Brasil Colônia - administração

2.494 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
616
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil Colônia - administração

  1. 1. Administração Colonial
  2. 2. 1. Capitanias hereditárias
  3. 3. Desprovido de recursos ($) para financiar a colonização, o Estado recorreu à iniciativa privada.
  4. 4. 1.1. Documentos que regulamentavam o sistema de capitanias hereditárias:  Carta de Doação: oficializava a concessão ao donatário e estabelecia os limites territoriais;  Carta Foral: estabelecia os direitos e deveres do capitãodonatário.
  5. 5. 1.2. Principais motivos do fracasso do sistema de capitanias hereditárias:  A falta de recursos ($) ou de interesse de alguns donatários;  A excessiva descentralização / autoritarismo dos donatários;  Os constantes ataques indígenas às vilas;  A enorme distância: colônia – metrópole;  A falta de comunicação interna etc.
  6. 6. 2. O Governo-Geral   Criado com os objetivos de centralizar administrativamente a colônia e dar apoio financeiro e militar aos capitãesdonatários. É fundamental que se entenda que o governo-geral NÃO extinguiu o sistema de capitanias hereditárias. * Observe o organograma do sistema de Governo-Geral D. João III
  7. 7. 2.1. Governo Tomé de Sousa (1549-53)    Fundou a primeira cidade: Salvador (1549) e o primeiro Bispado; Trouxe os primeiros padres jesuítas, comandados por Manuel da Nóbrega, e as primeiras cabeças-de-gado; Deu grande incentivo à agropecuária. Padre Manuel da Nóbrega Gado zebu
  8. 8. 2.2. Governo Duarte da Costa (1553-58)   Autoritário: enfrentou problemas com donatários e colonos; Trouxe outro grupo de jesuítas, com destaque para José de Anchieta que, em 1554, fundou o colégio de São Paulo de Piratininga; Pátio do Colégio Padre José de Anchieta
  9. 9.  Huguenotes (calvinistas franceses) invadiram o litoral do RJ, onde fundaram a França Antártica (1555) Missa de bênção à França Antártica. Nicolau Durand de Villegaignon está de armadura, atrás do Padre.
  10. 10.  Duarte da Costa também teve que enfrentar uma insurreição de nativos na região próxima a Ubatuba, que somente foi resolvida no governo seguinte devido à intervenção pacífica dos padres Nóbrega e Anchieta – Paz de Iperóig. Catequização dos nativos Índios Tamoios
  11. 11. Manuel da Nóbrega e Anchieta intermediando a Paz dos Tamoios
  12. 12. 2.3. Governo Mem de Sá (1558-72)  Trouxe seu sobrinho, Estácio de Sá, que fundou a vila de São Sebastião do Rio de Janeiro (1565); Estácio de Sá parte de Bertioga para fundar a vila de São Sebastião do Rio de Janeiro, próxima da França Antártica.
  13. 13.  Em 1567, os franceses foram expulsos do Rio de Janeiro; episódio que custou a vida de Estácio de Sá
  14. 14.  Após a morte de Mem de Sá, o Brasil foi dividido em norte, com capital em Salvador, e sul, com capital no Rio de Janeiro, divisão que durou até 1578, quando houve a reunificação.
  15. 15. 3. Câmaras Municipais   Representavam o poder político local (aristocracia rural = “homens bons”); Existiram nos núcleos de povoamento elevados a “vilas”, com as funções de cuidarem de questões estruturais (abertura de estradas, cobrança de impostos, contratação de funcionários etc). Pelourinho de Mariana-MG Pelourinho de Alcântara-MA
  16. 16.  Por se chocarem frequentemente com os interesses da metrópole, as Câmaras foram substituídas, em 1642, pelo Conselho Ultramarino. Aclamação de D. João IV, fato que marcou a ascensão da dinastia dos Bragança, encerrando o período da União Ibérica (1580-1640)

×