SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Camila Alves de Brito
Apostila 20
O espaço industrial e o processo de
urbanização.
Fases da industrialização
1ª Revol. Industrial (1750 – 1870)
2ª Revol. Industrial (1870 – II GM)
3ª Revol. Industrial (pós II GM)
 Tipos de indústrias
Tipo de indústria Características Gerais Exemplos
Indústrias de bens de
produção/base/capital
Transforma matérias-primas
brutas (minério e recursos de
origem fóssil e vegetal) em
matérias-primas processadas,
base para outros ramos
industriais.
• Químicas: pesticidas, fertilizantes, fibras
artificiais, cimento, etc...
• Refinarias: querosene, gasolina, óleo diesel
e lubrificantes.
• Siderúrgicas: ferro-gusa, coque, aço.
• De papel e celulose.
Indústrias de bens
intermediários
Produz máquinas e
equipamentos que serão
utilizados em outros segmentos
da indústria e em diversos
setores da economia.
• Mecânica: motores automotivos, máquinas
industriais, tratores, colheitadeiras e
semeadeiras mecânicas.
• Autopeças: pneus, rodas bancos
automotivos.
Indústrias de bens de
consumo
Fabrica bens que são
consumidos pela população em
geral. Está dividida em:
indústrias de bens de consumo
duráveis e não-duráveis.
Bens de consumo duráveis
• Eletrodomésticos: geladeiras, televisores,
condicionadores de ar, aparelhos de som.
• Automobilística: carros e motocicletas.
• Moveleira: móveis comerciais e residenciais.
Bens de consumo não-duráveis
• Têxtil: vestuário, tecidos, toalhas.
• Alimentícia: doces, laticínios e bebidas.
• Cosméticos: cremes dentais, sabonetes e
xampus.
Fatores locacionais:
Indústrias de bens de consumo duráveis e não-duráveis:
proximidade de mercado consumidor e mão-de-obra.
Fatores locacionais:
Indústrias de bens de capital / bens de produção / de base:
proximidade dos recursos minerais e energéticos e de infra-
estruturas em transportes.
Modelos produtivos
taylorisMo
- Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos.
- Racionalização da produção.
- Controle do tempo.
- Estabelecimentos de níveis mínimos (cotas) de
produtividade.
FordisMo
- Produção em série (em grandes quantidades) para consumo
em massa.
- Extrema especialização do trabalho (atividades ultra-
repetitivas) / linha de montagem.
- Rígida padronização da produção / pouca variedade de
modelos.
pós-FordisMo / toyotisMo - (3ª r. ind.)
- Estratégias de produção (produção de acordo com a demanda –
redução do estoque).
- Consumo em escala planetária, obedecendo as especificidades de cada
mercado.
- Desenvolvimento de novas tecnologias.
- Flexibilização dos contratos de trabalhos.
- Células de produção no lugar da linha de montagem.
- Grande variedade de produtos com marcas e modelos diferentes.
(Fuvest-SP) As novas formas de organização da produção industrial
foram chamadas por alguns autores de pós-fordismo, para diferenciá-
las da produção fordista.
a) Apresente dois aspectos do processo industrial fordista e dois do
pós-fordista.
b) Caracterize o espaço industrial no fordismo e no pós-fordismo.
a) A era fordista se caracterizava pela existência da linha de montagem, fabricação em
série de produtos padronizados (produção em escala) e as tarefas dos trabalhadores eram
repetitivas, como mostra o filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin; os sindicatos eram
fortes e organizados. Na era pós-fordista, também chamada de produção flexível, o
trabalho é organizado em equipes encarregadas das tarefas diárias e do controle de
qualidade, os Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), os estoques são reduzidos,
fabrica-se uma série bem diversificada de produtos, há crescente terceirização da
produção e enfraquecimento da organização dos trabalhadores.
b) A produção fordista se caracterizava pela existência de grandes fábricas, enormes
almoxarifados exigindo processos de controle complexos; as fábricas estavam
concentradas nos países desenvolvidos. O pós-fordismo se caracteriza pela
desconcentração espacial das indústrias no mundo, entregas diárias de peças (just-in-time),
controle simplificado, maior dinamismo.
O papel das transnaciOnais
As transnacionais se espalharam pelo mundo mais intensamente após a
II G.M. São as principais responsáveis pela integração econômica
global e pela revolução técnico-científica e, tiveram importante papel
na contenção do socialismo.
Industrialização dos EUA
Principais regiões industriais da Europa
Japão
As reformas socioeconômicas e a aproximação com o Ocidente
(abertura econômica) no governo Meiji deram início à
industrialização japonesa. A recuperação da economia japonesa
após a II Guerra Mundial aliada à robotização, à política de
redução de custos, a busca por novos mercados e a
desvalorização do iene contribuíram para o seu milagre
econômico na segunda metade do século XX.
Industrialização dos Tigres Asiáticos (fatores condicionantes):
mão-de-obra barata e disciplinada, incentivos fiscais, creditícios e
comerciais oferecidos pelo governo, regimes políticos
autoritários, com exceção de Hong Kong, investimentos
japoneses, produção voltada para o mercado externo (plataforma
de exportação) e contexto da Guerra Fria.
1ª etapa: Coréia do Sul, Hong Kong, Taiwan e Cingapura.
2ª etapa: Malásia, Indonésia, Tailândia e Filipinas.
China
 O panorama econômico recente da China começou a formar-se com
as reformas iniciadas por Deng Xiaoping na década de 1970 com a
política das Quatro Grandes (indústria, agricultura, ciência e
tecnologia e forças armadas) e a criação das ZEEs, abertas a
investidores estrangeiros.
 Fatores condicionantes: Mão-de-obra barata, abundante e
disciplinada, legislação trabalhista rigorosa, regime político
autoritário, disponibilidade abundante de energia e matérias-primas e
legislação ambiental flexível.
Industrialização Brasileira
Industrialização no Brasil Império: pouco
dinamismo em função da(o):
• Permanência de relações escravistas;
• Pequeno mercado interno;
• Estado alheio à industrialização;
• Força de trabalho e infra-estruturas pouco desenvolvidas.
Final do séc. XIX até 1930: surgimento de vários ramos
industriais que exigiam pouco investimento de capitais e tecnologias e
destinavam a atender as necessidades imediatas da população (indústrias
leves).
Década de 1930 até os anos de1950: forte participação do
Estado no economia por meio da criação das indústrias de base
(siderúrgicas, metalúrgicas) e da ampliação da infra-estrutura energética
(keynesianismo). Durante o governo Jk, período conhecido como
desenvolvimentista, o crescimento industrial foi calcado na forte
participação do capital estrangeiro (internacionalização da economia).
Motivos:
 As consequências da 1ª Guerra Mundial;
 A crise do café ocasionada pela crise mundial de 1929;
 As disponibilidades de capitais e infra-estruturas criadas pelo
ciclo do café;
 Aumento da oferta da mão-de-obra e do mercado consumidor
com o êxodo rural e a chegada dos imigrantes;
 Plano de metas do governo JK; etc...
OBS: O capital externo que entrou no Brasil antes de 1930 era
reduzido e foi aplicado em infra-estruturas de energia e transportes e,
depois, principalmente após a 2ª Guerra Mundial, o capital externo
passou a entrar na forma de indústrias de bens de consumo duráveis
(eletrodomésticos, automobilística) e indústrias químico-farmacêutico
e sídero-metalúrgico.
Governos militares: deram continuidade à política
desenvolvimentista que culminou com o “milagre econômico”. Isso foi
possível graças a uma série de incentivos para aumentar a exportação,
o consumo interno, principalmente da classe média e alta, a repressão
política e a oferta de dólares no mercado internacional.
Anos 80 – a década perdida: a má distribuição da renda
e a inflação elevada que impedia o aumento do consumo interno, o
baixo nível de instrução da população brasileira e o elevado
endividamento externo aliada ao contexto mundial vigente (gastos
com a guerra fria e com o Estado de bem-estar social nos países
desenvolvidos, a crise do petróleo nos anos 70 e o esgotamento do
modelo keynesianista) contribuíram para por fim ao milagre
econômico brasileiro.
Década de 1990:
Plano real;
Neoliberalismo;
Desconcentração industrial;
Terceira revolução industrial brasileira (?).
Em suma: a industrialização brasileira baseou-se no tripé
econômico e caracterizou-se por ser tardia, invertida e
dependente de capitais e tecnologias.
Desconcentração industrial.
Até a década de 1990, o Estado colaborava com a desconcentração
industrial por meio das Superintendências (SUDAM, SUDENE,
SUDESUL e SUDECO). Com a extinção dessas Superintendências, a
desconcentração industrial passa a ser estimulada pela “guerra
fiscal” que é travada entre os Estados da federação e os municípios.
Região Nordeste: A industrialização da Região Nordeste foi muito
dependente da ação do Estado (através da SUDENE). Na sua maioria
eram empresas sediadas no Centro-Sul. Muitas dessas empresas que
pra lá se dirigiram possuíam certo nível tecnológico, portanto eram
poupadora de mão-de-obra e seus produtos eram voltados para
mercados extra-regionais. Isso pouco dinamizava a economia regional.
Região Sul: A industrialização teve forte apoio da mão-de-obra
imigrante. Capitais e a iniciativa privada eram direcionadas para as
indústrias de bens de consumo não-duráveis. Assim, a indústria sulista
se desenvolveu de forma integrada à economia regional, utilizando-se
das matérias-primas fornecidas pela agropecuária e pelos recursos
naturais. Recentemente a região Sul vem recebendo ramos industriais
mais modernos.
AS NOVAS REGIÕES INDUSTRIAIS
Vale do Paraíba corresponde a um corredor de
passagem entre São Paulo e Rio de Janeiro. No caso da
indústria bélica de São José dos Campos seu
desenvolvimento foi favorecido pela presença de
institutos de pesquisa na região, como o ITA, INPE e
CTA.
Cubatão – indústrias químicas, petroquímicas e metalúrgicas.
Esta cidade situa-se entre a grande São Paulo e o porto de Santos,
no sistema Anchieta-Imigrantes.
Problemas ambientais graves
Campinas / São Carlos – caracterizada como um tecnopólo, ou
seja, é uma sede de indústrias de alta tecnologia, destacando-se as de
telecomunicações e de novos materiais, como polímeros e cerâmicas.
Os elementos que mais favorecem este tipo de industrialização são: a
presença de centros de pesquisa e mão-de-obra qualificada,
proximidade da grande São Paulo e malha de transporte densa e
moderna (Bandeirantes e Anhangüera).
Região Sul: a industrialização dessa região se deu, principalmente, por
investimentos de empresas brasileiras no setor de bens de consumo não-
duráveis. Destacam-se: as indústrias alimentícias, têxteis, de couros e de
louças. Suas principais regiões industriais são: Vale do Itajaí (SC) nas cidades
de Blumenau e Joinville onde se localizam indústrias têxteis; Serras Gaúchas,
principalmente em Bento Gonçalves e Caxias do Sul, local de indústrias
vinícolas; Novo Hamburgo e São Leopoldo, próximas a Porto Alegre, tem
forte indústria de couro e calçados.
Zona Franca de Manaus: é uma área de livre importação de quase
todos os produtos estrangeiros, isto é, é uma região isenta de tarifas
alfandegárias. Assim, a importação de máquinas, matérias-primas e
componentes é facilitada para o desenvolvimento industrial da região.
A maior parte das indústrias é de capital transnacional, em fábricas que
produzem, principalmente, bens de consumo duráveis, como
eletroeletrônicos e mecânicos. Os mercados consumidores são extra-
regionais, dentro e fora do país. Os problemas de crescimento
desordenado da cidade de Manaus constituem o elemento negativo
desta tentativa de instalação de um parque industrial no meio da selva
amazônica.
IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA INDÚSTRIA
Contaminação dos recursos hídricos;
Poluição do ar: chuva ácida, efeito estufa, inversão térmica, ilhas de
calor, buraco na camada de ozônio;
Lixo;
Poluição sonora e visual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terraProfessor
 
A industrialização brasileira II
A industrialização brasileira IIA industrialização brasileira II
A industrialização brasileira IIAnnellyezyAparecida1
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...UNESA - RJ
 
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01Introdução ao Conteúdo População - Aula 01
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01Ana Paula Silva
 
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)Alexandre Alves
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Camila Brito
 
A Terra e o Universo
A Terra e o UniversoA Terra e o Universo
A Terra e o Universodantasrdl
 
Inversão Térmica e Ilhas de Calor
Inversão Térmica e Ilhas de CalorInversão Térmica e Ilhas de Calor
Inversão Térmica e Ilhas de CalorStephanyChaiben
 
Os três setores da economia na América
Os três setores da economia na AméricaOs três setores da economia na América
Os três setores da economia na AméricaCadernizando
 
Movimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoMovimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoIvaildo
 
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)roberto mosca junior
 
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃOURBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃOVanessa Silva
 
Geografia planeta terra - nave em que viajamos
Geografia   planeta terra - nave em que viajamosGeografia   planeta terra - nave em que viajamos
Geografia planeta terra - nave em que viajamosGustavo Soares
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaçoLuciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
 
A industrialização brasileira II
A industrialização brasileira IIA industrialização brasileira II
A industrialização brasileira II
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
 
Países emergentes
Países emergentesPaíses emergentes
Países emergentes
 
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01Introdução ao Conteúdo População - Aula 01
Introdução ao Conteúdo População - Aula 01
 
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)
Dinamica interna e externa da terra (1ºano/mód.3)
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
A Terra e o Universo
A Terra e o UniversoA Terra e o Universo
A Terra e o Universo
 
Inversão Térmica e Ilhas de Calor
Inversão Térmica e Ilhas de CalorInversão Térmica e Ilhas de Calor
Inversão Térmica e Ilhas de Calor
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Os três setores da economia na América
Os três setores da economia na AméricaOs três setores da economia na América
Os três setores da economia na América
 
Movimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoMovimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e Rotação
 
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
 
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃOURBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO
URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
 
Geografia planeta terra - nave em que viajamos
Geografia   planeta terra - nave em que viajamosGeografia   planeta terra - nave em que viajamos
Geografia planeta terra - nave em que viajamos
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 

Semelhante a O espaço industrial e o processo de urbanização

Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilBruna Azevedo
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraprofacacio
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoPré Master
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1eunamahcado
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoJoão José Ferreira Tojal
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Euna Machado
 
Aula 16 indústria brasileira
Aula 16   indústria brasileiraAula 16   indústria brasileira
Aula 16 indústria brasileiraJonatas Carlos
 
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptxEns_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptxPedroEnrico4
 
Indústria Brasileira
Indústria BrasileiraIndústria Brasileira
Indústria BrasileiraItalo Malta
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraCarson Souza
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º McA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º McProfMario De Mori
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.docAlfredoFilho18
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaProfMario De Mori
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileiraCADUCOC1
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileirafernandesrafael
 

Semelhante a O espaço industrial e o processo de urbanização (20)

Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 
Finalizando!
Finalizando!Finalizando!
Finalizando!
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Aula 16 indústria brasileira
Aula 16   indústria brasileiraAula 16   indústria brasileira
Aula 16 indústria brasileira
 
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptxEns_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
Ens_Medio_Geografia_3_serie_nivelamento_02.pptx
 
Indústria Brasileira
Indústria BrasileiraIndústria Brasileira
Indústria Brasileira
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria Brasileira
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º McA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Mc
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Os modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialistaOs modos de produção capitalista e socialista
Os modos de produção capitalista e socialista
 

Mais de Camila Brito

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias AtivasCamila Brito
 
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Camila Brito
 
Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Camila Brito
 
Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Camila Brito
 
Flipped classroom online
Flipped classroom onlineFlipped classroom online
Flipped classroom onlineCamila Brito
 
Innovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeInnovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeCamila Brito
 
Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Camila Brito
 
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Camila Brito
 
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Camila Brito
 
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Camila Brito
 
Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Camila Brito
 
Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Camila Brito
 
Geologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilGeologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilCamila Brito
 
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...Camila Brito
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Camila Brito
 
Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Camila Brito
 
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoGuia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoCamila Brito
 
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Camila Brito
 

Mais de Camila Brito (20)

Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
Flipped Classroom a perspective from the East and West Methodology.
 
Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)Kahoot presentation (1)
Kahoot presentation (1)
 
Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.Exemplo de Curriculo para professor.
Exemplo de Curriculo para professor.
 
Flipped classroom online
Flipped classroom onlineFlipped classroom online
Flipped classroom online
 
Innovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith CollegeInnovation for Learning - Griffith College
Innovation for Learning - Griffith College
 
Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.Aula Filosofia Contemporânea.
Aula Filosofia Contemporânea.
 
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
Aula conjugando alfabetização para crianças bilíngues e Geografia.
 
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
Poster sobre questão LGB no Ensino Superior.
 
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
Atividades de Geografia para alunos portadores de necessidades especiais do 8...
 
Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano Guia de estudos 9ano
Guia de estudos 9ano
 
Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano Guia de estudos 8 ano
Guia de estudos 8 ano
 
Geologia geral e do Brasil
Geologia geral e do BrasilGeologia geral e do Brasil
Geologia geral e do Brasil
 
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
A construção de um aplicativo para o ensino híbrido: um estudo de caso nas au...
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
Aula
Aula Aula
Aula
 
Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .Geopolítica da América Latina .
Geopolítica da América Latina .
 
Guia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7anoGuia de estudo para prova oficial 7ano
Guia de estudo para prova oficial 7ano
 
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
Design thinking na construção do trabalho científico no Fundamental II.
 

Último

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

O espaço industrial e o processo de urbanização

  • 1. Camila Alves de Brito Apostila 20 O espaço industrial e o processo de urbanização.
  • 2. Fases da industrialização 1ª Revol. Industrial (1750 – 1870) 2ª Revol. Industrial (1870 – II GM) 3ª Revol. Industrial (pós II GM)
  • 3.  Tipos de indústrias Tipo de indústria Características Gerais Exemplos Indústrias de bens de produção/base/capital Transforma matérias-primas brutas (minério e recursos de origem fóssil e vegetal) em matérias-primas processadas, base para outros ramos industriais. • Químicas: pesticidas, fertilizantes, fibras artificiais, cimento, etc... • Refinarias: querosene, gasolina, óleo diesel e lubrificantes. • Siderúrgicas: ferro-gusa, coque, aço. • De papel e celulose. Indústrias de bens intermediários Produz máquinas e equipamentos que serão utilizados em outros segmentos da indústria e em diversos setores da economia. • Mecânica: motores automotivos, máquinas industriais, tratores, colheitadeiras e semeadeiras mecânicas. • Autopeças: pneus, rodas bancos automotivos. Indústrias de bens de consumo Fabrica bens que são consumidos pela população em geral. Está dividida em: indústrias de bens de consumo duráveis e não-duráveis. Bens de consumo duráveis • Eletrodomésticos: geladeiras, televisores, condicionadores de ar, aparelhos de som. • Automobilística: carros e motocicletas. • Moveleira: móveis comerciais e residenciais. Bens de consumo não-duráveis • Têxtil: vestuário, tecidos, toalhas. • Alimentícia: doces, laticínios e bebidas. • Cosméticos: cremes dentais, sabonetes e xampus.
  • 4. Fatores locacionais: Indústrias de bens de consumo duráveis e não-duráveis: proximidade de mercado consumidor e mão-de-obra.
  • 5. Fatores locacionais: Indústrias de bens de capital / bens de produção / de base: proximidade dos recursos minerais e energéticos e de infra- estruturas em transportes.
  • 6. Modelos produtivos taylorisMo - Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos. - Racionalização da produção. - Controle do tempo. - Estabelecimentos de níveis mínimos (cotas) de produtividade.
  • 7. FordisMo - Produção em série (em grandes quantidades) para consumo em massa. - Extrema especialização do trabalho (atividades ultra- repetitivas) / linha de montagem. - Rígida padronização da produção / pouca variedade de modelos.
  • 8. pós-FordisMo / toyotisMo - (3ª r. ind.) - Estratégias de produção (produção de acordo com a demanda – redução do estoque). - Consumo em escala planetária, obedecendo as especificidades de cada mercado. - Desenvolvimento de novas tecnologias. - Flexibilização dos contratos de trabalhos. - Células de produção no lugar da linha de montagem. - Grande variedade de produtos com marcas e modelos diferentes.
  • 9. (Fuvest-SP) As novas formas de organização da produção industrial foram chamadas por alguns autores de pós-fordismo, para diferenciá- las da produção fordista. a) Apresente dois aspectos do processo industrial fordista e dois do pós-fordista. b) Caracterize o espaço industrial no fordismo e no pós-fordismo.
  • 10. a) A era fordista se caracterizava pela existência da linha de montagem, fabricação em série de produtos padronizados (produção em escala) e as tarefas dos trabalhadores eram repetitivas, como mostra o filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin; os sindicatos eram fortes e organizados. Na era pós-fordista, também chamada de produção flexível, o trabalho é organizado em equipes encarregadas das tarefas diárias e do controle de qualidade, os Círculos de Controle de Qualidade (CCQ), os estoques são reduzidos, fabrica-se uma série bem diversificada de produtos, há crescente terceirização da produção e enfraquecimento da organização dos trabalhadores. b) A produção fordista se caracterizava pela existência de grandes fábricas, enormes almoxarifados exigindo processos de controle complexos; as fábricas estavam concentradas nos países desenvolvidos. O pós-fordismo se caracteriza pela desconcentração espacial das indústrias no mundo, entregas diárias de peças (just-in-time), controle simplificado, maior dinamismo.
  • 11. O papel das transnaciOnais As transnacionais se espalharam pelo mundo mais intensamente após a II G.M. São as principais responsáveis pela integração econômica global e pela revolução técnico-científica e, tiveram importante papel na contenção do socialismo.
  • 14. Japão As reformas socioeconômicas e a aproximação com o Ocidente (abertura econômica) no governo Meiji deram início à industrialização japonesa. A recuperação da economia japonesa após a II Guerra Mundial aliada à robotização, à política de redução de custos, a busca por novos mercados e a desvalorização do iene contribuíram para o seu milagre econômico na segunda metade do século XX.
  • 15. Industrialização dos Tigres Asiáticos (fatores condicionantes): mão-de-obra barata e disciplinada, incentivos fiscais, creditícios e comerciais oferecidos pelo governo, regimes políticos autoritários, com exceção de Hong Kong, investimentos japoneses, produção voltada para o mercado externo (plataforma de exportação) e contexto da Guerra Fria. 1ª etapa: Coréia do Sul, Hong Kong, Taiwan e Cingapura. 2ª etapa: Malásia, Indonésia, Tailândia e Filipinas.
  • 16. China  O panorama econômico recente da China começou a formar-se com as reformas iniciadas por Deng Xiaoping na década de 1970 com a política das Quatro Grandes (indústria, agricultura, ciência e tecnologia e forças armadas) e a criação das ZEEs, abertas a investidores estrangeiros.  Fatores condicionantes: Mão-de-obra barata, abundante e disciplinada, legislação trabalhista rigorosa, regime político autoritário, disponibilidade abundante de energia e matérias-primas e legislação ambiental flexível.
  • 17. Industrialização Brasileira Industrialização no Brasil Império: pouco dinamismo em função da(o): • Permanência de relações escravistas; • Pequeno mercado interno; • Estado alheio à industrialização; • Força de trabalho e infra-estruturas pouco desenvolvidas.
  • 18. Final do séc. XIX até 1930: surgimento de vários ramos industriais que exigiam pouco investimento de capitais e tecnologias e destinavam a atender as necessidades imediatas da população (indústrias leves). Década de 1930 até os anos de1950: forte participação do Estado no economia por meio da criação das indústrias de base (siderúrgicas, metalúrgicas) e da ampliação da infra-estrutura energética (keynesianismo). Durante o governo Jk, período conhecido como desenvolvimentista, o crescimento industrial foi calcado na forte participação do capital estrangeiro (internacionalização da economia).
  • 19. Motivos:  As consequências da 1ª Guerra Mundial;  A crise do café ocasionada pela crise mundial de 1929;  As disponibilidades de capitais e infra-estruturas criadas pelo ciclo do café;  Aumento da oferta da mão-de-obra e do mercado consumidor com o êxodo rural e a chegada dos imigrantes;  Plano de metas do governo JK; etc...
  • 20. OBS: O capital externo que entrou no Brasil antes de 1930 era reduzido e foi aplicado em infra-estruturas de energia e transportes e, depois, principalmente após a 2ª Guerra Mundial, o capital externo passou a entrar na forma de indústrias de bens de consumo duráveis (eletrodomésticos, automobilística) e indústrias químico-farmacêutico e sídero-metalúrgico.
  • 21. Governos militares: deram continuidade à política desenvolvimentista que culminou com o “milagre econômico”. Isso foi possível graças a uma série de incentivos para aumentar a exportação, o consumo interno, principalmente da classe média e alta, a repressão política e a oferta de dólares no mercado internacional.
  • 22. Anos 80 – a década perdida: a má distribuição da renda e a inflação elevada que impedia o aumento do consumo interno, o baixo nível de instrução da população brasileira e o elevado endividamento externo aliada ao contexto mundial vigente (gastos com a guerra fria e com o Estado de bem-estar social nos países desenvolvidos, a crise do petróleo nos anos 70 e o esgotamento do modelo keynesianista) contribuíram para por fim ao milagre econômico brasileiro.
  • 23. Década de 1990: Plano real; Neoliberalismo; Desconcentração industrial; Terceira revolução industrial brasileira (?).
  • 24. Em suma: a industrialização brasileira baseou-se no tripé econômico e caracterizou-se por ser tardia, invertida e dependente de capitais e tecnologias.
  • 26. Até a década de 1990, o Estado colaborava com a desconcentração industrial por meio das Superintendências (SUDAM, SUDENE, SUDESUL e SUDECO). Com a extinção dessas Superintendências, a desconcentração industrial passa a ser estimulada pela “guerra fiscal” que é travada entre os Estados da federação e os municípios.
  • 27. Região Nordeste: A industrialização da Região Nordeste foi muito dependente da ação do Estado (através da SUDENE). Na sua maioria eram empresas sediadas no Centro-Sul. Muitas dessas empresas que pra lá se dirigiram possuíam certo nível tecnológico, portanto eram poupadora de mão-de-obra e seus produtos eram voltados para mercados extra-regionais. Isso pouco dinamizava a economia regional.
  • 28. Região Sul: A industrialização teve forte apoio da mão-de-obra imigrante. Capitais e a iniciativa privada eram direcionadas para as indústrias de bens de consumo não-duráveis. Assim, a indústria sulista se desenvolveu de forma integrada à economia regional, utilizando-se das matérias-primas fornecidas pela agropecuária e pelos recursos naturais. Recentemente a região Sul vem recebendo ramos industriais mais modernos.
  • 29. AS NOVAS REGIÕES INDUSTRIAIS Vale do Paraíba corresponde a um corredor de passagem entre São Paulo e Rio de Janeiro. No caso da indústria bélica de São José dos Campos seu desenvolvimento foi favorecido pela presença de institutos de pesquisa na região, como o ITA, INPE e CTA.
  • 30. Cubatão – indústrias químicas, petroquímicas e metalúrgicas. Esta cidade situa-se entre a grande São Paulo e o porto de Santos, no sistema Anchieta-Imigrantes. Problemas ambientais graves
  • 31. Campinas / São Carlos – caracterizada como um tecnopólo, ou seja, é uma sede de indústrias de alta tecnologia, destacando-se as de telecomunicações e de novos materiais, como polímeros e cerâmicas. Os elementos que mais favorecem este tipo de industrialização são: a presença de centros de pesquisa e mão-de-obra qualificada, proximidade da grande São Paulo e malha de transporte densa e moderna (Bandeirantes e Anhangüera).
  • 32. Região Sul: a industrialização dessa região se deu, principalmente, por investimentos de empresas brasileiras no setor de bens de consumo não- duráveis. Destacam-se: as indústrias alimentícias, têxteis, de couros e de louças. Suas principais regiões industriais são: Vale do Itajaí (SC) nas cidades de Blumenau e Joinville onde se localizam indústrias têxteis; Serras Gaúchas, principalmente em Bento Gonçalves e Caxias do Sul, local de indústrias vinícolas; Novo Hamburgo e São Leopoldo, próximas a Porto Alegre, tem forte indústria de couro e calçados.
  • 33. Zona Franca de Manaus: é uma área de livre importação de quase todos os produtos estrangeiros, isto é, é uma região isenta de tarifas alfandegárias. Assim, a importação de máquinas, matérias-primas e componentes é facilitada para o desenvolvimento industrial da região. A maior parte das indústrias é de capital transnacional, em fábricas que produzem, principalmente, bens de consumo duráveis, como eletroeletrônicos e mecânicos. Os mercados consumidores são extra- regionais, dentro e fora do país. Os problemas de crescimento desordenado da cidade de Manaus constituem o elemento negativo desta tentativa de instalação de um parque industrial no meio da selva amazônica.
  • 34. IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA INDÚSTRIA Contaminação dos recursos hídricos; Poluição do ar: chuva ácida, efeito estufa, inversão térmica, ilhas de calor, buraco na camada de ozônio; Lixo; Poluição sonora e visual.