SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA
CONTEMPORÂNEA (Parte 1- A evolução da educação no mundo da Pré-História
ao século XVIII)
Fernando Alcoforado*
Este artigo é o primeiro dos dois artigos que abordam a escalada da educação no mundo
da Pré-História à era contemporânea. Este artigo tem por objetivo apresentar como a
educação evoluiu no mundo desde a Pré-história até o século XVIII, enquanto o segundo
artigo tem por objetivo apresentar como a educação evoluiu no mundo do século XVIII
ao século XXI. Foram considerados dois períodos na escalada da educação no mundo (da
Pré-História ao século XVIII e do século XVIII à era contemporânea) tendo o século
XVIII como o divisor de dois momentos cruciais no desenvolvimento da educação no
mundo. O século XVIII foi um momento marcante na história da humanidade porque foi
nesta época que surgiu o Iluminismo como um movimento intelectual em oposição às
trevas da Idade Média cujas bases foram construídas sobre os alicerces da razão e do
empirismo. O Iluminismo foi uma revolução no campo do saber e um movimento que
culminou em uma nova forma de conceber a relação entre o homem e a natureza. O
Iluminismo valorizava a razão como o meio para garantir o progresso da humanidade. O
século XVIII é, também, um marco histórico porque foi nesta época que ocorreu a
Revolução Industrial na Inglaterra que transformou a sociedade mundial ao alavancar
o desenvolvimento do capitalismo em todo o planeta. Foi, também, nesta época que
ocorreu a Revolução Americana e a Revolução Francesa que foram movidas pelos
ideais iluministas e a Revolução Francesa representou o início do fim do absolutismo
na Europa. Como não poderia deixar de acontecer todos estes acontecimentos
contribuíram para que ocorressem avanços revolucionários no campo da educação.
Parte 1- A evolução da educação no mundo da Pré-História ao século XVIII
1. A educação na Pré-História
Nas comunidades primitivas, nos primórdios da humanidade, já havia atividades
educativas quando as crianças e jovens aprendiam técnicas grupais de sobrevivência e
práticas coletivas como caça, pesca, plantio, enfim, sua cultura. A criança adquiria a sua
primeira educação sem que ninguém a dirigisse expressamente. Nas comunidades
primitivas, o ensino era para a vida. Para manejar o arco, a criança caçava, para aprender
a guiar um barco, navegava. As crianças se educavam tomando parte nas funções da
coletividade. Não existia uma instituição determinada para a educação que ocorria de fato
em “casa” e no convívio com seu grupo ou tribo, e assim era repassada de pais para filhos,
confirmada através de gerações [1].
A Pré-História se iniciou, segundo alguns historiadores, por volta de 3 milhões de anos
atrás e se encerrou por volta de 3500 a.C. quando surgiu a primeira forma de escrita da
humanidade, a escrita cuneiforme, desenvolvida pelos sumérios. Na Antiguidade, os
egípcios, os babilônios, os persas, os indianos, os chineses e muitos outros povos do
Oriente Próximo e do Extremo Oriente desenvolveram formas de educação complexas e
eficientes [2]. A história da pedagogia começa com a educação no Oriente antigo. Nas
civilizações orientais, a educação era tradicional sendo dividida em classes e organizada
em escolas fechadas e separadas para a classe dirigente. Nesse período, grande parte da
comunidade foi excluída da escola e restringida à educação familiar informal. As bases
dos métodos educativos no Egito eram a memorização e a vergasta que significa castigo.
A educação na Babilônia, onde hoje está o Iraque, tinha a educação superior reservada à
classe dos ricos comerciantes, aliada à dos guerreiros. Os seus objetivos eram
2
essencialmente práticos, como no Egito, mas que, em contrapartida, estava mais
desenvolvido o aspecto científico, e talvez também o literário. Na Índia, a separação entre
as castas era rigidíssima, e a educação, nitidamente diferenciada. Na China antiga, só os
ricos podiam permitir-se gastar dinheiro com a preparação cultural dos filhos
normalmente em escolas particulares, escolhidas em função do exame de Estado [3].
2. A educação na Antiguidade (Do Século VIII a.C. ao Século V d.C.)
No Extremo Oriente, é importante citar a influência do confucionismo, taoísmo e budismo
na educação [4]. Na educação confuciana a formação familiar (primeira educação do
indivíduo) deve atender aos interesses do Estado. A educação confuciana é pensada,
portanto, para a formação de um indivíduo que deverá ser útil à coletividade. Esse
indivíduo, o “homem sábio”, deveria instruir-se a fim de ingressar no funcionalismo
público participando da burocracia estatal. Ele estaria mobilizando seus esforços para o
equilíbrio e a manutenção da sociedade. A doutrina do taoísmo representa um pensamento
inteiramente diferente. Os seguidores de Lao-Tsé, o primeiro sábio que teria organizado
“lições” taoístas, no famoso texto Tao-Te-Ching, se opunham ao caráter excessivamente
doutrinador dos ensinamentos confucianos. Para os seguidores de Lao-Tsé, Confúcio
representava a perda da espontaneidade do indivíduo, o cerceamento de seu agir conforme
a natureza. Assim, no lugar das prescrições éticas confucianas, o taoísmo procura refletir
sobre os movimentos naturais, utilizando-se de formas extremamente poéticas, ambíguas
e vagas [4].
Os ideais budistas encontraram solo fértil na China, penetrando, posteriormente, na
Coreia e no Japão. No Japão, seu pensamento sincretizou-se com os ideais confucianos e
taoístas, já importados da China, além da ritualística xintoísta, esta, aparentemente,
originária do próprio Japão. Essa síntese deu origem às escolas do budismo zen. É
possível identificar algumas características pedagógicas dessa doutrina mais filosófica do
que propriamente religiosa como a ênfase na prática, em vez da especulação teórica, na
evolução interior (ou seja, uma forma de educação de dentro para fora, e não de fora para
dentro) e no conceito de iluminação ou despertar espiritual (satori), que emerge a partir
de um “disciplinamento espontâneo”. Em muitos aspectos, essa concepção educacional
permanece preservada no sistema educacional japonês [4].
O povo da Fenícia que, na Antiguidade, ocupava a região dos atuais Líbano, Palestina,
Síria e Israel simplificou a técnica da escrita até chegarem, finalmente, a um sistema
puramente alfabético. A educação na Pérsia antiga tinha apenas um aspecto comum com
a da Fenícia: não anulava completamente a individualidade, não se entregava à
memorização mecânica, não tendia para a simples perpetuação de uma ordem constituída,
mas promovia, em certa medida, formas de ativismo dinâmico. A educação persa fazia
pouco ou nenhum caso da instrução literária e da própria aprendizagem da escrita, salvo
no que respeita à classe sacerdotal [2]. O povo hebreu, ou hebraico, também conhecidos
como israelitas ou judeus, faz parte de uma das mais importantes civilizações da
Antiguidade – a civilização hebraica. Junto das sinagogas surgiram escolas elementares,
que se difundiram a tal ponto que no ano de 75 a.C. essa instrução elementar foi tornada
obrigatória em Jerusalém, e nove anos mais tarde, em todo o território. A caraterística da
civilização e da educação hebraicas reside, pois, no espírito religioso que lhe dá forma,
refunde e molda em unidade os ricos influxos culturais recebidos dos babilônios, dos
egípcios, dos persas e dos gregos. A educação hebraica teve o mérito de ter dado
importância aos valores individuais (presente na educação fenícia e persa), mas também
de ter feito chamada a uma lei de interioridade moral proposta pelo judaísmo que tem por
3
único ponto de referência um Deus universal concebido como infinitamente bom e justo
[2].
Desde que os homens passaram a viver em sociedade, a educação esteve presente cuja
prática ocorreu primeiramente no ambiente familiar e que a educação não é o mesmo que
escola sendo ela uma invenção da humanidade [5]. As primeiras notícias que temos sobre
a escola nos mostram que só tinha direito a frequentá-la os filhos das classes sociais
privilegiadas. Foi assim no Egito, cuja supremacia na educação foi reconhecida pelos
gregos, educadores dos romanos, e pelas posteriores manifestações cristãs. As culturas
greco-romana e cristã incorporaram elementos do Oriente Próximo, reconhecendo nos
egípcios a origem da cultura, da sabedoria e da instrução. Aspectos da educação egípcia,
embora com características próprias, serão encontradas na Grécia Antiga como
predomínio da separação dos processos educativos segundo as classes sociais, porém
menos rígidos e com tendência à democracia. Na sociedade grega de base escravista,
encontraremos um modelo educativo para a classe dominante para formá-la para as
tarefas de poder. Em contrapartida, para os trabalhadores não havia nenhuma escola, só
treinamento para o trabalho [5].
Na Grécia Antiga, a escrita não era utilizada como meio de aprendizagem [5]. Quando
surgiu, a escrita era reservada para outros fins como o registro de acontecimentos
importantes e épicos, como as guerras. Por esta razão, entre os soberanos, não era comum
saber ler e escrever. Para suprir esta necessidade havia os escribas. As mais antigas
inscrições em alfabeto grego mostram que desde o século VIII a.C., a escrita não constitui
mais um saber especializado, reservado a escribas, mas de uma técnica de amplo uso,
livremente difundida no público. A escrita passa a ser o elemento de base da paidea
grega. Após milhares de anos, na Grécia Antiga, a educação se revoluciona [1]. Muito da
educação ocidental é devida a paidéia Grega, um complexo educacional de Ginastica,
Gramática, Retórica, Música, Matemática, História, Filosofia, entre outras matérias para
formação de cidadãos capazes de exercer ativo papel na sociedade. O modelo da educação
grega tinha como objetivo a formação do cidadão. A educação era para alunos seletos,
excluindo-se mulheres, escravos e estrangeiros. Apesar de ser uma sociedade escravista,
foi na Grécia Antiga que surgiu a ideia de uma escola de Estado proposta no fim do século
IV a.C. pelo filósofo Aristóteles porque ele entendia que só com uma educação igual para
todos os cidadãos a cargo do Estado e pública seria capaz de atingir seu objetivo de
promover o bem comum. Aristóteles defendia que a educação deveria ser pública e não
privada [5].
Na Antiguidade, o método de ensino era baseado na memorização e na repetição. A
criança era tratada como um adulto sem método específico para sua aprendizagem e
quando ela não correspondia às expectativas do mestre, era comum o castigo físico
denominado de “sadismo pedagógico”. O modelo grego de escola acabou prevalecendo
no império romano apesar das resistências. Da mesma forma que na Grécia, na Roma
Antiga, no império romano, havia preconceito contra a educação com finalidade prática.
O império romano foi o primeiro a promover um sistema de ensino oficial, a partir de um
organismo centralizado e sob responsabilidade do Estado. Isto não significa, porém, que
o acesso à educação se dava igualmente a todas as crianças em idade escolar. Pelo
contrário, o sistema de educação romano era um sistema de privilégios em que poucos
tinham acesso à escola. A educação era variável, tanto conforme as classes sociais, como
conforme os gêneros. Os plebeus cresciam sem instrução, não aprendendo a ler nem a
escrever. Em contrapartida os filhos das camadas mais altas da sociedade tinham amplo
acesso à escola e a uma formação complexa. Já as filhas dos homens e mulheres abastados
4
também frequentavam a escola, porém tinham direito a um conhecimento mais restrito.
Em seu currículo escolar aprendiam lições básicas de cálculo, de leitura e de escrita e
frequentavam a escola somente até os doze ou treze anos de idade, quando eram
dispensadas e liberadas para os casamentos. Já os meninos conseguiam continuar os
estudos até mais tarde e seus conhecimentos eram mais complexos. Estudavam gramática,
literatura, religião, história, geografia, astronomia, matemática, retórica e noções
de agricultura [6].
A educação no império romano era também dividida em níveis, iniciando no ensino
primário e chegando ao ensino superior. Os mais pobres, quando instruídos, concluíam
usualmente apenas o ensino primário, que instrumentalizava os jovens para a escrita e
cálculos básicos. Já os jovens abastados tinham amplo acesso à educação. [6]. Com a
decadência do império romano, começou a se fortalecer o cristianismo, que se tornou a
religião oficial de Roma no ano 391, antes por ela combatida, substituindo as antigas
religiões do mundo greco-romano. Este evento impactou sobre todas as formas de
manifestação cultural, incluindo a educação, e o resultado foi a substituição da paidea
grega pela visão cristã. Esse foi um longo processo marcado pelo diálogo entre a tradição
grega e a nova religião que incorporou elementos da paidea antiga, mas pregou uma visão
de educação anti-intelectual uma vez que o curriculum passou a se basear
fundamentalmente na aprendizagem dos textos considerados sagrados para os cristãos. A
partir deste período, a educação perde o caráter político herdado dos gregos que visava a
formação do cidadão passando a ser ministrada pelos padres da Igreja Católica que eram
os poucos letrados da Europa toda analfabeta. Todo o conhecimento ficou sob o controle
da Igreja Católica que determinava o que podia e não podia ser lido. O empobrecimento
cultural nessa época foi geral atingindo, também, o império romano do Oriente [5].
3.A educação na Idade Média (Do Século V ao Século XV)
A transição da Antiguidade para a Idade Média aconteceu com a implantação do sistema
feudal de produção em substituição ao escravismo e com a consolidação do cristianismo
como nova visão do mundo em substituição à visão greco-romana antes dominante. A
partir do século VI, a Igreja Católica era a única autoridade política através do papado.
Quanto ao método de ensino, a educação cristã medieval herdou do costume hebraico a
enfadonha e obsessiva didática da memorização e repetição coral, do aprender de cor [5].
Para as transgressões e deficiências no estudo, ou nos erros cometidos no canto das
orações, a correção não era realizada somente com palavras, mas com castigos. Na Idade
Média, os mosteiros católicos foram responsáveis pelo ensino, ainda assim muito seletos,
com alunos da elite e estudos extremamente ligados à religião. O mosteiro foi o primeiro
espaço de organização e preservação dos saberes na Idade Média. A concepção de um
local especialmente destinado à sistematização do ensino e do conhecimento nasceu da
ideia cristã de evangelização presente no mosteiro e nas escolas cristãs dessa época. A
palavra escolare deu origem não só à escola, mas ao conceito filosófico que norteou o
ensino ao longo do medievo que deriva dessa sistematização do conhecimento. Em razão
disso recebeu o nome de Escolástica [1].
A Idade Média é tida como idade das “trevas”. Apesar disto, foi neste período que nasceu
a Universidade no ano 1000, na Europa. As universidades surgiram quando houve o
encontro entre as duas partes interessadas no conhecimento, uma corporação de
estudantes e mestres funcionando no interior das catedrais. As universidades nasceram na
Europa sob o poder da Igreja Católica que concedia com exame prévio dos títulos de
estudo, a autorização para ensinar (licença docente). Os três primeiros campos do
5
conhecimento que se constituíram em faculdades foram artes liberais, medicina e
jurisprudência. Esta última, que continha o direito romano ou civil, incluiu o direito
canônico a partir de 1140. Mais tarde foi acrescentada teologia. Esta era a base da
instrução medieval [5]. Sobre o ensino superior, os registros históricos mais antigos
relatam sua existência na Itália, em Bolonha para ser mais exata, em meados de 1088. Já
no século XII, foi fundada na França a Universidade de Paris. Ambas instituições,
totalmente desvinculadas da Igreja Católica e do Estado, eram responsáveis pelo ensino
de medicina, astronomia, matemática, leis, e serviram como referência para o
desenvolvimento do ensino superior em todo o mundo [1].
No período medieval, grande parte da população da época ainda não possuía habilidades
educacionais básicas como ler, escrever e fazer contas matemáticas, até que o comércio
começou a crescer, e essas habilidades passaram a ser uma necessidade dos comerciantes,
forçando a burguesia a investir em uma escola, uma instituição própria para ensinos
práticos que os ajudassem a crescer ainda mais financeiramente, tocando seus negócios
com maior sabedoria. Em outras palavras, o desenvolvimento da escola como instituição
de ensino está intimamente ligado a burguesia e ao capitalismo [1]. Além da universidade,
outra modalidade de ensino surgiu na Idade Média a partir dos anos 1000: as corporações
de ofício. As corporações de ofício estão relacionadas com os novos modos de produção
em que a relação entre ciência e operação manual é mais desenvolvida e a especialização
é mais avançada. Ela se distingue da formação escolar pelo fato de se realizar no local de
trabalho no qual adolescentes aprendizes recebiam orientação de mestres sapateiros,
joalheiros, padeiros, etc. a quem ficavam sob sua tutela. A partir do século XIII, houve o
surgimento dos mestres livres em uma sociedade que vai se diversificando com o
surgimento de mercadores e artesãos nas cidades. Essas escolas eram livres nas grandes
cidades. No final da Idade Média, temos uma variedade de mestres (mestres autônomos,
mestres associados em cooperativas, mestres capitalistas que assalariavam outros
mestres, mestres pagos pelas comunas, etc.). Esta variedade reflete uma escola de uma
sociedade mercantil que começa a ficar totalmente livre da Igreja e do Império, vende a
sua ciência, renova-a e revoluciona os métodos de ensino [5].
Nesta mesma época surge um movimento filosófico inovador, o Humanismo, que ganhou
força no século XV e impulsionou o Renascimento, movimento cultural, econômico e
político, surgido na Itália no século XIV e se estendeu até o século XVII, e
posteriormente, a Reforma Protestante. Tudo isto contribuiu para o surgimento
do Iluminismo no século XVI, movimento intelectual, científico e filosófico. O
Humanismo tinha aversão pela cultura medieval e pela sua forma de transmissão, a escola,
sob a égide da Igreja Católica. Em sua crítica à escola medieval, havia a pedagogia
contrária aos castigos físicos então imperantes e de educar as crianças considerando sua
tenra idade e de educá-la de acordo com a sua própria índole. No século XVI, na transição
do feudalismo para a consolidação do capitalismo, no contexto do movimento filosófico
do Humanismo e do Renascimento eclodiram movimentos reformistas em oposição à
Igreja Católica que passaram a constituir suas próprias igrejas delas resultando iniciativas
que deram início à expansão quantitativa da escola. Surgiram duas propostas de educação:
a da Reforma Protestante e a da Contrarreforma comandada pela Igreja Católica. Estas
foram as principais concepções de educação que vigoraram a partir do século XVI e
séculos seguintes [5].
A Reforma Protestante surgiu com o luteranismo que foi o movimento religioso que mais
exerceu influência sobre a escola no início do século XVI. Lutero, que era monge da
Igreja Católica, rompeu com o catolicismo e criou na Alemanha sua própria igreja. A
6
expansão da escola começou na Europa com as reformas religiosas, especialmente a
luterana, que exigiu a presença de meninos e meninas nos bancos escolares sem distinção
de classe. A Reforma Protestante foi muito importante para o desenvolvimento do
capitalismo como demonstra Max Weber em sua obra A ética protestante e o espírito do
capitalismo [7], mas foi importante, também, porque defendeu sua concepção de escola
pública para a formação dos cidadãos. Em 1549, o imperador Carlos V da Alemanha
antecipou as iniciativas dos soberanos iluminados do século XVIII preconizando que as
escolas fossem mantidas pelo Estado [5].
Por sua vez, a Contrarreforma foi uma iniciativa da Igreja Católica com o propósito de
manter os dogmas de forma intransigente questionados pelos defensores da Reforma
Protestante e sua prerrogativa sobre a educação. Como resposta à reforma luterana, a
Igreja Católica instituiu os seminários destinados a educar religiosamente e a instruir nas
disciplinas eclesiásticas os novos sacerdotes e programa de estudos de jovens. Os jesuítas
se notabilizaram no combate ao protestantismo. Os países católicos se atrasaram na
implantação da escola de Estado graças ao poder da Igreja Católica. Há países que
seguiam a orientação luterana e países católicos que seguiam a orientação dos jesuítas
[5]. É importante observar que os primeiros mestres no Brasil foram os padres jesuítas.
Chegaram na década de 1540 com o objetivo mal sucedido de alfabetizar os índios adultos
para catequizá-los para, em seguida, mudar sua estratégia buscando alfabetizar as crianças
indígenas. Ressalte-se que, nesta época, em oposição aos movimentos em vários países
impulsionadores de escolas mantidas pelo Estado, a Igreja Católica e os jesuítas atuaram
para manter as escolas sob seu controle com o objetivo de formar cristãos e não cidadãos
como preconizava a paidea grega [5].
4. A educação na Idade Moderna (Do Século XV ao Século XVIII)
Nos século XVI e XVII, a educação ganhou impulso adquirindo nova feição com as
classes escolares divididas por idades e a proposta de meninos e meninas frequentarem a
escola que foram conquistas dessa época. No século XVI, começou o início do fim da
hegemonia da Igreja Católica na educação uma vez que começou a deixar de ser
ministrada apenas nos mosteiros e nas catedrais. Nesta época, as igrejas criadas pelas
reformas religiosas, especialmente a reforma luterana, desempenharam papel
fundamental na educação com sua ênfase das famílias enviarem seus filhos à escola. No
século XVII, embora a tendência fosse o Estado assumir a educação, a religião mantém
ainda sua hegemonia nela. Nos países católicos, o Estado não intervinha na educação que
era ministrada por particulares e, principalmente, pelas ordens religiosas. No século XVII,
aconteceu uma renovação pedagógica proposta por Jan Comenius de “ensinar tudo a
todos” baseada no empirismo (observação direta das coisas). Comenius propôs uma
escola para a vida toda que, dividida em graus, ensinasse tudo a todos totalmente.
Comenius é fundador da didática e, em parte, da pedagogia moderna. Ele figura como um
dos maiores nomes da educação e da pedagogia ocidental. Ele é o precursor do método
objetivo, dos materiais didáticos os mais aperfeiçoados possíveis e das experiências
executadas diretamente pelo professor. Foi no século XVII que começou a renovação
pedagógica. A pedagogia dos países que aderiram à reforma seguem a inspiração das
novas igrejas protestantes e, de outro, a pedagogia dos países católicos é a jesuítica até o
século XVIII [5].
REFERÊNCIAS
7
1. SERENNA, Nathalia. História da Educação no Mundo e no Brasil. Disponível no
website <https://www.jusbrasil.com.br/artigos/historia-da-educacao-no-mundo-e-no-
brasil/605451719>.
2. FORMAÇÃO.FIKAKI. A Educação no Oriente Antigo. Disponível no website
<https://formacao.fikaki.com/educacao-no-oriente-antigo/#google_vignette>.
3. SOPEDAGOGIA. História da Educação – Período Oriental. Disponível no website
<https://www.pedagogia.com.br/historia/oriental.php>.
4. BLOG DO RAFAEL MORI. Educação no Extremo Oriente – Confúcio e Buda.
Disponível no website
<https://blogdorafaelmori.wordpress.com/2021/09/22/historia-da-educacao-3-
educacao-no-extremo-oriente-confucio-e-buda/>.
5. BITTAR, Marisa. A História da Educação. Da Antiguidade à Era
Contemporânea. São Carlos: EduFScar, 2009
6. ANDRADE, Ana Luiza Mello Santiago. Educação na Roma Antiga. Disponível no
website <https://www.infoescola.com/historia/educacao-na-roma-antiga/>.
* Fernando Alcoforado, 84, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, da SBPC- Sociedade Brasileira para o
Progresso da Ciência e do IPB- Instituto Politécnico da Bahia, engenheiro pela Escola Politécnica da UFBA
e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona,
professor universitário (Engenharia, Economia e Administração) e consultor nas áreas de planejamento
estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi
Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution
company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e
Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de
Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e
a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel,
São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado.
Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e
Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX
e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of
the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária
(Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o
progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo,
São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV,
Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI
(Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o
Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba,
2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-
autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019), A humanidade
ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021), A escalada da
ciência e da tecnologia ao longo da história e sua contribuição ao progresso e à sobrevivência da
humanidade (Editora CRV, Curitiba, 2022), de capítulo do livro Flood Handbook (CRC Press, Boca Raton,
Florida, United States, 2022), How to protect human beings from threats to their existence and avoid the
extinction of humanity (Generis Publishing, Europe, Republic of Moldova, Chișinău, 2023) e A revolução
da educação necessária ao Brasil na era contemporânea (Editora CRV, Curitiba, 2023).

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1).pdf

Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
Herbert Santana
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
unieubra
 
A educação na grécia antiga
A educação na grécia antigaA educação na grécia antiga
A educação na grécia antiga
turco2802
 
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Elisa Maria Gomide
 
Bases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educaçãoBases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educação
Danielle Mesquita
 

Semelhante a A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1).pdf (20)

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃOHISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
 
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
02 FUNDAMENTOS DE PEDAGOGIA 1 aulas.ppt
 
Slide história da pedagogia
Slide   história da pedagogiaSlide   história da pedagogia
Slide história da pedagogia
 
A História da Ed. Física no Mundo - Aula 02.pdf
A História da Ed. Física no Mundo - Aula 02.pdfA História da Ed. Física no Mundo - Aula 02.pdf
A História da Ed. Física no Mundo - Aula 02.pdf
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 
Webaula 1
Webaula 1Webaula 1
Webaula 1
 
História da educação universal e educação brasileira
História da educação universal e educação brasileiraHistória da educação universal e educação brasileira
História da educação universal e educação brasileira
 
Aula 6 educação oriental
Aula 6   educação orientalAula 6   educação oriental
Aula 6 educação oriental
 
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimentoHistória da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
História da educação infantil e psicologia do desenvolvimento
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
 
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.pptAPRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
APRESENTACAO_DA_DISCIPLINA_HST_EDUCACAO.ppt
 
Slide modelos pedagógico ii
Slide   modelos pedagógico iiSlide   modelos pedagógico ii
Slide modelos pedagógico ii
 
A educação na grécia antiga
A educação na grécia antigaA educação na grécia antiga
A educação na grécia antiga
 
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
Hep aula3-antiguidade oriental-grega-romana.07-03-2012
 
Bases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educaçãoBases histórico filosóficas da educação
Bases histórico filosóficas da educação
 
Educacao na grécia
Educacao na gréciaEducacao na grécia
Educacao na grécia
 
1ªaula história educ.brasil
1ªaula história educ.brasil1ªaula história educ.brasil
1ªaula história educ.brasil
 
1ªaula história educ.brasil
1ªaula história educ.brasil1ªaula história educ.brasil
1ªaula história educ.brasil
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
Resumo educação humanista
Resumo   educação humanistaResumo   educação humanista
Resumo educação humanista
 

Mais de Faga1939

PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
Faga1939
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
Faga1939
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
Faga1939
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
Faga1939
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
Faga1939
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
Faga1939
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
Faga1939
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
Faga1939
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
Faga1939
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
Faga1939
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
Faga1939
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
Faga1939
 

Mais de Faga1939 (20)

PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
 
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
 
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
 
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 

A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1).pdf

  • 1. 1 A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1- A evolução da educação no mundo da Pré-História ao século XVIII) Fernando Alcoforado* Este artigo é o primeiro dos dois artigos que abordam a escalada da educação no mundo da Pré-História à era contemporânea. Este artigo tem por objetivo apresentar como a educação evoluiu no mundo desde a Pré-história até o século XVIII, enquanto o segundo artigo tem por objetivo apresentar como a educação evoluiu no mundo do século XVIII ao século XXI. Foram considerados dois períodos na escalada da educação no mundo (da Pré-História ao século XVIII e do século XVIII à era contemporânea) tendo o século XVIII como o divisor de dois momentos cruciais no desenvolvimento da educação no mundo. O século XVIII foi um momento marcante na história da humanidade porque foi nesta época que surgiu o Iluminismo como um movimento intelectual em oposição às trevas da Idade Média cujas bases foram construídas sobre os alicerces da razão e do empirismo. O Iluminismo foi uma revolução no campo do saber e um movimento que culminou em uma nova forma de conceber a relação entre o homem e a natureza. O Iluminismo valorizava a razão como o meio para garantir o progresso da humanidade. O século XVIII é, também, um marco histórico porque foi nesta época que ocorreu a Revolução Industrial na Inglaterra que transformou a sociedade mundial ao alavancar o desenvolvimento do capitalismo em todo o planeta. Foi, também, nesta época que ocorreu a Revolução Americana e a Revolução Francesa que foram movidas pelos ideais iluministas e a Revolução Francesa representou o início do fim do absolutismo na Europa. Como não poderia deixar de acontecer todos estes acontecimentos contribuíram para que ocorressem avanços revolucionários no campo da educação. Parte 1- A evolução da educação no mundo da Pré-História ao século XVIII 1. A educação na Pré-História Nas comunidades primitivas, nos primórdios da humanidade, já havia atividades educativas quando as crianças e jovens aprendiam técnicas grupais de sobrevivência e práticas coletivas como caça, pesca, plantio, enfim, sua cultura. A criança adquiria a sua primeira educação sem que ninguém a dirigisse expressamente. Nas comunidades primitivas, o ensino era para a vida. Para manejar o arco, a criança caçava, para aprender a guiar um barco, navegava. As crianças se educavam tomando parte nas funções da coletividade. Não existia uma instituição determinada para a educação que ocorria de fato em “casa” e no convívio com seu grupo ou tribo, e assim era repassada de pais para filhos, confirmada através de gerações [1]. A Pré-História se iniciou, segundo alguns historiadores, por volta de 3 milhões de anos atrás e se encerrou por volta de 3500 a.C. quando surgiu a primeira forma de escrita da humanidade, a escrita cuneiforme, desenvolvida pelos sumérios. Na Antiguidade, os egípcios, os babilônios, os persas, os indianos, os chineses e muitos outros povos do Oriente Próximo e do Extremo Oriente desenvolveram formas de educação complexas e eficientes [2]. A história da pedagogia começa com a educação no Oriente antigo. Nas civilizações orientais, a educação era tradicional sendo dividida em classes e organizada em escolas fechadas e separadas para a classe dirigente. Nesse período, grande parte da comunidade foi excluída da escola e restringida à educação familiar informal. As bases dos métodos educativos no Egito eram a memorização e a vergasta que significa castigo. A educação na Babilônia, onde hoje está o Iraque, tinha a educação superior reservada à classe dos ricos comerciantes, aliada à dos guerreiros. Os seus objetivos eram
  • 2. 2 essencialmente práticos, como no Egito, mas que, em contrapartida, estava mais desenvolvido o aspecto científico, e talvez também o literário. Na Índia, a separação entre as castas era rigidíssima, e a educação, nitidamente diferenciada. Na China antiga, só os ricos podiam permitir-se gastar dinheiro com a preparação cultural dos filhos normalmente em escolas particulares, escolhidas em função do exame de Estado [3]. 2. A educação na Antiguidade (Do Século VIII a.C. ao Século V d.C.) No Extremo Oriente, é importante citar a influência do confucionismo, taoísmo e budismo na educação [4]. Na educação confuciana a formação familiar (primeira educação do indivíduo) deve atender aos interesses do Estado. A educação confuciana é pensada, portanto, para a formação de um indivíduo que deverá ser útil à coletividade. Esse indivíduo, o “homem sábio”, deveria instruir-se a fim de ingressar no funcionalismo público participando da burocracia estatal. Ele estaria mobilizando seus esforços para o equilíbrio e a manutenção da sociedade. A doutrina do taoísmo representa um pensamento inteiramente diferente. Os seguidores de Lao-Tsé, o primeiro sábio que teria organizado “lições” taoístas, no famoso texto Tao-Te-Ching, se opunham ao caráter excessivamente doutrinador dos ensinamentos confucianos. Para os seguidores de Lao-Tsé, Confúcio representava a perda da espontaneidade do indivíduo, o cerceamento de seu agir conforme a natureza. Assim, no lugar das prescrições éticas confucianas, o taoísmo procura refletir sobre os movimentos naturais, utilizando-se de formas extremamente poéticas, ambíguas e vagas [4]. Os ideais budistas encontraram solo fértil na China, penetrando, posteriormente, na Coreia e no Japão. No Japão, seu pensamento sincretizou-se com os ideais confucianos e taoístas, já importados da China, além da ritualística xintoísta, esta, aparentemente, originária do próprio Japão. Essa síntese deu origem às escolas do budismo zen. É possível identificar algumas características pedagógicas dessa doutrina mais filosófica do que propriamente religiosa como a ênfase na prática, em vez da especulação teórica, na evolução interior (ou seja, uma forma de educação de dentro para fora, e não de fora para dentro) e no conceito de iluminação ou despertar espiritual (satori), que emerge a partir de um “disciplinamento espontâneo”. Em muitos aspectos, essa concepção educacional permanece preservada no sistema educacional japonês [4]. O povo da Fenícia que, na Antiguidade, ocupava a região dos atuais Líbano, Palestina, Síria e Israel simplificou a técnica da escrita até chegarem, finalmente, a um sistema puramente alfabético. A educação na Pérsia antiga tinha apenas um aspecto comum com a da Fenícia: não anulava completamente a individualidade, não se entregava à memorização mecânica, não tendia para a simples perpetuação de uma ordem constituída, mas promovia, em certa medida, formas de ativismo dinâmico. A educação persa fazia pouco ou nenhum caso da instrução literária e da própria aprendizagem da escrita, salvo no que respeita à classe sacerdotal [2]. O povo hebreu, ou hebraico, também conhecidos como israelitas ou judeus, faz parte de uma das mais importantes civilizações da Antiguidade – a civilização hebraica. Junto das sinagogas surgiram escolas elementares, que se difundiram a tal ponto que no ano de 75 a.C. essa instrução elementar foi tornada obrigatória em Jerusalém, e nove anos mais tarde, em todo o território. A caraterística da civilização e da educação hebraicas reside, pois, no espírito religioso que lhe dá forma, refunde e molda em unidade os ricos influxos culturais recebidos dos babilônios, dos egípcios, dos persas e dos gregos. A educação hebraica teve o mérito de ter dado importância aos valores individuais (presente na educação fenícia e persa), mas também de ter feito chamada a uma lei de interioridade moral proposta pelo judaísmo que tem por
  • 3. 3 único ponto de referência um Deus universal concebido como infinitamente bom e justo [2]. Desde que os homens passaram a viver em sociedade, a educação esteve presente cuja prática ocorreu primeiramente no ambiente familiar e que a educação não é o mesmo que escola sendo ela uma invenção da humanidade [5]. As primeiras notícias que temos sobre a escola nos mostram que só tinha direito a frequentá-la os filhos das classes sociais privilegiadas. Foi assim no Egito, cuja supremacia na educação foi reconhecida pelos gregos, educadores dos romanos, e pelas posteriores manifestações cristãs. As culturas greco-romana e cristã incorporaram elementos do Oriente Próximo, reconhecendo nos egípcios a origem da cultura, da sabedoria e da instrução. Aspectos da educação egípcia, embora com características próprias, serão encontradas na Grécia Antiga como predomínio da separação dos processos educativos segundo as classes sociais, porém menos rígidos e com tendência à democracia. Na sociedade grega de base escravista, encontraremos um modelo educativo para a classe dominante para formá-la para as tarefas de poder. Em contrapartida, para os trabalhadores não havia nenhuma escola, só treinamento para o trabalho [5]. Na Grécia Antiga, a escrita não era utilizada como meio de aprendizagem [5]. Quando surgiu, a escrita era reservada para outros fins como o registro de acontecimentos importantes e épicos, como as guerras. Por esta razão, entre os soberanos, não era comum saber ler e escrever. Para suprir esta necessidade havia os escribas. As mais antigas inscrições em alfabeto grego mostram que desde o século VIII a.C., a escrita não constitui mais um saber especializado, reservado a escribas, mas de uma técnica de amplo uso, livremente difundida no público. A escrita passa a ser o elemento de base da paidea grega. Após milhares de anos, na Grécia Antiga, a educação se revoluciona [1]. Muito da educação ocidental é devida a paidéia Grega, um complexo educacional de Ginastica, Gramática, Retórica, Música, Matemática, História, Filosofia, entre outras matérias para formação de cidadãos capazes de exercer ativo papel na sociedade. O modelo da educação grega tinha como objetivo a formação do cidadão. A educação era para alunos seletos, excluindo-se mulheres, escravos e estrangeiros. Apesar de ser uma sociedade escravista, foi na Grécia Antiga que surgiu a ideia de uma escola de Estado proposta no fim do século IV a.C. pelo filósofo Aristóteles porque ele entendia que só com uma educação igual para todos os cidadãos a cargo do Estado e pública seria capaz de atingir seu objetivo de promover o bem comum. Aristóteles defendia que a educação deveria ser pública e não privada [5]. Na Antiguidade, o método de ensino era baseado na memorização e na repetição. A criança era tratada como um adulto sem método específico para sua aprendizagem e quando ela não correspondia às expectativas do mestre, era comum o castigo físico denominado de “sadismo pedagógico”. O modelo grego de escola acabou prevalecendo no império romano apesar das resistências. Da mesma forma que na Grécia, na Roma Antiga, no império romano, havia preconceito contra a educação com finalidade prática. O império romano foi o primeiro a promover um sistema de ensino oficial, a partir de um organismo centralizado e sob responsabilidade do Estado. Isto não significa, porém, que o acesso à educação se dava igualmente a todas as crianças em idade escolar. Pelo contrário, o sistema de educação romano era um sistema de privilégios em que poucos tinham acesso à escola. A educação era variável, tanto conforme as classes sociais, como conforme os gêneros. Os plebeus cresciam sem instrução, não aprendendo a ler nem a escrever. Em contrapartida os filhos das camadas mais altas da sociedade tinham amplo acesso à escola e a uma formação complexa. Já as filhas dos homens e mulheres abastados
  • 4. 4 também frequentavam a escola, porém tinham direito a um conhecimento mais restrito. Em seu currículo escolar aprendiam lições básicas de cálculo, de leitura e de escrita e frequentavam a escola somente até os doze ou treze anos de idade, quando eram dispensadas e liberadas para os casamentos. Já os meninos conseguiam continuar os estudos até mais tarde e seus conhecimentos eram mais complexos. Estudavam gramática, literatura, religião, história, geografia, astronomia, matemática, retórica e noções de agricultura [6]. A educação no império romano era também dividida em níveis, iniciando no ensino primário e chegando ao ensino superior. Os mais pobres, quando instruídos, concluíam usualmente apenas o ensino primário, que instrumentalizava os jovens para a escrita e cálculos básicos. Já os jovens abastados tinham amplo acesso à educação. [6]. Com a decadência do império romano, começou a se fortalecer o cristianismo, que se tornou a religião oficial de Roma no ano 391, antes por ela combatida, substituindo as antigas religiões do mundo greco-romano. Este evento impactou sobre todas as formas de manifestação cultural, incluindo a educação, e o resultado foi a substituição da paidea grega pela visão cristã. Esse foi um longo processo marcado pelo diálogo entre a tradição grega e a nova religião que incorporou elementos da paidea antiga, mas pregou uma visão de educação anti-intelectual uma vez que o curriculum passou a se basear fundamentalmente na aprendizagem dos textos considerados sagrados para os cristãos. A partir deste período, a educação perde o caráter político herdado dos gregos que visava a formação do cidadão passando a ser ministrada pelos padres da Igreja Católica que eram os poucos letrados da Europa toda analfabeta. Todo o conhecimento ficou sob o controle da Igreja Católica que determinava o que podia e não podia ser lido. O empobrecimento cultural nessa época foi geral atingindo, também, o império romano do Oriente [5]. 3.A educação na Idade Média (Do Século V ao Século XV) A transição da Antiguidade para a Idade Média aconteceu com a implantação do sistema feudal de produção em substituição ao escravismo e com a consolidação do cristianismo como nova visão do mundo em substituição à visão greco-romana antes dominante. A partir do século VI, a Igreja Católica era a única autoridade política através do papado. Quanto ao método de ensino, a educação cristã medieval herdou do costume hebraico a enfadonha e obsessiva didática da memorização e repetição coral, do aprender de cor [5]. Para as transgressões e deficiências no estudo, ou nos erros cometidos no canto das orações, a correção não era realizada somente com palavras, mas com castigos. Na Idade Média, os mosteiros católicos foram responsáveis pelo ensino, ainda assim muito seletos, com alunos da elite e estudos extremamente ligados à religião. O mosteiro foi o primeiro espaço de organização e preservação dos saberes na Idade Média. A concepção de um local especialmente destinado à sistematização do ensino e do conhecimento nasceu da ideia cristã de evangelização presente no mosteiro e nas escolas cristãs dessa época. A palavra escolare deu origem não só à escola, mas ao conceito filosófico que norteou o ensino ao longo do medievo que deriva dessa sistematização do conhecimento. Em razão disso recebeu o nome de Escolástica [1]. A Idade Média é tida como idade das “trevas”. Apesar disto, foi neste período que nasceu a Universidade no ano 1000, na Europa. As universidades surgiram quando houve o encontro entre as duas partes interessadas no conhecimento, uma corporação de estudantes e mestres funcionando no interior das catedrais. As universidades nasceram na Europa sob o poder da Igreja Católica que concedia com exame prévio dos títulos de estudo, a autorização para ensinar (licença docente). Os três primeiros campos do
  • 5. 5 conhecimento que se constituíram em faculdades foram artes liberais, medicina e jurisprudência. Esta última, que continha o direito romano ou civil, incluiu o direito canônico a partir de 1140. Mais tarde foi acrescentada teologia. Esta era a base da instrução medieval [5]. Sobre o ensino superior, os registros históricos mais antigos relatam sua existência na Itália, em Bolonha para ser mais exata, em meados de 1088. Já no século XII, foi fundada na França a Universidade de Paris. Ambas instituições, totalmente desvinculadas da Igreja Católica e do Estado, eram responsáveis pelo ensino de medicina, astronomia, matemática, leis, e serviram como referência para o desenvolvimento do ensino superior em todo o mundo [1]. No período medieval, grande parte da população da época ainda não possuía habilidades educacionais básicas como ler, escrever e fazer contas matemáticas, até que o comércio começou a crescer, e essas habilidades passaram a ser uma necessidade dos comerciantes, forçando a burguesia a investir em uma escola, uma instituição própria para ensinos práticos que os ajudassem a crescer ainda mais financeiramente, tocando seus negócios com maior sabedoria. Em outras palavras, o desenvolvimento da escola como instituição de ensino está intimamente ligado a burguesia e ao capitalismo [1]. Além da universidade, outra modalidade de ensino surgiu na Idade Média a partir dos anos 1000: as corporações de ofício. As corporações de ofício estão relacionadas com os novos modos de produção em que a relação entre ciência e operação manual é mais desenvolvida e a especialização é mais avançada. Ela se distingue da formação escolar pelo fato de se realizar no local de trabalho no qual adolescentes aprendizes recebiam orientação de mestres sapateiros, joalheiros, padeiros, etc. a quem ficavam sob sua tutela. A partir do século XIII, houve o surgimento dos mestres livres em uma sociedade que vai se diversificando com o surgimento de mercadores e artesãos nas cidades. Essas escolas eram livres nas grandes cidades. No final da Idade Média, temos uma variedade de mestres (mestres autônomos, mestres associados em cooperativas, mestres capitalistas que assalariavam outros mestres, mestres pagos pelas comunas, etc.). Esta variedade reflete uma escola de uma sociedade mercantil que começa a ficar totalmente livre da Igreja e do Império, vende a sua ciência, renova-a e revoluciona os métodos de ensino [5]. Nesta mesma época surge um movimento filosófico inovador, o Humanismo, que ganhou força no século XV e impulsionou o Renascimento, movimento cultural, econômico e político, surgido na Itália no século XIV e se estendeu até o século XVII, e posteriormente, a Reforma Protestante. Tudo isto contribuiu para o surgimento do Iluminismo no século XVI, movimento intelectual, científico e filosófico. O Humanismo tinha aversão pela cultura medieval e pela sua forma de transmissão, a escola, sob a égide da Igreja Católica. Em sua crítica à escola medieval, havia a pedagogia contrária aos castigos físicos então imperantes e de educar as crianças considerando sua tenra idade e de educá-la de acordo com a sua própria índole. No século XVI, na transição do feudalismo para a consolidação do capitalismo, no contexto do movimento filosófico do Humanismo e do Renascimento eclodiram movimentos reformistas em oposição à Igreja Católica que passaram a constituir suas próprias igrejas delas resultando iniciativas que deram início à expansão quantitativa da escola. Surgiram duas propostas de educação: a da Reforma Protestante e a da Contrarreforma comandada pela Igreja Católica. Estas foram as principais concepções de educação que vigoraram a partir do século XVI e séculos seguintes [5]. A Reforma Protestante surgiu com o luteranismo que foi o movimento religioso que mais exerceu influência sobre a escola no início do século XVI. Lutero, que era monge da Igreja Católica, rompeu com o catolicismo e criou na Alemanha sua própria igreja. A
  • 6. 6 expansão da escola começou na Europa com as reformas religiosas, especialmente a luterana, que exigiu a presença de meninos e meninas nos bancos escolares sem distinção de classe. A Reforma Protestante foi muito importante para o desenvolvimento do capitalismo como demonstra Max Weber em sua obra A ética protestante e o espírito do capitalismo [7], mas foi importante, também, porque defendeu sua concepção de escola pública para a formação dos cidadãos. Em 1549, o imperador Carlos V da Alemanha antecipou as iniciativas dos soberanos iluminados do século XVIII preconizando que as escolas fossem mantidas pelo Estado [5]. Por sua vez, a Contrarreforma foi uma iniciativa da Igreja Católica com o propósito de manter os dogmas de forma intransigente questionados pelos defensores da Reforma Protestante e sua prerrogativa sobre a educação. Como resposta à reforma luterana, a Igreja Católica instituiu os seminários destinados a educar religiosamente e a instruir nas disciplinas eclesiásticas os novos sacerdotes e programa de estudos de jovens. Os jesuítas se notabilizaram no combate ao protestantismo. Os países católicos se atrasaram na implantação da escola de Estado graças ao poder da Igreja Católica. Há países que seguiam a orientação luterana e países católicos que seguiam a orientação dos jesuítas [5]. É importante observar que os primeiros mestres no Brasil foram os padres jesuítas. Chegaram na década de 1540 com o objetivo mal sucedido de alfabetizar os índios adultos para catequizá-los para, em seguida, mudar sua estratégia buscando alfabetizar as crianças indígenas. Ressalte-se que, nesta época, em oposição aos movimentos em vários países impulsionadores de escolas mantidas pelo Estado, a Igreja Católica e os jesuítas atuaram para manter as escolas sob seu controle com o objetivo de formar cristãos e não cidadãos como preconizava a paidea grega [5]. 4. A educação na Idade Moderna (Do Século XV ao Século XVIII) Nos século XVI e XVII, a educação ganhou impulso adquirindo nova feição com as classes escolares divididas por idades e a proposta de meninos e meninas frequentarem a escola que foram conquistas dessa época. No século XVI, começou o início do fim da hegemonia da Igreja Católica na educação uma vez que começou a deixar de ser ministrada apenas nos mosteiros e nas catedrais. Nesta época, as igrejas criadas pelas reformas religiosas, especialmente a reforma luterana, desempenharam papel fundamental na educação com sua ênfase das famílias enviarem seus filhos à escola. No século XVII, embora a tendência fosse o Estado assumir a educação, a religião mantém ainda sua hegemonia nela. Nos países católicos, o Estado não intervinha na educação que era ministrada por particulares e, principalmente, pelas ordens religiosas. No século XVII, aconteceu uma renovação pedagógica proposta por Jan Comenius de “ensinar tudo a todos” baseada no empirismo (observação direta das coisas). Comenius propôs uma escola para a vida toda que, dividida em graus, ensinasse tudo a todos totalmente. Comenius é fundador da didática e, em parte, da pedagogia moderna. Ele figura como um dos maiores nomes da educação e da pedagogia ocidental. Ele é o precursor do método objetivo, dos materiais didáticos os mais aperfeiçoados possíveis e das experiências executadas diretamente pelo professor. Foi no século XVII que começou a renovação pedagógica. A pedagogia dos países que aderiram à reforma seguem a inspiração das novas igrejas protestantes e, de outro, a pedagogia dos países católicos é a jesuítica até o século XVIII [5]. REFERÊNCIAS
  • 7. 7 1. SERENNA, Nathalia. História da Educação no Mundo e no Brasil. Disponível no website <https://www.jusbrasil.com.br/artigos/historia-da-educacao-no-mundo-e-no- brasil/605451719>. 2. FORMAÇÃO.FIKAKI. A Educação no Oriente Antigo. Disponível no website <https://formacao.fikaki.com/educacao-no-oriente-antigo/#google_vignette>. 3. SOPEDAGOGIA. História da Educação – Período Oriental. Disponível no website <https://www.pedagogia.com.br/historia/oriental.php>. 4. BLOG DO RAFAEL MORI. Educação no Extremo Oriente – Confúcio e Buda. Disponível no website <https://blogdorafaelmori.wordpress.com/2021/09/22/historia-da-educacao-3- educacao-no-extremo-oriente-confucio-e-buda/>. 5. BITTAR, Marisa. A História da Educação. Da Antiguidade à Era Contemporânea. São Carlos: EduFScar, 2009 6. ANDRADE, Ana Luiza Mello Santiago. Educação na Roma Antiga. Disponível no website <https://www.infoescola.com/historia/educacao-na-roma-antiga/>. * Fernando Alcoforado, 84, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, da SBPC- Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e do IPB- Instituto Politécnico da Bahia, engenheiro pela Escola Politécnica da UFBA e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário (Engenharia, Economia e Administração) e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co- autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019), A humanidade ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021), A escalada da ciência e da tecnologia ao longo da história e sua contribuição ao progresso e à sobrevivência da humanidade (Editora CRV, Curitiba, 2022), de capítulo do livro Flood Handbook (CRC Press, Boca Raton, Florida, United States, 2022), How to protect human beings from threats to their existence and avoid the extinction of humanity (Generis Publishing, Europe, Republic of Moldova, Chișinău, 2023) e A revolução da educação necessária ao Brasil na era contemporânea (Editora CRV, Curitiba, 2023).