Industrialização e Imperialismo

1.707 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.707
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Industrialização e Imperialismo

  1. 1. Industrialização e Imperialismo:o mundo a caminho da Primeira Guerra.História Contemporânea | Prof. Eduardo Miranda | 8ª série
  2. 2. IntroduçãoOs avanços tecnológicos da Primeira RevoluçãoIndustrial ficaram quase que exclusivamenterestritos à Inglaterra. Porém, em fins do séculoXIX, os demais países europeus também selançaram ao desenvolvimento industrial. A disputapor poder e riqueza levaram as nações europeiasa uma corrida por novos territórios onde pudessemobter tudo o que necessitavam. Nascia ocapitalismo monopolista e se tornava cada vezmais evidente as diferenças entre países ricos epobres. A luta foi tão intensa que, em meados doséculo XX, o mundo conheceu uma guerra semprecedentes na história.
  3. 3. Segunda Revolução Industrial Desenvolvimento nos meios de transportes Menor intervenção do Estado na economiaDescoberta de novas fontes de energia A descoberta do aço Desenvolvimento da indústria química Expansão industrial a outros países
  4. 4. Segunda Revolução IndustrialMatéria-primaMão de obra barataMercadoconsumidor
  5. 5. Trabalho industrial, exploração e revolta As condições operárias eram as piores possíveis: altas jornadas de trabalho; exploração do trabalho infantil; mão de obra feminina com desigualdade salarial; baixíssimos salários; inexistência dos direitos trabalhistas. Operários trabalhando em condições insalubres na Europa do século XIX.
  6. 6. Trabalho industrial, exploração e revolta Muitas vezes os operários reagiam à exploração nas indústrias; Denúncias e greves passaram a ser comuns; Na Inglaterra, em 1847, foi aprovada a lei que reduzia o trabalho de mulheres e crianças a 10 horas diárias; No mesmo país, foi garantida à população carente albergues, asilos e orfanatos na chamada Lei dos Pobres.
  7. 7. Asmulheres, durante aRevoluçãoIndustrial, começaram um movimentoorganizado ondedenunciavam aexploraçãotrabalhista e lutavampor seusdireitos, sobretudo aigualdade entre ossexos.
  8. 8. A moça de elite: educação e romantismo para quem não trabalhava..."Uma moça típica da classe média do período erabem educada, tocava piano e cantava. Algumascostumavam escrever poemas e pintar. O erotismoraramente fazia parte do universo de um moçadessa época e dessa condição social, ou pelomenos era raramente confessado. Elas faziamlongos passeios românticos e mantinham diálogoscom seus pretendentes, mas tudo muitocomedido. Essas moças costumavam manterdiários, onde encontramos confissões de seusdesejos e até de suas preocupações quanto aocorpo, com declarações sobre a indesejada perdade peso. A magreza não era bem vista na épocadevido a associação da mesma com atuberculose, doença comum do período."
  9. 9. Aumento populacional e movimento migratório As novas técnicas agrícolas, surgidas com o desenvolvimento industrial, garantiram maior produção de alimento; Também houve avanço nos campos da medicina e da higiene, reduzindo as mortes por doenças contagiosas; O crescimento das cidades se tornou um atrativo à população desempregada ou que vivia em condições precárias no campo. Aumento populacional
  10. 10.  Assim como era necessário aumentar a mão de obra e o mercado consumidor e conquistar mais matérias-prima, também era uma necessidade ter mais espaço, mais comida para uma população que só aumentava. Os locais encontrados pelos países europeus para suprir essas necessidades foram os continentes africano e asiático.
  11. 11. Por que África e Ásia? Colocar África e Ásia na área de expansão do capitalismo significava, para as nações europeias, novas oportunidades de investimento dos lucros obtidos e garantia de suprimento de petróleo, ferro e cobre para suas indústrias.
  12. 12. Por que África e Ásia? Por outro lado, especialmente na África, foram descobertos diamantes, ouro e cobre; Na Ásia, as especiarias, como o ópio, eram muito valorizadas no mercado europeus.
  13. 13. A partilha da África A partilha da África começou quando o rei belga, Leopoldo II, conseguiu um grande domínio no Congo. Sob o pretexto de desenvolver a região, ele explorava os recursos naturais em favor da industrialização de seu país. Essa atitude do rei belga levou outras nações africanas a querer ter para si domínios naquele continente. A Conferência de Berlim (1884-85) selou a partilha da África entre os países interessados. A rivalidade entre os países europeus levou à intensa exploração dos africanos que, mesmo tentando lutar, não tinham como competir com a
  14. 14. A dominação na Ásia Inglaterra e França saíram na frente ao dominar rotas importantes de comércio no Oriente. Na Índia, que tentou se revoltar contra os ingleses, o tecido e o ópio foram artigos que ajudaram a enriquecer a Grã-Bretanha. Após dominar a Índia, chegaram à China, contrabandeando ópio. O império chinês reagiu e a Inglaterra revisou com a chamada Guerra do Ópio (1840-1842). Nesta guerra, a China perde o o controle de Hong Kong para os ingleses.
  15. 15. À guisa de conclusão A Revolução Industrial do século XIX garantiuinúmeros inventos que ora melhoraram orapioraram a vida das pessoas comuns. O avançonos meios de transportes deixaram o mundomenor; na medicina, mais vidas puderam sersalvas; na agricultura, mais alimento para umapopulação que crescia; na cultura, a magia dafotografia e do cinema... Mas tudo a um altopreço: o da desigualdade, pois nem todostinham acesso aos benefícios daindustrialização. Milhares de pessoas eramexploradas e viviam na miséria. Paracompletar, armas e armas eram produzidas atéchegar o momento de testá-las em nome dopoder, o que simplesmente agravou a misériaseparando ainda mais as pessoas.
  16. 16. REFERÊNCIAS:Sites: www.planetaeducacao.com.br www.nossahistoria.com.brObras: CAMPOS, Flávio; MIRANDA, Renan Garcia. A Escrita da História. São Paulo: Escala Educacional, 2005. SENISE, Elaine e Maria Helena. História Fundamental 9. São Paulo: Atual, 2011.

×