SlideShare uma empresa Scribd logo
IMUNIDADE E CONTROLO DE DOENÇAS POSSUIMOS UM SISTEMA IMUNITÁRIO PORQUE NÃO SUCUMBIMOS? CEM MIL MILHARES DE MILHÃO
A MAIORIA NÃO É PERIGOSA,  MAS MUITOS SÃO SERES PATOGÉNICOS, PROVOCAM DOENÇAS  1430 AGENTES BIOLÓGICOS PATOGÉNICOS: 220 VÍRUS, 540 BACTÉRIAS, 310 FUNGOS,  70 PROTOZOÁRIOS E 290 VERMES
Vírus SERES ACELULARES PARASITAS INTRACELULARES OBRIGATÓRIOS São exemplos de doenças causadas por vírus a:  raiva ,  rubéola ,  sarampo ,  hepatite ,  poliomielite ,  febre amarela . Também há a  gripe , que é causada por uma variedade de vírus; a  varicela ;  varíola ;  meningite víral ; a  SIDA , que é causada pelo  HIV . Recentemente foi demonstrado que o  cancro cervical  é causado em parte pelo  papilomavirus , representando a primeira evidência significante em humanos para uma ligação entre  cancro  e agentes virais.
INCAPAZES   DE REALIZAR  ACTIVIDADES METABOLICAS AUTÓNOMAS   INCAPAZES   DE SE  REPRODUZIREM   ASSUMEM O  COMANDO DA MAQUINARIA METABÓLICA  DA CÉLULA HOSPEDEIRA PARA SE REPRODUZIREM Vírus
Vírus: seres vivos ou seres não vivos? Vírus  não têm  qualquer  actividade metabólica  quando  fora da célula hospedeira : eles não podem captar nutrientes, utilizar energia ou realizar qualquer actividade biossintética.  Eles obviamente  reproduzem-se, mas de forma diferente de células , crescem, duplicam seu conteúdo para então dividir-se em duas células filhas, os vírus replicam-se através de uma  estratégia completamente   diferente : eles invadem células, o que causa a dissociação dos componentes da partícula víral; esses componentes então interagem com o aparelho metabólico da célula hospedeira, subvertendo o metabolismo celular para a produção de mais vírus.  Porque não têm metabolismo próprio, são considerados “ partículas infecciosas ”.
Vírus:  assumem o comando da maquinaria metabólica da célula hospedeira para se reproduzirem, como o fazem? Utilizam os organelos da célula invadida e as reservas bioquímicas da mesma para a produção de proteínas e ácidos nucleicos virais, formando novos vírus.
BACTÉRIAS PATOGÉNICAS - São células procarióticas; - Muitas bactérias contêm plasmídeos; - Podem reproduzir-se automaticamente; - A reprodução realiza-se, habitualmente, por divisão binária.
BACTÉRIAS PATOGÉNICAS Invadem o citoplasma das c é lulas  onde se  alimentam   e  multiplicam , conduzindo  à   destrui ç ão das c é lulas  hospedeiras . Outras  produzem  TOXINAS que provocam a  altera ç ão  do metabolismo   normal   das c é lulas  ou  a sua  MORTE .
COMO PODE O ORGANISMO HUMANO  DEFENDER-SE  DESTES MICRORGANISMOS? “ CONTACTAMOS, DIARIAMENTE COM MUITOS MILHÕES DE MICRORGANISMO” SISTEMA IMUNITÁRIO 1. ÓRGÃOS LINFÓIDES,  PRIMÁRIOS   E   SECUNDÁRIOS 2. CÉLULAS EFECTORAS (ex.: LEUCÓCITOS) 3. PROTEÍNAS SOLÚVEIS
SISTEMA IMUNITÁRIO CÉLULAS EFECTORAS (LEUCÓCITOS, MACRÓFAGOS E PLASMÓCITOS ) DIFERENCIAÇÃO E MATURAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA  RESPOSTA  IMUNITÁRIA
Linfa, origem ? destino ? SISTEMA IMUNITÁRIO
Linfa circulante Linfa  intersticial permite aumentar  eficácia dos  sistemas circulatórios FORMAÇÃO DA LINFA O  fluído (linfa)  dos tecido que não volta aos vasos sanguíneos  é drenado para  os  capilares linfáticos  existentes entre as células. Estes ligam-se para formar vasos  maiores, que desembocam em veias que chegam ao coração.  Sangue arterial Sangue venoso PLASMA PLASMA 98%
A  linfa , a caminho do sangue, circula pelo  interior dos gânglios , onde  é   filtrada . Partículas como vírus, bactérias e resíduos celulares são  fagocitadas  pelos  linfócitos  existentes nos gânglios linfáticos.  Funcionamento dos Gânglios Linfáticos válvulas unidireccionais  que impedem o refluxo
Filtragem nos nódulos linfáticos filtração mecânica filtração biológica Reticuloendothelial cell
4-   e ainda  ser capaz de  reconhecer   sinais de perigo , como, por exemplo, quando ocorrem  lesões  que conduzem à destruição de  tecidos e/ou células . Esta destruição liberta  proteínas   resultantes da  desagregação das membranas celulares , que vão conduzir a uma resposta do  sistema imunitário. É um conjunto de  moléculas, células, tecidos e órgãos  capaz de  reconhecer   os  elementos “ próprios ”   e   “ estranhos ”   ao organismo   e de  desenvolver uma   defesa   do organismo contra: 1-  agentes agressores  externos  biológicos  ( microrganismos ); 2-  agentes agressores  externos  químicos  ( toxinas ); 3-  agentes  internos,   células não funcionais, envelhecidas e anormais  ( cancerosas ),  do próprio organismo;  MISSÃO DO SISTEMA IMUNITÁRIO:  RECONHECER  E  DEFENDER
MISSÃO DO SISTEMA IMUNITÁRIO:  RECONHECER  E  DEFENDER  Mas existem casos em que o  organismo se volta contra si próprio . Isto acontece quando há uma  deficiência no sistema imunitário ,  e o   organismo deixa de reconhecer algumas substâncias como próprias ,  passando a  tratá-las como estranhas, destruindo-as .  Estes casos designam-se de  doenças auto-imunes . Lúpus Artrite reumatóide
CÉLULAS EFECTORAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO:  LEUCÓCITOS   bilobados   polilobados   “ S” irregular polilobado   “ rim” Caracterização quanto ao núcleo  Caracterização quanto ao citoplasma  circulantes de vida curta  não-circulantes  de vida longa mononucleares
B T NK 1-3% ; 3-5  dias 55-65%; 1-3  dias 1-2%; 9-18 meses 3-6%; 3-10 meses 25-35% Fagócitos CÉLULAS EFECTORAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO:  LEUCÓCITOS   Macrófagos  (tecidos) defesa de corpos estranhos Plasmócitos (anticorpos)  Anti-parasitas  1ª linha  de defesa  Anti-inflamatória (histamina)  Megacariócitos   Nota: três tipos de proteínas fazem parte do sistema imunológico,  anticorpos, citoquinas, proteínas do s.c.
As três categorias de  células imunológicas  são:  1. Granulócitos (Eos., Bas., Neutrófilos)  2. Monócitos  Macrófagos  3. Linfócitos (B, T, NK)  SISTEMA IMUNOLÓGICO:  SÍNTESE  Os  três tipos de proteínas  que fazem parte do sistema imunológico são:  1.  Imunoglobulinas/anticorpos   (libertadas por linfócitos B) 2.  Citoquinas  (ex.: interferão, libertadas por linfócitos, macrófagos)  3.  Proteínas do sistema de complemento  (fígado) Consiste de  seis componentes principais , dos quais  três são diferentes tipos de células , e os outros  três são proteínas solúveis .
SÍNTESE:  CÉLULAS DO  SANGUE  E DO  SISTEMA   IMUNITÁRIO
Leucócitos/G.Brancos Granulócitos Agranulócitos  Eosinóflos/Acidófilos Basófilos Neutrófilos Monócitos  Monócitos    Macrófagos Linfócitos (B, T, NK) Linfócitos B    Plasmócitos Mastócitos  SÍNTESE:  CÉLULAS DO  SISTEMA   IMUNITÁRIO
SISTEMA IMUNITÁRIO IMUNIDADE INATA  ou NATURAL Actua de igual forma qualquer que seja o agente agressor, comum a todos os seres multicelulares IMUNIDADE ADQUIRIDA  ou ADAPTATIVA   Adquirida mais tarde na evolu ç ão das esp é cies, s ó  aparecendo nos vertebrados
IMUNIDADE INATA  ou  NATURAL IMUNIDADE ADQUIRIDA  ou  ADAPTATIVA  Mucina Lisozima pH=3-5 HCl,pH=1-2 F Í SICAS ou ANAT Ó MICAS LINHAS DE DEFESA DO ORGANISMO 1ª linha de defesa 2ª linha de defesa 3ª linha de defesa NK
FAGOCITOSE   DEFESA NÃO ESPECÍFICA:  2ª LINHA 1 2 3 4 (Fagossoma)
FAGOCITOSE
QUE FENÓMENOS OCORREM NA RESPOSTA INFLAMATÓRIA?  Análise da figura 23 da  página 166  e resolução de questionário 4 OBJECTIVO:  INACTIVAR E DESTRUIR AGENTES INVASORES QUIMIOTAXIA DIAPEDESE   Neutrófilo/Monócito 30-60 min. FAGOCITOSE LEUCÓCITOS: QUIMIOTAXIA     DIAPEDESE     FAGOCITOSE Monócitos     Macrófagos  Pus     Abcesso
OBJECTIVO:  INACTIVAR  E  DESTRUIR  AGENTES INVASORES  NÃO CONSEGUIDO  RESPOSTA INFLAMATÓRIA LOCAL  FALHOU RESPOSTA SISTÉMICA  1. FEBRE ( ESTIMULA A FAGOCITOSE  E  INIBE MULTIPLICAÇÃO DE MICRORGANISMOS )   2. PROLIFERAÇÃO DE LEUCÓCITOS EM CIRCULAÇÃO
RESPOSTA INFLAMATÓRIA,  LOCAL  E   SISTÉMICA CALOR RUBOR EDEMA SENSIBILIDADE DOR HISTAMINA
RESPOSTA INFLAMATÓRIA C.  R.  E.  S.  D. Pus     Abcesso
RESPOSTA SISTÉMICA  MECANISMO DA FEBRE Agentes patogénicos Toxinas Leucócitos   Pirógenos + + + + + + Hipotálamo T FEBRE + 42ºC MORTE -  42ºC +++  DEFESA Febre:  (1)  acelera reacções bioquímicas,  (2)  promove a fagocitose e a  (3)   reparação de  tecidos,  (4)   inibe a multiplicação de agentes patogénicos.
ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO 1. Com base na interpretação do esquema,  procure descrever a forma de actuação do interferão. 2. Comente a afirmação:  “O interferão não tem uma acção antiviral directa.” 2 3 4 5 6 1
Interferão Ribossoma RNA  Viral  DNA  Viral  Proteína  Inibidora da Replicação Proteína  Inibidora da Tradução  ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO “ O interferão não tem uma acção  antiviral directa e específica. ” Comente. Sinal   estimulador da  Transcrição Activação  do gene mRNA Tradução do gene
X Y Y ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO
ACÇÕES DO SISTEMA DE COMPLEMENTO +20 proteínas  produzidas  no fígado Cascata de reacções Acções não específicas Opsonização +
ACÇÕES DO SISTEMA DE COMPLEMENTO Revestimento   da superfície do alvo com  a  proteína   Opsonina , permitindo o  reconhecimento e  a sua fagocitose Proteínas –  perforinas criam poros Este sistema é constituído por cerca de  20 proteínas  no  estado inactivo  que se encontram em maior concentração  no plasma sanguíneo  e também nas  membranas celulares .
Células NK (natural killer) resposta imunitária inespecífica As  células Natural Killer (NK)  são linfócitos   que  não são específicos  de antigénios e que  reconhecem células estranhas de diferentes tipos . Estas células são uma importante linha de defesa contra  células malignas (tumores) e contra células infectadas com vírus, bactérias e protozoários . Libertam mediadores químicos (perforinas) e grânulos líticos que matam as células malignas e infectadas , por lise celular ( apoptose ).
3ª LINHA  - DEFESA ESPECÍFICA / ADQUIRIDA  1ª LINHA  - DEFESA  NÃO  ESPECÍFICA / INATA  2ª LINHA  - DEFESA  NÃO  ESPECÍFICA / INATA  Pele, mucosas, cílios e secreções Fagocitose, resposta inflamatória,  sistema de complemento e células NK SISTEMA IMUNITÁRIO Imunidade humoral  ou  mediada por anticorpos Imunidade celular  ou  mediada por células Reconhecimento    Reacção    Acção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
Israel Lima
 
Sistema Imunitário I
Sistema Imunitário ISistema Imunitário I
Sistema Imunitário I
Artur Melo
 
Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2
Lys Duarte
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológico
Ernesto Silva
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
mfernandamb
 
Sistema Imunitário II
Sistema Imunitário IISistema Imunitário II
Sistema Imunitário II
Artur Melo
 
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO NrConstituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Nuno Correia
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
Gildo Crispim
 
Células do Sistema Imune
Células do Sistema ImuneCélulas do Sistema Imune
Células do Sistema Imune
Lys Duarte
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Cátia Teixeira
 
Imuno basica
Imuno basicaImuno basica
Imuno basica
Tamara Garcia
 
Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
LABIMUNO UFBA
 
3. celulas e orgaos do sist imune
3. celulas e orgaos do sist imune3. celulas e orgaos do sist imune
3. celulas e orgaos do sist imune
FAMENE 2018.2b
 
Aula 4 imunidade adquirida
Aula 4 imunidade adquiridaAula 4 imunidade adquirida
Aula 4 imunidade adquirida
Adila Trubat
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
Pelo Siro
 
Introducao Ao Sistema Imune
Introducao Ao Sistema ImuneIntroducao Ao Sistema Imune
Introducao Ao Sistema Imune
LABIMUNO UFBA
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Guilherme Wendel
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
trawwr
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III

Mais procurados (20)

Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
 
Sistema Imunitário I
Sistema Imunitário ISistema Imunitário I
Sistema Imunitário I
 
Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2Células do Sistema Imune 2
Células do Sistema Imune 2
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológico
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Sistema Imunitário II
Sistema Imunitário IISistema Imunitário II
Sistema Imunitário II
 
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO NrConstituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
Constituintes Do Sistema ImunitáRio (ApresentaçãO Nr
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Células do Sistema Imune
Células do Sistema ImuneCélulas do Sistema Imune
Células do Sistema Imune
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
 
Imuno basica
Imuno basicaImuno basica
Imuno basica
 
Células e Tecidos
Células e TecidosCélulas e Tecidos
Células e Tecidos
 
3. celulas e orgaos do sist imune
3. celulas e orgaos do sist imune3. celulas e orgaos do sist imune
3. celulas e orgaos do sist imune
 
Aula 4 imunidade adquirida
Aula 4 imunidade adquiridaAula 4 imunidade adquirida
Aula 4 imunidade adquirida
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
Introducao Ao Sistema Imune
Introducao Ao Sistema ImuneIntroducao Ao Sistema Imune
Introducao Ao Sistema Imune
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
Sistemaimunolgico 120618081705-phpapp02
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 

Destaque

Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
Isabel Lopes
 
17 Vig.Imunit
17  Vig.Imunit17  Vig.Imunit
17 Vig.Imunit
guest08fb138a
 
Imunidade Inata e Adquirida
Imunidade Inata e AdquiridaImunidade Inata e Adquirida
Imunidade Inata e Adquirida
Lys Duarte
 
Sistema imunitário parte i
Sistema imunitário   parte iSistema imunitário   parte i
Sistema imunitário parte i
Luciana Pietro
 
4. mec. efetores da imunidade inata
4. mec. efetores da imunidade inata4. mec. efetores da imunidade inata
4. mec. efetores da imunidade inata
FAMENE 2018.2b
 
Aula60 bio12
Aula60 bio12Aula60 bio12
Aula60 bio12
Magda Charrua
 
Aula62 bio12
Aula62 bio12Aula62 bio12
Aula62 bio12
Magda Charrua
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
Ricardo Portela
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
Rosana Cunha Bueno
 
Visita de estudo ao Zoo de Lisboa
Visita de estudo ao Zoo de LisboaVisita de estudo ao Zoo de Lisboa
Visita de estudo ao Zoo de Lisboa
Catir
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
ISJ
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
guest3eaec9
 
02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica
Catir
 
01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução
Catir
 
VíRus Aula
VíRus AulaVíRus Aula
VíRus Aula
guesta61019
 
Imunidade Mediada Por CéLulas
Imunidade Mediada Por CéLulasImunidade Mediada Por CéLulas
Imunidade Mediada Por CéLulas
Isabel Lopes
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
Andrea Barreto
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Isabel Lopes
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
Slides de Tudo
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
Isabel Lopes
 

Destaque (20)

Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
 
17 Vig.Imunit
17  Vig.Imunit17  Vig.Imunit
17 Vig.Imunit
 
Imunidade Inata e Adquirida
Imunidade Inata e AdquiridaImunidade Inata e Adquirida
Imunidade Inata e Adquirida
 
Sistema imunitário parte i
Sistema imunitário   parte iSistema imunitário   parte i
Sistema imunitário parte i
 
4. mec. efetores da imunidade inata
4. mec. efetores da imunidade inata4. mec. efetores da imunidade inata
4. mec. efetores da imunidade inata
 
Aula60 bio12
Aula60 bio12Aula60 bio12
Aula60 bio12
 
Aula62 bio12
Aula62 bio12Aula62 bio12
Aula62 bio12
 
ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
 
Visita de estudo ao Zoo de Lisboa
Visita de estudo ao Zoo de LisboaVisita de estudo ao Zoo de Lisboa
Visita de estudo ao Zoo de Lisboa
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
 
02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica
 
01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução
 
VíRus Aula
VíRus AulaVíRus Aula
VíRus Aula
 
Imunidade Mediada Por CéLulas
Imunidade Mediada Por CéLulasImunidade Mediada Por CéLulas
Imunidade Mediada Por CéLulas
 
Vírus Biologia
Vírus BiologiaVírus Biologia
Vírus Biologia
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 

Semelhante a 15 Imun NãO Esp

31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
Leonor Vaz Pereira
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
Malu Correia
 
Aula 4 - M
Aula 4 - MAula 4 - M
Imunidade 110125170526-phpapp02
Imunidade 110125170526-phpapp02Imunidade 110125170526-phpapp02
Imunidade 110125170526-phpapp02
Pelo Siro
 
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptxBIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
ssuser771325
 
1 carcteristicas gerais sist imune 2016_1_prof herminio
1 carcteristicas gerais sist imune   2016_1_prof herminio1 carcteristicas gerais sist imune   2016_1_prof herminio
1 carcteristicas gerais sist imune 2016_1_prof herminio
PriclesFigueiredo
 
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula iiCélulas, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Bila Bernardes
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
mfernandamb
 
Sistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o aSistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o a
SESI 422 - Americana
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
Esteticista Tati Maia
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
EmiliaCassia2
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Deise Silva
 
Biologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercícioBiologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercício
Michele Vasconcelos
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
Ostão Ferreira
 
4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
CarinaAmorim10
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
Jucie Vasconcelos
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
samir12
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
Ruth L
 

Semelhante a 15 Imun NãO Esp (20)

31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii31 Sistema ImunitáRio I Ii
31 Sistema ImunitáRio I Ii
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
Aula 4 - M
Aula 4 - MAula 4 - M
Aula 4 - M
 
Imunidade 110125170526-phpapp02
Imunidade 110125170526-phpapp02Imunidade 110125170526-phpapp02
Imunidade 110125170526-phpapp02
 
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptxBIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
 
1 carcteristicas gerais sist imune 2016_1_prof herminio
1 carcteristicas gerais sist imune   2016_1_prof herminio1 carcteristicas gerais sist imune   2016_1_prof herminio
1 carcteristicas gerais sist imune 2016_1_prof herminio
 
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula iiCélulas, tecidos e órgãos linfóides aula ii
Células, tecidos e órgãos linfóides aula ii
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
 
Sistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o aSistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o a
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
 
Biologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercícioBiologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercício
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 

Último

Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (7)

Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

15 Imun NãO Esp

  • 1. IMUNIDADE E CONTROLO DE DOENÇAS POSSUIMOS UM SISTEMA IMUNITÁRIO PORQUE NÃO SUCUMBIMOS? CEM MIL MILHARES DE MILHÃO
  • 2. A MAIORIA NÃO É PERIGOSA, MAS MUITOS SÃO SERES PATOGÉNICOS, PROVOCAM DOENÇAS 1430 AGENTES BIOLÓGICOS PATOGÉNICOS: 220 VÍRUS, 540 BACTÉRIAS, 310 FUNGOS, 70 PROTOZOÁRIOS E 290 VERMES
  • 3. Vírus SERES ACELULARES PARASITAS INTRACELULARES OBRIGATÓRIOS São exemplos de doenças causadas por vírus a: raiva , rubéola , sarampo , hepatite , poliomielite , febre amarela . Também há a gripe , que é causada por uma variedade de vírus; a varicela ; varíola ; meningite víral ; a SIDA , que é causada pelo HIV . Recentemente foi demonstrado que o cancro cervical é causado em parte pelo papilomavirus , representando a primeira evidência significante em humanos para uma ligação entre cancro e agentes virais.
  • 4. INCAPAZES DE REALIZAR ACTIVIDADES METABOLICAS AUTÓNOMAS INCAPAZES DE SE REPRODUZIREM ASSUMEM O COMANDO DA MAQUINARIA METABÓLICA DA CÉLULA HOSPEDEIRA PARA SE REPRODUZIREM Vírus
  • 5. Vírus: seres vivos ou seres não vivos? Vírus não têm qualquer actividade metabólica quando fora da célula hospedeira : eles não podem captar nutrientes, utilizar energia ou realizar qualquer actividade biossintética. Eles obviamente reproduzem-se, mas de forma diferente de células , crescem, duplicam seu conteúdo para então dividir-se em duas células filhas, os vírus replicam-se através de uma estratégia completamente diferente : eles invadem células, o que causa a dissociação dos componentes da partícula víral; esses componentes então interagem com o aparelho metabólico da célula hospedeira, subvertendo o metabolismo celular para a produção de mais vírus. Porque não têm metabolismo próprio, são considerados “ partículas infecciosas ”.
  • 6. Vírus: assumem o comando da maquinaria metabólica da célula hospedeira para se reproduzirem, como o fazem? Utilizam os organelos da célula invadida e as reservas bioquímicas da mesma para a produção de proteínas e ácidos nucleicos virais, formando novos vírus.
  • 7. BACTÉRIAS PATOGÉNICAS - São células procarióticas; - Muitas bactérias contêm plasmídeos; - Podem reproduzir-se automaticamente; - A reprodução realiza-se, habitualmente, por divisão binária.
  • 8. BACTÉRIAS PATOGÉNICAS Invadem o citoplasma das c é lulas onde se alimentam e multiplicam , conduzindo à destrui ç ão das c é lulas hospedeiras . Outras produzem TOXINAS que provocam a altera ç ão do metabolismo normal das c é lulas ou a sua MORTE .
  • 9. COMO PODE O ORGANISMO HUMANO DEFENDER-SE DESTES MICRORGANISMOS? “ CONTACTAMOS, DIARIAMENTE COM MUITOS MILHÕES DE MICRORGANISMO” SISTEMA IMUNITÁRIO 1. ÓRGÃOS LINFÓIDES, PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS 2. CÉLULAS EFECTORAS (ex.: LEUCÓCITOS) 3. PROTEÍNAS SOLÚVEIS
  • 10. SISTEMA IMUNITÁRIO CÉLULAS EFECTORAS (LEUCÓCITOS, MACRÓFAGOS E PLASMÓCITOS ) DIFERENCIAÇÃO E MATURAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPOSTA IMUNITÁRIA
  • 11. Linfa, origem ? destino ? SISTEMA IMUNITÁRIO
  • 12. Linfa circulante Linfa intersticial permite aumentar eficácia dos sistemas circulatórios FORMAÇÃO DA LINFA O fluído (linfa) dos tecido que não volta aos vasos sanguíneos é drenado para os capilares linfáticos existentes entre as células. Estes ligam-se para formar vasos maiores, que desembocam em veias que chegam ao coração. Sangue arterial Sangue venoso PLASMA PLASMA 98%
  • 13. A linfa , a caminho do sangue, circula pelo interior dos gânglios , onde é filtrada . Partículas como vírus, bactérias e resíduos celulares são fagocitadas pelos linfócitos existentes nos gânglios linfáticos. Funcionamento dos Gânglios Linfáticos válvulas unidireccionais que impedem o refluxo
  • 14. Filtragem nos nódulos linfáticos filtração mecânica filtração biológica Reticuloendothelial cell
  • 15. 4- e ainda ser capaz de reconhecer sinais de perigo , como, por exemplo, quando ocorrem lesões que conduzem à destruição de tecidos e/ou células . Esta destruição liberta proteínas resultantes da desagregação das membranas celulares , que vão conduzir a uma resposta do sistema imunitário. É um conjunto de moléculas, células, tecidos e órgãos capaz de reconhecer os elementos “ próprios ” e “ estranhos ” ao organismo e de desenvolver uma defesa do organismo contra: 1- agentes agressores externos biológicos ( microrganismos ); 2- agentes agressores externos químicos ( toxinas ); 3- agentes internos, células não funcionais, envelhecidas e anormais ( cancerosas ), do próprio organismo; MISSÃO DO SISTEMA IMUNITÁRIO: RECONHECER E DEFENDER
  • 16. MISSÃO DO SISTEMA IMUNITÁRIO: RECONHECER E DEFENDER Mas existem casos em que o organismo se volta contra si próprio . Isto acontece quando há uma deficiência no sistema imunitário , e o organismo deixa de reconhecer algumas substâncias como próprias , passando a tratá-las como estranhas, destruindo-as . Estes casos designam-se de doenças auto-imunes . Lúpus Artrite reumatóide
  • 17. CÉLULAS EFECTORAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO: LEUCÓCITOS bilobados polilobados “ S” irregular polilobado “ rim” Caracterização quanto ao núcleo Caracterização quanto ao citoplasma circulantes de vida curta não-circulantes de vida longa mononucleares
  • 18. B T NK 1-3% ; 3-5 dias 55-65%; 1-3 dias 1-2%; 9-18 meses 3-6%; 3-10 meses 25-35% Fagócitos CÉLULAS EFECTORAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO: LEUCÓCITOS Macrófagos (tecidos) defesa de corpos estranhos Plasmócitos (anticorpos) Anti-parasitas 1ª linha de defesa Anti-inflamatória (histamina) Megacariócitos Nota: três tipos de proteínas fazem parte do sistema imunológico, anticorpos, citoquinas, proteínas do s.c.
  • 19. As três categorias de células imunológicas são: 1. Granulócitos (Eos., Bas., Neutrófilos) 2. Monócitos  Macrófagos 3. Linfócitos (B, T, NK) SISTEMA IMUNOLÓGICO: SÍNTESE Os três tipos de proteínas que fazem parte do sistema imunológico são: 1. Imunoglobulinas/anticorpos (libertadas por linfócitos B) 2. Citoquinas (ex.: interferão, libertadas por linfócitos, macrófagos) 3. Proteínas do sistema de complemento (fígado) Consiste de seis componentes principais , dos quais três são diferentes tipos de células , e os outros três são proteínas solúveis .
  • 20. SÍNTESE: CÉLULAS DO SANGUE E DO SISTEMA IMUNITÁRIO
  • 21. Leucócitos/G.Brancos Granulócitos Agranulócitos Eosinóflos/Acidófilos Basófilos Neutrófilos Monócitos Monócitos  Macrófagos Linfócitos (B, T, NK) Linfócitos B  Plasmócitos Mastócitos SÍNTESE: CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO
  • 22. SISTEMA IMUNITÁRIO IMUNIDADE INATA ou NATURAL Actua de igual forma qualquer que seja o agente agressor, comum a todos os seres multicelulares IMUNIDADE ADQUIRIDA ou ADAPTATIVA Adquirida mais tarde na evolu ç ão das esp é cies, s ó aparecendo nos vertebrados
  • 23. IMUNIDADE INATA ou NATURAL IMUNIDADE ADQUIRIDA ou ADAPTATIVA Mucina Lisozima pH=3-5 HCl,pH=1-2 F Í SICAS ou ANAT Ó MICAS LINHAS DE DEFESA DO ORGANISMO 1ª linha de defesa 2ª linha de defesa 3ª linha de defesa NK
  • 24. FAGOCITOSE DEFESA NÃO ESPECÍFICA: 2ª LINHA 1 2 3 4 (Fagossoma)
  • 26. QUE FENÓMENOS OCORREM NA RESPOSTA INFLAMATÓRIA? Análise da figura 23 da página 166 e resolução de questionário 4 OBJECTIVO: INACTIVAR E DESTRUIR AGENTES INVASORES QUIMIOTAXIA DIAPEDESE Neutrófilo/Monócito 30-60 min. FAGOCITOSE LEUCÓCITOS: QUIMIOTAXIA  DIAPEDESE  FAGOCITOSE Monócitos  Macrófagos Pus  Abcesso
  • 27. OBJECTIVO: INACTIVAR E DESTRUIR AGENTES INVASORES NÃO CONSEGUIDO RESPOSTA INFLAMATÓRIA LOCAL FALHOU RESPOSTA SISTÉMICA 1. FEBRE ( ESTIMULA A FAGOCITOSE E INIBE MULTIPLICAÇÃO DE MICRORGANISMOS ) 2. PROLIFERAÇÃO DE LEUCÓCITOS EM CIRCULAÇÃO
  • 28. RESPOSTA INFLAMATÓRIA, LOCAL E SISTÉMICA CALOR RUBOR EDEMA SENSIBILIDADE DOR HISTAMINA
  • 29. RESPOSTA INFLAMATÓRIA C. R. E. S. D. Pus  Abcesso
  • 30. RESPOSTA SISTÉMICA MECANISMO DA FEBRE Agentes patogénicos Toxinas Leucócitos Pirógenos + + + + + + Hipotálamo T FEBRE + 42ºC MORTE - 42ºC +++ DEFESA Febre: (1) acelera reacções bioquímicas, (2) promove a fagocitose e a (3) reparação de tecidos, (4) inibe a multiplicação de agentes patogénicos.
  • 31. ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO 1. Com base na interpretação do esquema, procure descrever a forma de actuação do interferão. 2. Comente a afirmação: “O interferão não tem uma acção antiviral directa.” 2 3 4 5 6 1
  • 32. Interferão Ribossoma RNA Viral DNA Viral Proteína Inibidora da Replicação Proteína Inibidora da Tradução ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO “ O interferão não tem uma acção antiviral directa e específica. ” Comente. Sinal estimulador da Transcrição Activação do gene mRNA Tradução do gene
  • 33. X Y Y ACÇÃO ANTIVIRAL DO INTERFERÃO
  • 34. ACÇÕES DO SISTEMA DE COMPLEMENTO +20 proteínas produzidas no fígado Cascata de reacções Acções não específicas Opsonização +
  • 35. ACÇÕES DO SISTEMA DE COMPLEMENTO Revestimento da superfície do alvo com a proteína Opsonina , permitindo o reconhecimento e a sua fagocitose Proteínas – perforinas criam poros Este sistema é constituído por cerca de 20 proteínas no estado inactivo que se encontram em maior concentração no plasma sanguíneo e também nas membranas celulares .
  • 36. Células NK (natural killer) resposta imunitária inespecífica As células Natural Killer (NK) são linfócitos que não são específicos de antigénios e que reconhecem células estranhas de diferentes tipos . Estas células são uma importante linha de defesa contra células malignas (tumores) e contra células infectadas com vírus, bactérias e protozoários . Libertam mediadores químicos (perforinas) e grânulos líticos que matam as células malignas e infectadas , por lise celular ( apoptose ).
  • 37. 3ª LINHA - DEFESA ESPECÍFICA / ADQUIRIDA 1ª LINHA - DEFESA NÃO ESPECÍFICA / INATA 2ª LINHA - DEFESA NÃO ESPECÍFICA / INATA Pele, mucosas, cílios e secreções Fagocitose, resposta inflamatória, sistema de complemento e células NK SISTEMA IMUNITÁRIO Imunidade humoral ou mediada por anticorpos Imunidade celular ou mediada por células Reconhecimento  Reacção  Acção