SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Recursos Minerais Fontes de Energia Industrias 
Professor Claudio Henrique Ramos Sales
 Minerais: Substância natural presente na crosta terrestre. (por exemplo: o ferro, o ouro, o 
diamante, a mica, o anfibólio etc.). 
 Minério: É todo mineral que tem importância econômica e são de grande valia para a 
produção industrial por servir de matéria-prima para confecção de bens de consumo. 
 No setor industrial, desde as máquinas usadas na produção até o produto construído 
são extraídos dos recursos minerais que não são iguais quanto à composição física e 
química, desse modo são classificados em dois grupos: minerais metálicos e minerais não 
metálicos, incluindo ainda os recursos energéticos fósseis. 
 Minerais metálicos: que contém em sua composição elementos físicos e químicos de 
metal, que possibilitam uma razoável condução de calor e eletricidade. Exemplos: Ferro, 
alumínio e cobre. 
 Minerais não metálicos: minérios que não contém em sua composição propriedades de 
metal. Exemplos: diamante, calcário e areia, dentre outros. 
 Recursos energéticos fósseis: minérios que contém em sua composição elementos de 
origem orgânica. Exemplos: petróleo, gás natural e carvão. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Recursos minerais não são renováveis 
 Mesmo com a tecnologia moderna, nós não podemos produzi-los, nem fazê-los 
se multiplicarem. 
FORMAS DE EXPLORAÇÃO DOS MINÉRIOS 
a) Exploração a céu aberto: 
 Superfície 
 Maior parte das matérias primas minerais utilizadas 
 Baixo custo 
 Menos perigosas 
b) Exploração de profundidade: 
 Subterrânea 
 Mais demorada 
 Custos mais altos 
 Mais perigosas 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Era do Carvão, Era do Petróleo e Era da 
Diversidade Energética.
 Energia é fundamental para a sobrevivência humana e para o seu 
desenvolvimento. 
 Combustíveis são quaisquer materiais capazes de queimar, gerando 
calor e energia. 
 Provavelmente o primeiro combustível que o homem utilizou foi a 
lenha. 
 Ao longo da história, outras fontes de energia foram utilizadas. 
Exemplo: a tração animal, a hidráulica e a eólica (ventos). 
 Muitos séculos se passaram até que fosse descoberto o uso do 
carvão mineral como combustível e fonte de energia, dando início à 
ERA DO CARVÃO. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 O Carvão mineral produz muito mais calor e energia 
do que a lenha. 
 Seu consumo cresceu rapidamente na segunda 
metade do século XIX, tornando possível a Primeira 
Revolução Industrial. 
 Maior utilização nas maquinas movidas a vapor. 
 Permitiu a aceleração das comunicações e o 
barateamento dos transportes, já que as maquinas a 
vapor passaram também a movimentar trens e 
navios. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Atualmente o carvão é mais utilizado na metalurgia e 
na siderurgia. 
 Metalurgia: Atua num campo mais amplo, produzindo 
vários tipos de metais: alumínio, cobre, titânio e ferro, 
por exemplo. 
 Siderurgia: É uma espécie de metalúrgica 
especializada. Ela trabalha exclusivamente na 
produção de ferro e aço. 
 O carvão também é utilizado nas termelétricas, 
produzindo o calor necessário para evaporar a água. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Século XX: Invenção dos motores de combustão interna. 
 O petróleo e resultado da transformação de restos marinhos. 
 Reserva petrolífera: Quantidade de petróleo que um país abriga em 
seu subsolo. 
 Nas refinarias o petróleo passa por um processo de destilação, onde 
são produzidos vários derivados de petróleo, onde destacamos: 
a) Gás liquefeito 
b) Gasolina 
c) Querosene 
d) Óleo diesel 
e) Borracha sintética 
f) Plásticos 
g) Tintas 
 No Brasil a principal responsável pela extração do petróleo é a estatal 
Petrobras. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Energia hidráulica – é a mais utilizada no Brasil. A água possui grande 
potencial energético e quando represada ele aumenta. Usina hidrelétrica 
 Energia solar – A radiação solar é captada e transformada para gerar calor ou 
eletricidade. 
 Energia de biomassa – gerada a partir da decomposição de materiais 
orgânicos (esterco, restos de alimentos, resíduos agrícolas). O gás metano 
produzido é usado para gerar energia. 
 Energia eólica – gerada a partir do vento. 
 Energia nuclear – o urânio é um minério que possui muita energia. As usinas 
nucleares aproveitam esta energia para gerar eletricidade. 
 Energia geotérmica – nas camadas profundas da crosta terrestre existe um 
alto nível de calor. As usinas podem utilizar este calor para acionar turbinas 
elétricas e gerar energia. 
 Energia gravitacional – gerada a partir do movimento das águas oceânicas 
nas marés. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Artesanato, Manufatura e Maquinofatura.
Artesanato Manufaturas Maquinofaturas 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 O artesanato surgiu no fim da Idade Média e definia-se pela produção 
independente. 
 Instrumentos de trabalho simples que pertenciam ao próprio trabalhador : 
Nessa modalidade, o artesão possui as instalações, ferramentas e a matéria-prima. 
 O trabalho é manual. 
 A produção é muito pequena. 
 Os preços dos produtos são altos, porque temos pequena produção, menos 
produtos em um intervalo de tempo grande. (Produção demorada). 
 Ausência de divisão do trabalho: Normalmente o trabalho é solitário ou 
acompanhado pela família. 
 Condições de produção levam o trabalhador a realizar todas etapas da 
produção. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
ARTESANATO 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 A manufatura é uma fase posterior ao artesanato 
 Pequena divisão de trabalho: O acúmulo de dinheiro da 
burguesia levou a contratação de funcionários artesãos e a 
especialização das funções (cada um produz apenas uma parte 
do produto). 
 Trabalho em galpões. 
 O lucro começa a aumentar e normalmente é reinvestido na 
própria manufatura. 
 A atividade manufatureira nesse período ainda não conta com a 
utilização de máquinas, é manual. 
 Aumento da produção (Produção em menos tempo). 
 Com a Manufatura, a burguesia conseguirá ter mais produtos 
em menos tempo, mas ela queria ter mais produtos pra vender 
no seu comercio, queria acumular mais capital. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
MANUFATURA 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Na maquinofatura, boa parte do trabalho é realizado 
por máquinas. 
 O sistema de produção atinge uma agilidade bem 
maior do que os modos produtivos anteriores. 
 O operário perde completamente a posse dos meios 
de produção e termina por vender sua força de 
trabalho. 
 A especialização das funções é mantida e ampliada. 
 Os lucros para o proprietários das fábricas aumentam 
bastante, enquanto a remuneração para os 
trabalhadores é reduzida. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
MProAfessoQr ClaUudio IHNenriqOue FATURA 
(Henry)
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Industria de Base, Industria Intermediaria e 
Industria de Bens de Consumo.
 Também conhecidas como indústrias pesadas. 
 São aquelas voltadas para a produção de equipamentos 
(indústrias de bens de capital) e matérias-primas 
processadas (indústrias extrativas) para outras indústrias. 
 Exemplos de indústrias de base extrativas: mineradoras, 
madeireiras e petrolíferas. 
 Exemplos de indústrias de base de bens de capital: 
siderúrgicas, metalúrgicas, indústrias de equipamentos e 
máquinas. 
 Podemos também incluir nas indústrias de base as 
companhias produtoras de energia elétrica. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 É o setor industrial voltado para a produção de 
peças e equipamentos que serão utilizados pelas 
indústrias de bens de consumo. 
 Exemplos: indústrias que produzem peças de 
automóveis, peças para eletrodomésticos, peças 
de computadores, tratores e equipamentos 
industriais. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 São aquelas que produzem os produtos que 
serão vendidos para os consumidores finais. 
 Exemplos de indústrias de bens duráveis: 
indústria automotiva (produtora ou montadora de 
automóveis), indústria de eletrodomésticos 
(geladeiras, fogões, micro-ondas, liquidificadores, 
lavadoras de roupas, etc.). 
 Exemplos de indústrias de bens não duráveis: 
indústrias de roupas, de calçados, de alimentos, 
de remédios, de bebidas, etc. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo.
 Teve início no começo do século passado, tinha 
como objetivo principal dinamizar o trabalho na 
indústria. O criador desse sistema produtivo foi 
Frederick Taylor, que acreditava na especialização 
de tarefas, ou seja, o trabalhador desenvolvia uma 
única atividade, por exemplo, alguém que colocava 
os faróis nos automóveis na indústria automobilística 
faria apenas isso o dia todo sem conhecer os 
procedimentos das outras etapas da produção, além 
de monitorar o tempo gasto para a realização de 
tarefas e premiação àqueles que tivessem um 
grande rendimento em seu trabalho. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Divisão das tarefas de trabalho dentro de uma empresa; 
 Especialização do trabalhador; 
 Treinamento e preparação dos trabalhadores de acordo 
com as aptidões apresentadas; 
 Uso de métodos padronizados para reduzir custos e 
aumentar a produtividade; 
 Criação de sistemas de incentivos e recompensas 
salariais para motivar os trabalhadores e aumentar a 
produtividade; 
 Como ainda não existiam as esteiras, os trabalhadores 
costumavam se deslocar pela fábrica 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Essa modalidade de produção foi criada a partir 
do Taylorismo, com seu mentor Henry Ford na 
década de 20. Sua ideia foi elaborada em sua 
própria indústria de automóvel, a Ford, baseado 
na especialização da função e na instalação de 
esteiras sem fim na linha de montagem, à medida 
que o produto deslocava na esteira o trabalhador 
desenvolvia sua função. Com isso, visava diminuir 
o tempo gasto no trabalho, aumentar a 
produtividade, diminuir o custo de produção e, 
principalmente, realizar a produção em massa 
para o consumo ocorrer no mesmo passo. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Princípios do Fordismo: 
1) de Intensificação: Diminuir o tempo de duração com o 
emprego imediato dos equipamentos e da matéria-prima e 
a rápida colocação do produto no mercado. 
2) de Economia: Consiste em reduzir ao mínimo o volume do 
estoque da matéria-prima em transformação. 
3) de Produtividade: Aumentar a capacidade de produção do 
homem no mesmo período (produtividade) por meio da 
especialização e da linha de montagem. O operário ganha 
mais e o empresário tem maior produção. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Linha de produção 
Presença de esteiras para agilizar o processo, tornando desnecessário 
o deslocamento de operários pela fábrica. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Sistema de produção criado no Japão que tinha 
em sua base a tecnologia da informática e da 
robótica, isso ocorreu na década de 1970, e 
primeiramente foi usado na fábrica da Toyota. 
Nessa modalidade de produção o trabalhador não 
fica limitado a uma única tarefa, o operário 
desenvolve diversas atividades na produção. 
 Outra criação desse sistema é o just-in-time. 
 Just-in-time: produzir a partir de um tempo já 
estipulado com intenção de regular os estoques e 
a matéria-prima. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Mão-de-obra multifuncional e bem qualificada. Os trabalhadores são 
educados, treinados e qualificados para conhecer todos os processos 
de produção, podendo atuar em várias áreas do sistema produtivo da 
empresa. 
 Sistema flexível de mecanização, voltado para a produção somente do 
necessário, evitando ao máximo o excedente. A produção deve ser 
ajustada a demanda do mercado. 
 Uso de controle visual em todas as etapas de produção como forma de 
acompanhar e controlar o processo produtivo. 
 Implantação do sistema de qualidade total em todas as etapas de 
produção. Além da alta qualidade dos produtos, busca-se evitar ao 
máximo o desperdício de matérias-primas e tempo. 
 Aplicação do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o 
necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária. 
 Uso de pesquisas de mercado para adaptar os produtos às exigências 
dos clientes. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Boa infraestrutura: facilidade de acesso a fontes 
de energia, rede de transportes e comunicações. 
 Oferta de mão de obra e mercado consumidor: 
grande contingente de pessoas disponíveis para 
trabalhar nas fabricas e com poder de comprar os 
produtos fabricados. 
 Disponibilidade de matéria prima: proximidade 
de fontes de matéria-prima. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Desenvolvimento da tecnologia local. 
 Disponibilidade de mão de obra qualificada. 
 Facilidade na troca de informações (acesso à internet 
com alta velocidade, por exemplo). 
 Facilidade para distribuição dos produtos em escala 
mundial (proximidade de portos e aeroportos 
internacionais, por exemplo). 
 Incentivo dados pelos governos locais, estaduais ou 
federais (como impostos reduzidos, doação de terrenos, 
por exemplo). 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Tipos de mão de obra e desemprego
 Mão de obra especializada: Treinamentos 
simples e rápidos. 
 Mão de obra qualificada: Trabalhador com 
conhecimento técnico adquirido em escolas 
técnicas ou em universidades. 
 Obs.: Quanto maior a qualificação, maior o 
salario. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Se até o fim do século XX elas foram grandes 
geradoras de empregos, neste século não são 
mais, porque os avanços tecnológicos reduziram 
a necessidade de trabalhadores. 
 Muitas cidades que cresceram e se organizaram 
em função das industrias estão passando por 
profundas mudanças econômicas e sociais, tendo 
que buscar soluções politicas para gerar emprego 
em outros setores da economia. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Durante o século XX, o Brasil passou por 
profundas mudanças. 
 Deixamos de ser um país rural. Com a economia 
baseada quase exclusivamente em produtos 
agrícolas e minerais, para sermos um país urbano 
com um dos maiores parques industriais do 
mundo. 
 Essa mudança não se deu de maneira simples. E 
suas consequências foram enormes para o Brasil. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 No período em que foi colônia de Portugal: O Brasil era proibido de produzir 
produtos manufaturados. Apenas podia fornecer matérias-primas. 
 1808: A família real portuguesa, por causa de problemas políticos que 
enfrentava na Europa (as guerras napoleônicas), passa a viver no Brasil. 
As leis que proibiam as atividades industriais foram revogadas. 
 Meados do século XIX: Instalaram-se as primeiras industrias (estaleiros, 
pequenas metalúrgicas, moinhos de farinha, tecelagens, fábricas de cerâmica, 
fábricas de ferramenta). 
Todas produziam o necessário apenas para o consumo interno. 
 1844: Implantação da Tarifa Alves Branco, que elevou as taxas de importação 
em 44% (encarecendo os produtos importados. 
 1850: Lei Euzébio de Queirós proibiu o trafico de escravos, o que veio a 
impulsionar a busca de mão de obra de imigrantes. 
A proibição do trafico de escravos transferiu parte dos capitais, até então 
utilizados nessa atividade, para o investimento em outros setores da economia, e 
entre eles, o das industrias de bens de consumo. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Não podemos dizer que a industrialização 
brasileira teve início naquela época, pois não foi 
desencadeado nenhum processo de 
desenvolvimento industrial; 
 Houveram apenas surtos de desenvolvimento 
industrial; 
 Em geral esses surtos ocorriam graças ao esforço 
e a iniciativa de alguns indivíduos; 
 O mais famoso deles foi o Barão de Mauá. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
O Barão de Mauá
 Primeira Guerra Mundial (1914 – 1884): Devido ao conflito, as 
importações tornaram-se praticamente impossíveis. 
 Teve inicio então um real impulso à industrialização brasileira, 
com o surgimento de fábricas de bens de consumo. 
 Até a década de 1930: A economia brasileira ainda era 
essencialmente agrícola, apoiada quase que exclusivamente no 
café. 
 1929: Uma forte crise econômica atingiu o mundo e com isso os 
preços do café despencaram. 
 Diante dessa nova realidade, cafeicultores e outros detentores 
de recursos financeiros resolveram aplicar seus lucros em outros 
setores, dentre eles o setor industrial, criando um novo caminho 
econômico para o país. 
 Tem inicio enfim um processo continuo de industrialização no 
Brasil. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
 Foram fundamentais para o desenvolvimento 
industrial brasileiro: 
1. Dinheiro disponível; 
2. Mão de obra imigrante; 
3. Necessidades econômicas da época. 
 Porém, para que ele avançasse, o Estado teve que 
atuar diretamente, investindo na indústria de base 
durante as décadas de 1940 e 1950. 
 Dois exemplos dessa intervenção estatal são a 
construção da Companhia Siderúrgica Nacional 
(CSN) e a criação da Petrobras. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
CSN 
Companhia Siderúrgica Nacional
PETROBRAS 
Petróleo Brasileiro S.A
 1956: Durante o governo JK, o Brasil deu um enorme salto industrial, 
com a implantação de uma política desenvolvimentista. 
 A meta era alinhar o Brasil com as nações mais modernas, e isso 
exigia expansão industrial. 
 Foi usado capital nacional (privado e estatal) e capital estrangeiro, 
ocorrendo uma internacionalização de uma parte da nossa economia 
com grande participação de empresas transnacionais. 
 Anos 1970: Durante o governo Médici o Brasil passou novamente por 
grande crescimento industrial, que ficou conhecido como “milagre 
econômico”. 
 1980: Forte crise econômica estagnou os investimentos na área 
industrial. 
 1994: Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso o país 
voltou a crescer industrialmente, entrando no século XXI como um dos 
países mais industrializados do mundo. 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)
Blogdoprofessorhenry.blogspot.com 
Colégio Morumbi Sul 
Professor Claudio Henrique 
(Henry)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividades Geografia Continentes e Oceanos
Atividades Geografia Continentes e OceanosAtividades Geografia Continentes e Oceanos
Atividades Geografia Continentes e OceanosDoug Caesar
 
Atividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoAtividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoEnzo Sousa Viana
 
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Doug Caesar
 
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 20188 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018ingarac
 
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1Washington Rocha
 
Atividade de história - O começo da história humana
Atividade de história - O começo da história humanaAtividade de história - O começo da história humana
Atividade de história - O começo da história humanaMary Alvarenga
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósLuis Silva
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade Mary Alvarenga
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do BrasilChristie Freitas
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAcrópole - História & Educação
 
Extrativismo
ExtrativismoExtrativismo
Extrativismoaroudus
 
Atividade de geografia Africa
Atividade de geografia AfricaAtividade de geografia Africa
Atividade de geografia AfricaDanielle Rocha
 

Mais procurados (20)

Atividades Geografia Continentes e Oceanos
Atividades Geografia Continentes e OceanosAtividades Geografia Continentes e Oceanos
Atividades Geografia Continentes e Oceanos
 
Atividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográficoAtividade sobre espaço geográfico
Atividade sobre espaço geográfico
 
Mapa da asia
Mapa da asiaMapa da asia
Mapa da asia
 
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil
 
Proclamacao da republica no brasil
Proclamacao da republica no brasilProclamacao da republica no brasil
Proclamacao da republica no brasil
 
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 20188 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
8 ano revolução industrial e revolução francesa 2018
 
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1
Atividade complementar julho01 orelevoeosolodaterra1
 
Atividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufaAtividades aquecimento global e efeito estufa
Atividades aquecimento global e efeito estufa
 
Avaliação de sondagem de geografia 7º ano
Avaliação de sondagem de geografia 7º anoAvaliação de sondagem de geografia 7º ano
Avaliação de sondagem de geografia 7º ano
 
Atividades sobre a europa
Atividades sobre a europaAtividades sobre a europa
Atividades sobre a europa
 
Avaliação 6º ano geografia
Avaliação 6º ano   geografiaAvaliação 6º ano   geografia
Avaliação 6º ano geografia
 
Prova diagnostica geografia 2013
Prova diagnostica geografia 2013Prova diagnostica geografia 2013
Prova diagnostica geografia 2013
 
Avaliação de sondagem de geografia.
Avaliação de sondagem de geografia.Avaliação de sondagem de geografia.
Avaliação de sondagem de geografia.
 
Atividade de história - O começo da história humana
Atividade de história - O começo da história humanaAtividade de história - O começo da história humana
Atividade de história - O começo da história humana
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 
Extrativismo
ExtrativismoExtrativismo
Extrativismo
 
Atividade de geografia Africa
Atividade de geografia AfricaAtividade de geografia Africa
Atividade de geografia Africa
 

Destaque (6)

Prova 4 bimestre de geografia 7º ano
Prova 4 bimestre de geografia 7º anoProva 4 bimestre de geografia 7º ano
Prova 4 bimestre de geografia 7º ano
 
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
3º bimestre geografia 7º ano ensino fundamental
 
Avaliação diagnóstica geografia 7° ano.do c.do c.do c
Avaliação diagnóstica geografia 7° ano.do c.do c.do cAvaliação diagnóstica geografia 7° ano.do c.do c.do c
Avaliação diagnóstica geografia 7° ano.do c.do c.do c
 
Avaliação bimestral de geografia
Avaliação bimestral de geografiaAvaliação bimestral de geografia
Avaliação bimestral de geografia
 
Sugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidadeSugestões atividades oralidade
Sugestões atividades oralidade
 
Avaliação diagnóstica geografia
Avaliação diagnóstica geografiaAvaliação diagnóstica geografia
Avaliação diagnóstica geografia
 

Semelhante a 7º anos - Revisão de prova (Geografia)

Artesanato a industria atual
Artesanato a industria atualArtesanato a industria atual
Artesanato a industria atualDaniel Ferrari
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupeItalo Alan
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º MbA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º MbProfMario De Mori
 
Indstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosIndstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosAlexsandro Silva
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014Fabio Salvari
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Magno Rodrigues
 
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções IndustriaisDesenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções IndustriaisProfessora Verônica Santos
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filémundica broda
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialjoana71
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoJoão José Ferreira Tojal
 
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energia
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energiaCaps. 11 e 12 - Indústrias e energia
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energiaAcácio Netto
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialsegundocol
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrialProfessor
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdfMeninoMimoso
 
Indústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e SocialismoIndústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e Socialismoaroudus
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrialProfessor
 
Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013Fabio Salvari
 

Semelhante a 7º anos - Revisão de prova (Geografia) (20)

Artesanato a industria atual
Artesanato a industria atualArtesanato a industria atual
Artesanato a industria atual
 
Modulo 11 - O modo de produção industrial
Modulo 11 - O modo de produção industrialModulo 11 - O modo de produção industrial
Modulo 11 - O modo de produção industrial
 
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria   prevupeAula 03 fontes de energia e industria   prevupe
Aula 03 fontes de energia e industria prevupe
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º MbA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mb
 
Indstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosIndstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicos
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
 
1. industrialização
1. industrialização1. industrialização
1. industrialização
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
 
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções IndustriaisDesenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energia
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energiaCaps. 11 e 12 - Indústrias e energia
Caps. 11 e 12 - Indústrias e energia
 
Geo 6 resp.
Geo 6 resp.Geo 6 resp.
Geo 6 resp.
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Industrialização.pdf
Industrialização.pdfIndustrialização.pdf
Industrialização.pdf
 
Indústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e SocialismoIndústria, Capitalismo e Socialismo
Indústria, Capitalismo e Socialismo
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013Revolucao industrial 2013
Revolucao industrial 2013
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosClaudio Henrique Ramos Sales
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloClaudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 

Último

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

7º anos - Revisão de prova (Geografia)

  • 1. Recursos Minerais Fontes de Energia Industrias Professor Claudio Henrique Ramos Sales
  • 2.
  • 3.  Minerais: Substância natural presente na crosta terrestre. (por exemplo: o ferro, o ouro, o diamante, a mica, o anfibólio etc.).  Minério: É todo mineral que tem importância econômica e são de grande valia para a produção industrial por servir de matéria-prima para confecção de bens de consumo.  No setor industrial, desde as máquinas usadas na produção até o produto construído são extraídos dos recursos minerais que não são iguais quanto à composição física e química, desse modo são classificados em dois grupos: minerais metálicos e minerais não metálicos, incluindo ainda os recursos energéticos fósseis.  Minerais metálicos: que contém em sua composição elementos físicos e químicos de metal, que possibilitam uma razoável condução de calor e eletricidade. Exemplos: Ferro, alumínio e cobre.  Minerais não metálicos: minérios que não contém em sua composição propriedades de metal. Exemplos: diamante, calcário e areia, dentre outros.  Recursos energéticos fósseis: minérios que contém em sua composição elementos de origem orgânica. Exemplos: petróleo, gás natural e carvão. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 4.  Recursos minerais não são renováveis  Mesmo com a tecnologia moderna, nós não podemos produzi-los, nem fazê-los se multiplicarem. FORMAS DE EXPLORAÇÃO DOS MINÉRIOS a) Exploração a céu aberto:  Superfície  Maior parte das matérias primas minerais utilizadas  Baixo custo  Menos perigosas b) Exploração de profundidade:  Subterrânea  Mais demorada  Custos mais altos  Mais perigosas Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 5. Era do Carvão, Era do Petróleo e Era da Diversidade Energética.
  • 6.  Energia é fundamental para a sobrevivência humana e para o seu desenvolvimento.  Combustíveis são quaisquer materiais capazes de queimar, gerando calor e energia.  Provavelmente o primeiro combustível que o homem utilizou foi a lenha.  Ao longo da história, outras fontes de energia foram utilizadas. Exemplo: a tração animal, a hidráulica e a eólica (ventos).  Muitos séculos se passaram até que fosse descoberto o uso do carvão mineral como combustível e fonte de energia, dando início à ERA DO CARVÃO. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 7.  O Carvão mineral produz muito mais calor e energia do que a lenha.  Seu consumo cresceu rapidamente na segunda metade do século XIX, tornando possível a Primeira Revolução Industrial.  Maior utilização nas maquinas movidas a vapor.  Permitiu a aceleração das comunicações e o barateamento dos transportes, já que as maquinas a vapor passaram também a movimentar trens e navios. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 8.  Atualmente o carvão é mais utilizado na metalurgia e na siderurgia.  Metalurgia: Atua num campo mais amplo, produzindo vários tipos de metais: alumínio, cobre, titânio e ferro, por exemplo.  Siderurgia: É uma espécie de metalúrgica especializada. Ela trabalha exclusivamente na produção de ferro e aço.  O carvão também é utilizado nas termelétricas, produzindo o calor necessário para evaporar a água. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 10.  Século XX: Invenção dos motores de combustão interna.  O petróleo e resultado da transformação de restos marinhos.  Reserva petrolífera: Quantidade de petróleo que um país abriga em seu subsolo.  Nas refinarias o petróleo passa por um processo de destilação, onde são produzidos vários derivados de petróleo, onde destacamos: a) Gás liquefeito b) Gasolina c) Querosene d) Óleo diesel e) Borracha sintética f) Plásticos g) Tintas  No Brasil a principal responsável pela extração do petróleo é a estatal Petrobras. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 11.  Energia hidráulica – é a mais utilizada no Brasil. A água possui grande potencial energético e quando represada ele aumenta. Usina hidrelétrica  Energia solar – A radiação solar é captada e transformada para gerar calor ou eletricidade.  Energia de biomassa – gerada a partir da decomposição de materiais orgânicos (esterco, restos de alimentos, resíduos agrícolas). O gás metano produzido é usado para gerar energia.  Energia eólica – gerada a partir do vento.  Energia nuclear – o urânio é um minério que possui muita energia. As usinas nucleares aproveitam esta energia para gerar eletricidade.  Energia geotérmica – nas camadas profundas da crosta terrestre existe um alto nível de calor. As usinas podem utilizar este calor para acionar turbinas elétricas e gerar energia.  Energia gravitacional – gerada a partir do movimento das águas oceânicas nas marés. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 12. Artesanato, Manufatura e Maquinofatura.
  • 13. Artesanato Manufaturas Maquinofaturas Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 14.  O artesanato surgiu no fim da Idade Média e definia-se pela produção independente.  Instrumentos de trabalho simples que pertenciam ao próprio trabalhador : Nessa modalidade, o artesão possui as instalações, ferramentas e a matéria-prima.  O trabalho é manual.  A produção é muito pequena.  Os preços dos produtos são altos, porque temos pequena produção, menos produtos em um intervalo de tempo grande. (Produção demorada).  Ausência de divisão do trabalho: Normalmente o trabalho é solitário ou acompanhado pela família.  Condições de produção levam o trabalhador a realizar todas etapas da produção. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 15. ARTESANATO Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 16.  A manufatura é uma fase posterior ao artesanato  Pequena divisão de trabalho: O acúmulo de dinheiro da burguesia levou a contratação de funcionários artesãos e a especialização das funções (cada um produz apenas uma parte do produto).  Trabalho em galpões.  O lucro começa a aumentar e normalmente é reinvestido na própria manufatura.  A atividade manufatureira nesse período ainda não conta com a utilização de máquinas, é manual.  Aumento da produção (Produção em menos tempo).  Com a Manufatura, a burguesia conseguirá ter mais produtos em menos tempo, mas ela queria ter mais produtos pra vender no seu comercio, queria acumular mais capital. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 17. MANUFATURA Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 18.  Na maquinofatura, boa parte do trabalho é realizado por máquinas.  O sistema de produção atinge uma agilidade bem maior do que os modos produtivos anteriores.  O operário perde completamente a posse dos meios de produção e termina por vender sua força de trabalho.  A especialização das funções é mantida e ampliada.  Os lucros para o proprietários das fábricas aumentam bastante, enquanto a remuneração para os trabalhadores é reduzida. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 22. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 23. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 24. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 25. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 26. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 27. ( ) Artesanato ( ) Manufatura ( ) Maquinofatura Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 28. Industria de Base, Industria Intermediaria e Industria de Bens de Consumo.
  • 29.  Também conhecidas como indústrias pesadas.  São aquelas voltadas para a produção de equipamentos (indústrias de bens de capital) e matérias-primas processadas (indústrias extrativas) para outras indústrias.  Exemplos de indústrias de base extrativas: mineradoras, madeireiras e petrolíferas.  Exemplos de indústrias de base de bens de capital: siderúrgicas, metalúrgicas, indústrias de equipamentos e máquinas.  Podemos também incluir nas indústrias de base as companhias produtoras de energia elétrica. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 30.  É o setor industrial voltado para a produção de peças e equipamentos que serão utilizados pelas indústrias de bens de consumo.  Exemplos: indústrias que produzem peças de automóveis, peças para eletrodomésticos, peças de computadores, tratores e equipamentos industriais. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 31.  São aquelas que produzem os produtos que serão vendidos para os consumidores finais.  Exemplos de indústrias de bens duráveis: indústria automotiva (produtora ou montadora de automóveis), indústria de eletrodomésticos (geladeiras, fogões, micro-ondas, liquidificadores, lavadoras de roupas, etc.).  Exemplos de indústrias de bens não duráveis: indústrias de roupas, de calçados, de alimentos, de remédios, de bebidas, etc. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 33.  Teve início no começo do século passado, tinha como objetivo principal dinamizar o trabalho na indústria. O criador desse sistema produtivo foi Frederick Taylor, que acreditava na especialização de tarefas, ou seja, o trabalhador desenvolvia uma única atividade, por exemplo, alguém que colocava os faróis nos automóveis na indústria automobilística faria apenas isso o dia todo sem conhecer os procedimentos das outras etapas da produção, além de monitorar o tempo gasto para a realização de tarefas e premiação àqueles que tivessem um grande rendimento em seu trabalho. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 34.  Divisão das tarefas de trabalho dentro de uma empresa;  Especialização do trabalhador;  Treinamento e preparação dos trabalhadores de acordo com as aptidões apresentadas;  Uso de métodos padronizados para reduzir custos e aumentar a produtividade;  Criação de sistemas de incentivos e recompensas salariais para motivar os trabalhadores e aumentar a produtividade;  Como ainda não existiam as esteiras, os trabalhadores costumavam se deslocar pela fábrica Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 35.  Essa modalidade de produção foi criada a partir do Taylorismo, com seu mentor Henry Ford na década de 20. Sua ideia foi elaborada em sua própria indústria de automóvel, a Ford, baseado na especialização da função e na instalação de esteiras sem fim na linha de montagem, à medida que o produto deslocava na esteira o trabalhador desenvolvia sua função. Com isso, visava diminuir o tempo gasto no trabalho, aumentar a produtividade, diminuir o custo de produção e, principalmente, realizar a produção em massa para o consumo ocorrer no mesmo passo. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 36. Princípios do Fordismo: 1) de Intensificação: Diminuir o tempo de duração com o emprego imediato dos equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado. 2) de Economia: Consiste em reduzir ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação. 3) de Produtividade: Aumentar a capacidade de produção do homem no mesmo período (produtividade) por meio da especialização e da linha de montagem. O operário ganha mais e o empresário tem maior produção. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 37. Linha de produção Presença de esteiras para agilizar o processo, tornando desnecessário o deslocamento de operários pela fábrica. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 38.  Sistema de produção criado no Japão que tinha em sua base a tecnologia da informática e da robótica, isso ocorreu na década de 1970, e primeiramente foi usado na fábrica da Toyota. Nessa modalidade de produção o trabalhador não fica limitado a uma única tarefa, o operário desenvolve diversas atividades na produção.  Outra criação desse sistema é o just-in-time.  Just-in-time: produzir a partir de um tempo já estipulado com intenção de regular os estoques e a matéria-prima. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 39.  Mão-de-obra multifuncional e bem qualificada. Os trabalhadores são educados, treinados e qualificados para conhecer todos os processos de produção, podendo atuar em várias áreas do sistema produtivo da empresa.  Sistema flexível de mecanização, voltado para a produção somente do necessário, evitando ao máximo o excedente. A produção deve ser ajustada a demanda do mercado.  Uso de controle visual em todas as etapas de produção como forma de acompanhar e controlar o processo produtivo.  Implantação do sistema de qualidade total em todas as etapas de produção. Além da alta qualidade dos produtos, busca-se evitar ao máximo o desperdício de matérias-primas e tempo.  Aplicação do sistema Just in Time, ou seja, produzir somente o necessário, no tempo necessário e na quantidade necessária.  Uso de pesquisas de mercado para adaptar os produtos às exigências dos clientes. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 40.
  • 41.  Boa infraestrutura: facilidade de acesso a fontes de energia, rede de transportes e comunicações.  Oferta de mão de obra e mercado consumidor: grande contingente de pessoas disponíveis para trabalhar nas fabricas e com poder de comprar os produtos fabricados.  Disponibilidade de matéria prima: proximidade de fontes de matéria-prima. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 42.  Desenvolvimento da tecnologia local.  Disponibilidade de mão de obra qualificada.  Facilidade na troca de informações (acesso à internet com alta velocidade, por exemplo).  Facilidade para distribuição dos produtos em escala mundial (proximidade de portos e aeroportos internacionais, por exemplo).  Incentivo dados pelos governos locais, estaduais ou federais (como impostos reduzidos, doação de terrenos, por exemplo). Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 43. Tipos de mão de obra e desemprego
  • 44.  Mão de obra especializada: Treinamentos simples e rápidos.  Mão de obra qualificada: Trabalhador com conhecimento técnico adquirido em escolas técnicas ou em universidades.  Obs.: Quanto maior a qualificação, maior o salario. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 46.  Se até o fim do século XX elas foram grandes geradoras de empregos, neste século não são mais, porque os avanços tecnológicos reduziram a necessidade de trabalhadores.  Muitas cidades que cresceram e se organizaram em função das industrias estão passando por profundas mudanças econômicas e sociais, tendo que buscar soluções politicas para gerar emprego em outros setores da economia. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 47.
  • 48.  Durante o século XX, o Brasil passou por profundas mudanças.  Deixamos de ser um país rural. Com a economia baseada quase exclusivamente em produtos agrícolas e minerais, para sermos um país urbano com um dos maiores parques industriais do mundo.  Essa mudança não se deu de maneira simples. E suas consequências foram enormes para o Brasil. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 49.  No período em que foi colônia de Portugal: O Brasil era proibido de produzir produtos manufaturados. Apenas podia fornecer matérias-primas.  1808: A família real portuguesa, por causa de problemas políticos que enfrentava na Europa (as guerras napoleônicas), passa a viver no Brasil. As leis que proibiam as atividades industriais foram revogadas.  Meados do século XIX: Instalaram-se as primeiras industrias (estaleiros, pequenas metalúrgicas, moinhos de farinha, tecelagens, fábricas de cerâmica, fábricas de ferramenta). Todas produziam o necessário apenas para o consumo interno.  1844: Implantação da Tarifa Alves Branco, que elevou as taxas de importação em 44% (encarecendo os produtos importados.  1850: Lei Euzébio de Queirós proibiu o trafico de escravos, o que veio a impulsionar a busca de mão de obra de imigrantes. A proibição do trafico de escravos transferiu parte dos capitais, até então utilizados nessa atividade, para o investimento em outros setores da economia, e entre eles, o das industrias de bens de consumo. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 50.  Não podemos dizer que a industrialização brasileira teve início naquela época, pois não foi desencadeado nenhum processo de desenvolvimento industrial;  Houveram apenas surtos de desenvolvimento industrial;  Em geral esses surtos ocorriam graças ao esforço e a iniciativa de alguns indivíduos;  O mais famoso deles foi o Barão de Mauá. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 51. O Barão de Mauá
  • 52.  Primeira Guerra Mundial (1914 – 1884): Devido ao conflito, as importações tornaram-se praticamente impossíveis.  Teve inicio então um real impulso à industrialização brasileira, com o surgimento de fábricas de bens de consumo.  Até a década de 1930: A economia brasileira ainda era essencialmente agrícola, apoiada quase que exclusivamente no café.  1929: Uma forte crise econômica atingiu o mundo e com isso os preços do café despencaram.  Diante dessa nova realidade, cafeicultores e outros detentores de recursos financeiros resolveram aplicar seus lucros em outros setores, dentre eles o setor industrial, criando um novo caminho econômico para o país.  Tem inicio enfim um processo continuo de industrialização no Brasil. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 53.  Foram fundamentais para o desenvolvimento industrial brasileiro: 1. Dinheiro disponível; 2. Mão de obra imigrante; 3. Necessidades econômicas da época.  Porém, para que ele avançasse, o Estado teve que atuar diretamente, investindo na indústria de base durante as décadas de 1940 e 1950.  Dois exemplos dessa intervenção estatal são a construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e a criação da Petrobras. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 56.  1956: Durante o governo JK, o Brasil deu um enorme salto industrial, com a implantação de uma política desenvolvimentista.  A meta era alinhar o Brasil com as nações mais modernas, e isso exigia expansão industrial.  Foi usado capital nacional (privado e estatal) e capital estrangeiro, ocorrendo uma internacionalização de uma parte da nossa economia com grande participação de empresas transnacionais.  Anos 1970: Durante o governo Médici o Brasil passou novamente por grande crescimento industrial, que ficou conhecido como “milagre econômico”.  1980: Forte crise econômica estagnou os investimentos na área industrial.  1994: Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso o país voltou a crescer industrialmente, entrando no século XXI como um dos países mais industrializados do mundo. Professor Claudio Henrique (Henry)
  • 57. Blogdoprofessorhenry.blogspot.com Colégio Morumbi Sul Professor Claudio Henrique (Henry)