SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 21 - Número 1 - 1º Semestre 2021
PRESENÇA DE RAMPHASTIDAE VIGORS, 1825 DERIVADO DE ATIVIDADE DE
CAÇA DA SOCIEDADE AWÁ-GUAJÁ DO ESTADO DO MARANHÃO
Artur Chahud*
RESUMO
A Sociedade Etnográfica Awá-Guajá, um dos últimos povos de caçadores coletores da Amazônia,
possui grande envolvimento com a fauna de vertebrados, tanto para consumo quanto para atividades
ritualísticas. Uma coleção osteológica recuperada de depósitos de descarte contém significativa
diversidade faunística. As aves estão entre os principais grupos encontrados, destes os Ramphastidae
são os mais abunadantes. O objetivo desta contribuição é divulgar a presença desta família. Foram
reconhecidos o gênero Ramphastos e a espécie Pteroglossus bitorquatus, porém, devido a
preservação fragmentada do material, é possível que ocorram outras espécies típicas da região
amazônica do Maranhão.
Palavras-chave: Amazônia, Tucano, Araçari, Aves, Anatomia.
PRESENCE OF RAMPHASTIDAE VIGORS, 1825 DERIVED FROM HUNTING
ACTIVITIES OF THE AWÁ-GUAJÁ SOCIETY OF THE STATE OF MARANHÃO,
BRAZIL
ABSTRACT
The Awá-Guajá Ethnographic Society, one of the last hunter-gatherer peoples in the Amazon, has
great involvement with the vertebrate fauna, both for consumption and for ritualistic activities. An
osteological collection recovered from disposal deposits contains significant fauna diversity. Birds
are among the main groups found and the Ramphastidae are the most abundant. The purpose of this
contribution is to disclose the presence of this family. The genus Ramphastos and the species
Pteroglossus bitorquatus were recognized, however, due to the fragmentation of the material, it is
possible that other species typical of the Amazon region of Maranhão may occur.
Keywords: Amazon, Toucan, Aracari, Birds, Anatomy.
46
INTRODUÇÃO
Os Awá-Guajá representam um dos
últimos povos caçadores e coletores que,
atualmente, vivem em reservas indígenas
localizadas no noroeste do Estado do Maranhão,
distribuídas em três Terras Indígenas; Alto
Turiaçu (530.525 ha), Caru (172.667 ha) e Awá
(118.000 ha).
A “Coleção Etnográfica Guajá” é uma
coleção de remanescentes faunísticos oriundas de
escavação ao redor do acampamento indígena da
Reserva Caru, acumuladas ao longo de três anos,
entre 1987 e 1990 (QUEIROZ; KIPNIS, 1990).
Apesar de sua riqueza e abundância em
material osteológico de diversos grupos
zoológicos, possui poucos trabalhos realizados
(QUEIROZ; KIPNIS, 1990; PRADO, 2007;
PRADO et al. 2012; CHAHUD, 2019), havendo,
portanto, vasto potencial para análise ecológica,
zoológica e antropológica.
O material osteológico recuperado inclui
grande quantidade de restos de aves, que fizeram
parte da dieta e de atividades ritualísticas da
comunidade Awá-Guajá. O objetivo desta
contribuição é a apresentação do material de
Ramphastidae, com breves comentários.
MATERIAL E MÉTODOS
O material osteológico refere-se ao
consumo dos índios da comunidade Awá-Guajá
da Reserva Indígena Caru, localizada as margens
do Rio Pindaré no estado do Maranhão (Figura
1). A coleta foi realizada durante os meses mais
secos do ano de 1990 por Queiroz e Kipnis
(1990). Todo material faunístico estava em
superfície ou enterrado em um tipo de lixeira
feita pelos Guajá nas proximidades de suas
habitações e locais de preparo.
Figura 1 – Localização das comunidades indígenas Awá-Guajá, Reserva Indígena Caru, de onde provém o material de
estudo, no estado do Maranhão. Adaptado de Prado et al. 2012.
A Coleção etnográfica Guajá inclui
milhares de ossos de mamíferos, répteis, aves e
peixes, que estão depositados e catalogados no
Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do
Departamento de Genética e Biologia Evolutiva
do Instituto de Biociências da Universidade de
São Paulo (LEEH-IB-USP).
AVES NA CULTURA AWÁ-GUAJÁ
Segundo Forline (1997) os Awá-Guajá
utilizam diversas metodologias de caça, podendo
ser diurnas ou noturnas, com equipamentos
tradicionais (arcos e lanças) e modernos (armas
de fogo e lanternas).
Ao Awá-Guaja se utilizaram da técnica de
Takaya para a caça de aves (FORLINE, 1997),
que envolve uma camuflagem de folhas de
palmeira de babaçu instalada próximo de árvores
frutíferas. O método consiste na caça de espera,
em que o caçador camuflado em seu interior
deixa uma isca perto da Takaya para que os
animais se aproximem e, então, disparam flechas
sem sair do esconderijo (POLITIS et al. 2013).
Segundo Forline (1997) as aves,
principalmente tucanos, era a principal caça
durante a época chuvosa para consumo e
alimentação. Forline (op.cit.) e González-Ruibal
et al. (2013) também comentaram sobre a
utilização das penas destes animais para
cerimônias e rituais religiosos.
RESULTADOS
A família Ramphastidae, representada
pelos tucanos, araçaris, saripocas e tucaninhos,
são aves que habitam a região Neotropical das
Américas. A família inclui cinco gêneros;
Aulacorhynchus Gould 1835, Andigena Gould
1851, Pteroglossus Illiger 1811, Selenidera
Gould 1837 e Ramphastos Linnaeus 1758 .
Os tucanos são aves típicas de florestas
primárias, vivem em pequenos bandos e fazem
ninhos em cavidades em troncos realizadas por
outros animais. A principal característica é o bico
muito leve, colorido e alongado, que por vezes
representa metade do tamanho corporal
(SHORT; HORNE, 2001).
Segundo Oren e Roma (2011) a região
amazônica do Estado do Maranhão possui duas
espécies de tucanos; Ramphastos vitellinus
Lichtenstein, 1823 e Ramphastos tucanus
Linnaeus 1758, três de araçari; Pteroglossus
aracari Linnaeus 1758, Pteroglossus inscriptus
Swainson, 1822, Pteroglossus bitorquatus
Vigors 1826, e uma de saripoca, Selenidera
gouldii Natterer, 1837. Todos são típicos das
copas de árvores de florestas úmidas, tanto em
seu interior quanto nas bordas de matas. Vive em
bandos de tamanhos variáveis e todas as espécies
são simpátricas.
O material ósseo recuperado é constituído
principalmente por bicos (maxila e mandíbula) e
ossos apendiculares. Os bicos representam a
parte anatômica que permitiu identificar os
espécimes, porém, apesar do pouco tempo de
exposição (máximo de quatro anos), a maioria
perdeu consistência, coloração original e o brilho
característico de diversas espécies desta família,
dificultando a identificação de espécies (Fig. 2A-
B). No entanto foi possível identificar alguns
espécimes a partir de algumas marcas residuais
de coloração (Fig. 2C-F).
Maxilas originalmente escuras ou pretas
como as de Ramphastos vitellinus e Ramphastos
tucanus perderam a coloração e tornaram-se
amarronzadas, porém um dos exemplares
coletados manteve a marca de coloração mais
clara próximo da articulação, que originalmente
deveria ser amarelada (figs. 2C-D) como as
encontradas nestas espécies de Ramphastos,
podendo ser associado com cautela a este gênero.
A espécie Pteroglossus bitorquatus
(araçari de pescoço vermelho) foi registrada na
Coleção Guajá baseada em duas mandíbulas que
preservaram a cor original exclusiva dessa
espécie de Ramphastidae. Existem três
subespécies de P. bitorquatus, porém duas, P. b.
bitorquatus e P. b. reichenowi são caracterizadas
pela faixa branca na base da mandíbula, como
observadas nas figuras 2E-2F. No entanto,
segundo Czaban (2015) e Brito (2016), a
diferença entre ambas é um colar amarelo
presente apenas em P. b. bitorquatus,
característica que não foi preservada e por isso
optou-se por não diferenciar nesse nível
taxonômico.
Figura 2 – Vistas laterais de maxilas e mandíbulas de Ramphastidae da Coleção Guajá. A-B e D) maxilas de
Ramphastidae indeterminados muito desgastados; C) maxila de Phamphastos sp.; E-F) mandíbulas de Pteroglossus
bitorquatus.
Havia sido registrada a captura pelos Awá-
Guaja, as espécies Ramphastos vitellinus e
Ramphastos tucanus, tanto para consumo quanto
para atividades ritualísticas por Forline (1997).
Segundo González-Ruibal et al. (2013) as penas
da cabeça de R. vitellinus são valorizadas pela
cultura Awá. Isso sugere que a comunidade
poderia ter preferência por determinadas espécies
de tucanos para finalidades ritualísticas.
No entanto a ocorrência de Pteroglossus
bitorquatus indica que os Awá-Guajá, do final
dos anos de 1980, não recusavam alguns outros
tipos de Ramphastidae e que outras espécies
também eram capturadas.
AGRADECIMENTOS
Agradeço aos doutores Renato Kipnis e
Helder Queiroz por terem coletado o material de
estudo. Agradecimento especial a Profa. Dr.a
Maria Mercedes Martinez Okumura responsável
pelo Laboratório de Estudos Evolutivos
Humanos do Instituto de Biociências, onde a
coleção osteológica Guajá está depositada.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BRITO, M. B. Pteroglossus bitorquatus Vigors,
1826. Wiki Aves. A Enciclopédia das Aves do
Brasil. 2016. Disponível em:
<http://www.wikiaves.com/2204712> Acesso
em: 03 Jun 2020.
CHAHUD, A. Uma coleção osteológica de
roedores derivada de atividades de caça da
Sociedade Awá-Guajá do estado do Maranhão.
Acta Biológica Catarinense, 2019. v. 6, n. 4, p.
83-94.
CZABAN, R. E. Pteroglossus
bitorquatus Vigors, 1826. Wiki Aves - A
Enciclopédia das Aves do Brasil. 2015.
Disponível em:
<http://www.wikiaves.com/1700547> Acesso
em: 03 de junho de 2020
FORLINE, L. C. The persistence and cultural
transformation of the Awá-Guajá indians:
foragers of Maranhão state, Brazil. Tese de
Doutorado. University of Florida, Gainesville.
1997. 336p.
GONZÁLEZ-RUIBAL, A.; HERNANDO
GONZALO, A.; POLITIS, G. 2013. Ontologia
da pessoa e cultura material: manufatura de
flechas entre os caçadores-coletores Awá. In:
HERNANDO, A.; COELHO, E. M. B.
(Eds.). Estudos sobre os Awá: caçadores-
coletores em transição. EDUFMA: p. 91–130.
OREN, D. C.; ROMA, J. C. Composição e
vulnerabilidade da avifauna da Amazônia
Maranhense, Brasil. In: MARTINS M. B.;
OLIVEIRA, T. G. (Eds) Amazônia Maranhense
- diversidade e conservação. Belém: Museu
Paraense Emılio Goeldi, 2011. p. 221-248.
POLITIS, G. et al. 2013. Quarenta e oito saídas:
etno-arqueologia das saídas diárias de forrageio
dos Awá. In: Hernando, A., & Coelho, E. M. B.
(Eds.). Estudos sobre os Awá: caçadores-
coletores em transição. EDUFMA: p. 155–185.
PRADO, H.M.; FORLINE L.P.; KIPNIS. R.
Hunting practices among the Awá-Guajá:
towards a long-term analysis of sustainability in
an Amazonian indigenous community. Boletim
do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências.
Humanas, Belém, 2012. v. 7. n. 2. p. 479-491.
QUEIROZ, H. L.; KIPNIS. R. Os índios Guajá e
os primatas da Amazônia maranhense: um caso
de sustentabilidade de caça. A Primatologia no
Brasil. 1990. v 5. p. 81-94.
SHORT, L.; HORNE, J. F. Toucans, barbets, and
honeyguides: Ramphastidae, Capitonidae and
Indicatoridae. Oxford University Press. 2001.
______________________________________
*Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos,
Departamento de Genética e Biologia
Evolutiva, Instituto de Biociências,
Universidade de São Paulo, Rua do Matão
277, São Paulo, SP 05508-090, Brasil.
*E-mail: arturchahud@yahoo.com
*ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7690-
3132
50

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)João Felix
 
Apresentação Sala de recurso
Apresentação Sala de recursoApresentação Sala de recurso
Apresentação Sala de recursoMara Almeida
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasAndré Girão
 
Características básicas e o risco de extinção de quatro animais
Características básicas e o risco de extinção de quatro animaisCaracterísticas básicas e o risco de extinção de quatro animais
Características básicas e o risco de extinção de quatro animaisConceição Áquila
 
Animais Marinhos
Animais MarinhosAnimais Marinhos
Animais Marinhosrebeldes
 
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do Marreco
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do MarrecoUma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do Marreco
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do MarrecoJoão Felix
 
Metodologia em levantamentos de fauna
Metodologia em levantamentos de faunaMetodologia em levantamentos de fauna
Metodologia em levantamentos de faunaSilvio Xavier
 
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano B
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano BExposição Animais do Pantanal - 2º ano B
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano BCelinhabortolozo
 
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.Tiago Lazzaretti
 
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010ruingomes
 
Projeto pantanal
Projeto pantanalProjeto pantanal
Projeto pantanalglauciaal
 
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano A
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano AExposição - Animais do pantanal - 2º ano A
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano ACelinhabortolozo
 

Mais procurados (20)

Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
 
Apresentação Sala de recurso
Apresentação Sala de recursoApresentação Sala de recurso
Apresentação Sala de recurso
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
 
Características básicas e o risco de extinção de quatro animais
Características básicas e o risco de extinção de quatro animaisCaracterísticas básicas e o risco de extinção de quatro animais
Características básicas e o risco de extinção de quatro animais
 
Animais em extinção - 3º Ano
Animais em extinção - 3º AnoAnimais em extinção - 3º Ano
Animais em extinção - 3º Ano
 
Armas germes e aço cap 9
Armas germes e aço cap 9Armas germes e aço cap 9
Armas germes e aço cap 9
 
Animais Marinhos
Animais MarinhosAnimais Marinhos
Animais Marinhos
 
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do Marreco
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do MarrecoUma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do Marreco
Uma Abordagem Sobre a Origem do Pato e do Marreco
 
Metodologia em levantamentos de fauna
Metodologia em levantamentos de faunaMetodologia em levantamentos de fauna
Metodologia em levantamentos de fauna
 
Herpetologia
HerpetologiaHerpetologia
Herpetologia
 
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano B
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano BExposição Animais do Pantanal - 2º ano B
Exposição Animais do Pantanal - 2º ano B
 
Animais Marinhos
Animais MarinhosAnimais Marinhos
Animais Marinhos
 
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.
Métodos de pesquisa para levantamento da fauna silvestre: teoria e prática.
 
Familia myrtacea
Familia myrtaceaFamilia myrtacea
Familia myrtacea
 
pdf test
pdf testpdf test
pdf test
 
Red River test 2
Red River test 2Red River test 2
Red River test 2
 
test 3
test 3test 3
test 3
 
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
 
Projeto pantanal
Projeto pantanalProjeto pantanal
Projeto pantanal
 
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano A
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano AExposição - Animais do pantanal - 2º ano A
Exposição - Animais do pantanal - 2º ano A
 

Semelhante a Artigo bioterra v21_n1_05

Novas aves da amazonia pdf (1)
Novas aves da amazonia pdf (1)Novas aves da amazonia pdf (1)
Novas aves da amazonia pdf (1)Paranapiacaba
 
Artigo sobre periquito invasor
Artigo sobre periquito invasorArtigo sobre periquito invasor
Artigo sobre periquito invasorvfalcao
 
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunes
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunesAnálise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunes
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunesCarlos Alberto Monteiro
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]flonanegreiros
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Paulo Corrêa
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Paulo Corrêa
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]flonanegreiros
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)guest599576
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do LabelLabel-ha
 
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amareloPrévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amareloRural Pecuária
 
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...Label-ha
 

Semelhante a Artigo bioterra v21_n1_05 (20)

Artigo bioterra v20_n1_04
Artigo bioterra v20_n1_04Artigo bioterra v20_n1_04
Artigo bioterra v20_n1_04
 
Artigo_Bioterra_V23_N1_09
Artigo_Bioterra_V23_N1_09Artigo_Bioterra_V23_N1_09
Artigo_Bioterra_V23_N1_09
 
18
1818
18
 
Novas aves da amazonia pdf (1)
Novas aves da amazonia pdf (1)Novas aves da amazonia pdf (1)
Novas aves da amazonia pdf (1)
 
Artigo bioterra v21_n2_05
Artigo bioterra v21_n2_05Artigo bioterra v21_n2_05
Artigo bioterra v21_n2_05
 
Ornitologia Básica
Ornitologia Básica Ornitologia Básica
Ornitologia Básica
 
Artigo sobre periquito invasor
Artigo sobre periquito invasorArtigo sobre periquito invasor
Artigo sobre periquito invasor
 
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunes
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunesAnálise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunes
Análise das principais espécies de Scolytidae na Amazônia - Eli nunes
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 
Aves negreiros
Aves negreiros Aves negreiros
Aves negreiros
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
 
Projeto i. rachovii (met. cientifica)
Projeto i. rachovii (met. cientifica)Projeto i. rachovii (met. cientifica)
Projeto i. rachovii (met. cientifica)
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do Label
 
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amareloPrévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
Prévias de estudos em nutrição e alimentação do lambari-do-rabo-amarelo
 
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Último

84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 

Último (7)

84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 

Artigo bioterra v21_n1_05

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 21 - Número 1 - 1º Semestre 2021 PRESENÇA DE RAMPHASTIDAE VIGORS, 1825 DERIVADO DE ATIVIDADE DE CAÇA DA SOCIEDADE AWÁ-GUAJÁ DO ESTADO DO MARANHÃO Artur Chahud* RESUMO A Sociedade Etnográfica Awá-Guajá, um dos últimos povos de caçadores coletores da Amazônia, possui grande envolvimento com a fauna de vertebrados, tanto para consumo quanto para atividades ritualísticas. Uma coleção osteológica recuperada de depósitos de descarte contém significativa diversidade faunística. As aves estão entre os principais grupos encontrados, destes os Ramphastidae são os mais abunadantes. O objetivo desta contribuição é divulgar a presença desta família. Foram reconhecidos o gênero Ramphastos e a espécie Pteroglossus bitorquatus, porém, devido a preservação fragmentada do material, é possível que ocorram outras espécies típicas da região amazônica do Maranhão. Palavras-chave: Amazônia, Tucano, Araçari, Aves, Anatomia. PRESENCE OF RAMPHASTIDAE VIGORS, 1825 DERIVED FROM HUNTING ACTIVITIES OF THE AWÁ-GUAJÁ SOCIETY OF THE STATE OF MARANHÃO, BRAZIL ABSTRACT The Awá-Guajá Ethnographic Society, one of the last hunter-gatherer peoples in the Amazon, has great involvement with the vertebrate fauna, both for consumption and for ritualistic activities. An osteological collection recovered from disposal deposits contains significant fauna diversity. Birds are among the main groups found and the Ramphastidae are the most abundant. The purpose of this contribution is to disclose the presence of this family. The genus Ramphastos and the species Pteroglossus bitorquatus were recognized, however, due to the fragmentation of the material, it is possible that other species typical of the Amazon region of Maranhão may occur. Keywords: Amazon, Toucan, Aracari, Birds, Anatomy. 46
  • 2. INTRODUÇÃO Os Awá-Guajá representam um dos últimos povos caçadores e coletores que, atualmente, vivem em reservas indígenas localizadas no noroeste do Estado do Maranhão, distribuídas em três Terras Indígenas; Alto Turiaçu (530.525 ha), Caru (172.667 ha) e Awá (118.000 ha). A “Coleção Etnográfica Guajá” é uma coleção de remanescentes faunísticos oriundas de escavação ao redor do acampamento indígena da Reserva Caru, acumuladas ao longo de três anos, entre 1987 e 1990 (QUEIROZ; KIPNIS, 1990). Apesar de sua riqueza e abundância em material osteológico de diversos grupos zoológicos, possui poucos trabalhos realizados (QUEIROZ; KIPNIS, 1990; PRADO, 2007; PRADO et al. 2012; CHAHUD, 2019), havendo, portanto, vasto potencial para análise ecológica, zoológica e antropológica. O material osteológico recuperado inclui grande quantidade de restos de aves, que fizeram parte da dieta e de atividades ritualísticas da comunidade Awá-Guajá. O objetivo desta contribuição é a apresentação do material de Ramphastidae, com breves comentários. MATERIAL E MÉTODOS O material osteológico refere-se ao consumo dos índios da comunidade Awá-Guajá da Reserva Indígena Caru, localizada as margens do Rio Pindaré no estado do Maranhão (Figura 1). A coleta foi realizada durante os meses mais secos do ano de 1990 por Queiroz e Kipnis (1990). Todo material faunístico estava em superfície ou enterrado em um tipo de lixeira feita pelos Guajá nas proximidades de suas habitações e locais de preparo. Figura 1 – Localização das comunidades indígenas Awá-Guajá, Reserva Indígena Caru, de onde provém o material de estudo, no estado do Maranhão. Adaptado de Prado et al. 2012. A Coleção etnográfica Guajá inclui milhares de ossos de mamíferos, répteis, aves e peixes, que estão depositados e catalogados no Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (LEEH-IB-USP).
  • 3. AVES NA CULTURA AWÁ-GUAJÁ Segundo Forline (1997) os Awá-Guajá utilizam diversas metodologias de caça, podendo ser diurnas ou noturnas, com equipamentos tradicionais (arcos e lanças) e modernos (armas de fogo e lanternas). Ao Awá-Guaja se utilizaram da técnica de Takaya para a caça de aves (FORLINE, 1997), que envolve uma camuflagem de folhas de palmeira de babaçu instalada próximo de árvores frutíferas. O método consiste na caça de espera, em que o caçador camuflado em seu interior deixa uma isca perto da Takaya para que os animais se aproximem e, então, disparam flechas sem sair do esconderijo (POLITIS et al. 2013). Segundo Forline (1997) as aves, principalmente tucanos, era a principal caça durante a época chuvosa para consumo e alimentação. Forline (op.cit.) e González-Ruibal et al. (2013) também comentaram sobre a utilização das penas destes animais para cerimônias e rituais religiosos. RESULTADOS A família Ramphastidae, representada pelos tucanos, araçaris, saripocas e tucaninhos, são aves que habitam a região Neotropical das Américas. A família inclui cinco gêneros; Aulacorhynchus Gould 1835, Andigena Gould 1851, Pteroglossus Illiger 1811, Selenidera Gould 1837 e Ramphastos Linnaeus 1758 . Os tucanos são aves típicas de florestas primárias, vivem em pequenos bandos e fazem ninhos em cavidades em troncos realizadas por outros animais. A principal característica é o bico muito leve, colorido e alongado, que por vezes representa metade do tamanho corporal (SHORT; HORNE, 2001). Segundo Oren e Roma (2011) a região amazônica do Estado do Maranhão possui duas espécies de tucanos; Ramphastos vitellinus Lichtenstein, 1823 e Ramphastos tucanus Linnaeus 1758, três de araçari; Pteroglossus aracari Linnaeus 1758, Pteroglossus inscriptus Swainson, 1822, Pteroglossus bitorquatus Vigors 1826, e uma de saripoca, Selenidera gouldii Natterer, 1837. Todos são típicos das copas de árvores de florestas úmidas, tanto em seu interior quanto nas bordas de matas. Vive em bandos de tamanhos variáveis e todas as espécies são simpátricas. O material ósseo recuperado é constituído principalmente por bicos (maxila e mandíbula) e ossos apendiculares. Os bicos representam a parte anatômica que permitiu identificar os espécimes, porém, apesar do pouco tempo de exposição (máximo de quatro anos), a maioria perdeu consistência, coloração original e o brilho característico de diversas espécies desta família, dificultando a identificação de espécies (Fig. 2A- B). No entanto foi possível identificar alguns espécimes a partir de algumas marcas residuais de coloração (Fig. 2C-F). Maxilas originalmente escuras ou pretas como as de Ramphastos vitellinus e Ramphastos tucanus perderam a coloração e tornaram-se amarronzadas, porém um dos exemplares coletados manteve a marca de coloração mais clara próximo da articulação, que originalmente deveria ser amarelada (figs. 2C-D) como as encontradas nestas espécies de Ramphastos, podendo ser associado com cautela a este gênero. A espécie Pteroglossus bitorquatus (araçari de pescoço vermelho) foi registrada na Coleção Guajá baseada em duas mandíbulas que preservaram a cor original exclusiva dessa espécie de Ramphastidae. Existem três subespécies de P. bitorquatus, porém duas, P. b. bitorquatus e P. b. reichenowi são caracterizadas pela faixa branca na base da mandíbula, como observadas nas figuras 2E-2F. No entanto, segundo Czaban (2015) e Brito (2016), a diferença entre ambas é um colar amarelo presente apenas em P. b. bitorquatus, característica que não foi preservada e por isso optou-se por não diferenciar nesse nível taxonômico.
  • 4. Figura 2 – Vistas laterais de maxilas e mandíbulas de Ramphastidae da Coleção Guajá. A-B e D) maxilas de Ramphastidae indeterminados muito desgastados; C) maxila de Phamphastos sp.; E-F) mandíbulas de Pteroglossus bitorquatus. Havia sido registrada a captura pelos Awá- Guaja, as espécies Ramphastos vitellinus e Ramphastos tucanus, tanto para consumo quanto para atividades ritualísticas por Forline (1997). Segundo González-Ruibal et al. (2013) as penas da cabeça de R. vitellinus são valorizadas pela cultura Awá. Isso sugere que a comunidade poderia ter preferência por determinadas espécies de tucanos para finalidades ritualísticas. No entanto a ocorrência de Pteroglossus bitorquatus indica que os Awá-Guajá, do final dos anos de 1980, não recusavam alguns outros tipos de Ramphastidae e que outras espécies também eram capturadas. AGRADECIMENTOS Agradeço aos doutores Renato Kipnis e Helder Queiroz por terem coletado o material de estudo. Agradecimento especial a Profa. Dr.a Maria Mercedes Martinez Okumura responsável pelo Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Instituto de Biociências, onde a coleção osteológica Guajá está depositada. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRITO, M. B. Pteroglossus bitorquatus Vigors, 1826. Wiki Aves. A Enciclopédia das Aves do Brasil. 2016. Disponível em: <http://www.wikiaves.com/2204712> Acesso em: 03 Jun 2020. CHAHUD, A. Uma coleção osteológica de roedores derivada de atividades de caça da Sociedade Awá-Guajá do estado do Maranhão. Acta Biológica Catarinense, 2019. v. 6, n. 4, p. 83-94. CZABAN, R. E. Pteroglossus bitorquatus Vigors, 1826. Wiki Aves - A Enciclopédia das Aves do Brasil. 2015. Disponível em: <http://www.wikiaves.com/1700547> Acesso em: 03 de junho de 2020 FORLINE, L. C. The persistence and cultural transformation of the Awá-Guajá indians: foragers of Maranhão state, Brazil. Tese de Doutorado. University of Florida, Gainesville. 1997. 336p. GONZÁLEZ-RUIBAL, A.; HERNANDO GONZALO, A.; POLITIS, G. 2013. Ontologia da pessoa e cultura material: manufatura de flechas entre os caçadores-coletores Awá. In: HERNANDO, A.; COELHO, E. M. B. (Eds.). Estudos sobre os Awá: caçadores- coletores em transição. EDUFMA: p. 91–130. OREN, D. C.; ROMA, J. C. Composição e vulnerabilidade da avifauna da Amazônia Maranhense, Brasil. In: MARTINS M. B.; OLIVEIRA, T. G. (Eds) Amazônia Maranhense
  • 5. - diversidade e conservação. Belém: Museu Paraense Emılio Goeldi, 2011. p. 221-248. POLITIS, G. et al. 2013. Quarenta e oito saídas: etno-arqueologia das saídas diárias de forrageio dos Awá. In: Hernando, A., & Coelho, E. M. B. (Eds.). Estudos sobre os Awá: caçadores- coletores em transição. EDUFMA: p. 155–185. PRADO, H.M.; FORLINE L.P.; KIPNIS. R. Hunting practices among the Awá-Guajá: towards a long-term analysis of sustainability in an Amazonian indigenous community. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências. Humanas, Belém, 2012. v. 7. n. 2. p. 479-491. QUEIROZ, H. L.; KIPNIS. R. Os índios Guajá e os primatas da Amazônia maranhense: um caso de sustentabilidade de caça. A Primatologia no Brasil. 1990. v 5. p. 81-94. SHORT, L.; HORNE, J. F. Toucans, barbets, and honeyguides: Ramphastidae, Capitonidae and Indicatoridae. Oxford University Press. 2001. ______________________________________ *Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos, Departamento de Genética e Biologia Evolutiva, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, Rua do Matão 277, São Paulo, SP 05508-090, Brasil. *E-mail: arturchahud@yahoo.com *ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7690- 3132 50