SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Profissional de Gaia




Prof.: Miguel Vieira                                 2011/2012
Este trabalho foi realizado no âmbito da
disciplina de Área de Integração proposto pelo
professor Miguel Vieira.

Neste trabalho vamos falar nos desastres
ambientais da Madeira:

Movimentos de vertentes;
Causas ;
Prevenção;
Desastre da Madeira… etc
Os fenómenos geológicos
incluem vários movimentos
no solo como:
•Desabamentos
•Derrocadas/Desmoronamentos
•Deslizamentos de Terra
São frequentes:
Lugares de grande altitude e de solo húmido.




Grau de destruição:
Depende da inclinação das vertentes
 Fenómenos atmosféricos
(precipitação intensa)

 Erosão (devido à destruição
da vegetação)

 Força da gravidade
(os corpos têm tendência a
descer pelas vertentes)

Actividade sísmica
Actividade vulcânica
Construções    e escavações
(edifícios/estradas/…)
 Não destruir a vegetação das
vertente.


Evitar construir em declives
acentuados


 Retenção de encostas

 Evitar construir em leitos de
ribeiras
   As enxurradas, quando acompanhadas de derrocadas criam
    uma barreira nos cursos de água, que se transformam num
    fluxo detrítico em movimento de dimensões consideráveis.

   Este fluxo, aliado ao declive acentuado da orografia da Ilha
    da Madeira, atinge velocidade e energia tal que transborda
    dos leitos, inunda e deposita nas cotas mais baixas o material
    detrítico transportado, caracterizando-se numa aluvião.

    Isto foi o que originou o grande desastre na Madeira a 20
    de Fevereiro
O que é o leito de cheia?

É a zona temporariamente coberta pelas águas quando
ocorrem cheias extraordinárias, inundações ou
tempestades.
Derretimento de calotes de gelo

Rotura de barragens

Acumulação de lixo

 Chuvas intensas (tempestades)
 Ordenar e controlar a acção humana no leito de cheia
Impedir a construção e a urbanização em possíveis   zonas
de leito de cheia

Construir sistemas integrados de regularização dos cursos
de água (canais e barragens) - alargamento, aprofundamento
e remoção de obstáculos nos leitos dos rios.
Madeira final
Madeira - 20 de Fevereiro
24/02/2010 - 00h03
Notícia do Jornal                      Desastre atinge a face pobre da Ilha
Público de 25 de                       da Madeira
                                                                      Francesc Relea
Fevereiro                                              Em Funchal, Madeira (Portugal)
                                                      Luiz Roberto Mendes Gonçalves

 57 derrocadas num dia                É a face mais pobre da Madeira. A
    No último sábado, durante o        que os turistas não vêem e a que
    pico da chuva entre as nove e as   menos aparece na televisão. É a face
    onze horas, registaram-se 57       dos bairros das zonas altas de
    deslizamentos de terras em todo    Funchal, capital desta ilha
    o concelho do Funchal              portuguesa, que sofreram os maiores
                                       danos depois das chuvas torrenciais
                                       da semana passada. Um percurso pela
                                       periferia da cidade conduzido por um
                                       especialista permite comprovar a
                                       dimensão do desastre, que pode ter
                                       consequências mais graves se
                                       voltarem as chuvas.
Madeira final
 Com este trabalho aprendemos mais sobre os
desastres ambientais e como isso pode afectar a
vida das pessoas. Usamos como exemplo a
madeira devido ao grande desastre que lá
ocorreu.
http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/02
/24/desastre-atinge-a-face-pobre-da-ilha-da-
madeira.jhtm

 Slideshare
http://www.azores.gov.pt/Gra/sram-
drotrh/conteudos/faqs/2009/Abril/leito+de+cheia.htm

http://caj8b.wordpress.com/causas-das-cheias/
Fim

      Trabalho realizado
      por:
      Jéssica Pinho nº7
      Teresa Monteiro nº14
Planos de Prevenção e Emergência


               Prevenir e Planear




                                    Procedimentos
Aquisição de
                                    a adoptar em
 hábitos de
                                    situações
segurança
                                    de emergência
Materiais       Actividades
 Geológicos      Humanas              Vegetação
                 (Construção
                 de estruturas)



                     Paisagem

•Clima
•Actividade Humana
•Tempo

              Evolução da Paisagem
                     (Risco)

                             •Formação de populações
                             •Medidas de estabilização



                 Prevenção do risco
Madeira final
Madeira final
Madeira final

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados com Deslizamentos
Cuidados com DeslizamentosCuidados com Deslizamentos
Cuidados com Deslizamentos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofesPerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
Paulo Ponte
 
Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
Beatriz de Almeida
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
marleneves
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
sandrarodrigues
 
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Nuno Correia
 
Apontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e CatástrofesApontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e Catástrofes
asgeoprofessoras
 
Zonas de vertente 11o Geologia
Zonas de vertente 11o GeologiaZonas de vertente 11o Geologia
Zonas de vertente 11o Geologia
lauramcgomes
 
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Geo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De VertenteGeo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De Vertente
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Nuno Correia
 
Geografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatianaGeografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatiana
protecaocivil
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Isabel Cabral
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
Andriy Russu
 
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Maria José Brollo
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
EBSPMA
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
Carlos Henrique Tavares
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Rui Basto
 

Mais procurados (19)

Cuidados com Deslizamentos
Cuidados com DeslizamentosCuidados com Deslizamentos
Cuidados com Deslizamentos
 
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofesPerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
PerturbaçõEs No EquíLibrio Dos Ecossistemas – As CatáStrofes
 
Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
 
Riscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes NaturaisRiscos e Catastrofes Naturais
Riscos e Catastrofes Naturais
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
 
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertenteGeo 4   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
Geo 4 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - zonas de vertente
 
Apontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e CatástrofesApontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e Catástrofes
 
Zonas de vertente 11o Geologia
Zonas de vertente 11o GeologiaZonas de vertente 11o Geologia
Zonas de vertente 11o Geologia
 
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
Geo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De VertenteGeo 3   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas De Vertente
Geo 3 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas De Vertente
 
Geografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatianaGeografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatiana
 
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro LobatoRelevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
Relevo terrestre - Colégio Monteiro Lobato
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
 
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
 
Movimentos de Vertente
Movimentos de VertenteMovimentos de Vertente
Movimentos de Vertente
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 

Semelhante a Madeira final

1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
Pelo Siro
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
B0das
 
Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
NelitaBeiro
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiras
katheerine
 
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptxgeografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
JOSEDELIMAMACEDO
 
Ad1 geomofologia continental
Ad1   geomofologia continentalAd1   geomofologia continental
Ad1 geomofologia continental
PaperPão
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
sandrarodrigues
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
sandrarodrigues
 
5. da penha vê se o mar
5. da penha vê se o mar5. da penha vê se o mar
5. da penha vê se o mar
Maria Manuela Torres Paredes
 
Catástrofes causas e conseq
Catástrofes   causas e conseqCatástrofes   causas e conseq
Catástrofes causas e conseq
Carla Ribeiro
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
8_c_clube
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
navegananet
 
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
AUSTRAL GROUP CONSULTORES CAS
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
ERI - "Engineering and Research Institute" Pesquisas Ltda
 
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptxae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
mariagrave
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
filomenacatatua
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
Mateus Ferraz
 

Semelhante a Madeira final (20)

1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas1   perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
1 perturbacao no-equilibrio_dos_ecossistemas
 
desastres climaticos
desastres climaticosdesastres climaticos
desastres climaticos
 
Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiras
 
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptxgeografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
geografia_6º_ano_-_catástrofes_naturais.pptx
 
Ad1 geomofologia continental
Ad1   geomofologia continentalAd1   geomofologia continental
Ad1 geomofologia continental
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
 
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
Zonas De Vertente   Acabado 22[1]Zonas De Vertente   Acabado 22[1]
Zonas De Vertente Acabado 22[1]
 
5. da penha vê se o mar
5. da penha vê se o mar5. da penha vê se o mar
5. da penha vê se o mar
 
Catástrofes causas e conseq
Catástrofes   causas e conseqCatástrofes   causas e conseq
Catástrofes causas e conseq
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
 
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
 
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptxae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 

Madeira final

  • 1. Escola Profissional de Gaia Prof.: Miguel Vieira 2011/2012
  • 2. Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Área de Integração proposto pelo professor Miguel Vieira. Neste trabalho vamos falar nos desastres ambientais da Madeira: Movimentos de vertentes; Causas ; Prevenção; Desastre da Madeira… etc
  • 3. Os fenómenos geológicos incluem vários movimentos no solo como: •Desabamentos •Derrocadas/Desmoronamentos •Deslizamentos de Terra
  • 4. São frequentes: Lugares de grande altitude e de solo húmido. Grau de destruição: Depende da inclinação das vertentes
  • 5.  Fenómenos atmosféricos (precipitação intensa)  Erosão (devido à destruição da vegetação)  Força da gravidade (os corpos têm tendência a descer pelas vertentes) Actividade sísmica Actividade vulcânica Construções e escavações (edifícios/estradas/…)
  • 6.  Não destruir a vegetação das vertente. Evitar construir em declives acentuados  Retenção de encostas  Evitar construir em leitos de ribeiras
  • 7. As enxurradas, quando acompanhadas de derrocadas criam uma barreira nos cursos de água, que se transformam num fluxo detrítico em movimento de dimensões consideráveis.  Este fluxo, aliado ao declive acentuado da orografia da Ilha da Madeira, atinge velocidade e energia tal que transborda dos leitos, inunda e deposita nas cotas mais baixas o material detrítico transportado, caracterizando-se numa aluvião. Isto foi o que originou o grande desastre na Madeira a 20 de Fevereiro
  • 8. O que é o leito de cheia? É a zona temporariamente coberta pelas águas quando ocorrem cheias extraordinárias, inundações ou tempestades.
  • 9. Derretimento de calotes de gelo Rotura de barragens Acumulação de lixo  Chuvas intensas (tempestades)
  • 10.  Ordenar e controlar a acção humana no leito de cheia Impedir a construção e a urbanização em possíveis zonas de leito de cheia Construir sistemas integrados de regularização dos cursos de água (canais e barragens) - alargamento, aprofundamento e remoção de obstáculos nos leitos dos rios.
  • 12. Madeira - 20 de Fevereiro
  • 13. 24/02/2010 - 00h03 Notícia do Jornal Desastre atinge a face pobre da Ilha Público de 25 de da Madeira Francesc Relea Fevereiro Em Funchal, Madeira (Portugal) Luiz Roberto Mendes Gonçalves  57 derrocadas num dia É a face mais pobre da Madeira. A No último sábado, durante o que os turistas não vêem e a que pico da chuva entre as nove e as menos aparece na televisão. É a face onze horas, registaram-se 57 dos bairros das zonas altas de deslizamentos de terras em todo Funchal, capital desta ilha o concelho do Funchal portuguesa, que sofreram os maiores danos depois das chuvas torrenciais da semana passada. Um percurso pela periferia da cidade conduzido por um especialista permite comprovar a dimensão do desastre, que pode ter consequências mais graves se voltarem as chuvas.
  • 15.  Com este trabalho aprendemos mais sobre os desastres ambientais e como isso pode afectar a vida das pessoas. Usamos como exemplo a madeira devido ao grande desastre que lá ocorreu.
  • 17. Fim Trabalho realizado por: Jéssica Pinho nº7 Teresa Monteiro nº14
  • 18. Planos de Prevenção e Emergência Prevenir e Planear Procedimentos Aquisição de a adoptar em hábitos de situações segurança de emergência
  • 19. Materiais Actividades Geológicos Humanas Vegetação (Construção de estruturas) Paisagem •Clima •Actividade Humana •Tempo Evolução da Paisagem (Risco) •Formação de populações •Medidas de estabilização Prevenção do risco