SlideShare uma empresa Scribd logo
11   aula -16102012
Recapitulando:
Vimos:
- Avaliação
HOJE:
- Centrais Telefonicas
Estação Telefônica Local e Interurbana
O diagrama abaixo ilustra a constituição de uma estação telefônica
típica onde a Unidade de Supervisão de Corrente Alternada (USCA) é
um quadro de comando automático que dá prioridade à conexão 380
V trifásico via rede da Concessionária Pública de Energia, no caso de
falha em um ou mais fases dessa rede, então um comando é gerado
para acionar um grupo motor-gerador trifásico (normalmente à
diesel) que passa a gerar energia AC 380 V trifásica em vazio.
A USCA monitora a estabilização de freqüência e tensão das 3 fases e
,quando essas estão dentro dos padrões pré-definidos (cerca de 3
minutos) , ocorre a transferência de carga e os retificadores passam a
ser alimentados pelo GMG.
No intervalo em que os retificadores estão sem alimentação, o banco
de baterias descarrega parcialmente e mantém ininterrupta a
alimentação da central telefônica e equipamentos de transmissão.
Estação Telefônica Local e Interurbana
Se a rede da COSERN normaliza, então a USCA, após um tempo de
garantia de estabilização (cerca de 3 minutos) retira a carga do GMG e
transfere novamente para a rede prioritária da COSERN.
Sempre que existe AC alimentando os retificadores, então as baterias
ficam no regime de “flutuação”, atuando como uma espécie de filtro
adicional que minimiza a ondulação “ripple”da onda retificada de -48
Volts. O Multiplex é um equipamento que visa possibilitar a
transmissão de diversos canais telefônicos em um único meio de
transmissão, no caso exemplificado na figura esse meio é o canal de
RF, ou seja uma portadora na faixa de UHF ou SHF para transmissão e
outra com freqüência diferente para recepção ambas operando
normalmente em uma mesma antena direcional (parabólica , ou
helicoidal, principalmente). A Multiplexação pode ser do tipo FDM
(Frequency Division Multiplex) ou TDM (Time Division Multiplex).
11   aula -16102012
Estação Telefônica Local e Interurbana
O sinal contendo o pacote dos canais já multiplexado é denominado
de Banda Básica. Outra alternativa de transmissão bastante utilizada é
a fibra óptica, no caso o Transceptor (Transmissor + Receptor) e a
antena são substituídos por um conversor eletro-óptico e pelo cabo
contendo fibras ópticas. O sinal transmitido deixa de ser de radio-
freqüência (RF) e passa a ser um sinal óptico (laser).
Na medida em que a capacidade e a importância da central telefônica
diminui, o sistema esboçado na Figura 6.12 sofre naturais
simplificações visando reduzir custos de implantação, assim, por
exemplo, em localidades com apenas uma central telefônica e menos
de 2.000 terminais telefônicos o GMG e a USCA eventualmente
não são instalados. Nesse caso, o banco de baterias assume uma
responsabilidade maior de garantir a autonomia do sistema nos
períodos de falta de AC.
Estação Telefônica Local e Interurbana
Convem destacar que todas as estações são tele supervisionadas, as
principais anormalidades existentes nos equipamentos são
imediatamente visualizadas através de um painel central de controle.
Dessa forma, se faltar energia AC, ocorre o alarme de “bateria em
descarga” e a concessionária de energia elétrica é cobrada
imediatamente para solucionar o caso, em casos de demora na
solução pela concessionária elétrica, então um GMG móvel é
conduzido até o local.
11   aula -16102012
Detalhe das antenas
parabólicas, Helicoidais e
Yagi utilizadas em rádio-
enlaces ponto a ponto
UHF e SHF
11   aula -16102012
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
Antigamente, as redes telefônicas eram formadas por fios
desencapados de diâmetro bem maior do que os usados
atualmente, sustentados por postes de madeira ao longo do
trajeto até a casa do assinante. Quando eram bem
construídas, ofereciam pouca perda na transmissão, porém,
as condições atmosféricas afetavam significativamente a
atenuação e também provocavam interferência nas linhas
aéreas.
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
Com o passar do tempo e com ampliação significante de
usuários de telefonia, a quantidade de fios telefônicos nos
postes cresceu de forma assustadora, ficando impraticável a
manutenção, controle e a ampliação do número de
assinantes, daí surgiram os Cabos Telefônicos de Pares. A
principal característica dos cabos telefônicos de pares é
concentrar num mesmo núcleo um grande número de
pares condutores, que ocupam um espaço
consideravelmente menor em comparação aos fios nus. No
início de sua utilização eram revestidos de chumbo e seus
fios isolados por papel. Atualmente o isolamento dos fios é
feito com plástico.
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
Apesar da enorme vantagem de se utilizar cabo telefônico de pares,
algumas desvantagens precisam ser consideradas:
1 – As características de transmissão são inferiores às de um circuito
de fio nu equivalente.
2 – Os cabos precisam ser emendados, par a par, em distâncias
determinadas ao longo do trajeto, introduzindo assim pontos
passíveis de apresentar defeitos.
Apesar dessas desvantagens, o seu uso tornou-se um padrão nas
redes telefônicas do mundo todo.
Alguns desenvolvimentos foram necessários para minimizar os
problemas apresentados, tais como: bobinas de pupinização,
capacitores de compensação, extensores de enlace, amplificadores
de freqüência de voz.
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
Além disso, novos métodos de dimensionamento de redes telefônicas
urbanas surgiram, novos tipos de emendas também, equipamentos
eletrônicos que possibilitam a instalação de mais de um assinante no
mesmo par de fios foram inventados.
Novamente, com o crescimento acelerado do número de assinantes,
ficou impossível a sua sustentação de cabos telefônicos com alta
capacidade nos postes, devido ao peso excessivo. Foram então
criadas as linhas de Dutos Telefônicos e respectivamente as Caixas
Subterrâneas, além de novos tipos de cabos telefônicos para
essa aplicação.
Portanto, num sistema telefônico convencional é denominado Rede
de Acesso ou Rede de Assinantes o conjunto de cabos de assinantes
e demais dispositivos complementares (linhas de duto, ferragens,
postes, blocos terminais, etc) que atendem a uma determinada
localidade ou área.
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
O atendimento aos assinantes é completado com os fios (“drop”) que
dão acesso aos assinantes, assim como os cabos de entroncamento
para edifícios residenciais / comerciais e as redes internas dos
edifícios.
Hoje as redes são constituídas com condutores de cobre que podem
variar de 0,4 a 0,9 mm de diâmetro. A Figura 7.1 mostra o diagrama
esquemático de uma Rede de Acesso.
Rede de Assinantes (Rede de Acesso)
A Rede de Acesso, no caso de telefonia, precisa apresentar resistência
Ôhmica máxima em torno de 2 KOhm para permitir a realização do
processo de sinalização e conversação. Supondo uma rede sem
utilização de dispositivos eletrônicos na linha e com a bitola mais
comumente usada, então a distância máxima fica em torno de 7,5
km.
A Rede de Acesso tradicional utiliza um par de fios para atender a
cada assinante possibilitando a sinalização e comunicação bidirecional
entre duas pessoas, sendo que o pelo inteligente no processo é a
central telefônica. Visando facilitar a manutenção e proporcionar
melhor estética (evitando poluição visual) é recomendável que os fios
FE que saem da CEV para as residências tenham, no máximo, 300
metros de extensão.
As Redes de Transporte correspondem às conexões envolvendo duas centrais telefônicas
distintas. Atualmente a maioria das redes de transporte são compostas por sistemas de fibra
óptica ou sistemas via rádio. Ainda existem redes de transporte utilizando pares metálicos.
11   aula -16102012
11   aula -16102012
11   aula -16102012
Redes Múltiplas
Chama-se de Rede Múltipla (adotada muito nos EUA) a rede que tem
todos ou alguns pares de sues cabos, terminados em mais de um local
através de ligações em paralelo, como mostra a figura abaixo.
Rede Telefonica Típica
11   aula -16102012
11   aula -16102012
11   aula -16102012
11   aula -16102012
Email: rubens.evangelista@aedu.com
Este conteúdo está no meu site!
Acesse:
http://sites.google.com/a/aedu.com/prof-rubens/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso satélite
Curso satéliteCurso satélite
Curso satélite
Andre Luis Moreira
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Cdma
CdmaCdma
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicaçãoComponentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Tudosbinformatica .blogspot.com
 
Meio fisico de_transmissao rui
Meio fisico de_transmissao ruiMeio fisico de_transmissao rui
Meio fisico de_transmissao rui
omaildoruifilipe
 
Fundamentos de redes de computadores
Fundamentos de redes de computadoresFundamentos de redes de computadores
Fundamentos de redes de computadores
diogomendes99
 
07 tecnologia cdma
07 tecnologia cdma07 tecnologia cdma
07 tecnologia cdma
Alessandro Baptista
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
redesinforma
 
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
Anderson A. Rezende
 
Visao geral de sistemas de comunicacoes
Visao geral de sistemas de comunicacoesVisao geral de sistemas de comunicacoes
Visao geral de sistemas de comunicacoes
Elaine Cecília Gatto
 
Internet via satelite
Internet via sateliteInternet via satelite
Internet via satelite
Andressa Silveira
 
2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem
Fernando de Sá
 
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 TanenbaumRedes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Wellington Oliveira
 
Redes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdmRedes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdm
Claudio Eckert
 
Internet Via Rede elétrica
Internet Via Rede elétricaInternet Via Rede elétrica
Internet Via Rede elétrica
João Sérgio
 
Capítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNACapítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNA
Wellington Oliveira
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
Curse10
 
Como funciona a tecnologia ADSL
Como funciona a tecnologia ADSLComo funciona a tecnologia ADSL
Como funciona a tecnologia ADSL
Jhonnatta124
 
Redes - Camada Fisica
Redes - Camada FisicaRedes - Camada Fisica
Redes - Camada Fisica
Luiz Arthur
 
Visão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
Visão Geral dos Sistemas de TelecomunicaçõesVisão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
Visão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
Elaine Cecília Gatto
 

Mais procurados (20)

Curso satélite
Curso satéliteCurso satélite
Curso satélite
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
 
Cdma
CdmaCdma
Cdma
 
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicaçãoComponentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
Componentes da camada fisica do modelo OSI - redes de comunicação
 
Meio fisico de_transmissao rui
Meio fisico de_transmissao ruiMeio fisico de_transmissao rui
Meio fisico de_transmissao rui
 
Fundamentos de redes de computadores
Fundamentos de redes de computadoresFundamentos de redes de computadores
Fundamentos de redes de computadores
 
07 tecnologia cdma
07 tecnologia cdma07 tecnologia cdma
07 tecnologia cdma
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
PLC- Power Line Communication (Engenharia de Telecomunicações-FINOM)
 
Visao geral de sistemas de comunicacoes
Visao geral de sistemas de comunicacoesVisao geral de sistemas de comunicacoes
Visao geral de sistemas de comunicacoes
 
Internet via satelite
Internet via sateliteInternet via satelite
Internet via satelite
 
2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem2009 09 21 Cablagem
2009 09 21 Cablagem
 
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 TanenbaumRedes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
 
Redes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdmRedes de alta velocidade dwdm
Redes de alta velocidade dwdm
 
Internet Via Rede elétrica
Internet Via Rede elétricaInternet Via Rede elétrica
Internet Via Rede elétrica
 
Capítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNACapítulo 4 do CCNA
Capítulo 4 do CCNA
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
 
Como funciona a tecnologia ADSL
Como funciona a tecnologia ADSLComo funciona a tecnologia ADSL
Como funciona a tecnologia ADSL
 
Redes - Camada Fisica
Redes - Camada FisicaRedes - Camada Fisica
Redes - Camada Fisica
 
Visão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
Visão Geral dos Sistemas de TelecomunicaçõesVisão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
Visão Geral dos Sistemas de Telecomunicações
 

Semelhante a 11 aula -16102012

Trabalho rede-de-acesso-telefonico
Trabalho rede-de-acesso-telefonicoTrabalho rede-de-acesso-telefonico
Trabalho rede-de-acesso-telefonico
Renato da Luz
 
Prova 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docxProva 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docx
RodrigoEduardo46
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Rui Ferreira
 
Meios fisicos de transmissão
Meios fisicos de transmissãoMeios fisicos de transmissão
Meios fisicos de transmissão
Baguiasri
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Rui Ferreira
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
sharik27
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
sharik27
 
Comunicaç...Ppt1
Comunicaç...Ppt1Comunicaç...Ppt1
Comunicaç...Ppt1
bruno roberto
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
Mauricio Volkweis Astiazara
 
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdfAPRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
MarceloJernimo1
 
Rede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.pptRede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.ppt
JoberthSilva
 
Geração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - IntroduçãoGeração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - Introdução
Jim Naturesa
 
Redes
RedesRedes
Revisão de redes 1 31 de maio.docx
Revisão de redes 1 31 de maio.docxRevisão de redes 1 31 de maio.docx
Revisão de redes 1 31 de maio.docx
VeronicaAparecida5
 
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
Tiago
 
Meios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissaoMeios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissao
milanvassaramo
 
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
LuizZeni
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Odair Fernandes
 
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo CoaxialRede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Marcelo Carvalho
 
Sistemas Celulares
Sistemas CelularesSistemas Celulares
Sistemas Celulares
Mayara Mônica
 

Semelhante a 11 aula -16102012 (20)

Trabalho rede-de-acesso-telefonico
Trabalho rede-de-acesso-telefonicoTrabalho rede-de-acesso-telefonico
Trabalho rede-de-acesso-telefonico
 
Prova 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docxProva 1 Telemática.docx
Prova 1 Telemática.docx
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Meios fisicos de transmissão
Meios fisicos de transmissãoMeios fisicos de transmissão
Meios fisicos de transmissão
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
 
Comunicaç...Ppt1
Comunicaç...Ppt1Comunicaç...Ppt1
Comunicaç...Ppt1
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
 
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdfAPRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
APRESENTACAO_-_Aula_03_Meios_de_Transmissao redes.pdf
 
Rede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.pptRede sem fio 2.ppt
Rede sem fio 2.ppt
 
Geração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - IntroduçãoGeração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - Introdução
 
Redes
RedesRedes
Redes
 
Revisão de redes 1 31 de maio.docx
Revisão de redes 1 31 de maio.docxRevisão de redes 1 31 de maio.docx
Revisão de redes 1 31 de maio.docx
 
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
 
Meios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissaoMeios fisicos de transmissao
Meios fisicos de transmissao
 
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdfAtividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
Atividade 1_ COM_MÓVEIS_Luiz_Ricardo_Zeni_da_Silva.pdf
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo CoaxialRede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
 
Sistemas Celulares
Sistemas CelularesSistemas Celulares
Sistemas Celulares
 

Mais de atsileg

54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
atsileg
 
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
atsileg
 
00a apresentacao
00a apresentacao00a apresentacao
00a apresentacao
atsileg
 
Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01
atsileg
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
atsileg
 
12 aula 08052012
12   aula 0805201212   aula 08052012
12 aula 08052012
atsileg
 
11 aula 24042012
11   aula 2404201211   aula 24042012
11 aula 24042012
atsileg
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
atsileg
 
09 aula 10042012
09   aula 1004201209   aula 10042012
09 aula 10042012
atsileg
 
08 aula 03042012
08   aula 0304201208   aula 03042012
08 aula 03042012
atsileg
 
07 aula 27032012
07   aula 2703201207   aula 27032012
07 aula 27032012
atsileg
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
atsileg
 
05 aula 13032012
05   aula 1303201205   aula 13032012
05 aula 13032012
atsileg
 
04 aula 06032012
04   aula 0603201204   aula 06032012
04 aula 06032012
atsileg
 
03 aula 28022012
03   aula 2802201203   aula 28022012
03 aula 28022012
atsileg
 
01 aula 07022012
01   aula 0702201201   aula 07022012
01 aula 07022012
atsileg
 
02 aula 14022012
02   aula 1402201202   aula 14022012
02 aula 14022012
atsileg
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
atsileg
 
07 aula - 18092012
07   aula - 1809201207   aula - 18092012
07 aula - 18092012
atsileg
 
06 aula - 11092012
06   aula - 1109201206   aula - 11092012
06 aula - 11092012
atsileg
 

Mais de atsileg (20)

54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
 
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
 
00a apresentacao
00a apresentacao00a apresentacao
00a apresentacao
 
Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
 
12 aula 08052012
12   aula 0805201212   aula 08052012
12 aula 08052012
 
11 aula 24042012
11   aula 2404201211   aula 24042012
11 aula 24042012
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
 
09 aula 10042012
09   aula 1004201209   aula 10042012
09 aula 10042012
 
08 aula 03042012
08   aula 0304201208   aula 03042012
08 aula 03042012
 
07 aula 27032012
07   aula 2703201207   aula 27032012
07 aula 27032012
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
 
05 aula 13032012
05   aula 1303201205   aula 13032012
05 aula 13032012
 
04 aula 06032012
04   aula 0603201204   aula 06032012
04 aula 06032012
 
03 aula 28022012
03   aula 2802201203   aula 28022012
03 aula 28022012
 
01 aula 07022012
01   aula 0702201201   aula 07022012
01 aula 07022012
 
02 aula 14022012
02   aula 1402201202   aula 14022012
02 aula 14022012
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
 
07 aula - 18092012
07   aula - 1809201207   aula - 18092012
07 aula - 18092012
 
06 aula - 11092012
06   aula - 1109201206   aula - 11092012
06 aula - 11092012
 

Último

Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 

Último (7)

Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 

11 aula -16102012

  • 3. Estação Telefônica Local e Interurbana O diagrama abaixo ilustra a constituição de uma estação telefônica típica onde a Unidade de Supervisão de Corrente Alternada (USCA) é um quadro de comando automático que dá prioridade à conexão 380 V trifásico via rede da Concessionária Pública de Energia, no caso de falha em um ou mais fases dessa rede, então um comando é gerado para acionar um grupo motor-gerador trifásico (normalmente à diesel) que passa a gerar energia AC 380 V trifásica em vazio. A USCA monitora a estabilização de freqüência e tensão das 3 fases e ,quando essas estão dentro dos padrões pré-definidos (cerca de 3 minutos) , ocorre a transferência de carga e os retificadores passam a ser alimentados pelo GMG. No intervalo em que os retificadores estão sem alimentação, o banco de baterias descarrega parcialmente e mantém ininterrupta a alimentação da central telefônica e equipamentos de transmissão.
  • 4. Estação Telefônica Local e Interurbana Se a rede da COSERN normaliza, então a USCA, após um tempo de garantia de estabilização (cerca de 3 minutos) retira a carga do GMG e transfere novamente para a rede prioritária da COSERN. Sempre que existe AC alimentando os retificadores, então as baterias ficam no regime de “flutuação”, atuando como uma espécie de filtro adicional que minimiza a ondulação “ripple”da onda retificada de -48 Volts. O Multiplex é um equipamento que visa possibilitar a transmissão de diversos canais telefônicos em um único meio de transmissão, no caso exemplificado na figura esse meio é o canal de RF, ou seja uma portadora na faixa de UHF ou SHF para transmissão e outra com freqüência diferente para recepção ambas operando normalmente em uma mesma antena direcional (parabólica , ou helicoidal, principalmente). A Multiplexação pode ser do tipo FDM (Frequency Division Multiplex) ou TDM (Time Division Multiplex).
  • 6. Estação Telefônica Local e Interurbana O sinal contendo o pacote dos canais já multiplexado é denominado de Banda Básica. Outra alternativa de transmissão bastante utilizada é a fibra óptica, no caso o Transceptor (Transmissor + Receptor) e a antena são substituídos por um conversor eletro-óptico e pelo cabo contendo fibras ópticas. O sinal transmitido deixa de ser de radio- freqüência (RF) e passa a ser um sinal óptico (laser). Na medida em que a capacidade e a importância da central telefônica diminui, o sistema esboçado na Figura 6.12 sofre naturais simplificações visando reduzir custos de implantação, assim, por exemplo, em localidades com apenas uma central telefônica e menos de 2.000 terminais telefônicos o GMG e a USCA eventualmente não são instalados. Nesse caso, o banco de baterias assume uma responsabilidade maior de garantir a autonomia do sistema nos períodos de falta de AC.
  • 7. Estação Telefônica Local e Interurbana Convem destacar que todas as estações são tele supervisionadas, as principais anormalidades existentes nos equipamentos são imediatamente visualizadas através de um painel central de controle. Dessa forma, se faltar energia AC, ocorre o alarme de “bateria em descarga” e a concessionária de energia elétrica é cobrada imediatamente para solucionar o caso, em casos de demora na solução pela concessionária elétrica, então um GMG móvel é conduzido até o local.
  • 9. Detalhe das antenas parabólicas, Helicoidais e Yagi utilizadas em rádio- enlaces ponto a ponto UHF e SHF
  • 11. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) Antigamente, as redes telefônicas eram formadas por fios desencapados de diâmetro bem maior do que os usados atualmente, sustentados por postes de madeira ao longo do trajeto até a casa do assinante. Quando eram bem construídas, ofereciam pouca perda na transmissão, porém, as condições atmosféricas afetavam significativamente a atenuação e também provocavam interferência nas linhas aéreas.
  • 12. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) Com o passar do tempo e com ampliação significante de usuários de telefonia, a quantidade de fios telefônicos nos postes cresceu de forma assustadora, ficando impraticável a manutenção, controle e a ampliação do número de assinantes, daí surgiram os Cabos Telefônicos de Pares. A principal característica dos cabos telefônicos de pares é concentrar num mesmo núcleo um grande número de pares condutores, que ocupam um espaço consideravelmente menor em comparação aos fios nus. No início de sua utilização eram revestidos de chumbo e seus fios isolados por papel. Atualmente o isolamento dos fios é feito com plástico.
  • 13. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) Apesar da enorme vantagem de se utilizar cabo telefônico de pares, algumas desvantagens precisam ser consideradas: 1 – As características de transmissão são inferiores às de um circuito de fio nu equivalente. 2 – Os cabos precisam ser emendados, par a par, em distâncias determinadas ao longo do trajeto, introduzindo assim pontos passíveis de apresentar defeitos. Apesar dessas desvantagens, o seu uso tornou-se um padrão nas redes telefônicas do mundo todo. Alguns desenvolvimentos foram necessários para minimizar os problemas apresentados, tais como: bobinas de pupinização, capacitores de compensação, extensores de enlace, amplificadores de freqüência de voz.
  • 14. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) Além disso, novos métodos de dimensionamento de redes telefônicas urbanas surgiram, novos tipos de emendas também, equipamentos eletrônicos que possibilitam a instalação de mais de um assinante no mesmo par de fios foram inventados. Novamente, com o crescimento acelerado do número de assinantes, ficou impossível a sua sustentação de cabos telefônicos com alta capacidade nos postes, devido ao peso excessivo. Foram então criadas as linhas de Dutos Telefônicos e respectivamente as Caixas Subterrâneas, além de novos tipos de cabos telefônicos para essa aplicação. Portanto, num sistema telefônico convencional é denominado Rede de Acesso ou Rede de Assinantes o conjunto de cabos de assinantes e demais dispositivos complementares (linhas de duto, ferragens, postes, blocos terminais, etc) que atendem a uma determinada localidade ou área.
  • 15. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) O atendimento aos assinantes é completado com os fios (“drop”) que dão acesso aos assinantes, assim como os cabos de entroncamento para edifícios residenciais / comerciais e as redes internas dos edifícios. Hoje as redes são constituídas com condutores de cobre que podem variar de 0,4 a 0,9 mm de diâmetro. A Figura 7.1 mostra o diagrama esquemático de uma Rede de Acesso.
  • 16. Rede de Assinantes (Rede de Acesso) A Rede de Acesso, no caso de telefonia, precisa apresentar resistência Ôhmica máxima em torno de 2 KOhm para permitir a realização do processo de sinalização e conversação. Supondo uma rede sem utilização de dispositivos eletrônicos na linha e com a bitola mais comumente usada, então a distância máxima fica em torno de 7,5 km. A Rede de Acesso tradicional utiliza um par de fios para atender a cada assinante possibilitando a sinalização e comunicação bidirecional entre duas pessoas, sendo que o pelo inteligente no processo é a central telefônica. Visando facilitar a manutenção e proporcionar melhor estética (evitando poluição visual) é recomendável que os fios FE que saem da CEV para as residências tenham, no máximo, 300 metros de extensão.
  • 17. As Redes de Transporte correspondem às conexões envolvendo duas centrais telefônicas distintas. Atualmente a maioria das redes de transporte são compostas por sistemas de fibra óptica ou sistemas via rádio. Ainda existem redes de transporte utilizando pares metálicos.
  • 21. Redes Múltiplas Chama-se de Rede Múltipla (adotada muito nos EUA) a rede que tem todos ou alguns pares de sues cabos, terminados em mais de um local através de ligações em paralelo, como mostra a figura abaixo.
  • 27. Email: rubens.evangelista@aedu.com Este conteúdo está no meu site! Acesse: http://sites.google.com/a/aedu.com/prof-rubens/