SlideShare uma empresa Scribd logo
A Classificação Decimal de Dewey - CDD Por Carla Façanha de Brito
O começo: processo mental Aristóteles e a razão inata:  a substância e a forma Ex: Couro e sapato ?? Diferenciação entre o homem e as coisas ao seu redor?? Atitudes e ações Suprir necessidades: vestir, comer, aquecer etc. James Duff Brown  estabeleceu em 1916 que a classificação era um " processo mental " constantemente executado de forma consciente e inconsciente por qualquer ser humano, ainda que não reconhecido como tal.
Arrumando a casa !! Vivemos em um mundo complexo e heterogêneo: Idiomas diferenciados, variadas formas de expressão, novas idéias e teorias etc Evolução da humanidade Como conseguir que o conhecimento acumulado, e as novas descobertas sejam ordenados, para estes não venham a  se perder? Busca da universalização e a internacionalização das formas de pensamento. Comunicação oral ?? Década de 60: 60.000 revistas científicas e um milhão de artigos individuais. As linguagens documentárias permitiram a pelo menos termos acesso aos  avanços culturais e assim na construção de um novo conhecimento, por meio de uma ordenação.
A Trilogia Linguagem  Comunicação  Informação Pela linguagem o homem recebe o que as gerações passadas passaram para ele. Recebe não percebendo a extensão do mundo Percebe a extensão do mundo, apropriando, modificando e construindo um mundo novo. Comunicação: troca e relação com outros conhecimentos. E nessa comunicação, que se formam dois esteios importantes. O primeiro é fundamental e o outro, a sua conseqüência: a linguagem e a informação . O que fazer para se ter uma linguagem compreensível que proporcione um comunicação?
Controle da linguagem A linguagem evolui no mesmo ritmo da evolução da humanidade. Linguagem + documentação + Necessidade de ordenação do conhecimento Necessidade e entendimento dos povos Segundo Emília Currás “  é importante ordenar o conhecimento e estabelecer as relações oportunas entre os diferentes idiomas, para não se cair novamente em uma Torre de Babel”.
O ato de classificar De acordo com Valente, a  Classificação  consiste no ato de classificar, de distribuir por classes, por categorias, segundo uma certa ordem e método. Segundo  Lentino (1971) , a classificação é, pois “ um processo mental, pelo qual as coisas são reunidas de acordo com o grau de semelhança ”. Para ordenar o conhecimento é pertinente o estabelecimento de  classes  , ou seja, arrumar as idéias num sistema organizado do pensamento. Existem vários tipos de organizações, como por exemplo:  as alfabéticas, as numéricas e as alfanuméricas. As classificações são uma preciosa ajuda para a  recuperação de informação , ajudam-nos a fazer uma triagem por assunto/ áreas de interesse. Quanto mais universal for a classificação, mais probabilidade terá de ser partilhada.
Melvil Dewey  na busca de uma ordenação Melvil Dewey , nasceu  em 1851.  Com a idade de  cinco anos  revelava já o tipo de preocupação que lhe iria marcar a vida inteira:  teria proporcionado à  despensa de sua mãe uma organização sistemática ,  mais de acordo com a necessidade de recuperar os itens de mantimentos ali armazenados.  Aluno do  Amherst College ,  de Amherst,  Massachussetts ,  conseguiu,  em 1872,  o cargo de assistente de biblioteca ,  apresentando,  no ano seguinte,  um plano de reorganização da biblioteca daquele Colégio de maneira mais sistemática.  Em 1874 foi promovido a Assistant College Librarian ,  publicando em  1876,  anonimamente,  uma obra que viria revolucionar a Biblioteconomia de então ,  com enorme repercussão nos anos futuros:  o  Classification and Subject Index for Cataloguing and Arranging the Books and Pamphlets of a library.   Ainda em  1876  tornou-se o  primeiro redator-chefe do Library Journal ,  além de  membro-fundador da American Library Association ,  e seu primeiro secretário.  Em  1887  fundou a  primeira escola de Biblioteconomia dos Estados Unidos  (Columbia Unversity),   e,  no transcurso de uma longa existência  ( faleceu em 1931,  com 80 anos ) participou ativamente não apenas de quase todos os aspectos da Biblioteconomia,  mas também de áreas afins,  como a reforma ortográfica  da língua inglesa,  por ele adotada nas primeiras edições do Sistema,  cuja natureza e extensão podem ser vislumbradas ainda na  Introdução  de algumas edições mais antigas  (como a 12a.) da mais famosa de suas contribuições para a Biblioteconomia:  a  Classificação Decimal .
A Classificação Decimal Na segunda metade do século XIX, surgiu nos Estados Unidos, a primeira classificação decimal de livros:  "A Classificação Decimal de Melvil Dewey".  Uma idéia que hoje nos parece tão simples e que, no entanto, foi verdadeiramente revolucionária - a utilização de  números arábicos   decimais   simbolizando os assuntos, para a arrumação de livros nas estantes das bibliotecas . A concepção do jovem bibliotecário do Amherst College foi apresentada sem sua 1º edição sob a forma de um folheto de  42 páginas, em l876 , que  trazia  doze páginas de Introdução,  doze de Tabelas e dezoito de Índice .  Sua evolução foi tanta que em  1967, em sua 17° edição  já contava com  2.000 páginas . Hoje, em sua  21a. edição , a obra apresenta-se como um trabalho monumental, em  4 volumes , existindo toda uma organização editorial para a sua atualização.  V.1 Introdução e tabelas auxiliares V.2 Classes principais  0 a 5 V.3 Classes principais  6 a 9 V.4 Índice alfabético e manual
O Sistema CDD O sistema de classificação de Dewey é o mais antigo,  e,  provavelmente,  o de uso mais difundido dentre os denominados sistemas modernos.  Segundo a  Introdução  de sua  vigésima edição, é usado  em mais de 135 países ,  e foi  traduzido para mais de 30 idiomas .  Nos Estados Unidos é o adotado pela maioria esmagadora  (noventa e cinco por cento)  das bibliotecas,  isto é,  a quase totalidade das bibliotecas públicas e escolares,  vinte cinco por cento das universitárias e vinte por cento das especializadas. Foi traduzido,  com ou sem abreviação,  expansão ou adaptação,  para diversos idiomas,  como,  por exemplo,  o espanhol,  o norueguês,  o turco,  o francês,  o japonês,  o singalês,  o português e o tailandês .  Em 1895 o antecessor do que é hoje a Federação Internacional de Informação e Documentação  (FID),  através de acordo com Melvil Dewey,  adotou a Classificação Decimal como base para sua  indexação bibliográfica  internacional por assunto.  Essa indexação se transformou na Classificação Decimal,  conhecida também como  Classificação de Bruxelas ,  hoje Classificação Decimal Universal  (CDU),  que,  por sua vez,  foi traduzida para diversas línguas. Embora haja diferenças entre a CDD e a CDU,  as bases de ambas permanecem essencialmente as mesmas.
Características A  CDD é um sistema  de classificação ,  isto é,  um mapa completo das áreas do conhecimento,  mostrando todos os seus conceitos e suas relações.  É considerada,  na verdade,  como a primeira classificação verdadeiramente bibliográfica no sentido moderno.  É um sistema hierárquico ,  em que as idéias, os conceitos são representados em suas múltiplas relações de coordenação,  de subordinação e de superordenação.  É  um sistema de classificação decimal ,  isto é,  adota como princípio fundamental a divisibilidade do todo,  que é o conhecimento,  em dez partes,  baseando-se numa divisão inicial desse mesmo conhecimento em  disciplinas e subdisciplinas.   As disciplinas são encaradas como grandes ramos do conhecimento, que englobam conceitos ou idéias menores,  vistos como subdivisão ou derivação daquelas.  Assim,  a Filosofia,  a Religião,  as Ciência Sociais,  as Ciências Puras,  as Aplicadas,  a História, são consideradas disciplinas,  enquanto a Economia,  a Sociologia,  a Música,  a Zoologia,  a Botânica,  são subdisciplinas em relação às grandes áreas em que se  inserem.
Características É um sistema de classificação estruturado ,  abrangendo  as seguintes partes: Conjunto de dez classes principais,  reunindo obras sobre todos os assuntos;  Conjunto de sete classes menores reunindo idéias adjetivas daquelas; Notação,  que permite ordenar com lógica os assuntos e os documentos;  Índice  alfabético,  para mais fácil acesso aos assuntos representados pelos números do Sistema nas diversas classes. É um sistema de classificação enumerativo:  relaciona todos os assuntos e todas as combinações/associações/relações possíveis entre os mesmos.  É,  por conseguinte,  o oposto das classificações analítico-sintéticas,  que proporcionam não listas fechadas  (pré-coordenadas de assuntos),  mas listas de  propostas/ possibilidades/facetas,  ficando a cargo do classificador a tarefa de combinar esses assuntos e seus símbolos segundo a necessidade e as exigências do contexto específico.
Estrutura da CDD A CDD organiza todo o conhecimento em  dez classes principais  que, segundo a descrição da  Wikipédia , excluindo a primeira (000 Computadores, informação e referência geral), prosseguem do metafísico (filosofia e religião) ao mundano (história e geografia).  A inteligência da CDD está na escolha de  números decimais  para suas categorias; isto permite que o sistema seja ao mesmo tempo  puramente numérico e infinitamente hierárquico .  Utiliza alguns mecanismos de uma  classificação facetada,  combinando elementos de diferentes partes da estrutura para construir um número representando o assunto do conteúdo (frequentemente combinando dois elementos de assuntos juntando números que representam áreas geográficas ou épocas) e sua forma, em vez de extrair a representação de uma única lista contendo cada classe e seu significado.
Classes Principais O sistema é composto de dez categorias: 000 Computadores, informação e referência geral  100 Filosofia e psicologia  200 Religião 300 Ciências sociais  400 Línguas  500 Ciência e matemática  600 Tecnologia 700 Arte e lazer  800 Literatura 900 História e geografia
As subdivisões  Possibilidades infinitas de um sistema Cada classe é por sua vez dividida, sucessivamente, em grupos numerados de 1 a 9. A partir do terceiro algarismo, o sistema passa a desenvolver-se por meio de números decimais, continuando a ser subdividido por nove subclasses, até onde a especialização do assunto mostrar necessário.  Ex :  A classe Ciências Sociais apresenta a seguinte subdivisão:   300 - Ciências Sociais 310 - Estatística  320 - Ciência Política 330 - Economia 340 - Direito 350 - Administração Pública 360 - Assistência Social e Instituições 370 - Educação 380 - Comércio e Comunicações 390 - Usos e Costumes
Tabelas auxiliares 1. Subdivisões padrão 2. Subdivisões de área 3. Subdivisões de literaturas individuais 4. Subdivisões de línguas individuais 5. Subdivisões raciais,  étnicas,  nacionais 6. Subdivisões  de línguas 7. Subdivisões  de pessoas
A forma Os números de forma, ou divisões de forma, são adotados para agrupar, dentro de uma classe geral ou subdivisão, o material bibliográfico que apresenta certas características especiais na maneira em que o assunto é tratado. Como por exemplo, em forma de dicionário, em verbetes, em coletâneas de trabalhos esparsos ou em outras formas.  Os números de forma são os seguintes :  01 - Teoria, filosofia Assuntos expostos do ponto de vista teórico ou Filosófico.  02 - Compêndios Assuntos apresentados em forma resumida, geralmente para utilização no ensino.  03 - Dicionários e enciclopédias Assunto tratado, geralmente, em verbetes, dando somente o significado dos termos, no caso dos dicionários, ou mais longamente, o caso das enciclopédias.  04 - Discursos, ensaios, conferências Quando o material apresentado sob essas formas trata de um assunto específico.  05 - Periódicos  Publicações em série, sobre determinado assunto, apresentadas em fascículos numerados, com duração indeterminada.  O6 - Sociedades Publicações oficiais de sociedades eruditas: atas, relatórios, anuários etc.  07 - Estudo e Ensino A didática de um determinado assunto.  08 - Coleções, poligrafia Coletâneas de trabalhos diversos sobre um assunto, do mesmo ou de vários autores.  09 - A história de um assunto ou sua divisão por países Exemplos: 340.03 - Enciclopédias ou dicionários de Direito 340.05 - Periódicos de Direito 342.29009 - História do Direito Marítimo
Emprego da Divisão Geográfica   Qualquer assunto pode ser dividido geograficamente por meio da divisão de forma - História - seguida do número do país específico.  Exemplo: Sociedades comerciais na França -  342.22 09 44 (Sociedades comerciais 342.22 + Número de forma - 09 + Número da França - 44)  Em certos assuntos, porém, as tabelas já prevêem a divisão geográfica, mediante a indicação, dividir como 930-999. Nesses casos, não é necessária a utilização do número de forma 09, acrescentando-se, diretamente, ao número de assunto, o número do país.  Exemplo: Constituições do Brasil - 341.24 81  (Constituições - 341.24 + Número do Brasil - 81)
Índice Alfabético Um elemento importante num sistema de classificação é o índice Alfabético de Assuntos, que representa a chave para a consulta às tabelas.  O usuário deve consultar sempre o índice antes de classificar qualquer publicação, o que poderá lhe dar a indicação de um novo aspecto do assunto em questão, no qual a obra ficará melhor localizada.  Porém, nunca deve ser feita a classificação diretamente pelo índice, sem consulta às tabelas, o que poderá induzir o classificador a graves erros.
Quem controla a CDD? A empresa  Online   Computer  Library Center adquiriu a marca registrada e os direitos autorais relativos ao Systema Decimal de Dewey quando incorporou a editora Forest Press em 1988. A OCLC classifica livros novos lançados no mercado americano e atualiza o sistema de classificação.
Praticando a CDD Exercícios (ver quadro)
“ Livro algum [...] é tão bom que não possa torna-se melhor graças a um bom índice, e livro algum tão ruim que não possa, graças a esse acessório, fugir a pior das condenações” Sir. Edward Cook
Bibliografia KAULA, Prithvi N .   Repensando os conceitos no estudo da classificação.< http://www.conexaorio.com/biti/kaula/index.htm >  Acessado em: 02 de abril de 2007. LENTINO, Noêmia.  Guia teórico e prático e comparado dos principais sistemas de classificação bibliográfica . São Paulo: Polígono, 1971. VALENTE, Iolanda Sofia Rendeiro.  Comparação entre Formatos de Classificação CDD, CDU e LCC.  Porto: NOVA ET NOVA, 2003.< http://www.cerem.ufp.pt/~nribeiro/aulas/tid/TID_iolanda_valente.pdf >.  Acessada em: 03 de Abril de 2007. WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre .   Classificação decimal de Dewey.< http://pt.wikipedia.org/wiki/Classifica %C3%A7%C3%A3o_ decimal_de_Dewey > Acessado em:02 de abril de 2007.
Obrigada pela atenção de todos!!! Carla Façanha de Brito [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
Rodrigo Rocha
 
CDU
CDUCDU
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
Marcelo Votto
 
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em BibliotecasClassificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Lygia Canelas
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
Patricia Neubert
 
2 histórico da catalogação
2 histórico da catalogação2 histórico da catalogação
2 histórico da catalogação
Maika Amorim
 
Aula 4 biblioteca especializada
Aula 4 biblioteca especializadaAula 4 biblioteca especializada
Aula 4 biblioteca especializada
Biblio 2010
 
Classificações bibliográficas
Classificações bibliográficasClassificações bibliográficas
Classificações bibliográficas
Igor Falce
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
Charles Fernandes de Souza
 
Classificação Decimal Universal 1
Classificação Decimal Universal 1Classificação Decimal Universal 1
Classificação Decimal Universal 1
Raquel Prado Leite de Sousa
 
Minicurso - Catalogação em RDA
Minicurso - Catalogação em RDAMinicurso - Catalogação em RDA
Minicurso - Catalogação em RDA
Universidade de São Paulo
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Benildes Maculan
 
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description AccessOs Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
Universidade de São Paulo
 
Serviço processo referencia
Serviço processo referencia Serviço processo referencia
Serviço processo referencia
Célia Dias
 
Classificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
Classificação Decimal de Dewey (CDD) ExplicadaClassificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
Classificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
Juliana Lima
 
Basicão de auxiliar de biblioteca
Basicão de auxiliar de bibliotecaBasicão de auxiliar de biblioteca
Basicão de auxiliar de biblioteca
LucianoLLC
 
Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas
Ana Glenyr
 
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitualExaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Luciana Piovezan
 
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
camilasarmento80
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Thalita Gama
 

Mais procurados (20)

Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
 
CDU
CDUCDU
CDU
 
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
 
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em BibliotecasClassificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
 
A questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis GroganA questão de Referência - Denis Grogan
A questão de Referência - Denis Grogan
 
2 histórico da catalogação
2 histórico da catalogação2 histórico da catalogação
2 histórico da catalogação
 
Aula 4 biblioteca especializada
Aula 4 biblioteca especializadaAula 4 biblioteca especializada
Aula 4 biblioteca especializada
 
Classificações bibliográficas
Classificações bibliográficasClassificações bibliográficas
Classificações bibliográficas
 
Sistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informaçãoSistemas e redes de informação
Sistemas e redes de informação
 
Classificação Decimal Universal 1
Classificação Decimal Universal 1Classificação Decimal Universal 1
Classificação Decimal Universal 1
 
Minicurso - Catalogação em RDA
Minicurso - Catalogação em RDAMinicurso - Catalogação em RDA
Minicurso - Catalogação em RDA
 
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introduçãoClassificacoes Bibliográficas: uma introdução
Classificacoes Bibliográficas: uma introdução
 
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description AccessOs Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
Os Rumos da Catalogação Contemporâneas: RDA: Resource Description Access
 
Serviço processo referencia
Serviço processo referencia Serviço processo referencia
Serviço processo referencia
 
Classificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
Classificação Decimal de Dewey (CDD) ExplicadaClassificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
Classificação Decimal de Dewey (CDD) Explicada
 
Basicão de auxiliar de biblioteca
Basicão de auxiliar de bibliotecaBasicão de auxiliar de biblioteca
Basicão de auxiliar de biblioteca
 
Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas
 
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitualExaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
Exaustividade, precisão e consistência em indexação: sistematização conceitual
 
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
Tabela de classificação por cores (Organização do acervo)
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
 

Semelhante a A Classificação Decimal de Dewey - CDD

manual-cdd.pdf
manual-cdd.pdfmanual-cdd.pdf
manual-cdd.pdf
Institutocozimax
 
Seminário1.ppt
 Seminário1.ppt  Seminário1.ppt
Seminário1.ppt
leticiafpereira
 
Dewey Apresentação 27/06/2009
Dewey Apresentação 27/06/2009Dewey Apresentação 27/06/2009
Dewey Apresentação 27/06/2009
dewey2009
 
Trabalho Do Dewey
Trabalho Do DeweyTrabalho Do Dewey
Trabalho Do Dewey
dewey2009
 
Formação bibliotecas
Formação bibliotecasFormação bibliotecas
Formação bibliotecas
Karen Kampa
 
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursivaA pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
Pedro Lima
 
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iiiPesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdfadmin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
Wagner Montanhini
 
Tcc
TccTcc
A eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didáticaA eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didática
LUZIANDERSON RAMOS
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
lucipicareta
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Biblioteca Avelar Brotero
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Biblioteca Avelar Brotero
 
Fichamento - Giliane
Fichamento - GilianeFichamento - Giliane
Fichamento - Giliane
pibidsociais
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunos
Domingos Boieiro
 
Bibli. universitaria
Bibli. universitariaBibli. universitaria
Bibli. universitaria
Biblio 2010
 
A invenção da cultura trecho
A invenção da cultura   trechoA invenção da cultura   trecho
A invenção da cultura trecho
Nayala Duailibe
 
Ivan illich
Ivan illichIvan illich
Ivan illich
Giba Canto
 
Origem da biblioteconomia
Origem da biblioteconomiaOrigem da biblioteconomia
Origem da biblioteconomia
Gabrielle Francinne Tanus
 
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souzaO entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
Artetudo
 

Semelhante a A Classificação Decimal de Dewey - CDD (20)

manual-cdd.pdf
manual-cdd.pdfmanual-cdd.pdf
manual-cdd.pdf
 
Seminário1.ppt
 Seminário1.ppt  Seminário1.ppt
Seminário1.ppt
 
Dewey Apresentação 27/06/2009
Dewey Apresentação 27/06/2009Dewey Apresentação 27/06/2009
Dewey Apresentação 27/06/2009
 
Trabalho Do Dewey
Trabalho Do DeweyTrabalho Do Dewey
Trabalho Do Dewey
 
Formação bibliotecas
Formação bibliotecasFormação bibliotecas
Formação bibliotecas
 
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursivaA pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
 
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iiiPesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
 
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdfadmin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
admin,+12179-Thaís+Crepaldi+Watanabe,+Alexandre+Guimarães+Tadeu+de+Soares.pdf
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
A eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didáticaA eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didática
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
 
Fichamento - Giliane
Fichamento - GilianeFichamento - Giliane
Fichamento - Giliane
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunos
 
Bibli. universitaria
Bibli. universitariaBibli. universitaria
Bibli. universitaria
 
A invenção da cultura trecho
A invenção da cultura   trechoA invenção da cultura   trecho
A invenção da cultura trecho
 
Ivan illich
Ivan illichIvan illich
Ivan illich
 
Origem da biblioteconomia
Origem da biblioteconomiaOrigem da biblioteconomia
Origem da biblioteconomia
 
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souzaO entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
O entre lugar_e_os_estudos_culturais_-_marcos_souza
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 

A Classificação Decimal de Dewey - CDD

  • 1. A Classificação Decimal de Dewey - CDD Por Carla Façanha de Brito
  • 2. O começo: processo mental Aristóteles e a razão inata: a substância e a forma Ex: Couro e sapato ?? Diferenciação entre o homem e as coisas ao seu redor?? Atitudes e ações Suprir necessidades: vestir, comer, aquecer etc. James Duff Brown estabeleceu em 1916 que a classificação era um &quot; processo mental &quot; constantemente executado de forma consciente e inconsciente por qualquer ser humano, ainda que não reconhecido como tal.
  • 3. Arrumando a casa !! Vivemos em um mundo complexo e heterogêneo: Idiomas diferenciados, variadas formas de expressão, novas idéias e teorias etc Evolução da humanidade Como conseguir que o conhecimento acumulado, e as novas descobertas sejam ordenados, para estes não venham a se perder? Busca da universalização e a internacionalização das formas de pensamento. Comunicação oral ?? Década de 60: 60.000 revistas científicas e um milhão de artigos individuais. As linguagens documentárias permitiram a pelo menos termos acesso aos avanços culturais e assim na construção de um novo conhecimento, por meio de uma ordenação.
  • 4. A Trilogia Linguagem Comunicação Informação Pela linguagem o homem recebe o que as gerações passadas passaram para ele. Recebe não percebendo a extensão do mundo Percebe a extensão do mundo, apropriando, modificando e construindo um mundo novo. Comunicação: troca e relação com outros conhecimentos. E nessa comunicação, que se formam dois esteios importantes. O primeiro é fundamental e o outro, a sua conseqüência: a linguagem e a informação . O que fazer para se ter uma linguagem compreensível que proporcione um comunicação?
  • 5. Controle da linguagem A linguagem evolui no mesmo ritmo da evolução da humanidade. Linguagem + documentação + Necessidade de ordenação do conhecimento Necessidade e entendimento dos povos Segundo Emília Currás “ é importante ordenar o conhecimento e estabelecer as relações oportunas entre os diferentes idiomas, para não se cair novamente em uma Torre de Babel”.
  • 6. O ato de classificar De acordo com Valente, a Classificação consiste no ato de classificar, de distribuir por classes, por categorias, segundo uma certa ordem e método. Segundo Lentino (1971) , a classificação é, pois “ um processo mental, pelo qual as coisas são reunidas de acordo com o grau de semelhança ”. Para ordenar o conhecimento é pertinente o estabelecimento de classes , ou seja, arrumar as idéias num sistema organizado do pensamento. Existem vários tipos de organizações, como por exemplo: as alfabéticas, as numéricas e as alfanuméricas. As classificações são uma preciosa ajuda para a recuperação de informação , ajudam-nos a fazer uma triagem por assunto/ áreas de interesse. Quanto mais universal for a classificação, mais probabilidade terá de ser partilhada.
  • 7. Melvil Dewey na busca de uma ordenação Melvil Dewey , nasceu em 1851. Com a idade de cinco anos revelava já o tipo de preocupação que lhe iria marcar a vida inteira: teria proporcionado à despensa de sua mãe uma organização sistemática , mais de acordo com a necessidade de recuperar os itens de mantimentos ali armazenados. Aluno do Amherst College , de Amherst, Massachussetts , conseguiu, em 1872, o cargo de assistente de biblioteca , apresentando, no ano seguinte, um plano de reorganização da biblioteca daquele Colégio de maneira mais sistemática. Em 1874 foi promovido a Assistant College Librarian , publicando em 1876, anonimamente, uma obra que viria revolucionar a Biblioteconomia de então , com enorme repercussão nos anos futuros: o Classification and Subject Index for Cataloguing and Arranging the Books and Pamphlets of a library. Ainda em 1876 tornou-se o primeiro redator-chefe do Library Journal , além de membro-fundador da American Library Association , e seu primeiro secretário. Em 1887 fundou a primeira escola de Biblioteconomia dos Estados Unidos (Columbia Unversity), e, no transcurso de uma longa existência ( faleceu em 1931, com 80 anos ) participou ativamente não apenas de quase todos os aspectos da Biblioteconomia, mas também de áreas afins, como a reforma ortográfica da língua inglesa, por ele adotada nas primeiras edições do Sistema, cuja natureza e extensão podem ser vislumbradas ainda na Introdução de algumas edições mais antigas (como a 12a.) da mais famosa de suas contribuições para a Biblioteconomia: a Classificação Decimal .
  • 8. A Classificação Decimal Na segunda metade do século XIX, surgiu nos Estados Unidos, a primeira classificação decimal de livros: &quot;A Classificação Decimal de Melvil Dewey&quot;. Uma idéia que hoje nos parece tão simples e que, no entanto, foi verdadeiramente revolucionária - a utilização de números arábicos decimais simbolizando os assuntos, para a arrumação de livros nas estantes das bibliotecas . A concepção do jovem bibliotecário do Amherst College foi apresentada sem sua 1º edição sob a forma de um folheto de 42 páginas, em l876 , que trazia doze páginas de Introdução, doze de Tabelas e dezoito de Índice . Sua evolução foi tanta que em 1967, em sua 17° edição já contava com 2.000 páginas . Hoje, em sua 21a. edição , a obra apresenta-se como um trabalho monumental, em 4 volumes , existindo toda uma organização editorial para a sua atualização. V.1 Introdução e tabelas auxiliares V.2 Classes principais 0 a 5 V.3 Classes principais 6 a 9 V.4 Índice alfabético e manual
  • 9. O Sistema CDD O sistema de classificação de Dewey é o mais antigo, e, provavelmente, o de uso mais difundido dentre os denominados sistemas modernos. Segundo a Introdução de sua vigésima edição, é usado em mais de 135 países , e foi traduzido para mais de 30 idiomas . Nos Estados Unidos é o adotado pela maioria esmagadora (noventa e cinco por cento) das bibliotecas, isto é, a quase totalidade das bibliotecas públicas e escolares, vinte cinco por cento das universitárias e vinte por cento das especializadas. Foi traduzido, com ou sem abreviação, expansão ou adaptação, para diversos idiomas, como, por exemplo, o espanhol, o norueguês, o turco, o francês, o japonês, o singalês, o português e o tailandês . Em 1895 o antecessor do que é hoje a Federação Internacional de Informação e Documentação (FID), através de acordo com Melvil Dewey, adotou a Classificação Decimal como base para sua indexação bibliográfica internacional por assunto. Essa indexação se transformou na Classificação Decimal, conhecida também como Classificação de Bruxelas , hoje Classificação Decimal Universal (CDU), que, por sua vez, foi traduzida para diversas línguas. Embora haja diferenças entre a CDD e a CDU, as bases de ambas permanecem essencialmente as mesmas.
  • 10. Características A CDD é um sistema de classificação , isto é, um mapa completo das áreas do conhecimento, mostrando todos os seus conceitos e suas relações. É considerada, na verdade, como a primeira classificação verdadeiramente bibliográfica no sentido moderno. É um sistema hierárquico , em que as idéias, os conceitos são representados em suas múltiplas relações de coordenação, de subordinação e de superordenação. É um sistema de classificação decimal , isto é, adota como princípio fundamental a divisibilidade do todo, que é o conhecimento, em dez partes, baseando-se numa divisão inicial desse mesmo conhecimento em disciplinas e subdisciplinas. As disciplinas são encaradas como grandes ramos do conhecimento, que englobam conceitos ou idéias menores, vistos como subdivisão ou derivação daquelas. Assim, a Filosofia, a Religião, as Ciência Sociais, as Ciências Puras, as Aplicadas, a História, são consideradas disciplinas, enquanto a Economia, a Sociologia, a Música, a Zoologia, a Botânica, são subdisciplinas em relação às grandes áreas em que se inserem.
  • 11. Características É um sistema de classificação estruturado , abrangendo as seguintes partes: Conjunto de dez classes principais, reunindo obras sobre todos os assuntos; Conjunto de sete classes menores reunindo idéias adjetivas daquelas; Notação, que permite ordenar com lógica os assuntos e os documentos; Índice alfabético, para mais fácil acesso aos assuntos representados pelos números do Sistema nas diversas classes. É um sistema de classificação enumerativo: relaciona todos os assuntos e todas as combinações/associações/relações possíveis entre os mesmos. É, por conseguinte, o oposto das classificações analítico-sintéticas, que proporcionam não listas fechadas (pré-coordenadas de assuntos), mas listas de propostas/ possibilidades/facetas, ficando a cargo do classificador a tarefa de combinar esses assuntos e seus símbolos segundo a necessidade e as exigências do contexto específico.
  • 12. Estrutura da CDD A CDD organiza todo o conhecimento em dez classes principais que, segundo a descrição da Wikipédia , excluindo a primeira (000 Computadores, informação e referência geral), prosseguem do metafísico (filosofia e religião) ao mundano (história e geografia). A inteligência da CDD está na escolha de números decimais para suas categorias; isto permite que o sistema seja ao mesmo tempo puramente numérico e infinitamente hierárquico . Utiliza alguns mecanismos de uma classificação facetada, combinando elementos de diferentes partes da estrutura para construir um número representando o assunto do conteúdo (frequentemente combinando dois elementos de assuntos juntando números que representam áreas geográficas ou épocas) e sua forma, em vez de extrair a representação de uma única lista contendo cada classe e seu significado.
  • 13. Classes Principais O sistema é composto de dez categorias: 000 Computadores, informação e referência geral 100 Filosofia e psicologia 200 Religião 300 Ciências sociais 400 Línguas 500 Ciência e matemática 600 Tecnologia 700 Arte e lazer 800 Literatura 900 História e geografia
  • 14. As subdivisões Possibilidades infinitas de um sistema Cada classe é por sua vez dividida, sucessivamente, em grupos numerados de 1 a 9. A partir do terceiro algarismo, o sistema passa a desenvolver-se por meio de números decimais, continuando a ser subdividido por nove subclasses, até onde a especialização do assunto mostrar necessário. Ex : A classe Ciências Sociais apresenta a seguinte subdivisão: 300 - Ciências Sociais 310 - Estatística 320 - Ciência Política 330 - Economia 340 - Direito 350 - Administração Pública 360 - Assistência Social e Instituições 370 - Educação 380 - Comércio e Comunicações 390 - Usos e Costumes
  • 15. Tabelas auxiliares 1. Subdivisões padrão 2. Subdivisões de área 3. Subdivisões de literaturas individuais 4. Subdivisões de línguas individuais 5. Subdivisões raciais, étnicas, nacionais 6. Subdivisões de línguas 7. Subdivisões de pessoas
  • 16. A forma Os números de forma, ou divisões de forma, são adotados para agrupar, dentro de uma classe geral ou subdivisão, o material bibliográfico que apresenta certas características especiais na maneira em que o assunto é tratado. Como por exemplo, em forma de dicionário, em verbetes, em coletâneas de trabalhos esparsos ou em outras formas. Os números de forma são os seguintes : 01 - Teoria, filosofia Assuntos expostos do ponto de vista teórico ou Filosófico. 02 - Compêndios Assuntos apresentados em forma resumida, geralmente para utilização no ensino. 03 - Dicionários e enciclopédias Assunto tratado, geralmente, em verbetes, dando somente o significado dos termos, no caso dos dicionários, ou mais longamente, o caso das enciclopédias. 04 - Discursos, ensaios, conferências Quando o material apresentado sob essas formas trata de um assunto específico. 05 - Periódicos Publicações em série, sobre determinado assunto, apresentadas em fascículos numerados, com duração indeterminada. O6 - Sociedades Publicações oficiais de sociedades eruditas: atas, relatórios, anuários etc. 07 - Estudo e Ensino A didática de um determinado assunto. 08 - Coleções, poligrafia Coletâneas de trabalhos diversos sobre um assunto, do mesmo ou de vários autores. 09 - A história de um assunto ou sua divisão por países Exemplos: 340.03 - Enciclopédias ou dicionários de Direito 340.05 - Periódicos de Direito 342.29009 - História do Direito Marítimo
  • 17. Emprego da Divisão Geográfica Qualquer assunto pode ser dividido geograficamente por meio da divisão de forma - História - seguida do número do país específico. Exemplo: Sociedades comerciais na França - 342.22 09 44 (Sociedades comerciais 342.22 + Número de forma - 09 + Número da França - 44) Em certos assuntos, porém, as tabelas já prevêem a divisão geográfica, mediante a indicação, dividir como 930-999. Nesses casos, não é necessária a utilização do número de forma 09, acrescentando-se, diretamente, ao número de assunto, o número do país. Exemplo: Constituições do Brasil - 341.24 81 (Constituições - 341.24 + Número do Brasil - 81)
  • 18. Índice Alfabético Um elemento importante num sistema de classificação é o índice Alfabético de Assuntos, que representa a chave para a consulta às tabelas. O usuário deve consultar sempre o índice antes de classificar qualquer publicação, o que poderá lhe dar a indicação de um novo aspecto do assunto em questão, no qual a obra ficará melhor localizada. Porém, nunca deve ser feita a classificação diretamente pelo índice, sem consulta às tabelas, o que poderá induzir o classificador a graves erros.
  • 19. Quem controla a CDD? A empresa Online Computer Library Center adquiriu a marca registrada e os direitos autorais relativos ao Systema Decimal de Dewey quando incorporou a editora Forest Press em 1988. A OCLC classifica livros novos lançados no mercado americano e atualiza o sistema de classificação.
  • 20. Praticando a CDD Exercícios (ver quadro)
  • 21. “ Livro algum [...] é tão bom que não possa torna-se melhor graças a um bom índice, e livro algum tão ruim que não possa, graças a esse acessório, fugir a pior das condenações” Sir. Edward Cook
  • 22. Bibliografia KAULA, Prithvi N . Repensando os conceitos no estudo da classificação.< http://www.conexaorio.com/biti/kaula/index.htm > Acessado em: 02 de abril de 2007. LENTINO, Noêmia. Guia teórico e prático e comparado dos principais sistemas de classificação bibliográfica . São Paulo: Polígono, 1971. VALENTE, Iolanda Sofia Rendeiro. Comparação entre Formatos de Classificação CDD, CDU e LCC. Porto: NOVA ET NOVA, 2003.< http://www.cerem.ufp.pt/~nribeiro/aulas/tid/TID_iolanda_valente.pdf >. Acessada em: 03 de Abril de 2007. WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre . Classificação decimal de Dewey.< http://pt.wikipedia.org/wiki/Classifica %C3%A7%C3%A3o_ decimal_de_Dewey > Acessado em:02 de abril de 2007.
  • 23. Obrigada pela atenção de todos!!! Carla Façanha de Brito [email_address]