SlideShare uma empresa Scribd logo
O texto poético
O texto poético é geralmente escrito em verso.
Além da forma, tem uma linguagem própria,
em que as palavras adquirem significados
novos ou diferentes daqueles que têm
noutras tipologias textuais, nomeadamente
graças aos recursos expressivos utilizados.
2/16
O poeta é o autor do poema, mas a voz do poema –
quem expressa os sentimentos, quem
descreve realidades e vivências – é o sujeito
poético.

3/16
Estrutura do texto poético

1- Verso – cada uma das linhas do poema.

2- Estrofe – um conjunto de versos separadas por
um espaço em branco. As estrofes
classificam-se tendo em conta o número de
versos que as constituem.

4/16
Estrutura do texto poético
Número de versos

Designação da estrofe

1

Monóstico

2

Dístico

3

Terceto

4

Quadra

5

Quintilha

6

Sextilha

7

Sétima

8

Oitava

9

Nona

10

Décima

5/16
Estrutura do texto poético

3- Rima – igualdade ou semelhança de sons no fim
dos versos.
Classifica-se conforme a posição que os versos
ocupam na estrofe.

6/16
Rima - Posição

Designação

Definição

Esquema

Emparelhada

Rimam dois a dois

a a b b

Cruzada

Rimam alternadamente

a b a b

Interpolada

Rimam separados por
dois ou mais versos

a b b a

Interna

Última palavra de um verso rima com a do
meio do verso seguinte

Um verso que não rima designa-se verso solto ou
verso branco.

7/16
Rima - Designação

Consoante ou perfeita – quando, a partir da vogal
da última sílaba tónica de cada verso, se
verifica a correspondência de todos os sons,
vogais e consoantes.

8/16
Rima - Designação

Toante ou imperfeita – quando apenas existe
correspondência de vogais.

9/16
Rima - Tonalidade

Aguda: Quando a rima acontece entre palavras
agudas.

Grave: Quando a rima acontece entre palavras
graves.

10/16
Rima - Tonalidade

Esdrúxula: Quando a rima acontece entre palavras
esdrúxulas.

11/16
Rima - Valor

Rica: quando a rima acontece entre palavras de
diferentes classes gramaticais.

Pobre: quando acontece entre palavras da mesma
classe gramatical.

12/16
Estrutura do texto poético

4- Métrica – medida de um verso, que corresponde
ao seu número de sílabas métricas.
Para contar o número de sílabas métricas, contam-se as suas sílabas gramaticais até à última
sílaba tónica.

13/16
Estrutura do texto poético

4- Métrica – medida de um verso, que corresponde
ao seu número de sílabas métricas.
Sílabas gramaticais que terminam e começam em
vogais, e que são pronunciadas numa só
emissão de som, contam apenas como uma
sílaba métrica. Por isso, o número de sílabas
métricas nem sempre corresponde ao
número de sílabas gramaticais.

14/16
Estrutura do texto poético
Número de sílabas

Designação do verso

1

Monossílabo

2

Dissílabo

3

Trissílabo

4

Tetrassílabo

5

Pentassílabo (redondilha menor)

6

Hexassílabo

7

Heptassílabo (redondilha maior)

8

Octossílabo

9

Eneassílabo

10

Decassílabo

15/16
Metas curriculares

EL.18. 4. Sistematizar elementos constitutivos da
poesia lírica (estrofe, verso, refrão, rima,
esquema rimático).

16/16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasMargarida Tomaz
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquemaPaulo Portelada
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalgracacruz
 
Oração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaOração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaAntónio Fernandes
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Paula Pereira
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosLurdes Augusto
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 

Mais procurados (20)

As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 
Oração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaOração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativa
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 

Semelhante a A estrutura do texto poético

Características do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º anoCaracterísticas do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º anoIlda Oliveira
 
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]Ilda Oliveira
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaBrenda Tacchelli
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificaçãoJosé Luís
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Rosa Maria Mendes
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Genero Textual Poesia
Genero Textual PoesiaGenero Textual Poesia
Genero Textual PoesiaJomari
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxssusere47050
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãOguestacbec3
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
VersificaçãoISJ
 

Semelhante a A estrutura do texto poético (20)

O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
 
Poesia 3
Poesia 3Poesia 3
Poesia 3
 
Características do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º anoCaracterísticas do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º ano
 
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificação
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 
Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 
Teoria da literatura II
Teoria da literatura IITeoria da literatura II
Teoria da literatura II
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
 
Texto lírico
Texto líricoTexto lírico
Texto lírico
 
Genero Textual Poesia
Genero Textual PoesiaGenero Textual Poesia
Genero Textual Poesia
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãO
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 

Mais de António Fernandes (20)

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
 

Último

Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

A estrutura do texto poético

  • 2. O texto poético é geralmente escrito em verso. Além da forma, tem uma linguagem própria, em que as palavras adquirem significados novos ou diferentes daqueles que têm noutras tipologias textuais, nomeadamente graças aos recursos expressivos utilizados. 2/16
  • 3. O poeta é o autor do poema, mas a voz do poema – quem expressa os sentimentos, quem descreve realidades e vivências – é o sujeito poético. 3/16
  • 4. Estrutura do texto poético 1- Verso – cada uma das linhas do poema. 2- Estrofe – um conjunto de versos separadas por um espaço em branco. As estrofes classificam-se tendo em conta o número de versos que as constituem. 4/16
  • 5. Estrutura do texto poético Número de versos Designação da estrofe 1 Monóstico 2 Dístico 3 Terceto 4 Quadra 5 Quintilha 6 Sextilha 7 Sétima 8 Oitava 9 Nona 10 Décima 5/16
  • 6. Estrutura do texto poético 3- Rima – igualdade ou semelhança de sons no fim dos versos. Classifica-se conforme a posição que os versos ocupam na estrofe. 6/16
  • 7. Rima - Posição Designação Definição Esquema Emparelhada Rimam dois a dois a a b b Cruzada Rimam alternadamente a b a b Interpolada Rimam separados por dois ou mais versos a b b a Interna Última palavra de um verso rima com a do meio do verso seguinte Um verso que não rima designa-se verso solto ou verso branco. 7/16
  • 8. Rima - Designação Consoante ou perfeita – quando, a partir da vogal da última sílaba tónica de cada verso, se verifica a correspondência de todos os sons, vogais e consoantes. 8/16
  • 9. Rima - Designação Toante ou imperfeita – quando apenas existe correspondência de vogais. 9/16
  • 10. Rima - Tonalidade Aguda: Quando a rima acontece entre palavras agudas. Grave: Quando a rima acontece entre palavras graves. 10/16
  • 11. Rima - Tonalidade Esdrúxula: Quando a rima acontece entre palavras esdrúxulas. 11/16
  • 12. Rima - Valor Rica: quando a rima acontece entre palavras de diferentes classes gramaticais. Pobre: quando acontece entre palavras da mesma classe gramatical. 12/16
  • 13. Estrutura do texto poético 4- Métrica – medida de um verso, que corresponde ao seu número de sílabas métricas. Para contar o número de sílabas métricas, contam-se as suas sílabas gramaticais até à última sílaba tónica. 13/16
  • 14. Estrutura do texto poético 4- Métrica – medida de um verso, que corresponde ao seu número de sílabas métricas. Sílabas gramaticais que terminam e começam em vogais, e que são pronunciadas numa só emissão de som, contam apenas como uma sílaba métrica. Por isso, o número de sílabas métricas nem sempre corresponde ao número de sílabas gramaticais. 14/16
  • 15. Estrutura do texto poético Número de sílabas Designação do verso 1 Monossílabo 2 Dissílabo 3 Trissílabo 4 Tetrassílabo 5 Pentassílabo (redondilha menor) 6 Hexassílabo 7 Heptassílabo (redondilha maior) 8 Octossílabo 9 Eneassílabo 10 Decassílabo 15/16
  • 16. Metas curriculares EL.18. 4. Sistematizar elementos constitutivos da poesia lírica (estrofe, verso, refrão, rima, esquema rimático). 16/16