Contabilidade de custos

389 visualizações

Publicada em

Nocoes de custos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
389
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Contabilidade de custos

  1. 1. Contabilidade de Custos Conceitos Básicos Definição da terminologia utilizada: Custo: Valor de entrada por compra ou produção; Preço: Valor de saída por venda; Mercadoria: Bem adquirido para revenda; Produto: Bem produzido para venda; Insumo: Bem adquirido para consumo; Desembolso: Saída de dinheiro do: Bolso, Bolsa, Caixa, Banco. Receita: Valor pelo qual os produtos foram vendidos. Gasto: Consumo de bem ou serviço, ativos adquiridos á vista ou prazo·. Gastos podem ser classificados em custo, despesa, perdas ou desperdício. Custos:sãogastosconsumidos na produção de outros bens ou serviços,Observem que não existem despesasde produção e sim custosde produção: M.Prima; materiais auxiliares; MOD;MOI;energia; água;serviços de apoio (almoxarifado, manutenção, refeitório, ambulatório, engenharia, etc). Despesas: São gastos consumidos no processo de geração de receita ou manutenção do negócio. Todas as despesas estão ligadas direta ou indiretamente ligadas à realização de receitas. Ex: Despesas administrativas, com vendas. Perdas: Gastos anormais ou involuntários que não geram um novo bem nem tampouco receitas e são apropriados diretamente no resultado do período em que ocorrem. Exemplos: ● Vazamento de materiais líquido ou gasoso ● Material com prazo de validade vencido ● Gastos incorridos em períodos de paralisação de produção Desperdícios: São gastos incorridos nos processos produtivos ou de geração de receitas e que possam sereliminados semprejuízo da qualidade ou quantidade dos bens,serviços ou receitasgeradas.Atualmente, o desperdício é classificado como custo ou despesa e sua identificação e eliminação é fator determinante de sucesso ou fracasso de um negócio. Na economia globalizada manter desperdício é sinônimo de prejuízo, pois não poderão ser repassados para o preço. Exemplos: ● Retrabalho decorrente de defeitos de fabricação; ● Estocagem e movimentação desnecessária de materiais e produtos; ● Relatórios financeiros, administrativos e contábeis sem qualquer utilidade; ● Cargos intermediários de chefia e supervisão desnecessários.
  2. 2. Classificação dos Gastos A separação dos gastos em custos e despesas é fundamental para a apuração do custo da produção e do resultado de um período. É importante lembrar que custossão gastosnecessáriospara a produção de bens e serviços,enquanto as despesas são gastos necessários para a geração de receitas. Podemos resumir que gasto é o consumo de algo, que pode ser adquirido á vista ou a prazo. Classificação dos gastos quanto às variações de volumes de produção e vendas. Quanto ao comportamento em relação às variações nos volumes de produção e de vendas, os gastos classificam-se como a seguir: ● custos e despesas fixas; ● custos e despesas semifixos e semivariáveis; ● custos e despesas variáveis. São os custos que permanecem constantes dentro de determinada capacidade instalada, independem do volume de produção, ou seja, uma alteração no volume de produção para mais ou para menos não altera o valor total do custo. Exemplos: Salários das chefias, aluguel, seguros, impostos, pagamento de juros, etc. Os custos fixos têm as seguintes principais características: 1 - O valor total permanece constante. 2 - O valor por unidade produzida varia à medida que ocorre variação no volume de produção por tratar de um valor fixo diluído por uma quantidade maior. Custos fixos de um período Volume de produção Custos fixos por unidade $ 12.000 5.000 unidades $ 2,40 $ 12.000 6.000 unidades $ 2,00 $ 12.000 4.000 unidades $ 3,00 Gasto Custo Despesa Gerar um novo Produto Receita
  3. 3. 3 - Sua alocação para os departamentos ou centro de custo é determinada por critérios de rateio. 4 - A variação dos valores totais pode ocorrer em função de desvalorização da moeda ou por aumento ou redução significativa no volume de produção. Esse decréscimo no custo fixo unitário, com o aumento do volume de produção, é conhecido como economia de escala, uma das grandes vantagens competitivas das multinacionais que produzem para diversos mercados internacionais. Dessa maneira, podem aproveitar ao máximo a capacidade instalada da fábrica e reduzir os custos unitários de produção. Gastos semifixos ou semivariáveis Alguns gastos têm parte de sua natureza fixa e parte variável. Por exemplo, a depreciação é a perda de valor de um bem em função do desgaste pelo uso, pela ação do tempo e pela obsolescência. Essa perda de valor tem o seguinte comportamento: Perda de valor por Natureza Desgaste pelo uso Variável Ação da natureza Fixa Obsolescência Fixa Na prática, esses gastos são classificados em função do que seja mais relevante e de acordo com o critério de cálculo. No Brasil a depreciação é calculada pelo método linear, em função do tempo de vida útil. Assim sendo, é tratada como gasto fixo. Caso fosse calculado em função do tempo efetivo de utilização, seria variável. Vida útil estimada Custo Classificação Depreciação por Valor depreciado 5 anos $18.000 Fixo Tempo de vida útil independentemente do tempo de utilização= 20% ao ano $3.600 por ano ou $ 300 por mês 200.000 Km $ 18.000 Variável Km efetivamente rodado $0,09 por km rodado no período Custos Variáveis. São os custos que mantêm relação direta com o volume de produção ou serviço. Dessa maneira,o total dos custos variáveis cresce à medida que o volume de atividades da empresa aumenta. Na maioria das vezes, esse crescimento no total evolui na mesma proporção do acréscimo no volume produzido. Os custos variáveis têm as seguintes características: 1 – Seu valor total varia na proporção direta ao volume de produção; 2 – O valor é constante por unidade, independentemente da quantidade produzida;
  4. 4. 3 – A alocação aos produtos ou centro de custos é, normalmente, feita de forma direta, sem a necessidade de utilização de critérios de rateios. Por exemplo, se uma indústria consome um metro quadrado de couro para produzir um par de sapatos, teremos o seguinte custo de material direto: Produção no período Consumo de couro por unidade Consumo total de couro 1.000 pares 1 metro 1.000 metros 1.200 pares 1 metro 1.200 metros 1.500 pares 1 metro 1.500 metros Os custos variáveis podem ser representados graficamente, como a seguir: Custo 5000 4000 3000 2000 1000 0 100 200 300 400 500 Quantidade Produzida Classificação dos gastos quanto à forma de distribuição e apropriação aos produtos. Existem duas formas de classificação dos gastos que são: Diretos e Indiretos. Custos Diretos São os custos que podem ser quantificados e identificados no produto ou serviço e valorizados com relativa facilidade. Dessa forma, não necessitam de critérios de rateios para serem alocados aos produtos fabricados ou serviços prestados, já que são facilmente identificados. Os custos diretos, na grande maioria das indústrias, compõem-se de materiais e mão de obra, conforme definido a seguir. Materiais diretos: matérias primas, materiais de embalagem, componentes e outros materiais necessários à produção, ao acabamento e à apresentação final do produto. Mão de obra direta: é o trabalho aplicado diretamente na confecção do produto, suas partes ou componentes. Nas empresas industriais esse tipo de custo está sendo gradativamente substituído por máquinas e equipamentos.
  5. 5. O custo em mão de obra compõe-se dos salários, provisões de férias e 13 salário e encargos sociais, que podem ser obrigatórios como INSS, FGTS e espontâneos como Assistência médica, cesta básica, seguro de vida, transporte, alimentação. Os custos diretos, de modo geral, são facilmente identificados com os produtos. Os matérias diretos, por exemplo, são normalmente requisitados com a identificação prévia de sua utilização. Via de regra,ao se emitir a requisição, seja ela manual ou automática, é indicado para qual produto ou OP o material será utilizado, o que facilita a posterior apropriação do custo à produção específica. A mão de obra direta, por sua vez, pode ser identificada, por meio de apontamentos, com o produto que está sendo fabricado, restando apenas à contabilidade de custos, de posse das informações relacionadas com a folha de pagamento e demais relatórios do departamento pessoal, efetuar as devidas apropriações às diversas unidades produtivas. Custos indiretos. São custos que, por não serem perfeitamente identificados nos produtos ou serviços, não podem ser apropriados de forma direta para as unidades específicas,ordens de serviços ou produtos. Necessitam, portanto, da utilização de algum critério de rateio para a sua alocação. Exemplos: 1 – mão de obra indireta; 2 – materiais indiretos; 3 – outros custos indiretos; Mão de obra indireta: é representada pelo trabalho realizado nos departamentos auxiliares tais como mecânica, elétrica, almoxarifado, operador empilhadeira, preparador de máquina, ou seja, toda mão de obra aplicada na produção mais que não tenha um contado direto com a fabricação do produto. Não podendo mensurar em nenhum produto confeccionado. Materiais indiretos: são materiais empregados nas atividades auxiliares de produção, ou cujo relacionamento com produto é irrelevante. Exemplos: graxas, lubrificantes, lixas, rebolos, materiais de proteção aos empregados, uniformes, combustíveis, energia elétrica, água, etc. Critérios de rateio. Representa os critérios utilizados para a distribuição dos gastos indiretos aos produtos, centro de custo. Esses critérios, muitas vezes, são subjetivos e arbitrários, podendo provocar distorções nos resultados finais. Não há critério de rateio que seja válido para todas as empresas e sua definição depende do gasto que tiver sendo rateado, do produto ou centro de custo e da relevância do valor envolvido. A principal regra para determinar um critério de rateio é o bom senso.
  6. 6. Departamentalização ou Centro de Custos. É a divisão da empresas em áreas distintas, de acordo com as atividades desenvolvidas em cada uma dessas áreas. Dependendo da nomenclatura utilizada nas empresas,essas áreas poderão ser chamadasde departamentos,setores, centros de custos ou centro de despesas. Para a contabilidade de custos, é muito importante à correta definição das nomenclaturas, evitando interpretações equivocadas. Departamentos: è uma unidade operacional representada por um conjunto de homens e ou máquinas de características semelhantes, desenvolvendo atividades homogêneas dentro de uma mesma área, esta divisão por departamentos é aplicada a toda a empresa. Industriais Cromeação Usinagem Montagem Manutenção Administrativas Contabilidade Tesouraria Pessoal Compras Comerciais Vendas Marketing Expedição Atendimento Clientes Para a contabilidade de custos é importante separaros departamentosque atuam diretamente sobre o produto, então, é necessário dividir os departamentos industriais em duas formas, a saber: Departamentos Produtivos São os departamentos que atuam diretamente na confecção do produto, pois são eles que promovem qualquer tipo de modificação sobre o produto. Exemplo Estamparia Usinagem Forjaria Pintura Montagem Departamentos Auxiliares Também conhecidos como não produtivos, são os que existem basicamente para prestarserviços aos demais departamentos. Nestes departamentos não ocorrem nenhuma ação direta sobre os produtos. Exemplo Manutenção Almoxarifado Controle de Qualidade Engenharia Industrial Suprimentos É importante salientar que não apenas em uma atividade indústria aplicasse o sistema de departamentalização em todas as empresas pode se utilizar deste sistema. Por um único motivo: Controle de Gastos. Desta forma é possível medir o desempenho de toda a empresa de forma mais racional.
  7. 7. Centro de Custos Uma vez definida a estrutura departamental da empresa, quase sempre um departamento é um centro de custos, mais nem sempre isto é uma verdade,pode um departamento ser composto por mais de um centro de custo. Defini- se centro de custos como sendo a menor unidade acumuladora de custos indiretos, é o nível mais baixo da estrutura que iremos estudar. Exemplo: Pode-se afirmar que a departamentalização é indispensável a uma empresa que se pretende efetuar uma correta apropriação dos custos indiretos aos produtos fabricados. Como os custos indiretos são formados por gastos ocorridos na fabrica toda, ou ainda por custos fixos e estes não possuem nenhuma relação direta com os produtos fabricados, é importante manter um controle apurado do montante destes gastos. De um modo geral estes gastos são alocados via rateio e rateio é sempre arbitrário. Sistemas de Cálculos de Custos Custeio por absorção direto: Apropriado o material direto (M. Prima), Mão de Obra direta, Outros custos de produção. Sendo que a mão de Obra e os outros custos são apropriados em função do volume de horas produtivas. Custeio por absorção Indireto: Apropriado o material direto (M. Prima), Mão de obra direta, Outros custos de produção é separado por centro de custo e distribuído ao produto segundo diversas formas, exemplo mão de obra indireta de acordo com o volume de horas prestadas a cada departamento, requisições de matérias auxiliares é apropriado segundo o centro de custo consumidor. CusteioABC:Oscritériossãoidênticos ao custeio indireto, porem este método é muito mais detalhado e complexo, os critérios de rateio são direcionados de acordo com um plano de atividades para cada departamento e rotina pertinente a cada um deles. Este método exige um nível de controle interno muito apurado, poucas empresasapuram seus custos segundo este método, alem do controle seu custo é muito alto, em muitos casos inchando o quadro de funcionários ou tornando os sistemas eletrônicos lentos e ineficientes. Custeio RKW: ( Reichskuratorium fur Wirtschftlichkeit): Sistema alemão de apuração de custos todos os outros sistemas são derivados deste. Este sistema está em desuso, pelo menos em sua forma original, o diferencial é que ele não separa os gastos em custo e despesas, todos os gastos fazem parte do custo do produto, o que não deixa de ser verdade, porem como já vimos é importante diferenciar os gastos, pois assim saberemos se o produto está inviável em função dos gastos de produção ou administrativos e vendas. Departamento: Laminação Decapagem Trefilação Laminação
  8. 8. Custeio Padrão (Standard): Os critérios são idênticos ao custeio indireto, porem é apurado os custos uma única vez, no momento do orçamento da empresa para o próximo período, onde são determinadas taxas para cada fase ou departamento e valorizadas de acordo com o volume de horas trabalhadas em cada fase ou departamento. Durante o período em que esta taxa fica vigente e o que realmente acontece na produção surgem variações que são apresentadas segundo suas classificações, ex. Mão de Obra, Uso (materiais), Custo fixo. Tipos de Custos Custos dos materiais: Todos os gastos incorridos para a colocação do material em condições de uso incorporam ao seu valor. Materiais Diretos: são todos os materiais aplicados nos produtos (Matérias Primas, Componentes). Materiais Indiretos: são todos os materiais aplicados na produção, porem sem uma relação direta com os produtos, é apropriado de acordo com o centro de custo consumidor, estes materiais são classificados em dois grupos os Materiais Auxiliares e Materiais Operacionais. Materiais Auxiliares: vernizes, adesivos, pregos, ácidos, material de solda, abrasivos, etc. que muitas vezes estão presentes nos produtos (sem ser a matéria prima), mas cuja quantidade ou valor são tão pequenos, que não justificam economicamente a apropriação direta. Materiais Operacionais: material de limpeza, óleo, graxa, lubrificantes, que não compõem o produto. Esta classificação é própria de cada empresa e seguimento de negócio, em vias gerais os materiais são classificados segundo dois critérios: Capacidade de apropriação ou controle: Todos os materiais requeridos na Op, que não sejam matérias primas ou utilizados em pequenas quantidades, são geralmente designados como materiais auxiliares. Capacidade de justificativa: materiais não requeridos nas Ops, porem necessários no processo produtivo. Apuração das quantidades de materiais aplicados. Asquantidades de materiais aplicados podem serapuradasde formas direta ou indireta. Na forma direta osmateriais são retirados do almoxarifado através de requisição, que contém as informações necessárias a identificar para qual Tipos de Materiais Materiais Diretos Materiais indiretos Custos Gerais Materiais Auxiliares Materiais Operacionais
  9. 9. produto o material será aplicado. E para os materiais indiretos (operacionais) deverá contem informações que indiquem em qual centro de custo o material será utilizado. Na apuração indireta a quantidade de material aplicado, como às vezes é realizada em unidades fabris de pequeno porte, o consumo é apurado utilizando uma fórmula. Este método é muito simplista e não dá condições de verificar os problemas freqüentes que acontecem nos estoques, como por exemplo, perdas, furtos e deteriorações. Toda a diferença é registrada como consumo, portanto, custo de produção. Custos de combustíveis e de energia. Este grupo de custos se subdivide, segundo o grau de importância, que resulta essencialmente do montante dos custos, em tipos de custos. Fazem parte dos combustíveis para aquecimento: Carvão, coque, óleo combustível e gás natural. Fazem parte dos combustíveis para veículos: gasolina, óleo diesel, gás, óleo lubrificante. Como energia em primeiro lugar a energia elétrica, gás, ar comprimido e vapor. De acordo com o montante dos custos do consumo de água deverá ser decidido, se os custos com água serão registrados no tipo de custos de energia ou em separado. Os registros das quantidades aplicadas e dos preços de custo comprados e consumidos são relativamente simples, partindo do pressuposto que a empresa mantém um controle de produção satisfatório. Com a energia gerada pela própria fabrica fica mais difícil manter um controle e para evitar mais um controle, normalmente estesitens são registrados como custos gerais e rateadospara os centrosde custos segundo um critério pré-estabelecido. Custos de Recursos Humanos. Mão de obra como todos os outros itens de custo é dividida em direta e indireta, e para ambas o calculo que veremos a seguir é valido. Consumo = Estoque Inicial + Compras – Estoque Final Consumo = EI C EF Custos de Combustíveis e Energia Combustíveis para Aquecimento e Veículos Custos de Água e Energia
  10. 10. Alem do valor do salário, faz parte deste custo todos os encargos sociais determinados na CLT e nos acordos ou convenções coletivas de trabalho. Que seriam: Repousos semanais remunerados; Férias; 13º Salário; Contribuição ao INSS; Remuneração dos feriados; Faltas abonadas; FGTS; Cesta básica; Seguro de Vida; Transporte; Alimentação; Assistência médica; Plano de Pensão; Sobre o total dos salários o empregador é obrigado recolher as seguintes contribuições: Previdência Social 20,0% Fundo de Garantia 8,0% Seguro – acidentes do trabalho 3,0% Salário – Educação 2,5% SESI ou SESC 1,5% SENAI ou SENAC 1,0% INCRA 0,2% SEBRAE 0,6% Total 36,8% A maneira mais fácil de calcular esse valor é verificar o gasto que cabe à empresa por ano e dividi-lo pelo numero de horas que o empregado efetivamente se encontra à sua disposição. Vejamos um exemplo: Suponhamos que um operário seja contratado por $ 5,00 por hora. A jornada máxima de trabalho permitida pela CLT é 44 horas semanais (sem considerar horas extras). Supondo-se semana não inglesa, isto é,semana de seis dias sem compensação do sábado, a jornada máxima diária será de: 44 / 6 = 7,3333 horas que equivalem a 7 horas e 20 minutos. Assim, podemos estimar o número máximo de horas que um trabalhador pode oferecer a empresas: Número total de dias no ano 365 dias (-) Repousos Semanais 48 dias (-) Férias 30 dias (-) Feriados 12 dias (=) Nº máximo de dias à disposição do empregador 275 dias
  11. 11. (x) jornada máxima diária 7,3333 horas (=) Nº máximo de horas à disposição por ano 2.016,7 horas A remuneração anual desse empregado será, então: (a) Salários: 2.016,7 h x 5,00 10.083,50 (b) Repouso semanal 48 x 7,3333 x 5,00 1.759,99 (c) Férias 30 x 7,3333 x 5,00 1.100,00 (d) 13º salário 30 x 7,3333 x 5,00 1.100,00 (e) Adicional de férias 1/3 x ( c) 366,66 (f) Feriados 12 x 7,3333 x 5,00 440,00 Total 14.850,15 Encargos Sociais 36,8% Total 20.315,01 Sendo assim o custo hora para a empresa será: 20.315,01 / 2.016,7 = 10,07 Os encargos sociais mínimos provocaram um acréscimo de: (10,07 / 5,00)-1 = 101,4% Tabela de Desconto do INSS – Assalariado De R$ Até R$ 1.399,12 8% de 1.399,13 Até R$ 2.331,88 9,00% De R$ 2.331,89 Até R$ 4.663,75 11,00% Como já vimos anteriormente à mão de obra direta é definida como o gasto aplicado direto no produto, ou seja, é o valor do salário do operador de máquina, no caso de uma empresa industrial. Desta forma ela será agregada ao produto de acordo com o tempo gasto, resta a empresa, portanto ter um controle eficiente destas horas. Mão de obra indireta é o valor do salário dos auxiliares á produção como, por exemplo, de um preparador de máquina, ou setores ligados, como manutenção, ferramentaria, almoxarifado. Normalmente as horas de mão de obra indiretas são rateadas aos produtos em função do volume das horas de produção. Calculando uma taxa gerale cada produto receberá uma parcela deste custo de acordo com seu tempo de produção. Custo da Manutenção. Quanto mais técnica for à unidade fabril, tanto maior será a importância dos custos de manutenção, que neste caso precisam ser apresentadas em forma detalhada para fins de planejamento e controle.
  12. 12. Nos custos de manutenção se pode diferenciar entre os serviços realizados internamente e por terceiros. Para os serviços realizados por terceiros existem faturas, de maneira que estes podem ser atribuídos de forma direta aos centros de custos que recebeu os serviços. Para os serviços realizados pelo departamento de manutenção, devem- se criar sistemas de controles eficientes, onde se possa apontar o volume de horas trabalhadas e o material aplicado em cada tarefa. A ferramentaria é outro departamento muito importante e grande gerador de custos indiretos, em muitas empresas este setor é tão importante quanto os setores produtivos. Este setor é responsável pela fabricação de ferramentais específicos e imprescindíveis para a produção. Deve-se manter um perfeito controle sobre os gastos aqui realizados e apontados de forma adequada ao consumo dos materiais gerados. Muitas vezes os gastos realizados não são aplicados na fabricação de novos produtos e sim destinados ao estoque de ferramentas. Só podemos contabilizar como custo àquilo que realmente está gerando produção. Custos Imputados. Custo Imputado é um valor apropriado para efeitos internos ao produto, mas não contabilizável como tal. Normalmente não ocorre gasto nenhum, ele é subjetivo e polêmico. Para esclarecemos melhor vamos mostrar alguns exemplos: Custo de Oportunidade: É comum o gestor de a empresa levar em consideração o juro que poderia estar ganhando com uma aplicação financeira ao em vez de estar investindo em estoques de materiais primas. O mesmo pode-se afirmar ao Aluguel do prédio próprio, ao invés de utilizá-lo no processo produtivo poderia alugá- lo e ter um retorno como no caso anterior. Um exemplo bastante importante de Custo Imputado é o casobrasileiro de Depósito Compulsório para Importações. A empresa se vê obrigada a deixar um valor depositado durante um determinado tempo para poder importar, por exemplo, uma matéria prima. Não pode contabilizar os encargos financeiros ou o juro do capital empregado como custo do produto. Gerencialmente, todavia, interessa a empresa ter esse gasto ou custo de oportunidade colocada sobre o custo totaldo produto, para melhor poder analisá-lo. Nada impede isso para efeito de decisão; pelo contrário, é exatamente desejável, mas é necessário levar em conta que só para essa finalidade interna pode haver a incorporação ao custo global do produto. O raciocínio é gerencialmente válido, mais não contabilizável.

×