SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Adaptado pelo
Prof. Judson Malta
PLANETA ÁGUA
GUILHERME ARANTES
ÁGUA QUE NASCE NA
FONTE
SERENA DO MUNDO
E QUE ABRE UM
PROFUNDO GROTÃO
ÁGUA QUE FAZ INOCENTE
RIACHO E DESÁGUA
NA CORRENTE DO
RIBEIRÃO...
ÁGUAS ESCURAS DOS RIOS
QUE LEVAM
A FERTILIDADE AO SERTÃO
ÁGUAS QUE BANHAM
ALDEIAS
E MATAM A SEDE DA
POPULAÇÃO...
ÁGUAS QUE CAEM DAS
PEDRAS
NO VÉU DAS CASCATAS
RONCO DE TROVÃO
E DEPOIS DORMEM
TRANQUILAS
NO LEITO DOS LAGOS
NO LEITO DOS LAGOS...
ÁGUA DOS IGARAPÉS
ONDE IARA, A MÃE D'ÁGUA
É MISTERIOSA CANÇÃO
ÁGUA QUE O SOL EVAPORA
PRO CÉU VAI EMBORA
VIRAR NUVENS DE
ALGODÃO...
GOTAS DE ÁGUA DA
CHUVA
ALEGRE ARCO-ÍRIS
SOBRE A PLANTAÇÃO
GOTAS DE ÁGUA DA
CHUVA
TÃO TRISTES, SÃO
LÁGRIMAS
NA INUNDAÇÃO...
ÁGUAS QUE MOVEM
MOINHOS
SÃO AS MESMAS ÁGUAS
QUE ENCHARCAM O
CHÃO
E SEMPRE VOLTAM
HUMILDES
PRO FUNDO DA TERRA
PRO FUNDO DA TERRA...
TERRA! PLANETA ÁGUA
TERRA! PLANETA ÁGUA
TERRA! PLANETA
ÁGUA...
ÁGUA QUE NASCE NA
FONTE
SERENA DO MUNDO
E QUE ABRE UM
PROFUNDO GROTÃO
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao
sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...(2x)
ÁGUA
A ÁGUA É UMA
SUBSTÂNCIA
ABUNDANTE NO
PLANETA TERRA E
COBRE 70% DA
SUPERFÍCIE DO
PLANETA.
Imagem: Saperaud / GNU Free Documentation License.
RECURSO HÍDRICO
“PODEMOS CONSIDERAR OS RECURSOS HÍDRICOS SOB
TRÊS ASPECTOS DISTINTOS, EM FUNÇÃO DE SUA
UTILIDADE:
• COMO ELEMENTO OU COMPONENTE FÍSICO DA
NATUREZA;
• COMO AMBIENTE PARA A VIDA (AMBIENTE AQUÁTICO);
Imagem: Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License.
DISPONIBILIDADE DE ÁGUA NO
MUNDO
ÁGUA, FONTE DE VIDA
MAIS DE 70 %
DO NOSSO
CORPO É
COMPOSTO DE
ÁGUA
CÉREBRO – 75%
CORAÇÃO – 75%
PULMÕES – 86%
FÍGADO – 86%
RINS – 83%
SANGUE- 81%
MÚSCULOS-75%
Imagem: Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
CICLO HIDROLÓGICO
O ciclo hidrológico ou ciclo da água é o
movimento que a água faz na natureza.
Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves /
John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves /
John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
OCEANOS
•GRANDE MASSA DE ÁGUA
SALGADA
•MAIS DE 70% DA SUPERFÍCIE DA
TERRA
•ATLÂNTICO, INDICO, PACIFICO,
GLACIAL
IMPORTÂNCIA DOS OCEANOS
Importância dos
Oceanos
Aspectos naturais:
manutenção da
vida no planeta;
extração de
Minerais;
influencia o clima;
abriga cerca de
80% das
espécies de
vida da Terra .
IMPORTÂNCIA DOS OCEANOS
Importância dos
Oceanos
Aspectos naturais:
Pesca;
regula a
temperatura do
planeta;
deslocamento de
navios cargueiros;
entre outros.
QUAIS SÃO OS OCEANOS?
Oceano
Glacial
Ártico
14 milhões de km²
Oceano
Índico
73 milhões de km²
Profundidade média – 4 000
m
Oceano Atlântico
82,2 milhões de km²
Profundidade média – 3 300 m
Oceano Pacífico
165,3 milhões de km²
Profundidade média – 4000 m
Ponto mais profundo – 11 524 m
RELEVO SUBMARINO
continente
continente
Esquema do perfil do relevo submarino
ilha
bacia
oceânica
taludeplataforma
continental
dorsal
oceânica fossa
abissal
metros
2000 –
0 –
-2000 –
-4000 –
-6000 –
-8000 –
-10000–
SALINIDADE
•CLORETO DE SÓDIO (NACL),
CONHECIDO COMO SAL DE
COZINHA.
•A SALINIDADE DOS OCEANOS É
35%.
•O MAIOR ÍNDICE DE
SALINIDADE ENCONTRADO
ESTÁ NO MAR MORTO.
TEMPERATURA
•NAS ÁREAS PRÓXIMAS AO
EQUADOR, A TEMPERATURA DAS
ÁGUAS É MAIS ALTA DEVIDO AO
MAIOR CALOR DO RAIOS
SOLARES.
•A ÁGUA DOS OCEANOS NA
TERRA ESTÁ, CADA VEZ MAIS,
QUENTE.
•A TEMPERATURA MÉDIA DOS
MARES ATINGIU 17 GRAUS
MARES
• MARES ABERTOS OU COSTEIROS: ESTÃO LIGADOS AOS
OCEANOS.
MAR DE ATALAIA, ARUANA, COPACABANA.
• MARES MEDITERRÂNEOS, INTERIORES OU
CONTINENTAIS: EXISTEM ESTREITAS PASSAGENS QUE
OS CONECTAM AOS OCEANOS.
EXEMPLOS: MAR MEDITERRÂNEO E MAR VERMELHO.
• MARES FECHADOS OU ISOLADOS: SÃO PORÇÕES DE
AGUA SALGADA NO INTERIOR DOS CONTINENTES.
EXEMPLO, O MAR DE ARAL E O MAR CÁSPIO.
MARES
Mar mediterrâneo,
interiores ou isolados.
Mares abertos
ou costeiros.
Mares fechados ou isolados.
OCEANO
ATLÂNTICO
MAR
MEDITEÂNEO
MAR
NEGRO MAR
CÁSPIO
Imagem:PluribusAnthony/GNUFree
DocumentationLicense.
ONDAS
•AS ONDAS SÃO
MOVIMENTOS
PROVOCADOS
PELO VENTO
•AS TSUNAMIS
SÃO ONDAS
GIGANTES,
• ELAS SÃO PROVOCADAS POR
UM GRANDE DESLOCAMENTO
DE ÁGUA QUE OCORRE APÓS
UMA MOVIMENTAÇÃO DE
PLACAS TECTÔNICAS ABAIXO
DOS OCEANOS (5).
Imagem: Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
CORRENTES MARÍTIMAS
•AS CORRENTES MARÍTIMAS SÃO
FLUXOS DE ÁGUA COMO “RIOS”
DENTRO DOS OCEANOS.
•ESSE DESLOCAMENTO ACONTECE
PELA AÇÃO DOS VENTOS E DO
MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DA
TERRA.
•NO MUNDO EXISTEM DOIS TIPOS DE
CORRENTE MARÍTIMA, SÃO ELAS:
CORRENTES QUENTES E CORRENTES
FRIAS.
CORRENTES MARÍTIMAS
Imagem: NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain.
AQUÍFEROS
AQUÍFERO É
UMA
FORMAÇÃO
SUBTERRÂNEA
QUE
FUNCIONA
COMO RESERV
ATÓRIO DE
ÁGUA. Imagem: Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States
Department of Interior / Public Domain. (Tradução Nossa).
Transpiração
da Vegetação
Mesa d´agua
Riacho
Água não confinada
Água confinada
Mesa d´agua
Zona Insaturada
Aquífero de alta condutividade hidráulica
Unidade confinada de baixa
condutividade hidráulica
Direção do fluxo de água
Leito de pedra com baixíssima
condutividade hidráulica
TIPOS DE AQUÍFEROS
POROSOS - A ÁGUA CIRCULA ATRAVÉS DE
POROS. AS FORMAÇÕES GEOLÓGICAS PODEM SER
DETRÍTICAS (EX.: AREIAS LIMPAS), POR VEZES
CONSOLIDADAS POR UM CIMENTO (EX.:
ARENITOS, CONGLOMERADOS, ETC.).
FRATURADOS E/OU FISSURADOS - A ÁGUA
CIRCULA ATRAVÉS DE FRACTURAS OU PEQUENAS
FISSURAS. AS FORMAÇÕES PODEM SER GRANITOS,
GABROS, FILÕES DE QUARTZO
CÁRSTICOS - A ÁGUA CIRCULA EM CONDUTAS
QUE RESULTARAM DO ALARGAMENTO DE
DIACLASES POR DISSOLUÇÃO (7).
AQUÍFEROS
AQUÍFERO NO
BRASIL
O AQUÍFERO
GUARANI É O
PRINCIPAL
MANANCIAL DE
ÁGUA DOCE DA
AMÉRICA DO SUL,
É O MAIOR
MANANCIAL DE
ÁGUA DOCE
SUBTERRÂNEA
Imagem: Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain.
HIDROGRAFIA - RIOS
•RIO É UM CURSO DE ÁGUA QUE
CORRE NATURALMENTE DE UMA
ÁREA MAIS ALTA PARA UMA MAIS
BAIXA DO RELEVO.
GERALMENTE DESÁGUA EM
OUTRO RIO, LAGO OU NO MAR.
LENÇOL FREATICO
•ESSES CURSOS DE ÁGUA SE FORMAM
A PARTIR DA CHUVA, QUE É
ABSORVIDA PELO SOLO ATÉ ATINGIR
ÁREAS IMPERMEÁVEIS NO SUBSOLO
ONDE SE ACUMULA, CONSTITUINDO
O QUE CHAMAMOS DE LENÇOL
FREÁTICO.
CARACTERÍSTICAS DOS RIOS
Tipos de
Foz
Delta Estuário Mista
TIPOS DE
FOZ
Delta/Estuário do Rio do Amazonas
Delta do Rio Ganges
Estuário do Rio Paraíba
Imagens:(a)TerraBrasilis/CreativeCommons-Atribuição-PartilhanosMesmosTermos3.0
NãoAdaptada,(b)(b)NASA/PublicDomaine(c)NASA/PublicDomain.
CARACTERÍSTICAS DOS RIOS
Tipos de
Regime:
Pluvial
(água das
Chuvas);
Nival
(Derretimento
das geleiras);
Pluvional
(Ambos).
Tipos de
Drenagem :
Exorreica
(Deságua
no
oceano);
Endorreica
(Deságua
dentro do
Continente)
;
Arreica
(Não tem
Direção
Definida).
CARACTERÍSTICAS DOS RIOS
Tipo de Relevo
que percorrem:
Planaltos Planícies
Condições
Climáticas:
Perenes
(não secam)
Intermitentes
(secam em
determinado
período)
HIDROGRAFIA DO BRASIL
• A HIDROGRAFIA DO BRASIL ENVOLVE O CONJUNTO DE
RECURSOS HÍDRICOS DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, AS
BACIAS HIDROGRÁFICAS, O OCEANO ATLÂNTICO, OS RIOS,
LAGOS, AS LAGOAS, OS ARQUIPÉLAGOS, OS GOLFOS, AS
BAÍAS, AS CATARATAS, AS USINAS HIDRELÉTRICAS, AS
BARRAGENS ETC. DE ACORDO COM OS ÓRGÃOS
GOVERNAMENTAIS, EXISTEM NO BRASIL DOZE GRANDES
BACIAS HIDROGRÁFICAS, SENDO QUE SETE TÊM O NOME DE
SEUS RIOS PRINCIPAIS: AMAZONAS, PARANÁ, TOCANTINS,
SÃO FRANCISCO, PARNAÍBA, PARAGUAI E URUGUAI (10).
BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL
Imagem:CIA/Bemoeial2/Imagemadaptada/PublicDomain.
Amazônica
Paraguai
Paraná
Uruguai
Atlântico
Sul
Atlântico
Sudeste
Atlântico
Leste
Atlântico NE
Ocidental
Atlântico NE
Oridental
Parnaíba
Tocantins
Araguaia
RIO AMAZONAS
• O RIO AMAZONAS NASCE NA CORDILHEIRA DOS
ANDES, NO PERU. POSSUI 6.868 KM, SENDO QUE
3.165 KM ESTÃO EM TERRITÓRIO BRASILEIRO.
SUA VAZÃO MÉDIA É DA ORDEM DE 109.000
M³/S E 290.000 M³/S NA ESTAÇÃO DE CHUVAS.
É UM RIO TÍPICO DE PLANÍCIE, ELE E MUITOS DE
SEUS AFLUENTES SÃO NAVEGÁVEIS, O QUE É
MUITO IMPORTANTE PARA A POPULAÇÃO
DA AMAZÔNIA, QUE SE SERVE DO RIO COMO
MEIO DE LOCOMOÇÃO.
• O RIO É DIVIDO EM TRÊS PARTES:
AINDA NOS PAÍSES ANDINOS, É CHAMADO
DE RIO MARAÑÓN, AO ENTRAR NO BRASIL, É
CHAMADO DE RIO SOLIMÕES,
AO RECEBER AS ÁGUAS DO RIO NEGRO, PASSA A
SER CHAMADO DE RIO AMAZONAS (11).
RIO AMAZONAS
Imagem:SecretariaExecutivadoMinistériodosTransportes/PublicDomain.
RIO SÃO FRANCISCO
• O RIO SÃO FRANCISCO É UM DOS MAIS
IMPORTANTES CURSOS D'ÁGUA DO BRASIL E DE TODA
A AMÉRICA DO SUL. NASCE EM MINAS GERAIS.
• O RIO TAMBÉM ATRAVESSA O ESTADO DA BAHIA,
FAZENDO SUA DIVISA AO NORTE COM PERNAMBUCO,
CONSTITUINDO, AINDA, A DIVISA NATURAL DOS
ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS, E, POR FIM,
DESÁGUA NO OCEANO ATLÂNTICO.
• EXISTE UMA POLÊMICA, ATUALMENTE, COM RELAÇÃO
À VERDADEIRA NASCENTE. CONFORME ESTUDOS, SUA
NASCENTE REAL E GEOGRÁFICA ESTÁ LOCALIZADA NO
MUNICÍPIO DE MEDEIROS - MG, SEGUNDO ALGUNS
ESTUDIOSOS. NA SERRA DA CANASTRA, NO MUNICÍPIO
DE SÃO ROQUE DE MINAS – MG, ENCONTRA-SE A
APROXIMADAMENTE 1200 METROS DE ALTITUDE A
NASCENTE HISTÓRICA, QUE, POR MUITO TEMPO, SE
PENSOU SER A NASCENTE REAL. MAS ESSA DEFINIÇÃO,
RIO SÃO FRANCISCO
Imagem:JuremaOliveira
RIO SÃO FRANCISCO
• DE ACORDO COM O ENGENHEIRO AGRÔNOMO
GERALDO GENTIL VIEIRA (CODEVASF), A VERDADEIRA
NASCENTE DO RIO SÃO FRANCISCO ESTÁ NO
PLANALTO DE ARAXÁ, NO MUNICÍPIO DE MEDEIROS.
SEGUNDO O ESTUDIOSO, O RIO SAMBURÁ NÃO É UM
AFLUENTE. AO CONTRÁRIO, OS PESQUISADORES
DEFENDEM QUE O "VELHO CHICO", NA VERDADE,
SERIA O AFLUENTE DO SAMBURÁ. DO PLANALTO DE
ARAXÁ ATÉ O PONTO DE CONFLUÊNCIA DOS DOIS
RIOS, NO CÂNION DE SÃO LEÃO, A DISTÂNCIA É DE
147,30 QUILÔMETROS. JÁ A DISTÂNCIA DO CÂNION
ATÉ A NASCENTE OFICIAL DO SÃO FRANCISCO, NA
SERRA DA CANASTRA, É DE APENAS 98,12
QUILÔMETROS. “COMO UM RIO MAIOR PODE SER
AFLUENTE DO MENOR?” (12).
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO
FRANCISCO
• O PROJETO DE TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO
FRANCISCO É UM TEMA BASTANTE POLÊMICO,
POIS TEM POR OBJETIVO UMA SUPOSTA
TENTATIVA DE SOLUCIONAR O PROBLEMA DA
SECA QUE AFETA AS POPULAÇÕES DO
SEMIÁRIDO BRASILEIRO.
• TORNA-SE UM PROJETO DELICADO, DO PONTO
DE VISTA AMBIENTAL, POIS, SEGUNDO ALGUNS
AMBIENTALISTAS, IRÁ AFETAR PROFUNDAMENTE
UM DOS RIOS MAIS IMPORTANTES DE NOSSO
PAÍS, TANTO PELA SUA EXTENSÃO E
IMPORTÂNCIA NA MANUTENÇÃO DA
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA
PRATA• O RIO DA PRATA TEM ORIGEM NO
ENCONTRO DOS RIOS PARANÁ,
URUGUAI E PARAGUAI, NA FRONTEIRA
ENTRE A ARGENTINA E URUGUAI. ESSES
QUATRO RIOS SÃO OS PRINCIPAIS
FORMADORES DESSA BACIA, DE
1.397.905,5 KM² - A SEGUNDA MAIOR
DO PAÍS - E SE ESTENDE ENTRE BRASIL,
URUGUAI, BOLÍVIA, PARAGUAI E
ARGENTINA. O RIO PARANÁ COM 2.940
KM NASCE NA JUNÇÃO DOS RIOS
PARANAÍBA E GRANDE, NA DIVISA DE
MATO GROSSO DO SUL, MINAS GERAIS
E SÃO PAULO. APRESENTA O MAIOR
APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DO
BRASIL, ABRIGANDO, POR EXEMPLO, A
USINA DE ITAIPU. EM 1999, FOI
INAUGURADA, NO RIO PARANÁ, A
USINA HIDRELÉTRICA DE PORTO
PRIMAVERA - A SEGUNDA MAIOR DO
ESTADO DE SÃO PAULO. OS AFLUENTES
DO PARANÁ (TIETÊ E PARANAPANEMA)
TÊM GRANDE POTENCIAL PARA
GERAÇÃO DE ENERGIA. COM RELAÇÃO
ÀS HIDROVIAS, A TIETÊ-PARANÁ É A
Imagem: Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA /
Domínio Público.
POLUIÇÃO
Rios
Esgoto
doméstico
Lixo sólido
Esgotos
industriais
Mares e
Oceanos
Esgotos
Industriais
Vazamentos
de Navios
Petroleiros,
Oleodutos
Lixo sólido
Esgoto
Doméstico
Imagem:khyk54/Creative
CommonsAttribution2.0Generic.
BIBLIOGRAFIA
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais. Apresentação dos Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF,
1998.
Branco, Samuel Gurgel. Água: Origem, Uso e Preservação. São Paulo,
Moderna, 2003.
NUNES, Marcos Roberto & Saconi, Arminda. Água: Fonte de Vida. Recife:
Unicap, 2005.
VESENTINI, J. W. . Brasil: Sociedade e Espaço. 32. ed. São Paulo: Ática,
2006.
SITES CONSULTADOS
• HTTP://WWW.BRASIL.GOV.BR/SOBRE/MEIO-
AMBIENTE/RECURSOS-HIDRICOS
• HTTP://WWW.IBGE.GOV.BR/IBGETEEN/DATAS/AGU
A/HOME.HTML
• HTTP://WWW.IBAMA.GOV.BR
• HTTP://WWW.MMA.GOV.BR/SITIO/
• HTTP://WWW.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL_03/LEIS/
L9433.HTM
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
3 Saperaud / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eis-
3.jpg
07/05/2012
6 Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU
Free Documentation License.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Soca_is
onzo_near_its_mouth.jpeg
07/05/2012
7 Osteomyoamare / Creative Commons
Attribution 3.0 Unported.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anoto
mical_Position_Sketch.png
07/05/2012
9 Ciclo hidrológico em Português, traduzido por
Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA
Gov / Public Domain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ciclo_d
a_%C3%A1gua.jpg
07/05/2012
19 Pluribus Anthony / GNU Free Documentation
License.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:BlankM
ap-World-1985.png
07/05/2012
20 Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0
Unported.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wave_
hitting_rock_on_Finnish_gulf.jpg
07/05/2012
22 NOAA - National Oceanic and Atmospheric
Administration / Public Domain.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Ocean_surf
ace_currents.jpg
07/05/2012
23 Hans Hillewaert / United States Geological
Survey,United States Department of Interior /
Public Domain.
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Aquifer_en.svg 07/05/2012
25 Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní /
Public Domain.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Aquiferogu
arani.jpg
07/05/2012
28a (a) Terra Brasilis / Creative Commons -
Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0
Não Adaptada
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Rio_Para%
C3%ADba_do_Norte.png
07/05/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
28b (b) NASA / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ganges
_88.08434E_21.69247N.jpg
07/05/2012
28c (c) NASA / Public Domain http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Mouths_of
_amazon_geocover_1990.png
07/05/2012
32 CIA / Bemoeial2/ Imagem adaptada / Public
Domain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Brazil-
map-blank.png
07/05/2012
34 Secretaria Executiva do Ministério dos
Transportes / PublicDomain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bcamaz
onica.jpg
07/05/2012
36 Jurema Oliveira http://en.wikipedia.org/wiki/File:Bacia_sao_fran
cisco.jpg
07/05/2012
39 Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA /
Domínio Público.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:River_Plate
.jpg
07/05/2012
40 khyk54 / Creative Commons Attribution 2.0
Generic.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nairobi
_river_pollution.jpg
07/05/2012
Tabela de Imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
Professor
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
áSia clima e vegetação
áSia   clima e vegetaçãoáSia   clima e vegetação
áSia clima e vegetação
Raquel Avila
 

Mais procurados (20)

Clima
ClimaClima
Clima
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
 
Transformação do espaço geográfico
Transformação do espaço geográficoTransformação do espaço geográfico
Transformação do espaço geográfico
 
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
 
A Regionalização da América
A Regionalização da AméricaA Regionalização da América
A Regionalização da América
 
Geografia continente africano
Geografia   continente africanoGeografia   continente africano
Geografia continente africano
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
áSia clima e vegetação
áSia   clima e vegetaçãoáSia   clima e vegetação
áSia clima e vegetação
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Região Nordeste
Região NordesteRegião Nordeste
Região Nordeste
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
América: Vegetação
América: VegetaçãoAmérica: Vegetação
América: Vegetação
 

Destaque

Hidrosfera primeira parte
Hidrosfera primeira parteHidrosfera primeira parte
Hidrosfera primeira parte
edsonluz
 
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar  conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
faf29
 
Geografia do brasil - Hidrografia
Geografia do brasil - HidrografiaGeografia do brasil - Hidrografia
Geografia do brasil - Hidrografia
Tom Lima
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
dianalove15
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
Pelo Siro
 

Destaque (20)

Japão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJapão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do oriente
 
Hidrosfera primeira parte
Hidrosfera primeira parteHidrosfera primeira parte
Hidrosfera primeira parte
 
Delta do Parnaíba -Geografia
Delta do Parnaíba -Geografia  Delta do Parnaíba -Geografia
Delta do Parnaíba -Geografia
 
Brasília na Internet: cidade, turismo e representação.
Brasília na Internet: cidade, turismo e representação. Brasília na Internet: cidade, turismo e representação.
Brasília na Internet: cidade, turismo e representação.
 
Pontos Turísticos de Brasilia
Pontos Turísticos de BrasiliaPontos Turísticos de Brasilia
Pontos Turísticos de Brasilia
 
Geografia do estado de santa catarina
Geografia do estado de santa catarinaGeografia do estado de santa catarina
Geografia do estado de santa catarina
 
Clase 5 dinamica de la hidrosfera
Clase 5 dinamica de la hidrosferaClase 5 dinamica de la hidrosfera
Clase 5 dinamica de la hidrosfera
 
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar  conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
conceito de lugar, paisagem e o sistema solar
 
Geografia do brasil - Hidrografia
Geografia do brasil - HidrografiaGeografia do brasil - Hidrografia
Geografia do brasil - Hidrografia
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
Conceito geográfico de Lugar
Conceito geográfico de LugarConceito geográfico de Lugar
Conceito geográfico de Lugar
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
La dinámica de la hidrosfera
La dinámica de la hidrosferaLa dinámica de la hidrosfera
La dinámica de la hidrosfera
 
Conceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na GeografiaConceito de Lugar na Geografia
Conceito de Lugar na Geografia
 
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé TiarajuHistória em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
 
TIPOS DE MORARIA
TIPOS DE MORARIATIPOS DE MORARIA
TIPOS DE MORARIA
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
 
Hidrosfera
HidrosferaHidrosfera
Hidrosfera
 
A dinâmica da natureza
A dinâmica da naturezaA dinâmica da natureza
A dinâmica da natureza
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
 

Semelhante a A hidrosfera e sua dinâmica

A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.pptA Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
HildebertoJnior
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Google
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
sw4kfysgx7
 

Semelhante a A hidrosfera e sua dinâmica (20)

A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.pptA Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
 
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.pptA Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
 
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.pptA Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
 
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.pptA Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
A Hidrosfera e sua Dinâmica.ppt
 
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdfA Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
 
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdfA Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
A Hidrosfera e sua Dinâmica[351].pdf
 
Aula introdução a hidrologia
Aula   introdução a hidrologiaAula   introdução a hidrologia
Aula introdução a hidrologia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
 
Aguas
AguasAguas
Aguas
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
 
Ud ii.2 hidrosfera
Ud ii.2 hidrosferaUd ii.2 hidrosfera
Ud ii.2 hidrosfera
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
 
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 

Mais de Judson Malta

Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Judson Malta
 

Mais de Judson Malta (12)

ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptxABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
 
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptxCR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
 
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptxApres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
 
Movimentos sociais sociologia 2 ano
Movimentos sociais   sociologia 2 anoMovimentos sociais   sociologia 2 ano
Movimentos sociais sociologia 2 ano
 
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolasAgricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
 
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
 
PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta
PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson MaltaPALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta
PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
 
Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade  Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade
 
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o climaA atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
 
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
 
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

A hidrosfera e sua dinâmica

  • 2. PLANETA ÁGUA GUILHERME ARANTES ÁGUA QUE NASCE NA FONTE SERENA DO MUNDO E QUE ABRE UM PROFUNDO GROTÃO ÁGUA QUE FAZ INOCENTE RIACHO E DESÁGUA NA CORRENTE DO RIBEIRÃO... ÁGUAS ESCURAS DOS RIOS QUE LEVAM A FERTILIDADE AO SERTÃO ÁGUAS QUE BANHAM ALDEIAS E MATAM A SEDE DA POPULAÇÃO... ÁGUAS QUE CAEM DAS PEDRAS NO VÉU DAS CASCATAS RONCO DE TROVÃO E DEPOIS DORMEM TRANQUILAS NO LEITO DOS LAGOS NO LEITO DOS LAGOS... ÁGUA DOS IGARAPÉS ONDE IARA, A MÃE D'ÁGUA É MISTERIOSA CANÇÃO ÁGUA QUE O SOL EVAPORA PRO CÉU VAI EMBORA VIRAR NUVENS DE ALGODÃO... GOTAS DE ÁGUA DA CHUVA ALEGRE ARCO-ÍRIS SOBRE A PLANTAÇÃO GOTAS DE ÁGUA DA CHUVA TÃO TRISTES, SÃO LÁGRIMAS NA INUNDAÇÃO... ÁGUAS QUE MOVEM MOINHOS SÃO AS MESMAS ÁGUAS QUE ENCHARCAM O CHÃO E SEMPRE VOLTAM HUMILDES PRO FUNDO DA TERRA PRO FUNDO DA TERRA... TERRA! PLANETA ÁGUA TERRA! PLANETA ÁGUA TERRA! PLANETA ÁGUA... ÁGUA QUE NASCE NA FONTE SERENA DO MUNDO E QUE ABRE UM PROFUNDO GROTÃO Água que faz inocente Riacho e deságua Na corrente do ribeirão... Águas escuras dos rios Que levam a fertilidade ao sertão Águas que banham aldeias E matam a sede da população... Águas que movem moinhos São as mesmas águas Que encharcam o chão E sempre voltam humildes Pro fundo da terra Pro fundo da terra... Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água...(2x)
  • 3. ÁGUA A ÁGUA É UMA SUBSTÂNCIA ABUNDANTE NO PLANETA TERRA E COBRE 70% DA SUPERFÍCIE DO PLANETA. Imagem: Saperaud / GNU Free Documentation License.
  • 4. RECURSO HÍDRICO “PODEMOS CONSIDERAR OS RECURSOS HÍDRICOS SOB TRÊS ASPECTOS DISTINTOS, EM FUNÇÃO DE SUA UTILIDADE: • COMO ELEMENTO OU COMPONENTE FÍSICO DA NATUREZA; • COMO AMBIENTE PARA A VIDA (AMBIENTE AQUÁTICO); Imagem: Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License.
  • 6. ÁGUA, FONTE DE VIDA MAIS DE 70 % DO NOSSO CORPO É COMPOSTO DE ÁGUA CÉREBRO – 75% CORAÇÃO – 75% PULMÕES – 86% FÍGADO – 86% RINS – 83% SANGUE- 81% MÚSCULOS-75% Imagem: Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
  • 7. CICLO HIDROLÓGICO O ciclo hidrológico ou ciclo da água é o movimento que a água faz na natureza. Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
  • 8. Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
  • 9. OCEANOS •GRANDE MASSA DE ÁGUA SALGADA •MAIS DE 70% DA SUPERFÍCIE DA TERRA •ATLÂNTICO, INDICO, PACIFICO, GLACIAL
  • 10. IMPORTÂNCIA DOS OCEANOS Importância dos Oceanos Aspectos naturais: manutenção da vida no planeta; extração de Minerais; influencia o clima; abriga cerca de 80% das espécies de vida da Terra .
  • 11. IMPORTÂNCIA DOS OCEANOS Importância dos Oceanos Aspectos naturais: Pesca; regula a temperatura do planeta; deslocamento de navios cargueiros; entre outros.
  • 12.
  • 13. QUAIS SÃO OS OCEANOS? Oceano Glacial Ártico 14 milhões de km² Oceano Índico 73 milhões de km² Profundidade média – 4 000 m Oceano Atlântico 82,2 milhões de km² Profundidade média – 3 300 m Oceano Pacífico 165,3 milhões de km² Profundidade média – 4000 m Ponto mais profundo – 11 524 m
  • 14. RELEVO SUBMARINO continente continente Esquema do perfil do relevo submarino ilha bacia oceânica taludeplataforma continental dorsal oceânica fossa abissal metros 2000 – 0 – -2000 – -4000 – -6000 – -8000 – -10000–
  • 15. SALINIDADE •CLORETO DE SÓDIO (NACL), CONHECIDO COMO SAL DE COZINHA. •A SALINIDADE DOS OCEANOS É 35%. •O MAIOR ÍNDICE DE SALINIDADE ENCONTRADO ESTÁ NO MAR MORTO.
  • 16. TEMPERATURA •NAS ÁREAS PRÓXIMAS AO EQUADOR, A TEMPERATURA DAS ÁGUAS É MAIS ALTA DEVIDO AO MAIOR CALOR DO RAIOS SOLARES. •A ÁGUA DOS OCEANOS NA TERRA ESTÁ, CADA VEZ MAIS, QUENTE. •A TEMPERATURA MÉDIA DOS MARES ATINGIU 17 GRAUS
  • 17. MARES • MARES ABERTOS OU COSTEIROS: ESTÃO LIGADOS AOS OCEANOS. MAR DE ATALAIA, ARUANA, COPACABANA. • MARES MEDITERRÂNEOS, INTERIORES OU CONTINENTAIS: EXISTEM ESTREITAS PASSAGENS QUE OS CONECTAM AOS OCEANOS. EXEMPLOS: MAR MEDITERRÂNEO E MAR VERMELHO. • MARES FECHADOS OU ISOLADOS: SÃO PORÇÕES DE AGUA SALGADA NO INTERIOR DOS CONTINENTES. EXEMPLO, O MAR DE ARAL E O MAR CÁSPIO.
  • 18. MARES Mar mediterrâneo, interiores ou isolados. Mares abertos ou costeiros. Mares fechados ou isolados. OCEANO ATLÂNTICO MAR MEDITEÂNEO MAR NEGRO MAR CÁSPIO Imagem:PluribusAnthony/GNUFree DocumentationLicense.
  • 19. ONDAS •AS ONDAS SÃO MOVIMENTOS PROVOCADOS PELO VENTO •AS TSUNAMIS SÃO ONDAS GIGANTES, • ELAS SÃO PROVOCADAS POR UM GRANDE DESLOCAMENTO DE ÁGUA QUE OCORRE APÓS UMA MOVIMENTAÇÃO DE PLACAS TECTÔNICAS ABAIXO DOS OCEANOS (5). Imagem: Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
  • 20. CORRENTES MARÍTIMAS •AS CORRENTES MARÍTIMAS SÃO FLUXOS DE ÁGUA COMO “RIOS” DENTRO DOS OCEANOS. •ESSE DESLOCAMENTO ACONTECE PELA AÇÃO DOS VENTOS E DO MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DA TERRA. •NO MUNDO EXISTEM DOIS TIPOS DE CORRENTE MARÍTIMA, SÃO ELAS: CORRENTES QUENTES E CORRENTES FRIAS.
  • 21. CORRENTES MARÍTIMAS Imagem: NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain.
  • 22. AQUÍFEROS AQUÍFERO É UMA FORMAÇÃO SUBTERRÂNEA QUE FUNCIONA COMO RESERV ATÓRIO DE ÁGUA. Imagem: Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States Department of Interior / Public Domain. (Tradução Nossa). Transpiração da Vegetação Mesa d´agua Riacho Água não confinada Água confinada Mesa d´agua Zona Insaturada Aquífero de alta condutividade hidráulica Unidade confinada de baixa condutividade hidráulica Direção do fluxo de água Leito de pedra com baixíssima condutividade hidráulica
  • 23. TIPOS DE AQUÍFEROS POROSOS - A ÁGUA CIRCULA ATRAVÉS DE POROS. AS FORMAÇÕES GEOLÓGICAS PODEM SER DETRÍTICAS (EX.: AREIAS LIMPAS), POR VEZES CONSOLIDADAS POR UM CIMENTO (EX.: ARENITOS, CONGLOMERADOS, ETC.). FRATURADOS E/OU FISSURADOS - A ÁGUA CIRCULA ATRAVÉS DE FRACTURAS OU PEQUENAS FISSURAS. AS FORMAÇÕES PODEM SER GRANITOS, GABROS, FILÕES DE QUARTZO CÁRSTICOS - A ÁGUA CIRCULA EM CONDUTAS QUE RESULTARAM DO ALARGAMENTO DE DIACLASES POR DISSOLUÇÃO (7).
  • 24. AQUÍFEROS AQUÍFERO NO BRASIL O AQUÍFERO GUARANI É O PRINCIPAL MANANCIAL DE ÁGUA DOCE DA AMÉRICA DO SUL, É O MAIOR MANANCIAL DE ÁGUA DOCE SUBTERRÂNEA Imagem: Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain.
  • 25. HIDROGRAFIA - RIOS •RIO É UM CURSO DE ÁGUA QUE CORRE NATURALMENTE DE UMA ÁREA MAIS ALTA PARA UMA MAIS BAIXA DO RELEVO. GERALMENTE DESÁGUA EM OUTRO RIO, LAGO OU NO MAR.
  • 26. LENÇOL FREATICO •ESSES CURSOS DE ÁGUA SE FORMAM A PARTIR DA CHUVA, QUE É ABSORVIDA PELO SOLO ATÉ ATINGIR ÁREAS IMPERMEÁVEIS NO SUBSOLO ONDE SE ACUMULA, CONSTITUINDO O QUE CHAMAMOS DE LENÇOL FREÁTICO.
  • 27. CARACTERÍSTICAS DOS RIOS Tipos de Foz Delta Estuário Mista
  • 28. TIPOS DE FOZ Delta/Estuário do Rio do Amazonas Delta do Rio Ganges Estuário do Rio Paraíba Imagens:(a)TerraBrasilis/CreativeCommons-Atribuição-PartilhanosMesmosTermos3.0 NãoAdaptada,(b)(b)NASA/PublicDomaine(c)NASA/PublicDomain.
  • 29. CARACTERÍSTICAS DOS RIOS Tipos de Regime: Pluvial (água das Chuvas); Nival (Derretimento das geleiras); Pluvional (Ambos). Tipos de Drenagem : Exorreica (Deságua no oceano); Endorreica (Deságua dentro do Continente) ; Arreica (Não tem Direção Definida).
  • 30. CARACTERÍSTICAS DOS RIOS Tipo de Relevo que percorrem: Planaltos Planícies Condições Climáticas: Perenes (não secam) Intermitentes (secam em determinado período)
  • 31. HIDROGRAFIA DO BRASIL • A HIDROGRAFIA DO BRASIL ENVOLVE O CONJUNTO DE RECURSOS HÍDRICOS DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, AS BACIAS HIDROGRÁFICAS, O OCEANO ATLÂNTICO, OS RIOS, LAGOS, AS LAGOAS, OS ARQUIPÉLAGOS, OS GOLFOS, AS BAÍAS, AS CATARATAS, AS USINAS HIDRELÉTRICAS, AS BARRAGENS ETC. DE ACORDO COM OS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS, EXISTEM NO BRASIL DOZE GRANDES BACIAS HIDROGRÁFICAS, SENDO QUE SETE TÊM O NOME DE SEUS RIOS PRINCIPAIS: AMAZONAS, PARANÁ, TOCANTINS, SÃO FRANCISCO, PARNAÍBA, PARAGUAI E URUGUAI (10).
  • 32. BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL Imagem:CIA/Bemoeial2/Imagemadaptada/PublicDomain. Amazônica Paraguai Paraná Uruguai Atlântico Sul Atlântico Sudeste Atlântico Leste Atlântico NE Ocidental Atlântico NE Oridental Parnaíba Tocantins Araguaia
  • 33. RIO AMAZONAS • O RIO AMAZONAS NASCE NA CORDILHEIRA DOS ANDES, NO PERU. POSSUI 6.868 KM, SENDO QUE 3.165 KM ESTÃO EM TERRITÓRIO BRASILEIRO. SUA VAZÃO MÉDIA É DA ORDEM DE 109.000 M³/S E 290.000 M³/S NA ESTAÇÃO DE CHUVAS. É UM RIO TÍPICO DE PLANÍCIE, ELE E MUITOS DE SEUS AFLUENTES SÃO NAVEGÁVEIS, O QUE É MUITO IMPORTANTE PARA A POPULAÇÃO DA AMAZÔNIA, QUE SE SERVE DO RIO COMO MEIO DE LOCOMOÇÃO. • O RIO É DIVIDO EM TRÊS PARTES: AINDA NOS PAÍSES ANDINOS, É CHAMADO DE RIO MARAÑÓN, AO ENTRAR NO BRASIL, É CHAMADO DE RIO SOLIMÕES, AO RECEBER AS ÁGUAS DO RIO NEGRO, PASSA A SER CHAMADO DE RIO AMAZONAS (11).
  • 35. RIO SÃO FRANCISCO • O RIO SÃO FRANCISCO É UM DOS MAIS IMPORTANTES CURSOS D'ÁGUA DO BRASIL E DE TODA A AMÉRICA DO SUL. NASCE EM MINAS GERAIS. • O RIO TAMBÉM ATRAVESSA O ESTADO DA BAHIA, FAZENDO SUA DIVISA AO NORTE COM PERNAMBUCO, CONSTITUINDO, AINDA, A DIVISA NATURAL DOS ESTADOS DE SERGIPE E ALAGOAS, E, POR FIM, DESÁGUA NO OCEANO ATLÂNTICO. • EXISTE UMA POLÊMICA, ATUALMENTE, COM RELAÇÃO À VERDADEIRA NASCENTE. CONFORME ESTUDOS, SUA NASCENTE REAL E GEOGRÁFICA ESTÁ LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE MEDEIROS - MG, SEGUNDO ALGUNS ESTUDIOSOS. NA SERRA DA CANASTRA, NO MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE DE MINAS – MG, ENCONTRA-SE A APROXIMADAMENTE 1200 METROS DE ALTITUDE A NASCENTE HISTÓRICA, QUE, POR MUITO TEMPO, SE PENSOU SER A NASCENTE REAL. MAS ESSA DEFINIÇÃO,
  • 37. RIO SÃO FRANCISCO • DE ACORDO COM O ENGENHEIRO AGRÔNOMO GERALDO GENTIL VIEIRA (CODEVASF), A VERDADEIRA NASCENTE DO RIO SÃO FRANCISCO ESTÁ NO PLANALTO DE ARAXÁ, NO MUNICÍPIO DE MEDEIROS. SEGUNDO O ESTUDIOSO, O RIO SAMBURÁ NÃO É UM AFLUENTE. AO CONTRÁRIO, OS PESQUISADORES DEFENDEM QUE O "VELHO CHICO", NA VERDADE, SERIA O AFLUENTE DO SAMBURÁ. DO PLANALTO DE ARAXÁ ATÉ O PONTO DE CONFLUÊNCIA DOS DOIS RIOS, NO CÂNION DE SÃO LEÃO, A DISTÂNCIA É DE 147,30 QUILÔMETROS. JÁ A DISTÂNCIA DO CÂNION ATÉ A NASCENTE OFICIAL DO SÃO FRANCISCO, NA SERRA DA CANASTRA, É DE APENAS 98,12 QUILÔMETROS. “COMO UM RIO MAIOR PODE SER AFLUENTE DO MENOR?” (12).
  • 38. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO • O PROJETO DE TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO É UM TEMA BASTANTE POLÊMICO, POIS TEM POR OBJETIVO UMA SUPOSTA TENTATIVA DE SOLUCIONAR O PROBLEMA DA SECA QUE AFETA AS POPULAÇÕES DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. • TORNA-SE UM PROJETO DELICADO, DO PONTO DE VISTA AMBIENTAL, POIS, SEGUNDO ALGUNS AMBIENTALISTAS, IRÁ AFETAR PROFUNDAMENTE UM DOS RIOS MAIS IMPORTANTES DE NOSSO PAÍS, TANTO PELA SUA EXTENSÃO E IMPORTÂNCIA NA MANUTENÇÃO DA
  • 39. BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA PRATA• O RIO DA PRATA TEM ORIGEM NO ENCONTRO DOS RIOS PARANÁ, URUGUAI E PARAGUAI, NA FRONTEIRA ENTRE A ARGENTINA E URUGUAI. ESSES QUATRO RIOS SÃO OS PRINCIPAIS FORMADORES DESSA BACIA, DE 1.397.905,5 KM² - A SEGUNDA MAIOR DO PAÍS - E SE ESTENDE ENTRE BRASIL, URUGUAI, BOLÍVIA, PARAGUAI E ARGENTINA. O RIO PARANÁ COM 2.940 KM NASCE NA JUNÇÃO DOS RIOS PARANAÍBA E GRANDE, NA DIVISA DE MATO GROSSO DO SUL, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. APRESENTA O MAIOR APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DO BRASIL, ABRIGANDO, POR EXEMPLO, A USINA DE ITAIPU. EM 1999, FOI INAUGURADA, NO RIO PARANÁ, A USINA HIDRELÉTRICA DE PORTO PRIMAVERA - A SEGUNDA MAIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO. OS AFLUENTES DO PARANÁ (TIETÊ E PARANAPANEMA) TÊM GRANDE POTENCIAL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA. COM RELAÇÃO ÀS HIDROVIAS, A TIETÊ-PARANÁ É A Imagem: Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA / Domínio Público.
  • 40. POLUIÇÃO Rios Esgoto doméstico Lixo sólido Esgotos industriais Mares e Oceanos Esgotos Industriais Vazamentos de Navios Petroleiros, Oleodutos Lixo sólido Esgoto Doméstico Imagem:khyk54/Creative CommonsAttribution2.0Generic.
  • 41. BIBLIOGRAFIA BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Apresentação dos Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. Branco, Samuel Gurgel. Água: Origem, Uso e Preservação. São Paulo, Moderna, 2003. NUNES, Marcos Roberto & Saconi, Arminda. Água: Fonte de Vida. Recife: Unicap, 2005. VESENTINI, J. W. . Brasil: Sociedade e Espaço. 32. ed. São Paulo: Ática, 2006.
  • 42. SITES CONSULTADOS • HTTP://WWW.BRASIL.GOV.BR/SOBRE/MEIO- AMBIENTE/RECURSOS-HIDRICOS • HTTP://WWW.IBGE.GOV.BR/IBGETEEN/DATAS/AGU A/HOME.HTML • HTTP://WWW.IBAMA.GOV.BR • HTTP://WWW.MMA.GOV.BR/SITIO/ • HTTP://WWW.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL_03/LEIS/ L9433.HTM
  • 43. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 3 Saperaud / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eis- 3.jpg 07/05/2012 6 Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Soca_is onzo_near_its_mouth.jpeg 07/05/2012 7 Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anoto mical_Position_Sketch.png 07/05/2012 9 Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ciclo_d a_%C3%A1gua.jpg 07/05/2012 19 Pluribus Anthony / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:BlankM ap-World-1985.png 07/05/2012 20 Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wave_ hitting_rock_on_Finnish_gulf.jpg 07/05/2012 22 NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Ocean_surf ace_currents.jpg 07/05/2012 23 Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States Department of Interior / Public Domain. http://en.wikipedia.org/wiki/File:Aquifer_en.svg 07/05/2012 25 Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Aquiferogu arani.jpg 07/05/2012 28a (a) Terra Brasilis / Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Rio_Para% C3%ADba_do_Norte.png 07/05/2012 Tabela de Imagens
  • 44. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 28b (b) NASA / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ganges _88.08434E_21.69247N.jpg 07/05/2012 28c (c) NASA / Public Domain http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Mouths_of _amazon_geocover_1990.png 07/05/2012 32 CIA / Bemoeial2/ Imagem adaptada / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Brazil- map-blank.png 07/05/2012 34 Secretaria Executiva do Ministério dos Transportes / PublicDomain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bcamaz onica.jpg 07/05/2012 36 Jurema Oliveira http://en.wikipedia.org/wiki/File:Bacia_sao_fran cisco.jpg 07/05/2012 39 Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA / Domínio Público. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:River_Plate .jpg 07/05/2012 40 khyk54 / Creative Commons Attribution 2.0 Generic. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nairobi _river_pollution.jpg 07/05/2012 Tabela de Imagens