SlideShare uma empresa Scribd logo
ANIMAIS
PEÇONHENTOS
ALUNO: Alfredo Alves
PROFº: Jailton O.
SEGURANÇA DO TRABALHO
CURSO MINERAÇÃO IV
JACOBINA/BA
JUNHO-2013.1
ANIMAIS PEÇONHENTOS
São animais que, por meio de um mecanismo de caça e defesa,
são capazes de injetar em suas presas uma substância tóxica
produzida em seus corpos, diretamente de glândulas
especializadas (dente, ferrão, aguilhão) por onde passa o
veneno. Esses animais agem por instinto de sobrevivência. Ao se
sentirem ameaçados, imobilizam o agressor e fogem para um
local seguro. Temidos pelo homem, os animais peçonhentos
estão presentes tanto em meios rurais, quanto urbanos. Eles são
responsáveis por provocarem inúmeros acidentes domésticos,
em variadas regiões brasileiras, com índices crescentes ano após
ano. Cobras, aranhas, escorpiões, lacraias, taturanas, vespas,
formigas, abelhas e marimbondos são exemplos dessa categoria.
Para que não se crie um medo inconsciente desses animais, é
necessário um maior conhecimento a respeito do assunto.
Outro detalhe importantíssimo de se
salientar: esses animais agem por
instinto de defesa. Geralmente, a
maior parte dos acidentes ocorre por
descuido ou imprudência humana.
Ao colocar o pé no sapato sem olhar
em seu interior, uma pessoa pode
comprimir um animal que estaria
alojado ali dentro, aumentando as
possibilidades de uma picada como
reação.
Quando não são prestados os
cuidados necessários em um
acidente causado por animal
peçonhento, a situação da vítima
pode se agravar. Crianças, idosos ou
pessoas com o organismo debilitado
estão mais propensas a esses casos.
Cobras
No Brasil as cobras de interesse
toxicológico pertencem a duas
famílias:
Viperidae e Elapidae.
A família Viperidae é representada
pelos gêneros Bothriopsis,
Bothrops, Bothrocophias,
Bothropoides, Rhinocerophis ,
Caudisona (cascavel) e Lachesis
(surucucu-pico-de-jaca). A família
Elapidae é representada pelo
gênero Micrurus (coral-
verdadeira).
Alguns critérios de identificação
permitem reconhecer a maioria das
serpentes peçonhentas brasileiras,
distinguindo-as das não peçonhentas:
Os sintomas por picadas de cobras
venenosas, dependem muito do
tamanho da cobra, da quantidade de
veneno injetado e da localização da
picada. Os sintomas mais comuns são:
 - No local ocorre inchaço e rubor
(vermelhidão) imediato;
 - Febre;
 - Andar cambaleante;
 - Fraqueza;
 - Dificuldade respiratória;
 - Após 3 a 6 horas poderá ocorrer
equimose (manchas vermelhas
espalhadas na pele);
 - Poderá aparecer no local da picada,
bolha com sangue;
 - Pode-se ocorrer hemorragias pelas
cavidades naturais ( principalmente
narinas);
 - Presença de sangue na urina;
 - Em dias posteriores, se não
tratados, ocorre destruição do tecido
no local ( necrose );
TRATAMENTO
A única terapia efetiva é o soro antiofídico. O soro deve
começar a ser aplicado, de preferência, na primeira meia hora
depois do acidente.
Existem vários tipos de soros antiofídicos, um para cada tipo de
cobra, mas se a cobra causadora do acidente não puder ser
identificada deve-se usar o soro polivalente. Em áreas em que
as cobras são comuns, deve-se ter sempre à mão o soro
polivalente, devido à sua maior aplicabilidade. Os soros
antipeçonhentos são produzidos no Brasil pelo Instituto
Butantan (São Paulo), Fundação Ezequiel Dias (Minas Gerais) e
Instituto Vital Brazil (Rio de Janeiro). Toda a produção é
comprada pelo Ministério da Saúde que distribui para todo o
país, por meio das Secretarias de Estado de Saúde. Assim, o
soro está disponível em serviços de saúde e é oferecido
gratuitamente aos acidentados.
Tratamento de suporte ou sintomático também pode auxiliar,
dependendo do caso.
Aranhas
Acidentes causados por aranhas são
comuns, porém a maioria não
apresenta repercussão clínica. Os
gêneros de importância em saúde
pública no Brasil são:Loxosceles
(aranha-marrom), Phoneutria
(aranha armadeira ou macaca) e
Latrodectus (viúva-negra). Entre
essas, a maior causadora de
acidentes é a Loxosceles. Acidentes
causados por outras aranhas podem
ser comuns, porém sem relevância
em saúde pública, sendo que os
principais grupos pertencem,
principalmente, às aranhas que
vivem nas casas ou suas
proximidades, como caranguejeiras e
aranhas de grama ou jardim.
Entre os sintomas mais frequentes de uma picada de aranha estão: dor
intensa no local, salivação excessiva, tremores, náuseas, sudorese,
confusão mental, dores musculares, excitação, angústia, rigidez
muscular, ardência, coceira, vermelhidão, irritação na pele, agitação,
vômito, fraqueza, tontura, cefaleia, edema nas pálpebras, erupção
cutânea, pus, problemas na respiração, calafrios, fadiga, náuseas, mal
estar, urina escura, febre e se não tratado rapidamente com o soro, o
veneno pode se espalhar e formar edemas e a necrose do tecido. Na
Imagem acima picada por Aranha Marrom.
Primeiros socorros
Seja qual for à espécie de aranha envolvida na picada, é preciso seguir os
primeiros socorros como: não amarrar e apertar o local, manter a vítima
deitada e levá-la imediatamente ao hospital. Se possível, leve o animal que
causou a picada para dar o soro antiofídico correto.
Tratamento
No tratamento para as picadas de aranhas é feito a administração de um
antídoto fabricado a partir do veneno do animal, ou seja, um soro antiofídico
que serve para neutralizar os efeitos da toxina. Além disso, é feita a
hospitalização do indivíduo no caso de dificuldade para respirar, dor intensa
nos músculos e pressão alta. As picadas formam feridas difíceis de serem
tratadas, por isso, usa-se água oxigenada embebidas em algodão durante 3
vezes por dia para limpar a ferida e remover o tecido morto.
Muitos hospitais no Brasil possuem os soros antiofídicos de várias espécies de
animais peçonhentos em casos de picadas.
Escorpião
Classificados como aracnídeos, os escorpiões são
animais invertebrados artrópodes que
apresentam o corpo dividido em tronco e cauda.
Geralmente, são animais discretos que, durante
o dia, se alojam em esconderijos como tronco de
árvores, pilhas de madeira ou tijolos, cercas, sob
pedras, cupinzeiros, entulhos, mato, lixo, frestas
nas paredes, saídas de esgoto, ralos, caixas de
gordura, sapatos e tolhas, e durante a noite
saem para caçar. Seu ferrão chama-se aguilhão e
está localizado na ponta da cauda. Conseguem
sobreviver até dois anos sem se alimentar. Em
relação à alimentação, ingerem
preferencialmente grilos, baratas e moscas.
Segundo alguns estudos, os escorpiões foram os
primeiros artrópodes que dominaram o
ambiente terrestre e atualmente tem-se
conhecimento de aproximadamente 1600
espécies no mundo.
SINTOMAS
Dor intensa, sensação de ardência ou
agulhadas, inflamação no local são
os sintomas mais comuns da picada
de escorpião. Nos casos mais graves,
pode acarretar aumento da
frequência cardíaca, suores, enjoos,
dificuldade para respirar, queda de
pressão. Geralmente, as crianças
ficam inquietas .
TRATAMENTO
Na maioria dos casos, as picadas de
escorpião podem ser tratadas em casa.
São medidas importantes aplicar gelo no
local, proteger a pele com um pano
limpo, tomar analgésicos comuns para
alívio da dor e permanecer em repouso.
Alguns escorpiões, porém, possuem um
veneno muito tóxico. Se o quadro não
regredir e a pessoa (especialmente se for
criança) apresentar sonolência e pressão
baixa deve ser encaminhada
imediatamente para atendimento
médico, levando consigo, sempre que
possível, o animal que a atacou. Isso
ajuda a identificar com mais rapidez o
antídoto que deve ser administrado.
Lagartas
O veneno da lagarta está nos espinhos e atua no
sangue provocando falta de coagulação.
SINTOMAS:
Irritação do local atingido; dores de cabeça;
náuseas; sangramento através da pele, gengiva ,
urina, pequenos ferimentos e nariz. A vítima
pode ter hemorragias que podem levar a morte.
MEDIDAS PREVENTIVAS: Olhar atentamente
folhas e troncos de árvores, evitando o contato
com as taturanas e analisando se há presença de
folhas roídas, casulos ou fezes de lagarta
TRATAMENTO: Lavagem da região com água
corrente e compressas frias. Antihistamínico e
corticóide local se necessário
Lacraias
Usam o se veneno para paralisar
pequenas presas.
Alguns gêneros de lacraias costumam
ocasionar acidentes com maior
freqüência no homem. São as lacrais dos
gêneros Cryptops, Otostigmus e
Scolopendra.
Sintomas: dor localizada intensa e a
evolução da picada depende da
sensibilidade da vítima ao seu veneno.
São encontradas: normalmente em
jardins, sob matéria orgânica acumulada
(folhas, cascas de árvore), sempre em
locais úmidos. Ocasionalmente podem
ser encontradas dentro da residência.
Abelhas e Vespas
Como prevenir ataques:
Se descobrir colmeias chame um
profissional para removê-las. Não
faça você mesmo;
Antes de operar um equipamento
barulhento (cortadores de grama,
tratores, etc.), cheque a área para
verificar a presença de abelhas
voando. Não opere o
equipamento se houver abelhas
por perto;
Se você for atacado ou se
estiver sendo rodeado por
várias abelhas, corra
imediatamente. Cubra a boca e
o nariz com as mãos enquanto
estiver correndo;
SOROTERAPIA
Soroterapia é o tratamento indicado para a picada de grande parte dos animais peçonhentos,
senão todos. Esse método consiste na aplicação de um soro formado por um concentrado de
anticorpos (células que cumprem o papel de defesa do organismo) no paciente, com o objetivo
de combater um agente tóxico específico como venenos ou toxinas.
Com base em estudos científicos, para cada tipo de veneno existe um soro específico, preparado
com a mesma toxina do animal peçonhento que causou o acidente.
 Para picada de Cobra:
Jararaca: Soro Antibotrópico ou Antibotrópico-laquético;
Cascavel: Soro Anticrotálico;
Surucucu: Soro Antilaquético ou Antibotrópico-laquético;
Coral: Soro Antilapídico.
 Para picada de Aranha:
Armadeira e Marrom: Soro Antiaracnídico;
Caranguejeira: O soro antiofídico não é necessário.
 Para picada de Escorpião:
Se necessário, tratamento com soro específico chamado Antiescorpiónico.
 Para picada de Lacraia:
Aplicar compressas quentes no local, fazer uso de analgésicos e anestésicos sem adrenalina no
local.
 Para picada da Taturana Lonomia:
Soro Anilonomia.
Os primeiros socorros visam auxiliar
no rápido atendimento e maior qualidade
na recuperação da vítima:
 Não fazer sucção do veneno;
 Não espremer o local da picada;
 Não dar nada alcoólico, querosene ou fumo para o
acidentado;
 Não fazer torniquete, impedindo a circulação do sangue: isso
pode causar gangrena ou necrose local;
 Não cortar ou queimar o local da ferida;
 Não fazer aplicação de folhas, pó de café ou terra sobre a
ferida, sob o risco de infecção;
 Manter a pessoa em repouso, evitando o seu movimento para
que não favoreça a absorção do veneno;
 Manter, se possível, a região picada erguida;
 Localizar a marca da picada e limpar o local com água e sabão
ou soro fisiológico;
 Cobrir o local com um pano limpo;
 Remover anéis, pulseiras e outros objetos que possam
prender a circulação sanguínea, em caso de inchaço do
membro afetado;
 Levar a pessoa imediatamente para o pronto-socorro mais
próximo ou ligar para o serviço de emergência;
 Tentar identificar que tipo de animal atacou a vítima,
observando cor, tamanho e características dele;
 Se possível, levar o animal causador do acidente para
identificação;
COMO EVITAR ACIDENTES
 Não acumular entulho, lixo doméstico, ferro velho, telhas e tijolos, mantendo limpo quintais, jardins e terrenos baldios;
 Andar sempre calçado;
 Não usar inseticida contra o animal;
 Jamais introduzir a mão em frestas ou buracos no chão, como tocas de tatus e cupinzeiros;
 Olhar por onde caminha atenciosamente e em locais onde se deseja apanhar pequenos objetos ou animais;
 Fazer a limpeza de locais com vasta folhagem, usando botas, luvas e calças compridas;
 Os jardins devem ser limpos, a grama aparada e as plantas ornamentais e trepadeiras devem ser afastadas das casas e
podadas para que os galhos não toquem o chão;
 Matagais e montes de folhas mais ou menos secas merecem atenção redobrada;
 Muros e calçamentos devem ser cuidados para que não apresentem frestas onde a umidade se acumule e os animais
possam se esconder;
 Por telas nas janelas, vedar ralos de pia, tanque, chão e soleiras de portas com saquinhos de areia ou frisos de borracha;
 Combater a infestação de baratas e roedores;
 Não tentar diferenciar cobras venenosas das não venenosas. Somente um especialista pode verificar a diferença entre as
duas;
 Não manusear animais peçonhentos vivos ou mortos;
 Evitar o amontoamento de sapatos, roupas e utensílios domésticos;
 Manter berços e camas afastados da parede;
 Evitar lençóis que toquem o chão;
 Bater colchões antes de usá-los;
 Limpar constantemente ralos de banheiros, cozinhas, caixas de gordura e esgoto, mantendo fechados quando não em uso;
BIBLIOGRAFIA
• www.cobrasbrasileiras.com.br
• portal.saude.gov.br
• animais-peconhentos.info

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e EnvenenamentoPrimeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Adriano Barbosa de Sant'Ana
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
Alexandre Donha
 
Aula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosAula primeiros socorros
Aula primeiros socorros
Gizele Lima
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
Alessandro Silva
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Anita Queiroz
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
Ana Hollanders
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
Nilton Goulart
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Aph
AphAph
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETOCURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
DiulianaMendes1
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
saudefieb
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1
Ane Costa
 
Animais peçonhentos acidentes e prevenção
Animais peçonhentos acidentes e prevençãoAnimais peçonhentos acidentes e prevenção
Animais peçonhentos acidentes e prevenção
Vinicius Mendes
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorros
Legiane Bortoli
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
Mauricio Cesar Soares
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Ana Hollanders
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentesCartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Ana Filadelfi
 

Mais procurados (20)

Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e EnvenenamentoPrimeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
 
Picada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentosPicada animais peçonhentos
Picada animais peçonhentos
 
Aula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosAula primeiros socorros
Aula primeiros socorros
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Aph
AphAph
Aph
 
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETOCURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1
 
Animais peçonhentos acidentes e prevenção
Animais peçonhentos acidentes e prevençãoAnimais peçonhentos acidentes e prevenção
Animais peçonhentos acidentes e prevenção
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Aula 01 primeiros socorros
Aula 01   primeiros socorrosAula 01   primeiros socorros
Aula 01 primeiros socorros
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentesCartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
Cartilha animais peçonhentos: conhecer para respeitar e prevenir acidentes
 

Destaque

Acidentes Por Animais Peçonhentos
Acidentes Por Animais PeçonhentosAcidentes Por Animais Peçonhentos
Acidentes Por Animais Peçonhentos
Priscilagcb
 
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentosAssistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Patricia Pereira
 
Acidentes Com Animais PeçOnhentos
Acidentes Com Animais PeçOnhentosAcidentes Com Animais PeçOnhentos
Acidentes Com Animais PeçOnhentos
guestf0fb000
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
Faculdade Integrada Tiradentes - FITS
 
Animais PeçOnhentos
Animais PeçOnhentosAnimais PeçOnhentos
Animais PeçOnhentos
Santos de Castro
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
rob1805
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
Ismael Costa
 
Resumo de animais peçonhentos
Resumo de animais peçonhentosResumo de animais peçonhentos
Resumo de animais peçonhentos
Nathy Oliveira
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
Deise
 
Slide animais pec.
Slide animais pec.Slide animais pec.
Slide animais pec.
luciamm2003
 
Animais venenosos
Animais venenososAnimais venenosos
Animais venenosos
Luciana Petry
 
Ofidismo
OfidismoOfidismo
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideos
Emerson Silva
 
Animais Peçonhentos Invertabrados
Animais Peçonhentos InvertabradosAnimais Peçonhentos Invertabrados
Animais Peçonhentos Invertabrados
Michel Lopes
 
Animais peçonhentos e plantas tóxicas
Animais peçonhentos e plantas tóxicasAnimais peçonhentos e plantas tóxicas
Animais peçonhentos e plantas tóxicas
portaldasexatas
 
Cobras
CobrasCobras
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04   apresentação biologia e identificação de serpentesAula 04   apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
filipe
 
2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas
karol_ribeiro
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
adrianomedico
 
Acidentes Ofdicos
Acidentes OfdicosAcidentes Ofdicos
Acidentes Ofdicos
douglas silva
 

Destaque (20)

Acidentes Por Animais Peçonhentos
Acidentes Por Animais PeçonhentosAcidentes Por Animais Peçonhentos
Acidentes Por Animais Peçonhentos
 
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentosAssistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
Assistência de enfermagem – acidentes por animais peçonhentos
 
Acidentes Com Animais PeçOnhentos
Acidentes Com Animais PeçOnhentosAcidentes Com Animais PeçOnhentos
Acidentes Com Animais PeçOnhentos
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
 
Animais PeçOnhentos
Animais PeçOnhentosAnimais PeçOnhentos
Animais PeçOnhentos
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
Resumo de animais peçonhentos
Resumo de animais peçonhentosResumo de animais peçonhentos
Resumo de animais peçonhentos
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
 
Slide animais pec.
Slide animais pec.Slide animais pec.
Slide animais pec.
 
Animais venenosos
Animais venenososAnimais venenosos
Animais venenosos
 
Ofidismo
OfidismoOfidismo
Ofidismo
 
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideos
 
Animais Peçonhentos Invertabrados
Animais Peçonhentos InvertabradosAnimais Peçonhentos Invertabrados
Animais Peçonhentos Invertabrados
 
Animais peçonhentos e plantas tóxicas
Animais peçonhentos e plantas tóxicasAnimais peçonhentos e plantas tóxicas
Animais peçonhentos e plantas tóxicas
 
Cobras
CobrasCobras
Cobras
 
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04   apresentação biologia e identificação de serpentesAula 04   apresentação biologia e identificação de serpentes
Aula 04 apresentação biologia e identificação de serpentes
 
2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas2422010193955manual serpentes peconhentas
2422010193955manual serpentes peconhentas
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
 
Acidentes Ofdicos
Acidentes OfdicosAcidentes Ofdicos
Acidentes Ofdicos
 

Semelhante a Animais peçonhentos

Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Cassyano Correr
 
Animais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptxAnimais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptx
Silvio Aloisio dos Santos
 
Animais peçonhentos ii
Animais peçonhentos iiAnimais peçonhentos ii
Animais peçonhentos ii
Silvio Aloisio dos Santos
 
Apresentação - animais peçonhentos.ppt
Apresentação - animais peçonhentos.pptApresentação - animais peçonhentos.ppt
Apresentação - animais peçonhentos.ppt
FabioGarcia724760
 
Animais Peçonhentos.pptx
Animais Peçonhentos.pptxAnimais Peçonhentos.pptx
Animais Peçonhentos.pptx
SuzanaPeniche
 
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.pptANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
RicardoGomes411
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
saudefieb
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS.pptx
ACIDENTES POR ANIMAIS  PEÇONHENTOS.pptxACIDENTES POR ANIMAIS  PEÇONHENTOS.pptx
ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS.pptx
SSTTempus
 
Animais peconhentos
Animais peconhentosAnimais peconhentos
Animais peconhentos
Silvio Inácio
 
Animais peconhentos
Animais peconhentosAnimais peconhentos
Animais peconhentos
Silvio Inácio
 
Animais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do BrasilAnimais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do Brasil
Fabio Junior Naves da Rocha
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
HailtonBarbosadosSan
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
alessandrabiostm
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
JorgeAmazonasFigueir
 
animais_peconhentos (1).pptx
animais_peconhentos (1).pptxanimais_peconhentos (1).pptx
animais_peconhentos (1).pptx
fernando lourenco silva
 
Filo Arthropoda
Filo ArthropodaFilo Arthropoda
Filo Arthropoda
Julio Marçal
 
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptxAcidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
AnnaErikaCardosoAlme
 
Animais perçonhentos
Animais perçonhentosAnimais perçonhentos
Animais perçonhentos
Placido Bombeiro
 

Semelhante a Animais peçonhentos (20)

Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
 
Animais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptxAnimais peçonhentos II.pptx
Animais peçonhentos II.pptx
 
Animais peçonhentos ii
Animais peçonhentos iiAnimais peçonhentos ii
Animais peçonhentos ii
 
Apresentação - animais peçonhentos.ppt
Apresentação - animais peçonhentos.pptApresentação - animais peçonhentos.ppt
Apresentação - animais peçonhentos.ppt
 
Animais Peçonhentos.pptx
Animais Peçonhentos.pptxAnimais Peçonhentos.pptx
Animais Peçonhentos.pptx
 
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.pptANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhas
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
 
ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS.pptx
ACIDENTES POR ANIMAIS  PEÇONHENTOS.pptxACIDENTES POR ANIMAIS  PEÇONHENTOS.pptx
ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS.pptx
 
Animais peconhentos
Animais peconhentosAnimais peconhentos
Animais peconhentos
 
Animais peconhentos
Animais peconhentosAnimais peconhentos
Animais peconhentos
 
Animais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do BrasilAnimais Peçonhentos do Brasil
Animais Peçonhentos do Brasil
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
 
animais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.pptanimais_peconhentos.ppt
animais_peconhentos.ppt
 
animais_peconhentos (1).pptx
animais_peconhentos (1).pptxanimais_peconhentos (1).pptx
animais_peconhentos (1).pptx
 
Filo Arthropoda
Filo ArthropodaFilo Arthropoda
Filo Arthropoda
 
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptxAcidentes com animais peçonhentos.pptx
Acidentes com animais peçonhentos.pptx
 
Animais perçonhentos
Animais perçonhentosAnimais perçonhentos
Animais perçonhentos
 

Animais peçonhentos

  • 2. ALUNO: Alfredo Alves PROFº: Jailton O. SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO MINERAÇÃO IV JACOBINA/BA JUNHO-2013.1
  • 3. ANIMAIS PEÇONHENTOS São animais que, por meio de um mecanismo de caça e defesa, são capazes de injetar em suas presas uma substância tóxica produzida em seus corpos, diretamente de glândulas especializadas (dente, ferrão, aguilhão) por onde passa o veneno. Esses animais agem por instinto de sobrevivência. Ao se sentirem ameaçados, imobilizam o agressor e fogem para um local seguro. Temidos pelo homem, os animais peçonhentos estão presentes tanto em meios rurais, quanto urbanos. Eles são responsáveis por provocarem inúmeros acidentes domésticos, em variadas regiões brasileiras, com índices crescentes ano após ano. Cobras, aranhas, escorpiões, lacraias, taturanas, vespas, formigas, abelhas e marimbondos são exemplos dessa categoria. Para que não se crie um medo inconsciente desses animais, é necessário um maior conhecimento a respeito do assunto.
  • 4. Outro detalhe importantíssimo de se salientar: esses animais agem por instinto de defesa. Geralmente, a maior parte dos acidentes ocorre por descuido ou imprudência humana. Ao colocar o pé no sapato sem olhar em seu interior, uma pessoa pode comprimir um animal que estaria alojado ali dentro, aumentando as possibilidades de uma picada como reação. Quando não são prestados os cuidados necessários em um acidente causado por animal peçonhento, a situação da vítima pode se agravar. Crianças, idosos ou pessoas com o organismo debilitado estão mais propensas a esses casos.
  • 5. Cobras No Brasil as cobras de interesse toxicológico pertencem a duas famílias: Viperidae e Elapidae. A família Viperidae é representada pelos gêneros Bothriopsis, Bothrops, Bothrocophias, Bothropoides, Rhinocerophis , Caudisona (cascavel) e Lachesis (surucucu-pico-de-jaca). A família Elapidae é representada pelo gênero Micrurus (coral- verdadeira).
  • 6. Alguns critérios de identificação permitem reconhecer a maioria das serpentes peçonhentas brasileiras, distinguindo-as das não peçonhentas:
  • 7. Os sintomas por picadas de cobras venenosas, dependem muito do tamanho da cobra, da quantidade de veneno injetado e da localização da picada. Os sintomas mais comuns são:  - No local ocorre inchaço e rubor (vermelhidão) imediato;  - Febre;  - Andar cambaleante;  - Fraqueza;  - Dificuldade respiratória;  - Após 3 a 6 horas poderá ocorrer equimose (manchas vermelhas espalhadas na pele);  - Poderá aparecer no local da picada, bolha com sangue;  - Pode-se ocorrer hemorragias pelas cavidades naturais ( principalmente narinas);  - Presença de sangue na urina;  - Em dias posteriores, se não tratados, ocorre destruição do tecido no local ( necrose );
  • 8. TRATAMENTO A única terapia efetiva é o soro antiofídico. O soro deve começar a ser aplicado, de preferência, na primeira meia hora depois do acidente. Existem vários tipos de soros antiofídicos, um para cada tipo de cobra, mas se a cobra causadora do acidente não puder ser identificada deve-se usar o soro polivalente. Em áreas em que as cobras são comuns, deve-se ter sempre à mão o soro polivalente, devido à sua maior aplicabilidade. Os soros antipeçonhentos são produzidos no Brasil pelo Instituto Butantan (São Paulo), Fundação Ezequiel Dias (Minas Gerais) e Instituto Vital Brazil (Rio de Janeiro). Toda a produção é comprada pelo Ministério da Saúde que distribui para todo o país, por meio das Secretarias de Estado de Saúde. Assim, o soro está disponível em serviços de saúde e é oferecido gratuitamente aos acidentados. Tratamento de suporte ou sintomático também pode auxiliar, dependendo do caso.
  • 9. Aranhas Acidentes causados por aranhas são comuns, porém a maioria não apresenta repercussão clínica. Os gêneros de importância em saúde pública no Brasil são:Loxosceles (aranha-marrom), Phoneutria (aranha armadeira ou macaca) e Latrodectus (viúva-negra). Entre essas, a maior causadora de acidentes é a Loxosceles. Acidentes causados por outras aranhas podem ser comuns, porém sem relevância em saúde pública, sendo que os principais grupos pertencem, principalmente, às aranhas que vivem nas casas ou suas proximidades, como caranguejeiras e aranhas de grama ou jardim.
  • 10. Entre os sintomas mais frequentes de uma picada de aranha estão: dor intensa no local, salivação excessiva, tremores, náuseas, sudorese, confusão mental, dores musculares, excitação, angústia, rigidez muscular, ardência, coceira, vermelhidão, irritação na pele, agitação, vômito, fraqueza, tontura, cefaleia, edema nas pálpebras, erupção cutânea, pus, problemas na respiração, calafrios, fadiga, náuseas, mal estar, urina escura, febre e se não tratado rapidamente com o soro, o veneno pode se espalhar e formar edemas e a necrose do tecido. Na Imagem acima picada por Aranha Marrom.
  • 11. Primeiros socorros Seja qual for à espécie de aranha envolvida na picada, é preciso seguir os primeiros socorros como: não amarrar e apertar o local, manter a vítima deitada e levá-la imediatamente ao hospital. Se possível, leve o animal que causou a picada para dar o soro antiofídico correto. Tratamento No tratamento para as picadas de aranhas é feito a administração de um antídoto fabricado a partir do veneno do animal, ou seja, um soro antiofídico que serve para neutralizar os efeitos da toxina. Além disso, é feita a hospitalização do indivíduo no caso de dificuldade para respirar, dor intensa nos músculos e pressão alta. As picadas formam feridas difíceis de serem tratadas, por isso, usa-se água oxigenada embebidas em algodão durante 3 vezes por dia para limpar a ferida e remover o tecido morto. Muitos hospitais no Brasil possuem os soros antiofídicos de várias espécies de animais peçonhentos em casos de picadas.
  • 12. Escorpião Classificados como aracnídeos, os escorpiões são animais invertebrados artrópodes que apresentam o corpo dividido em tronco e cauda. Geralmente, são animais discretos que, durante o dia, se alojam em esconderijos como tronco de árvores, pilhas de madeira ou tijolos, cercas, sob pedras, cupinzeiros, entulhos, mato, lixo, frestas nas paredes, saídas de esgoto, ralos, caixas de gordura, sapatos e tolhas, e durante a noite saem para caçar. Seu ferrão chama-se aguilhão e está localizado na ponta da cauda. Conseguem sobreviver até dois anos sem se alimentar. Em relação à alimentação, ingerem preferencialmente grilos, baratas e moscas. Segundo alguns estudos, os escorpiões foram os primeiros artrópodes que dominaram o ambiente terrestre e atualmente tem-se conhecimento de aproximadamente 1600 espécies no mundo.
  • 13. SINTOMAS Dor intensa, sensação de ardência ou agulhadas, inflamação no local são os sintomas mais comuns da picada de escorpião. Nos casos mais graves, pode acarretar aumento da frequência cardíaca, suores, enjoos, dificuldade para respirar, queda de pressão. Geralmente, as crianças ficam inquietas . TRATAMENTO Na maioria dos casos, as picadas de escorpião podem ser tratadas em casa. São medidas importantes aplicar gelo no local, proteger a pele com um pano limpo, tomar analgésicos comuns para alívio da dor e permanecer em repouso. Alguns escorpiões, porém, possuem um veneno muito tóxico. Se o quadro não regredir e a pessoa (especialmente se for criança) apresentar sonolência e pressão baixa deve ser encaminhada imediatamente para atendimento médico, levando consigo, sempre que possível, o animal que a atacou. Isso ajuda a identificar com mais rapidez o antídoto que deve ser administrado.
  • 14. Lagartas O veneno da lagarta está nos espinhos e atua no sangue provocando falta de coagulação. SINTOMAS: Irritação do local atingido; dores de cabeça; náuseas; sangramento através da pele, gengiva , urina, pequenos ferimentos e nariz. A vítima pode ter hemorragias que podem levar a morte. MEDIDAS PREVENTIVAS: Olhar atentamente folhas e troncos de árvores, evitando o contato com as taturanas e analisando se há presença de folhas roídas, casulos ou fezes de lagarta TRATAMENTO: Lavagem da região com água corrente e compressas frias. Antihistamínico e corticóide local se necessário
  • 15. Lacraias Usam o se veneno para paralisar pequenas presas. Alguns gêneros de lacraias costumam ocasionar acidentes com maior freqüência no homem. São as lacrais dos gêneros Cryptops, Otostigmus e Scolopendra. Sintomas: dor localizada intensa e a evolução da picada depende da sensibilidade da vítima ao seu veneno. São encontradas: normalmente em jardins, sob matéria orgânica acumulada (folhas, cascas de árvore), sempre em locais úmidos. Ocasionalmente podem ser encontradas dentro da residência.
  • 16. Abelhas e Vespas Como prevenir ataques: Se descobrir colmeias chame um profissional para removê-las. Não faça você mesmo; Antes de operar um equipamento barulhento (cortadores de grama, tratores, etc.), cheque a área para verificar a presença de abelhas voando. Não opere o equipamento se houver abelhas por perto; Se você for atacado ou se estiver sendo rodeado por várias abelhas, corra imediatamente. Cubra a boca e o nariz com as mãos enquanto estiver correndo;
  • 17. SOROTERAPIA Soroterapia é o tratamento indicado para a picada de grande parte dos animais peçonhentos, senão todos. Esse método consiste na aplicação de um soro formado por um concentrado de anticorpos (células que cumprem o papel de defesa do organismo) no paciente, com o objetivo de combater um agente tóxico específico como venenos ou toxinas. Com base em estudos científicos, para cada tipo de veneno existe um soro específico, preparado com a mesma toxina do animal peçonhento que causou o acidente.  Para picada de Cobra: Jararaca: Soro Antibotrópico ou Antibotrópico-laquético; Cascavel: Soro Anticrotálico; Surucucu: Soro Antilaquético ou Antibotrópico-laquético; Coral: Soro Antilapídico.  Para picada de Aranha: Armadeira e Marrom: Soro Antiaracnídico; Caranguejeira: O soro antiofídico não é necessário.  Para picada de Escorpião: Se necessário, tratamento com soro específico chamado Antiescorpiónico.  Para picada de Lacraia: Aplicar compressas quentes no local, fazer uso de analgésicos e anestésicos sem adrenalina no local.  Para picada da Taturana Lonomia: Soro Anilonomia.
  • 18. Os primeiros socorros visam auxiliar no rápido atendimento e maior qualidade na recuperação da vítima:  Não fazer sucção do veneno;  Não espremer o local da picada;  Não dar nada alcoólico, querosene ou fumo para o acidentado;  Não fazer torniquete, impedindo a circulação do sangue: isso pode causar gangrena ou necrose local;  Não cortar ou queimar o local da ferida;  Não fazer aplicação de folhas, pó de café ou terra sobre a ferida, sob o risco de infecção;  Manter a pessoa em repouso, evitando o seu movimento para que não favoreça a absorção do veneno;
  • 19.  Manter, se possível, a região picada erguida;  Localizar a marca da picada e limpar o local com água e sabão ou soro fisiológico;  Cobrir o local com um pano limpo;  Remover anéis, pulseiras e outros objetos que possam prender a circulação sanguínea, em caso de inchaço do membro afetado;  Levar a pessoa imediatamente para o pronto-socorro mais próximo ou ligar para o serviço de emergência;  Tentar identificar que tipo de animal atacou a vítima, observando cor, tamanho e características dele;  Se possível, levar o animal causador do acidente para identificação;
  • 20. COMO EVITAR ACIDENTES  Não acumular entulho, lixo doméstico, ferro velho, telhas e tijolos, mantendo limpo quintais, jardins e terrenos baldios;  Andar sempre calçado;  Não usar inseticida contra o animal;  Jamais introduzir a mão em frestas ou buracos no chão, como tocas de tatus e cupinzeiros;  Olhar por onde caminha atenciosamente e em locais onde se deseja apanhar pequenos objetos ou animais;  Fazer a limpeza de locais com vasta folhagem, usando botas, luvas e calças compridas;  Os jardins devem ser limpos, a grama aparada e as plantas ornamentais e trepadeiras devem ser afastadas das casas e podadas para que os galhos não toquem o chão;  Matagais e montes de folhas mais ou menos secas merecem atenção redobrada;  Muros e calçamentos devem ser cuidados para que não apresentem frestas onde a umidade se acumule e os animais possam se esconder;  Por telas nas janelas, vedar ralos de pia, tanque, chão e soleiras de portas com saquinhos de areia ou frisos de borracha;  Combater a infestação de baratas e roedores;  Não tentar diferenciar cobras venenosas das não venenosas. Somente um especialista pode verificar a diferença entre as duas;  Não manusear animais peçonhentos vivos ou mortos;  Evitar o amontoamento de sapatos, roupas e utensílios domésticos;  Manter berços e camas afastados da parede;  Evitar lençóis que toquem o chão;  Bater colchões antes de usá-los;  Limpar constantemente ralos de banheiros, cozinhas, caixas de gordura e esgoto, mantendo fechados quando não em uso;