SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento em Manutenção
Rápida de Balsas
Como Identificar e Reparar Balsas em Atividade
De acordo com as normas marítimas NORMAM 02/DPC, toda
embarcação tem normas a seguir, que tem como objetivo evitar
acidentes entre embarcações.
COMPARTIMENTAGEM
• 0647 - NÚMERO MÍNIMO DE ANTEPARAS ESTANQUES PARA
EMBARCAÇÕES DE CASCO METÁLICO
• a) Anteparas de Colisão Toda embarcação de passageiros com AB
maior que 20, para as quais sejam aplicáveis as presentes regras, de
acordo com o estabelecido no item 0602
• c), deverá possuir as seguintes anteparas transversais estanques:
• 1) Uma antepara de colisão de vante, na proa; e
• 2) Uma antepara de colisão de ré, na popa.
• c) Anteparas nos Espaços de Carga e ou Passageiros 1)
Adicionalmente ao prescrito nos itens anteriores, deverão ser
instaladas anteparas transversais estanques subdividindo os espaços
destinados ao transporte de carga e ou passageiros, adequadamente
posicionadas, de acordo com o estabelecido na tabela 6.5.
0650 - ABERTURAS NAS ANTEPARAS
• a) Quando houver tubulações, embornais, cabos elétricos ou outros
itens atravessando anteparas estanques deverão ser tomadas as
medidas necessárias para manter integralmente a estanqueidade das
anteparas.
• b) Não é permitido instalar válvulas em anteparas estanques que não
façam parte de um sistema de tubulações.
• c) Nas embarcações de casco metálico não poderão ser utilizados
materiais sensíveis ao calor em sistemas que atravessem anteparas
estanques, onde a deterioração de tais materiais, em caso de
incêndio, comprometa a estanqueidade das anteparas.
• d) Não é permitida a existência de portas, registros ou outras aberturas de
acesso nas anteparas de colisão abaixo do convés principal, exceto para a
passagem da tubulação necessária para atender aos pique tanques. Será
permitida, entretanto, a instalação de portas de visitas para a inspeção
desses compartimentos, desde que sejam estanques e construídas de aço,
de dimensões reduzidas e fixadas a abertura através de parafusos e porcas.
• e) As anteparas estanques deverão se estender até o convés de borda-livre
da embarcação.
• f) Não é permitida a existência de quaisquer tipos de portas ou aberturas
em anteparas retardadoras de alagamento, exceto para passagem de cabos
e tubulações quando deverão ser tomadas as medidas necessárias para
manter a integridade da antepara. ACESS0651 -
0651 - ACESSOS
• a) Todos os espaços limitados por anteparas estanques ou por anteparas retardadoras de
alagamento deverão apresentar meios de acesso de forma a possibilitar a entrada e
inspeção dos compartimentos.
• b) Tais acessos, quando se tratar de anteparas retardadoras de alagamento, não deverão
ser efetuados por intermédio de aberturas nas anteparas, em atendimento ao previsto
no parágrafo f) do item anterior.
• c) Quando se tratar de anteparas estanques, tais acessos não deverão, tanto quanto
possível e razoável, ser efetuados por intermédio de aberturas nas anteparas. Entretanto,
em casos excepcionais, poderá ser autorizado, pela DPC, o acesso através da antepara,
desde que sejam satisfeitas as seguintes condições: a porta deve ser do tipo estanque e
operada pelos dois lados; deverá haver indicador no local e no passadiço de porta
aberta/fechada; a indicação local poderá ser feita por meio de indicação
“aberto/fechado” nos atracadores; quando não for possível a indicação clara de posição
aberto/fechado deverá necessariamente haver indicação local sonora ou luminosa; e
deve ser afixado em cada porta um aviso indicando que a mesma deve ser mantida
fechada.
1003 - PROCEDIMENTOS DE TREINAMENTO E
DIVULGAÇÃO DE INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA
• a) Treinamento
Os tripulantes deverão receber treinamento dos procedimentos para
sobrevivência por meio de exercícios de abandono e de incêndio. Esses
exercícios deverão ser conduzidos de tal modo que todos participem
pelo menos uma vez por mês.
Nas embarcações com AB maior que 20 a realização dos exercício
deverá ser registrada em documento próprio, mantido arquivado a
bordo.
Os exercícios deverão ser conduzidos de modo a assegurar que toda a
tripulação esteja ciente das suas estações de emergência e estejam
capacitadas para executar corretamente as ações que lhes forem
atribuídas nos postos de emergência, nos seguintes eventos:
- incêndio a bordo;
- abalroamento;
- colisão;
- navegação em baixa visibilidade;
- homem ao mar; e
- abandono da embarcação.
Estruturas Empenadas
• Quando uma embarcação esta carregando um peso acima do limite
de carga, suas estruturas e chapas do convés tendem a empenarem.
Rasgos e Furos no Casco
• Por vários motivos, pode ocorrer furos, rasgos, amassados e empenos
que podem fazer com que entre água no interior da embarcação.
• Esses problemas podem ser resolvidos provisoriamente, com solda
fria, tapetes de borrachas, madeira com escoras, chapas de aço com
escoras, esponjas com cimento, lascas de madeira e etc.
Embarcações Amassados por Abalroamento
• Quando duas ou mais embarcações colidem ocorre amassados e
rasgos , os mesmos podem ser críticos ou com baixo risco.
Guarda Corpos Avariados
• Embarcações com guarda corpo, tem uma facilidade de ser avariada,
pois as mesmas ficam vulneráveis a ser batidas por outras
embarcações ou em manobras de atracação / ou desatracação.
• Com isso pode haver rasgos nas chapas do convés pelas borboletas
ou mesmo pelo guarda corpo, que pode ser rasgado com o sinistro.
Embarcações Propulsadas
• Embarcações propulsadas, no caso delas existe uma gama enorme de
problemas que podem ocorrer, como defeito na propulsão, geração
de energia, sistema de governo e etc.
• Se o sistema de propulsão dependendo do local e o clima estiver
propicio, a embarcação pode ser levada até a margem do rio para
reparos do mesmo.
• Se a geração de energia entrar em colapso o MCP pode auxiliar, o
gerador de emergência pode ser acionado ou a bateria de
emergência.
• O sistema de governo também pode ser auxiliado por pequenas
embarcações (Botes), para que possa ser levada áté a margem do rio
para receber manutenção.
• A manutenção pode ser corretiva ou mesmo paliativa, até chegar em
um estaleiro para os devidos reparos.
Erros e Fatalidades
• Quando ocorre execução de operações erronias, pode ocorrer
problemas com a embarcação, por isso os operadores devem esta
sempre atentos.
• Com todos atentos, pode ser evitado acidentes com a embarcação.
• A tripulação e os colaboradores que trabalhão nas embarcações, são
responsáveis pela manutenção e conservação das mesmas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Treinamento em Manutenção Rápida de Balsas.pptx

Aviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de EmbarcaçãoAviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de Embarcação
imprensacabanga
 
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.pptpalestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
sampagamerbr
 
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
Lucas Damasceno
 
Conclusão da operação da Barcaça
Conclusão da operação da BarcaçaConclusão da operação da Barcaça
Conclusão da operação da Barcaça
Luiz Carlos Costa
 
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdfI_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
sampagamerbr
 
Aviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de EmbarcaçãoAviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de Embarcação
imprensacabanga
 

Semelhante a Treinamento em Manutenção Rápida de Balsas.pptx (20)

Aula 1 geremb
Aula 1 gerembAula 1 geremb
Aula 1 geremb
 
Aviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de EmbarcaçãoAviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de Embarcação
 
PARTE 2 2023.pptx
PARTE 2 2023.pptxPARTE 2 2023.pptx
PARTE 2 2023.pptx
 
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.pptpalestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
palestra_marinha_vistoria_carregamento_carga.ppt
 
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
Bollard Pull Requerid - Tug In use Cap 5
 
Conclusão da operação da Barcaça
Conclusão da operação da BarcaçaConclusão da operação da Barcaça
Conclusão da operação da Barcaça
 
Içamento
IçamentoIçamento
Içamento
 
Içamento
IçamentoIçamento
Içamento
 
4 embarcações
4 embarcações4 embarcações
4 embarcações
 
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdfI_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
I_09_Incendio_em_Navios_AN.pdf
 
Sr Osni Guaiano-EMERGENCIAS OFFSHORE.pdf
Sr Osni Guaiano-EMERGENCIAS OFFSHORE.pdfSr Osni Guaiano-EMERGENCIAS OFFSHORE.pdf
Sr Osni Guaiano-EMERGENCIAS OFFSHORE.pdf
 
A geotecnia do Pré-Sal
A geotecnia do Pré-SalA geotecnia do Pré-Sal
A geotecnia do Pré-Sal
 
Atividades da MCIA
Atividades da MCIAAtividades da MCIA
Atividades da MCIA
 
Modulo 6 atividades da mcia
Modulo 6 atividades da mciaModulo 6 atividades da mcia
Modulo 6 atividades da mcia
 
Esrs dpc
Esrs dpcEsrs dpc
Esrs dpc
 
CGCFN-3125 - Manual de Pontes e Equipagens de Transposição de Cursos D'água
CGCFN-3125 - Manual de Pontes e Equipagens de Transposição de Cursos D'águaCGCFN-3125 - Manual de Pontes e Equipagens de Transposição de Cursos D'água
CGCFN-3125 - Manual de Pontes e Equipagens de Transposição de Cursos D'água
 
Slide srea
Slide sreaSlide srea
Slide srea
 
Aviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de EmbarcaçãoAviso de Saída de Embarcação
Aviso de Saída de Embarcação
 
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdfinfraestrutura-portuaria_compress.pdf
infraestrutura-portuaria_compress.pdf
 
Apresentação AHTS - Anchor Handler .pptx
Apresentação AHTS - Anchor Handler .pptxApresentação AHTS - Anchor Handler .pptx
Apresentação AHTS - Anchor Handler .pptx
 

Mais de MariaNeide16 (11)

NR12.pptx
NR12.pptxNR12.pptx
NR12.pptx
 
10higiene-e-seguranc3a7a-do-trabalho (1).ppt
10higiene-e-seguranc3a7a-do-trabalho (1).ppt10higiene-e-seguranc3a7a-do-trabalho (1).ppt
10higiene-e-seguranc3a7a-do-trabalho (1).ppt
 
Trabalho_Canteiro_de_obras_Ralc.ppt
Trabalho_Canteiro_de_obras_Ralc.pptTrabalho_Canteiro_de_obras_Ralc.ppt
Trabalho_Canteiro_de_obras_Ralc.ppt
 
TRABALHO DE CANTEIRO DE OBRA - INSTALAÇÕES ELETRICA.pptx
TRABALHO DE CANTEIRO DE OBRA - INSTALAÇÕES ELETRICA.pptxTRABALHO DE CANTEIRO DE OBRA - INSTALAÇÕES ELETRICA.pptx
TRABALHO DE CANTEIRO DE OBRA - INSTALAÇÕES ELETRICA.pptx
 
treinamentoaudaxcocozinhasindustriais-luthirepresentaes-170302200125.pptx
treinamentoaudaxcocozinhasindustriais-luthirepresentaes-170302200125.pptxtreinamentoaudaxcocozinhasindustriais-luthirepresentaes-170302200125.pptx
treinamentoaudaxcocozinhasindustriais-luthirepresentaes-170302200125.pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.pptPRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
 
Transporte Público 3.pptx
Transporte  Público 3.pptxTransporte  Público 3.pptx
Transporte Público 3.pptx
 
apresentacao-dr-giancarlo-brandao-esocial14-06-2022.pdf
apresentacao-dr-giancarlo-brandao-esocial14-06-2022.pdfapresentacao-dr-giancarlo-brandao-esocial14-06-2022.pdf
apresentacao-dr-giancarlo-brandao-esocial14-06-2022.pdf
 
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.pptAULA_5_CARTILHA BFA.ppt
AULA_5_CARTILHA BFA.ppt
 
128422919758342_a3.ppt
128422919758342_a3.ppt128422919758342_a3.ppt
128422919758342_a3.ppt
 

Último (6)

Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 

Treinamento em Manutenção Rápida de Balsas.pptx

  • 1. Treinamento em Manutenção Rápida de Balsas Como Identificar e Reparar Balsas em Atividade De acordo com as normas marítimas NORMAM 02/DPC, toda embarcação tem normas a seguir, que tem como objetivo evitar acidentes entre embarcações.
  • 2. COMPARTIMENTAGEM • 0647 - NÚMERO MÍNIMO DE ANTEPARAS ESTANQUES PARA EMBARCAÇÕES DE CASCO METÁLICO • a) Anteparas de Colisão Toda embarcação de passageiros com AB maior que 20, para as quais sejam aplicáveis as presentes regras, de acordo com o estabelecido no item 0602 • c), deverá possuir as seguintes anteparas transversais estanques: • 1) Uma antepara de colisão de vante, na proa; e • 2) Uma antepara de colisão de ré, na popa.
  • 3. • c) Anteparas nos Espaços de Carga e ou Passageiros 1) Adicionalmente ao prescrito nos itens anteriores, deverão ser instaladas anteparas transversais estanques subdividindo os espaços destinados ao transporte de carga e ou passageiros, adequadamente posicionadas, de acordo com o estabelecido na tabela 6.5.
  • 4. 0650 - ABERTURAS NAS ANTEPARAS • a) Quando houver tubulações, embornais, cabos elétricos ou outros itens atravessando anteparas estanques deverão ser tomadas as medidas necessárias para manter integralmente a estanqueidade das anteparas. • b) Não é permitido instalar válvulas em anteparas estanques que não façam parte de um sistema de tubulações. • c) Nas embarcações de casco metálico não poderão ser utilizados materiais sensíveis ao calor em sistemas que atravessem anteparas estanques, onde a deterioração de tais materiais, em caso de incêndio, comprometa a estanqueidade das anteparas.
  • 5. • d) Não é permitida a existência de portas, registros ou outras aberturas de acesso nas anteparas de colisão abaixo do convés principal, exceto para a passagem da tubulação necessária para atender aos pique tanques. Será permitida, entretanto, a instalação de portas de visitas para a inspeção desses compartimentos, desde que sejam estanques e construídas de aço, de dimensões reduzidas e fixadas a abertura através de parafusos e porcas. • e) As anteparas estanques deverão se estender até o convés de borda-livre da embarcação. • f) Não é permitida a existência de quaisquer tipos de portas ou aberturas em anteparas retardadoras de alagamento, exceto para passagem de cabos e tubulações quando deverão ser tomadas as medidas necessárias para manter a integridade da antepara. ACESS0651 -
  • 6. 0651 - ACESSOS • a) Todos os espaços limitados por anteparas estanques ou por anteparas retardadoras de alagamento deverão apresentar meios de acesso de forma a possibilitar a entrada e inspeção dos compartimentos. • b) Tais acessos, quando se tratar de anteparas retardadoras de alagamento, não deverão ser efetuados por intermédio de aberturas nas anteparas, em atendimento ao previsto no parágrafo f) do item anterior. • c) Quando se tratar de anteparas estanques, tais acessos não deverão, tanto quanto possível e razoável, ser efetuados por intermédio de aberturas nas anteparas. Entretanto, em casos excepcionais, poderá ser autorizado, pela DPC, o acesso através da antepara, desde que sejam satisfeitas as seguintes condições: a porta deve ser do tipo estanque e operada pelos dois lados; deverá haver indicador no local e no passadiço de porta aberta/fechada; a indicação local poderá ser feita por meio de indicação “aberto/fechado” nos atracadores; quando não for possível a indicação clara de posição aberto/fechado deverá necessariamente haver indicação local sonora ou luminosa; e deve ser afixado em cada porta um aviso indicando que a mesma deve ser mantida fechada.
  • 7. 1003 - PROCEDIMENTOS DE TREINAMENTO E DIVULGAÇÃO DE INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA • a) Treinamento Os tripulantes deverão receber treinamento dos procedimentos para sobrevivência por meio de exercícios de abandono e de incêndio. Esses exercícios deverão ser conduzidos de tal modo que todos participem pelo menos uma vez por mês. Nas embarcações com AB maior que 20 a realização dos exercício deverá ser registrada em documento próprio, mantido arquivado a bordo.
  • 8. Os exercícios deverão ser conduzidos de modo a assegurar que toda a tripulação esteja ciente das suas estações de emergência e estejam capacitadas para executar corretamente as ações que lhes forem atribuídas nos postos de emergência, nos seguintes eventos: - incêndio a bordo; - abalroamento; - colisão; - navegação em baixa visibilidade; - homem ao mar; e - abandono da embarcação.
  • 9. Estruturas Empenadas • Quando uma embarcação esta carregando um peso acima do limite de carga, suas estruturas e chapas do convés tendem a empenarem.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Rasgos e Furos no Casco • Por vários motivos, pode ocorrer furos, rasgos, amassados e empenos que podem fazer com que entre água no interior da embarcação. • Esses problemas podem ser resolvidos provisoriamente, com solda fria, tapetes de borrachas, madeira com escoras, chapas de aço com escoras, esponjas com cimento, lascas de madeira e etc.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Embarcações Amassados por Abalroamento • Quando duas ou mais embarcações colidem ocorre amassados e rasgos , os mesmos podem ser críticos ou com baixo risco.
  • 18.
  • 19. Guarda Corpos Avariados • Embarcações com guarda corpo, tem uma facilidade de ser avariada, pois as mesmas ficam vulneráveis a ser batidas por outras embarcações ou em manobras de atracação / ou desatracação. • Com isso pode haver rasgos nas chapas do convés pelas borboletas ou mesmo pelo guarda corpo, que pode ser rasgado com o sinistro.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Embarcações Propulsadas • Embarcações propulsadas, no caso delas existe uma gama enorme de problemas que podem ocorrer, como defeito na propulsão, geração de energia, sistema de governo e etc. • Se o sistema de propulsão dependendo do local e o clima estiver propicio, a embarcação pode ser levada até a margem do rio para reparos do mesmo. • Se a geração de energia entrar em colapso o MCP pode auxiliar, o gerador de emergência pode ser acionado ou a bateria de emergência.
  • 23. • O sistema de governo também pode ser auxiliado por pequenas embarcações (Botes), para que possa ser levada áté a margem do rio para receber manutenção. • A manutenção pode ser corretiva ou mesmo paliativa, até chegar em um estaleiro para os devidos reparos.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Erros e Fatalidades • Quando ocorre execução de operações erronias, pode ocorrer problemas com a embarcação, por isso os operadores devem esta sempre atentos. • Com todos atentos, pode ser evitado acidentes com a embarcação. • A tripulação e os colaboradores que trabalhão nas embarcações, são responsáveis pela manutenção e conservação das mesmas.