SlideShare uma empresa Scribd logo
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
SAE padrão Spline Fittings.- Encaixes estriadosA SAE(Tabelas18 a 21, inclusive) tornaram-
se um padrão estabelecido para muitas aplicações no, automotivo, de máquinas -ferramenta
agrícola, e outras indústrias. As dimensões dadas, em polegadas, aplicam-se apenas aos
buracos abordados macios. As dimensões são ilustrados nas Figs.7B 7A,7C. eAs tolerâncias
dadas podem ser facilmente mantida por métodos brochar habituais. As tolerâncias
seleccionados para as pequenas e grandes diâmetros pode depender de se o encaixe entre a
parte de acoplamento, como finalmente, é em grande ou pequeno diâmetro. O outro diâmetro,
que é projetado para a depuração, pode ter uma tolerância maior fabricados. Se o ajuste final
entre as partes é sobre os lados de apenas o estriado, tolerâncias maiores são permissíveis para
ambas as pequenas e grandes diâmetros. A ranhura não deve ser superior a 0,006 polegada por
pé de paralelo em relação ao eixo do veio. Não são tomados para raios de canto para obter
autorização. Os raios nos cantos da ranhura não deve exceder 0,015 polegadas.
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
2.184 straight-sidedSPLINES
Fig. 7a. 4-Spline Montagem Fig. 7b. 6-Spline Montagem Fig. 7c. 10-SplineFitting
Tabela18 SAE Standard 4-Spline Fittings
a Veja nota no final da Tabela21.
Tabela 19. SAE Standard 6-Spline Fittings
um Veja a nota no final da Tabela21.
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
SPLINESstraight-sided2185
Tabela 20 Padrão SAE 10-Spline Fittings
um Veja a nota no final da Tabela 21Fittings.:
Tabela 21. Padrão SAE 16-Spline Fittings
uma capacidade de torque de Spline As capacidades dos diferentes encaixes estriados de torque são dadas
nas colunas intituladas"T".A capacidade de torque , por polegada de comprimento de apoio em 1000 lbs de
pressão por polegada quadrada sobre os lados da ranhura, pode ser determinada pela seguinte fórmula, em
que T = capacidade de torque em polegada-libras por polegada de comprimento, N = número de ranhuras, R
= média raio ouradial
distânciado centro do buraco de centro de ranhura, h = profundidade da ranhura: T = 1000 NRh
Tabela22. Fórmulas para determinar Dimensões da SAE padrão Splines
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
2186 POLYGON eixos
Quatro ranhuras para ajustes A e B apenas
o.fórmulas na tabela acima dão as dimensões máximas para W, h,e d,conforme listado nas Tabelas
18 a 21 inclusiveforma.
Polígono do tipo eixo Connections.- Involute de e straight-sided estrias são usadas para fixos
e conexões entre deslizamento membros da máquina, como eixos e engrenagens. Conexões do
tipo polígono, assim chamado porque se assemelham a polígonos regulares, mas com lados
curvados, podem ser utilizados da mesma forma. Normas alemã DIN 32711 e 32712 incluem
dados de conexões polígono métricas de três e de quatro lados. Os dados de 11 dos tamanhos
mostrados nesses padrões, mas convertido em polegadas Dimensões por Stoffel Polígono
Systems, são dadas na tabela abaixo.
Dimensões de três e quatro lados
do polígono do tipo ligações de eixos
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
Dimensões Q e R mostradas nos diagramas são aproximados e usado apenas para fins de elaboração:
Q ≈ 7,5e, R ≈ D1/2+ 16ee..
Dimension DM = D1 + 2Pressão ângulo Bmax é de aproximadamente 344E/DM graus por três lados, e
E299/DM graus para os quatro lados
Tolerâncias:.Tolerâncias ISO H7 aplicar às dimensões do furo. Para eixos, tolerâncias G6 aplicar para
ajustes de correr; tolerâncias k7 para ajustes interferentesprojetos-Sided.:
Escolher entre três e quatro projetos de três lados são melhores para aplicações em que
nenhum movimento relativo entre os componentes de acasalamento é permitido enquanto o
torque é transmitido. Se um centro é a deslizar num veio enquanto sob binário, modelos de
quatro lados, o qual tema pressão maioros ângulos Bmax do queaqueles modelos de três lados,
são mais adequados para deslizamento, embora a força axial necessária para mover o elemento
deslizante é aproximadamente
50 por cento maior do que para as ligações evolvente estriado
comparáveispolígono:.
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
EIXOSPOLYGON 2187
força das conexões nas fórmulas que se seguem, Hw = largura
hub, polegadas Ht = espessura da parede hub, polegadas
Mb = momento de flexão, libra-polegada
Mt = torque, lb polegadas
Z = seção módulo, flexão, em.33
4
=0,098DM /D por três lados =0,15DI para os quatro lados
ZP = módulo da secção polar, torção, no.3
4 3
=0,196DM /D por três lados =0,196DI para os quatro lados
DA e DM.Veja as notas de rodapé da tabela.
Sb = flexão, permitido, lb / pol.2
SS = tensão de cisalhamento, permitido, lb / pol.2
St = tensão de tração, permitido, lb / pol.2
Para eixos, Mt (máximo ) = SsZp;
Mb (máximo) = SbZ
Para furos,
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
Ht (mínimo) = K
[Digite aqui alista]
[Digite aqui alista]
M
-----------
SH
tw
em que K = 1,44 para três lados, exceto que se DM é superior a 1,375 polegadas, então k =
K 1,2,.= 0,7 para
quatro lados
falha pode ocorrer no centro de um polígono de ligação, se as tensões de envolvimento no
cubo exceder a tensão de tracção admissível para o material usado. A força radial tende a
estender o aro e causar tensões de tração é calculada a partir de
2 M
Radial Force, lb = ---------------------------- ---
---------------------
DI n tan (Bmax + 11,3)
Esta força radial actuando em n pontos pode ser usado para calcular a tensão de tracção nas
parede do cubo, utilizando fórmulas de resistência dos materiaisfabricação:.
de perfis eixo Polygon podem ser produzidos através de processos de usinagem
convencionais, como fresagem, shaping, moagem contorno, copie transformando, e
numericamente controlada moagem e trituração. Bores são produzidos usando broches,
eletroerosão, shapers redutores com geração de cortadores de forma adequada, e, em alguns
casos, dores retificação interna de design especial. Independentemente dos métodos de
produção utilizados, os pontos emambos os perfis de acasalamento pode ser calculada a p artir
das seguintes equações:
X = (DI / 2 + e) cos α - e cos n α cos α - ne pecado n α sin α
Y = (DI / 2 + E) -α sin e cos n α α sin+ ne sin n α cos α
Nestas equações, α é o ângulo de rotação da peça de trabalho a partir de qualquer posição de
referência seleccionado, n é o número de lados do polígono , 3 ou 4; Deu é o diâmetro do
círculo inscrito mostrado no diagrama na tabela; e e é a dimensão mostrado no diagrama na
tabela e que pode ser utilizado como uma configuração em máquinas de moagem polígono
especial. O valor de e determina a forma do perfil. Um valor de 0, por exemplo, resulta emum
poço circular, com um diâmetrode DI.Os valores de e na tabela foram selecionados
arbitrariamente-se para proporcionar proporções adequadas para os tamanhos mostrado s.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

p1 hidraulica I
p1 hidraulica Ip1 hidraulica I
p1 hidraulica I
Guilherme Messiatto
 
NBR 14699
NBR 14699NBR 14699
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
EDER OLIVEIRA
 
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
José Eduardo
 
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
EDER OLIVEIRA
 
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
Carlos Elson Cunha
 
Pre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eescPre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eesc
Allan Pereira
 
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
Hygor Freitas
 
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Luciano Otavio
 
Apostilademetrologia
ApostilademetrologiaApostilademetrologia
Apostilademetrologia
Flavio Borges
 
Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
cristina resende
 
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacosResolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
Joao Wagner Dominici
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
Francisco Gomes
 
NBR 10067
NBR 10067NBR 10067
25.tolerância geometrica de forma
25.tolerância geometrica de forma25.tolerância geometrica de forma
25.tolerância geometrica de forma
Edvaldo Viana
 
Flexão simples e dupla
Flexão simples e duplaFlexão simples e dupla
Flexão simples e dupla
Ewerton Tavares
 
Aula29
Aula29Aula29
NBR 10067/1995
NBR 10067/1995NBR 10067/1995
NBR 10067/1995
UNIFIA
 
Aubr2012 32 apostila
Aubr2012 32 apostilaAubr2012 32 apostila
Aubr2012 32 apostila
Luciano Rocha
 

Mais procurados (20)

p1 hidraulica I
p1 hidraulica Ip1 hidraulica I
p1 hidraulica I
 
NBR 14699
NBR 14699NBR 14699
NBR 14699
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
 
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
Resistencia dos materiais solda17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-est...
 
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
 
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
 
Pre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eescPre dimensionamento eesc
Pre dimensionamento eesc
 
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
 
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...Nbr 12298   representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
Nbr 12298 representacao de area de corte por meio de hachuras em desenho te...
 
Apostilademetrologia
ApostilademetrologiaApostilademetrologia
Apostilademetrologia
 
Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
 
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacosResolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
Resolução da flexão composta normal e oblíqua por meio de ábacos
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
Etc304 aula15
 
Simetria
SimetriaSimetria
Simetria
 
NBR 10067
NBR 10067NBR 10067
NBR 10067
 
25.tolerância geometrica de forma
25.tolerância geometrica de forma25.tolerância geometrica de forma
25.tolerância geometrica de forma
 
Flexão simples e dupla
Flexão simples e duplaFlexão simples e dupla
Flexão simples e dupla
 
Aula29
Aula29Aula29
Aula29
 
NBR 10067/1995
NBR 10067/1995NBR 10067/1995
NBR 10067/1995
 
Aubr2012 32 apostila
Aubr2012 32 apostilaAubr2012 32 apostila
Aubr2012 32 apostila
 

Semelhante a machinery splines

splines
 splines  splines
Calculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdfCalculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdf
guizucka
 
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
Carolina Teles
 
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdfNBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
LeandroNobregaBiedma
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ordenaelbass
 
Tradução
TraduçãoTradução
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
ViniciusSabrinaPedro
 
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
ProjetosNicoletti
 
Nbr6158
Nbr6158Nbr6158
01machinery splines traduzir
01machinery splines traduzir01machinery splines traduzir
01machinery splines traduzir
Vinicius Arthur Lima
 
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
Jose Donizeti Tagliaferro
 
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdf
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdfProjetos Mecânicos - Transmissões.pdf
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdf
RafaelGloriaPereira1
 
Apostila molas
Apostila molasApostila molas
Apostila molas
ssuserf3df0b
 
Transmissões.pptx
Transmissões.pptxTransmissões.pptx
Transmissões.pptx
RafaelGloriaPereira1
 
01.pdf
01.pdf01.pdf
Rebites
RebitesRebites
Rebites
huanderlei
 
05 reparos estruturais
05   reparos estruturais05   reparos estruturais
05 reparos estruturais
Ricardo Pampu
 
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliaresApostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
Vinicius Souza
 
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdfGaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
abacardarosagodinho
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Jonas Lima
 

Semelhante a machinery splines (20)

splines
 splines  splines
splines
 
Calculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdfCalculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdf
 
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
17 construmetal2012-calculo-de-ligacoes-em-estrutura-metalica
 
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdfNBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
NBR 6158 - Sistema de Tolerância e Ajustes.pdf
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
 
Tradução
TraduçãoTradução
Tradução
 
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
 
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdfNBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
NBR-6158-Sistema-de-tolerâncias-e-ajustes.pdf
 
Nbr6158
Nbr6158Nbr6158
Nbr6158
 
01machinery splines traduzir
01machinery splines traduzir01machinery splines traduzir
01machinery splines traduzir
 
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
Material de estudo_pra_mecânica_dos_sólidos_ii (1)
 
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdf
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdfProjetos Mecânicos - Transmissões.pdf
Projetos Mecânicos - Transmissões.pdf
 
Apostila molas
Apostila molasApostila molas
Apostila molas
 
Transmissões.pptx
Transmissões.pptxTransmissões.pptx
Transmissões.pptx
 
01.pdf
01.pdf01.pdf
01.pdf
 
Rebites
RebitesRebites
Rebites
 
05 reparos estruturais
05   reparos estruturais05   reparos estruturais
05 reparos estruturais
 
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliaresApostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
Apostila parte ii_cap_6_instrumentos_auxiliares
 
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdfGaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
Gaudencio Amos-- C--P.A.T.Correia11.pdf
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
 

machinery splines

  • 1. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] SAE padrão Spline Fittings.- Encaixes estriadosA SAE(Tabelas18 a 21, inclusive) tornaram- se um padrão estabelecido para muitas aplicações no, automotivo, de máquinas -ferramenta agrícola, e outras indústrias. As dimensões dadas, em polegadas, aplicam-se apenas aos buracos abordados macios. As dimensões são ilustrados nas Figs.7B 7A,7C. eAs tolerâncias dadas podem ser facilmente mantida por métodos brochar habituais. As tolerâncias seleccionados para as pequenas e grandes diâmetros pode depender de se o encaixe entre a parte de acoplamento, como finalmente, é em grande ou pequeno diâmetro. O outro diâmetro, que é projetado para a depuração, pode ter uma tolerância maior fabricados. Se o ajuste final entre as partes é sobre os lados de apenas o estriado, tolerâncias maiores são permissíveis para ambas as pequenas e grandes diâmetros. A ranhura não deve ser superior a 0,006 polegada por pé de paralelo em relação ao eixo do veio. Não são tomados para raios de canto para obter autorização. Os raios nos cantos da ranhura não deve exceder 0,015 polegadas.
  • 2. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] 2.184 straight-sidedSPLINES Fig. 7a. 4-Spline Montagem Fig. 7b. 6-Spline Montagem Fig. 7c. 10-SplineFitting Tabela18 SAE Standard 4-Spline Fittings a Veja nota no final da Tabela21. Tabela 19. SAE Standard 6-Spline Fittings um Veja a nota no final da Tabela21.
  • 3. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] SPLINESstraight-sided2185 Tabela 20 Padrão SAE 10-Spline Fittings um Veja a nota no final da Tabela 21Fittings.: Tabela 21. Padrão SAE 16-Spline Fittings uma capacidade de torque de Spline As capacidades dos diferentes encaixes estriados de torque são dadas nas colunas intituladas"T".A capacidade de torque , por polegada de comprimento de apoio em 1000 lbs de pressão por polegada quadrada sobre os lados da ranhura, pode ser determinada pela seguinte fórmula, em que T = capacidade de torque em polegada-libras por polegada de comprimento, N = número de ranhuras, R = média raio ouradial distânciado centro do buraco de centro de ranhura, h = profundidade da ranhura: T = 1000 NRh Tabela22. Fórmulas para determinar Dimensões da SAE padrão Splines
  • 4. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] 2186 POLYGON eixos Quatro ranhuras para ajustes A e B apenas o.fórmulas na tabela acima dão as dimensões máximas para W, h,e d,conforme listado nas Tabelas 18 a 21 inclusiveforma. Polígono do tipo eixo Connections.- Involute de e straight-sided estrias são usadas para fixos e conexões entre deslizamento membros da máquina, como eixos e engrenagens. Conexões do tipo polígono, assim chamado porque se assemelham a polígonos regulares, mas com lados curvados, podem ser utilizados da mesma forma. Normas alemã DIN 32711 e 32712 incluem dados de conexões polígono métricas de três e de quatro lados. Os dados de 11 dos tamanhos mostrados nesses padrões, mas convertido em polegadas Dimensões por Stoffel Polígono Systems, são dadas na tabela abaixo. Dimensões de três e quatro lados do polígono do tipo ligações de eixos
  • 5. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] Dimensões Q e R mostradas nos diagramas são aproximados e usado apenas para fins de elaboração: Q ≈ 7,5e, R ≈ D1/2+ 16ee.. Dimension DM = D1 + 2Pressão ângulo Bmax é de aproximadamente 344E/DM graus por três lados, e E299/DM graus para os quatro lados Tolerâncias:.Tolerâncias ISO H7 aplicar às dimensões do furo. Para eixos, tolerâncias G6 aplicar para ajustes de correr; tolerâncias k7 para ajustes interferentesprojetos-Sided.: Escolher entre três e quatro projetos de três lados são melhores para aplicações em que nenhum movimento relativo entre os componentes de acasalamento é permitido enquanto o torque é transmitido. Se um centro é a deslizar num veio enquanto sob binário, modelos de quatro lados, o qual tema pressão maioros ângulos Bmax do queaqueles modelos de três lados, são mais adequados para deslizamento, embora a força axial necessária para mover o elemento deslizante é aproximadamente 50 por cento maior do que para as ligações evolvente estriado comparáveispolígono:.
  • 6. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] EIXOSPOLYGON 2187 força das conexões nas fórmulas que se seguem, Hw = largura hub, polegadas Ht = espessura da parede hub, polegadas Mb = momento de flexão, libra-polegada Mt = torque, lb polegadas Z = seção módulo, flexão, em.33 4 =0,098DM /D por três lados =0,15DI para os quatro lados ZP = módulo da secção polar, torção, no.3 4 3 =0,196DM /D por três lados =0,196DI para os quatro lados DA e DM.Veja as notas de rodapé da tabela. Sb = flexão, permitido, lb / pol.2 SS = tensão de cisalhamento, permitido, lb / pol.2 St = tensão de tração, permitido, lb / pol.2 Para eixos, Mt (máximo ) = SsZp; Mb (máximo) = SbZ Para furos,
  • 7. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] Ht (mínimo) = K
  • 8. [Digite aqui alista] [Digite aqui alista] M ----------- SH tw em que K = 1,44 para três lados, exceto que se DM é superior a 1,375 polegadas, então k = K 1,2,.= 0,7 para quatro lados falha pode ocorrer no centro de um polígono de ligação, se as tensões de envolvimento no cubo exceder a tensão de tracção admissível para o material usado. A força radial tende a estender o aro e causar tensões de tração é calculada a partir de 2 M Radial Force, lb = ---------------------------- --- --------------------- DI n tan (Bmax + 11,3) Esta força radial actuando em n pontos pode ser usado para calcular a tensão de tracção nas parede do cubo, utilizando fórmulas de resistência dos materiaisfabricação:. de perfis eixo Polygon podem ser produzidos através de processos de usinagem convencionais, como fresagem, shaping, moagem contorno, copie transformando, e numericamente controlada moagem e trituração. Bores são produzidos usando broches, eletroerosão, shapers redutores com geração de cortadores de forma adequada, e, em alguns casos, dores retificação interna de design especial. Independentemente dos métodos de produção utilizados, os pontos emambos os perfis de acasalamento pode ser calculada a p artir das seguintes equações: X = (DI / 2 + e) cos α - e cos n α cos α - ne pecado n α sin α Y = (DI / 2 + E) -α sin e cos n α α sin+ ne sin n α cos α Nestas equações, α é o ângulo de rotação da peça de trabalho a partir de qualquer posição de referência seleccionado, n é o número de lados do polígono , 3 ou 4; Deu é o diâmetro do círculo inscrito mostrado no diagrama na tabela; e e é a dimensão mostrado no diagrama na tabela e que pode ser utilizado como uma configuração em máquinas de moagem polígono especial. O valor de e determina a forma do perfil. Um valor de 0, por exemplo, resulta emum poço circular, com um diâmetrode DI.Os valores de e na tabela foram selecionados arbitrariamente-se para proporcionar proporções adequadas para os tamanhos mostrado s.