SlideShare uma empresa Scribd logo
AGRICULTURA DE PRECISÃO PARA CANA-DE-AÇÚCAR: EXPRESSÃO LOCAL DE UM
PROCESSO GLOBAL
Msc. João Humberto Camelini
Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP
Instituto de Geociências (IG), CP 6152
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
13083-970, Campinas, SP, Brasil.
Tel: (55 19) 9133.3381 - joao.camelini@ige.unicamp.br
RESUMO
O trabalho busca analisar a dinâmica relacionada à ocupação agroindustrial destinada a produzir
açúcar, etanol e bioeletricidade. Tomando-a como referência, são discutidas algumas
implicações da rápida e seletiva difusão da agricultura de precisão em regiões onde antes
predominavam práticas agrícolas tradicionais, evidenciando o embate desigual entre agentes
que operam segundo a “lógica das redes” em contraposição àqueles que se orientam pela
“lógica do território”.
PALAVRAS-CHAVE
Modernizações agrícolas, agricultura de precisão, etanol, cana-de-açúcar, setor sucroenergético.
INTRODUÇÃO
A cultura da cana-de-açúcar é parte integrante – e constantemente predominante – da
paisagem em diferentes estados brasileiros, como São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e
Paraná. Em algumas regiões, sua presença é tão abrangente e absoluta que levaria qualquer
observador a refletir intuitivamente a respeito das implicações associadas a este modelo de
ocupação, que se baseia numa monocultura. Esta percepção empírica não está incorreta, há de
fato motivos para preocupação, especialmente no momento atual, quando uma série de fatores
vem estimulando a expansão espacial dos canaviais e a reprodução de um arranjo produtivo
típico, que afeta não apenas o meio rural, como também todo o contexto urbano que lhe serve
de suporte, o que quebra a dicotomia campo-cidade e resulta no que Elias (2007) chama de
Cidades do Agronegócio.
A complexidade da questão envolvendo a expansão da produção sucroenergética tem
origem num amplo conjunto de fatores, que se articulam e complementam em diferentes escalas
de análise, seguindo a lógica das redes (DIAS, 2004). O presente trabalho se concentra na
compreensão mais aprofundada de alguns elementos críticos para o entendimento desta
problemática na escala local, onde as consequências deste modo de produzir se materializam e
evidenciam, possibilitando captar os mecanismos através dos quais é alterado o curso da vida
cotidiana em pequenos municípios dependentes de atividades agrícolas. Trata-se
especificamente da incorporação da chamada “agricultura de precisão” como nova filosofia de
trabalho nos canaviais, o que representa a maximização da racionalidade aplicada à etapa
agrícola da produção e o aumento de importância da técnica e do capital para que sejam
alcançadas condições adequadas de competitividade, a despeito de todas as externalidades que
possam ter origem nesta nova realidade.
OBJETIVOS
O texto busca contribuir para a compreensão dos principais elementos presentes no
processo de implantação de usinas produtoras de açúcar, etanol e bioeletricidade nos municípios
brasileiros. Para tanto, num primeiro momento, o artigo se remete às características do modelo
de ocupação de vastas áreas para o cultivo de cana-de-açúcar, resultando, invariavelmente, no
regime de monocultura. Dadas as restrições derivadas das especificidades descritas nesta etapa
do trabalho, alguns aspectos problemáticos são apontados, sobretudo aqueles relacionados ao
surgimento de regiões caracterizadas por alta especialização, competitividade e vulnerabilidade,
que se tornam particularmente evidentes quando observados indicadores de diminuição da
diversidade produtiva e exclusão de pequenos produtores, cuja orientação segue a lógica do
território, servindo este como abrigo às suas atividades.
Dando prosseguimento ao estudo, realiza-se uma breve discussão a respeito dos
critérios de seletividade espacial mais relevantes para a escolha das localidades que receberão
investimentos do setor sucroenergético, como também os mecanismos de gerenciamento remoto
da produção, o que evidencia um modo de operar que se orienta pela lógica das redes, segundo
a qual o território deve ser concebido enquanto recurso. No contexto desta discussão, o trabalho
identifica parte das tecnologias de apoio a este processo, muitas das quais derivadas do
conhecimento geográfico.
Finalmente, o texto aponta algumas das principais etapas de implantação da chamada
agricultura de precisão, enfatizando aquelas em que o conhecimento geográfico é, de alguma
forma, utilizado como suporte à tomada de decisão ou como subsídio a um determinado
ferramental técnico. Pretende-se, com isto, demonstrar que o modo de operar característico da
agricultura de precisão é particularmente abrangente e compatível quando aplicado à cana-de-
açúcar, mesmo em comparação a outras culturas com maior tradição na adoção deste pacote
tecnológico, como a soja.
METODOLOGIA
Os levantamentos visando reconhecer o conjunto de técnicas que permitem a
operacionalização da seletividade espacial corporativa do setor sucroenergético, como também a
identificação dos recursos empregados na agricultura de precisão, foram realizados através de
visitas a usinas dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Nestas ocasiões, foi possível
entrevistar profissionais responsáveis pela análise de áreas candidatas à ocupação,
implementação dos procedimentos de sistematização do plantio, aquisição de maquinário
agrícola especializado e sistemas de georreferenciamento dotados de elevada precisão.
Buscando aprofundar a observação de todos os processos direta ou indiretamente
decorrentes desta nova forma de produzir, foram acompanhadas as elaborações de projetos em
escritório e suas respectivas execuções em campo. Paralelamente, foram realizadas visitas a
cidades que servem de suporte ao estabelecimento desta agricultura científica globalizada, com
o objetivo de reconhecer o modo com que ela exerce influência sobre a realidade cotidiana.
RESULTADOS
A partir dos levantamentos realizados até o presente momento, é possível apresentar
uma visão geral da expansão do cultivo de cana-de-açúcar no Brasil, dentro da qual merecem
destaque as particularidades do modelo agroindustrial de gerenciamento centralizado, o
processo de seletividade espacial para localização de novas unidades produtoras e as
implicações da agressividade com que a agricultura de precisão tende a se difundir, carregando
consigo grandes mudanças no cotidiano dos lugares.
O MODELO DE OCUPAÇÃO SUCROENERGÉTICO
Ao contrário de outras culturas que só recentemente estreitaram relações com a
indústria devido às transformações no paradigma produtivo (FREDERICO, 2010), desde o
período colonial as etapas agrícola e “industrial” da produção de açúcar, etanol e bioenergia têm
grande afinidade. Isto não poderia ser diferente, pois para um melhor aproveitamento de suas
propriedades e viabilização econômica da produção, levando em conta os custos de transporte e
a impossibilidade de seu armazenamento por longos períodos, a cana-de-açúcar deve ser obtida
de talhões que não excedam uma distância máxima do centro de moagem, o que aproxima
fisicamente as fontes de matéria-prima do seu local de processamento, como é possível
observar na figura 1.
Figura 1 – Raio de influência de uma usina
Fonte: Adaptação a partir de dados fornecidos pela Usina Ferrari
Esta distância do centro de moagem pode ser estipulada de forma variável para cada
região, a depender de critérios como a qualidade das vias disponíveis, demanda por matéria-
prima para diminuição da ociosidade industrial, produtividade diferenciada do solo em áreas
distantes, valorização da terra devido a questões imobiliárias pré-existentes ou agravada pela
proximidade de usinas concorrentes, entre outros. Para a maioria dos casos, a distância máxima
de 40 km é considerada ideal, mas esta pode se estender tranquilamente por 20 km ou mais,
dependendo das condições encontradas. Como consequência deste fato, uma usina desenvolve
o potencial de influência sobre diversos municípios, ao passo que ocupa grande parte da área
rural no entorno de cada um deles.
Ainda observando a figura apresentada, é possível notar que o mapeamento divide a
área de influência em setores para orientar o planejamento e classifica as terras como próprias e
arrendadas. A crescente opção pelo arrendamento é justificada por questões estratégicas.
Inicialmente, ela possibilita a diluição do investimento em terras, já que a remuneração anual por
alqueire arrendado é, nos primeiros anos, equivalente ao valor pago por 50 a 60 toneladas de
cana, cerca de R$ 1.300,001, que são lançados como despesas para efeito contábil. Isto permite
que a usina monitore as terras dentro de sua área de influência, adquirindo-as somente nas
oportunidades em que seu valor ofertado estiver muito abaixo do mercado. Por outro lado, em
alguns casos, a própria dinâmica do arrendamento induz o produtor a subvalorizar suas terras e
transferi-las para a usina, dentro do chamado “esquema para não voltar” (CASTILLO, 2009).
Também considerando os aspectos estratégicos, muitos grupos evitam adquirir terras, pois isto
fixaria sua presença no território, retardando, caso necessário, a evasão dos investimentos
realizados.
A rigidez locacional em relação à obtenção de matéria-prima é uma característica
bastante particular da cana-de-açúcar e resulta em constante pressão pelo uso praticamente
exclusivo da terra em toda a região de influência. Com isto, torna-se inevitável a substituição de
culturas anuais como a soja, perenes, como a laranja, ou ainda o deslocamento da pecuária
leiteira e outras formas de ocupação da área rural disponível. Esta diminuição da diversidade
inevitavelmente conduz à especialização produtiva e, consequentemente, à vulnerabilidade
territorial (CAMELINI, 2011). Evidências desta fragilização puderam ser observadas
recentemente, quando as falências de usinas nos municípios de Espírito Santo do Turvo, SP, e
Santa Helena de Goiás, GO, desestruturaram completamente a economia urbana, já que as
atividades produtivas nestas localidades se limitavam basicamente ao setor sucroenergético e
suas ramificações. O comércio, completamente destinado a atender às demandas diretas e
1
Dados obtidos em consultas a produtores de São Paulo.
indiretas da cana-de-açúcar, perdeu o sentido de sua existência, levando muitos a abandonar
completamente seus estabelecimentos e migrar para outras regiões em busca de novas
oportunidades.
SELETIVIDADE ESPACIAL
A instalação de uma usina, e consequentemente a reprodução de toda a dinâmica local
descrita anteriormente, resulta da combinação de determinados critérios, através dos quais
ocorre a seletividade espacial de áreas candidatas, processo que envolve um conjunto de
ferramentas auxiliares, em grande parte derivadas do conhecimento geográfico (CAMELINI,
2012). A decisão final depende, na maioria dos casos, da negociação visando obter as melhores
condições para receber os investimentos de um determinado grupo, o que na verdade é produto
da combinação de incentivos federais, estaduais e municipais.
O parecer técnico é especialmente importante num primeiro momento, quando ocorrem
as avaliações topográficas e edafoclimáticas, partindo da escala nacional e chegando à local.
Através deste processo, é possível identificar quais recortes espaciais estariam aptos a receber
a cultura de cana, levando em consideração as variedades adaptadas àquela região, sua
produtividade média nas condições disponíveis e o potencial para mecanização das operações
no campo, uma tendência aparentemente irreversível e particularmente ligada à agricultura de
precisão, o que depende essencialmente da declividade predominante, cujo valor, dadas as
condições técnicas atuais, não deve ultrapassar o limite de 12%. Os recursos envolvidos nesta
análise multidisciplinar inicial incluem modelos digitais de terrenos, levantamentos das atividades
produtivas existentes, cartas de solos, dados de sensoriamento remoto classificados, estudos
climatológicos, hidrológicos e ambientais, que possibilitam obter uma visão bastante precisa da
disponibilidade líquida de terras.
Embora o algoritmo para decisão técnica amparada por um fundo computacional seja
relativamente bem definido, ele não é suficiente para a tomada de decisão. Seu resultado é um
mapeamento de potenciais de ocupação, que exclui determinadas áreas e aponta outras em
condições privilegiadas. Estes focos produtivos não são funcionais, visto que não permitem,
isoladamente, completar o circuito espacial produtivo, alcançando as etapas de distribuição,
troca e consumo. Deste modo, a logística vem se tornando um elemento de extrema importância
para viabilizar a expansão do setor sucroenergético, já que a presença de mercados
consumidores espacialmente dispersos e a expectativa pelo aumento da demanda por
exportações resultam em grande pressão por incremento de fluidez no escoamento da produção.
É, portanto, a logística que possibilita conectar os nós produtores com os mercados
consumidores, estabelecendo uma integração topológica materializada como um conjunto de
infraestruturas de transporte e armazenamento, dentre outras, além de uma série de requisitos
não materiais que se integram com o objetivo de potencializar a circulação corporativa (XAVIER,
2009). Disto advém que a disponibilidade logística possui extrema importância analítica,
possibilitando identificar regiões com maior potencial de aproveitamento para o cultivo e
processamento da cana-de-açúcar.
Dadas as condições anteriormente descritas, torna-se evidente que a produção
sucroenergética depende absolutamente de investimentos e suporte do plano federal, visto que
sua atuação ultrapassa os limites municipais e estaduais e requer acesso privilegiado ao
território, de modo a impor sua própria racionalidade, “ainda que isto venha a ferir o equilíbrio
das formações socioespaciais”, o que conduz a um sistema de regulação híbrida do território
(ANTAS JR, 2005). Isto se torna particularmente claro quando observamos o fenômeno da
guerra entre os lugares (SANTOS, 2002) em que estados e municípios competem para aderir a
esta lógica hegemônica, cujas promessas de desenvolvimento e emprego são totalmente
descomprometidas com aqueles que realmente fazem uso do território como abrigo.
Dentro do seu modo de operar, esta nova forma hegemônica articula a regionalização
como fato e a regionalização como ferramenta (RIBEIRO, 2004), buscando extrair de cada
porção do território aqueles atributos que mais lhe interessam no sentido de incrementar sua
competitividade no mercado. Com esta finalidade, o reconhecimento tecnificado e exato do
território apresenta-se como recurso imprescindível e instrumental, já que colabora para a
tomada de decisões estratégicas por parte das grandes corporações, ao mesmo tempo em que
oferece à Geografia a possibilidade de identificar criticamente os fatores que impulsionam
determinadas movimentações do setor.
AGRICULTURA DE PRECISÃO APLICADA À CANA-DE-AÇÚCAR
De forma resumida, pode-se afirmar que agricultura de precisão é o termo utilizado para
designar uma série de operações planejadas em escritório com o auxílio de recursos
computacionais e executadas em campo através de veículos e equipamentos dotados de
sistemas de georreferenciamento integrados, que permitem realizar reconhecimentos, análises e
intervenções extremamente precisas e sistematizadas, com o intuito de maximizar a
produtividade e minimizar custos de produção para uma dada cultura, numa área específica. A
figura 2 ilustra um entendimento comum do que seria a aplicação desta filosofia de trabalho,
partindo da preparação do solo, plantio, acompanhamento da lavoura e chegando finalmente à
colheita, processo que se renova a cada safra e agrega valor à propriedade, já que expõe por
meio do mapeamento os seus atributos, permitindo a racionalização do aproveitamento de suas
potencialidades.
Figura 2 – Ciclo da Agricultura de Precisão
Fonte: http://www.cronos.agr.br/images/ciclo_precisao.png
Este modelo de racionalidade é aplicável a uma série de culturas, no entanto é preciso
reconhecer que a cana-de-açúcar oferece condições particulares, que implicam em grandes
estímulos para a sua adoção. Devido à abrangência da ocupação e a centralização do
gerenciamento das operações em campo, a cana-de-açúcar oferece condições ideais para a
implantação da agricultura de precisão, visto que a variabilidade espacial é grande, justificando
os investimentos em maquinários, que podem ser compartilhados por áreas relativamente
próximas e análises laboratoriais, que também podem ser internalizadas a depender do volume,
resultando em ganhos de escala. Para grande parte das usinas, o aumento de produtividade na
ordem de 5% no primeiro ano justificaria todo o investimento necessário para aderir a esta nova
forma de produzir2.
Devido ao fato de gerenciar grandes áreas de forma dinâmica, a agroindústria
sucroenergética incorporou as tecnologias CAD (computer aided design) e SIG (sistemas de
informações geográficas) à sua cultura de trabalho desde o início da década de 1990. Isto
diminui o investimento necessário para complementar o processo do ponto de vista informacional
e potencializa a difusão de novas tecnologias computacionais, já que, na atual fase de expansão
da produção, a aquisição de veículos de campo dotados de GPS/RTK resultou na geração de
uma massa de dados imensa e apenas ocasionalmente utilizada, que pressiona os
departamentos agrícolas pela aceleração do processo de implantação da agricultura de precisão.
No ambiente corporativo, prevalece entre os investidores a impressão de certa ociosidade, de
um potencial não aproveitado nos equipamentos adquiridos, o que de fato corresponde à
realidade. Cabe ressaltar, por outro lado, que os fabricantes dos veículos de campo ainda
encontram grandes dificuldades para adaptar plenamente suas soluções à realidade da cana.
Esta possui características diferenciadas em relação a outras culturas, para as quais há técnicas
mais consolidadas, a exemplo da soja.
Embora a figura 2 ofereça uma boa representação das principais operações
desenvolvidas durante a safra, é necessário ressaltar que, para o caso da cana-de-açúcar,
existem outras possibilidades de aproveitamento do novo arsenal técnico que se encontra
disponível, em razão de algumas particularidades. Ocorre que, ao contrário de culturas como a
soja, que são anuais, a cana cultivada para produção de açúcar, etanol e bioenergia é
considerada semi-perene, ou seja, passa por sucessivos cortes e rebrotas, possibilitando seu
2
Estimativa resultante de consultas a departamentos agrícolas de usinas do interior de São
Paulo, Minas Gerais e Goiás.
reaproveitamento por cerca de 5 a 6 safras3. Por esta razão, o planejamento para o plantio
costuma ser bem mais criterioso, buscando alcançar o maior comprimento linear com a menor
quantidade de manobras, demandando a elaboração totalmente racionalizada de diferentes
cenários.
A execução desta sistematização somente se torna viável por meio da utilização de
pilotos automáticos a bordo dos veículos, que então reconhecem o posicionamento global de
altíssima precisão em tempo real (RTK – Real Time Kinematic) no campo, desde o levantamento
da altimetria do terreno até a execução de correções do solo, movimentações de terra para
ajuste de terraços, sulcação, plantio e colheita. Sem esses cuidados, especificamente entre a
sulcação e a colheita, o pisoteio da cana poderia resultar em grandes e progressivas perdas de
produtividade ao longo dos anos, comprometendo a vida útil da planta e antecipando a pressão
por renovação dos canaviais. Também em escritório é feita a análise micro e macrologística, que
possibilita simular a circulação dos veículos, levando em consideração a produtividade versus a
capacidade de carga, a proximidade de vias preferenciais e outros elementos.
A adoção da agricultura de precisão como nova filosofia de trabalho no campo é um
processo seletivo, que não ocorre simultânea e contiguamente (ARACRI, 2008). Ela resulta nos
chamados “pontos luminosos do espaço agrícola brasileiro”, em que as verticalidades têm
predominância sobre as horizontalidades (ELIAS, 2007) e onde a lógica das redes se sobrepõe à
lógica do território, já que este novo agronegócio demonstra a intensificação do capitalismo no
campo e a sua orientação segundo as leis do mercado (ELIAS, 2007), perspectiva na qual a
competitividade se torna um atributo valioso, cujo aumento é buscado em cada metro quadrado
da propriedade.
Ao passo em que a agricultura de precisão se instala nos pequenos municípios
brasileiros, surgem também redes de suporte à sua manutenção. Estas consistem nas
concessionárias especializadas em máquinas e implementos agrícolas, indústrias fabricantes de
peças, insumos, força de trabalho capacitada para operar os equipamentos, além de todos os
produtos e serviços associados ao consumo produtivo e consumptivo. Embora toda esta nova
realidade represente a criação de empregos e renda num prazo relativamente curto, a
3
Isto depende da variedade de cana e condições edafoclimáticas disponíveis. Cabe ressaltar
que a atual crise da produção sucroenergética deriva, em parte, da falta de investimentos na
renovação de canaviais, o que resultou numa sensível diminuição da produtividade.
especialização produtiva pode se revelar nociva, já que a dependência excessiva torna o
cotidiano extremamente sensível a toda e qualquer oscilação do setor sucroenergético, que se
orienta por parâmetros externos à realidade local.
CONCLUSÕES
É necessário compreender que a adoção da agricultura de precisão sempre é alcançada
por intermédio da imposição de saberes externos aos tradicionalmente instalados, o que
invariavelmente resulta em conflitos. Esta imposição ocorre por meio de ações, que
hegemonizam determinadas formas de produzir, intensificando o controle sobre uma porção do
território, o que corresponde a uma regionalização em que predominam o pensamento
estratégico corporativo e a desnaturalização, sustentados pelo avanço da técnico-ciência
(RIBEIRO, 2004). Deste ponto de vista, a técnica não pode ser considerada neutra, visto que seu
desenvolvimento se dá com o objetivo de atender a pretensões de agentes orientados pela
lógica do mercado, dos quais depende sua sobrevivência comercial.
As práticas relacionadas à agricultura de precisão complementam e reforçam localmente
os mecanismos de seletividade espacial, materializando e alicerçando um planejamento
realizado numa escala superior, que ignora totalmente a realidade cotidiana. Devido a este fato,
é comum a prática espacial da marginalização (ARACRI, 2008), que promove a evasão de
capitais nas áreas em que, por qualquer razão, não tenha sido possível lograr a produtividade
esperada, mesmo após a traumática reestruturação necessária para converter toda uma região
para esta nova forma de produzir. Isto leva à reflexão sobre as consequências da massificação,
que se encontra em curso, desta filosofia de trabalho em todo o país. Ela representará a
radicalização da racionalidade no campo, alisando-o ao substituir rugosidades e saberes
historicamente construídos, num processo extremamente acelerado, visto que as resistências
oferecidas por este às imposições do capital nem de longe se comparam às apresentadas pelas
cidades (ELIAS, 2007).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANTAS JR., Ricardo Mendes. Território e regulação: espaço geográfico, fonte material e
não-formal do direito. São Paulo: Humanitas: Fapesp, 2005.
ARACRI, L. A. A difusão de inovações numa perspectiva crítica: práticas espaciais e a
implantação da “agricultura de precisão” na microrregião de Canarana – MT. XV Encontro
Nacional de Geógrafos. Anais… São Paulo: AGB, 2008.
CAMELINI, J. H. Produção sucroenergética, racionalidade técnica e implicações na
ocupação do território brasileiro. In: I Seminário Nacional - Reestruturação do Setor
sucroenergético Brasileiro: Novas e Velhas Espacialidades, 2012, Rio de Janeiro, RJ. Anais do I
Seminário Nacional - Reestruturação no setor sucroenergético brasileiro: novas e velhas
espacialidades. Rio de Janeiro, RJ: FFP-UERJ, 2012.
CAMELINI, J. H. Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: o
caso emblemático de Quirinópolis, GO. Dissertação de Mestrado, Departamento de
Geografia, Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP:
[s.n.], 2011.
CASTILLO, R. A. Logística e consolidação de fronteiras agrícolas no território brasileiro:
uma avaliação dos investimentos do governo federal em transportes de 1995 a 2005.
Relatório final de pesquisa à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
(processo n. 2006/58008-3), inédito, 2009.
DIAS, L. C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, I. E., GOMES, P.C.C. e
CORRÊA, R. L. (orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.
ELIAS, D. O meio técnico-científico-informacional e a reorganização do espaço agrário
nacional. In: MARAFON, G. J. et al. (orgs.). Abordagens teórico-metodológicas em geografia
agrária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2007.
FREDERICO, S. O novo tempo do Cerrado: expansão dos fronts agrícolas e controle do
sistema de armazenamento de grãos. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2010.
RIBEIRO, A. C. T. Regionalização: fato e ferramenta. In: LIMONAD, E. et al. (orgs.). Brasil
século XXI: por uma nova regionalização? São Paulo: Max Limonad, 2004.
SANTOS, M. Guerra dos Lugares. In O País Destorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania,
São Paulo: Publifolha, 2002.
XAVIER, M. A. M. Os elos entre os circuitos da economia urbana brasileira no atual
período: os atacadistas distribuidores e seu papel intermediador. Tese (Doutorado em
Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da
Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP.: [s.n.], 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
Julianna Coracini Mochiuti
 
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
André Andrade
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
sionara14
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
Karlla Costa
 
antonio inacio ferraz
antonio inacio ferrazantonio inacio ferraz
antonio inacio ferraz
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
NetNexusBrasil
 
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
BeefPoint
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
Karlla Costa
 
Introdução ao Agronegocio
Introdução ao AgronegocioIntrodução ao Agronegocio
Introdução ao Agronegocio
Antonio Meneghetti Faculdade
 
Apresentação manejo dos solos
Apresentação manejo dos solosApresentação manejo dos solos
Apresentação manejo dos solos
Ursula Clarissa
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
AgroTalento
 
Agricultura de Precisão - Gerenciando Informações
Agricultura de Precisão - Gerenciando InformaçõesAgricultura de Precisão - Gerenciando Informações
Agricultura de Precisão - Gerenciando Informações
Faculdade de Tecnologia de Marília - Campus Pompéia
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
Andrei Sampedro
 
02 tipos de maquinas e implementos
02  tipos de maquinas e implementos02  tipos de maquinas e implementos
02 tipos de maquinas e implementos
Instituto Federal de Pernambuco - Campus Barreiros
 
A importância do planejamento carga x suporte
A importância do planejamento carga x suporteA importância do planejamento carga x suporte
A importância do planejamento carga x suporte
Exagro
 
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Ricardo Viegas
Ricardo ViegasRicardo Viegas

Mais procurados (19)

Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
Estudo sobre a composição da renda e a lógica de funcionamento dos sistemas d...
 
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
Tecnologias de agricultura de precisão para colheita (Grupo 1)
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
 
antonio inacio ferraz
antonio inacio ferrazantonio inacio ferraz
antonio inacio ferraz
 
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
Estabelecimento de zonas de manejo a partir da variabilidade espacial e tempo...
 
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
Proposta do Agronegócio para o próximo Presidente da República - 2010
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Introdução ao Agronegocio
Introdução ao AgronegocioIntrodução ao Agronegocio
Introdução ao Agronegocio
 
Apresentação manejo dos solos
Apresentação manejo dos solosApresentação manejo dos solos
Apresentação manejo dos solos
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
 
Agricultura de Precisão - Gerenciando Informações
Agricultura de Precisão - Gerenciando InformaçõesAgricultura de Precisão - Gerenciando Informações
Agricultura de Precisão - Gerenciando Informações
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
 
02 tipos de maquinas e implementos
02  tipos de maquinas e implementos02  tipos de maquinas e implementos
02 tipos de maquinas e implementos
 
A importância do planejamento carga x suporte
A importância do planejamento carga x suporteA importância do planejamento carga x suporte
A importância do planejamento carga x suporte
 
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
Modelo de Uso da Terra para Agricultura (BLUM)
 
Ricardo Viegas
Ricardo ViegasRicardo Viegas
Ricardo Viegas
 

Semelhante a Agricultura de precisão para cana-de-açúcar: expressão local de um processo global

664 2639-1-pb
664 2639-1-pb664 2639-1-pb
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
SandroPereiraDosSant2
 
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em gradeMonitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
vittacura
 
Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...
Agricultura Sao Paulo
 
Boletim técnico ap
Boletim técnico apBoletim técnico ap
Boletim técnico ap
Keneson Gonçalves
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
alcscens
 
Cartilha cenoura passo a passo projeto novo
Cartilha cenoura passo a passo projeto novoCartilha cenoura passo a passo projeto novo
Cartilha cenoura passo a passo projeto novo
Bruno No Stress
 
33 irrigacao por_aspersao
33 irrigacao por_aspersao33 irrigacao por_aspersao
33 irrigacao por_aspersao
Ronildo Barros Pereira
 
Geografia agrária v
Geografia agrária vGeografia agrária v
Geografia agrária v
Marcelo Henrique Bastos
 
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
Nilton Passe
 
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidos
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidosAnais do ge te m 2012 - resumos expandidos
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidos
Sheila Cristino
 
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
JODI TECNOLOGIAS INDUSTRIAIS
 
Boletim técnico tupanciretã
Boletim técnico tupanciretãBoletim técnico tupanciretã
Boletim técnico tupanciretã
gepaunipampa
 
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
Rural Pecuária
 
Projecto de investigação luís cary cordovil
Projecto de investigação   luís cary cordovilProjecto de investigação   luís cary cordovil
Projecto de investigação luís cary cordovil
Luís Cary Cordovil
 
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no BrasilLogística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
alcscens
 
Solo elétrico
Solo elétricoSolo elétrico
Solo elétrico
Agricultura Sao Paulo
 
Iac plantio direto
Iac plantio diretoIac plantio direto
Iac plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Iac plantio direto
Iac plantio diretoIac plantio direto
Iac plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Dissertação Andreia Marques_Dez2014
Dissertação Andreia Marques_Dez2014Dissertação Andreia Marques_Dez2014
Dissertação Andreia Marques_Dez2014
Andreia Marques
 

Semelhante a Agricultura de precisão para cana-de-açúcar: expressão local de um processo global (20)

664 2639-1-pb
664 2639-1-pb664 2639-1-pb
664 2639-1-pb
 
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
 
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em gradeMonitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
 
Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...
 
Boletim técnico ap
Boletim técnico apBoletim técnico ap
Boletim técnico ap
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
 
Cartilha cenoura passo a passo projeto novo
Cartilha cenoura passo a passo projeto novoCartilha cenoura passo a passo projeto novo
Cartilha cenoura passo a passo projeto novo
 
33 irrigacao por_aspersao
33 irrigacao por_aspersao33 irrigacao por_aspersao
33 irrigacao por_aspersao
 
Geografia agrária v
Geografia agrária vGeografia agrária v
Geografia agrária v
 
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
Análise da variabilidade da precipitação na bacia de incomáti e sua influênci...
 
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidos
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidosAnais do ge te m 2012 - resumos expandidos
Anais do ge te m 2012 - resumos expandidos
 
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
 
Boletim técnico tupanciretã
Boletim técnico tupanciretãBoletim técnico tupanciretã
Boletim técnico tupanciretã
 
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
Critérios Para A Mecanização Da Pequena Propriedade*
 
Projecto de investigação luís cary cordovil
Projecto de investigação   luís cary cordovilProjecto de investigação   luís cary cordovil
Projecto de investigação luís cary cordovil
 
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no BrasilLogística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
 
Solo elétrico
Solo elétricoSolo elétrico
Solo elétrico
 
Iac plantio direto
Iac plantio diretoIac plantio direto
Iac plantio direto
 
Iac plantio direto
Iac plantio diretoIac plantio direto
Iac plantio direto
 
Dissertação Andreia Marques_Dez2014
Dissertação Andreia Marques_Dez2014Dissertação Andreia Marques_Dez2014
Dissertação Andreia Marques_Dez2014
 

Mais de alcscens

O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
alcscens
 
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de AlimentosDesperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
alcscens
 
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
alcscens
 
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oesteO desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
alcscens
 
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e NutricionalAssentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
alcscens
 
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oesteO desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
alcscens
 
Etanol e o uso corporativo do território
Etanol e o uso corporativo do territórioEtanol e o uso corporativo do território
Etanol e o uso corporativo do território
alcscens
 
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
alcscens
 
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
alcscens
 
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
alcscens
 
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
alcscens
 
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
alcscens
 
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
alcscens
 
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
alcscens
 
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
alcscens
 
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
alcscens
 
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
alcscens
 
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
alcscens
 
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
alcscens
 
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
alcscens
 

Mais de alcscens (20)

O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
O melhoramento genetico de cana de-acucar no brasil e o desafio das mudancas ...
 
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de AlimentosDesperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
Desperdício, Crise Alimentar e Banco de Alimentos
 
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
 
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oesteO desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
 
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e NutricionalAssentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
Assentamentos Rurais e Segurança Alimentar e Nutricional
 
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oesteO desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
O desenvolvimento e a expansão recente da produção agropecuária no centro-oeste
 
Etanol e o uso corporativo do território
Etanol e o uso corporativo do territórioEtanol e o uso corporativo do território
Etanol e o uso corporativo do território
 
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: O cas...
 
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
Inovação tecnológica e organizacional em agrometeorologia: Estudo da dinâmica...
 
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
Estrutura e expansão da agroindústria canaveira no Sudoeste Goiano : impactos...
 
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
Avaliação dos impactos das mudanças climáticas no zoneamento agrícola utiliza...
 
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
Combinando análise fractal e mineração de séries temporais para identificação...
 
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
Utilização de séries temporais de imagens AVHRR/NOAA no apoio à estimativa op...
 
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
Estimativa da temperatura da superfície terrestre, destinada ao monitoramento...
 
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
Análise temporal de municípios produtores de cana-de-açúcar no estado de São ...
 
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
Análise comparativa do clima atual e futuro para avaliar a expansão da cana-d...
 
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
Análise dos dados de projeção climática do modelo ETA e suas implicações para...
 
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
Redes observação e a evolução tecnológica contribuindo para o desenvolvimento...
 
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
O efeito das mudanças climáticas na produção de citros para algumas localidad...
 
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
Rede Tecno-Econômica mobilizada para a geração de inovações em agrometeorolog...
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Agricultura de precisão para cana-de-açúcar: expressão local de um processo global

  • 1. AGRICULTURA DE PRECISÃO PARA CANA-DE-AÇÚCAR: EXPRESSÃO LOCAL DE UM PROCESSO GLOBAL Msc. João Humberto Camelini Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP Instituto de Geociências (IG), CP 6152 Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 13083-970, Campinas, SP, Brasil. Tel: (55 19) 9133.3381 - joao.camelini@ige.unicamp.br RESUMO O trabalho busca analisar a dinâmica relacionada à ocupação agroindustrial destinada a produzir açúcar, etanol e bioeletricidade. Tomando-a como referência, são discutidas algumas implicações da rápida e seletiva difusão da agricultura de precisão em regiões onde antes predominavam práticas agrícolas tradicionais, evidenciando o embate desigual entre agentes que operam segundo a “lógica das redes” em contraposição àqueles que se orientam pela “lógica do território”. PALAVRAS-CHAVE Modernizações agrícolas, agricultura de precisão, etanol, cana-de-açúcar, setor sucroenergético.
  • 2. INTRODUÇÃO A cultura da cana-de-açúcar é parte integrante – e constantemente predominante – da paisagem em diferentes estados brasileiros, como São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná. Em algumas regiões, sua presença é tão abrangente e absoluta que levaria qualquer observador a refletir intuitivamente a respeito das implicações associadas a este modelo de ocupação, que se baseia numa monocultura. Esta percepção empírica não está incorreta, há de fato motivos para preocupação, especialmente no momento atual, quando uma série de fatores vem estimulando a expansão espacial dos canaviais e a reprodução de um arranjo produtivo típico, que afeta não apenas o meio rural, como também todo o contexto urbano que lhe serve de suporte, o que quebra a dicotomia campo-cidade e resulta no que Elias (2007) chama de Cidades do Agronegócio. A complexidade da questão envolvendo a expansão da produção sucroenergética tem origem num amplo conjunto de fatores, que se articulam e complementam em diferentes escalas de análise, seguindo a lógica das redes (DIAS, 2004). O presente trabalho se concentra na compreensão mais aprofundada de alguns elementos críticos para o entendimento desta problemática na escala local, onde as consequências deste modo de produzir se materializam e evidenciam, possibilitando captar os mecanismos através dos quais é alterado o curso da vida cotidiana em pequenos municípios dependentes de atividades agrícolas. Trata-se especificamente da incorporação da chamada “agricultura de precisão” como nova filosofia de trabalho nos canaviais, o que representa a maximização da racionalidade aplicada à etapa agrícola da produção e o aumento de importância da técnica e do capital para que sejam alcançadas condições adequadas de competitividade, a despeito de todas as externalidades que possam ter origem nesta nova realidade.
  • 3. OBJETIVOS O texto busca contribuir para a compreensão dos principais elementos presentes no processo de implantação de usinas produtoras de açúcar, etanol e bioeletricidade nos municípios brasileiros. Para tanto, num primeiro momento, o artigo se remete às características do modelo de ocupação de vastas áreas para o cultivo de cana-de-açúcar, resultando, invariavelmente, no regime de monocultura. Dadas as restrições derivadas das especificidades descritas nesta etapa do trabalho, alguns aspectos problemáticos são apontados, sobretudo aqueles relacionados ao surgimento de regiões caracterizadas por alta especialização, competitividade e vulnerabilidade, que se tornam particularmente evidentes quando observados indicadores de diminuição da diversidade produtiva e exclusão de pequenos produtores, cuja orientação segue a lógica do território, servindo este como abrigo às suas atividades. Dando prosseguimento ao estudo, realiza-se uma breve discussão a respeito dos critérios de seletividade espacial mais relevantes para a escolha das localidades que receberão investimentos do setor sucroenergético, como também os mecanismos de gerenciamento remoto da produção, o que evidencia um modo de operar que se orienta pela lógica das redes, segundo a qual o território deve ser concebido enquanto recurso. No contexto desta discussão, o trabalho identifica parte das tecnologias de apoio a este processo, muitas das quais derivadas do conhecimento geográfico. Finalmente, o texto aponta algumas das principais etapas de implantação da chamada agricultura de precisão, enfatizando aquelas em que o conhecimento geográfico é, de alguma forma, utilizado como suporte à tomada de decisão ou como subsídio a um determinado ferramental técnico. Pretende-se, com isto, demonstrar que o modo de operar característico da agricultura de precisão é particularmente abrangente e compatível quando aplicado à cana-de- açúcar, mesmo em comparação a outras culturas com maior tradição na adoção deste pacote tecnológico, como a soja.
  • 4. METODOLOGIA Os levantamentos visando reconhecer o conjunto de técnicas que permitem a operacionalização da seletividade espacial corporativa do setor sucroenergético, como também a identificação dos recursos empregados na agricultura de precisão, foram realizados através de visitas a usinas dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Nestas ocasiões, foi possível entrevistar profissionais responsáveis pela análise de áreas candidatas à ocupação, implementação dos procedimentos de sistematização do plantio, aquisição de maquinário agrícola especializado e sistemas de georreferenciamento dotados de elevada precisão. Buscando aprofundar a observação de todos os processos direta ou indiretamente decorrentes desta nova forma de produzir, foram acompanhadas as elaborações de projetos em escritório e suas respectivas execuções em campo. Paralelamente, foram realizadas visitas a cidades que servem de suporte ao estabelecimento desta agricultura científica globalizada, com o objetivo de reconhecer o modo com que ela exerce influência sobre a realidade cotidiana. RESULTADOS A partir dos levantamentos realizados até o presente momento, é possível apresentar uma visão geral da expansão do cultivo de cana-de-açúcar no Brasil, dentro da qual merecem destaque as particularidades do modelo agroindustrial de gerenciamento centralizado, o processo de seletividade espacial para localização de novas unidades produtoras e as implicações da agressividade com que a agricultura de precisão tende a se difundir, carregando consigo grandes mudanças no cotidiano dos lugares. O MODELO DE OCUPAÇÃO SUCROENERGÉTICO Ao contrário de outras culturas que só recentemente estreitaram relações com a indústria devido às transformações no paradigma produtivo (FREDERICO, 2010), desde o período colonial as etapas agrícola e “industrial” da produção de açúcar, etanol e bioenergia têm grande afinidade. Isto não poderia ser diferente, pois para um melhor aproveitamento de suas propriedades e viabilização econômica da produção, levando em conta os custos de transporte e a impossibilidade de seu armazenamento por longos períodos, a cana-de-açúcar deve ser obtida de talhões que não excedam uma distância máxima do centro de moagem, o que aproxima
  • 5. fisicamente as fontes de matéria-prima do seu local de processamento, como é possível observar na figura 1. Figura 1 – Raio de influência de uma usina Fonte: Adaptação a partir de dados fornecidos pela Usina Ferrari Esta distância do centro de moagem pode ser estipulada de forma variável para cada região, a depender de critérios como a qualidade das vias disponíveis, demanda por matéria-
  • 6. prima para diminuição da ociosidade industrial, produtividade diferenciada do solo em áreas distantes, valorização da terra devido a questões imobiliárias pré-existentes ou agravada pela proximidade de usinas concorrentes, entre outros. Para a maioria dos casos, a distância máxima de 40 km é considerada ideal, mas esta pode se estender tranquilamente por 20 km ou mais, dependendo das condições encontradas. Como consequência deste fato, uma usina desenvolve o potencial de influência sobre diversos municípios, ao passo que ocupa grande parte da área rural no entorno de cada um deles. Ainda observando a figura apresentada, é possível notar que o mapeamento divide a área de influência em setores para orientar o planejamento e classifica as terras como próprias e arrendadas. A crescente opção pelo arrendamento é justificada por questões estratégicas. Inicialmente, ela possibilita a diluição do investimento em terras, já que a remuneração anual por alqueire arrendado é, nos primeiros anos, equivalente ao valor pago por 50 a 60 toneladas de cana, cerca de R$ 1.300,001, que são lançados como despesas para efeito contábil. Isto permite que a usina monitore as terras dentro de sua área de influência, adquirindo-as somente nas oportunidades em que seu valor ofertado estiver muito abaixo do mercado. Por outro lado, em alguns casos, a própria dinâmica do arrendamento induz o produtor a subvalorizar suas terras e transferi-las para a usina, dentro do chamado “esquema para não voltar” (CASTILLO, 2009). Também considerando os aspectos estratégicos, muitos grupos evitam adquirir terras, pois isto fixaria sua presença no território, retardando, caso necessário, a evasão dos investimentos realizados. A rigidez locacional em relação à obtenção de matéria-prima é uma característica bastante particular da cana-de-açúcar e resulta em constante pressão pelo uso praticamente exclusivo da terra em toda a região de influência. Com isto, torna-se inevitável a substituição de culturas anuais como a soja, perenes, como a laranja, ou ainda o deslocamento da pecuária leiteira e outras formas de ocupação da área rural disponível. Esta diminuição da diversidade inevitavelmente conduz à especialização produtiva e, consequentemente, à vulnerabilidade territorial (CAMELINI, 2011). Evidências desta fragilização puderam ser observadas recentemente, quando as falências de usinas nos municípios de Espírito Santo do Turvo, SP, e Santa Helena de Goiás, GO, desestruturaram completamente a economia urbana, já que as atividades produtivas nestas localidades se limitavam basicamente ao setor sucroenergético e suas ramificações. O comércio, completamente destinado a atender às demandas diretas e 1 Dados obtidos em consultas a produtores de São Paulo.
  • 7. indiretas da cana-de-açúcar, perdeu o sentido de sua existência, levando muitos a abandonar completamente seus estabelecimentos e migrar para outras regiões em busca de novas oportunidades. SELETIVIDADE ESPACIAL A instalação de uma usina, e consequentemente a reprodução de toda a dinâmica local descrita anteriormente, resulta da combinação de determinados critérios, através dos quais ocorre a seletividade espacial de áreas candidatas, processo que envolve um conjunto de ferramentas auxiliares, em grande parte derivadas do conhecimento geográfico (CAMELINI, 2012). A decisão final depende, na maioria dos casos, da negociação visando obter as melhores condições para receber os investimentos de um determinado grupo, o que na verdade é produto da combinação de incentivos federais, estaduais e municipais. O parecer técnico é especialmente importante num primeiro momento, quando ocorrem as avaliações topográficas e edafoclimáticas, partindo da escala nacional e chegando à local. Através deste processo, é possível identificar quais recortes espaciais estariam aptos a receber a cultura de cana, levando em consideração as variedades adaptadas àquela região, sua produtividade média nas condições disponíveis e o potencial para mecanização das operações no campo, uma tendência aparentemente irreversível e particularmente ligada à agricultura de precisão, o que depende essencialmente da declividade predominante, cujo valor, dadas as condições técnicas atuais, não deve ultrapassar o limite de 12%. Os recursos envolvidos nesta análise multidisciplinar inicial incluem modelos digitais de terrenos, levantamentos das atividades produtivas existentes, cartas de solos, dados de sensoriamento remoto classificados, estudos climatológicos, hidrológicos e ambientais, que possibilitam obter uma visão bastante precisa da disponibilidade líquida de terras. Embora o algoritmo para decisão técnica amparada por um fundo computacional seja relativamente bem definido, ele não é suficiente para a tomada de decisão. Seu resultado é um mapeamento de potenciais de ocupação, que exclui determinadas áreas e aponta outras em condições privilegiadas. Estes focos produtivos não são funcionais, visto que não permitem, isoladamente, completar o circuito espacial produtivo, alcançando as etapas de distribuição, troca e consumo. Deste modo, a logística vem se tornando um elemento de extrema importância para viabilizar a expansão do setor sucroenergético, já que a presença de mercados
  • 8. consumidores espacialmente dispersos e a expectativa pelo aumento da demanda por exportações resultam em grande pressão por incremento de fluidez no escoamento da produção. É, portanto, a logística que possibilita conectar os nós produtores com os mercados consumidores, estabelecendo uma integração topológica materializada como um conjunto de infraestruturas de transporte e armazenamento, dentre outras, além de uma série de requisitos não materiais que se integram com o objetivo de potencializar a circulação corporativa (XAVIER, 2009). Disto advém que a disponibilidade logística possui extrema importância analítica, possibilitando identificar regiões com maior potencial de aproveitamento para o cultivo e processamento da cana-de-açúcar. Dadas as condições anteriormente descritas, torna-se evidente que a produção sucroenergética depende absolutamente de investimentos e suporte do plano federal, visto que sua atuação ultrapassa os limites municipais e estaduais e requer acesso privilegiado ao território, de modo a impor sua própria racionalidade, “ainda que isto venha a ferir o equilíbrio das formações socioespaciais”, o que conduz a um sistema de regulação híbrida do território (ANTAS JR, 2005). Isto se torna particularmente claro quando observamos o fenômeno da guerra entre os lugares (SANTOS, 2002) em que estados e municípios competem para aderir a esta lógica hegemônica, cujas promessas de desenvolvimento e emprego são totalmente descomprometidas com aqueles que realmente fazem uso do território como abrigo. Dentro do seu modo de operar, esta nova forma hegemônica articula a regionalização como fato e a regionalização como ferramenta (RIBEIRO, 2004), buscando extrair de cada porção do território aqueles atributos que mais lhe interessam no sentido de incrementar sua competitividade no mercado. Com esta finalidade, o reconhecimento tecnificado e exato do território apresenta-se como recurso imprescindível e instrumental, já que colabora para a tomada de decisões estratégicas por parte das grandes corporações, ao mesmo tempo em que oferece à Geografia a possibilidade de identificar criticamente os fatores que impulsionam determinadas movimentações do setor. AGRICULTURA DE PRECISÃO APLICADA À CANA-DE-AÇÚCAR De forma resumida, pode-se afirmar que agricultura de precisão é o termo utilizado para designar uma série de operações planejadas em escritório com o auxílio de recursos computacionais e executadas em campo através de veículos e equipamentos dotados de
  • 9. sistemas de georreferenciamento integrados, que permitem realizar reconhecimentos, análises e intervenções extremamente precisas e sistematizadas, com o intuito de maximizar a produtividade e minimizar custos de produção para uma dada cultura, numa área específica. A figura 2 ilustra um entendimento comum do que seria a aplicação desta filosofia de trabalho, partindo da preparação do solo, plantio, acompanhamento da lavoura e chegando finalmente à colheita, processo que se renova a cada safra e agrega valor à propriedade, já que expõe por meio do mapeamento os seus atributos, permitindo a racionalização do aproveitamento de suas potencialidades. Figura 2 – Ciclo da Agricultura de Precisão Fonte: http://www.cronos.agr.br/images/ciclo_precisao.png Este modelo de racionalidade é aplicável a uma série de culturas, no entanto é preciso reconhecer que a cana-de-açúcar oferece condições particulares, que implicam em grandes
  • 10. estímulos para a sua adoção. Devido à abrangência da ocupação e a centralização do gerenciamento das operações em campo, a cana-de-açúcar oferece condições ideais para a implantação da agricultura de precisão, visto que a variabilidade espacial é grande, justificando os investimentos em maquinários, que podem ser compartilhados por áreas relativamente próximas e análises laboratoriais, que também podem ser internalizadas a depender do volume, resultando em ganhos de escala. Para grande parte das usinas, o aumento de produtividade na ordem de 5% no primeiro ano justificaria todo o investimento necessário para aderir a esta nova forma de produzir2. Devido ao fato de gerenciar grandes áreas de forma dinâmica, a agroindústria sucroenergética incorporou as tecnologias CAD (computer aided design) e SIG (sistemas de informações geográficas) à sua cultura de trabalho desde o início da década de 1990. Isto diminui o investimento necessário para complementar o processo do ponto de vista informacional e potencializa a difusão de novas tecnologias computacionais, já que, na atual fase de expansão da produção, a aquisição de veículos de campo dotados de GPS/RTK resultou na geração de uma massa de dados imensa e apenas ocasionalmente utilizada, que pressiona os departamentos agrícolas pela aceleração do processo de implantação da agricultura de precisão. No ambiente corporativo, prevalece entre os investidores a impressão de certa ociosidade, de um potencial não aproveitado nos equipamentos adquiridos, o que de fato corresponde à realidade. Cabe ressaltar, por outro lado, que os fabricantes dos veículos de campo ainda encontram grandes dificuldades para adaptar plenamente suas soluções à realidade da cana. Esta possui características diferenciadas em relação a outras culturas, para as quais há técnicas mais consolidadas, a exemplo da soja. Embora a figura 2 ofereça uma boa representação das principais operações desenvolvidas durante a safra, é necessário ressaltar que, para o caso da cana-de-açúcar, existem outras possibilidades de aproveitamento do novo arsenal técnico que se encontra disponível, em razão de algumas particularidades. Ocorre que, ao contrário de culturas como a soja, que são anuais, a cana cultivada para produção de açúcar, etanol e bioenergia é considerada semi-perene, ou seja, passa por sucessivos cortes e rebrotas, possibilitando seu 2 Estimativa resultante de consultas a departamentos agrícolas de usinas do interior de São Paulo, Minas Gerais e Goiás.
  • 11. reaproveitamento por cerca de 5 a 6 safras3. Por esta razão, o planejamento para o plantio costuma ser bem mais criterioso, buscando alcançar o maior comprimento linear com a menor quantidade de manobras, demandando a elaboração totalmente racionalizada de diferentes cenários. A execução desta sistematização somente se torna viável por meio da utilização de pilotos automáticos a bordo dos veículos, que então reconhecem o posicionamento global de altíssima precisão em tempo real (RTK – Real Time Kinematic) no campo, desde o levantamento da altimetria do terreno até a execução de correções do solo, movimentações de terra para ajuste de terraços, sulcação, plantio e colheita. Sem esses cuidados, especificamente entre a sulcação e a colheita, o pisoteio da cana poderia resultar em grandes e progressivas perdas de produtividade ao longo dos anos, comprometendo a vida útil da planta e antecipando a pressão por renovação dos canaviais. Também em escritório é feita a análise micro e macrologística, que possibilita simular a circulação dos veículos, levando em consideração a produtividade versus a capacidade de carga, a proximidade de vias preferenciais e outros elementos. A adoção da agricultura de precisão como nova filosofia de trabalho no campo é um processo seletivo, que não ocorre simultânea e contiguamente (ARACRI, 2008). Ela resulta nos chamados “pontos luminosos do espaço agrícola brasileiro”, em que as verticalidades têm predominância sobre as horizontalidades (ELIAS, 2007) e onde a lógica das redes se sobrepõe à lógica do território, já que este novo agronegócio demonstra a intensificação do capitalismo no campo e a sua orientação segundo as leis do mercado (ELIAS, 2007), perspectiva na qual a competitividade se torna um atributo valioso, cujo aumento é buscado em cada metro quadrado da propriedade. Ao passo em que a agricultura de precisão se instala nos pequenos municípios brasileiros, surgem também redes de suporte à sua manutenção. Estas consistem nas concessionárias especializadas em máquinas e implementos agrícolas, indústrias fabricantes de peças, insumos, força de trabalho capacitada para operar os equipamentos, além de todos os produtos e serviços associados ao consumo produtivo e consumptivo. Embora toda esta nova realidade represente a criação de empregos e renda num prazo relativamente curto, a 3 Isto depende da variedade de cana e condições edafoclimáticas disponíveis. Cabe ressaltar que a atual crise da produção sucroenergética deriva, em parte, da falta de investimentos na renovação de canaviais, o que resultou numa sensível diminuição da produtividade.
  • 12. especialização produtiva pode se revelar nociva, já que a dependência excessiva torna o cotidiano extremamente sensível a toda e qualquer oscilação do setor sucroenergético, que se orienta por parâmetros externos à realidade local. CONCLUSÕES É necessário compreender que a adoção da agricultura de precisão sempre é alcançada por intermédio da imposição de saberes externos aos tradicionalmente instalados, o que invariavelmente resulta em conflitos. Esta imposição ocorre por meio de ações, que hegemonizam determinadas formas de produzir, intensificando o controle sobre uma porção do território, o que corresponde a uma regionalização em que predominam o pensamento estratégico corporativo e a desnaturalização, sustentados pelo avanço da técnico-ciência (RIBEIRO, 2004). Deste ponto de vista, a técnica não pode ser considerada neutra, visto que seu desenvolvimento se dá com o objetivo de atender a pretensões de agentes orientados pela lógica do mercado, dos quais depende sua sobrevivência comercial. As práticas relacionadas à agricultura de precisão complementam e reforçam localmente os mecanismos de seletividade espacial, materializando e alicerçando um planejamento realizado numa escala superior, que ignora totalmente a realidade cotidiana. Devido a este fato, é comum a prática espacial da marginalização (ARACRI, 2008), que promove a evasão de capitais nas áreas em que, por qualquer razão, não tenha sido possível lograr a produtividade esperada, mesmo após a traumática reestruturação necessária para converter toda uma região para esta nova forma de produzir. Isto leva à reflexão sobre as consequências da massificação, que se encontra em curso, desta filosofia de trabalho em todo o país. Ela representará a radicalização da racionalidade no campo, alisando-o ao substituir rugosidades e saberes historicamente construídos, num processo extremamente acelerado, visto que as resistências oferecidas por este às imposições do capital nem de longe se comparam às apresentadas pelas cidades (ELIAS, 2007). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTAS JR., Ricardo Mendes. Território e regulação: espaço geográfico, fonte material e não-formal do direito. São Paulo: Humanitas: Fapesp, 2005.
  • 13. ARACRI, L. A. A difusão de inovações numa perspectiva crítica: práticas espaciais e a implantação da “agricultura de precisão” na microrregião de Canarana – MT. XV Encontro Nacional de Geógrafos. Anais… São Paulo: AGB, 2008. CAMELINI, J. H. Produção sucroenergética, racionalidade técnica e implicações na ocupação do território brasileiro. In: I Seminário Nacional - Reestruturação do Setor sucroenergético Brasileiro: Novas e Velhas Espacialidades, 2012, Rio de Janeiro, RJ. Anais do I Seminário Nacional - Reestruturação no setor sucroenergético brasileiro: novas e velhas espacialidades. Rio de Janeiro, RJ: FFP-UERJ, 2012. CAMELINI, J. H. Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil: o caso emblemático de Quirinópolis, GO. Dissertação de Mestrado, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: [s.n.], 2011. CASTILLO, R. A. Logística e consolidação de fronteiras agrícolas no território brasileiro: uma avaliação dos investimentos do governo federal em transportes de 1995 a 2005. Relatório final de pesquisa à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (processo n. 2006/58008-3), inédito, 2009. DIAS, L. C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, I. E., GOMES, P.C.C. e CORRÊA, R. L. (orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. ELIAS, D. O meio técnico-científico-informacional e a reorganização do espaço agrário nacional. In: MARAFON, G. J. et al. (orgs.). Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2007. FREDERICO, S. O novo tempo do Cerrado: expansão dos fronts agrícolas e controle do sistema de armazenamento de grãos. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2010. RIBEIRO, A. C. T. Regionalização: fato e ferramenta. In: LIMONAD, E. et al. (orgs.). Brasil século XXI: por uma nova regionalização? São Paulo: Max Limonad, 2004. SANTOS, M. Guerra dos Lugares. In O País Destorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania, São Paulo: Publifolha, 2002. XAVIER, M. A. M. Os elos entre os circuitos da economia urbana brasileira no atual período: os atacadistas distribuidores e seu papel intermediador. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP.: [s.n.], 2009.