Curriculo

341 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
341
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curriculo

  1. 1. UNIVERSIDADE FDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA CURRÍCULO DISCIPLINAR: DISCIPLINAR O QUÊ? Alunas: Edna Cardozo, Heloisa Rodrigues e Luana Sampaio Por que discutir sobre o currículo disciplinar? Porque é um assunto polêmico, é onde ocorre, intensamente, disputas ideológicas. Sua essência emerge da política, ora pois! Vejamos como um exemplo atual o curso de Pedagogia da UFPA. Há nos corredores do bloco E (“E” de educação!) um assunto que anda borbulhando em nossos ouvidos e que foi usado muitas vezes como objeto de acusações, defesas e promessas durante as eleições para a coordenação do ICED: A restruturação curricular. Conquanto, há algumas considerações sobre o "currículo" que achamos relevantes e, portanto, merecem ser evidenciadas. Tomemos como pressuposto que o currículo criou-se ao longo da sua trajetória (desde o século XIX) como uma prática social do professor e do aluno, assim como um documento escrito no qual percebemos determinadas aspirações e objetivos de uma escolarização e que acabam por legitimá-la. Se nele há aspirações e objetivos, entende-se que eles estão de acordo com as emergências de uma sociedade que está inserida em um contexto histórico. Por sua vez estas emergências quase sempre valeram-se dos interesses de um grupo dominante, porém, minoritário. Interesses que estão ligados à questões culturais, econômicas e, primordialmente, políticas. Neste sentido, o currículo escrito nos proporciona um testemunho, uma fonte documental, um mapa do terreno sujeito a modificações, constitui também um dos melhores roteiros oficiais para a estrutura institucionalizada da escolarização" (GOODSON, 1995, p. 21). Portanto, discutir a estrutura curricular é necessário! Sua construção não se trata somente de selecionar conteúdos, metodologias, didáticas, o tempo de duração do curso, etc. Debatê-lo
  2. 2. abrange um sentido que transcende a técnica, tem a ver, sobretudo, com a concepção de Homem, sociedade e educação. Só para constar, nós trocamos propositalmente o nome currículo disciplinar para estrutura curricular. E logo esclareceremos o motivo da troca. Para tal, buscamos no Prof. Ph. D. Alfredo Veiga-Neto, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, algumas respostas para as nossas indagações acerca do conceito do termo ontológico currículo disciplinar. Certa vez, tivemos a oportunidade de assisti-lo em uma webconferência no CETIC da UFPa, cujo tema era exatamente sobre a construção do currículo. Durante a sua exposição ele realizou um breve conceito: é um artefato educacional localizado no campo da ação política, onde organiza os saberes em um espaço e tempo escolar, contudo estes saberes ultrapassam os limites da escola. Indo um pouco além, o perfil do currículo deveria ser unitário, afim de evitar exclusões, segregações ou qualquer tipo de prática que aparta determinados grupos sociais decorrentes das diferenças culturais. Tal conceito supera a ideia de que o currículo escrito e a prática curricular limitam-se aos domínios da escola ou aos conteúdos escolares, como vimos anteriormente com os dizeres do Goodson. A perspectiva de construir um currículo neste âmbito implica na valorização da identidade cultural. É sobretudo entendê-las como saberes culturalmente diferentes e não inferiores e subordinadas em relação a outra. Em outro momento com o professor Veiga-Neto, especificamente, no texto Uma lança com duas faces, ele aponta uma faceta no qual devemos refletir: o currículo foi e tem sido um dos mais poderosos artefatos de que se valeu a modernidade para impor uma determinada ordem ao mundo – uma ordem feita de compartimentações hierarquizadas, presenças e ausências, vozes e silêncios, inclusões e exclusões (VEIGA, 2002, p. 152). Esta ordem ao mundo é dar disciplina à sociedade, valendo-se das ideologias impostas pelo capitalismo. Aqui chegamos onde queremos, a justificativa da troca. A partir da ideia do professor Veiga-Neto, deixamos a seguinte inquietação à vocês: continuar disciplinando ou construir uma estrutura curricular que melhor atenda as necessidades de uma sociedade que sofre com a desigualdade econômica, reconhecendo que esta constitui-se de forma heterogênea? Concluímos que ao tomarmos como aporte o sentido de que o Currículo é um artefato educacional e que este se localiza no campo das ações políticas, possibilita-nos à prática social, sendo ela crítica e mais envolvida com as pluralidades dos saberes. Por isto, achamos que re- significar a estrutura do currículo educacional merece, sim, um estudo profundo e um debate amplo, esclarecedor e democrático.
  3. 3. Referências Bibliográficas: •GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Vozes: Petrópolis, RJ, 1995, 140 p. •VEIGA-NETO, Veiga. Uma lança com duas pontas. ROSA, Dalva E. Gonçalves & SOUZA, Vanilton Camilo de. (Orgs).Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. DP&A: Rio de Janeiro, 2002, 121p.

×