O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Aula 1: As drogas e seus efeitos no SNC

332 visualizações

Publicada em

Compreendendo a dependência química. As drogas e seus efeitos no Sistema Nervoso Central.

Publicada em: Saúde
  • Hello! High Quality And Affordable Essays For You. Starting at $4.99 per page - Check our website! https://vk.cc/82gJD2
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Aula 1: As drogas e seus efeitos no SNC

  1. 1. Módulo 1: Compreendendo aMódulo 1: Compreendendo a Dependência QuímicaDependência Química AULA 1: As drogas e seus efeitos noAULA 1: As drogas e seus efeitos no SNCSNC Pablo KurlanderPablo Kurlander Psicólogo (CRP 06/111.634) Mestrando em Saúde Coletiva – UNESP – Botucatu, SP Vice-Presidente COMAD – Avaré Coordenador Geral – Comunidade Terapêutica Nova Jornada – Avaré, SP www.novajornada.org.br pablok@novajornada.org.br
  2. 2. HistóricoHistórico  A utilização de substânciassubstâncias psicoativaspsicoativas, ao contrário do que se pensa, não é umnão é um evento novoevento novo na humanidade.
  3. 3. HistóricoHistórico ANTIGUIDADEANTIGUIDADE
  4. 4. USO RITUALÍSTICOUSO RITUALÍSTICO
  5. 5. IDADE MEDIAIDADE MEDIA
  6. 6. SÉCULOS XVIII - XIXSÉCULOS XVIII - XIX
  7. 7. SÉCULOS XVIII - XIXSÉCULOS XVIII - XIX
  8. 8. MODERNIDADEMODERNIDADE
  9. 9. ATUALIDADEATUALIDADE
  10. 10. Substâncias PsicoativasSubstâncias Psicoativas  Potencial de ação no SNCSNC  Provocam:  Alterações mentais (psíquicas)  SubjetivasSubjetivas  Alterações comportamentais  ObjetivasObjetivas
  11. 11. Substâncias PsicoativasSubstâncias Psicoativas As SPAs, em geral:As SPAs, em geral:  causam prazer e excitação  reduzem as sensações desagradáveis  agem em uma área no cérebro responsável pela gratificação ou prazer, conhecida como área deárea de recompensarecompensa.
  12. 12. Substâncias PsicoativasSubstâncias Psicoativas  As drogas agem no cérebro a nível sináptico, isto é, na neurotransmissão.  Estes neurotransmissores são substâncias químicas como a dopamina, a serotonina e a noradrenalina.
  13. 13. Substâncias PsicoativasSubstâncias Psicoativas  As SPAs podem fazer com que sejam liberadas em maior quantidade, ou que sua recaptação seja inibida, o que gera sensação de prazer, aumentando a possibilidade de usar novamente.
  14. 14. Classificação das SPAsClassificação das SPAs ClassificaçãoClassificação (por ação no SNC)  DepressorasDepressoras  QuantitativaQuantitativa  Álcool, barbitúricos, BZDs, opióides, maconha  EstimulantesEstimulantes  QuantitativaQuantitativa  Anfetaminas, cocaína, cafeína, ecstasy  PerturbadorasPerturbadoras  QualitativaQualitativa  Maconha, LSD, mescalina, ecstasy
  15. 15. Classificação das SPAsClassificação das SPAs DepressorasDepressoras ÁlcoolÁlcool  É de longe a SPA de maior uso e abuso.a SPA de maior uso e abuso.  Uma dose padrãodose padrão de bebida contém entre 12 e12 e 15 gramas de álcool15 gramas de álcool.  O organismo só é capaz de eliminar UMAeliminar UMA dose-padrão por hora.dose-padrão por hora.  AlcoolemiaAlcoolemia nível de álcool no sangue
  16. 16. Classificação das SPAsClassificação das SPAs DepressorasDepressoras BarbitúricosBarbitúricos  SubstânciasSubstâncias sintetizadas artificialmentesintetizadas artificialmente desdedesde o começo do século XX, com propriedadeso começo do século XX, com propriedades tranquilizantestranquilizantes..  Seu uso inicial foi dirigido ao tratamento da insônia.  A dose para causar os efeitos terapêuticos desejáveis não está muito distante da dose tóxica ou letal.
  17. 17. Classificação das SPAsClassificação das SPAs DepressorasDepressoras Benzodiazepínicos Benzodiazepínicos   Começaram a ser usados na Medicina durante os anos 60.  Oferecem maior margem de segurança do que os Barbitúricos.  Efeitos: diminuição da ansiedade, indução do sono, relaxamento muscular e redução do estado de alerta
  18. 18. Classificação das SPAsClassificação das SPAs DepressorasDepressoras Opióides Opióides   Drogas derivadas da papoula do oriente (Papaver somniferum).  As drogas mais conhecidas desse grupo são a morfina, a heroína.
  19. 19. Classificação das SPAsClassificação das SPAs DepressorasDepressoras Solventes e inalantes Solventes e inalantes   Este grupo de substâncias não possui nenhuma utilização clínica, com exceção do éter etílico e do clorofórmio.  Podem ser inalados involuntariamente por trabalhadores quanto ser utilizados como drogas de abuso.  Ex.: cola de sapateiro, lança-perfume.  O uso crônico destas drogas pode causar distúrbios neurológicos permanentes.
  20. 20. Classificação das SPAsClassificação das SPAs EstimulantesEstimulantes AnfetaminasAnfetaminas  São substâncias sintéticas, ou seja, produzidas em laboratório.  Muito utilizadas para regimes para emagrecer ou para ficar acordado por mais tempo não respeitando os limites fisiológicos.  Atuam aumentando a liberação e prolongando o tempo de atuação de neurotransmissores.
  21. 21. Classificação das SPAsClassificação das SPAs EstimulantesEstimulantes CocaínaCocaína  Substância extraída de uma planta originária da América do Sul, popularmente conhecida como coca (Erythroxylon coca).  Pode ser consumida na forma de pó, absorvido pela mucosa nasal, ou injetada diretamente na corrente sanguínea, o que aumenta a capacidade e velocidade de absorção.
  22. 22. Classificação das SPAsClassificação das SPAs EstimulantesEstimulantes CrackCrack  É formado a partir da mistura da pasta de coca com bicarbonato, soda cáustica e água.  Sua forma de consumo é através da inalação da fumaça, produzida ao queimar a pedra.  Por esta via a droga é rapidamente absorvida por via respiratória (pulmonar), agindo mais rapidamente do que via mucosa nasal.  A via respiratória equivale à via intravenosa no que diz respeito à velocidade da absorção, pico de concentração plasmática, duração e intensidade dos efeitos.
  23. 23. Classificação das SPAsClassificação das SPAs Administração Pureza (%) Início da ação (s) Duração (m) % absorvida Via Modo de uso Pulmonar Crack Merla 40-85 8-10 5-10 6-32 Injetável Cloridrato (pó) 7-100 30-45 10-20 100 Intranasal Cloridrato (pó) 20-80 120-180 30-45 20-30 Oral Folhas mascadas 0,5-1 300-600 45-90 20-30
  24. 24. Classificação das SPAsClassificação das SPAs EstimulantesEstimulantes NicotinaNicotina  É a SPA presente no tabaco que provoca a dependência.  As ações psíquicas da nicotina são complexas, com uma mistura de efeitos estimulantes e depressores.  Destaca-se o aumento da concentração e da atenção e a redução do apetite e da ansiedade.  Atualmente é um dos maiores problemas de Saúde Pública no mundo, uma das mais importantes causas potencialmente evitáveis de doenças e morte, e o mais prevalente transtorno psiquiátrico do mundo.
  25. 25. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  Provocam fenômenos psíquicos anormais, entre os quais destacam-se os delírios e as alucinações.  Estas drogas receberam a denominação de “alucinógenos”.  Alucinação: percepção sem objeto, ou seja, a pessoa vê, ouve ou sente algo que realmente não existe.  Delírio: falso juízo da realidade, ou seja, o indivíduo passa a atribuir significados anormais aos eventos que ocorrem à sua volta.  Isto ocorre em certas doenças mentais, como psicoses, razão pela qual estas drogas também são chamadas psicotomiméticos.
  26. 26. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  MaconhaMaconha  A planta de maconha (Cannabis sativa), possui o principal componente psicoativo, o ácido delta-9-tetrahidrocanabinol (THC).  Há também o haxixe, pasta semi-sólida com maiores concentrações de THC.  É a principal droga associada ao aparecimento de psicoses e esquizofrenia.
  27. 27. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  Dietilamida do ácidoDietilamida do ácido lisérgico (LSD)lisérgico (LSD)  O efeito alucinógeno do LSD foi descoberto por acaso em 1943, pelo cientista suíço Albert Hoffman, ao ingerir o LSD acidentalmente.  A absorção é sublingual através de pequenos papeis impregnados da substância. As doses variam de 20 a 50 microgramas, os efeitos aparecem de 35 a 45 minutos após o uso e podem durar de 4 a 12 horas.
  28. 28. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  Ecstasy – ÊxtaseEcstasy – Êxtase  Também conhecido como MDMA (3,4-metileno-dioxi- metanfetamina) guarda relação química com as anfetaminas e apresenta, também, propriedades estimulantes.  Foi desenvolvido em 1914 como supressor do apetite, mas nunca foi comercializado.  Apesar de não ter propriedades afrodisíacas, é conhecida também como pílula do amor.  A ação tem início em 30 minutos aproximadamente, e podem durar de 4 a 6 horas.
  29. 29. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  AnticolinérgicosAnticolinérgicos  São substâncias que têm a capacidade de bloquear as ações da acetilcolina.  Os anticolinérgicos podem ser naturais ou sintéticos:  Naturais: chá feito de plantas conhecidas como Saia Branca, Lírio, Trombeta, Trombeteira  Sintéticos: medicamentos com os mesmos efeitos que as substâncias naturais, como o Artane® (triexifenidila), o Akineton® (biperideno), Bentyl® (diciclomina).
  30. 30. Classificação das SPAsClassificação das SPAs PerturbadorasPerturbadoras  PsilocibinaPsilocibina  Substância de poder alucinógeno derivada do cogumelo Psilocybe sp.  Os cogumelos são ingeridos em forma de chá ou comidos em sua forma natural.

×