Ficha de trabalho catástrofesFicha de trabalho catástrofes
Ficha de trabalho catástrofesAna Pereira
 
Ficha informativa 2 tipos de comportamento
Ficha informativa 2 tipos de comportamentoFicha informativa 2 tipos de comportamento
Ficha informativa 2 tipos de comportamentoAna Pereira
 
Ficha de formativa 7 filme bee movie
Ficha de formativa 7 filme bee movieFicha de formativa 7 filme bee movie
Ficha de formativa 7 filme bee movieAna Pereira
 
Ficha informativa 4
Ficha informativa 4Ficha informativa 4
Ficha informativa 4Ana Pereira
 
Ficha de trabalho 3
Ficha de trabalho 3Ficha de trabalho 3
Ficha de trabalho 3Ana Pereira
 
Ficha de trabalho 4
Ficha de trabalho 4Ficha de trabalho 4
Ficha de trabalho 4Ana Pereira
 

Destaque (20)

Teste avaliação do m c6 cef2 a
Teste avaliação do m c6 cef2 aTeste avaliação do m c6 cef2 a
Teste avaliação do m c6 cef2 a
 
Atividades Patrimônio da Humanidade
Atividades Patrimônio da HumanidadeAtividades Patrimônio da Humanidade
Atividades Patrimônio da Humanidade
 
Atividade pares~grupo catástrofes naturais
Atividade pares~grupo catástrofes naturaisAtividade pares~grupo catástrofes naturais
Atividade pares~grupo catástrofes naturais
 
Ficha 2 autoavaliação
Ficha 2  autoavaliaçãoFicha 2  autoavaliação
Ficha 2 autoavaliação
 
Teste 2 versão a
Teste 2 versão aTeste 2 versão a
Teste 2 versão a
 
Trabalho grupo cidades-2º per
Trabalho grupo cidades-2º perTrabalho grupo cidades-2º per
Trabalho grupo cidades-2º per
 
Ficha informativa 1 formativa barreiras ao processo de comunicação
Ficha informativa 1 formativa   barreiras ao processo de comunicaçãoFicha informativa 1 formativa   barreiras ao processo de comunicação
Ficha informativa 1 formativa barreiras ao processo de comunicação
 
Cef ficha 1
Cef ficha 1Cef ficha 1
Cef ficha 1
 
Ficha formativa d 5 - correção
Ficha formativa  d 5 - correçãoFicha formativa  d 5 - correção
Ficha formativa d 5 - correção
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Visita de estudo da turma cef b (1)
Visita de estudo da turma cef b (1)Visita de estudo da turma cef b (1)
Visita de estudo da turma cef b (1)
 
Ficha formativa b 8-versão a
Ficha formativa  b 8-versão aFicha formativa  b 8-versão a
Ficha formativa b 8-versão a
 
Património Cultural
Património CulturalPatrimónio Cultural
Património Cultural
 
Ficha de trabalho catástrofes
Ficha de trabalho catástrofesFicha de trabalho catástrofes
Ficha de trabalho catástrofes
 
Teste 3
Teste 3Teste 3
Teste 3
 
Ficha informativa 2 tipos de comportamento
Ficha informativa 2 tipos de comportamentoFicha informativa 2 tipos de comportamento
Ficha informativa 2 tipos de comportamento
 
Ficha de formativa 7 filme bee movie
Ficha de formativa 7 filme bee movieFicha de formativa 7 filme bee movie
Ficha de formativa 7 filme bee movie
 
Ficha informativa 4
Ficha informativa 4Ficha informativa 4
Ficha informativa 4
 
Ficha de trabalho 3
Ficha de trabalho 3Ficha de trabalho 3
Ficha de trabalho 3
 
Ficha de trabalho 4
Ficha de trabalho 4Ficha de trabalho 4
Ficha de trabalho 4
 

Semelhante a Património Cultural Imaterial da Humanidade

O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea
O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporâneaO Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea
O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporâneaArtur Filipe dos Santos
 
Marina pilar
Marina pilarMarina pilar
Marina pilarMSamagaio
 
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdfPEDRO CABRAL DA COSTA
 
Patrimônio cultural imaterial 1
Patrimônio cultural imaterial 1Patrimônio cultural imaterial 1
Patrimônio cultural imaterial 1Mauro André Pinto
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIUesliane Mara Santos
 
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolas
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolasApresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolas
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolasLauri Rene Reis Filho
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Prefeitura de Olinda
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Alice Fonseca
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalCarminha
 
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...Graciela Mariani
 
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁ
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁCULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁ
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁPery Salgado
 

Semelhante a Património Cultural Imaterial da Humanidade (20)

O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea
O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporâneaO Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea
O Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universidade sénior contemporânea
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Pardo-  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Pardo- Aula 2 - Versão Professor
 
Marina pilar
Marina pilarMarina pilar
Marina pilar
 
Kit Jovens
Kit JovensKit Jovens
Kit Jovens
 
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão ProfessorBacia do Rio Tietê -  Aula 2 - Versão Professor
Bacia do Rio Tietê - Aula 2 - Versão Professor
 
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão ProfessorBacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
Bacia do Rio Grande Aula 2 Versão Professor
 
Educação patrimonial
Educação patrimonialEducação patrimonial
Educação patrimonial
 
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
2-2020 Art Cult pop Ed patrimonial.pdf
 
Patrimônio cultural imaterial 1
Patrimônio cultural imaterial 1Patrimônio cultural imaterial 1
Patrimônio cultural imaterial 1
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
 
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolas
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolasApresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolas
Apresentação PowerPoint Educação Patrimonial nas escolas
 
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP) - Julho de 2013
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
 
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...
Congresso Ibero-Americano "Património, suas materias e imaterias" - 2 y 3 de ...
 
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁ
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁCULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁ
CULT 174 - edição extra junho 2017 - CULTURANDO JÁ
 
03 Ebook - Patrimônio Cultural
03 Ebook - Patrimônio Cultural03 Ebook - Patrimônio Cultural
03 Ebook - Patrimônio Cultural
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural -  Projeto AripuanãPatrimônio cultural -  Projeto Aripuanã
Patrimônio cultural - Projeto Aripuanã
 

Mais de Universidade Sénior Contemporânea do Porto

Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 

Mais de Universidade Sénior Contemporânea do Porto (20)

História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos SantosHistória da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
História da Cidade do Porto - O Mercado do Bolhão - Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
 
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
Folheto da Visita de estudo da Universidade Sénior Contemporânea a Santiago d...
 
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
Aula de História do porto S. João do Porto - Artur filipe dos santos - Univer...
 
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...Património Cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
Património Cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 2 - Capelinha das ...
 
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...Património cultural   98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
Património cultural 98 Anos das Aparições de Fátima aula 1 - Artur Filipe d...
 
Património cultural o Caminho de Santiago - aula 5 - Catedral de Santiago...
Património cultural   o Caminho de Santiago -  aula 5 -  Catedral de Santiago...Património cultural   o Caminho de Santiago -  aula 5 -  Catedral de Santiago...
Património cultural o Caminho de Santiago - aula 5 - Catedral de Santiago...
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
 
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
Património cultural - O Caminho de Santiago aula 3 - Artur Filipe dos Santos ...
 
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
História do Porto - A CADEIA DA RELAÇÃO - Centro Português de Fotografia Pa...
 
Património cultural O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
Património cultural   O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...Património cultural   O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
Património cultural O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ aula 2...
 
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ - aul...
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ -  aul...Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ -  aul...
Património cultural - O CAMINHO DE SANTIAGO PATRIMÓNIO CULTURAL DA FÉ - aul...
 
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...História do porto   a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
História do porto a cadeia da relação - centro português de fotografia - pa...
 
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
 
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
História do porto - As pontes da cidade do porto - Ponte do Infante Dom Henri...
 
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
 
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
O passado Celta no património cultural português: os pauliteiros de Miranda e...
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
 
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
 
Património cultural Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
Património cultural  Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...Património cultural  Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
Património cultural Trás-os-Montes o Reino Maravilhoso de Miguel Torga- Artu...
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Património Cultural Imaterial da Humanidade

  • 1. Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL E PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
  • 2. PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL DA HUMANIDADE O CANTE ALENTEJANO 2
  • 3. AUTOR Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com artursantos.no.sapo.pt politicsandflags.wordpress.com •Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. •Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Piaget. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 3 Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt
  • 4. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com •A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessivéis a séniores, estudantes e profissionais através de livraria online. Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 4
  • 5. O Património Cultural Imaterial •Património Cultural Imaterial da Humanidade (português europeu), também chamado Património Cultural Intangível da Humanidade e antes designado Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, é uma distinção criada em 1997 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura para a proteção e o reconhecimento do património cultural imaterial. 5 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 6. •Abrange as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras. 6 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Cyprus – Croatia – Spain – Greece – Italy – Morocco – Portugal
  • 7. •São exemplos de património imaterial: os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições. 7 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 8. •A cada dois anos são escolhidos os bens a partir das candidaturas apresentadas pelos países signatários da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. A primeira lista de bens inscritos foi divulgada em 2001, sendo que em 2014 o número atingiu os 314 bens inscritos na Lista Representativa. 8 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 9. •O que é Património Cultural Imaterial? Património cultural imaterial (ou património cultural intangível) é uma concepção de património cultural que abrange as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras. 9 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt México
  • 10. •São exemplos de património imaterial: os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições. 10 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Festa de 'la Mare de Déu de la Salut "de Algemesí Espanha
  • 11. •O termo "património cultural" mudou o conteúdo consideravelmente nas últimas décadas, em parte devido aos instrumentos desenvolvidos pela UNESCO. 11 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 12. •O património cultural não termina em monumentos e coleções de objetos. 12 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt França
  • 13. •Este também inclui tradições ou expressões vivas herdadas de nossos ancestrais e repassados aos nossos descendentes, como tradições orais , artes cênicas , práticas sociais, rituais, eventos festivos , conhecimentos e práticas relativos natureza e do universo ou o conhecimento e habilidades para produzir tradicional artesanato 13 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Peru
  • 14. •Embora frágil, o património cultural imaterial é um fator importante na manutenção da diversidade cultural em face da crescente globalização. Uma compreensão do património cultural imaterial das comunidades diferentes ajuda com o diálogo intercultural e encoraja o respeito mútuo para outras formas de vida. 14 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Burkina Faso
  • 15. •A importância do património cultural imaterial não é a própria manifestação cultural, mas sim a riqueza de conhecimentos e habilidades que é transmitida através dele, de uma geração para a seguinte. 15 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Indonesia
  • 16. •O valor social e económico dessa transmissão do conhecimento é relevante para os grupos minoritários e para os grupos sociais dominantes dentro de um Estado, e é tão importante para os Estados em desenvolvimento como para os desenvolvidos. 16 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 17. Património cultural imaterial é: •Tradicional, contemporânea e viver ao mesmo tempo : património cultural imaterial representa, não só as tradições herdadas do passado, mas também práticas rurais e urbanas contemporâneas em que diversos grupos culturais participam; 17 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Botsuwana
  • 18. •Inclusivo : podemos compartilhar expressões do património cultural imaterial que são semelhantes aos praticados por outros. 18 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Espanha
  • 19. •Se eles são da aldeia vizinha, a partir de uma cidade no lado oposto do mundo, ou que foram adaptados por povos que migraram e se estabeleceram em uma região diferente, todos eles são património cultural imaterial: eles foram passados de uma geração para outra, têm evoluído em resposta a seus ambientes e contribuem para dar-nos um sentimento de identidade e continuidade, fornecendo um link do nosso passado, através do presente, e para o nosso futuro. 19 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Japão
  • 20. •Património cultural imaterial não dá origem a questões sobre se ou não certas práticas são específicas de uma cultura. A cultura contribui para a coesão social, estimular um sentimento de identidade e de responsabilidade que ajuda as pessoas a se sentir parte de uma ou várias comunidades e de se sentir parte da sociedade em geral; 20 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Brasil
  • 21. •Representante : O património cultural imaterial não é apenas valorizado como um bem cultural, numa base comparativa, por sua exclusividade ou o seu valor excepcional. 21 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Japão
  • 22. •O património desenvolve- se na sua base em comunidades e depende aqueles cujo conhecimento de tradições, habilidades e costumes são repassados para o resto da comunidade, de geração em geração, ou para outras comunidades; 22 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Turquia
  • 23. •Baseada na Comunidade : quando ele é reconhecido como tal pelas comunidades, grupos ou indivíduos que criam, mantêm e transmiti- lo património cultural imaterial só pode ser herança - sem o seu reconhecimento, ninguém mais pode decidir por eles que uma determinada expressão ou a prática é a sua herança. 23 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Irão
  • 24. Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade •As Listas do Património Cultural Imaterial da Humanidade foram estabelecidas pela UNESCO para garantir a melhor protecção dos importantes patrimónios culturais intangíveis em todo o mundo e a consciência da sua importância. 24 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 25. • Através de um compêndio dos diferentes tesouros orais e imateriais da humanidade em todo o mundo, o programa tem como objectivo chamar a atenção para a importância da salvaguarda do património intangível, que foi identificado pela UNESCO como um componente essencial e um repositório de diversidade cultural e da expressão criativa. 25 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 26. •O programa tem actualmente duas listas. A maior, Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade, junta "práticas e expressões [que] ajudam a demonstrar a diversidade desse património e aumentar a consciencialização sobre a sua importância." A mais pequena, Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade com Necessidade Urgente de Salvaguarda, é composta por elementos culturais que causa preocupação às comunidades e aos países que consideram necessárias medidas urgentes para mantê-los vivos. 26 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 27. •Em 2013, foram inscritos quatro elementos na Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade com Necessidade Urgente de Salvaguarda, o que ajuda os Estados Membros a mobilizar a cooperação e a assistência internacional para assegurar a transmissão desse património, com a participação das comunidades em causa. 27 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 28. • Actualmente a lista tem 35 elementos. 28 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 29. Objectivos Este programa foi estabelecido para: •Levar o público a reconhecer, salvaguardar e revitalizar o património imaterial; •Avaliar e inventariar a herança cultural intangível em todo o mundo; 29 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 30. •Incentivar os Estados a estabelecer inventários nacionais e tomarem medidas legais e administrativas relevantes; •Encorajar os portadores do conhecimento a identificar, revitalizar e salvaguardar a sua herança. 30 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Macedónia
  • 31. Categorias •Cada obra está classificada em pelo menos umas das seguintes categorias: 31 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Bolívia
  • 32. •Espaços culturais •Saber tradicional •Tradição oral •Artes cénicas •Rituais e festas 32 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Moldavia
  • 33. 33 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 34. Texto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial •A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura a seguir designado UNESCO, reunido em Paris, a partir de 29 setembro - 17 outubro de 2003, na sua 32ª sessão 34 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 35. 35 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt Referindo-se aos instrumentos existentes internacionais de direitos humanos, em particular a Declaração Universal dos Direitos do Homem, de 1948, do Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, de 1966, e no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, de 1966,
  • 36. •Considerando-se a importância do património cultural imaterial como mola mestra da diversidade cultural e da garantia de um desenvolvimento sustentável, 36 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Brasil
  • 37. •como foi sublinhado na Recomendação da UNESCO sobre a Salvaguarda da Cultura Tradicional e Popular, de 1989, na Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural, de 2001, e na Declaração de Istambul de 2002, adoptada pela Terceira Mesa Redonda de Ministros da Cultura. 37 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Peru
  • 38. •Considerando a interdependência profunda entre o património cultural imaterial e do património cultural e natural tangível, 38 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 39. •Reconhecendo que os processos de globalização e de transformação social, juntamente com as condições que criam para um diálogo renovado entre as comunidades, também dão origem, assim como o fenómeno da intolerância, a graves ameaças de deterioração, 39 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Vietname
  • 40. •desaparecimento e destruição do património cultural imaterial, nomeadamente devido a falta de recursos para a salvaguarda desse património, 40 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt República Dominicana
  • 41. •Ciente da vontade universal e da preocupação comum a salvaguardar o património cultural imaterial da humanidade, 41 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 42. •Reconhecendo que as comunidades, em especial os indígenas comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos, desempenham um papel importante na produção, salvaguarda, manutenção e recriação do património cultural imaterial, contribuindo assim para o enriquecimento da diversidade cultural e da criatividade humana, 42 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt Estónia, Lituânia e Letónia
  • 43. •Observando o impacto de longo alcance das atividades da UNESCO no estabelecimento de instrumentos normativos para a protecção do património cultural, nomeadamente a Convenção para a Protecção do Património Mundial, Cultural e Natural, de 1972, 43 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 44. O CANTE ALENTEJANO •É um género musical tradicional do Alentejo, Portugal. O cante nunca foi a única expressão de música tradicional no Alentejo, sendo aliás mais próprio do Baixo Alentejo que do Alto. 44 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 45. •Com o cante coexistiram sempre formas instrumentais de música com adaptação de peças entre os géneros. A 27 de Novembro de 2014, durante a reunião do Comité em Paris, a UNESCO considerou o Cante Alentejano como Património Cultural Imaterial da Humanidade. 45 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 46. Características •É um canto coral, em que alternam um ponto a sós e um coro, havendo um alto preenchendo as pausas e rematando as estrofes. 46 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 47. •O canto começa invariavelmente com um ponto dando a deixa, cedendo o lugar ao alto e logo intervindo o coro em que participam também o ponto e o alto. 47 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 48. •Terminadas as estrofes, pode o ponto recomeçar com um nova deixa, seguindo-se o mesmo conjunto de estrofes. 48 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 49. •Este ciclo repete-se o número de vezes que os participantes desejarem. Esta característica repetitiva, assim como o andamento lento e a abundância de pausas contribuem para a natureza monótona do cante. 49 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 50. História •No cante sobrevivem os modos gregos extintos tanto na música erudita como na popular europeia, as quais restringem-se aos modos maior e menor. 50 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 51. •Esta face helénica do canto poderá provir tanto do canto gregoriano como da cultura árabe, se bem que certos musicólogos se apercebam no cante de aspectos bem mais primitivos, pré-cristãos e possivelmente mesmo pré-romanos. 51 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 52. •Antigamente o cante acompanhava ambos os sexos nos trabalhos da lavoura. 52 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 53. •Público era também o cante nos momentos masculinos de ócio e libação, seja em quietude, seja em percurso nas ditas arruadas. 53 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 54. •Público ainda era o cante mais solene das ocasiões religiosas. Outro cante existia no domínio doméstico, onde era exercido principalmente por mulheres e no qual participariam também jovens. 54 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 55. Actualidade •Após a Segunda Guerra Mundial, a progressiva mecanização da lavoura, a generalização da rádio e da televisão, assim como o êxodo rural massivo causaram o declínio do género. 55 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 56. •Hoje o cante sobrevive em grupos oficializados que o cultivam, mas já sem a espontaneidade de outrora, limitando-se eles a recapitular em ensaio o repertório conhecido de memória, amiúde sem qualquer registo escrito nem sonoro e já sem acção criativa. 56 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 57. •Apesar de serem estes grupos e a sua manifestação em festas, encontros e concursos os guardiães da tradição, em numerosos casos progride neles o afastamento da dita com a inclusão no repertório de peças estranhas ao cante, instrumentação e adulteração de peças tradicionais num sentido mais popular, com destaque para o desvio direito ao fado, numa tendência de avivamento do género que visa torná-lo mais garrido. 57 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 58. •Já Património da Humanidade, "o que importa é dar futuro a este Cante, para expressar as novas dinâmicas de mudança, a melhoria dos quadros de vida, a atracção e fixação de novas gentes e o sucesso crescente desta região como território turístico. 58 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 59. •O Comité para o Património Imaterial da Humanidade descreve o Cante Alentejano como “um género da tradicional canto de duas partes realizado por grupos corais amadores no sul de Portugal, caracterizadas por melodias distintas, letras e estilos vocais, e realizada sem instrumentação. 59 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 60. •Os Grupos consistem em até trinta cantores divididos em grupos. O Ponto, na faixa inferior, começa a cantar, seguido pelo alto, na faixa mais alta, o que duplica a melodia de um terço ou um décimo acima, muitas vezes acrescentando ornamentos. 60 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 61. •Todo o grupo coral assume então, cantar as estrofes restantes em terças paralelas. O alto é a voz orientadora ouvido acima do grupo durante toda a canção. 61 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 62. •Um vasto repertório de poesia tradicional está definido para melodias existentes ou recém- criados. Letra explorar ambos os temas tradicionais, como a vida rural, natureza, amor, maternidade e religião, e mudanças no contexto cultural e social. 62 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 63. •O Cante é um aspecto fundamental da vida social em toda Alentejano comunidades, permeando encontros sociais em ambos os espaços públicos e privados. 63 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 64. •A transmissão ocorre principalmente nos ensaios grupo coral entre os membros mais velhos e mais jovens. Para os seus praticantes e aficionados, o cante encarna um forte senso de identidade e de pertença. 64 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 65. •Este também reforça o diálogo entre diferentes gerações, géneros e indivíduos de diferentes origens, contribuindo assim para a coesão social. 65 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 66. •O Comité (...) decide que [esse elemento] satisfaz os critérios para inscrição na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade , como segue: 66 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 67. •R.1: Realizada em várias ocasiões festivas e recriado de acordo com a mudança dos tempos, o Cante Alentejano reafirma um sentimento de pertença e uma ligação emocional com o lugar, mantendo vivo o dialeto local e tradicional forma de transmissão; 67 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 68. •R.2: A sua inscrição na Lista Representativa poderia aumentar a visibilidade do património cultural intangível de forma mais ampla e consciência de sua importância, especialmente em lugares onde as tradições polifônicos semelhantes são praticados, contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana; 68 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 69. •R.3: Proposta de medidas de salvaguarda se concentrar sobre a ampliação da promoção através de exposições e performances, programas educacionais formais e não-formais, como o networking dos portadores para compartilhar conhecimentos sobre canto polifônico; os compromissos das comunidades interessadas e grupos corais para a implementação destas medidas e do Estado para financiar eles são descritos 69 Edições USContemporanea– edicoes-uscontemporanea.webnode.pt
  • 70. •R.4: Os membros das comunidades e grupos preocupados com o elemento estiveram activamente envolvidos na preparação da candidatura, por meio de reuniões, debates e outras consultas, e desde que o seu consentimento livre, prévio e informado; 70 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt
  • 71. •R.5: O elemento é cadastrado na base de dados da Casa do Cante, bem como na base do património cultural imaterial Português do e-Museu dados Memoriamedia do Património Imaterial Cultural; a sua inclusão no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial Português está atualmente em processo. • 71 Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt
  • 72. 72
  • 73. Bibliografia •http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B4nio_Cultural_Imaterial_ da_Humanidade •http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_do_Patrim%C3%B3nio_Cultural_Imaterial_da_Humanidade •http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B4nio_cultural_imaterial •http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00011 •http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00011&RL=01007 •http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00002 •http://www.unesco.org/culture/ich/index.php?lg=en&pg=00006 73