SlideShare uma empresa Scribd logo
80 O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com
Este verão assistimos novamente a cená-
rios apocalípticos, com a destruição maciça
de vastas áreas florestais pelo fogo. Uma
tragédia nacional e um desespero parti-
cular para quem esteve ameaçado, ficou
ferido, desalojado ou assistiu impotente à
morte de animais domésticos pelas cha-
mas infernais. Arderam sonhos de vidas,
patrimónios ecológicos e humanos. Um
problema cíclico que o avanço tecnológico
não consegue resolver, nem em ocorrên-
cia, nem em dimensão, dando a perceber
que este flagelo, além de subsistir, tem
aumentado nas últimas décadas. Conclui-
-se que o problema não tem sido resolvido
ou minorado adequadamente. Muitos são
os factores que têm contribuído para este
facto. Contudo, na base da questão poderá
estar o modelo económico vigente, com a
sua ânsia de explorar, dominar e rentabili-
zar tudo o máximo possível e a curto prazo,
sem olhar às consequências ecológicas ou
sociais das suas operações. Tal como o
eucalipto, que cresce rapidamente porque
absorve mais água e nutrientes, esgotando
esses preciosos recursos, que são a
riqueza de todos. As florestas deixaram de
desempenhar o seu papel multidimensional
e passaram a ser monoculturas de eucalip-
tos, cujos proprietários ou são as indústrias
insustentáveis e poluidoras, como as
celuloses, ou são indivíduos que possuem
o mesmo paradigma insalubre. É que, ao
contrário do que alguns interesses insta-
lados querem fazer crer, há uma relação
direta entre a produção desta espécie e a
dimensão dos incêndios florestais. Não é
por acaso que os bombeiros australianos,
país da origem desta espécie, apelidaram
o eucalipto de árvore gasolina e muitos
especialista em fogos florestais na Austrália
e na Califórnia, EUA, declararam os euca-
liptos o seu inimigo público número um.
Afinal as celuloses tinham razão quando
se referiam ao eucalipto como o petróleo
verde! Paralelamente, assistimos a leis que
favorecem a produção desta espécie e a
Força Aérea foi afastada do combate para
deixar surgir uma indústria privada oportu-
nista e dispendiosa ligada ao combate dos
fogos florestais, cujo único objetivo é o lu-
cro e é paga com os dinheiros públicos. No
meio desta loucura, observamos fogos em
monoculturas privadas de eucaliptos, que
A Árvore Gasolina
ou a Floresta Autóctone
O avançar de uma floresta idiota de eucaliptos
Ribeiro Telles
Texto_Jorge Moreira [Ambientalista]
Fotos_DR e Jorge Moreira
Que diabo têm os seres humanos feito ao
espalhar uma planta perigosa por todo o mundo
David Bowman,
ecologista florestal da University of Tasmania,
Austrália, relativamente ao eucalipto
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com 81
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
estavam a ser combatidos com o nosso
dinheiro. Tratam-se de produções geridas
tecnicamente por pessoal qualificado, que
lançam novas dúvidas ligadas à formação
técnica, à gestão e à produção florestal.
Perante o agravamento da problemática
das alterações climáticas e a propagação
das exóticas e infestantes no nosso terri-
tório, o cenário parece muito negro, caso
se pretenda perpetuar estas políticas e
estes modelos (ou a falta deles) de gestão
florestal. Mas vamos por partes.
Durante o mês de agosto tive a oportuni-
dade de percorrer efetivamente o país de
lés a lés, de Vila Real de Santo António a
Valença do Minho. Durante o meu percurso
assisti a um pouco de tudo. Locais com
alguns incêndios ainda activos, outros já
só mostravam a destruição, o sofrimento
e a morte. Isto porque não são só os
seres humanos que sofrem o flagelo do
fogo, mas toda a vida se reduz a cinzas.
Espécies endémicas e raras desaparecem,
os rios e aquíferos ficam contaminados ou
secaram, os solos nus potenciam novas
desgraças, a beleza cessa. É verdade
que dada a heterogeneidade do território
português, será difícil tirar conclusões sim-
plistas daquilo que observei. Já se sabia
que os matos são o que mais ardem e isso
ficou bem patente. Contudo, nos locais
arborizados, um aspecto destacava-se:
onde existiam só espécies autóctones,
os fogos tiveram menor dimensão em
área e intensidade. Foram extintos com
alguma facilidade, mesmo em zonas com
temperaturas elevadas, ventos fortes e hu-
midade baixa, como nos casos do Alentejo
e Ribatejo. Foram fogos que não abriram
noticiários. Nos locais onde existiam vastas
áreas de eucalipto (Eucalyptus globulus) e
pinheiro-bravo (Pinus pinaster), o cenário
era desolador, sinistro, ameaçador, apo-
calíptico. Em espaços onde o eucalipto
aparecia par a par com alguma vegetação
autóctone, ainda se conseguia ver alguma
verdura no meio do cinzento. Quando
divulguei estas observações no terreno,
iguais a tantos outros testemunhos, fotos e
vídeos partilhados na Internet, apareceram
logo dois ou três experts a comentarem
que não existiam dados científicos que pro-
vam essas observações ou que há estudos
que indicam não existir uma relação entre
o eucalipto e o fogo. Na verdade, alguns
dos papers que tive acesso aos quais eles
se basearam, trataram dados para mim
incompletos e já o demonstrei em vários
fóruns nas redes sociais. Isto, para além de
sabermos que muitos dos estudos estão
comprometidos pelas entidades financia-
doras ou empreendedoras. Todavia, não
faltam dados científicos que explicam bem
as minhas observações realizadas no terre-
no. Por exemplo: "Os resultados permitidos
classificam a propensão de incêndio de
acordo com a seguinte ordem decrescen-
te: florestas de pinheiros-bravos, florestas
de eucaliptos, florestas de folha larga não
especificada, florestas de coníferas não
especificadas, montado de sobro, florestas
de castanheiros, florestas de azinheiras e
florestas de pinheiros-mansos" (Silva et
al, 2009); "O nosso estudo confirmou que
as folhosas, tanto em povoamentos puros
ou mistos, diminuem o risco de fogo em
áreas florestais, quando comparadas com
o pinheiro-bravo e o eucalipto" (Marques
et al, 2011); "Dentro do contexto florestal,
estudos em Portugal sugerem que as flo-
restas maduras de folha caduca e florestas
mistas têm geralmente um risco de incên-
dio baixo em comparação com florestas de
pinheiros, plantações de eucalipto ou mista
de pinheiro e eucalipto" (Fernandes, 2009;
Moreira et al., 2009) in: Moreira et al (2011).
O Investigador do Centro de Investigação
e de Tecnologias Agroambientais e Bioló-
gicas da Universidade de Trás-os Montes
e Alto Douro, o Professor Paulo Fernandes,
um especialista muito requisitado nesta
discussão por parte de alguns defensores
da monocultura de eucalipto, acaba por
responde-me numa rede social: "É pacífico
que as matas caducifólias (e outras) difi-
cultam a progressão do fogo...". Também
numa publicação sua acompanhada por
fotografias intitulada "Bidoeiro, a árvore
bombeiro!" Fernandes diz: "O fogo entra
no bidoal e normalmente arde assim,
por manchas e com chama muito curta,
extinguindo-se. É um efeito combinado da
quebra de vento e aumento da humidade
mas principalmente da folhada, com carga
muito baixa e razoavelmente compacta
(para uma folhosa) e nesta época já algo
decomposta...". Recentemente, Fernandes
disse a vários órgãos da comunicação
social que para além dos vidoeiros
(bidoeiros ou bétulas), os carvalhos e os
82 O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
castanheiros estão entre as principais
"árvores bombeiras" pelas mesmas razões
já mencionadas, acrecentando que "não há
ali muito alimento para o fogo e, frequen-
temente, os incêndios ou param por si só,
extinguindo-se ao entrar nas manchas,
ou ardem com pouquíssima intensidade
sem causar danos às árvores (...) para
zonas com "piores" condições de solo há
"sempre" espécies que embora ardam com
maior facilidade conseguem recuperar,
sendo o caso do sobreiro". Ainda num
outro comentário numa rede social, que re-
lacionava as áreas ardidas entre espécies,
Fernandes diz: "Acredito que a área ardida
de carvalhal diminuísse substancialmente
com uma ocupação maior. A fragmentação
e pouca extensão das manchas actuais
propicia que ardam, até porque estão
usualmente rodeadas pelo que mais arde
(matos) e localizadas nas regiões do país
que mais ardem. (...) nota por exemplo que
a maior mancha de carvalho, na serra da
Nogueira, tem-se mantido incólume e nun-
ca ardeu desde que foi plantada a não ser
nas orlas". Num estudo publicado em 2010,
Fernandes et al conclui que os bosques de
folhosas e de resinosas de montanha mo-
dificam as características e a severidade do
fogo, contribuindo para a redução da área
ardida e a resiliência ao fogo. Ao contrário,
num artigo de 2010, intitulado "Florestas
diferentes, fogos diferentes", O investigador
da UTAD diz a respeito do eucalipto: "A
enorme representatividade territorial de
tipos de vegetação muito vulneráveis ao
fogo — pinhal bravo, eucaliptal e matos —
potencia incêndios de grande dimensão
cujos impactes ambientais e socioeconó-
micos são bem conhecidos. (...) Plantações
de pinho e eucalipto têm folhagem rica
em compostos facilmente inflamáveis e
produzem manta morta e detritos lenhosos
de decomposição lenta, o que leva à sua
acumulação. Os povoamentos jovens
são particularmente vulneráveis, mesmo
quando a vegetação arbustiva é pouco
expressiva, uma vez que a continuidade
vertical existente permite que o fogo se
transmita facilmente à copa das árvores. A
casca dos eucaliptos, acumulada na base
das árvores ou ainda presa ao tronco, é
frequentemente projectada em combustão
dando origem a focos secundários de
incêndio que comprometem a eficácia de
qualquer corta-fogo".
Assim, a substituição de espécies autóc-
tones por monoculturas de eucalipto e
pinheiro-bravo, que se tem verificado nas
últimas décadas, com especial incidência
para o Eucalyptus globulus, têm poten-
ciado o problema dos fogos florestais.
Tanto a ciência, como a sabedoria popular
dizem que os bosques constituídos por
carvalhos adultos têm um comportamento
bastante diferente perante o fogo do que
um eucaliptal. Não se pode negar este
facto. Em complemento, a biodiversidade
de um bosque autóctone e os serviços
ecossistémicos que proporciona são bens
que a economia tradicional não inclui. De
igual modo, as externalidades ambientais
negativas da monocultura do eucalipto
também não estão sendo contabilizadas.
São conhecidos os problemas ecológicos,
a fraca biodiversidade, o esgotamento dos
solos e o impacto nos recursos hídricos
que a cultura intensiva acarreta. Por
exemplo: "(O eucalipto) tem importantes
consequências ecológicas, uma vez que
a regeneração cresce rapidamente e
pode dominar facilmente as comunidades
de plantas nativas em fases iniciais da
sucessão ecológica após o abandono das
terras. O abandono das plantações ocorre
principalmente após o último corte ou após
incêndio" (Coord. Joaquim Silva [CEABN
InBIO] in: WILDGUM - Uma abordagem
multi-escala para estudar a naturalização
do eucalipto comum (Eucalyptus globulus
Labill) em Portugal); "O Eucalyptus segrega
certas substâncias que afetam e impedem
o crescimento das plantas que estão ao
redor" (Valverde Valdes, Teresa Cano San-
tana, Zeno, 2005), com impactes significa-
tivos na biodiversidade. “A modificação da
floresta autóctone, nomeadamente através
da plantação de monoculturas de eucalipto
em áreas extensas, tem-se reflectido num
empobrecimento dos solos, provocando
o confinamento das salamandras às mar-
gens dos ribeiros. Foi já demonstrado que
as salamandras evitam a manta morta de
folhas de eucalipto devido à diminuição de
presas e ao efeito tóxico das substâncias
O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com 83
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
das suas folhas (Vences, 1993). Este tipo
de alteração causa, também, modificações
do microhabitat, que se traduzem numa
acentuada diminuição da diversidade de
macroinvertebrados aquáticos e, conco-
mitantemente, num empobrecimento dos
recursos alimentares disponíveis" (Lima,
1995). O Conselho de Plantas Invasoras da
Califórnia (Cal-IPC) considera o eucalipto
um problema de gravidade média, devido à
sua rápida disseminação e sua capacidade
em fazer deslocar as comunidades vegetais
e animais nativas. Em contrapartida, são
muitos os estudos realizados na Península
Ibérica que mostram a existência de maior
biodiversidade das florestas nativas com-
parativamente às explorações de eucalipto
(e.g., Proença et al, 2010; Calviño-Cancela
et al, 2012; Calviño-Cancela et al, 2013;
Cruz, 2014; Cruz et al, 2015).
Com a expansão da árvore gasolina nas
nossas áreas florestais, os fogos não
irão abrandar, especialmente quando
se observa a sua presença em espaços
onde existiam anteriormente povoamentos
de autóctones e, pior do que isso, em
terrenos destinados à agricultura. As
consequências serão cada vez maiores, tal
como prevê um estudo da NASA. É urgente
alterar o rumo. Há que parar de alimentar
as monoculturas desta espécie. É preciso
ir mais longe e tentar resolver os problemas
de forma holística. Valorizar, incentivar,
investir, investigar, reinventar atividades
económicas ligadas às florestas que sejam
verdadeiramente sustentáveis e ricas em
biodiversidade. Potenciar economias que
já conhecemos, tais como a produção do
mel, a pastorícia, a resina, a cortiça, os
cogumelos, as espécies aromáticas, as
flores, chás e frutos silvestres. Promover o
turismo e o desporto sustentável na nature-
za, com percursos pedestres de fruição da
paisagem e das espécies emblemáticas.
Uma economia que sustente uma prática
preventiva, especialmente direcionada para
a floresta autóctone, rica em biodiversida-
de, que proporciona excelentes serviços
de ecossistema. É necessário valorizar
esses serviços prestados pela natureza. É
preciso taxar as externalidades ambientais
negativas de certas monoculturas, como a
do eucalipto. Há que integrar, que melhorar
a nossa relação com as outras formas de
vida e com a floresta. Há que olhar para
os bosques não na forma exploratória,
dominadora, mas com cuidado e coopera-
ção. Afinal, as árvores são seres vivos tão
especiais, capazes de comunicarem entre
si, ajudam-se mutuamente e passam infor-
mação às suas descendentes. Partilham
tanto de nós e dão-nos tanto. Uma floresta
não é uma monocultura de eucaliptos. É a
vida pujante em toda a sua plenitude.
Há uma economia mais bela e segura
para além da pasta de papel, Saibamos
aproveitá-la e potenciá-la. É disto que
Portugal precisa. Solidariedade para
com a nossa natureza, e uma Fénix, que
faça renascer das cinzas uma floresta
autóctone, resistente, resiliente e bela. Uma
floresta viva, cuidada, rica em diversidade.
Que seja ecologicamente redesenhada,
para dificultar as ignições, a severidade e
a propagação do fogo. Uma floresta que
potencie uma economia verdadeiramente
verde, capaz de minorar a problemática
das alterações climáticas e que seja mais
uma das maravilhas de Portugal. Resumi-
damente, é preciso apostar mais na pre-
venção holística e inteligente. Já agora, que
tal criar/requalificar empresas públicas no
combate aos fogos, em vez das privadas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química e sua história (o fogo)
Química e sua história (o fogo)Química e sua história (o fogo)
Química e sua história (o fogo)
Antonio Pereira da Silva
 
Guião exploração home_correcção
Guião exploração home_correcçãoGuião exploração home_correcção
Guião exploração home_correcção
Geografias Geo
 
Biodiversidade joão sousa
Biodiversidade  joão sousaBiodiversidade  joão sousa
Biodiversidade joão sousa
Mayjö .
 
Cp home o mundo é a nossa casa
Cp home   o mundo é a nossa casaCp home   o mundo é a nossa casa
Cp home o mundo é a nossa casa
Jose Simoes
 
Ecologia e valores
Ecologia e valoresEcologia e valores
Ecologia e valores
Zaara Miranda
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
eduardodamas
 
5. recursos naturais
5. recursos naturais5. recursos naturais
5. recursos naturais
Margarida Cardoso
 
DesequilíBrios Ambientais
DesequilíBrios AmbientaisDesequilíBrios Ambientais
DesequilíBrios Ambientais
Diego Yamazaki Bolano
 
2
22
A Responsabilidade Ecológica
A Responsabilidade EcológicaA Responsabilidade Ecológica
A Responsabilidade Ecológica
misslulolilela
 
Modulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestaisModulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestais
Ant�nio Ferreira
 
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
dresousa
 
Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
margaridabt
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
jopob
 
Feira de ciências queimadas
Feira de ciências   queimadasFeira de ciências   queimadas
Feira de ciências queimadas
Marcos Torquato
 
Ferasdoenem ecologia-desastre-mariana
Ferasdoenem ecologia-desastre-marianaFerasdoenem ecologia-desastre-mariana
Ferasdoenem ecologia-desastre-mariana
Vívian Nascimento
 
Ecologia ! moral
Ecologia ! moralEcologia ! moral
Ecologia ! moral
Zaara Miranda
 
3 Questoes
3 Questoes3 Questoes
3 Questoes
Jade
 
6. protecção e conservação da natureza
6. protecção e conservação da natureza6. protecção e conservação da natureza
6. protecção e conservação da natureza
Margarida Cardoso
 
O homem e sua relação com a ecologia
O homem e sua relação com a ecologiaO homem e sua relação com a ecologia
O homem e sua relação com a ecologia
Laila Cruz
 

Mais procurados (20)

Química e sua história (o fogo)
Química e sua história (o fogo)Química e sua história (o fogo)
Química e sua história (o fogo)
 
Guião exploração home_correcção
Guião exploração home_correcçãoGuião exploração home_correcção
Guião exploração home_correcção
 
Biodiversidade joão sousa
Biodiversidade  joão sousaBiodiversidade  joão sousa
Biodiversidade joão sousa
 
Cp home o mundo é a nossa casa
Cp home   o mundo é a nossa casaCp home   o mundo é a nossa casa
Cp home o mundo é a nossa casa
 
Ecologia e valores
Ecologia e valoresEcologia e valores
Ecologia e valores
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
5. recursos naturais
5. recursos naturais5. recursos naturais
5. recursos naturais
 
DesequilíBrios Ambientais
DesequilíBrios AmbientaisDesequilíBrios Ambientais
DesequilíBrios Ambientais
 
2
22
2
 
A Responsabilidade Ecológica
A Responsabilidade EcológicaA Responsabilidade Ecológica
A Responsabilidade Ecológica
 
Modulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestaisModulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestais
 
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
Apoio ao Estudo Ciencias 8ºano(poluição e recusos renovaveis e não renovaveis)
 
Recursos geológicos
Recursos geológicosRecursos geológicos
Recursos geológicos
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
 
Feira de ciências queimadas
Feira de ciências   queimadasFeira de ciências   queimadas
Feira de ciências queimadas
 
Ferasdoenem ecologia-desastre-mariana
Ferasdoenem ecologia-desastre-marianaFerasdoenem ecologia-desastre-mariana
Ferasdoenem ecologia-desastre-mariana
 
Ecologia ! moral
Ecologia ! moralEcologia ! moral
Ecologia ! moral
 
3 Questoes
3 Questoes3 Questoes
3 Questoes
 
6. protecção e conservação da natureza
6. protecção e conservação da natureza6. protecção e conservação da natureza
6. protecção e conservação da natureza
 
O homem e sua relação com a ecologia
O homem e sua relação com a ecologiaO homem e sua relação com a ecologia
O homem e sua relação com a ecologia
 

Semelhante a A árvore gasolina ou a floresta autóctone de Jorge Moreira

Desflorestação
Desflorestação Desflorestação
Desflorestação
inesserafim
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
martaaprata
 
Incêndios Florestais
Incêndios FlorestaisIncêndios Florestais
Incêndios Florestais
esmiucao8b
 
Florestas - Paula
Florestas -   PaulaFlorestas -   Paula
Florestas - Paula
Paula Moreira
 
O que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpointO que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpoint
hannahsbs
 
As florestas - Francisco
As florestas - FranciscoAs florestas - Francisco
As florestas - Francisco
Paula Moreira
 
A importância das florestas
A importância das florestasA importância das florestas
A importância das florestas
elmachon
 
Florestas Tropicais - Encarnação
Florestas Tropicais  - EncarnaçãoFlorestas Tropicais  - Encarnação
Florestas Tropicais - Encarnação
Paula Moreira
 
4-170424151442 4.pptx
4-170424151442 4.pptx4-170424151442 4.pptx
4-170424151442 4.pptx
Cecília Gomes
 
Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2
Mayjö .
 
A floresta - Mariana 5.º B
A floresta - Mariana 5.º BA floresta - Mariana 5.º B
A floresta - Mariana 5.º B
CoordTic
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
CoordTic
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
Clj Rosário
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
Clj Rosário
 
A ciência do fut
A ciência do futA ciência do fut
A ciência do fut
Clj Rosário
 
Desflorestação
DesflorestaçãoDesflorestação
Desflorestação
geografianaserpapinto
 
Grupo nº3
Grupo nº3Grupo nº3
Queimadas 1 B
Queimadas 1 BQueimadas 1 B
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
AMG Sobrenome
 
Desflorestação elisa e isa
Desflorestação   elisa e isaDesflorestação   elisa e isa
Desflorestação elisa e isa
Mayjö .
 

Semelhante a A árvore gasolina ou a floresta autóctone de Jorge Moreira (20)

Desflorestação
Desflorestação Desflorestação
Desflorestação
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Incêndios Florestais
Incêndios FlorestaisIncêndios Florestais
Incêndios Florestais
 
Florestas - Paula
Florestas -   PaulaFlorestas -   Paula
Florestas - Paula
 
O que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpointO que está a destruir a floresta powerpoint
O que está a destruir a floresta powerpoint
 
As florestas - Francisco
As florestas - FranciscoAs florestas - Francisco
As florestas - Francisco
 
A importância das florestas
A importância das florestasA importância das florestas
A importância das florestas
 
Florestas Tropicais - Encarnação
Florestas Tropicais  - EncarnaçãoFlorestas Tropicais  - Encarnação
Florestas Tropicais - Encarnação
 
4-170424151442 4.pptx
4-170424151442 4.pptx4-170424151442 4.pptx
4-170424151442 4.pptx
 
Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2
 
A floresta - Mariana 5.º B
A floresta - Mariana 5.º BA floresta - Mariana 5.º B
A floresta - Mariana 5.º B
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
 
A ciência do fut
A ciência do futA ciência do fut
A ciência do fut
 
Desflorestação
DesflorestaçãoDesflorestação
Desflorestação
 
Grupo nº3
Grupo nº3Grupo nº3
Grupo nº3
 
Queimadas 1 B
Queimadas 1 BQueimadas 1 B
Queimadas 1 B
 
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
 
Desflorestação elisa e isa
Desflorestação   elisa e isaDesflorestação   elisa e isa
Desflorestação elisa e isa
 

Mais de Jorge Moreira

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Jorge Moreira
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Jorge Moreira
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
Jorge Moreira
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Jorge Moreira
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
Jorge Moreira
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Jorge Moreira
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
Jorge Moreira
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
Jorge Moreira
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
Jorge Moreira
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
Jorge Moreira
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Jorge Moreira
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Jorge Moreira
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Jorge Moreira
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
Jorge Moreira
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Jorge Moreira
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Jorge Moreira
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
Jorge Moreira
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
Jorge Moreira
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Jorge Moreira
 

Mais de Jorge Moreira (20)

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Pro...
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
 

A árvore gasolina ou a floresta autóctone de Jorge Moreira

  • 1. 80 O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com Este verão assistimos novamente a cená- rios apocalípticos, com a destruição maciça de vastas áreas florestais pelo fogo. Uma tragédia nacional e um desespero parti- cular para quem esteve ameaçado, ficou ferido, desalojado ou assistiu impotente à morte de animais domésticos pelas cha- mas infernais. Arderam sonhos de vidas, patrimónios ecológicos e humanos. Um problema cíclico que o avanço tecnológico não consegue resolver, nem em ocorrên- cia, nem em dimensão, dando a perceber que este flagelo, além de subsistir, tem aumentado nas últimas décadas. Conclui- -se que o problema não tem sido resolvido ou minorado adequadamente. Muitos são os factores que têm contribuído para este facto. Contudo, na base da questão poderá estar o modelo económico vigente, com a sua ânsia de explorar, dominar e rentabili- zar tudo o máximo possível e a curto prazo, sem olhar às consequências ecológicas ou sociais das suas operações. Tal como o eucalipto, que cresce rapidamente porque absorve mais água e nutrientes, esgotando esses preciosos recursos, que são a riqueza de todos. As florestas deixaram de desempenhar o seu papel multidimensional e passaram a ser monoculturas de eucalip- tos, cujos proprietários ou são as indústrias insustentáveis e poluidoras, como as celuloses, ou são indivíduos que possuem o mesmo paradigma insalubre. É que, ao contrário do que alguns interesses insta- lados querem fazer crer, há uma relação direta entre a produção desta espécie e a dimensão dos incêndios florestais. Não é por acaso que os bombeiros australianos, país da origem desta espécie, apelidaram o eucalipto de árvore gasolina e muitos especialista em fogos florestais na Austrália e na Califórnia, EUA, declararam os euca- liptos o seu inimigo público número um. Afinal as celuloses tinham razão quando se referiam ao eucalipto como o petróleo verde! Paralelamente, assistimos a leis que favorecem a produção desta espécie e a Força Aérea foi afastada do combate para deixar surgir uma indústria privada oportu- nista e dispendiosa ligada ao combate dos fogos florestais, cujo único objetivo é o lu- cro e é paga com os dinheiros públicos. No meio desta loucura, observamos fogos em monoculturas privadas de eucaliptos, que A Árvore Gasolina ou a Floresta Autóctone O avançar de uma floresta idiota de eucaliptos Ribeiro Telles Texto_Jorge Moreira [Ambientalista] Fotos_DR e Jorge Moreira Que diabo têm os seres humanos feito ao espalhar uma planta perigosa por todo o mundo David Bowman, ecologista florestal da University of Tasmania, Austrália, relativamente ao eucalipto Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
  • 2. O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com 81 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS estavam a ser combatidos com o nosso dinheiro. Tratam-se de produções geridas tecnicamente por pessoal qualificado, que lançam novas dúvidas ligadas à formação técnica, à gestão e à produção florestal. Perante o agravamento da problemática das alterações climáticas e a propagação das exóticas e infestantes no nosso terri- tório, o cenário parece muito negro, caso se pretenda perpetuar estas políticas e estes modelos (ou a falta deles) de gestão florestal. Mas vamos por partes. Durante o mês de agosto tive a oportuni- dade de percorrer efetivamente o país de lés a lés, de Vila Real de Santo António a Valença do Minho. Durante o meu percurso assisti a um pouco de tudo. Locais com alguns incêndios ainda activos, outros já só mostravam a destruição, o sofrimento e a morte. Isto porque não são só os seres humanos que sofrem o flagelo do fogo, mas toda a vida se reduz a cinzas. Espécies endémicas e raras desaparecem, os rios e aquíferos ficam contaminados ou secaram, os solos nus potenciam novas desgraças, a beleza cessa. É verdade que dada a heterogeneidade do território português, será difícil tirar conclusões sim- plistas daquilo que observei. Já se sabia que os matos são o que mais ardem e isso ficou bem patente. Contudo, nos locais arborizados, um aspecto destacava-se: onde existiam só espécies autóctones, os fogos tiveram menor dimensão em área e intensidade. Foram extintos com alguma facilidade, mesmo em zonas com temperaturas elevadas, ventos fortes e hu- midade baixa, como nos casos do Alentejo e Ribatejo. Foram fogos que não abriram noticiários. Nos locais onde existiam vastas áreas de eucalipto (Eucalyptus globulus) e pinheiro-bravo (Pinus pinaster), o cenário era desolador, sinistro, ameaçador, apo- calíptico. Em espaços onde o eucalipto aparecia par a par com alguma vegetação autóctone, ainda se conseguia ver alguma verdura no meio do cinzento. Quando divulguei estas observações no terreno, iguais a tantos outros testemunhos, fotos e vídeos partilhados na Internet, apareceram logo dois ou três experts a comentarem que não existiam dados científicos que pro- vam essas observações ou que há estudos que indicam não existir uma relação entre o eucalipto e o fogo. Na verdade, alguns dos papers que tive acesso aos quais eles se basearam, trataram dados para mim incompletos e já o demonstrei em vários fóruns nas redes sociais. Isto, para além de sabermos que muitos dos estudos estão comprometidos pelas entidades financia- doras ou empreendedoras. Todavia, não faltam dados científicos que explicam bem as minhas observações realizadas no terre- no. Por exemplo: "Os resultados permitidos classificam a propensão de incêndio de acordo com a seguinte ordem decrescen- te: florestas de pinheiros-bravos, florestas de eucaliptos, florestas de folha larga não especificada, florestas de coníferas não especificadas, montado de sobro, florestas de castanheiros, florestas de azinheiras e florestas de pinheiros-mansos" (Silva et al, 2009); "O nosso estudo confirmou que as folhosas, tanto em povoamentos puros ou mistos, diminuem o risco de fogo em áreas florestais, quando comparadas com o pinheiro-bravo e o eucalipto" (Marques et al, 2011); "Dentro do contexto florestal, estudos em Portugal sugerem que as flo- restas maduras de folha caduca e florestas mistas têm geralmente um risco de incên- dio baixo em comparação com florestas de pinheiros, plantações de eucalipto ou mista de pinheiro e eucalipto" (Fernandes, 2009; Moreira et al., 2009) in: Moreira et al (2011). O Investigador do Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Bioló- gicas da Universidade de Trás-os Montes e Alto Douro, o Professor Paulo Fernandes, um especialista muito requisitado nesta discussão por parte de alguns defensores da monocultura de eucalipto, acaba por responde-me numa rede social: "É pacífico que as matas caducifólias (e outras) difi- cultam a progressão do fogo...". Também numa publicação sua acompanhada por fotografias intitulada "Bidoeiro, a árvore bombeiro!" Fernandes diz: "O fogo entra no bidoal e normalmente arde assim, por manchas e com chama muito curta, extinguindo-se. É um efeito combinado da quebra de vento e aumento da humidade mas principalmente da folhada, com carga muito baixa e razoavelmente compacta (para uma folhosa) e nesta época já algo decomposta...". Recentemente, Fernandes disse a vários órgãos da comunicação social que para além dos vidoeiros (bidoeiros ou bétulas), os carvalhos e os
  • 3. 82 O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS castanheiros estão entre as principais "árvores bombeiras" pelas mesmas razões já mencionadas, acrecentando que "não há ali muito alimento para o fogo e, frequen- temente, os incêndios ou param por si só, extinguindo-se ao entrar nas manchas, ou ardem com pouquíssima intensidade sem causar danos às árvores (...) para zonas com "piores" condições de solo há "sempre" espécies que embora ardam com maior facilidade conseguem recuperar, sendo o caso do sobreiro". Ainda num outro comentário numa rede social, que re- lacionava as áreas ardidas entre espécies, Fernandes diz: "Acredito que a área ardida de carvalhal diminuísse substancialmente com uma ocupação maior. A fragmentação e pouca extensão das manchas actuais propicia que ardam, até porque estão usualmente rodeadas pelo que mais arde (matos) e localizadas nas regiões do país que mais ardem. (...) nota por exemplo que a maior mancha de carvalho, na serra da Nogueira, tem-se mantido incólume e nun- ca ardeu desde que foi plantada a não ser nas orlas". Num estudo publicado em 2010, Fernandes et al conclui que os bosques de folhosas e de resinosas de montanha mo- dificam as características e a severidade do fogo, contribuindo para a redução da área ardida e a resiliência ao fogo. Ao contrário, num artigo de 2010, intitulado "Florestas diferentes, fogos diferentes", O investigador da UTAD diz a respeito do eucalipto: "A enorme representatividade territorial de tipos de vegetação muito vulneráveis ao fogo — pinhal bravo, eucaliptal e matos — potencia incêndios de grande dimensão cujos impactes ambientais e socioeconó- micos são bem conhecidos. (...) Plantações de pinho e eucalipto têm folhagem rica em compostos facilmente inflamáveis e produzem manta morta e detritos lenhosos de decomposição lenta, o que leva à sua acumulação. Os povoamentos jovens são particularmente vulneráveis, mesmo quando a vegetação arbustiva é pouco expressiva, uma vez que a continuidade vertical existente permite que o fogo se transmita facilmente à copa das árvores. A casca dos eucaliptos, acumulada na base das árvores ou ainda presa ao tronco, é frequentemente projectada em combustão dando origem a focos secundários de incêndio que comprometem a eficácia de qualquer corta-fogo". Assim, a substituição de espécies autóc- tones por monoculturas de eucalipto e pinheiro-bravo, que se tem verificado nas últimas décadas, com especial incidência para o Eucalyptus globulus, têm poten- ciado o problema dos fogos florestais. Tanto a ciência, como a sabedoria popular dizem que os bosques constituídos por carvalhos adultos têm um comportamento bastante diferente perante o fogo do que um eucaliptal. Não se pode negar este facto. Em complemento, a biodiversidade de um bosque autóctone e os serviços ecossistémicos que proporciona são bens que a economia tradicional não inclui. De igual modo, as externalidades ambientais negativas da monocultura do eucalipto também não estão sendo contabilizadas. São conhecidos os problemas ecológicos, a fraca biodiversidade, o esgotamento dos solos e o impacto nos recursos hídricos que a cultura intensiva acarreta. Por exemplo: "(O eucalipto) tem importantes consequências ecológicas, uma vez que a regeneração cresce rapidamente e pode dominar facilmente as comunidades de plantas nativas em fases iniciais da sucessão ecológica após o abandono das terras. O abandono das plantações ocorre principalmente após o último corte ou após incêndio" (Coord. Joaquim Silva [CEABN InBIO] in: WILDGUM - Uma abordagem multi-escala para estudar a naturalização do eucalipto comum (Eucalyptus globulus Labill) em Portugal); "O Eucalyptus segrega certas substâncias que afetam e impedem o crescimento das plantas que estão ao redor" (Valverde Valdes, Teresa Cano San- tana, Zeno, 2005), com impactes significa- tivos na biodiversidade. “A modificação da floresta autóctone, nomeadamente através da plantação de monoculturas de eucalipto em áreas extensas, tem-se reflectido num empobrecimento dos solos, provocando o confinamento das salamandras às mar- gens dos ribeiros. Foi já demonstrado que as salamandras evitam a manta morta de folhas de eucalipto devido à diminuição de presas e ao efeito tóxico das substâncias
  • 4. O Instalador Outubro 2016 www.oinstalador.com 83 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS das suas folhas (Vences, 1993). Este tipo de alteração causa, também, modificações do microhabitat, que se traduzem numa acentuada diminuição da diversidade de macroinvertebrados aquáticos e, conco- mitantemente, num empobrecimento dos recursos alimentares disponíveis" (Lima, 1995). O Conselho de Plantas Invasoras da Califórnia (Cal-IPC) considera o eucalipto um problema de gravidade média, devido à sua rápida disseminação e sua capacidade em fazer deslocar as comunidades vegetais e animais nativas. Em contrapartida, são muitos os estudos realizados na Península Ibérica que mostram a existência de maior biodiversidade das florestas nativas com- parativamente às explorações de eucalipto (e.g., Proença et al, 2010; Calviño-Cancela et al, 2012; Calviño-Cancela et al, 2013; Cruz, 2014; Cruz et al, 2015). Com a expansão da árvore gasolina nas nossas áreas florestais, os fogos não irão abrandar, especialmente quando se observa a sua presença em espaços onde existiam anteriormente povoamentos de autóctones e, pior do que isso, em terrenos destinados à agricultura. As consequências serão cada vez maiores, tal como prevê um estudo da NASA. É urgente alterar o rumo. Há que parar de alimentar as monoculturas desta espécie. É preciso ir mais longe e tentar resolver os problemas de forma holística. Valorizar, incentivar, investir, investigar, reinventar atividades económicas ligadas às florestas que sejam verdadeiramente sustentáveis e ricas em biodiversidade. Potenciar economias que já conhecemos, tais como a produção do mel, a pastorícia, a resina, a cortiça, os cogumelos, as espécies aromáticas, as flores, chás e frutos silvestres. Promover o turismo e o desporto sustentável na nature- za, com percursos pedestres de fruição da paisagem e das espécies emblemáticas. Uma economia que sustente uma prática preventiva, especialmente direcionada para a floresta autóctone, rica em biodiversida- de, que proporciona excelentes serviços de ecossistema. É necessário valorizar esses serviços prestados pela natureza. É preciso taxar as externalidades ambientais negativas de certas monoculturas, como a do eucalipto. Há que integrar, que melhorar a nossa relação com as outras formas de vida e com a floresta. Há que olhar para os bosques não na forma exploratória, dominadora, mas com cuidado e coopera- ção. Afinal, as árvores são seres vivos tão especiais, capazes de comunicarem entre si, ajudam-se mutuamente e passam infor- mação às suas descendentes. Partilham tanto de nós e dão-nos tanto. Uma floresta não é uma monocultura de eucaliptos. É a vida pujante em toda a sua plenitude. Há uma economia mais bela e segura para além da pasta de papel, Saibamos aproveitá-la e potenciá-la. É disto que Portugal precisa. Solidariedade para com a nossa natureza, e uma Fénix, que faça renascer das cinzas uma floresta autóctone, resistente, resiliente e bela. Uma floresta viva, cuidada, rica em diversidade. Que seja ecologicamente redesenhada, para dificultar as ignições, a severidade e a propagação do fogo. Uma floresta que potencie uma economia verdadeiramente verde, capaz de minorar a problemática das alterações climáticas e que seja mais uma das maravilhas de Portugal. Resumi- damente, é preciso apostar mais na pre- venção holística e inteligente. Já agora, que tal criar/requalificar empresas públicas no combate aos fogos, em vez das privadas?