SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Curso de Tradutor Intérprete de LIBRAS
                                                              Linguística Geral
                                                         Prof.ª Mariana Correia
                                                 Parte 2 – Teorias Linguísticas
Algumas convergências e divergências entre o programa de Chomsky e o
                              de Piaget

                                                  ANA PAULA NOBRE DA CUNHA

        Apesar da existência de opiniões controversas quanto à aproximação
desses dois programas, Piaget (1978c, p.93) afirma concordar com três
aspectos essenciais da obra de Chomsky: 1 O ) “a linguagem é um produto da
inteligência ou da razão e não de uma aprendizagem, no sentido behaviorista
do termo”; 2 o) “esta origem racional da linguagem supõe a existência de um
núcleo fixo necessário para a elaboração de todas as línguas”; 3 o ) existe um
construtivismo parcial nos trabalhos de Chomsky no que diz respeito às
gramaticas transformacionais. Em relação a esses aspectos de convergência
diz Piaget (1978c, p.93):

                           Estes pontos são tão essenciais e fundamentais que a questão
                   de hereditariedade ou inatismo da linguagem me parecem muito
                   secundárias. [...] Penso, pois, que existe acordo sobre o essencial, e
                   não vejo nenhum conflito importante entre a linguística de Chomsky e a
                   minha própria psicologia. Posso até dizer que, nos pontos que dizem
                   respeito às relações entre a linguagem e o pensamento, me considero
                   simétrico de Chomsky.

       Mesmo havendo esses pontos de convergência entre os dois
programas, as divergências existem, principalmente em relação ao “núcleo fixo”
ou estado inicial Sº. Segundo Céllerier (1978, p.114), tanto Chosmky quanto
Piaget admitem que exista um “estado inicial Sº geneticamente determinado”,
não vazio, um estado final estacionário Ss relativamente estável e, entre esses
dois, uma sequência de estados intermediários, Chosmky e Piaget também
concordam que uma parte do conteúdo desses estados é adquirida e não inata.
Como resultado dessa concordância, surge a questão clássica sobre o núcleo
fixo: que partedeste conteúdo é inata e que parte é adquirida? A partir dessa
pergunta surgem importantes divergências entre os dois programas teóricos.

Na concepção de Chomsky, segundo Céllerier (1978, p.115):

                           S° contém principalmente características abstratas: “universais
                   formais, condições sobre a natureza e o funcionamento do sistema de
                   regras e de princípios que constituem a nossa representação de um
                   domínio cognitivo”, e S° contém também “universais substanciais,
                   elementos fixos que entram nas gramáticas particulares”.

Na concepção de Piaget, segundo Céllerier (1978, p.115):
a forma inicial da inteligência, inteligência sensório-motora ou
                    prática, desenvolve-se a partir de um núcleo de programas de ação
                    sensóriomotores inatos e pré-adaptados. Estes programas, diz Piaget,
                    organizam, coordenam as ações e as percepções particulares que são
                    adaptadas ao conteúdo específico do ambiente no qual operam. Estes
                    elementos particulares contêm o conhecimento deste conteúdo
                    específico.

        O que diferencia basicamente as posições de Chomsky e Piaget quanto
ao núcleo fixo é que para o primeiro importa saber a especificidade desse
núcleo e não como atingiu a fixidez, enquanto para o segundo o que importa é
justificar a estabilidade do núcleo fixo em termos de mecanismos auto-
reguladores.

       Chomsky busca a caracterização de um núcleo específico partindo dos
conhecimentos das línguas naturais; “este conhecimento deve permitir, de
volta, compreender o que torna possível este núcleo” (MEHLER, 1978, p.484).
Para Piaget, o que tem maior importância sempre é o que está “por vir”,
consequentemente, “mesmo que fosse possível demonstrar-lhe a existência do
núcleo fixo, nada, segundo ele, se modificaria, transformando-se a questão
imediatamente em: como se tornou nisso?” (MEHLER, 1978, p.484).

Disponível em:

http://wp.ufpel.edu.br/geale/files/2010/11/anapaula.-disserta1.pdf

Acessado em 07/10/2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coesao e-coerencia-textuais
Coesao e-coerencia-textuaisCoesao e-coerencia-textuais
Coesao e-coerencia-textuaisAdolfo Bernardo
 
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest. Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.vssandrade
 
Coesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaCoesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaAlex lemos
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALDébora Costa
 

Mais procurados (8)

Coesao e-coerencia-textuais
Coesao e-coerencia-textuaisCoesao e-coerencia-textuais
Coesao e-coerencia-textuais
 
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest. Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
Coesão e Coerência - Trabalho Português WebQuest.
 
Coesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaCoesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêitica
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
 
COESÃO TEXTUAL
COESÃO TEXTUALCOESÃO TEXTUAL
COESÃO TEXTUAL
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 

Semelhante a Algumas convergências e divergências entre o programa de chomsky e o de piaget

Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomsk
Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomskSobre o lugar do pensamento na teoria de chomsk
Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomskJanete Nascimento
 
Estrutura sintática
Estrutura sintáticaEstrutura sintática
Estrutura sintáticaBlogClE
 
Teoria inatista
Teoria inatistaTeoria inatista
Teoria inatistaLLAndrade
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Coerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisCoerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisroberto_uniesp
 
Content analysis versus phenomenological analysis: extention course
Content analysis versus phenomenological analysis: extention courseContent analysis versus phenomenological analysis: extention course
Content analysis versus phenomenological analysis: extention courseAmanda da Silveira
 
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofia
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e FilosofiaCorporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofia
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofiajorge luiz dos santos de souza
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussureLeYa
 
PENSAMENTO E LINGUAGEM
PENSAMENTO E LINGUAGEMPENSAMENTO E LINGUAGEM
PENSAMENTO E LINGUAGEMLia Nascimento
 
Vigotsky Pensamento e Linguagem
Vigotsky Pensamento e LinguagemVigotsky Pensamento e Linguagem
Vigotsky Pensamento e LinguagemBruno Emidio
 
A construção com verbos de cognição
A construção com verbos de cogniçãoA construção com verbos de cognição
A construção com verbos de cogniçãoclayse anne medeiros
 
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...Luiz Roberto Dias de Melo
 
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbais
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbaisRevel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbais
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbaisEstrela da Manhã
 
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADOCOMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADOProf-Marcos
 
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - IntroduçãoAula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - Introduçãolugracioso
 

Semelhante a Algumas convergências e divergências entre o programa de chomsky e o de piaget (20)

Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomsk
Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomskSobre o lugar do pensamento na teoria de chomsk
Sobre o lugar do pensamento na teoria de chomsk
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Estrutura sintática
Estrutura sintáticaEstrutura sintática
Estrutura sintática
 
Teoria inatista
Teoria inatistaTeoria inatista
Teoria inatista
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Coerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisCoerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuais
 
Coscarelli e dillinger_1995
Coscarelli e dillinger_1995Coscarelli e dillinger_1995
Coscarelli e dillinger_1995
 
Content analysis versus phenomenological analysis: extention course
Content analysis versus phenomenological analysis: extention courseContent analysis versus phenomenological analysis: extention course
Content analysis versus phenomenological analysis: extention course
 
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofia
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e FilosofiaCorporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofia
Corporalidade: um caminho no diálogo entre Estudos Lingüísticos e Filosofia
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussure
 
PENSAMENTO E LINGUAGEM
PENSAMENTO E LINGUAGEMPENSAMENTO E LINGUAGEM
PENSAMENTO E LINGUAGEM
 
Vigotsky Pensamento e Linguagem
Vigotsky Pensamento e LinguagemVigotsky Pensamento e Linguagem
Vigotsky Pensamento e Linguagem
 
A construção com verbos de cognição
A construção com verbos de cogniçãoA construção com verbos de cognição
A construção com verbos de cognição
 
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto   leitura...
Luiz Roberto Dias de Melo & Celso Leopoldo Pagnan: Prática de texto leitura...
 
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbais
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbaisRevel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbais
Revel 16 os_principios_organizadores_da_variedade_das_construcoes_verbais
 
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADOCOMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO
COMO AS PALAVRAS TEM SIGNIFICADO
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - IntroduçãoAula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
 
Constituintes imediatos de uma frase
Constituintes imediatos de uma fraseConstituintes imediatos de uma frase
Constituintes imediatos de uma frase
 

Mais de Mariana Correia

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Mariana Correia
 
Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Mariana Correia
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggsMariana Correia
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Mariana Correia
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados geradosMariana Correia
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Mariana Correia
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Mariana Correia
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilMariana Correia
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)Mariana Correia
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtMariana Correia
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataMariana Correia
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosMariana Correia
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosMariana Correia
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradoresMariana Correia
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiMariana Correia
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarMariana Correia
 

Mais de Mariana Correia (20)

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
 
Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados gerados
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
 
Satisfaction
SatisfactionSatisfaction
Satisfaction
 
Formação 5
Formação 5Formação 5
Formação 5
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textos
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
 

Algumas convergências e divergências entre o programa de chomsky e o de piaget

  • 1. Curso de Tradutor Intérprete de LIBRAS Linguística Geral Prof.ª Mariana Correia Parte 2 – Teorias Linguísticas Algumas convergências e divergências entre o programa de Chomsky e o de Piaget ANA PAULA NOBRE DA CUNHA Apesar da existência de opiniões controversas quanto à aproximação desses dois programas, Piaget (1978c, p.93) afirma concordar com três aspectos essenciais da obra de Chomsky: 1 O ) “a linguagem é um produto da inteligência ou da razão e não de uma aprendizagem, no sentido behaviorista do termo”; 2 o) “esta origem racional da linguagem supõe a existência de um núcleo fixo necessário para a elaboração de todas as línguas”; 3 o ) existe um construtivismo parcial nos trabalhos de Chomsky no que diz respeito às gramaticas transformacionais. Em relação a esses aspectos de convergência diz Piaget (1978c, p.93): Estes pontos são tão essenciais e fundamentais que a questão de hereditariedade ou inatismo da linguagem me parecem muito secundárias. [...] Penso, pois, que existe acordo sobre o essencial, e não vejo nenhum conflito importante entre a linguística de Chomsky e a minha própria psicologia. Posso até dizer que, nos pontos que dizem respeito às relações entre a linguagem e o pensamento, me considero simétrico de Chomsky. Mesmo havendo esses pontos de convergência entre os dois programas, as divergências existem, principalmente em relação ao “núcleo fixo” ou estado inicial Sº. Segundo Céllerier (1978, p.114), tanto Chosmky quanto Piaget admitem que exista um “estado inicial Sº geneticamente determinado”, não vazio, um estado final estacionário Ss relativamente estável e, entre esses dois, uma sequência de estados intermediários, Chosmky e Piaget também concordam que uma parte do conteúdo desses estados é adquirida e não inata. Como resultado dessa concordância, surge a questão clássica sobre o núcleo fixo: que partedeste conteúdo é inata e que parte é adquirida? A partir dessa pergunta surgem importantes divergências entre os dois programas teóricos. Na concepção de Chomsky, segundo Céllerier (1978, p.115): S° contém principalmente características abstratas: “universais formais, condições sobre a natureza e o funcionamento do sistema de regras e de princípios que constituem a nossa representação de um domínio cognitivo”, e S° contém também “universais substanciais, elementos fixos que entram nas gramáticas particulares”. Na concepção de Piaget, segundo Céllerier (1978, p.115):
  • 2. a forma inicial da inteligência, inteligência sensório-motora ou prática, desenvolve-se a partir de um núcleo de programas de ação sensóriomotores inatos e pré-adaptados. Estes programas, diz Piaget, organizam, coordenam as ações e as percepções particulares que são adaptadas ao conteúdo específico do ambiente no qual operam. Estes elementos particulares contêm o conhecimento deste conteúdo específico. O que diferencia basicamente as posições de Chomsky e Piaget quanto ao núcleo fixo é que para o primeiro importa saber a especificidade desse núcleo e não como atingiu a fixidez, enquanto para o segundo o que importa é justificar a estabilidade do núcleo fixo em termos de mecanismos auto- reguladores. Chomsky busca a caracterização de um núcleo específico partindo dos conhecimentos das línguas naturais; “este conhecimento deve permitir, de volta, compreender o que torna possível este núcleo” (MEHLER, 1978, p.484). Para Piaget, o que tem maior importância sempre é o que está “por vir”, consequentemente, “mesmo que fosse possível demonstrar-lhe a existência do núcleo fixo, nada, segundo ele, se modificaria, transformando-se a questão imediatamente em: como se tornou nisso?” (MEHLER, 1978, p.484). Disponível em: http://wp.ufpel.edu.br/geale/files/2010/11/anapaula.-disserta1.pdf Acessado em 07/10/2012