Guia de Campo - Projeto Rede Asas do Carste

579 visualizações

Publicada em

Guia de Campo - Projeto Rede Asas do Carste

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
148
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guia de Campo - Projeto Rede Asas do Carste

  1. 1. Projeto de Extensão UFMG / SCBH Carste/CBH Velhas Biomonitoramento participativo das aves aquáticas das lagoas da área da UTE do Subcomitê do Carste. Rio das Velhas. Guia de campo ANSERIFORMES Irerê Dendrocygna viduata Asa branca Dendrocygna autumnalis Paula Nóbrega Pato-do-mato Cairina moschata Pato-de-crista Sarkidiornis sylvicola Pé-vermelho Amazonetta brasiliensis Paturi-preta Netta erythrophthalma Marreca-de-bico-roxo Nomonyx dominica Bruno Salaroli Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega José Eugênio Cortes Figueira José de Castro Procópio Leandro Henrique M.S Maguari Ciconia maguari PODICIPEDIFORMES Mergulhão-pequeno Tachybaptus dominicus Mergulhão-caçador Podilymbus podiceps Cabeça-seca Mycteria americana CICONIIFORMES SULIFORMES Biguá Phalacrocorax brasilianus Biguatinga Anhinga anhinga Frederico Pereira Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula NóbregaPaula Nóbrega
  2. 2. Nome Completo do Aluno: ____________________________________________________________________________ Idade:______ Data de Nascimento:___/___/_____ Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino Telefone de Contato: (___) ___________ Em caso de emergência entrar em contato com:______________________________________ Através do telefone: ( ____)_______________ Email:_______________________________________________________________________ Nome no facebook: ______________________ Município onde mora:______________________ Bairro: ______________________________ Escola:___________________________________________________________Série:______ Professor Orientador:___________________________________________________________ Professores Envolvidos: ________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ Disciplinas envolvidas: _________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Voluntários que acompanham o grupo:_____________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Lagoa observada:______________________________________________________________ Coordenadas_________________________________________________________________
  3. 3. COMO PROCEDER EM CAMPO Ÿ Silencio – é primordial para não espantar as aves. Ÿ Caminhe pisando leve e evite pisar em folhas e gravetos que façam ruído. Ÿ Não se aproxime muito para não assustar as aves nem ser atacado. Ÿ Não pegue em animais e insetos, pois podem ser venenosos e transmitir doenças. O mesmo vale para ninhos, ovos, aves e filhotes. Ÿ Fique junto ao seu grupo e ou com sua dupla. Ÿ Não entre no mato sozinho. Ÿ Da natureza só se leva experiência, a memória e a fotografia. Ÿ Não dê comida aos animais – pode adoecê-los ou viciá- los. Ÿ Camufle atrás de arbustos para não assustar os animais e aves. CUIDADOS COM VOCÊ Ÿ Vista calçado fechado, calça e camisa prefe- rencialmente de mangas longas, chapéu ou boné. Use cores discretas, Ÿ Use protetor solar e repelente de inseto. Ÿ Leve uma garrafinha de água e tome pequenos goles de vez em quando. SUGESTÃO DEATIVIDADES E ORGANIZAÇÃO Ÿ Separe os alunos em grupos, subgrupos e em duplas. Ÿ Divida as tarefas decidindo quem ou quais irá anotar, desenhar, fotografar, observar, etc. ATIVIDADES Em campo será importante que os alunos preenchas as “fichas de campo” com o maio número de dados possível para posterior análise e estudos. Ÿ Anote quantas aves foram avistadas. Ÿ Anote quantas espécies diferentes foram vistas. Ÿ Quantos espécimes de cada espécie foram percebidos. Ÿ Descreva as espécies observadas. Esta atividade pode ser feita em campo e complementada por atividade pós-campo com bases nas fotos. Ÿ Faça desenho das aves observadas. Esta atividade pode ser feita em campo e pós-campo com bases nas fotos. Ÿ Fotografe. ATIVIDADES PÓS-CAMPO Ÿ Apurar o numero total de aves avistadas, quantas de cada espécie, quantas espécimes e desenvolva gráficos. Ÿ Desenvolver atividades de identificação e descrição de espécies avistadas. Ÿ Identificar e selecionar fotos. Ÿ Publicar fotos e resultados na página “Rede Asas do Carste” do Facebook. Ÿ Faça concursos de desenhos, fotos e outras atividades artísticas com temáticas das aves, das lagoas e da fisionomia paisagística do carste. SUGESTÃO DEATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. Água Analise a água questionando como está a qualidade, quantidade, profundidade, o ciclo hídrico regional com o ciclo das aves. Se possível realize análise da água. 2.Alimentos Observe os hábitos de alimentação das aves. Tente identificar o que comem e em que local conseguem o alimento: margens da lagoa - dentro ou fora d'água; se no meio em águas rasas ou profundas. Que aves mergulham para alimentar. Pesquise sobre que tipo de alimento cada espécie de ave costuma utilizar, quais as fontes e localização. 3.Acasalamento e nidificação Pesquise sobre os rituais de acasalamento, reprodução, onde e como fazem ninhos e cuidados dos pais com os filhotes. 4. Sons Observe o som do ambiente. Consegue identificar o que ou que ave o produz? Tente gravar. Pesquise na internet sobre cantos de pássaros, pois pode ser auxiliar na identificação dos mesmos. 5. Vegetação Descreva a vegetação do entorno com atenção da que entra em contato com a lagoa e de fora dela. Como é a variedade, s estão floridas ou se tem frutos e sementes. 6. Paisagem Como é a paisagem do entorno. Que características se percebem. Faça uma descrição. 7. Solo Como é o solo do entorno e de dentro da área de inundação da lagoa. Descreva. 8. Fauna Que outros tipos de animais, aves e insetos que você vê. Existe conchas e caramujos, lesmas no fundo da lagoa? Vê insetos aquáticos? Que insetos você identifica na vegetação? Que outros tipos de animais foram vistos? Olhe e fotografe as pegadas e tente identificar com o animal. 9. Mapa Use o mapa para espacializar as lagoas do projeto a relação com as escolas e as áreas urbanas para ensinar noções de cartografia, coordenadas e etc. 10. Patrimônio Organize visitas e pesquisas sobre o patrimônio da região visitas aos parques e museus. INSTRUÇÕES GERAIS ProcópiodeCastro
  4. 4. INTRODUÇÃO E HISTÓRIA Aregião cárstica de Lagoa Santa é considerada o berço da paleontologia, arqueologia e espeleologia no Brasil. Sua elevada densidade de cavernas e abrigos guarda grande quantidade de vestígios da ocupação humana pré- histórica, que incluem painéis rupestres, utensílios e ossadas humanas, a maioria resguardados nas cavernas, abrigos e junto aos paredões rochosos, bem como fósseis da megafauna pleistocênica extinta que incluía mastodontes, tatus, preguiças-gigante e tigres-dente-de- sabre¹. A partir de 1840, foram feitas as primeiras explorações e estudos sistemáticos nas cavernas e abrigos da região, realizadas inicialmente pelo naturalista dinamarquês Peter Lund¹. No início dos anos 1970, a missão arqueológica franco-brasileira chefiada por Annette Laming-Emperaire encontrou na Lapa Vermelha, no município de Pedro Leopoldo, o crânio fossilizado de uma mulher, cuja idade foi estimada em 11.000-11.500 anos. Este crânio, batizado de “Luzia”, é considerado o vestígio humano mais antigo dasAméricas². ARTE RUPESTRE A arte rupestre da região teria sido feita entre 4 há 8.000 anos, essa é caracterizada por formas de animais, como cervídeos, tatus, aves pernaltas e peixes, acompanhados de representações de formas humanas e figuras geométricas. São frequentes cenas de caça e de animais abatidos com lanças³. Esta arte reflete os vários grupos humanos que habitaram a região e são classificados em tradições como a Planalto e Balllet, etc. O CICLO BANDEIRANTE Antigas casas, templos cristãos e fazendas em estilo colonial são atrações e últimos testemunhos de uma história mais recente, como é o caso da Fazenda Jagoara Velha, fundada em 1724, onde se encontram as ruínas da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, de 1786, cuja construção e decoração contou com a participação de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho e a capela4 5, Nossa Senhora do Rosário, citada pelo lendário explorador britânico Richard Burton, que em 1867 passou pela região . Devido à sua importância histórica, cultural e6 biológica, a região foi transformada em área protegida, denominada Área de Proteção Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa, em 1990 .7 A região, por suas características geológicas é uma importante aquífero de águas subterrâneas configurando como área de recarga do rio das Velhas e do rio São Francisco, razão para que o Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas – CBH Velhas, criasse a Unidade Territorial Estratégica do Carste - UTE Carste pela DN01/2011 que cria as UTEs em conformidade com a DN 02/2004 que cria os subcomitês abrindo espaço para a ciação do Subcomitê de Bacia Hidrográfica do Carste – SCBH Carste objetivando a gestão integrada do território com a participação da sociedade civil, dos poderes públicos e dos usuários da água representados pelo setor produtivo. GEOLOGIA, REGIME HIDROLÓGICO A maior parte da área encontra-se inserida nos domínios das rochas carbonáticas, o que leva a denominação de Carste. Uma das peculiaridades dessa área, com relação a outras áreas cársticas, é a predominância de águas subterrâneas com uma grande concentração de lagoas 8temporárias . Com a chegada das chuvas em outubro-novembro, o nível do lençol freático se eleva, aflorando na superfície das depressões cársticas (dolinas, uvalas e poljes ou poliês) que inundam, formando as lagoas temporárias. Quando as chuvas cessam, as lagoas perdem água por evaporação e/ou através de seus sumidouros, secando rápida ou lentamente, conforme suas origens geológicas, áreas e profundidades, altitudes e/ou conexão com outros corpos d'água, como lagoas e riachos. Nessa época seus leitos são cobertos por vegetação rasteira e ervas que logo florescem, formando campos verdejantes que avançam das margens em direção às cotas altimétricas mais baixas. Essas lagoas e seus ciclos anuais de cheias e secas possibilitam a ocorrência de dezenas de espécies de aves aquáticas na região, onde, de outra forma seriam improváveis .8 AS AVES AQUÁTICAS Essas aves se alimentam de peixes, anfíbios, invertebrados aquáticos e/ou terrestres e/ou vegetação aquática, mergulhando dentro d'água ou do ar, caminhando nas margens e/ou sobre macrófitas flutuantes. Lagoas maiores são mais ricas em espécies de aves aquáticas, que também são mais numerosas, comparativamente às menores .8 Em algumas lagoas é possível contabilizar centenas de irerês (Dendrocygna viduata), asas-brancas (D. autumnalis), pés-vermelhos (Amazonetta brasiliensis), pernilongos-de-costa-branca (Himantopus melanurus) e dezenas de frangos-d'água-comum (Gallinula galeata), dentre outros.Ariqueza e a abundância de aves aquáticas aumenta à medida que as lagoas são inundadas, o contrário acontecendo quando as áreas dos seus espelhos d'água diminuem, com o progresso da seca .8 14, O registro de muitas aves migratórias do Hemisfério Norte é antigo sugerindo uma rota migratória que passa nas proximidades da região da APA Carste, cujas lagoas seriam utilizadas como locais de descanso e alimentação, condição que persiste até os dias atuais . O Rio das9 Velhas, que delimita a fronteira leste da APA pode ser um corredor natural para deslocamento dessas aves. Carste de Lagoa Santa: conhecendo suas lagoas e aves Magda dos Santos Rocha José Eugênio Cortes Figueira ProcópiodeCastro
  5. 5. IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DEAVES Para a identificação e o monitoramento das aves é preciso conhecer algumas características desse grupo. As penas são estruturas exclusivas das aves, que além de permitirem o voo, atuam no isolamento térmico necessário à endotermia, propiciam camuflagem e são usadas na exibição sexual voltada para a corte . Os tipos de bicos10 estão relacionados ao tipo de alimento que a ave consome e a maneira como esse é obtido. Os bicos finos e pontiagudos das garças são desenhados para fisgar peixes; marrecas e patos têm bicos achatados e largos para filtrar a água no fundo dos rios e lagos; gaviões e corujas apresentam bicos fortes, curvos e afiados, utilizados para abater e rasgar a carne de suas presas; os beija-flores têm bicos finos e longos, curvos ou retos que são usados para alcançar o néctar no interior das flores; papagaios, periquitos e araras possuem bicos fortes e curtos, capazes de quebrar frutos muito duros; bicos pequenos e grossos como dos sabiás e outros passeriformes são eficientes para dietas a base de sementes e pequenos frutos . Os pés estão adaptados10 para o deslocamento no solo ou na água. Espécies aquáticas têm os seus dedos ligados por membranas interdigitais, que auxiliam na natação, enquanto que dígitos muito longos, como dos jaçanãs, permitem caminhar por cima da vegetação aquática. Aves de solo como os inhambus e macucos possuem pernas curtas e dedos grossos.Aves predadoras, como gaviões, falcões e corujas têm garras fortes e unhas afiadas, utilizadas para capturar e sustentar a presa enquanto se alimentam ou 11carregam-na em voo . O comportamento das aves desperta a curiosidade e 12 13interesse pela sua complexidade e beleza , . Podemos perguntar como determinado comportamento ajusta a espécie ao seu habitat, como é moldado pela busca e tipo de alimento, como é alterado na presença de parceiros sexuais, por que durante o voo formam um 'V', onde e como são construídos os ninhos, de onde vêm as aves que frequentam as lagoas, quando e por que elas chegam e quando partem, etc. Responder a essas perguntas enriquecerá o conhecimento sobre as espécies das aves presente na região, despertando a empatia por elas. Importante ainda é responder a questão sobre quais informações podemos obter ao contar as aves e medir as lagoas? IDENTIFICANDO PÁSSAROS Observadores e estudiosos de aves devem utilizar, quando possível, roupas leves, confortáveis e que permita liberdade de movimentos, com cores discretas para não espantar as aves. Binóculos e lunetas são instrumentos que auxiliam na observação, pois permite aumentar o seu alcance visual, fundamental para a identificação das espécies e/ou observação de seus hábitos. Para a identificação das espécies é preciso avaliar o tamanho da ave, a coloração da plumagem e da sua distribuição pelo corpo, e ainda detalhes como faixas na asa e na cauda, máscara, manchas e estrias, cor do bico, dos pés, dos olhos, a forma do bico, etc., utilizado sempre que possível registro fotográfico e um caderno de campo para anotações e desenhos. REFERÊNCIABIBLIOGRÁFICA 1. CARTELLE, C. Pleistocene mammals of the Cerrado and Caatinga of Brazil. In: Eisenberg, J.F., Redford, K.H. (Eds.), Mammals of the Neotropics. The Central Tropics, vol. 3.The University of Chicago Press, pp. 27 e 46, 1999. 2. PROUS, A., FOGAÇA, E., RIBEIRO, L. Patrimônio arqueológico. In: APA Carste de Lagoa Santa - Patrimônio Espeleológico, Histórico e Cultural. Belo Horizonte, CPRM/IBAMA. 22 p., anexos e mapas. 1998. 3. BAETA, A.L. Os Grafismos Rupestres e suas Unidades Estilísticas no Carste de Lagoa Santa e Serra do Cipó – MG. Tese (Doutorado emArqueologia Brasileira do Museu de Arqueologia e Etnologia) Universidade de São Paulo. 280p. 2011. 4. INSTITUTO TERRAZUL– CULTURA, COMUNICAÇÃO E MEIO AMBIENTE. Relatório de Expedição – Caminhos Antigos das Minas à Bahia. Disponível em: http://www.terrazul.org.br/Caminho7/relatorio.pdf. 2007. 5. CARVALHO E.S. 2014. Fazendas da região cárstica do Rio das Velhas. In-Situ: Informativo do Centro de ArqueologiaAnnette Laming Emperaire, 5: 4. 6. BURTON, R. F. Viagem de Canoa de Sabará ao oceano Atlântico. Editora Itatiaia, 1977. 7. HERRMANN, G., KOHLER, H.C., J.C. DUARTE, CARVALHO, P.G.S. (coord.). Estudo do meio biótico. Belo Horizonte: IBAMA/CPRM vol. II. 92p. 1998. 8. FIGUEIRA, J.E.C., NÓBREGA, P.F.A., AGUIAR, J.A.B., DORNAS, T., LIMA, A.M., DRUMOND, M.A.. New Ramsar Site Proposal - Peter Lund Karst, Minas Gerais State, Brazil. Documento submetido para avaliação pelo Ministério do MeioAmbiente – MMA. 2014. 9. NÓBREGA, P.F.A.,AGUIAR, J.A.B. & FIGUEIRA, J.E.C. First Records of Charadrius semipalmatus, Bonaparte 1825 (Charadriidae) and Gelochelidon nilotica Gmelin 1789 (Sternidae) in the State of Minas Gerais, Brazil. Brazilian Journal of Biology, no prelo. 10. POUGH, F., HARVEY, JANIS, C. M., HEISER, J. B. A vida dos vertebrados, Atheneu Editora, 4º ed. São Paulo, 2008. 11. EFE, M. A. Guia prático do observador de aves. Pro aves. 1999 12. Wikiaves. O comportamento das aves. Disponível em <http://www.wikiaves.com/comportamento>. Acesso em 23 de maio de 2015. 13. DEL-CLARO, K. Comportamento Animal: Uma introdução à ecologia comportamental. Livraria Conceito, Jundiaí – SP, 2004. 14. FIGUEIRA, J.E.C., T. DORNAS, F.A.MOURÃO & M. RODRIGUES 2008. Aves aquáticas das lagoas temporárias do Carste de Lagoa Santa, MG. Cadernos Manuelzão - Edição Especial / Lagoas Cársticas 5: 41-50. ProcópiodeCastro
  6. 6. IDENTIFICANDO E DESCREVENDO AVES Veja no desenho os nomes das partes anatômicas de uma ave para ajudar descrever as aves avistada. Cabeça Bico Olhos Nuca Dorso Asas Cauda Pernas Pés Abdomem Peito Mandíbula Pescoço Garganta Mento Maxilar superior Pileo Fronte Flanco Uropígio Crisso Cocha Tarso Descreva as características de cada parte citando os detalhes como cores, tamanhos e formatos. Consulte na internet formatos de bicos e pés de cada ave para ajudar na identificação. Faça um desenho ave avistada e use a descrição como legenda da observação: Uma dica: comece fazendo a classificação cientifica da ave conforme exemplo: Classificação Científica Reino: Animalia Filo: Chordata Classe: Aves Ordem: Pelecaniformes Família: Ardeidae Gênero: Ardea Espécie: Ardea alba (Linnaeus, 1758) Nome Popular: Garça-branca-grande Exemplos de descrição de aves Exemplo1: Garça-branca-pequena – Egretta thula Garça das mais comuns em todo continente americano, aparece em qualquer parte do país. Pesca em águas abertas interiores e na orla marítima em manguezais, estuários, lagoas e baías costeiras, represas e rios. Em bandos ou a o s p a r e s , p e s c a e m á g u a s r a s a s frequentemente ao lado de outras aves aquáticas. Difere de outras garças brancas pelas pernas negras com pés amarelos. Durante os meses de enchente nos grandes rios amazônicos e do Pantanal, realizam deslocamentos sazonais, tornando-se abundantes em certos locais. Procriam em ninhais ao lado de outras garças e de outras aves aquáticas (Sigrist, 2009). Exemplo 2: Quero-quero – Vanellus chilensis Inconfundível pelo topete nucal, por uma grande área alar (vista da asa aberta) e pela base da cauda branca; provido, no encontro, de um esporão vermelho que permanece oculto sob a plumagem, que é exibido a rivais ou inimigos com um alçar de asa ou durante o vôo, quando se destacam bastante. Vive em banhados e pastagens, onde também nidifica (Sick, 1997). Exemplo 3: Martim-pescador-verde - Chloroceryle amazona Partes superiores verde-metálicas aparecendo frequentemente como um cinza-azulado; colar partindo da base do bico, e partes inferiores brancas (amareladas na fêmea); flancos estriados; macho com área ferrugínea no peito, em oposição a fêmea que tem a região manchada de verde (Sick, 1997).
  7. 7. Exemplos de silhueta, bicos e pés das aves Ordem Silhueta Bico Pé Anseriformes Podicipediformes Ciconiiformes Suliformes Pelecaniformes Gruiformes Charadriiformes Coraciiformes ATIVIDADE Pesquise os bicos e pés das aves na internet, faça desenhos e complete o quadro.
  8. 8. FICHA DE CAMPO Lagoa: Data: / / Ponto fixo: Início: horas ´Termino: horas ESPÉCIE QUANT. COMPORTAMENTO OBSERVAÇÃO TOTAL DE ESPÉCIE:TOTAL DE AVISTAMENTOS
  9. 9. CORACIIFORMES Martim pescador grande Megaceryle torquata Martim pescador pequeno Chloroceryle americana Martim pescador verde Chloroceryle amazona Paula Nóbrega Paula Nóbrega Frederico Pereira RealizaçãoParceiros UFMG Patrocínio CHARADRIIFORMES Batuíra-de-esporão Vanellus cayanus Quero-quero Vanellus chilensis Batuíra-de-coleira Charadrius collaris Pernilongo-de-costas-negras Himantopus mexicanus Batuiruçu Pluvialis dominica Batuíra-de-bando Charadrius semipalmatus Pernilongo-de-costas-brancas Himantopus melanurus Narceja Gallinago paraguaiae Maçarico-solitário Tringa solitaria Maçarico-de-colete Calidris melanotos Maçarico-grande-de-perna-amarela Tringa melanoleuca Maçarico-de-perna-amarela Tringa flavipes Jaçanã Jacana jacana Trinta-réis-anão Sternula superciliaris Trinta-réis-de-bico-preto Gelochelidon nilotica Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula NóbregaPaula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Leandro Silva Frederico Pereira Mario Candeias Frederico Pereira Anselmo D'Affonseca Matheus Nascimento Coordenação: SCBH Carste: Daniel Duarte; SCBH Carste/Rib. da Mata/Manuelzão: José de Castro Procópio; Biologia Geral ICB/UFMG: José Eugênio Côrtes Figueira, Leandro Herinque M. S.; CBH Rio das Velhas: Derza Nogueira, Gisele Sales; Prefeitura Confins: Maria Auxiliadora Silva Lopes; Ong Lagoa Viva: Conceição Lima Lopes. Escolas Participantes: Confins: E.M. de Tavares - E.M. São José; Funilândia: E.E. Aluísio Ferreira de Souza; Lagoa Santa: E.M. Lapinha - E.M. Dr. Lund; Matozinhos: E.E. Felícia Fernandes Campos - E.M. Ester Gomes; Pedro Leopoldo: E.M. Heitor Claudio - E.E. Romero de Carvalho; Prudente de Morais: E.E. Virgílio de Melo Franco - E.M. Jeliomar Brandão.
  10. 10. PELICANIFORMES Socó-boi Tigrisoma lineatums Arapapá Cochlearius cochlearius Savacu Nycticorax nycticorax Socozinho Butorides striata Garça-vaqueira Bubulcus ibis Garça-moura Ardea cocoi Garça-branca-grande Ardea alba Garça-real Pilherodius pileatus Garça-branca-pequena Egretta thula Tapicuru-de-cara-pelada Phimosus infuscatus Curicaca Theristicus caudatus Colhereiro Platalea ajaja Maria-faceira Syrigma sibilatrix GRUIFORMES Carão Aramus guarauna Saracura-três-potes Aramides cajaneus Saracura-do-mato Aramides saracura Sanã-amarela Porzana flaviventer Sanã-carijó Porzana albicollis Saracura-sanã Pardirallus nigricans Frango-d'água-comum Gallinula galeata Frango-d'água-azul Porphyrio martinicus Frango-d'água-pequeno Porphyrio flavirostris Frederico Pereira Mario Candeias Frederico Pereira Procópio de Castro Leandro Silva Bruno Salaroli Frederico Pereira Frederico Pereira Anselmo D'Affonseca Paula Nóbrega Paula NóbregaPaula Nóbrega Paula NóbregaPaula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Paula Nóbrega Frederico Pereira Paula Nóbrega

×