Vascularização da face

14.677 visualizações

Publicada em

Veias e artérias da face.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.677
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
460
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Boa noite a todos. Prosseguindo o ciclo de seminários promovido pela Lacom, eu, Priscila Freitas, acadêmica do 8 período darei início ao trabalho cujo título é vascularização Sanguínea da Face.
  • Antes de falar sobre a irrigação sanguínea da face, é importante relembrarmos a função dos vasos sanguíneos. Os vasos sanguíneos constituem uma rede fechada de tubos ou canais, pelos quais circula o sangue. Os vasos incluem as veias, artérias e os capilares sanguíneos. As veias levam do coração o sangue vindo do corpo, ou seja, levam ao coração o sangue que já sofreu trocas com os tecidos, suas paredes são mais finas que a das artérias, e o sangue em seu interior circula com menos tensão. O número de veias é superior ao número de artérias, não só porque frequentemente existem duas veias para cada artéria, mas também pela existencia de veias superciais as quais não correspondem artérias. Já as artérias levam o sangue do coração aos tecidos, elas possuem elasticidade, tem parede mais espessa, e apresentam maior tensão em seu interior. Os capilares são vasos microscópicos interpostos entre as artérias e veias, neles se processam as trocas de sangue entre os tecidos.
  • Antes de falar sobre a irrigação sanguínea da face, é importante relembrarmos a função dos vasos sanguíneos. Os vasos sanguíneos constituem uma rede fechada de tubos ou canais, pelos quais circula o sangue. Os vasos incluem as veias, artérias e os capilares sanguíneos. As veias levam do coração o sangue vindo do corpo, ou seja, levam ao coração o sangue que já sofreu trocas com os tecidos, suas paredes são mais finas que a das artérias, e o sangue em seu interior circula com menos tensão. O número de veias é superior ao número de artérias, não só porque frequentemente existem duas veias para cada artéria, mas também pela existencia de veias superciais as quais não correspondem artérias. Já as artérias levam o sangue do coração aos tecidos, elas possuem elasticidade, tem parede mais espessa, e apresentam maior tensão em seu interior. Os capilares são vasos microscópicos interpostos entre as artérias e veias, neles se processam as trocas de sangue entre os tecidos.
  • Antes de falar sobre a irrigação sanguínea da face, é importante relembrarmos a função dos vasos sanguíneos. Os vasos sanguíneos constituem uma rede fechada de tubos ou canais, pelos quais circula o sangue. Os vasos incluem as veias, artérias e os capilares sanguíneos. As veias levam do coração o sangue vindo do corpo, ou seja, levam ao coração o sangue que já sofreu trocas com os tecidos, suas paredes são mais finas que a das artérias, e o sangue em seu interior circula com menos tensão. O número de veias é superior ao número de artérias, não só porque frequentemente existem duas veias para cada artéria, mas também pela existencia de veias superciais as quais não correspondem artérias. Já as artérias levam o sangue do coração aos tecidos, elas possuem elasticidade, tem parede mais espessa, e apresentam maior tensão em seu interior. Os capilares são vasos microscópicos interpostos entre as artérias e veias, neles se processam as trocas de sangue entre os tecidos.
  • O sistema arterial da cabeça e do pescoço deve-se as artérias carótida comum e vertebral.
  • O sistema arterial da cabeça e do pescoço deve-se as artérias carótida comum e vertebral.
    A carótida comum sobe pelo pescoço bem protegida por músculos e pela bainha carótida. Ao nível da cartilagem tireóide se bifurca em artéria carótida interna e artéria carótida externa.
  • Este esquema evidencia as bifurcações, a. vertebral, artéria carótida comum que se bifurca em carótida externa e carótida interna.
  • As artérias vertebral e a carótida interna penetram no crânio para banhar o encéfalo. A carótida interna no interior do crânio se divide em artéria anterior e média do cérebro.
  • A artéria carótida externa é de maior interesse em odontologia. Pois irriga a maior parte dos tecidos da face, incluindo músculos, glândulas salivares, dentes...
  • O primeiro ramo emitido pela carótida externa é a artéria tireóide superior que irriga a glândula tireóide e a laringe. O segundo ramo, a arteria lingual, é emitido no ápice do corno maior do osso hióide e ela corre encostada ao músculo hioglosso e na lateral do genioglosso até o ápice da lingua.
  • A artéria lingual tbm se ramifica, possui os ramos dorsais e termina no ápice da lingua com a denominação de arteria profunda da lingua, na borda posterior do genioglosso sai a artéria sublingual que irriga a região e a glândula sublingu. A artéria lingual fica mais próxima da margem do que do meio da língua, com anastomose entre a artéria direita e esquerda somente no ápice. Isso significa que se uma incisão sagital mediana, mesmo que profunda for praticada na língua, não seccionará artérias grandes e não causará hemorragia. Já uma incisão transversal, lateral ou oblíqua o resultado será outro.
  • Já vimos que o primeiro ramo da artéria carótida externa é a. tireóide superior, o segundo ramo é a a. lingual e suas ramificações e agora estudaremos o terceiro ramo que é a artéria facial.
  • O terceiro ramo, a artéria facial. Inicia-se perto do ângulo da mandíbula, menos de 1cm acima da origem da artéria lingual. Seus ramos são artéria palatina ascendente que se dirige ao palato mole, outro ramo sulca a gl. Submandibular soltando seus ramos glandulares, ao cruzar a mandíbula emite a artéria submentoniana e a artérias labial inferior e labial superior, estas artérias se anastomosam ao redor da boca formando um círculo arterioso ao redor da rima bucal. O restante da artéria acompanha o sulco nasolabial e termina no ângulo mesial do olho, com o nome de artéria angular.
  • Outros ramos emitidos pela carotida externa são a. occiptal, a auricular posterior, a temporal superficial esta com seus ramos frontal e parietal.
  • O próximo ramo que estudaremos é a a maxilar. Ela é muito importante pq irriga todas as regiões profundas da face e os dentes superiores e inferiores. Surge da carótida externa dentro da parótida. Contorna por trás e por frente o colo da mandíbula, sendo um risco haver injeção intravascular em anestesias tronculares altas.
  • A artéria maxilar fornece ramos para o meato acústico externo, para orelha média e ainda da origem a artéria meníngea média que atravessa o forame espinhoso e penetra no crânio para irrigar a dura-máter e o gânglio trigemial.
  • O ramo seguinte é a artéria alveolar inferior que penetra no forame da mandíbula em companhia do nervo alveolar inferior, antes de penetrar na mandíbula dá origem ao ramo milo-hióideo que percorre a superfecíe do m miloohiodeo,. pequenos ramos saem da artéria alveolar são os ramos dentais e peridentais. O grande ramo colateral da artéria alveolar inferior é a artéria mentoniana que deixa o interior da mandíbula pelo canal e forame mentoniano e irriga os tecidos moles do mento.
  • Os próximos ramos são todos musculares: artéria temporal profunda anterior, artéria profunda posterior, ramos pterigóideos, artéria massetérica e artéria bucal.
  • A artéria alveolar superior posterior destaca-se junto a tuberosidade da maxila. Seus ramos vão irrigar os dentes, tecidos peridentais e osso alveolar. A artéria infra-orbitaria é emitida quase junto com a artéria alveolar superiores anteriores que vascularizam dentes e tecidos perindentais.
  • Dentro da fossa pterigopalatina dá origem a a. palatina descendente que dá origem a arteria palatina maior e arteria palatina menor. Depois de emitir todos esses ramos colaterais, a artéria maxilar muda de nome para artéria esfenopalatina e vai para cavidade nasal.
  • Em um vista por medial, observa-e a artéria palatina descendente e seus ramos a artéria palatina maior e artéria palatina menor. Pra suprir a irrigação da parte posterior do palato duro e palato mole.
  • E artéria esfenopalatina depois de penetra no forame esfenopalatino indo para cavidade nasal, ela percorre o septo nasal e desce pelo forame incisivo para irriga a parte anterior do palato duro.
  • O sangue que as artérias conduzem a cabeça e ao pescoço tem seu retorno garantido por uma série de vasos que podem ser assim agrupados:
  • O sangue que as artérias conduzem a cabeça e ao pescoço tem seu retorno garantido por uma série de vasos que podem ser assim agrupados:
  • Os seios da dura-máter são canais venosos intracanianos, os mais importantes são: seio sagital superior,seio reto, seio transverso, seio sigmóide e seio cavernoso. O seio sagital superior e reto são os responsáveis pela drenagem da maior parte do sangue intracraniano. Originam de cada lado, o seio transverso que se curva para baixo e passa a se chamar seio sigmóide.
  • As veias cerebrais e cerebelares, e as veias diplóicas vertem seu conteúdo nos seios da dura-máter ou nas veias do couro cabeludo. As veias emissárias estabelecem anastomose entre os seios da dura-mater e as veias extra-cranianas.
  • As veias do couro cabeludo estabelecem conexôes em forma de rede entre a pele e os ossos do neurocrânio. Entre elas se destacam
  • Veias superficiais e profundas da face que são de maior interesse em ododntologia
  • As veias do couro cabeludo se comunicam com a v. temporal superficial, esta ao nível do colo da mandíbula recebe uma ou duas veias maxilares cuja união formará a veia retromandibular.
  • Diferente do que ocorre em outras regiões do corpo, a artéria maxilar não está acompanhada por veia acompanhante do seu trajeto bem definido. Ao contrário, seu território de distribuição é drenado por um extenso e complicado emaranhado de veias, que formam o plexo pterigóideo. São confluentes desse plexo as veias dos musculos da mastigação, da cavidade nasal, do palato, veias meníngeas médias e as comunicações com a veia facial e com o seio cavernoso.
  • O plexo pterigóide resolve-se na veia maxilar a qual se une à veia temporal superficial para formar a veia retromandibular. Ao alcançar o ângulo da mandíbula se bifurca em ramo anterior e outro posterior.
  • O ramo anterior da veia retromandibular une-se a veia facial para formar a veia facial comum, esta percorre todo o comprimento da face e aprofunda-se em direção a veia jugular interna
  • O ramo posterior não se aprofunda, reune-se com a veia auricular posterior formando a jugular externa.
  • O arco venoso jugular une o final de uma jugular à outra.
  • É importante ser ressaltado que as disposições venosas nem sempre se repetem nos indivíduos. Pois existem frequentemente variações anatômicas... Essas variações são menos frequente qnd se trata de arterias! O enfoque dado ao trabalho foi dado mais as artérias, pois as veias apesar de mais calibrosas, possuem fluxo lento e se anastomosam bastante, sendo então menos ameaçadas durante as cirurgias.
  • Vascularização da face

    1. 1. FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO Curso de odontologia Setembro/2012
    2. 2. Dangelo
    3. 3. • Vasos calibrosos que distribuem o sangue bombeado pelo coração • São pulsáteis • Suas paredes aguentam grandes pressões • Fluxo do sangue: artérias arteríolas capilares
    4. 4. • São mais delgadas, trazendo o sangue venoso do corpo para o coração • Não pulsáteis • Parede mais fina • Fluxo do sangue: capilares vênulas veias
    5. 5. 5
    6. 6. t A. CARÓTIDA COMUM A. VERTEBRAL Sobotta
    7. 7. ARTÉRIA CARÓTIDA EXTERNA ARTÉRIA CARÓTIDA COMUM ARTÉRIA CARÓTIDA INTERNA A.VERTEBRAL
    8. 8. a. carótida interna a. vertebral Netter
    9. 9. A. Carótida externa Sobotta
    10. 10. A. lingual A. tireóide superior Schünke
    11. 11. a. sublingual ramo dorsais da língua Schünke A. LINGUAL A. Profunda da língua
    12. 12. t A. FACIAL Sobotta
    13. 13. a. palatina ascendente A. FACIAL ramos glandulares a. angular a. labial superior a. labial inferior a. submentual Schünke
    14. 14. a. Temporal superficial a. occiptal a. Auricular posterior Sobotta
    15. 15. a. maxilar Madeira
    16. 16. a. Meníngea média Sobotta Sobotta
    17. 17. a. alveolar inferior ramo milo-hióideo ramos dentais e peridentais a. mentual Netter
    18. 18. a. temporal profunda anterior a. temporal profunda posterior ramos pterigóideos a. massetérica a. bucal Schünke
    19. 19. a. Infraorbitária a. Alveolar superior posterior a. Alveolar superior anterior Madeira
    20. 20. a. Palatina descendente a. esfenopalatina Schünke
    21. 21. a. palatina descendente a. palatina menor a. palatina maior Netter
    22. 22. a. esfenopalatina a. esfenopalatina Netter
    23. 23. 1. Seios da dura-máter 2. Veias cerebrais e cerebelares 3. Veias diplóicas 4. Veias emissárias 5. Veias do couro cabeludo 6. Veias superficiais e profundas da face
    24. 24. 1. Seios da dura-máter 2. Veias cerebrais e cerebelares 3. Veias diplóicas 4. Veias emissárias 5. Veias do couro cabeludo 6. Veias superficiais e profundas da face
    25. 25. Seio sagital superior Seio reto Seio cavernoso Seio sigmóide Seio transverso Google Imagens
    26. 26. 1. Seios da dura-máter 2. Veias cerebrais e cerebelares 3. Veias diplóicas 4. Veias emissárias 5. Veias do couro cabeludo 6. Veias superficiais e profundas da face
    27. 27. 1. Seios da dura-máter 2. Veias cerebrais e cerebelares 3. Veias diplóicas 4. Veias emissárias 5. Veias do couro cabeludo 6. Veias superficiais e profundas da face
    28. 28. v. supraorbitária v. occiptal v. temporal Centrax Atlas
    29. 29. 1. Seios da dura-máter 2. Veias cerebrais e cerebelares 3. Veias diplóicas 4. Veias emissárias 5. Veias do couro cabeludo 6. Veias superficiais e profundas da face
    30. 30. v. Temporal superficial v. maxilar v. retromandibular Madeira
    31. 31. v. maxilar Plexo pterigóideo Madeira
    32. 32. v. retromandibular Ramo anterior Ramo posterior Madeira
    33. 33. v. facial Ramo anterior Madeira Jugular interna
    34. 34. Ramo posterior v. Auricular posterior v. Jugular externa Madeira
    35. 35. Arco venoso Google Imagens

    ×