O professor reflexivo

454 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
454
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O professor reflexivo

  1. 1. INTRODUÇÃO AS ABORDAGENS CRÍTICO-REFLEXIVAS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS
  2. 2. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo
  3. 3.  Sociedades industrializadas → processos de escolarização chega a lugares mais inacessíveis.  Preparação científico-técnico, formação cultural e humana e formação compensatória → não alcançam grau de satisfação.  Professor → responsável pela natureza e qualidade do quotidiano educativo.  Comissões de alto nível → encarregados de elaborar propostas de atuação e reforma do sistema de formação de professores.  A formação de professores não pode considerar-se um domínio autônomo de conhecimento e decisão.  Professor técnico-especialista → aplica as regras que derivam do conhecimento científico.  Professor como prático → artista que reflete, que toma decisões e que cria durante sua própria ação.
  4. 4. O PROFESSOR COMO TÉCNICO  Atividade profissional (prática).  Racionalidade técnica (SCHÖN, 1983).  Socialização dos profissionais.  Solução dos problemas.  Técnico especializado.  FORMAÇÃO DE PROFESSORES
  5. 5. O PROFESSOR COMO TÉCNICO  COMPONENTE CIENTÍFICO – CULTURAL  COMPONENTE PSICOPEDAGÓGICO
  6. 6. LIMITES DA RACIONALIDADE TÉCNICA  A perspectiva racionalista critica o modelo empírico. O que propõem?  Atividade de ensino (a prática do professor) possui uma dimensão científica e uma dimensão artística.  A realidade social ou as situações problemáticas que encontramos têm características de complexidade, incerteza, instabilidade, singularidade e conflito de valores.  Deve-se abandonar a racionalidade técnica? O que fazer?
  7. 7. LIMITES DA RACIONALIDADE TÉCNICA  É a natureza da realidade que determina as características dos procedimentos, técnicas e métodos mais apropriados ou são os critérios de validação do conhecimento científico que devem prevalecer?  Podemos considerar que os problemas sociais e as realidades físicas têm naturezas análogas e, portanto, podem ser abordadas através dos mesmos métodos e técnicas?
  8. 8. A RACIONALIDADE PRÁTICA: REFLEXÃO-NA-AÇÃO METÁFORAS SOBRE O PAPEL DO PROFESSOR  Investigador na sala de aula.  Ensino como arte.  Ensino como arte moral.  Profissional clínico.  Ensino como de planejamento e tomada de decisões.  Ensino como processo interativo.  O professor como prático reflexivo. O QUE ESSAS METÁFORAS POSSUEM EM COMUM?
  9. 9. “O professor intervém num cenário psicossocial vivo e mutável ‘’. (p.102) Diante disso como ele deve agir em seu ambiente de trabalho? Quais dessas características melhor define a palavra reflexão? ( ) É determinada biológica ou psicologicamente. ( ) Expressa uma orientação para ação. ( ) É uma forma individualista de trabalho mental. ( ) É um processo mecânico. ‘‘A reflexão implica a imersão do consciente do homem no mundo da sua experiência’’. (p.103)
  10. 10. PENSAMENTO PRÁTICO * conhecimento-na-ação. * reflexão-na-ação. * reflexão sobre a ação e reflexão-na-ação. Como o excesso de tempo de prática do professor pode interferir nesse pensamento prático? ‘’Ao conhecer a estrutura da disciplina em que trabalha e ao refletir sobre o ecossistema peculiar da sala de aula, o professor não se limita a deliberar sobre os meios, separando-os da definição do problema e das metas desejáveis, antes constrói uma teoria adequada à singular situação do seu cenário e elabora uma estratégia de ação adequada’’. (p. 106)
  11. 11. FREDERICK WINSLOW TAYLOR (1856 – 1915) Administração Científica – postulou métodos científicos cartesianos na administração de empresas.
  12. 12. PARADIGMA DE TAYLOR * Desenvolver o trabalho como uma ciência. Este princípio pressupunha um estudo criterioso de todos os elementos de cada atividade para extrair os métodos científicos de sua realização. * Selecionar e treinar o trabalhador. Neste ponto, significava uma determinação detalhada das tarefa do trabalhador, ou melhor dizendo, um adestramento do trabalhador. * Cooperar com os trabalhadores. Pode-se dizer que se tem um processo de compra através da remuneração por produtividade do consentimento do trabalhador em participar desta sistemática. * Dividir o trabalho entre a direção e o trabalhador. A direção se incumbe da administração do trabalho e o trabalhador, da responsabilidade tão somente pela execução.
  13. 13. O MODELO TÉCNICO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES As instituições de formação de professores utilizam o modelo de racionalidade técnica? * A investigação acadêmica contribui para o desenvolvimento de conhecimento profissional útil? *O conhecimento profissional ensinado prepara o aluno- mestre para as exigências do mundo real da sala de aula? * Que relação devem existir entre o conhecimento científico e suas aplicações técnicas ?
  14. 14. Como o professor complementa sua formação técnica ao defrontar-se com a realidade da sala de aula? * Situações familiares Reconhecer os problemas e selecionar os meios adequados à sua solução. * Situações não-familiares A prática converte-se num processo de treino para utilizar a investigação na resolução de novos problemas.
  15. 15. O MODELO REFLEXIVO E ARTÍSTICO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES  A prática profissional diverge e cria  Criação e construção Como atua o profissional competente?  Profissional Reflexivo ↔ conhecimento profissional próprio  Professores Artistas Reflexivos ↔ Prática
  16. 16.  Prática como núcleo?  Teoria e prática separadas?  Prática ponto de partida?  Prática flexível?  Prática processo de investigação?  O pensamento prático do professor.
  17. 17.  Prática atividade criativa?  Prática e pensamento prático.  Prática e formador.  Escolas de desenvolvimento profissional.  Formadores experientes.  Ciências básicas e ciências aplicadas.

×