SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
MODERNIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
O SÉCULO XIX
Professora Mirna
 O século XIX foi marcado pelo
desenvolvimento do conhecimento
científico. A busca por novas
tecnologias, alavancada pela
Revolução Industrial, fez com que os
estudiosos se multiplicassem nas
mais variadas áreas do
conhecimento. Nessa época, várias
academias e associações voltadas
para o “progresso da ciência”
reconheciam a figura dos cientistas e
colocavam os mesmos como
importantes agentes de
transformação social.
CHARLES DARWIN E A ORIGEM DAS ESPÉCIES
 O livro “A Origem das Espécies por
Meio da Seleção Natural” foi publicado
na Inglaterra em 24 de novembro de
1859 e foi escrito pelo naturalista
britânico Charles Darwin. A obra
científica desenvolve a teoria
evolucionista que chamou de “seleção
natural”, que afirma que organismos
com variações genéticas são capazes
de se adaptar ao meio ambiente e
tendem a propagar descendentes
adaptados, o que altera a estrutura
genética geral das espécies.
DARWINISMO SOCIAL
 o chamado “darwinismo social” nasceu desenvolvendo
a ideia de que algumas sociedades e civilizações eram
dotadas de valores que as colocavam em condição
superior às demais.
 observamos que o darwinismo social acabou inspirando
os movimentos nacionalistas, que elaboravam toda uma
justificativa capaz de conferir a superioridade de um
povo ou nação.
 o darwinismo social criou métodos de compreensão da
cultura impregnados de equívocos e preconceitos.
EUGENIA
 O cenário estava armado para
que o primo de Darwin, o
pesquisador britânico Francis
Galton, se apropriasse das
descobertas do naturalista para
desenvolver uma nova ciência.
Seu objetivo: o
aperfeiçoamento da espécie
humana por meio de
casamentos entre os “bem
dotados biologicamente” e o
desenvolvimento de programas
educacionais para a reprodução
consciente de casais
saudáveis. Seu nome: eugenia.
O RACISMO COMO CIÊNCIA
 Arthur de Gobineau é considerado
uma das figuras históricas mais
polêmicas e controversas pelos
seus pensamentos. Ele tornou-se
Ministro da França no Brasil
como eram chamados os
embaixadores a total contragosto,
diga-se de passagem, em 1869.
Alegava que sua nomeação a
esse cargo o obrigava a se
separar da família e de Paris,
além de obrigá-lo a conviver com
uma população mestiça, algo para
ele abominável.
 Gobineau estava inserido nas discussões intelectuais do XIX
acerca das raças humanas. Sua ideia central era defender um
escalonamento racial. Para tanto, ele elaborou uma teoria
classificatória da humanidade, onde a raça ariana ocupava o
topo da hierarquia social. Os miscigenados, por não serem puros
de sangue não teriam ordenação na sua teoria, eles seriam
inclassificáveis pela ambivalência.
 A mestiçagem refutada por Gobineau desumanizava o outro os
mestiços. A esses não havia possibilidade de ocupação na
escala racial, pois não havia como criar critérios para se
classificar, nomear e ordenar com cientificidade, afinado com o
pensamento moderno (SOUSA, 2006, 6).).).
 Partindo desse pressuposto, para Gobineau a mestiçagem criava
um povo degenerado, porque não conserva, nas suas veias, o
mesmo sangue original que sucessivas misturas fizeram,
gradualmente, modificar seu valor; em outras palavras... não tem
conservado a mesma raça dos seus fundadores (GOBINEAU,
1853, 24).
PASTEUR E O FIM DOS MIASMAS
 No início do século XIX, a
maioria dos médicos
acreditava que as doenças
eram provocadas por
miasmas – partículas
invisíveis originárias da
putrefação de animais e
vegetais.
 Com as descobertas de
Louis Pasteur a ciência
médica mudou
radicalmente – elevação
da temperatura e
resfriamento para eliminar
micróbios: pasteurização.
SANEAMENTO E VACINAÇÃO
 Na Idade Contemporânea (1790 até os dias de
hoje), a revolução termodinâmica, possibilitada pela
máquina a vapor, incentivou a aceleração do
processo produtivo, causando um forte impacto
ambiental e socioeconômico. O combate à poluição
das águas se intensificou na França, quando em
1829, foram criadas leis que previam punições com
multa ou prisão para quem atirasse nas águas
produtos que provocassem envenenamento ou
destruição dos peixes.
 Iniciou-se a implantação do saneamento, assim
como sua administração e legislação em conjunto
com outros serviços públicos. Na Inglaterra, os
resíduos industriais foram incluídos na lei britânica
de controle da poluição das águas. Com o
desenvolvimento de grandes centros industriais
iniciou-se um processo de migração das zonas
rurais e os imigrantes passaram a viver em
péssimas condições de habitação e trabalho,
índices de mortalidade e doenças aumentaram de
forma considerável. A cólera levou a óbito 180 mil
pessoas na Europa, e John Snow comprovou a
 Um estudo de Edwin Chadwick em 1842 serviu de base
para o desenvolvimento das relações entre saneamento e
saúde, dando início a medicina preventiva. A visão
higienista tornou-se dominante ao final do século XIX e na
França implantou-se a medicina urbana, que objetiva os
espaços das cidades, disciplinando a localização de
cemitérios e hospitais, arejando as ruas e as construções
públicas. Em 1875, no Brasil, iniciou-se a utilização de
tubos de ferro fundido na adução de águas dos Rios
d´ouro e São Pedro, para abastecimento do Rio de
Janeiro. Em Diamantina, Minas Gerais, construiu-se a
primeira hidroelétrica do País para mineração, em 1883.
Seis anos depois, em Juiz de Fora a primeira hidroelétrica
foi construída para abastecimento público. Em 1893, foi
criada a Repartição de Água e Esgoto da cidade de São
Paulo, com a incapacitação da Cia. Cantareira, empresa
privada responsável pelo abastecimento da cidade.
 Atualmente cerca de um bilhão de pessoas não tem
acesso à água potável no Mundo. A previsão é de que
cerca de dois bilhões de pessoas sofrerão com a
escassez de água potável até meados do século, caso
medidas não sejam adotadas para preservar e recuperar
recursos hídricos. Cerca de 80% das doenças detectadas
no mundo ainda são relacionadas ao controle inadequado
da água e seis mil crianças morrem diariamente devido a
doenças ligadas à água insalubre e a um saneamento e
higiene ineficientes.
NOVOS MEIOS DE TRANSPORTE
 No século XIX surgiram os
dois tipos de transportes
que provocaram mudanças
mais significativas: a
ferrovia e o navio a vapor
proporcionando
encurtamento das
distâncias.
 A Inglaterra se beneficiou
do pioneirismo da técnica e
da condição de maior
produtor de ferro do mundo.
 As carroças e carruagens trafegavam por
estradas de terra muito precárias. Na década
de 1820, MacAdam criou uma técnica: várias
camadas de pedra britada cobertas por
cascalho e comprimidas por uma rolo. Em
sua homenagem foi chamada de macadame.
 No século XVIII apareceu um veículo de
duas rodas movido sem ajuda de animais
denominado celerífero, movimentado pelo
impulso das pernas e andava somente em
linha reta. Na segunda metade do séc. XIX,
o barão Karl Dreis, adaptou uma direção,
passando a chamar-se draisiana. Na década
de 1860 foram acrescentados pedais, freios
e pneus de borracha.
ELETRICIDADE
 No ínicio do século XIX a iluminação era obtida
com um gás obtido do carvão. O problema era
que cada bico de gás era aceso
individualmente.
 Benjamin Franklin descobriu o uso p´ratico para
a eletricidade: o para-raios.
 Aprimorada no séc. XIX a lâmpada elétrica teve
melhor desempenho com Thomas Edison. Em
pouco tempo a iluminação elétrica desbancou a
iluminação a gás.
TELÉGRAFO, TELEFONE, RÁDIO
 1838 Samuel Morse criou um código
transmitido por um fio condutor.
 1876 Alexandre Graham Bell registrou a
patente do telefone.
 1896 Guglielmo Marconi conseguiu transmitir
o som sem necessidade de fios: o rádio
 Essas inovações
mudaram radicalmente
o cotidiano das pessoas.
Estabeleceu-se uma
vida noturna e surgiram
novos espaços de
convívio com a
multiplicação de teatros,
hotéis, cafés.
 O século XIX trouxe o
sucesso da ciência, dos
experimentos, das
invenções, dos
mecanismos
revolucionários.
BIBLIOGRAFIA
 História Ensino Médio – volume 2 Ronaldo
Vainfas e outros. Editora Saraiva.
 Google - pesquisa

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasAlunos IFMA
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1seixasmarianas
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.Alexandre Borges
 
Governo geral e administração colonial
Governo geral e administração colonialGoverno geral e administração colonial
Governo geral e administração colonialerivonaldo
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAlê Maldonado
 
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no Brasil
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no BrasilA Administração colonial Portuguesa Portuguesa no Brasil
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no BrasilJoão Medeiros
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaedna2
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesaIsabel Aguiar
 
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing Fundamentals
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing FundamentalsEnergy Report - Strange Brew: Adapting to Changing Fundamentals
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing FundamentalsMarcellus Drilling News
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkVolker Hirsch
 
How to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your NicheHow to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your NicheLeslie Samuel
 

Destaque (19)

Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
 
I Guerra Mundial - aula 1
I Guerra Mundial -  aula 1I Guerra Mundial -  aula 1
I Guerra Mundial - aula 1
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.
Adnetworks, Adexchanges e a Mídia Programática.
 
Governo geral e administração colonial
Governo geral e administração colonialGoverno geral e administração colonial
Governo geral e administração colonial
 
5 Governo Geral
5 Governo Geral5 Governo Geral
5 Governo Geral
 
Brasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administraçãoBrasil Colônia - administração
Brasil Colônia - administração
 
O Impacto das Novas Tecnologias
O Impacto das Novas TecnologiasO Impacto das Novas Tecnologias
O Impacto das Novas Tecnologias
 
Capitanias Hereditárias
Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias
Capitanias Hereditárias
 
As capitanias hereditárias
As capitanias hereditáriasAs capitanias hereditárias
As capitanias hereditárias
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
 
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no Brasil
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no BrasilA Administração colonial Portuguesa Portuguesa no Brasil
A Administração colonial Portuguesa Portuguesa no Brasil
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
 
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing Fundamentals
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing FundamentalsEnergy Report - Strange Brew: Adapting to Changing Fundamentals
Energy Report - Strange Brew: Adapting to Changing Fundamentals
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
 
Build Features, Not Apps
Build Features, Not AppsBuild Features, Not Apps
Build Features, Not Apps
 
How to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your NicheHow to Become a Thought Leader in Your Niche
How to Become a Thought Leader in Your Niche
 

Semelhante a Revolução Científica e Tecnológica no Século XIX

A saúde ao longo da história
A saúde ao longo da históriaA saúde ao longo da história
A saúde ao longo da histórialena_23
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXBeatrizMarques25
 
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em Portugal
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em PortugalEdgar Rodrigues - História do movimento anarquista em Portugal
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em PortugalJoão Soares
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De HistoriaRui Oliveira
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisVítor Santos
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasCarla Teixeira
 
Com geral 059
Com geral 059Com geral 059
Com geral 059YedaCarla
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismoeduardodemiranda
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxMatildeGonalves23
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017Diogo Santos
 

Semelhante a Revolução Científica e Tecnológica no Século XIX (20)

A saúde ao longo da história
A saúde ao longo da históriaA saúde ao longo da história
A saúde ao longo da história
 
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICOLUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ,TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
 
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
LUZ TREVAS E MÉTODO CIENTÍFICO
 
Historico da ea.
Historico da ea.Historico da ea.
Historico da ea.
 
A roda e a agroecologia
A roda e a agroecologiaA roda e a agroecologia
A roda e a agroecologia
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
 
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em Portugal
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em PortugalEdgar Rodrigues - História do movimento anarquista em Portugal
Edgar Rodrigues - História do movimento anarquista em Portugal
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e DiferençaCapítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
1geo16
1geo161geo16
1geo16
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
Hist doc 8.6
Hist doc 8.6Hist doc 8.6
Hist doc 8.6
 
Cederj – tecbio
Cederj – tecbioCederj – tecbio
Cederj – tecbio
 
A expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequênciasA expansão urbana e suas consequências
A expansão urbana e suas consequências
 
Com geral 059
Com geral 059Com geral 059
Com geral 059
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 2 2014-2017
 

Último

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 

Último (20)

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 

Revolução Científica e Tecnológica no Século XIX

  • 1. MODERNIZAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS O SÉCULO XIX Professora Mirna
  • 2.  O século XIX foi marcado pelo desenvolvimento do conhecimento científico. A busca por novas tecnologias, alavancada pela Revolução Industrial, fez com que os estudiosos se multiplicassem nas mais variadas áreas do conhecimento. Nessa época, várias academias e associações voltadas para o “progresso da ciência” reconheciam a figura dos cientistas e colocavam os mesmos como importantes agentes de transformação social.
  • 3. CHARLES DARWIN E A ORIGEM DAS ESPÉCIES  O livro “A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural” foi publicado na Inglaterra em 24 de novembro de 1859 e foi escrito pelo naturalista britânico Charles Darwin. A obra científica desenvolve a teoria evolucionista que chamou de “seleção natural”, que afirma que organismos com variações genéticas são capazes de se adaptar ao meio ambiente e tendem a propagar descendentes adaptados, o que altera a estrutura genética geral das espécies.
  • 4.
  • 5. DARWINISMO SOCIAL  o chamado “darwinismo social” nasceu desenvolvendo a ideia de que algumas sociedades e civilizações eram dotadas de valores que as colocavam em condição superior às demais.  observamos que o darwinismo social acabou inspirando os movimentos nacionalistas, que elaboravam toda uma justificativa capaz de conferir a superioridade de um povo ou nação.  o darwinismo social criou métodos de compreensão da cultura impregnados de equívocos e preconceitos.
  • 6. EUGENIA  O cenário estava armado para que o primo de Darwin, o pesquisador britânico Francis Galton, se apropriasse das descobertas do naturalista para desenvolver uma nova ciência. Seu objetivo: o aperfeiçoamento da espécie humana por meio de casamentos entre os “bem dotados biologicamente” e o desenvolvimento de programas educacionais para a reprodução consciente de casais saudáveis. Seu nome: eugenia.
  • 7. O RACISMO COMO CIÊNCIA  Arthur de Gobineau é considerado uma das figuras históricas mais polêmicas e controversas pelos seus pensamentos. Ele tornou-se Ministro da França no Brasil como eram chamados os embaixadores a total contragosto, diga-se de passagem, em 1869. Alegava que sua nomeação a esse cargo o obrigava a se separar da família e de Paris, além de obrigá-lo a conviver com uma população mestiça, algo para ele abominável.
  • 8.  Gobineau estava inserido nas discussões intelectuais do XIX acerca das raças humanas. Sua ideia central era defender um escalonamento racial. Para tanto, ele elaborou uma teoria classificatória da humanidade, onde a raça ariana ocupava o topo da hierarquia social. Os miscigenados, por não serem puros de sangue não teriam ordenação na sua teoria, eles seriam inclassificáveis pela ambivalência.  A mestiçagem refutada por Gobineau desumanizava o outro os mestiços. A esses não havia possibilidade de ocupação na escala racial, pois não havia como criar critérios para se classificar, nomear e ordenar com cientificidade, afinado com o pensamento moderno (SOUSA, 2006, 6).).).  Partindo desse pressuposto, para Gobineau a mestiçagem criava um povo degenerado, porque não conserva, nas suas veias, o mesmo sangue original que sucessivas misturas fizeram, gradualmente, modificar seu valor; em outras palavras... não tem conservado a mesma raça dos seus fundadores (GOBINEAU, 1853, 24).
  • 9.
  • 10. PASTEUR E O FIM DOS MIASMAS  No início do século XIX, a maioria dos médicos acreditava que as doenças eram provocadas por miasmas – partículas invisíveis originárias da putrefação de animais e vegetais.  Com as descobertas de Louis Pasteur a ciência médica mudou radicalmente – elevação da temperatura e resfriamento para eliminar micróbios: pasteurização.
  • 11. SANEAMENTO E VACINAÇÃO  Na Idade Contemporânea (1790 até os dias de hoje), a revolução termodinâmica, possibilitada pela máquina a vapor, incentivou a aceleração do processo produtivo, causando um forte impacto ambiental e socioeconômico. O combate à poluição das águas se intensificou na França, quando em 1829, foram criadas leis que previam punições com multa ou prisão para quem atirasse nas águas produtos que provocassem envenenamento ou destruição dos peixes.  Iniciou-se a implantação do saneamento, assim como sua administração e legislação em conjunto com outros serviços públicos. Na Inglaterra, os resíduos industriais foram incluídos na lei britânica de controle da poluição das águas. Com o desenvolvimento de grandes centros industriais iniciou-se um processo de migração das zonas rurais e os imigrantes passaram a viver em péssimas condições de habitação e trabalho, índices de mortalidade e doenças aumentaram de forma considerável. A cólera levou a óbito 180 mil pessoas na Europa, e John Snow comprovou a
  • 12.  Um estudo de Edwin Chadwick em 1842 serviu de base para o desenvolvimento das relações entre saneamento e saúde, dando início a medicina preventiva. A visão higienista tornou-se dominante ao final do século XIX e na França implantou-se a medicina urbana, que objetiva os espaços das cidades, disciplinando a localização de cemitérios e hospitais, arejando as ruas e as construções públicas. Em 1875, no Brasil, iniciou-se a utilização de tubos de ferro fundido na adução de águas dos Rios d´ouro e São Pedro, para abastecimento do Rio de Janeiro. Em Diamantina, Minas Gerais, construiu-se a primeira hidroelétrica do País para mineração, em 1883. Seis anos depois, em Juiz de Fora a primeira hidroelétrica foi construída para abastecimento público. Em 1893, foi criada a Repartição de Água e Esgoto da cidade de São Paulo, com a incapacitação da Cia. Cantareira, empresa privada responsável pelo abastecimento da cidade.  Atualmente cerca de um bilhão de pessoas não tem acesso à água potável no Mundo. A previsão é de que cerca de dois bilhões de pessoas sofrerão com a escassez de água potável até meados do século, caso medidas não sejam adotadas para preservar e recuperar recursos hídricos. Cerca de 80% das doenças detectadas no mundo ainda são relacionadas ao controle inadequado da água e seis mil crianças morrem diariamente devido a doenças ligadas à água insalubre e a um saneamento e higiene ineficientes.
  • 13. NOVOS MEIOS DE TRANSPORTE  No século XIX surgiram os dois tipos de transportes que provocaram mudanças mais significativas: a ferrovia e o navio a vapor proporcionando encurtamento das distâncias.  A Inglaterra se beneficiou do pioneirismo da técnica e da condição de maior produtor de ferro do mundo.
  • 14.  As carroças e carruagens trafegavam por estradas de terra muito precárias. Na década de 1820, MacAdam criou uma técnica: várias camadas de pedra britada cobertas por cascalho e comprimidas por uma rolo. Em sua homenagem foi chamada de macadame.
  • 15.  No século XVIII apareceu um veículo de duas rodas movido sem ajuda de animais denominado celerífero, movimentado pelo impulso das pernas e andava somente em linha reta. Na segunda metade do séc. XIX, o barão Karl Dreis, adaptou uma direção, passando a chamar-se draisiana. Na década de 1860 foram acrescentados pedais, freios e pneus de borracha.
  • 16.
  • 17. ELETRICIDADE  No ínicio do século XIX a iluminação era obtida com um gás obtido do carvão. O problema era que cada bico de gás era aceso individualmente.  Benjamin Franklin descobriu o uso p´ratico para a eletricidade: o para-raios.  Aprimorada no séc. XIX a lâmpada elétrica teve melhor desempenho com Thomas Edison. Em pouco tempo a iluminação elétrica desbancou a iluminação a gás.
  • 18.
  • 19. TELÉGRAFO, TELEFONE, RÁDIO  1838 Samuel Morse criou um código transmitido por um fio condutor.  1876 Alexandre Graham Bell registrou a patente do telefone.  1896 Guglielmo Marconi conseguiu transmitir o som sem necessidade de fios: o rádio
  • 20.
  • 21.  Essas inovações mudaram radicalmente o cotidiano das pessoas. Estabeleceu-se uma vida noturna e surgiram novos espaços de convívio com a multiplicação de teatros, hotéis, cafés.  O século XIX trouxe o sucesso da ciência, dos experimentos, das invenções, dos mecanismos revolucionários.
  • 22. BIBLIOGRAFIA  História Ensino Médio – volume 2 Ronaldo Vainfas e outros. Editora Saraiva.  Google - pesquisa