SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise de Domínio
Paula Carina de Araújo
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Fulbright/CAPES Alumni (2016-2017)
paula.carina.a@gmail.com
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO
FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS À CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
Paula Carina de Araújo
Doutoranda em Ciência da Informação –
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita
Filho (UNESP) (2015-2019)
Visit Research - Fulbright/CAPES (2016-2017)
Visit Student – Information School na University of
Washington (2016-2017)
Bibliotecária – Universidade Federal do Paraná
(UFPR) (2008 – atual)
Seattle Public Library, Outubro de 2016.
Contextualização
Origem da Análise de Domínio
Ciência da Computação – James M. Neighbors (1980)
Com um significado diferente do proposto na Ciência da Informação.
Contextualização
Análise de Domínio na Organização do Conhecimento (OC)
1995 – O termo é associado pela primeira vez à Ciência da Informação
(CI) e OC por Birger Hjørland e Hanne Albrechtsen;
2002 – Birger Hjørland propõe as 11 abordagens da análise de domínio;
2003 – Joseph Tennis apresenta dois eixos para a análise de domínio;
Conceito
Domínio
Hjørland e Albrechtsen não apresentaram uma definição precisa de
domínio.
“pensamento ou comunidades discursivas, que são parte da divisão do
trabalho na sociedade”, (HJØRLAND; ALBRECHTSEN, 1995, p. 400,
tradução nossa).
Conceito
Domínio
“Poderia ser uma área do conhecimento, o conjunto de literatura sobre
um tópico, ou até mesmo um sistema de pessoas e práticas
trabalhando com uma linguagem comum”, (TENNIS, 2003, p. 191,
tradução nossa).
Conceito
Domínio
“Um domínio do conhecimento é para ser entendido como uma
demarcação de dado conhecimento, seja ancorado em um contexto
profissional ou não profissional”, (THELLEFSEN; THELLEFSEN, 2004, p.
179, tradução nossa).
Conceito
Domínio
“o conhecimento se constrói a partir da interação de unidades de
conhecimento que são os conceitos, os quais se articulam em
determinado domínio, refletindo o conhecimento de uma comunidade
discursiva em particular” . (THELLEFSEN; THELLEFSEN, 2004, p. 179,
tradução nossa).
Conceito
Domínio
“Um domínio é melhor compreendido como uma unidade de análise
para a construção de um Sistema de Organização do Conhecimento
(SOC). Isto é, um domínio é um grupo com uma base ontológica que
revela uma teleologia subjascente, um conjuntos de hipóteses comuns,
consenso epistemológico nas abordagens metodológicas, e semântica
social”, (SMIRAGLIA, 2012, p. 114, tradução nossa).
“Um domínio é um grupo que requer ou cria seu próprio sistema de
organização do conhecimento”, (SMIRAGLIA, 2014, p. 5, tradução
nossa).
Conceito
Domínio
Hjørland (2017, p. 439, tradução nossa) diz que “um domínio pode ser
uma disciplina, mas não precisa ser; ele pode ser distribuído em
múltiplas disciplinas ou especialidades ou ser uma não disciplina [...]”.
“Um domínio é um corpo de conhecimento, definido socialmente e
teoricamente como o conhecimento de um grupo de pessoas que
compartilha comprometimentos ontológicos e epistemológicos”,
(HJØRLAND, 2017, p. 441, tradução nossa).
Conceito
Domínio
“[...] é valioso o conceito de “domínio” como recurso para constituir
teoricamente objetos de investigação, assim como incorporar e fazer
justiça à história da ciência e à sua acumulação de conhecimentos”.
(LLOYD, 1995, p. 25).
Conceito
Domínio
“Domínio é um grupo de usuários, uma disciplina ou um campo amplo
de conhecimento responsável pela definição dos limites interpretativos
dos conceitos, já que o conhecimento se manifesta de forma específica.
Assim, são os domínios que condicionam a produção dos
conhecimentos, mas também são por si só um conjunto de
conhecimentos já produzidos. (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 14).
Conceito
Exemplos de Domínios
Ciência da
Informação
Biblioteca
Pública
Estudos sobre
Feminismo
Pesquisadores
do CNPq de
Educação
Conceito
Comunidade Discursiva
[...] é uma organização social que define a ordenação e limitação do
processo de comunicação em um domínio do conhecimento. As
comunidades discursivas são compostas por três elementos: atores,
instituições e serviços de informação [...], (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 13).
Profissionais da informação lidam com diversas comunidades discursivas,
não ficando restrita às acadêmicas. Comunidade discursiva pode ser vista
também como uma disciplina, (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 13).
Análise de Domínio
Hjorland e Albrechtsen (1995)
Paradigma
Cognitivo
Paradigma
Social
Análise de Domínio
Hjorland e Albrechtsen (1995)
Paradigma de análise de domínio
1º - é um paradigma social, concebendo a CI como uma das ciências sociais;
2º é uma abordagem funcionalista, que busca entender as funções implícitas e explícitas da
informação e comunicação e traçar os mecanismos subjacentes ao comportamento
informacional a partir dessa percepção;
3º é uma abordagem filosófica-realista, que tenta encontrar as bases para a CI em
fatores que são externos às percepções individualistas-subjetivas dos usuários em
oposição a, por exemplo, os paradigmas comportamentais e cognitivos.
Análise de Domínio
Hjorland e Albrechtsen (1995)
Busca compreender as necessidades dos usuários de uma perspectiva
social.
Foco em um domínio do conhecimento ou no estudo comparativo de
diferentes domínios.
Principalmente inspirado pelo conhecimento sobre a estrutura de
informação nos domínios, pela sociologia do conhecimento e a teoria
do conhecimento.
Análise de Domínio
Hjørland (2002)
Propôs 11 abordagens da análise de domínio. Essas abordagens são
ferramentas para o estudo de um domínio.
1 Produção de obras de referência
2 Construção de linguagens de indexação (classificação e tesauro)
3 Pesquisa em indexação e recuperação de especialidades
4 Estudo de usuários
5 Estudos bibliométricos
6 Estudos históricos
Análise de Domínio
Hjørland (2002)
7 Estudos de gênero/tipologias documentais
8 Estudos epistemológicos e críticos
9 Estudos terminológicos
10 Comunicação científica
11 Cognição científica, conhecimento especializado e inteligência
artificial
Análise de Domínio
Hjørland (2002)
As abordagens não devem ser utilizadas isoladamente na análise de um
domínio. A riqueza está na combinação entre duas ou mais.
“A combinação das diversas abordagens na pesquisa em ciência da
informação irá, em minha visão, fortalecer a identidade da CI e
fortalecer a relação entre teoria e prática em CI”, (Hjørland, 2002, p.
451, tradução nossa).
Análise de Domínio
Exemplos de Uso das Abordagens
Um estudos bibliométricos pode ser combinado com a abordagem de
estudos epistemológicos e críticos.
Construção de linguagem de indexação com estudos bibliométricos
e/ou estudos epistemológicos e crítico.
Estudo de usuário com comunicação científica e/ou estudo
bibliométricos.
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Delineou dois eixos e quatro parâmetro de análise baseados na
pesquisa de Hjørland.
Os eixos podem ser usados para a operacionalização da definição de
um domínio. Ou seja, estabelecer parâmetros sobre o domínio.
Área de modulação: extensão e nome
Graus de especialização: foco e intersecção
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Área de modulação
Estabelece parâmetro para os nomes e a extensão do domínio.
A extensão é o escopo total do domínio.
Estabelece o que é incluído, o que não é incluído, e como o domínio é chamado.
Responde à pergunta:
Como se chama este domínio e o que ele cobre?
(TENNIS, 2003, p. 192-193, tradução nossa).
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Graus de especialização
"[...] qualifica e estabelece a intensidade do domínio, (TENNIS, 2003, p. 193,
tradução nossa).
"Ao qualificar um domínio, sua extensão é diminuída e sua intensidade é
aumentada", (TENNIS, 2003, p. 193, tradução nossa).
Foco
Intersecção
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Graus de especialização: foco
"Foco, como um grau de especialização, é um parâmetro usado para
qualificar um domínio, e fazendo isso, aumenta sua intensidade,
diminuindo sua extensão", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa).
Religião Budismo
Comunidades
monásticas
budistas
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Graus de especialização: intersecção
"Geralmente, o que é percebido como um domínio estabelecido tem uma
intersecção com outro domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa).
"Cria uma tensão entre as partes envolvidas, propósitos, e operações do
domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa).
Pode gerar um novo nome para o domínio, (TENNIS, 2003).
Análise de Domínio
Tennis (2003)
Graus de especialização: intersecção
Exemplos de Intersecção: Ética biomédica, Pensamento feminista, etc.
Análise de Domínio
Tennis (2003)
"Graus de especialização oferece uma forma da análise de domínio
qualificar um domínio. Foco e intersecção aumentam a intensidade do
domínio. E, fazendo isso, delineia o que é estudado na análise do
domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa).
Análise de Domínio
Castanha e Grácio (2014)
A análise de domínio contribui para o desenvolvimento de estudo
bibliométricos e reforçam a necessidade de aplicar análises
epistemológicas, sociológicas e históricas a esses estudos.
Castanha e Grácio (2015)
Propõe uma nova abordagem da análise de domínio: Estudos de
Genealogia Acadêmica.
Análise de Domínio
Castanha e Grácio (2015)
São estudos da herança intelectual,
operacionalizada pelas relações
interdependentes entre os alunos e
seus orientadores (SUGIMOTO, 2014).
É um tipo específico de rede social,
caracterizada como árvore, e de
colaboração científica, uma vez que
seus atores são os orientadores e
orientandos.
Análise de Domínio
Guimarães e Tognoli (2015)
Discute a aplicabilidade da análise de domínio na Arquivologia.
O princípio da proveniência é discutido como uma nova abordagem da
análise de domínio.
“Proveniência garante que o contexto de criação dos registros ou documentos é
mantida”. (GUIMARÃES; TOGNOLI, 2015, p. 565, tradução nossa).
Análise de Domínio
Smiraglia (2015)
Propõe uma revisão das 11 abordagens:
Exclui a terceira e a décima abordagem: Indexação e recuperação de
especialidades; Comunicação científica.
Adiciona duas outras: Semântica de bases de dado e análise do
discurso.
Análise de Domínio
Hjorland (2017)
“Análise de domínio é uma teoria sobre e uma abordagem para a
biblioteconomia, ciência da informação e organização do
conhecimento. Os objetos da organização do conhecimento podem ser
generalizados para serem, em particular, sobre Sistemas de
Organização do Conhecimento (SOC) e Processos de Organização do
Conhecimento (POC) (por exemplo o sistema de classificação e o
processo de classificação)”, (Hjørland, 2017, p. 437, tradução nossa).
Análise de Domínio
Bufrem e Freitas (2015)
Interdomínio
[...] um processo relacional, representado em um espaço comum entre
dois ou mais domínios ou campos do conhecimento.
Ciência da
Informação
Sociologia
Análise de Domínio
Freitas (2017)
Interdomínio
“[...] considera os Estudos Métricos da Informação como um
interdomínio estabelecido entre a Ciência da Informação (CI) e outros
campos do conhecimento, em que o conhecimento gerado depende da
amálgama dos conhecimentos oriundos de ambos os campos”,
(FREITAS, 2017, p. 6).
Ciência da
Informação
Medicina
Minha Pesquisa
Epistemologia da Organização do Conhecimento
Descrever a concepção de epistemologia no periódico Knowledge
Organization por meio da metateoria.
Orientador: Prof .Dr. José Augusto Chaves Guimarães
Coorientador: Prof. Dr. Joseph Tennis
Minha Pesquisa
Delimitação do Domínio
Área de modulação
Domínio: Organização do conhecimento
Extensão: Epistemologia da organização do conhecimento
Grau de especialização
Foco: Produção científica sobre epistemologia da OC publicada no periódico
Knowledge Organization.
Intersecção: Epistemologia
Organização
do
Conhecimento
Filosofia
Minha Pesquisa
Epistemologia da Organização do Conhecimento
32 artigos sobre Epistemologia da Organização do Conhecimento
publicados no periódico Knowledge Organization.
Abordagens: Estudos bibliométricos; estudos epistemológicos e
críticos; comunicação científica.
Referências
AMORIM, I. S.; CAFÉ, L. M. A. Os conceitos de comunidade discursiva, domínio e linguagem na
análise de domínio Hjørlandiana. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA
INFORMAÇÃO, 17., Salvador, BA. Anais... Salvador, BA: UFBA, 2016. p. 1-21. Disponível em:
http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/47994 Acesso em 8 abr. 2018.
CASTANHA, R.; GRACIO, M. Bibliometrics contribution to the metatheoretical and domain analysis
studies. Knowledge Organization, v. 41, n. 2, p. 171–174, 2014.
CASTANHA, R.; GRACIO, M. Estudos de genealogia acadêmica como abordagem para análise de
domínio. In: GUIMARÃES, J. A. C.; DODEBEI, V. (Eds.). . Organização do conhecimento e
diversidade cultural. Marília, SP: FUNDEP; ISKO-Brasil, 2015. p. 108-116. (Estudos Avançados
em Organização do Conhecimento), v.3.
GUIMARÃES, J. A. C.; TOGNOLI, N. B. Provenance as a Domain Analysis Approach in Archival
Knowledge Organization. Knowledge Organization, n. 8, p. 562–569, 2015.
Referências
HJØRLAND, B. Domain analysis in information science: Eleven approaches – traditional as well as
innovative. Journal of Documentation, v. 58, n. 4, p. 422–462, ago. 2002.
HJØRLAND, B. Domain analysis. Knowledge Organization, v. 44, n. 6, p. 436–464, nov. 2017.
(Reviews of Concepts in Knowledge Organization).
HJØRLAND, B.; ALBRECHTSEN, H. Toward a new horizon in information science: domain-analysis.
Journal of The American Society for information Science, v. 46, n. 6, p. 400–425, 1995.
LLOYD, C. As estruturas da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.
NEIGHBORS, J.M. Software construction using componentes: technical report 160, Department of
Information and Computer Sciences. Irvine, CA : University of California, 1980.
Referências
SMIRAGLIA, R.P.. Epistemology of domain analysis. In: SMIRAGLIA, R.P., LEE, H. (Eds.), Cultural
frames of knowledge. Ergon: W€urzburg, 2012. p. 111–124.
SUGIMOTO, C.R. Academic Genealogy. In: CRONIN, B.; SUGIMOTO, C.R.(Eds.). Beyond bibliometrics:
harnessing multidimensional indicators at scholarly impact. Cambridge: MIT Press, 2014.
TENNIS, J. T. Two axes of domains for domain analysis. Knowledge Organization, v. 30, n. 3/4, p.
191–195, 2003.
TENNIS, J. T. What does domain analysis look like in form, function and genre? Brazilian Journal of
Information Science: Research Trends, v. 6, n. 1, 2012.
THELLEFSEN, T.L.; THELLEFSEN, M.M. Pragmatic semiotics and knowledge organization. Knowledge
Organization, v. 31, n. 3, p.177-187, 2004.
Análise de domínio by Paula Carina de Araújo is licensed under a Creative
Commons Attibution 4.0 International Licence.
Licença de uso
ARAÚJO, PAULA Carina de. Análise de domínio, 2018. 42 slides.
Como referenciar
Paula Carina de Araújo
paula.carina.a@gmail.com
Suzzallo Library – University of Washington
Seattle, WA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fontes de Informação On-line
Fontes de Informação On-lineFontes de Informação On-line
Fontes de Informação On-line
BibliotecaUfes
 
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleçãoSoftwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Lígia 'lilly' Freitas
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Daniel Ribeiro dos Santos
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Benildes Maculan
 
Aula 01 - Recuperação da Informação
Aula 01 - Recuperação da InformaçãoAula 01 - Recuperação da Informação
Aula 01 - Recuperação da Informação
Nilton Heck
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
António Cachopas
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
Leticia Strehl
 
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
Ana Carolina Simionato
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
Patricia Neubert
 
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendênciasRumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
Vitor Gonçalves
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
Charles Fernandes de Souza
 
Historia y clases de servicios de referencia
Historia y clases de servicios de referenciaHistoria y clases de servicios de referencia
Historia y clases de servicios de referencia
Marisa Menendez
 
A evolução da biblioteca ao longo do tempo
A evolução da biblioteca ao longo do tempoA evolução da biblioteca ao longo do tempo
A evolução da biblioteca ao longo do tempo
Dário Ribeiro
 
7. El repertorio bibliografico
7. El repertorio bibliografico7. El repertorio bibliografico
7. El repertorio bibliografico
Jesús Tramullas
 
Obras de referência
Obras de referênciaObras de referência
Obras de referência
Célia Dias
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
 
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
Marcelo Votto
 
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição ArquivistícaAula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Charlley Luz
 
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCSConservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Biblioteca UCS
 
Bibliotecologia
BibliotecologiaBibliotecologia
Bibliotecologia
diana marcela
 

Mais procurados (20)

Fontes de Informação On-line
Fontes de Informação On-lineFontes de Informação On-line
Fontes de Informação On-line
 
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleçãoSoftwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
Softwares para bibliotecas: opções gratuitas/livres e critérios para seleção
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
 
Aula 01 - Recuperação da Informação
Aula 01 - Recuperação da InformaçãoAula 01 - Recuperação da Informação
Aula 01 - Recuperação da Informação
 
Catalogação
CatalogaçãoCatalogação
Catalogação
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
 
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
Arquitetura da Informação - Capítulo 9 – Tesauros, Vocabulário Controlado e M...
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
 
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendênciasRumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
Rumo à biblioteca 3.0: tecnologias, mitos e tendências
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
 
Historia y clases de servicios de referencia
Historia y clases de servicios de referenciaHistoria y clases de servicios de referencia
Historia y clases de servicios de referencia
 
A evolução da biblioteca ao longo do tempo
A evolução da biblioteca ao longo do tempoA evolução da biblioteca ao longo do tempo
A evolução da biblioteca ao longo do tempo
 
7. El repertorio bibliografico
7. El repertorio bibliografico7. El repertorio bibliografico
7. El repertorio bibliografico
 
Obras de referência
Obras de referênciaObras de referência
Obras de referência
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
 
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
 
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição ArquivistícaAula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
 
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCSConservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
 
Bibliotecologia
BibliotecologiaBibliotecologia
Bibliotecologia
 

Semelhante a Análise de domínio

Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Paula Carina De Araújo
 
1ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 20131ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 2013
Gisele Dziekaniak
 
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdfanalisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
DanNamise
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
Gisele Dziekaniak
 
Xi enancib versão artigo
Xi enancib   versão artigoXi enancib   versão artigo
Xi enancib versão artigo
Elis31
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Marcos Teruo Ouchi
 
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
Rodrigo Diogo
 
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
Junior Grossi
 
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
Epic UFMG
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Leticia Strehl
 
Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2
Mônica Menslin
 
swales hemais & biasi-rodrigues
swales   hemais & biasi-rodriguesswales   hemais & biasi-rodrigues
swales hemais & biasi-rodrigues
Amábile Piacentine
 
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai 3994-11215-1-pb[1]
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai   3994-11215-1-pb[1]Elementos constitutivos do conceito de taxonomai   3994-11215-1-pb[1]
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai 3994-11215-1-pb[1]
Elis31
 
Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013
lugracioso
 
Tcc
TccTcc
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitualExaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Luciana Piovezan
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
guestc028f7
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
Agassis Paulo Bezerra
 
SlidesSem10122000000000000000000000.pptx
SlidesSem10122000000000000000000000.pptxSlidesSem10122000000000000000000000.pptx
SlidesSem10122000000000000000000000.pptx
AdoniasCarvalho4
 

Semelhante a Análise de domínio (20)

Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do ConhecimentoContribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
Contribuicao Birger Hjorland para a Organização do Conhecimento
 
1ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 20131ª aula indexacao 2013
1ª aula indexacao 2013
 
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
Análises Discurso e Conteúdo (Zezé)
 
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdfanalisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
analisesdiscursoconteudozeze-140326084806-phpapp02.pdf
 
Aula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias giseleAula 2 taxonomias gisele
Aula 2 taxonomias gisele
 
Xi enancib versão artigo
Xi enancib   versão artigoXi enancib   versão artigo
Xi enancib versão artigo
 
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBROntolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
Ontolis: um protótipo de ontologia a partir dos FRBR
 
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
Roda de Conversa sobre redação de textos científicos e pesquisa em ensino de ...
 
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
Presentation about Ontologies at my Masters (UFMG, pt_BR)
 
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
INTERLOCUÇÕES ENTRE A ANÁLISE DE DOMÍNIO E OS ESTUDOS DE USUÁRIOS DA INFORMAÇ...
 
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dadosAula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
Aula 1 - Cobertura e indexação das bases de dados
 
Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2
 
swales hemais & biasi-rodrigues
swales   hemais & biasi-rodriguesswales   hemais & biasi-rodrigues
swales hemais & biasi-rodrigues
 
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai 3994-11215-1-pb[1]
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai   3994-11215-1-pb[1]Elementos constitutivos do conceito de taxonomai   3994-11215-1-pb[1]
Elementos constitutivos do conceito de taxonomai 3994-11215-1-pb[1]
 
Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013Especializacao aula 1 04092013
Especializacao aula 1 04092013
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitualExaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
SlidesSem10122000000000000000000000.pptx
SlidesSem10122000000000000000000000.pptxSlidesSem10122000000000000000000000.pptx
SlidesSem10122000000000000000000000.pptx
 

Mais de Paula Carina De Araújo

ResearchGate
ResearchGateResearchGate
Epistemologia da Organização do Conhecimento
Epistemologia da Organização do ConhecimentoEpistemologia da Organização do Conhecimento
Epistemologia da Organização do Conhecimento
Paula Carina De Araújo
 
Estudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da InformaçãoEstudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da Informação
Paula Carina De Araújo
 
A ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científicaA ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científica
Paula Carina De Araújo
 
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas UniversitáriasOs novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
Paula Carina De Araújo
 
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dadosBases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Paula Carina De Araújo
 
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveis
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveisPesquisa científica: fontes de informação confiáveis
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveis
Paula Carina De Araújo
 
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organizaçãoAtualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
Paula Carina De Araújo
 
Percurso Profissional e Acadêmico
Percurso Profissional e AcadêmicoPercurso Profissional e Acadêmico
Percurso Profissional e Acadêmico
Paula Carina De Araújo
 
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
Paula Carina De Araújo
 
Plagio profissional
Plagio profissional Plagio profissional
Plagio profissional
Paula Carina De Araújo
 
The concept of epistemology in knowledge organization
The concept of epistemology in knowledge organizationThe concept of epistemology in knowledge organization
The concept of epistemology in knowledge organization
Paula Carina De Araújo
 
A importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
A importância da pós-graduação para a BiblioteconomiaA importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
A importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
Paula Carina De Araújo
 
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e práticaGrupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
Paula Carina De Araújo
 
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de InformaçãoOficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
Paula Carina De Araújo
 
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
Paula Carina De Araújo
 
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da InformaçãoO FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
Paula Carina De Araújo
 
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
Paula Carina De Araújo
 
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcingO family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
Paula Carina De Araújo
 
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
Paula Carina De Araújo
 

Mais de Paula Carina De Araújo (20)

ResearchGate
ResearchGateResearchGate
ResearchGate
 
Epistemologia da Organização do Conhecimento
Epistemologia da Organização do ConhecimentoEpistemologia da Organização do Conhecimento
Epistemologia da Organização do Conhecimento
 
Estudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da InformaçãoEstudos Métricos da Informação
Estudos Métricos da Informação
 
A ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científicaA ciência da informação e a gestão da informação científica
A ciência da informação e a gestão da informação científica
 
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas UniversitáriasOs novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
Os novos serviços de apoio à pesquisa em Bibliotecas Universitárias
 
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dadosBases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
Bases de dados científicos e ferramentas de coleta de dados
 
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveis
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveisPesquisa científica: fontes de informação confiáveis
Pesquisa científica: fontes de informação confiáveis
 
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organizaçãoAtualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
Atualidades da pesquisa juridica: fontes de informação e organização
 
Percurso Profissional e Acadêmico
Percurso Profissional e AcadêmicoPercurso Profissional e Acadêmico
Percurso Profissional e Acadêmico
 
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
Comunicação cientifica na área do direito: avaliação da pós-graduação, indica...
 
Plagio profissional
Plagio profissional Plagio profissional
Plagio profissional
 
The concept of epistemology in knowledge organization
The concept of epistemology in knowledge organizationThe concept of epistemology in knowledge organization
The concept of epistemology in knowledge organization
 
A importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
A importância da pós-graduação para a BiblioteconomiaA importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
A importância da pós-graduação para a Biblioteconomia
 
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e práticaGrupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
Grupo de Discussão - Inteligência Competitiva: teoria e prática
 
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de InformaçãoOficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
Oficina - Tomada de Decisão em Unidades de Informação
 
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
The relation between the domains of information retrieval and knowledge organ...
 
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da InformaçãoO FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
O FamilySearch no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação
 
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
O FamilySearch Indexing como iniciativa de crowdsourcing no contexto da organ...
 
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcingO family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
O family search indexing como iniciativa de crowdsourcing
 
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
A educação de usuários sistematizada e institucionalizada: o caso do Programa...
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Análise de domínio

  • 1. Análise de Domínio Paula Carina de Araújo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Fulbright/CAPES Alumni (2016-2017) paula.carina.a@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO MÉTODOS DE PESQUISA APLICADOS À CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
  • 2. Paula Carina de Araújo Doutoranda em Ciência da Informação – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) (2015-2019) Visit Research - Fulbright/CAPES (2016-2017) Visit Student – Information School na University of Washington (2016-2017) Bibliotecária – Universidade Federal do Paraná (UFPR) (2008 – atual) Seattle Public Library, Outubro de 2016.
  • 3. Contextualização Origem da Análise de Domínio Ciência da Computação – James M. Neighbors (1980) Com um significado diferente do proposto na Ciência da Informação.
  • 4. Contextualização Análise de Domínio na Organização do Conhecimento (OC) 1995 – O termo é associado pela primeira vez à Ciência da Informação (CI) e OC por Birger Hjørland e Hanne Albrechtsen; 2002 – Birger Hjørland propõe as 11 abordagens da análise de domínio; 2003 – Joseph Tennis apresenta dois eixos para a análise de domínio;
  • 5. Conceito Domínio Hjørland e Albrechtsen não apresentaram uma definição precisa de domínio. “pensamento ou comunidades discursivas, que são parte da divisão do trabalho na sociedade”, (HJØRLAND; ALBRECHTSEN, 1995, p. 400, tradução nossa).
  • 6. Conceito Domínio “Poderia ser uma área do conhecimento, o conjunto de literatura sobre um tópico, ou até mesmo um sistema de pessoas e práticas trabalhando com uma linguagem comum”, (TENNIS, 2003, p. 191, tradução nossa).
  • 7. Conceito Domínio “Um domínio do conhecimento é para ser entendido como uma demarcação de dado conhecimento, seja ancorado em um contexto profissional ou não profissional”, (THELLEFSEN; THELLEFSEN, 2004, p. 179, tradução nossa).
  • 8. Conceito Domínio “o conhecimento se constrói a partir da interação de unidades de conhecimento que são os conceitos, os quais se articulam em determinado domínio, refletindo o conhecimento de uma comunidade discursiva em particular” . (THELLEFSEN; THELLEFSEN, 2004, p. 179, tradução nossa).
  • 9. Conceito Domínio “Um domínio é melhor compreendido como uma unidade de análise para a construção de um Sistema de Organização do Conhecimento (SOC). Isto é, um domínio é um grupo com uma base ontológica que revela uma teleologia subjascente, um conjuntos de hipóteses comuns, consenso epistemológico nas abordagens metodológicas, e semântica social”, (SMIRAGLIA, 2012, p. 114, tradução nossa). “Um domínio é um grupo que requer ou cria seu próprio sistema de organização do conhecimento”, (SMIRAGLIA, 2014, p. 5, tradução nossa).
  • 10. Conceito Domínio Hjørland (2017, p. 439, tradução nossa) diz que “um domínio pode ser uma disciplina, mas não precisa ser; ele pode ser distribuído em múltiplas disciplinas ou especialidades ou ser uma não disciplina [...]”. “Um domínio é um corpo de conhecimento, definido socialmente e teoricamente como o conhecimento de um grupo de pessoas que compartilha comprometimentos ontológicos e epistemológicos”, (HJØRLAND, 2017, p. 441, tradução nossa).
  • 11. Conceito Domínio “[...] é valioso o conceito de “domínio” como recurso para constituir teoricamente objetos de investigação, assim como incorporar e fazer justiça à história da ciência e à sua acumulação de conhecimentos”. (LLOYD, 1995, p. 25).
  • 12. Conceito Domínio “Domínio é um grupo de usuários, uma disciplina ou um campo amplo de conhecimento responsável pela definição dos limites interpretativos dos conceitos, já que o conhecimento se manifesta de forma específica. Assim, são os domínios que condicionam a produção dos conhecimentos, mas também são por si só um conjunto de conhecimentos já produzidos. (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 14).
  • 13. Conceito Exemplos de Domínios Ciência da Informação Biblioteca Pública Estudos sobre Feminismo Pesquisadores do CNPq de Educação
  • 14. Conceito Comunidade Discursiva [...] é uma organização social que define a ordenação e limitação do processo de comunicação em um domínio do conhecimento. As comunidades discursivas são compostas por três elementos: atores, instituições e serviços de informação [...], (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 13). Profissionais da informação lidam com diversas comunidades discursivas, não ficando restrita às acadêmicas. Comunidade discursiva pode ser vista também como uma disciplina, (AMORIM; CAFÉ, 2016, p. 13).
  • 15. Análise de Domínio Hjorland e Albrechtsen (1995) Paradigma Cognitivo Paradigma Social
  • 16. Análise de Domínio Hjorland e Albrechtsen (1995) Paradigma de análise de domínio 1º - é um paradigma social, concebendo a CI como uma das ciências sociais; 2º é uma abordagem funcionalista, que busca entender as funções implícitas e explícitas da informação e comunicação e traçar os mecanismos subjacentes ao comportamento informacional a partir dessa percepção; 3º é uma abordagem filosófica-realista, que tenta encontrar as bases para a CI em fatores que são externos às percepções individualistas-subjetivas dos usuários em oposição a, por exemplo, os paradigmas comportamentais e cognitivos.
  • 17. Análise de Domínio Hjorland e Albrechtsen (1995) Busca compreender as necessidades dos usuários de uma perspectiva social. Foco em um domínio do conhecimento ou no estudo comparativo de diferentes domínios. Principalmente inspirado pelo conhecimento sobre a estrutura de informação nos domínios, pela sociologia do conhecimento e a teoria do conhecimento.
  • 18. Análise de Domínio Hjørland (2002) Propôs 11 abordagens da análise de domínio. Essas abordagens são ferramentas para o estudo de um domínio. 1 Produção de obras de referência 2 Construção de linguagens de indexação (classificação e tesauro) 3 Pesquisa em indexação e recuperação de especialidades 4 Estudo de usuários 5 Estudos bibliométricos 6 Estudos históricos
  • 19. Análise de Domínio Hjørland (2002) 7 Estudos de gênero/tipologias documentais 8 Estudos epistemológicos e críticos 9 Estudos terminológicos 10 Comunicação científica 11 Cognição científica, conhecimento especializado e inteligência artificial
  • 20. Análise de Domínio Hjørland (2002) As abordagens não devem ser utilizadas isoladamente na análise de um domínio. A riqueza está na combinação entre duas ou mais. “A combinação das diversas abordagens na pesquisa em ciência da informação irá, em minha visão, fortalecer a identidade da CI e fortalecer a relação entre teoria e prática em CI”, (Hjørland, 2002, p. 451, tradução nossa).
  • 21. Análise de Domínio Exemplos de Uso das Abordagens Um estudos bibliométricos pode ser combinado com a abordagem de estudos epistemológicos e críticos. Construção de linguagem de indexação com estudos bibliométricos e/ou estudos epistemológicos e crítico. Estudo de usuário com comunicação científica e/ou estudo bibliométricos.
  • 22. Análise de Domínio Tennis (2003) Delineou dois eixos e quatro parâmetro de análise baseados na pesquisa de Hjørland. Os eixos podem ser usados para a operacionalização da definição de um domínio. Ou seja, estabelecer parâmetros sobre o domínio. Área de modulação: extensão e nome Graus de especialização: foco e intersecção
  • 23. Análise de Domínio Tennis (2003) Área de modulação Estabelece parâmetro para os nomes e a extensão do domínio. A extensão é o escopo total do domínio. Estabelece o que é incluído, o que não é incluído, e como o domínio é chamado. Responde à pergunta: Como se chama este domínio e o que ele cobre? (TENNIS, 2003, p. 192-193, tradução nossa).
  • 24. Análise de Domínio Tennis (2003) Graus de especialização "[...] qualifica e estabelece a intensidade do domínio, (TENNIS, 2003, p. 193, tradução nossa). "Ao qualificar um domínio, sua extensão é diminuída e sua intensidade é aumentada", (TENNIS, 2003, p. 193, tradução nossa). Foco Intersecção
  • 25. Análise de Domínio Tennis (2003) Graus de especialização: foco "Foco, como um grau de especialização, é um parâmetro usado para qualificar um domínio, e fazendo isso, aumenta sua intensidade, diminuindo sua extensão", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa). Religião Budismo Comunidades monásticas budistas
  • 26. Análise de Domínio Tennis (2003) Graus de especialização: intersecção "Geralmente, o que é percebido como um domínio estabelecido tem uma intersecção com outro domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa). "Cria uma tensão entre as partes envolvidas, propósitos, e operações do domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa). Pode gerar um novo nome para o domínio, (TENNIS, 2003).
  • 27. Análise de Domínio Tennis (2003) Graus de especialização: intersecção Exemplos de Intersecção: Ética biomédica, Pensamento feminista, etc.
  • 28. Análise de Domínio Tennis (2003) "Graus de especialização oferece uma forma da análise de domínio qualificar um domínio. Foco e intersecção aumentam a intensidade do domínio. E, fazendo isso, delineia o que é estudado na análise do domínio", (TENNIS, 2003, p. 194, tradução nossa).
  • 29. Análise de Domínio Castanha e Grácio (2014) A análise de domínio contribui para o desenvolvimento de estudo bibliométricos e reforçam a necessidade de aplicar análises epistemológicas, sociológicas e históricas a esses estudos. Castanha e Grácio (2015) Propõe uma nova abordagem da análise de domínio: Estudos de Genealogia Acadêmica.
  • 30. Análise de Domínio Castanha e Grácio (2015) São estudos da herança intelectual, operacionalizada pelas relações interdependentes entre os alunos e seus orientadores (SUGIMOTO, 2014). É um tipo específico de rede social, caracterizada como árvore, e de colaboração científica, uma vez que seus atores são os orientadores e orientandos.
  • 31. Análise de Domínio Guimarães e Tognoli (2015) Discute a aplicabilidade da análise de domínio na Arquivologia. O princípio da proveniência é discutido como uma nova abordagem da análise de domínio. “Proveniência garante que o contexto de criação dos registros ou documentos é mantida”. (GUIMARÃES; TOGNOLI, 2015, p. 565, tradução nossa).
  • 32. Análise de Domínio Smiraglia (2015) Propõe uma revisão das 11 abordagens: Exclui a terceira e a décima abordagem: Indexação e recuperação de especialidades; Comunicação científica. Adiciona duas outras: Semântica de bases de dado e análise do discurso.
  • 33. Análise de Domínio Hjorland (2017) “Análise de domínio é uma teoria sobre e uma abordagem para a biblioteconomia, ciência da informação e organização do conhecimento. Os objetos da organização do conhecimento podem ser generalizados para serem, em particular, sobre Sistemas de Organização do Conhecimento (SOC) e Processos de Organização do Conhecimento (POC) (por exemplo o sistema de classificação e o processo de classificação)”, (Hjørland, 2017, p. 437, tradução nossa).
  • 34. Análise de Domínio Bufrem e Freitas (2015) Interdomínio [...] um processo relacional, representado em um espaço comum entre dois ou mais domínios ou campos do conhecimento. Ciência da Informação Sociologia
  • 35. Análise de Domínio Freitas (2017) Interdomínio “[...] considera os Estudos Métricos da Informação como um interdomínio estabelecido entre a Ciência da Informação (CI) e outros campos do conhecimento, em que o conhecimento gerado depende da amálgama dos conhecimentos oriundos de ambos os campos”, (FREITAS, 2017, p. 6). Ciência da Informação Medicina
  • 36. Minha Pesquisa Epistemologia da Organização do Conhecimento Descrever a concepção de epistemologia no periódico Knowledge Organization por meio da metateoria. Orientador: Prof .Dr. José Augusto Chaves Guimarães Coorientador: Prof. Dr. Joseph Tennis
  • 37. Minha Pesquisa Delimitação do Domínio Área de modulação Domínio: Organização do conhecimento Extensão: Epistemologia da organização do conhecimento Grau de especialização Foco: Produção científica sobre epistemologia da OC publicada no periódico Knowledge Organization. Intersecção: Epistemologia Organização do Conhecimento Filosofia
  • 38. Minha Pesquisa Epistemologia da Organização do Conhecimento 32 artigos sobre Epistemologia da Organização do Conhecimento publicados no periódico Knowledge Organization. Abordagens: Estudos bibliométricos; estudos epistemológicos e críticos; comunicação científica.
  • 39. Referências AMORIM, I. S.; CAFÉ, L. M. A. Os conceitos de comunidade discursiva, domínio e linguagem na análise de domínio Hjørlandiana. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 17., Salvador, BA. Anais... Salvador, BA: UFBA, 2016. p. 1-21. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/47994 Acesso em 8 abr. 2018. CASTANHA, R.; GRACIO, M. Bibliometrics contribution to the metatheoretical and domain analysis studies. Knowledge Organization, v. 41, n. 2, p. 171–174, 2014. CASTANHA, R.; GRACIO, M. Estudos de genealogia acadêmica como abordagem para análise de domínio. In: GUIMARÃES, J. A. C.; DODEBEI, V. (Eds.). . Organização do conhecimento e diversidade cultural. Marília, SP: FUNDEP; ISKO-Brasil, 2015. p. 108-116. (Estudos Avançados em Organização do Conhecimento), v.3. GUIMARÃES, J. A. C.; TOGNOLI, N. B. Provenance as a Domain Analysis Approach in Archival Knowledge Organization. Knowledge Organization, n. 8, p. 562–569, 2015.
  • 40. Referências HJØRLAND, B. Domain analysis in information science: Eleven approaches – traditional as well as innovative. Journal of Documentation, v. 58, n. 4, p. 422–462, ago. 2002. HJØRLAND, B. Domain analysis. Knowledge Organization, v. 44, n. 6, p. 436–464, nov. 2017. (Reviews of Concepts in Knowledge Organization). HJØRLAND, B.; ALBRECHTSEN, H. Toward a new horizon in information science: domain-analysis. Journal of The American Society for information Science, v. 46, n. 6, p. 400–425, 1995. LLOYD, C. As estruturas da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1995. NEIGHBORS, J.M. Software construction using componentes: technical report 160, Department of Information and Computer Sciences. Irvine, CA : University of California, 1980.
  • 41. Referências SMIRAGLIA, R.P.. Epistemology of domain analysis. In: SMIRAGLIA, R.P., LEE, H. (Eds.), Cultural frames of knowledge. Ergon: W€urzburg, 2012. p. 111–124. SUGIMOTO, C.R. Academic Genealogy. In: CRONIN, B.; SUGIMOTO, C.R.(Eds.). Beyond bibliometrics: harnessing multidimensional indicators at scholarly impact. Cambridge: MIT Press, 2014. TENNIS, J. T. Two axes of domains for domain analysis. Knowledge Organization, v. 30, n. 3/4, p. 191–195, 2003. TENNIS, J. T. What does domain analysis look like in form, function and genre? Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, v. 6, n. 1, 2012. THELLEFSEN, T.L.; THELLEFSEN, M.M. Pragmatic semiotics and knowledge organization. Knowledge Organization, v. 31, n. 3, p.177-187, 2004.
  • 42. Análise de domínio by Paula Carina de Araújo is licensed under a Creative Commons Attibution 4.0 International Licence. Licença de uso
  • 43. ARAÚJO, PAULA Carina de. Análise de domínio, 2018. 42 slides. Como referenciar
  • 44. Paula Carina de Araújo paula.carina.a@gmail.com Suzzallo Library – University of Washington Seattle, WA.

Notas do Editor

  1. Cognição científico, conhecimento especializado e IA fornecem “modelos mentais de um domínio” ou, ainda, “métodos para obter conhecimento de modo a produzir sistemas especialistas”.