SlideShare uma empresa Scribd logo
SEGURANÇA DO
TRABALHO
Um pouco de história...
 Revolução Industrial
 Equipamentos e máquinas sem proteção
 Jornadas de trabalho extensas
 Não havia preocupação com segurança e saúde
 Condições de higiene e trabalho inadequadas
 Descontentamento dos trabalhadores
RESULTOU...
grande número de acidentes de trabalho, mortes, lesões
incapacitantes, etc...
SEGURANÇA DO
TRABALHO
CONCEITO
PODE SER ENTENDIDA COMO OS CONJUNTOS DE MEDIDAS QUE
SÃO ADOTADAS VISANDO MINIMIZAR OS ACIDENTES DE
TRABALHO, DOENÇAS OCUPACIONAIS, BEM COMO PROTEGER A
INTEGRIDADE E A CAPACIDADE DE TRABALHO DO FUNCIONÁRIO.
SESMT
SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA E
MEDICINA DO TRABALHO
É o quadro completo de segurança e medicina do
trabalho de uma empresa:
 Médico do trabalho
Engenheiro de segurança
Técnico de segurança
Enfermeiro do trabalho
Aux. Enfermagem
Dimensionamento do SESMT
A segurança do trabalho é sustentada por
normas regulamentadoras, leis
complementares (portarias e decretos) e
convenções internacionais da OIT.
Por que minha empresa precisa
constituir equipe de segurança do
trabalho??
1º - lei
2º organização empresa
3º aumento da qualidade e produtividade
4º melhorar as relações de trabalho
5º evitar acidentes
Como minimizar os custos com a
Segurança do Trabalho??
Investir em prevenção de acidentes. Muitos empresários acham que devem
diminuir seus investimentos em EPI’s, contratação de pessoal de segurança
do trabalho e medidas de segurança.
O custo de um acidente pode trazer inúmeros prejuízos à Empresa
(encargos com advogados, perdas de tempo, materiais e produção, etc)
Existem muitas Empresas no país que tiveram que fechar suas portas por
causa de indenizações de acidentes de trabalho.
Acho que meu dever como dono da
Empresa é contratar o serviço de
segurança do trabalho e ponto final.
Errado. Em uma campanha de segurança toda a diretoria deve estar
envolvida. De nada adianta treinar funcionários, fazer campanhas de
conscientização, se a diretoria, a maior responsável pela empresa, não
estiver envolvida e engajada com a Segurança do Trabalho. Se isso
acontecer a Segurança do Trabalho acaba caindo no esquecimento em
poucos meses.
Acidente - Conceito Legal
É o que ocorre pelo exercício do trabalho a
serviço da empresa, provocando lesão
corporal ou perturbação funcional que cause
a morte, a perda ou redução da capacidade
para o trabalho, permanente ou temporária.
Acidente
Um acontecimento não desejado que
resulta em danos às pessoas, dano à
propriedade, perdas no processo ou meio
ambiente.
Não desejado é diferente de não planejado. Ninguém acidenta
propositadamente.
Equiparam-se aos acidentes de
trabalho
O acidente que acontece quando você está prestando serviços por ordem
da empresa fora do local de trabalho
O acidente que acontece quando você estiver em viagem a serviço da
empresa
O acidente que ocorre no trajeto entre a casa e o trabalho ou do trabalho
para casa
Os acidentes são agrupados em duas
categorias:
ACIDENTE SEM AFASTAMENTO
É quando o acidentado retorna no mesmo dia da ocorrência ou no dia
seguinte.
ACIDENTE COM AFASTAMENTO
Ocasiona a incapacidade temporária ou permanente do trabalho para exercer a
mesma ou outra atividade profissional, resultando de pelo menos 1 dia de
trabalho.
Causas dos acidentes de trabalho
ATO INADEQUADO
Ato praticado pelo homem, em geral consciente do que está fazendo, contrariando
as normas de segurança que pode levar a um acidente. Ex: subir em telhados sem
usar cinto de segurança, dirigir em altas velocidades, não usar os EPI’s,
brincadeiras, operar máquina sem autorização, ect...
CONDIÇÃO INADEQUADA
Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo ou risco ao trabalhador,
deficiências, defeitos e irregularidades técnicas nas instalações físicas, máquinas e
equipamentos.
Ex: iluminação inadequada, piso irregular ou escorregadio, instalação elétrica
precária ou improvisada, falta da proteção de partes móveis de máquinas,
ferramentas danificadas, falta de limpeza e organização, etc...
Existe ainda um 3º fator que pode contribuir para a causa do acidente que é o fator
pessoal, são as preocupações externas. Ex: briga com a mulher, contas em atraso,
saldo devedor no banco, problema de saúde na família, etc..
Conseqüências dos acidentes de
trabalho
Os 3 segmentos envolvidos na relação trabalhista (empregados, empregador
e Governo Federal) tem consideráveis prejuízos.
GOVERNO FEDERAL
1 – pagamento através do INSS de benefícios ao trabalhador acidentado ou
a seus dependentes: auxílio-doença, auxílio-acidente, aposentadoria por
invalidez e pensão por morte;
2 – pagamento de despesas médico-hospitalares no tratamento do
acidentado;
3 – despesas com a reabilitação profissional do trabalhador acidentado,
inclusive com o fornecimento de próteses, conforme o caso.
Continua...
Conseqüências dos acidentes de
trabalho
EMPREGADOR
1 – pagamento salarial aos trabalhadores acidentados durante os 15
primeiros dias do acidente;
2 – reflexos negativos no ambiente de trabalho onde ocorreu o acidente,
com a conseqüente queda de produção;
3 – danos ou avarias nos equipamentos, máquinas ou ferramentas que
porventura estavam sendo utilizadas pelo trabalhador vitimado;
4 – paralisação de uma máquina componente da linha de produção, podendo
afetar o processo produtivo como um todo, até que se proceda o reparo da
máquina danificada;
5 – reflexos negativos na boa imagem da empresa, que dependerá da
gravidade do acidente e do grau de repercussão causado à comunidade.
Continuação...
Conseqüências dos acidentes de
trabalho
EMPREGADO
1 – sofrimento físico, dor, lesão, incapacidade parcial ou total, temporária
ou permanente ou até a própria morte;
2 – reflexos psicológicos negativos decorrentes de eventuais seqüencias
acidentárias, inclusive podendo gerar distúrbios familiares, dependendo do
grau de incapacidade;
3 – redução salarial decorrente da percepção de benefícios previdenciários.
Comunicação do acidente de trabalho
A comunicação do acidente do trabalho por parte da empresa ao INSS
deverá ser feita através do preenchimento do formulário específico,
denominado CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho ou através da
internet pelo site da Previdência Social.
Deveres dos Empregadores perante a
Segurança e Medicina do
Trabalho
a) Cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre
SMT;
b) Elaborar ordens internas de SMT, dando ciência aos empregados com os
seguintes objetivos:
b-1) Prevenir atos inadequados;
b-2) Divulgar as obrigações e proibições que os empregados devem conhecer e
cumprir;
b-3) Dar conhecimento aos empregados de que serão passíveis de punição pelo
descumprimento das normas;
b-4) Determinar os procedimentos a ser adotados em caso de acidente;
b-5) Adotar medidas determinadas pelo MTb;
Adotar medidas p/ eliminar ou neutralizar as condições inseguras;
c) Informar aos trabalhadores sobre;
c-1) riscos profissionais que possam originar-se nos locais de trabalho;
C-2) meios para prevenir e evitar tais riscos;
C-3) resultados dos exames médicos;
C-4) resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de trabalho
Deveres dos Empregados perante a
Segurança e Medicina do Trabalho
a) Cumprir as disposições legais e regulamentares, inclusive as
ordens internas;
b) Usar o EPI fornecido pelo Empregador;
c) Submeter-se aos exames médicos previstos nas NR’s;
d) Colaborar com a Empresa na aplicação das NR’s.
Obs.: É considerado ato faltoso a recusa injustificada do empregado
em cumprir as Normas Regulamentadoras de SMT, inclusive
ordens internass.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’s
São todos os dispositivos de uso individual destinados a proteger
a integridade física e saúde do trabalhador
Obrigações da EMPRESA quanto aos EPI’s:
-Providenciar o fornecimento gratuito dos EPI’s necessários para cada atividade
-Providenciar treinamento para o uso correto do EPI
-Substituir o EPI quando este apresentar danos que diminuem a sua eficiência.
Obrigações do colaborador quanto aos EPI’s:
-Usá-los apenas para finalidade a que se destina;
-Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;
-Comunicar ao técnico de segurança qualquer alteração que o torne impróprio
para o uso.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’s
São todos os dispositivos de uso individual destinados a proteger
a integridade física e saúde do trabalhador
O EPI dó poderá ser posto à venda ou utilizado
com a indicação do Certificado de Aprovação
(CA) do MTb. O EPI que não possuir o CA, não
será considerado como EPI.
CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidente – é uma equipe
formada por representantes dos empregados e do empregador com o
objetivo de observar e relatar condições de risco nos ambientes de
trabalho e solicitar para reduzir e até eliminar os riscos existentes.
SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes – evento que
geralmente ocorro uma vez ao ano, destinado a despertar e fortalecer o
espírito pró-ativo dos trabalhadores através de palestras e atividades.
PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – programa
destinado a integrar-se com as normas regulamentadoras, inclui o
reconhecimento dos riscos das áreas, estabelece metas e prioridades de
controle dos riscos, avalia exposição do trabalhador, monitora a
exposição do risco, etc...
PCMAT – Programa das Condições do Meio Ambiente de Trabalho na
Indústria da Construção – tem o mesmo objetivo que o PPRA porém este
é exclusivo para Indústria da Construção;
Continuação...
ALGUMAS SIGLAS
ALGUMAS SIGLAS
PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional –
programa aliado também as NR’s, é articulado juntamente com o PPRA ou
PCMAT, implanta, controla, avalia os riscos prejudiciais a saúde do
trabalhador.
CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho
CA – Certificado de Aprovação
MTb – Ministério do trabalho
NR – Normas Regulamentadoras
GRÁFICOS DE ACIDENTES NO
ANO DE 2004
EMPRESA X
Acidente por natureza da lesão
0
1
2
3
4
5
6
7
Acidentes no ano
Escoriações Quebra de dente Ferim. Corto Contuso Ferimento Cortante Ematoma
Queimadura Química Queimadura Térmica Luxação Traumatismo Torção
Acidente por localização da lesão
0
2
4
6
8
10
12
Acidentes no ano
Cabeça Braços Boca Mãos Pernas Olhos Região lombar Pés
Acidente por Tipo
0
1
2
3
4
5
6
7
Prensamento Golpe p Obj. em movimento Batida c Objeto Sólido
Queda de Nível Diferente Contato com Produto Químico Contato com Alta Temperatura
Queda de Mesmo Nível Contato com Objeto Parado Contato com Piso Irregular
Acidente por fonte da lesão
0
2
4
6
8
10
12
14
Acidentes no ano
Equipamento Produto Químico Graxa Quente Superfície  Estrutura Ferramenta
Acidente por dia da semana
0
1
2
3
4
5
6
7
Acidentes no ano
Domingo Segunda Feira Terça Feira Quarta Feira Quinta Feira Sexta Feira Sábado
Acidente por horário de trabalho
0
2
4
6
8
10
12
14
Acidentes no ano
06:00 às 14:00 14:00 às 22:00 22:00 às 06:00 07:10 às 17:36
Acidente por tempo de serviço
0
2
4
6
8
10
12
Acidente no ano
Até 01 ano De 01 a 03 anos De 03 a 05 anos De 05 a 07 anos De 07 a 09 anos
De 09 a 11 anos Mais de 11 anos
Acidente por idade
0
1
2
3
4
5
6
Acidentes no ano
Até 20 anos De 21 a 25 anos De 26 a 30 anos De 31 a 35 anos De 36 a 40 anos
De 41 a 45 anos De 46 a 50 anos Mais de 50 anos
Alguns Atos Inadequados
Comunicação de
Quase Acidente
Quase Acidente
Um acontecimento não desejado, que
em circunstâncias ligeiramente
diferentes, poderia causar lesões às
pessoas, dano à propriedade ou perda
no processo e no meio ambiente.
Um acontecimento não desejado que
pode resultar em perda.
Quase Acidente
Quase acidentes são acontecimentos
que têm a mesmas características e
causas semelhantes aos acidentes, mas
não tiveram como conseqüências
perdas.
Estudo da Proporção de Acidentes
1
LESÃO GRAVE
Incluem lesões graves
e incapacitantes
LESÃO MENOR
Toda lesão registrada
menos grave
ACIDENTES COM DANO
À PROPRIEDADE
Todos os tipos
QUASE ACIDENTES
10
30
600
Quase acidentes são
sinais de alerta?
 Os quase acidentes são sinais
claros de que algo está
errado!
Porque investigar
quase acidentes?
 Para controlar as causas básicas dos
quase acidentes ocorridos.
 Controlar atos e condições abaixo do
padrão
Porque investigar
quase acidentes?
 Se tratarmos as causas dos quase
acidentes, que acontecem em grande
número, estamos automaticamente
tratando das causas dos acidentes que
produzem lesões ou danos à propriedade.
Evitando os acidentes sem passarmos por
sofrimentos e prejuízos.
Quais quase acidentes
devem ser relatados e
investigados?
 Para conseguir prevenção TODOS quase
acidentes devem ser relatados.
“Cada vez que ocorrer um acidente,
não despreze refletir sobre as
possibilidades que tem de tirar
proveito desta circunstância”
Epictetus, 60-120 A.C.
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
Prevenção = atuar antes dos acontecimentos
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
Objetivo
Detectar riscos, para evitar acidentes
do trabalho e doenças profissionais,
TOMANDO medidas preventivas.
RISCO :
A combinação da probabilidade de ocorrência e da
conseqüência de um determinado evento perigoso.
PERIGO :
Uma fonte ou uma situação com potencial para provocar
danos em termos de lesão, doença, dano à propriedade, dano
ao meio ambiente, ou uma combinação destes.
DANO :
Gravidade do efeito podendo ser perda humana, material ou
financeira que resulta quando não se tem controle sobre
determinado risco.
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
NR9 – PPRA
9.6. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
9.6.3 – O EMPREGADOR DEVERÁ GARANTIR QUE, NA
OCORRÊNCIA DE RISCOS AMBIENTAIS NOS LOCAIS DE
TRABALHO QUE COLOQUEM EM SITUAÇÃO DE GRAVE E
IMINENTE RISCO UM OU MAIS TRABALHADORES, OS
MESMOS POSSAM INTERROMPER DE IMEDIATO AS SUAS
ATIVIDADES, COMUNICANDO O FATO AO SUPERIOR
HIERÁRQUICO DIRETO PARA AS DEVIDAS
PROVIDÊNCIAS.
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
NÃO É PAPEL DO SESMT COBRAR ELIMINAÇÃO DE
CONDIÇÕES INSEGURAS. CABE AO GERENTE DA
ÁREA. ESTÁ NO CÓDIGO CIVIL – QUEM CRIA O RISCO
DEVERÁ ELIMINÁ-LO.
DONO DO RISCO DEVE SE COMPROMETER
COM O NEGÓCIO.
A SEGURANÇA DO TRABALHO REFORÇA OS PLEITOS
DOS GERENTES A NÍVEL DE PROTEÇÃO COLETIVA
ESTABELECE LINHAS DE AÇÃO E METAS
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
CASO REAL PRESENCIADO
Inspeção na Pá Carregadeira
MICHIGAN - L90/22
Manchão
PNEUS APRESENTANDO MANCHÕES E RACHADURAS
ASSENTO DO OPERADOR SEM FIXAÇÃO, AMARRADO
COM CORDA.
REVESTIMENTO DA CAÇAMBA DANIFICADO E
“BICO DE PATO” COM DESGASTE EM EXCESSO
IDEM A FOTO ANTERIOR
AUSÊNCIA DE LUZ, SETAS E FAROLETE DE RÉ
EXCESSO DE VAZAMENTO DE ÓLEO NO MOTOR
PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DO EIXO TRAZEIRO BAMBOS
AUSÊNCIA DE PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DO
EIXO TRAZEIRO E PARAFUSOS BAMBOS.
Conclusão
NR 22 ESTABELECE:
22.3.4 - COMPETE À EMPRESA
A) INTERROMPER TODO E QUALQUER TIPO DE ATIVIDADE QUE EXPONHA
OS TRABALHADORES A CONDIÇÕES DE RISCO GRAVE E IMINENTE PARA
SUA SAÚDE E SEGURANÇA.
22.7.3
EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE SOBRE PNEUS, DE MATERIAIS E PESSOAS,
DEVEM POSSUIR, EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO,
FAROIS, LUZES E SINAL SONORO DE RÉ, ACOPLADOS AO SISTEMA DE CÂMBIO
DE MARCHAS, BUZINA E SINAL DE INDICAÇÃO DE MUDANÇA DE SENTIDO
DE DESLOCAMENTO E ESPELHOS RETROVISORES.
.
“Olhar é uma coisa. Ver o que se olha é outra.
Entender o que se vê, é uma outra coisa. Aprender
o que você entende é uma coisa a mais. Mas agir
sobre o que você aprende é tudo o que realmente
importa.”
WINSTON CHURCHILL
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
PSICOLOGIA
DO ACIDENTE
VISÃO DO CHEFE
Antes
ACIDENTE
Depois
ACIDENTE
Antes
ACIDENTE
Depois
ACIDENTE
VISÃO DOS COLEGAS
VISÃO DA FAMÍLIA
Antes
ACIDENTE
Depois
ACIDENTE
AUTOESTIMA
Antes
ACIDENTE
Depois
ACIDENTE
“Uma equipe de
sucesso pode ser
descrita como um
grupo de indivíduos
que trabalham em
conjunto a fim de
atingirem metas
comuns”.
SEGURANÇA
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
Alguns exemplos de diretrizes de segurança
 DIRETRIZ Nº 01:
 Cada empregado é responsável pela
prevenção de acidentes do trabalho,
higiene e organização do seu local de
trabalho.
 Cabe às chefias instruir, treinar, fornecer
instrumentos para eliminar riscos,
acompanhar as tarefas e conscientizar as
pessoas sobre o uso dos EPI’s.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº02:
 Todo Quase Acidente e Acidente do
Trabalho deverão ser investigados. A
coordenação da investigação é da
supervisão da área.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 03:
 Devemos buscar o acidente zero -
contudo, quando houver uma
ocorrência de maior gravidade, que
forem determinantes de afastamento do
empregado acidentado, esta deverá ser
imediatamente informada a todos os
níveis hierárquicos ascendentes
inclusive o Diretor Superintendente
num prazo máximo de seis horas.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 04:
 Nas reuniões Gerenciais e de
resultados, a Segurança e Medicina
do Trabalho deve ser tema
permanente de pauta.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 05:
 Para todas tarefas é sempre possível
determinar uma prática correta.
 Esta medida deve ser adotada em todas
as áreas, utilizando-se regras de trabalho
definidas por escrito pela chefia, após
discussão com os empregados envolvidos
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 06:
 Todo novo empregado na empresa, ou
novo na função receberá treinamento
específico de suas tarefas. Nenhum
trabalho poderá ser executado sem
treinamento, inclusive os considerados de
urgência.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 07:
 As áreas devem adotar e manter
instrumentos administrativos adequados e
necessários para prevenir perdas, sejam
de caráter humano ou material.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 08:
 O Presidente da CIPA e seus
componentes receberão total apoio e
suporte dos dirigentes da Empresa.
Igual procedimento deverão receber de
todos os gerentes da empresa. Nas
questões de Segurança e Medicina do
Trabalho, o Presidente da CIPA terá a
mesma autoridade que tem os gerentes
da empresa.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 09:
 A área de Segurança e Medicina do
Trabalho terá o papel de CONSCIÊNCIA da
empresa nas questões de prevenção de
acidentes do trabalho. Sua função básica é
de assessoramento e de suporte técnico.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
 DIRETRIZ Nº 10:
 Todo empregado, independente de sua
posição hierárquica deverá seguir e
obedecer aos procedimentos de
segurança, editados pela empresa através
dos Programas do Plano Diretor de
Segurança e Medicina do Trabalho.
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
APLICA OS ELEMENTOS
DO PADRÃO
EMPREGADO
ASSESSORA A ADMINISTRAÇÃO
DO PADRÃO DE PREVENÇÃO
APOIO TÉCNICO
ADMINISTRA O PADRÃO
DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES
GERENTE
AGENDA E CONTROLA AÇÕES
FIXA DIRETRIZES
ESTABELECE METAS
CONTROLA RESULTADOS
DIRETORIA
ACORDA VALORES
INFORMA OCORRÊNCIAS
PROPÕE MELHORIAS
DIRETRIZES DE SEGURANÇA
DO TRABALHO
ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO DE
ACIDENTE DO TRABALHO
RELATÓRIOS DE ACIDENTES
METODOLOGIA PARA
INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES
ANÁLISE E
INVESTIGAÇÃO DE
ACIDENTE DO TRABALHO
HEXÁGONO DAS CAUSAS DO ERRO
HUMANO NO TRABALHO E OS
INSTRUMENTOS DE PREVENÇÃO
INSTRUMENTOS
DE FORMAÇÃO
DE ATITUDES
CONDIÇÕES ER-
GONÔMICAS
INADEQ.
DESLIZE
FALTA
DE
CAPACIDADE
FALTA DE
INFOR-
MAÇÃO.
COMUNICAÇÃO
FALTA DE AP-
TIDÃO FÍSI-
CA/MEN-
TAL
MOTIVA-
ÇÃO IN-
CORRETA
CAUSAS DE UM ACIDENTE UTILIZANDO A ÁRVORE DE
CAUSAS DE ERRO HUMANO
 DESCRIÇÃO DO EVENTO
A regra da Empresa era clara:
Para emendar condutores partidos, era obrigatório:
Abrir, sinalizar, testar e aterrar o circuito (ASTA).
Este procedimento dava ao executor, antes de tocar no
condutor, a certeza de que o circuito estava desener-
gizado.
Só que havia um problema:
Este procedimento dobrava o tempo de execução da
tarefa.
Um eletricista da equipe de manutenção de Linhas e
Redes, com larga experiência, costumava fazer as
emendas sem colocar o circuito em ASTA. Um dia aci-
dentou-se, perdendo o braço esquerdo abaixo do coto-
velo por ter sofrido choque elétrico.
ANÁLISE - SOLUÇÃO
 COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO:
- FOI ERRO HUMANO POR FALTA DE INFORMAÇÃO?
R) NÃO. HAVIA REGRA E A REGRA ERA CLARA.
- FOI ERRO HUMANO POR FALTA DE CAPACIDADE?
R) NÃO. O ELETRICISTA ERA MUITO EXPERIENTE E
MUITO CAPAZ.
- DEVE TER SIDO ERRO HUMANO POR FALTA DE APTI-
DÃO FÍSICO/MENTAL?
R) CERTAMENTE NÃO DEVE TER SIDO. O FATO DE TER
TOCADO NO CONDUTOR SEM COLOCAR O CIRCUITO
EM ASTA NÃO FOI DEVIDO A ALGUMA PERDA DE
APTIDÃO. HAVIA O RISCO, TANTO QUE ERA
RECONHECIDO PELA EMPRESA ATRAVÉS DE UMA
REGRA.
ANÁLISE - SOLUÇÃO
 COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO:
- FOI ERRO HUMANO POR MOTIVAÇÃO INCORRETA?
R) CERTAMENTE. O ELETRICISTA TENTAVA GANHAR
TEMPO INCENTIVADO PELA CHEFIA EM SITUAÇÕES
DE EMERGÊNCIA.
- FOI ERRO HUMANO POR CONDIÇÃO ERGONÔMICA
DESFAVORÁVEL?
R) NÃO. EMBORA A EMENDA DE CONDUTORES FOSSE
UMA TAREFA INSEGURA, UMA VEZ SEGUINDO O
PROCEDIMENTO NORMALIZADO, O RISCO
ESTARIA CONTROLADO.
ANÁLISE - SOLUÇÃO
 COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO:
- FOI ERRO HUMANO POR DESLIZE?
R) NÃO, POIS NÃO SE ENQUADRAVA EM TAREFA
REPETITIVA, JÁ PASSADA PARA O “PILOTO
AUTOMÁTICO”.
QUANTO À PERGUNTA DE CHECAGEM: SE SOUBESSE
ESTAR SENDO OBSERVADO PELA CHEFIA SUPERIOR,
OU PELO TÉCNICO DE SEGURANÇA, CERTAMENTE O
ELETRICISTA FARIA O PROCEDIMENTO CORRETO?
OBSERVE QUE NESTE CASO, PARA A PERGUNTA DE
CHECAGEM, NÃO VALE A OBSERVAÇÃO DO
SUPERIOR IMEDIATO, POIS ESTE PODE ESTAR
CONIVENTE. ATÉ MESMO PEDE AO ELETRICISTA
PARA QUE FAÇA A TAREFA RAPIDAMENTE.
Se você não tomou CONSCIÊNCIA de
seus atos, aproveite: nunca é tarde
para se cuidar.
CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
Recomendado nos casos de:
 Falta de atenção
 Não usar EPI
 Mal relacionamento
 Atos falhos
 Comportamento Inseguro
 Não avaliar situação de risco
 Ignorar normas de segurança
CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
Coloque a mão na sua consciência, caso
detecte um dos sintomas acima, tome
CONSCIÊNCIA, você fará bem a você, a
Empresa e a sua família.
CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
CONSCIÊNCIA não tem:
 Contra indicação
 Efeitos colaterais
 Restrição a idade ou sexo
CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
Estudos comprovam que os resultados são
surpreendentes no caso de consciência
pesada.
Ao persistirem os sintomas, procure ajuda Divina,
afinal você só poderá contar com a sorte!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da ConstruçãoNR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
Willian Machado Moro dos Santos
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
Mauricio Cesar Soares
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
Ythia Karla
 
Técnico de Segurança no trabalho
Técnico de Segurança no trabalhoTécnico de Segurança no trabalho
Técnico de Segurança no trabalho
Alan Carlos Lopes Faria
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Ghiordanno Bruno
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
NR-1
NR-1NR-1
Ltcat
LtcatLtcat
NR 12 - Máquinas e Equipamentos
NR 12 - Máquinas e EquipamentosNR 12 - Máquinas e Equipamentos
NR 12 - Máquinas e Equipamentos
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
Organizando uma SIPAT de sucesso
Organizando uma SIPAT de sucessoOrganizando uma SIPAT de sucesso
Organizando uma SIPAT de sucesso
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
IBEST ESCOLA
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
Alex Costa Triers
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
AndrerlSiqueira
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
HP Safety Engenharia
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção ColetivaEPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
HugoDalevedove
 
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdfNR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
FranciscoSilvaGuarda
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
JORGE BADAUE BADAUE
 
Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho
Gestão da Segurança e Saúde no TrabalhoGestão da Segurança e Saúde no Trabalho
Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho
Eval Frans
 

Mais procurados (20)

Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da ConstruçãoNR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
NR 18 - Condições de Meio Ambiente e Trabalho na Industria da Construção
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Técnico de Segurança no trabalho
Técnico de Segurança no trabalhoTécnico de Segurança no trabalho
Técnico de Segurança no trabalho
 
Aula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de TrabalhoAula 3 - Acidente de Trabalho
Aula 3 - Acidente de Trabalho
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
NR-1
NR-1NR-1
NR-1
 
Ltcat
LtcatLtcat
Ltcat
 
NR 12 - Máquinas e Equipamentos
NR 12 - Máquinas e EquipamentosNR 12 - Máquinas e Equipamentos
NR 12 - Máquinas e Equipamentos
 
Organizando uma SIPAT de sucesso
Organizando uma SIPAT de sucessoOrganizando uma SIPAT de sucesso
Organizando uma SIPAT de sucesso
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção ColetivaEPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
 
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdfNR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
NR 6 CIPA TREINAMENTO.pdf
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
 
Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho
Gestão da Segurança e Saúde no TrabalhoGestão da Segurança e Saúde no Trabalho
Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho
 

Destaque

Acidente com rosca transportadora (ppt)
Acidente com rosca transportadora (ppt)Acidente com rosca transportadora (ppt)
Acidente com rosca transportadora (ppt)
Nilton Goulart
 
A evolução da segurança do trabalho
A evolução da segurança do trabalhoA evolução da segurança do trabalho
A evolução da segurança do trabalho
Frederick Coutinho de Barros
 
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDATreinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Márcio Leão
 
Higiene e segurança no trabalho 1-4h
Higiene e segurança no trabalho 1-4hHigiene e segurança no trabalho 1-4h
Higiene e segurança no trabalho 1-4h
Humberto Dias
 
Aula 2 - evolução histórica da hsst
Aula 2 - evolução histórica da hsstAula 2 - evolução histórica da hsst
Aula 2 - evolução histórica da hsst
Catir
 
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Treinamento   de CIPA - Burti 2009Treinamento   de CIPA - Burti 2009
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Sergio Silva
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Introdução ao prevencionismo
Introdução ao prevencionismo Introdução ao prevencionismo
Introdução ao prevencionismo
carlosalbertoterceiro
 

Destaque (8)

Acidente com rosca transportadora (ppt)
Acidente com rosca transportadora (ppt)Acidente com rosca transportadora (ppt)
Acidente com rosca transportadora (ppt)
 
A evolução da segurança do trabalho
A evolução da segurança do trabalhoA evolução da segurança do trabalho
A evolução da segurança do trabalho
 
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDATreinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
Treinamento de CIPA - Gestão 2015. Empresa INDICA ASSESSORIA E SERVIÇOS LTDA
 
Higiene e segurança no trabalho 1-4h
Higiene e segurança no trabalho 1-4hHigiene e segurança no trabalho 1-4h
Higiene e segurança no trabalho 1-4h
 
Aula 2 - evolução histórica da hsst
Aula 2 - evolução histórica da hsstAula 2 - evolução histórica da hsst
Aula 2 - evolução histórica da hsst
 
Treinamento de CIPA - Burti 2009
Treinamento   de CIPA - Burti 2009Treinamento   de CIPA - Burti 2009
Treinamento de CIPA - Burti 2009
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Introdução ao prevencionismo
Introdução ao prevencionismo Introdução ao prevencionismo
Introdução ao prevencionismo
 

Semelhante a 1 apresentação geral

1 apresentação geral
1   apresentação geral1   apresentação geral
1 apresentação geral
Nilton Goulart
 
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de SegurançaSegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
WagnerBarreto15
 
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptxAula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
SimoneMessiasRodrigu
 
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptxNR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
AndreLuis202744
 
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).pptx
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção  de Acidentes).pptxTreinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção  de Acidentes).pptx
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).pptx
Ruan130129
 
Treinamento acidente de trabalho
Treinamento acidente de trabalhoTreinamento acidente de trabalho
Treinamento acidente de trabalho
Monica Pinheiro
 
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptxNR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
Gabrieltubergames
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
AndreLuis202744
 
Acidente de trabalho
Acidente de trabalhoAcidente de trabalho
Acidente de trabalho
Ythia Karla
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
ArtthurPereira2
 
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptxNR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
Gabrieltubergames
 
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdfSLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
WellingtonOliveira773953
 
Nr 05 rcs tecnologia
Nr 05 rcs tecnologiaNr 05 rcs tecnologia
Nr 05 rcs tecnologia
Fabio Sousa
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Beatriz123Letras
 
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃOHIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
Gleyciana Garrido
 
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdfsaude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
ssuser4f35ee1
 
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
Clotilde Vieira
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
JORGE BADAUE BADAUE
 
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagemSaúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
janenfa95
 
treinamento segurança do trabalho.ppt
treinamento segurança do trabalho.ppttreinamento segurança do trabalho.ppt
treinamento segurança do trabalho.ppt
AdelmaSiles
 

Semelhante a 1 apresentação geral (20)

1 apresentação geral
1   apresentação geral1   apresentação geral
1 apresentação geral
 
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de SegurançaSegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
SegurancaTrabalho_SenacMinas. Técnico de Segurança
 
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptxAula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
Aula 2 - SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO EM SERVIÇOS DE.pptx
 
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptxNR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
NR05 - Cipa 12h - 2023.pptx
 
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).pptx
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção  de Acidentes).pptxTreinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção  de Acidentes).pptx
Treinamento da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).pptx
 
Treinamento acidente de trabalho
Treinamento acidente de trabalhoTreinamento acidente de trabalho
Treinamento acidente de trabalho
 
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptxNR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 16h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
 
Acidente de trabalho
Acidente de trabalhoAcidente de trabalho
Acidente de trabalho
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
 
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptxNR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
NR05 - Cipa 12h com Assedio - 28 Fev 23.pptx
 
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdfSLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
SLIDES AULA DIA 01-03-2023 - TURMA DE MECÂNICA.pdf
 
Nr 05 rcs tecnologia
Nr 05 rcs tecnologiaNr 05 rcs tecnologia
Nr 05 rcs tecnologia
 
Higiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalhoHigiene, saúde e segurança no trabalho
Higiene, saúde e segurança no trabalho
 
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃOHIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
HIGIÊNE E SEGURANÇA DO TRABALHO - RESUMÃO
 
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdfsaude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
saude-e-seguranca-do-trabalho.pdf
 
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
Nocoes geriassegurancaesaudenotrabalho [reparado]
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagemSaúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
 
treinamento segurança do trabalho.ppt
treinamento segurança do trabalho.ppttreinamento segurança do trabalho.ppt
treinamento segurança do trabalho.ppt
 

Mais de Nilton Goulart

1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
Nilton Goulart
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
Nilton Goulart
 
1 basica1
1 basica11 basica1
1 basica1
Nilton Goulart
 
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
Nilton Goulart
 
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
Nilton Goulart
 
Qualidades pessoais do instrutor
  Qualidades pessoais do instrutor  Qualidades pessoais do instrutor
Qualidades pessoais do instrutor
Nilton Goulart
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
Nilton Goulart
 
Agentes ambientais fundamentos
Agentes ambientais   fundamentosAgentes ambientais   fundamentos
Agentes ambientais fundamentos
Nilton Goulart
 

Mais de Nilton Goulart (20)

1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
 
1 basica1
1 basica11 basica1
1 basica1
 
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
 
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
= Utf-8-b-um u6i-ftuu1rfb25saw5lxsbbbsohbglzzsbkzsbhy2lkzw50zq==-=-modulo 06 ...
 
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia
 
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
[Segmedtrab] ergonomia ergonomia (1)
 
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
 
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
[Segmedtrab] empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedad...
 
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel
 
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
[Segmedtrab] desenvolvimento sustentavel desenvolvimento sustentavel (1)
 
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da sociedade
 
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
[Segmedtrab] a empresa como parte da sociedade a empresa como parte da socied...
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-seguran=e7a no-tr=e2nsito=2_d_era_um_crossfox=21=...
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-f=e1brica de-carros_na_alemanha_x_f=e1brica_de_ve...
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
 
Qualidades pessoais do instrutor
  Qualidades pessoais do instrutor  Qualidades pessoais do instrutor
Qualidades pessoais do instrutor
 
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
[Segmedtrab] = iso-8859-1-q-acidente com-trabalhadores_da_vale_deixa_tr=e_as_...
 
Agentes ambientais fundamentos
Agentes ambientais   fundamentosAgentes ambientais   fundamentos
Agentes ambientais fundamentos
 

1 apresentação geral

  • 2.  Revolução Industrial  Equipamentos e máquinas sem proteção  Jornadas de trabalho extensas  Não havia preocupação com segurança e saúde  Condições de higiene e trabalho inadequadas  Descontentamento dos trabalhadores RESULTOU... grande número de acidentes de trabalho, mortes, lesões incapacitantes, etc...
  • 3. SEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITO PODE SER ENTENDIDA COMO OS CONJUNTOS DE MEDIDAS QUE SÃO ADOTADAS VISANDO MINIMIZAR OS ACIDENTES DE TRABALHO, DOENÇAS OCUPACIONAIS, BEM COMO PROTEGER A INTEGRIDADE E A CAPACIDADE DE TRABALHO DO FUNCIONÁRIO.
  • 4. SESMT SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO É o quadro completo de segurança e medicina do trabalho de uma empresa:  Médico do trabalho Engenheiro de segurança Técnico de segurança Enfermeiro do trabalho Aux. Enfermagem
  • 6. A segurança do trabalho é sustentada por normas regulamentadoras, leis complementares (portarias e decretos) e convenções internacionais da OIT.
  • 7. Por que minha empresa precisa constituir equipe de segurança do trabalho?? 1º - lei 2º organização empresa 3º aumento da qualidade e produtividade 4º melhorar as relações de trabalho 5º evitar acidentes
  • 8. Como minimizar os custos com a Segurança do Trabalho?? Investir em prevenção de acidentes. Muitos empresários acham que devem diminuir seus investimentos em EPI’s, contratação de pessoal de segurança do trabalho e medidas de segurança. O custo de um acidente pode trazer inúmeros prejuízos à Empresa (encargos com advogados, perdas de tempo, materiais e produção, etc) Existem muitas Empresas no país que tiveram que fechar suas portas por causa de indenizações de acidentes de trabalho.
  • 9. Acho que meu dever como dono da Empresa é contratar o serviço de segurança do trabalho e ponto final. Errado. Em uma campanha de segurança toda a diretoria deve estar envolvida. De nada adianta treinar funcionários, fazer campanhas de conscientização, se a diretoria, a maior responsável pela empresa, não estiver envolvida e engajada com a Segurança do Trabalho. Se isso acontecer a Segurança do Trabalho acaba caindo no esquecimento em poucos meses.
  • 10. Acidente - Conceito Legal É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária.
  • 11. Acidente Um acontecimento não desejado que resulta em danos às pessoas, dano à propriedade, perdas no processo ou meio ambiente. Não desejado é diferente de não planejado. Ninguém acidenta propositadamente.
  • 12. Equiparam-se aos acidentes de trabalho O acidente que acontece quando você está prestando serviços por ordem da empresa fora do local de trabalho O acidente que acontece quando você estiver em viagem a serviço da empresa O acidente que ocorre no trajeto entre a casa e o trabalho ou do trabalho para casa
  • 13. Os acidentes são agrupados em duas categorias: ACIDENTE SEM AFASTAMENTO É quando o acidentado retorna no mesmo dia da ocorrência ou no dia seguinte. ACIDENTE COM AFASTAMENTO Ocasiona a incapacidade temporária ou permanente do trabalho para exercer a mesma ou outra atividade profissional, resultando de pelo menos 1 dia de trabalho.
  • 14. Causas dos acidentes de trabalho ATO INADEQUADO Ato praticado pelo homem, em geral consciente do que está fazendo, contrariando as normas de segurança que pode levar a um acidente. Ex: subir em telhados sem usar cinto de segurança, dirigir em altas velocidades, não usar os EPI’s, brincadeiras, operar máquina sem autorização, ect... CONDIÇÃO INADEQUADA Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo ou risco ao trabalhador, deficiências, defeitos e irregularidades técnicas nas instalações físicas, máquinas e equipamentos. Ex: iluminação inadequada, piso irregular ou escorregadio, instalação elétrica precária ou improvisada, falta da proteção de partes móveis de máquinas, ferramentas danificadas, falta de limpeza e organização, etc... Existe ainda um 3º fator que pode contribuir para a causa do acidente que é o fator pessoal, são as preocupações externas. Ex: briga com a mulher, contas em atraso, saldo devedor no banco, problema de saúde na família, etc..
  • 15. Conseqüências dos acidentes de trabalho Os 3 segmentos envolvidos na relação trabalhista (empregados, empregador e Governo Federal) tem consideráveis prejuízos. GOVERNO FEDERAL 1 – pagamento através do INSS de benefícios ao trabalhador acidentado ou a seus dependentes: auxílio-doença, auxílio-acidente, aposentadoria por invalidez e pensão por morte; 2 – pagamento de despesas médico-hospitalares no tratamento do acidentado; 3 – despesas com a reabilitação profissional do trabalhador acidentado, inclusive com o fornecimento de próteses, conforme o caso. Continua...
  • 16. Conseqüências dos acidentes de trabalho EMPREGADOR 1 – pagamento salarial aos trabalhadores acidentados durante os 15 primeiros dias do acidente; 2 – reflexos negativos no ambiente de trabalho onde ocorreu o acidente, com a conseqüente queda de produção; 3 – danos ou avarias nos equipamentos, máquinas ou ferramentas que porventura estavam sendo utilizadas pelo trabalhador vitimado; 4 – paralisação de uma máquina componente da linha de produção, podendo afetar o processo produtivo como um todo, até que se proceda o reparo da máquina danificada; 5 – reflexos negativos na boa imagem da empresa, que dependerá da gravidade do acidente e do grau de repercussão causado à comunidade. Continuação...
  • 17. Conseqüências dos acidentes de trabalho EMPREGADO 1 – sofrimento físico, dor, lesão, incapacidade parcial ou total, temporária ou permanente ou até a própria morte; 2 – reflexos psicológicos negativos decorrentes de eventuais seqüencias acidentárias, inclusive podendo gerar distúrbios familiares, dependendo do grau de incapacidade; 3 – redução salarial decorrente da percepção de benefícios previdenciários.
  • 18. Comunicação do acidente de trabalho A comunicação do acidente do trabalho por parte da empresa ao INSS deverá ser feita através do preenchimento do formulário específico, denominado CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho ou através da internet pelo site da Previdência Social.
  • 19. Deveres dos Empregadores perante a Segurança e Medicina do Trabalho a) Cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre SMT; b) Elaborar ordens internas de SMT, dando ciência aos empregados com os seguintes objetivos: b-1) Prevenir atos inadequados; b-2) Divulgar as obrigações e proibições que os empregados devem conhecer e cumprir; b-3) Dar conhecimento aos empregados de que serão passíveis de punição pelo descumprimento das normas; b-4) Determinar os procedimentos a ser adotados em caso de acidente; b-5) Adotar medidas determinadas pelo MTb; Adotar medidas p/ eliminar ou neutralizar as condições inseguras; c) Informar aos trabalhadores sobre; c-1) riscos profissionais que possam originar-se nos locais de trabalho; C-2) meios para prevenir e evitar tais riscos; C-3) resultados dos exames médicos; C-4) resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de trabalho
  • 20. Deveres dos Empregados perante a Segurança e Medicina do Trabalho a) Cumprir as disposições legais e regulamentares, inclusive as ordens internas; b) Usar o EPI fornecido pelo Empregador; c) Submeter-se aos exames médicos previstos nas NR’s; d) Colaborar com a Empresa na aplicação das NR’s. Obs.: É considerado ato faltoso a recusa injustificada do empregado em cumprir as Normas Regulamentadoras de SMT, inclusive ordens internass.
  • 21. EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’s São todos os dispositivos de uso individual destinados a proteger a integridade física e saúde do trabalhador Obrigações da EMPRESA quanto aos EPI’s: -Providenciar o fornecimento gratuito dos EPI’s necessários para cada atividade -Providenciar treinamento para o uso correto do EPI -Substituir o EPI quando este apresentar danos que diminuem a sua eficiência. Obrigações do colaborador quanto aos EPI’s: -Usá-los apenas para finalidade a que se destina; -Responsabilizar-se por sua guarda e conservação; -Comunicar ao técnico de segurança qualquer alteração que o torne impróprio para o uso.
  • 22. EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’s São todos os dispositivos de uso individual destinados a proteger a integridade física e saúde do trabalhador O EPI dó poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação (CA) do MTb. O EPI que não possuir o CA, não será considerado como EPI.
  • 23. CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidente – é uma equipe formada por representantes dos empregados e do empregador com o objetivo de observar e relatar condições de risco nos ambientes de trabalho e solicitar para reduzir e até eliminar os riscos existentes. SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes – evento que geralmente ocorro uma vez ao ano, destinado a despertar e fortalecer o espírito pró-ativo dos trabalhadores através de palestras e atividades. PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – programa destinado a integrar-se com as normas regulamentadoras, inclui o reconhecimento dos riscos das áreas, estabelece metas e prioridades de controle dos riscos, avalia exposição do trabalhador, monitora a exposição do risco, etc... PCMAT – Programa das Condições do Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – tem o mesmo objetivo que o PPRA porém este é exclusivo para Indústria da Construção; Continuação... ALGUMAS SIGLAS
  • 24. ALGUMAS SIGLAS PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – programa aliado também as NR’s, é articulado juntamente com o PPRA ou PCMAT, implanta, controla, avalia os riscos prejudiciais a saúde do trabalhador. CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho CA – Certificado de Aprovação MTb – Ministério do trabalho NR – Normas Regulamentadoras
  • 25. GRÁFICOS DE ACIDENTES NO ANO DE 2004 EMPRESA X
  • 26. Acidente por natureza da lesão 0 1 2 3 4 5 6 7 Acidentes no ano Escoriações Quebra de dente Ferim. Corto Contuso Ferimento Cortante Ematoma Queimadura Química Queimadura Térmica Luxação Traumatismo Torção
  • 27. Acidente por localização da lesão 0 2 4 6 8 10 12 Acidentes no ano Cabeça Braços Boca Mãos Pernas Olhos Região lombar Pés
  • 28. Acidente por Tipo 0 1 2 3 4 5 6 7 Prensamento Golpe p Obj. em movimento Batida c Objeto Sólido Queda de Nível Diferente Contato com Produto Químico Contato com Alta Temperatura Queda de Mesmo Nível Contato com Objeto Parado Contato com Piso Irregular
  • 29. Acidente por fonte da lesão 0 2 4 6 8 10 12 14 Acidentes no ano Equipamento Produto Químico Graxa Quente Superfície Estrutura Ferramenta
  • 30. Acidente por dia da semana 0 1 2 3 4 5 6 7 Acidentes no ano Domingo Segunda Feira Terça Feira Quarta Feira Quinta Feira Sexta Feira Sábado
  • 31. Acidente por horário de trabalho 0 2 4 6 8 10 12 14 Acidentes no ano 06:00 às 14:00 14:00 às 22:00 22:00 às 06:00 07:10 às 17:36
  • 32. Acidente por tempo de serviço 0 2 4 6 8 10 12 Acidente no ano Até 01 ano De 01 a 03 anos De 03 a 05 anos De 05 a 07 anos De 07 a 09 anos De 09 a 11 anos Mais de 11 anos
  • 33. Acidente por idade 0 1 2 3 4 5 6 Acidentes no ano Até 20 anos De 21 a 25 anos De 26 a 30 anos De 31 a 35 anos De 36 a 40 anos De 41 a 45 anos De 46 a 50 anos Mais de 50 anos
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 60. Quase Acidente Um acontecimento não desejado, que em circunstâncias ligeiramente diferentes, poderia causar lesões às pessoas, dano à propriedade ou perda no processo e no meio ambiente. Um acontecimento não desejado que pode resultar em perda.
  • 61. Quase Acidente Quase acidentes são acontecimentos que têm a mesmas características e causas semelhantes aos acidentes, mas não tiveram como conseqüências perdas.
  • 62. Estudo da Proporção de Acidentes 1 LESÃO GRAVE Incluem lesões graves e incapacitantes LESÃO MENOR Toda lesão registrada menos grave ACIDENTES COM DANO À PROPRIEDADE Todos os tipos QUASE ACIDENTES 10 30 600
  • 63. Quase acidentes são sinais de alerta?  Os quase acidentes são sinais claros de que algo está errado!
  • 64. Porque investigar quase acidentes?  Para controlar as causas básicas dos quase acidentes ocorridos.  Controlar atos e condições abaixo do padrão
  • 65. Porque investigar quase acidentes?  Se tratarmos as causas dos quase acidentes, que acontecem em grande número, estamos automaticamente tratando das causas dos acidentes que produzem lesões ou danos à propriedade. Evitando os acidentes sem passarmos por sofrimentos e prejuízos.
  • 66. Quais quase acidentes devem ser relatados e investigados?  Para conseguir prevenção TODOS quase acidentes devem ser relatados.
  • 67. “Cada vez que ocorrer um acidente, não despreze refletir sobre as possibilidades que tem de tirar proveito desta circunstância” Epictetus, 60-120 A.C.
  • 68. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS Prevenção = atuar antes dos acontecimentos
  • 69. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS Objetivo Detectar riscos, para evitar acidentes do trabalho e doenças profissionais, TOMANDO medidas preventivas.
  • 70. RISCO : A combinação da probabilidade de ocorrência e da conseqüência de um determinado evento perigoso. PERIGO : Uma fonte ou uma situação com potencial para provocar danos em termos de lesão, doença, dano à propriedade, dano ao meio ambiente, ou uma combinação destes. DANO : Gravidade do efeito podendo ser perda humana, material ou financeira que resulta quando não se tem controle sobre determinado risco. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
  • 71. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS NR9 – PPRA 9.6. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 9.6.3 – O EMPREGADOR DEVERÁ GARANTIR QUE, NA OCORRÊNCIA DE RISCOS AMBIENTAIS NOS LOCAIS DE TRABALHO QUE COLOQUEM EM SITUAÇÃO DE GRAVE E IMINENTE RISCO UM OU MAIS TRABALHADORES, OS MESMOS POSSAM INTERROMPER DE IMEDIATO AS SUAS ATIVIDADES, COMUNICANDO O FATO AO SUPERIOR HIERÁRQUICO DIRETO PARA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS.
  • 72. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS NÃO É PAPEL DO SESMT COBRAR ELIMINAÇÃO DE CONDIÇÕES INSEGURAS. CABE AO GERENTE DA ÁREA. ESTÁ NO CÓDIGO CIVIL – QUEM CRIA O RISCO DEVERÁ ELIMINÁ-LO. DONO DO RISCO DEVE SE COMPROMETER COM O NEGÓCIO. A SEGURANÇA DO TRABALHO REFORÇA OS PLEITOS DOS GERENTES A NÍVEL DE PROTEÇÃO COLETIVA ESTABELECE LINHAS DE AÇÃO E METAS
  • 73. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS CASO REAL PRESENCIADO
  • 74. Inspeção na Pá Carregadeira MICHIGAN - L90/22
  • 76. ASSENTO DO OPERADOR SEM FIXAÇÃO, AMARRADO COM CORDA.
  • 77. REVESTIMENTO DA CAÇAMBA DANIFICADO E “BICO DE PATO” COM DESGASTE EM EXCESSO
  • 78. IDEM A FOTO ANTERIOR
  • 79. AUSÊNCIA DE LUZ, SETAS E FAROLETE DE RÉ
  • 80. EXCESSO DE VAZAMENTO DE ÓLEO NO MOTOR
  • 81. PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DO EIXO TRAZEIRO BAMBOS
  • 82. AUSÊNCIA DE PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DO EIXO TRAZEIRO E PARAFUSOS BAMBOS.
  • 83. Conclusão NR 22 ESTABELECE: 22.3.4 - COMPETE À EMPRESA A) INTERROMPER TODO E QUALQUER TIPO DE ATIVIDADE QUE EXPONHA OS TRABALHADORES A CONDIÇÕES DE RISCO GRAVE E IMINENTE PARA SUA SAÚDE E SEGURANÇA. 22.7.3 EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE SOBRE PNEUS, DE MATERIAIS E PESSOAS, DEVEM POSSUIR, EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO, FAROIS, LUZES E SINAL SONORO DE RÉ, ACOPLADOS AO SISTEMA DE CÂMBIO DE MARCHAS, BUZINA E SINAL DE INDICAÇÃO DE MUDANÇA DE SENTIDO DE DESLOCAMENTO E ESPELHOS RETROVISORES. .
  • 84. “Olhar é uma coisa. Ver o que se olha é outra. Entender o que se vê, é uma outra coisa. Aprender o que você entende é uma coisa a mais. Mas agir sobre o que você aprende é tudo o que realmente importa.” WINSTON CHURCHILL ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
  • 90. “Uma equipe de sucesso pode ser descrita como um grupo de indivíduos que trabalham em conjunto a fim de atingirem metas comuns”. SEGURANÇA
  • 91. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO Alguns exemplos de diretrizes de segurança
  • 92.  DIRETRIZ Nº 01:  Cada empregado é responsável pela prevenção de acidentes do trabalho, higiene e organização do seu local de trabalho.  Cabe às chefias instruir, treinar, fornecer instrumentos para eliminar riscos, acompanhar as tarefas e conscientizar as pessoas sobre o uso dos EPI’s. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 93.  DIRETRIZ Nº02:  Todo Quase Acidente e Acidente do Trabalho deverão ser investigados. A coordenação da investigação é da supervisão da área. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 94.  DIRETRIZ Nº 03:  Devemos buscar o acidente zero - contudo, quando houver uma ocorrência de maior gravidade, que forem determinantes de afastamento do empregado acidentado, esta deverá ser imediatamente informada a todos os níveis hierárquicos ascendentes inclusive o Diretor Superintendente num prazo máximo de seis horas. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 95.  DIRETRIZ Nº 04:  Nas reuniões Gerenciais e de resultados, a Segurança e Medicina do Trabalho deve ser tema permanente de pauta. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 96.  DIRETRIZ Nº 05:  Para todas tarefas é sempre possível determinar uma prática correta.  Esta medida deve ser adotada em todas as áreas, utilizando-se regras de trabalho definidas por escrito pela chefia, após discussão com os empregados envolvidos DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 97.  DIRETRIZ Nº 06:  Todo novo empregado na empresa, ou novo na função receberá treinamento específico de suas tarefas. Nenhum trabalho poderá ser executado sem treinamento, inclusive os considerados de urgência. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 98.  DIRETRIZ Nº 07:  As áreas devem adotar e manter instrumentos administrativos adequados e necessários para prevenir perdas, sejam de caráter humano ou material. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 99.  DIRETRIZ Nº 08:  O Presidente da CIPA e seus componentes receberão total apoio e suporte dos dirigentes da Empresa. Igual procedimento deverão receber de todos os gerentes da empresa. Nas questões de Segurança e Medicina do Trabalho, o Presidente da CIPA terá a mesma autoridade que tem os gerentes da empresa. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 100.  DIRETRIZ Nº 09:  A área de Segurança e Medicina do Trabalho terá o papel de CONSCIÊNCIA da empresa nas questões de prevenção de acidentes do trabalho. Sua função básica é de assessoramento e de suporte técnico. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 101.  DIRETRIZ Nº 10:  Todo empregado, independente de sua posição hierárquica deverá seguir e obedecer aos procedimentos de segurança, editados pela empresa através dos Programas do Plano Diretor de Segurança e Medicina do Trabalho. DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 102. APLICA OS ELEMENTOS DO PADRÃO EMPREGADO ASSESSORA A ADMINISTRAÇÃO DO PADRÃO DE PREVENÇÃO APOIO TÉCNICO ADMINISTRA O PADRÃO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES GERENTE AGENDA E CONTROLA AÇÕES FIXA DIRETRIZES ESTABELECE METAS CONTROLA RESULTADOS DIRETORIA ACORDA VALORES INFORMA OCORRÊNCIAS PROPÕE MELHORIAS DIRETRIZES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
  • 103. ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO RELATÓRIOS DE ACIDENTES METODOLOGIA PARA INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES
  • 105. HEXÁGONO DAS CAUSAS DO ERRO HUMANO NO TRABALHO E OS INSTRUMENTOS DE PREVENÇÃO
  • 106. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE ATITUDES CONDIÇÕES ER- GONÔMICAS INADEQ. DESLIZE FALTA DE CAPACIDADE FALTA DE INFOR- MAÇÃO. COMUNICAÇÃO FALTA DE AP- TIDÃO FÍSI- CA/MEN- TAL MOTIVA- ÇÃO IN- CORRETA
  • 107. CAUSAS DE UM ACIDENTE UTILIZANDO A ÁRVORE DE CAUSAS DE ERRO HUMANO  DESCRIÇÃO DO EVENTO A regra da Empresa era clara: Para emendar condutores partidos, era obrigatório: Abrir, sinalizar, testar e aterrar o circuito (ASTA). Este procedimento dava ao executor, antes de tocar no condutor, a certeza de que o circuito estava desener- gizado. Só que havia um problema: Este procedimento dobrava o tempo de execução da tarefa. Um eletricista da equipe de manutenção de Linhas e Redes, com larga experiência, costumava fazer as emendas sem colocar o circuito em ASTA. Um dia aci- dentou-se, perdendo o braço esquerdo abaixo do coto- velo por ter sofrido choque elétrico.
  • 108. ANÁLISE - SOLUÇÃO  COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO: - FOI ERRO HUMANO POR FALTA DE INFORMAÇÃO? R) NÃO. HAVIA REGRA E A REGRA ERA CLARA. - FOI ERRO HUMANO POR FALTA DE CAPACIDADE? R) NÃO. O ELETRICISTA ERA MUITO EXPERIENTE E MUITO CAPAZ. - DEVE TER SIDO ERRO HUMANO POR FALTA DE APTI- DÃO FÍSICO/MENTAL? R) CERTAMENTE NÃO DEVE TER SIDO. O FATO DE TER TOCADO NO CONDUTOR SEM COLOCAR O CIRCUITO EM ASTA NÃO FOI DEVIDO A ALGUMA PERDA DE APTIDÃO. HAVIA O RISCO, TANTO QUE ERA RECONHECIDO PELA EMPRESA ATRAVÉS DE UMA REGRA.
  • 109. ANÁLISE - SOLUÇÃO  COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO: - FOI ERRO HUMANO POR MOTIVAÇÃO INCORRETA? R) CERTAMENTE. O ELETRICISTA TENTAVA GANHAR TEMPO INCENTIVADO PELA CHEFIA EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. - FOI ERRO HUMANO POR CONDIÇÃO ERGONÔMICA DESFAVORÁVEL? R) NÃO. EMBORA A EMENDA DE CONDUTORES FOSSE UMA TAREFA INSEGURA, UMA VEZ SEGUINDO O PROCEDIMENTO NORMALIZADO, O RISCO ESTARIA CONTROLADO.
  • 110. ANÁLISE - SOLUÇÃO  COMPARE SUAS RESPOSTAS COM OS ITENS ABAIXO: - FOI ERRO HUMANO POR DESLIZE? R) NÃO, POIS NÃO SE ENQUADRAVA EM TAREFA REPETITIVA, JÁ PASSADA PARA O “PILOTO AUTOMÁTICO”. QUANTO À PERGUNTA DE CHECAGEM: SE SOUBESSE ESTAR SENDO OBSERVADO PELA CHEFIA SUPERIOR, OU PELO TÉCNICO DE SEGURANÇA, CERTAMENTE O ELETRICISTA FARIA O PROCEDIMENTO CORRETO? OBSERVE QUE NESTE CASO, PARA A PERGUNTA DE CHECAGEM, NÃO VALE A OBSERVAÇÃO DO SUPERIOR IMEDIATO, POIS ESTE PODE ESTAR CONIVENTE. ATÉ MESMO PEDE AO ELETRICISTA PARA QUE FAÇA A TAREFA RAPIDAMENTE.
  • 111. Se você não tomou CONSCIÊNCIA de seus atos, aproveite: nunca é tarde para se cuidar. CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA
  • 112. CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA Recomendado nos casos de:  Falta de atenção  Não usar EPI  Mal relacionamento  Atos falhos  Comportamento Inseguro  Não avaliar situação de risco  Ignorar normas de segurança
  • 113. CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA Coloque a mão na sua consciência, caso detecte um dos sintomas acima, tome CONSCIÊNCIA, você fará bem a você, a Empresa e a sua família.
  • 114. CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA CONSCIÊNCIA não tem:  Contra indicação  Efeitos colaterais  Restrição a idade ou sexo
  • 115. CONSCIÊNCIA: DOSE DUPLA Estudos comprovam que os resultados são surpreendentes no caso de consciência pesada. Ao persistirem os sintomas, procure ajuda Divina, afinal você só poderá contar com a sorte!!