SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 76
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA
GRUPO DE PESQUISA EM GEOECOLOGIA E
PLANEJAMENTO TERRITORIAL
Prof Drnd. Judson Augusto Oliveira Malta
Conheça nossa Rede
judsonmalta.blogspot.com.br/
facebook.com/geocacadores
youtube.com/geocacadores
Estrutura
O que é a Mata Atlântica?
Mata no Nordeste: Uma
perspectiva regional
Fitogeografia, Unidades de
Paisagem e Zoneamento RVSMJ
A Mata Atlântica em Sergipe
A Mata Atlântica compreende
as formações vegetais da
região costeira do Brasil,
desde formações florestais
Tropicais a ecossistemas
associados ao litoral
brasileiro.
A Mata Atlântica representa cerca de 13% do território brasileiro,
(IBGE, 2005)
Fonte: www.sosma.org.br
• Tropical úmido;
• Microclimas.
Clima
• Médias elevadas;
• Alta Precipitação
Temperatura
• Planaltos;
• Serras.
Relevo
1: Mar; 2: Praia; 3: Dunas;
4: Mata de
restingas;
5: Manguezal;
6: Mata
Pluvial
Costeira;
7: Mata de
encosta;
8: Mata de
neblina;
9: Mata semi-
seca do Vale
do Paraíba;
10: Região
seca à
“sombra” da
montanha.
Mais de 20 mil espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas;
270 espécies conhecidas de mamíferos;
992 espécies de pássaros;
197 répteis;
372 anfíbios;
350 peixes.
Palmeiras
Bromélias, begônias, orquídeas, cipós e briófitas
Pau-brasil, jacarandá, peroba, jequitibá-rosa, cedro
Tapiriria
Andira
Ananas
Pau-Brasil Ouro
Cana-de-
açúcar
Café e
Cacau
Ocupação
demográfica
Papel
Aspectos Ambientais
 A alta pluviosidade nessa região deve-se à barreira
que a serra constitui para os ventos que sopram do
mar.
 No interior da mata, devido à densidade da
vegetação, a luz é reduzida.
 A Mata Atlântica é considerada uma das grandes
prioridades para a conservação de biodiversidade
em todo o continente americano.
 Em estado crítico, sua cobertura florestal achava-se
reduzida à cerca de 7,6% da área original, até
meados de 2004. Fonte: biobras.org.br
Antes e o depois da Mata Atlântica
Distribuição das
RPPNs apoiadas
pelo Programa
Central da Mata Atlântica
Serra do Mar
Ecorregião das Araucárias
Corredor do Nordeste
De acordo com o Mapa da Área de
Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006,
segundo Decreto nº 6.660, de 21 de
novembro de 2008, publicado no
Diário Oficial da União de
24/11/2008.
Fonte: IBGE, 2008
2009
MATA ATLÂNTICA
Ombrófila
Densa
Ombrófila
Mista
Ombrófila
Aberta
Estacional
Decidual
Estacional
Semidecidual
Campos de
Altitude
Restingas Manguezais
Formações e Subformações
 Vive na Mata Atlântica atualmente quase 69% da
população brasileira (IBGE, 2014).
 São mais de 131 milhões de habitantes
 Projeto de Lei da Mata Atlântica, que regulamenta o uso
e a exploração de seus remanescentes florestais e
recursos naturais, tramitou por 14 anos no Congresso
Nacional e foi finalmente sancionado pelo presidente Lula
em dezembro de 2006.
 O Brasil já tem mais de 1.100 RPPNs reconhecidas, sendo
que mais de 760 delas estão na Mata Atlântica.
 Das 633 espécies de animais ameaçadas de extinção no
Brasil, 383 ocorrem na Mata Atlântica.
Fonte: www.sosma.org.br
Jovem com deficiência visual é
a guia do turismo.
 As Reservas de Mata Atlântica da Costa do
Descobrimento possuem 112.000 hectares da
Reserva da Biosfera da Mata Atlântica
Judson Augusto Oliveira Malta
Orientadora: Profa. Dra. Rosemeri Melo e Souza
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA
GRUPO DE PESQUISA EM GEOECOLOGIA E
PLANEJAMENTO TERRITORIAL
 O Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (RVSMJ)
é um remanescente de Mata Atlântica localizado
em Capela/SE que tornou-se Unidade de
Conservação (UC) em dezembro de 2007, possui
conselho consultivo e plano de manejo.
 A importância da Mata do Junco extrapola o aspecto
ecológico, pois nesta localidade constroem-se, a
partir da relação sociedade-natureza, uma rede de
interesses econômicos e significados
simbólicos que caracterizam os conflitos
socioambientais.
INTRODUÇÃO
 Este espaço territorial protegido, destaca-se por:
INTRODUÇÃO
OBJETIVO GERAL
avaliar a dinâmica fitogeográfica a
partir da relação sociedade-
natureza, visando subsidiar a
proteção socialmente contextualizada
do RVSMJ enquanto espaço territorial
protegido.
METODOLOGIA
 Pesquisa Bibliográfica
 Levantamento de dados geográficos:
1. SRTM / SPOT / Atlas do estado de SE da SEMARH.
 Realização de trabalhos de campo para:
1.Elaborar o perfil fitogeográfico e de uso do solo;
2.Levantar as características fitofisionômicas;
3.Fazer entrevistas semi-estruturadas com atores
sociais e comunidades do entorno.
 Análise de solos (SOUZA, 2011) e da Climatologia
(EMDAGRO, 2010)
METODOLOGIA
 Elaboração dos seguintes mapas com a utilização de
ArcGis 10 / SPRING 5 / Global Mapper 11:
 Vegetação e uso do solo;
 Geologia;
 geomorfologia;
 Declividade;
 localização e acessos;
 hipsometria e recursos hídricos;
 fitogeografia e caminhos;
 Unidades da paisagem (FAVERO et al, 2008): inventário
de informações pertinentes ao estudo e dos elementos
constituintes da paisagem do RVSMJ, trabalhos de
campo e produção da carta síntese.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
1 A RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA E A DINÂMICA
FITOGEOGRÁFICA.
2 CENÁRIOS DA PESQUISA: O REFÚGIO DE VIDA
SILVESTRE DA MATA DO JUNCO E O MUNICÍPIO DE
CAPELA/SE.
3 RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO DO
RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS
SOCIOAMBIENTAIS.
4 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E UNIDADES DE
PAISAGEM NO RVSMJ
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANEXOS
C.1 - A Relação Sociedade-Natureza e
a Dinâmica Fitogeográfica
1.1 A NATUREZA NA SOCIEDADE: UM
HISTÓRICO DO CONCEITO. (LIMBERGER, 2006)
(BERTALANFFY, 1950)
1.2 A SOCIEDADE NA NATUREZA: A
CONTRADIÇÃO NA (RE)PRODUÇÃO ESPACIAL
CAPITALISTA. (GOMES, 1991) (SMITH,1984)
1.3 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA, O PROCESSO
DE FRAGMENTAÇÃO E OS ESPAÇOS
TERRITORIAIS PROTEGIDOS COMO
RESULTANTES DA RELAÇÃO SOCIEDADE-
NATUREZA. (METZGER, 2001)
C.2 - CENÁRIOS DA PESQUISA: O
RVSMJ E O MUNICÍPIO DE CAPELA/SE.
2.1 SISTEMAS DA NATUREZA
Solos do RVSMJ; geomorfologia e declividade;
geologia; clima; recursos hídricos e hipsometria
2.2 SISTEMAS DA SOCIEDADE
História e economia de Capela; aspectos
demográficos do município; o histórico da luta do
MST pela terra e a criação do RVSMJ; vegetação e
uso do solo no RVSMJ.
SISTEMAS DA NATUREZA
Sistemas da Sociedade
C.3 - RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO
DO RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS.
3.1 O HISTÓRICO DA DINÂMICA TERRITORIAL.
3.2 OS ATORES SOCIAIS.
3.3 ANÁLISE DOS ELEMENTOS CENTRAIS DA
RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA.
QUADRO SÍNTESE DA DINÂMICA TERRITORIAL NO RVSMJ.
Proteção Privada Desprotegida Proteção Pública
Periódo ... - 1990 1990-2007 2007-HOJE
Marcos históricos ... – Falecimento do Proprietário Falecimento – Criação do RVSMJ Criação do RVSMJ – ...
Ator Principal Sr. Ariosvaldo – Usina Santa Clara Comunidades / ocupantes do
MST
Estado / SEMARH, Conselho
Gestor Assentados / MST,
Atores Secundários Comunidades, SAAE, Prefeitura
Municipal
Usina Santa Clara (Falência),
SAAE, UFS / GEOPLAN
Comunidades, UFS, SAAE,
EMBRAPA, INCRA,
Proteção e
Fiscalização
Particular capangas Pessoas específicas, SAAE,
Pesquisadores,
Brigadistas, Guardas, Sede do
RVSMJ, SAAE, Pessoas da
Comunidade
Intensidade dos
Impactos
Pequena Grande Média
Principais Usos e
Impactos*
Lenha seca, lazer, medicina
alternativa(Controlada)
Caça, lenha, lazer, Pesquisas,
Medicina Alternativa, Educação
Ambiental.
Pesquisas; Educação Ambiental;
trilhas ecológicas.
Balanço dos
Impactos na
Dinâmica
Fitogeográfica
O RVSMJ era mais regenerado e
possuia melhores condições
ambientais.
O RVSMJ foi explorado, utilizado
e impactado de modo intensivo e
descontrolado.
O RVSMJ volta a ser fiscalizado
e a regenerar-se melhorando
assim a sua condição
C.3 - RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO
DO RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS.
 A sociedade se apropria da natureza e os atores
sociais desenvolvem atividades no entorno da UC,
atuando de maneira contraditória, ora promovendo a
conservação, ora desenvolvendo atividades
impactantes.
 Neste sentido, observa-se que não há
homogeneidade por parte dos grupos sociais e que
as relações complexas carecem de amplo trabalho de
sensibilização das comunidades locais em prol da
conservação do RVSMJ.
C.4 - DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E
UNIDADES DE PAISAGEM NO RVSMJ
4.1 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E
GEOMORFOLOGIA: Análise do modelo numérico de
terreno.
4.2 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E TOPOGRAFIA:
O perfil fitogeográfico e de uso do solo.
4.3 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E
FRAGMENTAÇÃO : Análise da espacialização
fitofisionômica.
4.4 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA, GEOMORFOLOGIA
E USOS: A análise das unidades da paisagem.
C.4 - DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E
UNIDADES DE PAISAGEM NO RVSMJ
Confira o estudo completo no link:
https://bdtd.ufs.br/handle/tede/2231
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA
DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE
MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO
AMBIENTE
ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DA
UNIDADE DE CONSERVAÇÃO REFÚGIO DE
VIDA SILVESTRE MATA DO JUNCO
(CAPELA - SE).
Heloísa Thaís Rodrigues de Souza
Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente – PRODEMA / UFS
Judson Augusto Oliveira Malta
Mestrando em Geografia/NPGEO – UFS
Prof ª Dr ª. Rosemeri Melo e Souza
Pós-doutora em Biogeografia (GPEM/UQ/Austrália)
41
RESULTADOS - ZONEAMENTO
• O Zoneamento Geoambiental do
RVSMJ (Capela / SE), constitui
uma ferramenta importante para o
planejamento Territorial e Gestão
ambiental da UC.
• Através do zoneamento, podemos
definir e estabelecer as formas de
uso e proteção do RVSMJ,
compreendendo uma das etapas
do Plano de Manejo, que gerencia
a Unidade.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
•O espaço territorial protegido do
RVSMJ sofreu intensa ação
antrópica contendo fragmentos que
receberam diversos impactos
socioambientais.
•Na UC possui fitofisionomias com
níveis de regeneração e contextos
socioambientais diferentes os quais
precisam ser observados no
planejamento geoambiental desta
Unidade de Conservação.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
•O Zoneamento Geoambiental do
RVSMJ é um estudo que contribui
para o processo de elaboração do
plano de manejo da UC, onde cada
zona precisa de uma determinada
ação estratégica para a
conservação ambiental desta UC.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
ALGUMAS RECOMENDAÇÕES:
• promover políticas de educação ambiental e
sensibilização das comunidades locais
• efetivação das políticas públicas e o
cumprimento na legislação ambiental
• maiores estudos, como a realização de
inventários florestais na área e o
reflorestamento das áreas degradadas.
• implantação de corredores ecológicos
• aumento na fiscalização e na formações de
brigadas de incêndios.
• elaboração e efetivação do plano de manejo
Confira o estudo completo no link:
https://bdtd.ufs.br/handle/tede/1254
SOUZA, Heloísa Thaís Rodrigues de. Zoneamento geoambiental da Unidade
de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (Capela SE). 2011.
180 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) -
Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2011.
Abordagem Geral sobre as UCs
Vegetação em Sergipe
 A mata Atlântica é estratificada;
 As árvores chegam a 20, 30 ou 35 metros de altura;
 Ocorre intenso epifitismo;
 Principal característica é o aspecto denso de sua
vegetação, tornando a floresta fechada;
 Possui árvores com folhas largas (latifoliadas)e
perenes (perenifólias);
 No extrato superior estão as árvores também mais
altas, as que recebem grande parte da luz do sol;
 Logo abaixo do dossel, está o extrato arbustivo, do
interior da mata, que reúne espécies sob a sombra
das árvores mais altas.
Serapilheira, cobertura do solo da Mata Atlântica rico
em matéria orgânica e nutrientes.
Restinga
Manguezais
Ocupam grandes extensões do litoral,
sobre dunas e planícies costeiras.
Iniciam-se junto à praia, com gramíneas
e vegetação rasteira, e tornam-se
gradativamente mais variadas e
desenvolvidas à medida que avançam
para o interior, podendo também
apresentar brejos com densa vegetação
aquática. Abrigam cactos e orquídeas.
Formação que ocorre ao longo dos
estuários, em função da água
salobra produzida pelo encontro da
água doce dos rios com a do mar. É
uma vegetação muito característica,
pois tem poucas espécies de
árvores, mas abriga uma
diversidade de microalgas pelo
menos dez vezes maior.
Fotos: Miriam Prochnow
Fonte: dialogoflorestal.org.br
 Área de Proteção Ambiental Litoral Norte
 Criada em 2004, possui 473,12 km² (USO),
 objetivo geral a promoção do desenvolvimento
econômico-social da área, voltada às atividades
que protejam e conservem os ecossistemas
costeiros.
 Reserva Biológica de Santa Izabel
 45 Km de praia (INTEGRAL)
 Criada, em 1988, com o objetivo de proteger a
desova das tartarugas marinhas.
 O Projeto Tamar e educação ambiental
APA Litoral Sul
 Transformada em UC em 1993, Rio Vaza Barris e
a e Rio Real, com cerca de 55,5 km de costa e
largura variável de 10 a 12 km.
 As praias mais habitadas do Estado(Caueira,
Saco e Abais). Observam-se também as maiores
áreas de restingas arbóreas, manguezais e Mata
Atlântica.
Floresta Ombrófila Aberta
A vegetação é mais aberta, sem a
presença de árvores que fechem as
copas no alto, ocorre em regiões
onde o clima apresenta um período
de dois a, no máximo, quatro meses
secos, com temperaturas médias
entre 24ºC e 25ºC. É encontrada, por
exemplo, em Minas Gerais, Espírito
Santo e Alagoas.
Floresta Estacional Decidual Sua vegetação ocorre em locais com
duas estações bem demarcadas:
uma chuvosa, seguida de longo
período seco. Mais de 50% das
árvores perdem as folhas na época
de estiagem. Alguns encraves
ocorrem no nordeste, nos estados
do Piauí e da Bahia.
Fonte: dialogoflorestal.org.br
Floresta Nacional do Ibura
 Em Socorro na BR 101 e rio Cotinguiba, esta UC
de 144 hectares foi criada em 2005 (USO)
 objetivo de promover espécies florestais nativas
com formações de floresta estacional
semidecidual nos estágios médio e avançado de
regeneração, em associação com manguezal.
APA Morro do Urubu
 Criada em 95 em Aracaju, limita-se ao Norte com o
rio do Sal, trata-se de região onde originalmente
predominava a Mata Atlântica e seus ecossistemas
associados.
 O complexo de vegetação encontra-se hoje
bastante comprometido, sobretudo pela invasão,
construção e urbanização das favelas na área.
 Parque da Cidade e Zoologico (Turismo e EA)
Judson A. O. Malta
Dr. Fernando Curado (EMBRAPA)
Prof.Dra. Rosemeri Melo e Sousa (GEOPLAN/UFS)
introdução
 A Reserva do Caju abriga uma grande extensão
de área verde, remanescente de Mata Atlântica
e localiza-se no município de Itaporanga
D´ajuda.
 O projeto de G.A. Reserva do Caju
implementado pela EMBRAPA Tabuleiros
Costeiros, visa o desenvolvimento de pesquisas
que permitam, além do conhecimento da região,
a elaboração de ferramentas pedagógicas para
a capacitação em Educação Ambiental das
comunidades do entorno.
Metodologia
P.A.1: Reconhecimento Da
Reserva Do Caju
P.A.2: SIG Para Estudos
Fitofisionômicos
P.A.3: Zoneamento de Trilhas Na
Reserva Do Caju
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 A relação sociedade-natureza é de fundamental
importância na conservação da Mata Atlântica em
Sergipe.
 No Estado e no Nordeste o avanço do plantio da
monocultura da cana de açúcar, carncinicultura,
celulose e especulação imobiliária, desencadeiam
processos complexos e promovem relações
contraditórias entre os interesses de desenvolvimento
do modo de produção capitalista e os conflitos
socioambientais por parte dos atores sociais.
 Mata Atlântica em Sergipe: Conhecer, educar e
articular.
A mata atlântica de Sergipe está sendo
derrubada para:
Agricultura Extração de madeira
Moradia, construção de
cidades
Construção de
rodovias
Industrialização, e
consequentemente poluição
Pesca predatória
em seus rios
Turismo
desordenado
Comércio ilegal de
plantas e animais nativos
Exportação ilegal de
material genético
Fragmentação das
áreas preservadas
A mata atlântica está sendo
derrubada para:
A configuração dos remanescentes
florestais é fruto de um mosaico de
funcionalidades atribuídas
socialmente, ao longo do processo
histórico de (re)apropriação dos
sistemas da natureza.
 Segundo Silva (2012), a maioria dos espaços
territoriais “legalmente protegidos” de Sergipe
ainda não dispõem de mecanismos de gestão
ambiental, como por exemplo: plano de gestão e
de manejo e zoneamento ecológico econômico,
evidenciando fragilidade administrativa ao longo de
quase 20 anos, cujas UCs encontram-se
permeadas de fortes impactos socioambientais.
 Os conflitos são os mais variados envolvendo
atores sociais e interesses diversos pela
apropriação, controle e uso desses territórios.
 O Desafio de criar UCs e de realizar gestão
ambiental.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Neste processo, no litoral recentemente
conectado por pontes ampliou sua capacidade
de aportes turísticos e especulação
imobiliária.
 As catadoras de Mangaba e a RESEX.
 Nos Tabuleiros costeiros, a floresta foi
pressionada pela sociedade através da ocupação
de locais mais baixos e planos, sendo
enclausurada nos locais mais ingrimes.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 A natureza precisa ser retomada como sendo mais que
um recurso, ou seja, mais que algo a ser apropriado
com uma determinada finalidade. Neste sentido, é crucial
entender a natureza de modo mais profundo, não
simplesmente como a base de nossa sobrevivência
imediatista ou como um objeto a ser explorado para o
lucro capitalista.
 Faz-se, portanto, necessário resgatar e fortalecer a
relação entre o homem e a natureza na compreensão do
espaço geográfico, buscando a valorização das
identidades locais e a organização social para a
compreensão da necessidade de mudança política.
PUBLICAÇÕES
 Artigos completos publicados em periódicos
1.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . A CONTRADITÓRIA RELAÇÃO
SOCIEDADE-NATUEZA EM ESPAÇOS TERRITORIAIS PROTEGIDOS - MATA DO
JUNCO, CAPELA/SE. Geografia Em Questão, v. 4, p. 126/8-152, 2011.
 Trabalhos completos publicados em anais de congressos
1.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; Melo e Souza, Rosemeri . APLICAÇÃO DE
SENSORIAMENTO REMOTO E MODELO NUMÉRICO DO TERRENO NA ANÁLISE
GEOAMBIENTAL DO RVS MATA DO JUNCO SE. In: II Simpósiio de Geografia
Contemporânea, 2011, Aracaju. Anais do II SIMGEOCOM, 2011.
2.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . MODELO NUMÉRICO DE
TERRENO E FITOGEOGRAFIA NO REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE DA MATA DO
JUNCO. In: XXIII Congresso Brasileiro de Cartografia, 2010, Aracaju. Anais do XXIII
Congresso Brasileiro de Cartografia, 2010.
3.SOUZA, H. T. R. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DA UNIDADE
DE CONSERVAÇÃO REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE MATA DO JUNCO (CAPELA- SERGIPE). In: VI
Seminário Internacionrial de Dinâmica Territorial e Desenvolvimento Socioambientalal de Dinâmica
Territo, 2011, Salvador. ANAIS DO VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DINAMICA TERRITORIAL E
DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL: Desafios Contemporâneos, 2011. v. 1. p. 1-30.
4.SOUZA, H. T. R. ; REZENDE, W. X. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . Avaliação Geoambiental De
Espaços Territoriais Protegidos: O Caso Da Mata Do Junco (Capela-Se).. In: XIII SBGFA - SImpósio
Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2009, VIÇOSA, MG. ANAIS DO XIII SBGFA-2009. VIÇOSA :
EDITORA DA UFV, 2009.
 Produção cartográfica: 8.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 COLCHESTER, M. Salvaging Nature: Indigenous Peoples And Protected Areas. In: GHIMIRE,K. B.; PIMBERT, M.
P(Eds). Social Changes and Conservation. Londres:Earthscan Publications Ltd.,1997, p. 97-130.
 DAVENPORT, L. ; RAO, M.. The History Of Protection: Paradoxes Of The Past And Challenges For The Future. In:
Terborgh,j.et al.(Eds.). Making Parks Work. Washigton, DC: Island Press, 2002, p. 30-50.
 DIEGUES, A.C.S. O Mito Moderno da Natureza Intocada. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1994.
 DOROJEANNI,M.J. Political Will For Establishing And Managing Parks. Washigton, DC: Island Press, 2002.
 GOMES, H. A Produção do Espaço Geográfico no Capitalismo. Editora Contexto, São Paulo, 1991.
 GOMES,L.J.;SANTANA,V.;RIBEIRO.G.T. Unidades de Conservação no Estado de Sergipe. Revista da
FAPESE. V.2, N.1, P.101-109, 2006.
 IBAMA. Diagnóstico Florestal de Sergipe. Brasília, DF, ITTO, IBAMA, FUNATURE, 1999, 67 p.
 LARRERE, R.; NOUGAREDE, O. Des Homes Et Des Forets. Paris:Gallimard,1993.
 LIMBERGER, L. Abordagem Sistêmica e Complexidade na Geografia. Geografia – v. 15, n. 2, jul./dez. p. 95-
109, 2006.
 MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . A Contraditória Relação Sociedade-Natueza em
Espaços Territoriais Protegidos - Mata do Junco, Capela/Se. Geografia Em Questão, v. 4, p. 126/8-152, 2011.
 METZGER, J. P. “Estrutura Da Paisagem E Fragmentação: Análise Bibliográfica”. An. Acad. Bras. Ci., V. 71,
N. 3, P. 445-462, 1999.
 METZGER, J. P.. “O Que É Ecologia de Paisagens?” Biota Neotrópica. Vol. 01, N. 1/2, Issn 1676-0611,
Campinas-Sp, 2001.
 MORAIS, E. M. B. de. Evolução Epistemológica do Conceito de Natureza. Boletim Goiano de Geografia, 19(2):
75-98, jan./dez., 1999, p. 75-98.
 UHLMANN, G. W. Teoria Geral dos Sistemas: do atomismo ao sistemismo - uma abordagem sintética das
principais vertentes contemporâneas desta proto-teoria. CISC, São Paulo, 2002. Disponível em:
<http://www.cisc.org.br/portal/biblioteca/teoria_sistemas.pdf>. Acesso em 03 julho de 2008.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 OLIVEIRA, M. C. L. ; MELO & SOUZA, R. . O Exercício da Extensão através do Projeto 'Educação Ambiental
Comunitária no Entorno da Unidade de Conservação Mata do Junco, Capela, Sergipe'". Revista de Extensão
da UFS, v. 1, p. 181-195, 2011.
 RAMOS FILHO, E. S.. Questão Agrária Atual: Sergipe Como Referência Para Um Estudo Confrontativo Das
Políticas De Reforma Agrária E Reforma Agrária De Mercado (2003 – 2006). Tese de Doutorado, Programa de
Pós-graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista,
Presidente Prudente/SP, 2008.
 SANTOS, M. J. S.. Mata do Junco (Capela-SE): Identidade Territorial e Gestão de Conflitos Ambientais.
Dissertação de Mestrado, RPODEMA/UFS, São Cristóvão/SE, 2007.
 SIQUEIRA, E. R.; RIBEIRO, F. E. Mata Atlântica de Sergipe. Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2001.
 SMITH, N.. Desenvolvimento Desigual: natureza, capital e a produção do espaço.Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil,1984.
 SOCIEDADE SEMEAR. Plano Diretor do Município de Capela / SE. Aracaju, SE, 2006.
 SOUZA, H. T. R.; MELO E SOUZA, R. Caracterização Fitogeográfica da Mata do Junco (Capela SE).Relatório
final de pesquisa PIBIC, 2006.
 SOUZA, H. T. R. Zoneamento Geoambiental da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Mata do
Junco (Capela – SE). Dissertação de mestrado, PRODEMA / UFS, 2011.
 SOUZA, H. T. R.; MELO E SOUZA, R. Biomonitoramento através de Indicadores Ambientais Abióticos Mata
do Junco (Capela/SE). Relatórios Semestral e Final. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica
(PIBIC)-CNPq/UFS. 2007.
 SOUZA, H. T. R. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e. Avaliação Geoambiental da Mata Do Junco (Capela
Sergipe).. In: 18º Encontro de Iniciação Científica e 4º Encontro de Pós-Graduação da UFS, 2008, Aracaju. 18º
Encontro de Iniciação Científica e 4º Encontro de Pós-Graduação da UFS, 2008.
 SOUZA, H. T. R. ; REZENDE, W. X. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . Avaliação Geoambiental de Espaços
Territoriais Protegidos: O Caso da Mata do Junco (Capela-SE).. In: XIII SBGFA - SImpósio Brasileiro de
Geografia Física Aplicada, 2009, VIÇOSA, MG. ANAIS DO XIII SBGFA-2009. VIÇOSA : EDITORA DA UFV, 2009.
Conheça nossa Rede
judsonmalta.blogspot.com.br/
facebook.com/geocacadores
youtube.com/geocacadores
PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi árido
Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi áridoAlternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi árido
Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi áridosirfolk
 
Artigo revista daiane
Artigo revista daianeArtigo revista daiane
Artigo revista daianeDayane Lopes
 
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...GlobalGeo Geotecnologias
 
Manejo e interpretação ambiental
Manejo e interpretação ambiental Manejo e interpretação ambiental
Manejo e interpretação ambiental Laisse Palheta
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação Leandro A. Machado de Moura
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientaisgustavohfs
 
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...Leidiana Alves
 
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerrado
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerradoAnalise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerrado
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerradoCarlos Alberto Monteiro
 
Itapua conservação irgang
Itapua conservação irgangItapua conservação irgang
Itapua conservação irgangavisaassociacao
 
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...Elidiomar R Da-Silva
 
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...James Cantarelli
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservaçãoparquedaamizade
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasGilberto Fugimoto
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...EcoHospedagem
 

Mais procurados (20)

Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi árido
Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi áridoAlternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi árido
Alternativas da agenda 21 nordestina nos limites do semi árido
 
Artigo revista daiane
Artigo revista daianeArtigo revista daiane
Artigo revista daiane
 
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...
Mapeamento dos Mangues no Litoral Fluminense é realizado com suporte de image...
 
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
 
112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo112 1269543456 resumo
112 1269543456 resumo
 
Manejo e interpretação ambiental
Manejo e interpretação ambiental Manejo e interpretação ambiental
Manejo e interpretação ambiental
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
 
inventario rapido
inventario rapidoinventario rapido
inventario rapido
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
 
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...
Classificação geomorfológica das lagoas da região hidrográfica do baixo paraí...
 
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerrado
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerradoAnalise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerrado
Analise das-areas-prioritarias-para-a-conservacao-no-bioma-cerrado
 
Itapua conservação irgang
Itapua conservação irgangItapua conservação irgang
Itapua conservação irgang
 
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
Biodiversidade de Baetidae (Insecta: Ephemeroptera) no Parque Estadual do Rio...
 
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
 
Unidades de Conservação
Unidades de ConservaçãoUnidades de Conservação
Unidades de Conservação
 
Lavras alianza . 28.10.2011
Lavras   alianza . 28.10.2011Lavras   alianza . 28.10.2011
Lavras alianza . 28.10.2011
 
V encuentro sema luiza chomenko
V encuentro sema luiza chomenkoV encuentro sema luiza chomenko
V encuentro sema luiza chomenko
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
 
Ecoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no BrasilEcoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no Brasil
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
 

Semelhante a PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta

Apresentação do projeto apa sul
Apresentação do projeto apa sulApresentação do projeto apa sul
Apresentação do projeto apa sulRodrigo Tinoco
 
O Fim Da Floresta
O Fim Da FlorestaO Fim Da Floresta
O Fim Da Floresta76543210
 
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidade
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidadeEixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidade
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidadeAtividades Diversas Cláudia
 
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdf
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdfRelatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdf
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdfJooPedro865890
 
Prova biomas 7º ano Matias.pdf
Prova biomas 7º ano Matias.pdfProva biomas 7º ano Matias.pdf
Prova biomas 7º ano Matias.pdfEduardoCerchi2
 
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Renata Araújo
 
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do Juruá
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do JuruáO Risco da Degradação de Geótopos do Vale do Juruá
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do JuruáAugusto Rocha
 
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...PGBAC
 
Aspectos hidrogeomorfológicos do sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e ...
Aspectos hidrogeomorfológicos do  sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e  ...Aspectos hidrogeomorfológicos do  sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e  ...
Aspectos hidrogeomorfológicos do sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e ...geo info ggf
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalmosaicocarioca
 
Demétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileirosDemétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileirosDeto - Geografia
 
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...IPIPEA
 
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...volcker
 

Semelhante a PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta (20)

Apresentação do projeto apa sul
Apresentação do projeto apa sulApresentação do projeto apa sul
Apresentação do projeto apa sul
 
O Fim Da Floresta
O Fim Da FlorestaO Fim Da Floresta
O Fim Da Floresta
 
BIOMA CERRADO
BIOMA  CERRADOBIOMA  CERRADO
BIOMA CERRADO
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Trabalho+2013
Trabalho+2013Trabalho+2013
Trabalho+2013
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Sociodiversidade
SociodiversidadeSociodiversidade
Sociodiversidade
 
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidade
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidadeEixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidade
Eixo temático 2 7º ano 6º sériesociodiversidade
 
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdf
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdfRelatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdf
Relatório Técnico Ambiental - APA Itapiracó.pdf
 
Prova biomas 7º ano Matias.pdf
Prova biomas 7º ano Matias.pdfProva biomas 7º ano Matias.pdf
Prova biomas 7º ano Matias.pdf
 
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
 
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do Juruá
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do JuruáO Risco da Degradação de Geótopos do Vale do Juruá
O Risco da Degradação de Geótopos do Vale do Juruá
 
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
 
Tópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidadeTópico 9. sociodiversidade
Tópico 9. sociodiversidade
 
Aspectos hidrogeomorfológicos do sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e ...
Aspectos hidrogeomorfológicos do  sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e  ...Aspectos hidrogeomorfológicos do  sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e  ...
Aspectos hidrogeomorfológicos do sistema fluvial do baixo rio Uraricoera e ...
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório final
 
Demétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileirosDemétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileiros
 
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...
Cadernos de pesquisa ipipea n°1 uso de recursos naturais em áreas de mangueza...
 
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 

Mais de Judson Malta

ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptxABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptxJudson Malta
 
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptxCR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptxJudson Malta
 
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptxApres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptxJudson Malta
 
Movimentos sociais sociologia 2 ano
Movimentos sociais   sociologia 2 anoMovimentos sociais   sociologia 2 ano
Movimentos sociais sociologia 2 anoJudson Malta
 
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolasAgricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolasJudson Malta
 
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA Judson Malta
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Judson Malta
 
Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade  Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade Judson Malta
 
Japão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJapão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJudson Malta
 
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o climaA atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o climaJudson Malta
 
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia Judson Malta
 
A hidrosfera e sua dinâmica
A hidrosfera e sua dinâmicaA hidrosfera e sua dinâmica
A hidrosfera e sua dinâmicaJudson Malta
 
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...Judson Malta
 

Mais de Judson Malta (13)

ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptxABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
ABU 60 ANOS COMO ESTAMOS HOJE 222.pptx
 
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptxCR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
CR 2015-1 ABS [Reparado].pptx
 
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptxApres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
Apres Geocaçadores 2018 Feira de Jogos - Copia.pptx
 
Movimentos sociais sociologia 2 ano
Movimentos sociais   sociologia 2 anoMovimentos sociais   sociologia 2 ano
Movimentos sociais sociologia 2 ano
 
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolasAgricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
Agricultura, espaço agrario e sistemas agricolas
 
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
 
Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade  Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade
 
Japão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJapão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do oriente
 
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o climaA atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
A atmosfera e sua dinamica: o tempo e o clima
 
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
Poluição e Atmosfera - questões socioambientais na Geografia
 
A hidrosfera e sua dinâmica
A hidrosfera e sua dinâmicaA hidrosfera e sua dinâmica
A hidrosfera e sua dinâmica
 
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
Geotecnologias como instrumentos pedagógicos o geocaching e o projeto geocaça...
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

PALESTRA - Mata Atlântica em Sergipe Geocaçadores Judson Malta

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA GRUPO DE PESQUISA EM GEOECOLOGIA E PLANEJAMENTO TERRITORIAL Prof Drnd. Judson Augusto Oliveira Malta
  • 3. Estrutura O que é a Mata Atlântica? Mata no Nordeste: Uma perspectiva regional Fitogeografia, Unidades de Paisagem e Zoneamento RVSMJ A Mata Atlântica em Sergipe
  • 4. A Mata Atlântica compreende as formações vegetais da região costeira do Brasil, desde formações florestais Tropicais a ecossistemas associados ao litoral brasileiro.
  • 5. A Mata Atlântica representa cerca de 13% do território brasileiro, (IBGE, 2005) Fonte: www.sosma.org.br
  • 6. • Tropical úmido; • Microclimas. Clima • Médias elevadas; • Alta Precipitação Temperatura • Planaltos; • Serras. Relevo
  • 7. 1: Mar; 2: Praia; 3: Dunas; 4: Mata de restingas; 5: Manguezal; 6: Mata Pluvial Costeira; 7: Mata de encosta; 8: Mata de neblina; 9: Mata semi- seca do Vale do Paraíba; 10: Região seca à “sombra” da montanha.
  • 8. Mais de 20 mil espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas; 270 espécies conhecidas de mamíferos; 992 espécies de pássaros; 197 répteis; 372 anfíbios; 350 peixes.
  • 9. Palmeiras Bromélias, begônias, orquídeas, cipós e briófitas Pau-brasil, jacarandá, peroba, jequitibá-rosa, cedro Tapiriria Andira Ananas
  • 11.
  • 12. Aspectos Ambientais  A alta pluviosidade nessa região deve-se à barreira que a serra constitui para os ventos que sopram do mar.  No interior da mata, devido à densidade da vegetação, a luz é reduzida.  A Mata Atlântica é considerada uma das grandes prioridades para a conservação de biodiversidade em todo o continente americano.  Em estado crítico, sua cobertura florestal achava-se reduzida à cerca de 7,6% da área original, até meados de 2004. Fonte: biobras.org.br
  • 13. Antes e o depois da Mata Atlântica
  • 14.
  • 15.
  • 16. Distribuição das RPPNs apoiadas pelo Programa Central da Mata Atlântica Serra do Mar Ecorregião das Araucárias Corredor do Nordeste
  • 17. De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21 de novembro de 2008, publicado no Diário Oficial da União de 24/11/2008. Fonte: IBGE, 2008 2009 MATA ATLÂNTICA
  • 19.  Vive na Mata Atlântica atualmente quase 69% da população brasileira (IBGE, 2014).  São mais de 131 milhões de habitantes  Projeto de Lei da Mata Atlântica, que regulamenta o uso e a exploração de seus remanescentes florestais e recursos naturais, tramitou por 14 anos no Congresso Nacional e foi finalmente sancionado pelo presidente Lula em dezembro de 2006.  O Brasil já tem mais de 1.100 RPPNs reconhecidas, sendo que mais de 760 delas estão na Mata Atlântica.  Das 633 espécies de animais ameaçadas de extinção no Brasil, 383 ocorrem na Mata Atlântica. Fonte: www.sosma.org.br
  • 20. Jovem com deficiência visual é a guia do turismo.
  • 21.  As Reservas de Mata Atlântica da Costa do Descobrimento possuem 112.000 hectares da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica
  • 22. Judson Augusto Oliveira Malta Orientadora: Profa. Dra. Rosemeri Melo e Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA GRUPO DE PESQUISA EM GEOECOLOGIA E PLANEJAMENTO TERRITORIAL
  • 23.  O Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (RVSMJ) é um remanescente de Mata Atlântica localizado em Capela/SE que tornou-se Unidade de Conservação (UC) em dezembro de 2007, possui conselho consultivo e plano de manejo.  A importância da Mata do Junco extrapola o aspecto ecológico, pois nesta localidade constroem-se, a partir da relação sociedade-natureza, uma rede de interesses econômicos e significados simbólicos que caracterizam os conflitos socioambientais. INTRODUÇÃO
  • 24.  Este espaço territorial protegido, destaca-se por: INTRODUÇÃO
  • 25. OBJETIVO GERAL avaliar a dinâmica fitogeográfica a partir da relação sociedade- natureza, visando subsidiar a proteção socialmente contextualizada do RVSMJ enquanto espaço territorial protegido.
  • 26. METODOLOGIA  Pesquisa Bibliográfica  Levantamento de dados geográficos: 1. SRTM / SPOT / Atlas do estado de SE da SEMARH.  Realização de trabalhos de campo para: 1.Elaborar o perfil fitogeográfico e de uso do solo; 2.Levantar as características fitofisionômicas; 3.Fazer entrevistas semi-estruturadas com atores sociais e comunidades do entorno.  Análise de solos (SOUZA, 2011) e da Climatologia (EMDAGRO, 2010)
  • 27. METODOLOGIA  Elaboração dos seguintes mapas com a utilização de ArcGis 10 / SPRING 5 / Global Mapper 11:  Vegetação e uso do solo;  Geologia;  geomorfologia;  Declividade;  localização e acessos;  hipsometria e recursos hídricos;  fitogeografia e caminhos;  Unidades da paisagem (FAVERO et al, 2008): inventário de informações pertinentes ao estudo e dos elementos constituintes da paisagem do RVSMJ, trabalhos de campo e produção da carta síntese.
  • 28. SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1 A RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA E A DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA. 2 CENÁRIOS DA PESQUISA: O REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE DA MATA DO JUNCO E O MUNICÍPIO DE CAPELA/SE. 3 RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO DO RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS. 4 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E UNIDADES DE PAISAGEM NO RVSMJ CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS
  • 29. C.1 - A Relação Sociedade-Natureza e a Dinâmica Fitogeográfica 1.1 A NATUREZA NA SOCIEDADE: UM HISTÓRICO DO CONCEITO. (LIMBERGER, 2006) (BERTALANFFY, 1950) 1.2 A SOCIEDADE NA NATUREZA: A CONTRADIÇÃO NA (RE)PRODUÇÃO ESPACIAL CAPITALISTA. (GOMES, 1991) (SMITH,1984) 1.3 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA, O PROCESSO DE FRAGMENTAÇÃO E OS ESPAÇOS TERRITORIAIS PROTEGIDOS COMO RESULTANTES DA RELAÇÃO SOCIEDADE- NATUREZA. (METZGER, 2001)
  • 30. C.2 - CENÁRIOS DA PESQUISA: O RVSMJ E O MUNICÍPIO DE CAPELA/SE. 2.1 SISTEMAS DA NATUREZA Solos do RVSMJ; geomorfologia e declividade; geologia; clima; recursos hídricos e hipsometria 2.2 SISTEMAS DA SOCIEDADE História e economia de Capela; aspectos demográficos do município; o histórico da luta do MST pela terra e a criação do RVSMJ; vegetação e uso do solo no RVSMJ.
  • 33. C.3 - RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO DO RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS. 3.1 O HISTÓRICO DA DINÂMICA TERRITORIAL. 3.2 OS ATORES SOCIAIS. 3.3 ANÁLISE DOS ELEMENTOS CENTRAIS DA RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA.
  • 34. QUADRO SÍNTESE DA DINÂMICA TERRITORIAL NO RVSMJ. Proteção Privada Desprotegida Proteção Pública Periódo ... - 1990 1990-2007 2007-HOJE Marcos históricos ... – Falecimento do Proprietário Falecimento – Criação do RVSMJ Criação do RVSMJ – ... Ator Principal Sr. Ariosvaldo – Usina Santa Clara Comunidades / ocupantes do MST Estado / SEMARH, Conselho Gestor Assentados / MST, Atores Secundários Comunidades, SAAE, Prefeitura Municipal Usina Santa Clara (Falência), SAAE, UFS / GEOPLAN Comunidades, UFS, SAAE, EMBRAPA, INCRA, Proteção e Fiscalização Particular capangas Pessoas específicas, SAAE, Pesquisadores, Brigadistas, Guardas, Sede do RVSMJ, SAAE, Pessoas da Comunidade Intensidade dos Impactos Pequena Grande Média Principais Usos e Impactos* Lenha seca, lazer, medicina alternativa(Controlada) Caça, lenha, lazer, Pesquisas, Medicina Alternativa, Educação Ambiental. Pesquisas; Educação Ambiental; trilhas ecológicas. Balanço dos Impactos na Dinâmica Fitogeográfica O RVSMJ era mais regenerado e possuia melhores condições ambientais. O RVSMJ foi explorado, utilizado e impactado de modo intensivo e descontrolado. O RVSMJ volta a ser fiscalizado e a regenerar-se melhorando assim a sua condição
  • 35. C.3 - RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA NO ENTORNO DO RVSMJ: ATORES SOCIAIS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS.  A sociedade se apropria da natureza e os atores sociais desenvolvem atividades no entorno da UC, atuando de maneira contraditória, ora promovendo a conservação, ora desenvolvendo atividades impactantes.  Neste sentido, observa-se que não há homogeneidade por parte dos grupos sociais e que as relações complexas carecem de amplo trabalho de sensibilização das comunidades locais em prol da conservação do RVSMJ.
  • 36. C.4 - DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E UNIDADES DE PAISAGEM NO RVSMJ 4.1 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E GEOMORFOLOGIA: Análise do modelo numérico de terreno. 4.2 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E TOPOGRAFIA: O perfil fitogeográfico e de uso do solo. 4.3 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E FRAGMENTAÇÃO : Análise da espacialização fitofisionômica. 4.4 DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA, GEOMORFOLOGIA E USOS: A análise das unidades da paisagem.
  • 37. C.4 - DINÂMICA FITOGEOGRÁFICA E UNIDADES DE PAISAGEM NO RVSMJ
  • 38.
  • 39. Confira o estudo completo no link: https://bdtd.ufs.br/handle/tede/2231
  • 40. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE MATA DO JUNCO (CAPELA - SE). Heloísa Thaís Rodrigues de Souza Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente – PRODEMA / UFS Judson Augusto Oliveira Malta Mestrando em Geografia/NPGEO – UFS Prof ª Dr ª. Rosemeri Melo e Souza Pós-doutora em Biogeografia (GPEM/UQ/Austrália)
  • 41. 41 RESULTADOS - ZONEAMENTO • O Zoneamento Geoambiental do RVSMJ (Capela / SE), constitui uma ferramenta importante para o planejamento Territorial e Gestão ambiental da UC. • Através do zoneamento, podemos definir e estabelecer as formas de uso e proteção do RVSMJ, compreendendo uma das etapas do Plano de Manejo, que gerencia a Unidade.
  • 42.
  • 43. CONSIDERAÇÕES FINAIS: •O espaço territorial protegido do RVSMJ sofreu intensa ação antrópica contendo fragmentos que receberam diversos impactos socioambientais. •Na UC possui fitofisionomias com níveis de regeneração e contextos socioambientais diferentes os quais precisam ser observados no planejamento geoambiental desta Unidade de Conservação.
  • 44. CONSIDERAÇÕES FINAIS: •O Zoneamento Geoambiental do RVSMJ é um estudo que contribui para o processo de elaboração do plano de manejo da UC, onde cada zona precisa de uma determinada ação estratégica para a conservação ambiental desta UC.
  • 45. CONSIDERAÇÕES FINAIS: ALGUMAS RECOMENDAÇÕES: • promover políticas de educação ambiental e sensibilização das comunidades locais • efetivação das políticas públicas e o cumprimento na legislação ambiental • maiores estudos, como a realização de inventários florestais na área e o reflorestamento das áreas degradadas. • implantação de corredores ecológicos • aumento na fiscalização e na formações de brigadas de incêndios. • elaboração e efetivação do plano de manejo
  • 46. Confira o estudo completo no link: https://bdtd.ufs.br/handle/tede/1254 SOUZA, Heloísa Thaís Rodrigues de. Zoneamento geoambiental da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (Capela SE). 2011. 180 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2011.
  • 48. Vegetação em Sergipe  A mata Atlântica é estratificada;  As árvores chegam a 20, 30 ou 35 metros de altura;  Ocorre intenso epifitismo;  Principal característica é o aspecto denso de sua vegetação, tornando a floresta fechada;  Possui árvores com folhas largas (latifoliadas)e perenes (perenifólias);  No extrato superior estão as árvores também mais altas, as que recebem grande parte da luz do sol;  Logo abaixo do dossel, está o extrato arbustivo, do interior da mata, que reúne espécies sob a sombra das árvores mais altas.
  • 49. Serapilheira, cobertura do solo da Mata Atlântica rico em matéria orgânica e nutrientes.
  • 50.
  • 51. Restinga Manguezais Ocupam grandes extensões do litoral, sobre dunas e planícies costeiras. Iniciam-se junto à praia, com gramíneas e vegetação rasteira, e tornam-se gradativamente mais variadas e desenvolvidas à medida que avançam para o interior, podendo também apresentar brejos com densa vegetação aquática. Abrigam cactos e orquídeas. Formação que ocorre ao longo dos estuários, em função da água salobra produzida pelo encontro da água doce dos rios com a do mar. É uma vegetação muito característica, pois tem poucas espécies de árvores, mas abriga uma diversidade de microalgas pelo menos dez vezes maior. Fotos: Miriam Prochnow Fonte: dialogoflorestal.org.br
  • 52.
  • 53.
  • 54.  Área de Proteção Ambiental Litoral Norte  Criada em 2004, possui 473,12 km² (USO),  objetivo geral a promoção do desenvolvimento econômico-social da área, voltada às atividades que protejam e conservem os ecossistemas costeiros.
  • 55.  Reserva Biológica de Santa Izabel  45 Km de praia (INTEGRAL)  Criada, em 1988, com o objetivo de proteger a desova das tartarugas marinhas.  O Projeto Tamar e educação ambiental
  • 56. APA Litoral Sul  Transformada em UC em 1993, Rio Vaza Barris e a e Rio Real, com cerca de 55,5 km de costa e largura variável de 10 a 12 km.  As praias mais habitadas do Estado(Caueira, Saco e Abais). Observam-se também as maiores áreas de restingas arbóreas, manguezais e Mata Atlântica.
  • 57. Floresta Ombrófila Aberta A vegetação é mais aberta, sem a presença de árvores que fechem as copas no alto, ocorre em regiões onde o clima apresenta um período de dois a, no máximo, quatro meses secos, com temperaturas médias entre 24ºC e 25ºC. É encontrada, por exemplo, em Minas Gerais, Espírito Santo e Alagoas. Floresta Estacional Decidual Sua vegetação ocorre em locais com duas estações bem demarcadas: uma chuvosa, seguida de longo período seco. Mais de 50% das árvores perdem as folhas na época de estiagem. Alguns encraves ocorrem no nordeste, nos estados do Piauí e da Bahia. Fonte: dialogoflorestal.org.br
  • 58. Floresta Nacional do Ibura  Em Socorro na BR 101 e rio Cotinguiba, esta UC de 144 hectares foi criada em 2005 (USO)  objetivo de promover espécies florestais nativas com formações de floresta estacional semidecidual nos estágios médio e avançado de regeneração, em associação com manguezal.
  • 59. APA Morro do Urubu  Criada em 95 em Aracaju, limita-se ao Norte com o rio do Sal, trata-se de região onde originalmente predominava a Mata Atlântica e seus ecossistemas associados.  O complexo de vegetação encontra-se hoje bastante comprometido, sobretudo pela invasão, construção e urbanização das favelas na área.  Parque da Cidade e Zoologico (Turismo e EA)
  • 60. Judson A. O. Malta Dr. Fernando Curado (EMBRAPA) Prof.Dra. Rosemeri Melo e Sousa (GEOPLAN/UFS)
  • 61. introdução  A Reserva do Caju abriga uma grande extensão de área verde, remanescente de Mata Atlântica e localiza-se no município de Itaporanga D´ajuda.  O projeto de G.A. Reserva do Caju implementado pela EMBRAPA Tabuleiros Costeiros, visa o desenvolvimento de pesquisas que permitam, além do conhecimento da região, a elaboração de ferramentas pedagógicas para a capacitação em Educação Ambiental das comunidades do entorno.
  • 62. Metodologia P.A.1: Reconhecimento Da Reserva Do Caju P.A.2: SIG Para Estudos Fitofisionômicos P.A.3: Zoneamento de Trilhas Na Reserva Do Caju
  • 63.
  • 64.
  • 65. CONSIDERAÇÕES FINAIS  A relação sociedade-natureza é de fundamental importância na conservação da Mata Atlântica em Sergipe.  No Estado e no Nordeste o avanço do plantio da monocultura da cana de açúcar, carncinicultura, celulose e especulação imobiliária, desencadeiam processos complexos e promovem relações contraditórias entre os interesses de desenvolvimento do modo de produção capitalista e os conflitos socioambientais por parte dos atores sociais.  Mata Atlântica em Sergipe: Conhecer, educar e articular.
  • 66. A mata atlântica de Sergipe está sendo derrubada para: Agricultura Extração de madeira Moradia, construção de cidades Construção de rodovias Industrialização, e consequentemente poluição
  • 67. Pesca predatória em seus rios Turismo desordenado Comércio ilegal de plantas e animais nativos Exportação ilegal de material genético Fragmentação das áreas preservadas A mata atlântica está sendo derrubada para:
  • 68. A configuração dos remanescentes florestais é fruto de um mosaico de funcionalidades atribuídas socialmente, ao longo do processo histórico de (re)apropriação dos sistemas da natureza.
  • 69.  Segundo Silva (2012), a maioria dos espaços territoriais “legalmente protegidos” de Sergipe ainda não dispõem de mecanismos de gestão ambiental, como por exemplo: plano de gestão e de manejo e zoneamento ecológico econômico, evidenciando fragilidade administrativa ao longo de quase 20 anos, cujas UCs encontram-se permeadas de fortes impactos socioambientais.  Os conflitos são os mais variados envolvendo atores sociais e interesses diversos pela apropriação, controle e uso desses territórios.  O Desafio de criar UCs e de realizar gestão ambiental.
  • 70. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Neste processo, no litoral recentemente conectado por pontes ampliou sua capacidade de aportes turísticos e especulação imobiliária.  As catadoras de Mangaba e a RESEX.  Nos Tabuleiros costeiros, a floresta foi pressionada pela sociedade através da ocupação de locais mais baixos e planos, sendo enclausurada nos locais mais ingrimes.
  • 71. CONSIDERAÇÕES FINAIS  A natureza precisa ser retomada como sendo mais que um recurso, ou seja, mais que algo a ser apropriado com uma determinada finalidade. Neste sentido, é crucial entender a natureza de modo mais profundo, não simplesmente como a base de nossa sobrevivência imediatista ou como um objeto a ser explorado para o lucro capitalista.  Faz-se, portanto, necessário resgatar e fortalecer a relação entre o homem e a natureza na compreensão do espaço geográfico, buscando a valorização das identidades locais e a organização social para a compreensão da necessidade de mudança política.
  • 72. PUBLICAÇÕES  Artigos completos publicados em periódicos 1.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . A CONTRADITÓRIA RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUEZA EM ESPAÇOS TERRITORIAIS PROTEGIDOS - MATA DO JUNCO, CAPELA/SE. Geografia Em Questão, v. 4, p. 126/8-152, 2011.  Trabalhos completos publicados em anais de congressos 1.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; Melo e Souza, Rosemeri . APLICAÇÃO DE SENSORIAMENTO REMOTO E MODELO NUMÉRICO DO TERRENO NA ANÁLISE GEOAMBIENTAL DO RVS MATA DO JUNCO SE. In: II Simpósiio de Geografia Contemporânea, 2011, Aracaju. Anais do II SIMGEOCOM, 2011. 2.MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . MODELO NUMÉRICO DE TERRENO E FITOGEOGRAFIA NO REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE DA MATA DO JUNCO. In: XXIII Congresso Brasileiro de Cartografia, 2010, Aracaju. Anais do XXIII Congresso Brasileiro de Cartografia, 2010. 3.SOUZA, H. T. R. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE MATA DO JUNCO (CAPELA- SERGIPE). In: VI Seminário Internacionrial de Dinâmica Territorial e Desenvolvimento Socioambientalal de Dinâmica Territo, 2011, Salvador. ANAIS DO VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DINAMICA TERRITORIAL E DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL: Desafios Contemporâneos, 2011. v. 1. p. 1-30. 4.SOUZA, H. T. R. ; REZENDE, W. X. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . Avaliação Geoambiental De Espaços Territoriais Protegidos: O Caso Da Mata Do Junco (Capela-Se).. In: XIII SBGFA - SImpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2009, VIÇOSA, MG. ANAIS DO XIII SBGFA-2009. VIÇOSA : EDITORA DA UFV, 2009.  Produção cartográfica: 8.
  • 73. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  COLCHESTER, M. Salvaging Nature: Indigenous Peoples And Protected Areas. In: GHIMIRE,K. B.; PIMBERT, M. P(Eds). Social Changes and Conservation. Londres:Earthscan Publications Ltd.,1997, p. 97-130.  DAVENPORT, L. ; RAO, M.. The History Of Protection: Paradoxes Of The Past And Challenges For The Future. In: Terborgh,j.et al.(Eds.). Making Parks Work. Washigton, DC: Island Press, 2002, p. 30-50.  DIEGUES, A.C.S. O Mito Moderno da Natureza Intocada. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1994.  DOROJEANNI,M.J. Political Will For Establishing And Managing Parks. Washigton, DC: Island Press, 2002.  GOMES, H. A Produção do Espaço Geográfico no Capitalismo. Editora Contexto, São Paulo, 1991.  GOMES,L.J.;SANTANA,V.;RIBEIRO.G.T. Unidades de Conservação no Estado de Sergipe. Revista da FAPESE. V.2, N.1, P.101-109, 2006.  IBAMA. Diagnóstico Florestal de Sergipe. Brasília, DF, ITTO, IBAMA, FUNATURE, 1999, 67 p.  LARRERE, R.; NOUGAREDE, O. Des Homes Et Des Forets. Paris:Gallimard,1993.  LIMBERGER, L. Abordagem Sistêmica e Complexidade na Geografia. Geografia – v. 15, n. 2, jul./dez. p. 95- 109, 2006.  MALTA, J. A. O. ; SOUZA, H. T. R. ; SOUZA, R. M. e . A Contraditória Relação Sociedade-Natueza em Espaços Territoriais Protegidos - Mata do Junco, Capela/Se. Geografia Em Questão, v. 4, p. 126/8-152, 2011.  METZGER, J. P. “Estrutura Da Paisagem E Fragmentação: Análise Bibliográfica”. An. Acad. Bras. Ci., V. 71, N. 3, P. 445-462, 1999.  METZGER, J. P.. “O Que É Ecologia de Paisagens?” Biota Neotrópica. Vol. 01, N. 1/2, Issn 1676-0611, Campinas-Sp, 2001.  MORAIS, E. M. B. de. Evolução Epistemológica do Conceito de Natureza. Boletim Goiano de Geografia, 19(2): 75-98, jan./dez., 1999, p. 75-98.  UHLMANN, G. W. Teoria Geral dos Sistemas: do atomismo ao sistemismo - uma abordagem sintética das principais vertentes contemporâneas desta proto-teoria. CISC, São Paulo, 2002. Disponível em: <http://www.cisc.org.br/portal/biblioteca/teoria_sistemas.pdf>. Acesso em 03 julho de 2008.
  • 74. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  OLIVEIRA, M. C. L. ; MELO & SOUZA, R. . O Exercício da Extensão através do Projeto 'Educação Ambiental Comunitária no Entorno da Unidade de Conservação Mata do Junco, Capela, Sergipe'". Revista de Extensão da UFS, v. 1, p. 181-195, 2011.  RAMOS FILHO, E. S.. Questão Agrária Atual: Sergipe Como Referência Para Um Estudo Confrontativo Das Políticas De Reforma Agrária E Reforma Agrária De Mercado (2003 – 2006). Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente/SP, 2008.  SANTOS, M. J. S.. Mata do Junco (Capela-SE): Identidade Territorial e Gestão de Conflitos Ambientais. Dissertação de Mestrado, RPODEMA/UFS, São Cristóvão/SE, 2007.  SIQUEIRA, E. R.; RIBEIRO, F. E. Mata Atlântica de Sergipe. Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2001.  SMITH, N.. Desenvolvimento Desigual: natureza, capital e a produção do espaço.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1984.  SOCIEDADE SEMEAR. Plano Diretor do Município de Capela / SE. Aracaju, SE, 2006.  SOUZA, H. T. R.; MELO E SOUZA, R. Caracterização Fitogeográfica da Mata do Junco (Capela SE).Relatório final de pesquisa PIBIC, 2006.  SOUZA, H. T. R. Zoneamento Geoambiental da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco (Capela – SE). Dissertação de mestrado, PRODEMA / UFS, 2011.  SOUZA, H. T. R.; MELO E SOUZA, R. Biomonitoramento através de Indicadores Ambientais Abióticos Mata do Junco (Capela/SE). Relatórios Semestral e Final. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC)-CNPq/UFS. 2007.  SOUZA, H. T. R. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e. Avaliação Geoambiental da Mata Do Junco (Capela Sergipe).. In: 18º Encontro de Iniciação Científica e 4º Encontro de Pós-Graduação da UFS, 2008, Aracaju. 18º Encontro de Iniciação Científica e 4º Encontro de Pós-Graduação da UFS, 2008.  SOUZA, H. T. R. ; REZENDE, W. X. ; MALTA, J. A. O. ; SOUZA, R. M. e . Avaliação Geoambiental de Espaços Territoriais Protegidos: O Caso da Mata do Junco (Capela-SE).. In: XIII SBGFA - SImpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2009, VIÇOSA, MG. ANAIS DO XIII SBGFA-2009. VIÇOSA : EDITORA DA UFV, 2009.