SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Crateús/CE
COESÃO TEXTUALCOESÃO TEXTUAL
Disciplina: Português
Educador: Edson Alves
Um texto não é uma simples soma de frases
aleatórias, distribuídas por parágrafos.
A coesão é fundamental para que o tecido
verbal se assuma como texto.
É necessário que as suas diferentes partes
estejam interligadas e articuladas, através de
mecanismos linguísticos.© Edições ASA II, SA
Mecanismos linguísticos responsáveis
pela coesão textual
1. Cadeias de referência
2. Repetições
3. Substituições lexicais
4. Conectores interfrásicos
5. Compatibilidade entre as informações
temporais e aspetuais.
© Edições ASA II, SA
1. Cadeias de referência
Em todos os textos há vocábulos ou
expressões linguísticas que não são
autónomos, que só se percebem pela
relação que estabelecem com outros
termos.
O João é simpático. Ele tem muitos
amigos. Tem também muitas
meninas que o adoram…
© Edições ASA II, SA
Os termos sublinhados remetem todos
para a mesma entidade extralinguística,
materializada, no início, na expressão
nominal – o João.
Há ainda omissão do sujeito na terceira
frase, cujo verbo se encontra na terceira
pessoa gramatical, o que remete para a
mesma expressão nominal.
© Edições ASA II, SA
Processos que se integram nas
cadeias de referência
a) Anáfora
b) Catáfora
c) Elipse
d) Correferência não anafórica© Edições ASA II, SA
a) Anáfora
Expressão linguística que remete para outra
anteriormente apresentada, designando-se
esta por antecedente.
Sophia de Mello Breyner
Andresen é uma poetisa
fantástica. Os seus poemas
cantam o mar, a floresta, a© Edições ASA II, SA
a) Catáfora
Expressão linguística que remete
para outra posteriormente
apresentada no contexto verbal,
originando uma certa expectativa.
Como eu gosto dela!... Da
poesia da Sophia.© Edições ASA II, SA
Há várias classes de palavras que
podem funcionar como anáfora ou
catáfora, a saber:
• Pronomes: indefinidos, relativos, pessoais,
demonstrativos, possessivos;
• Determinantes possessivos;
• Advérbios ou locuções adverbiais de lugar;
• Adjetivos Numerais (também como
Pronome).
© Edições ASA II, SA
© Edições ASA II, SA
c) Elipse
Omissão de uma expressão que
facilmente se subentende no
contexto, evitando, assim, repetições
indesejáveis.
Miguel Torga é um dos
autores representativos da
literatura portuguesa do séc.
XX. [ ] Nasceu em S.
© Edições ASA II, SA
d) Correferência não anafórica
As expressões linguísticas são autónomas; só
no contexto é que remetem para o mesmo
referente.
Miguel Torga é um homem fantástico. O poeta
nasceu em S. Martinho de Anta.
“Miguel Torga” e “O poeta” remetem para a
mesma personagem. É o conhecimento do
mundo que, aqui, está em causa.
© Edições ASA II, SA
2. Repetição
Nem sempre é possível recorrer a outros
processos linguísticos para evitar a
repetição da mesma palavra ou expressão,
sob pena de gerar ambiguidade. Outras
vezes, a repetição é propositada e
contribui para a intenção comunicativa do
enunciador, como se comprova com o
poema de Sophia de Mello Breyner
Andresen.
© Edições ASA II, SA
“Porque os outros se mascaram
mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu
não
Porque os outros são os túmulos
caiados
© Edições ASA II, SA
3. Substituições lexicais
Substituição de um termo ou expressão linguística
por outro/outra com que estabelecem relações de:
• Sinonímia/Antonímia;
• Hiperonímia/ Hiponímia;
• Holonímia/Meronímia.
Este processo de coesão textual, em relação à
repetição, é mais enriquecedor em termos de
conteúdo, porque permite a introdução de mais
informação.
© Edições ASA II, SA
1. Miguel Torga redigiu vários
diários, mas também escreveu
imensos poemas. (sinónimos)
2. Da sua obra literária
(hiperónimo) constam poemas,
ensaios, contos. (hipónimos)
© Edições ASA II, SA
3. Os seus poemas (holónimo) são,
frequentemente, compostos por uma ou
mais estrofes. (merónimo)
O termo “estrofes” não substitui, na frase, o termo
“poemas”, mas retoma-o.
© Edições ASA II, SA
4. Conectores interfrásicos
(coesão interfrásica)
Os conectores interfrásicos são responsáveis pela
interdependência semântica entre as frases que
constituem o texto e orientam a interpretação
do leitor/ouvinte.
Gosto muito da obra de Eugénio de
Andrade, porque tem uma escrita
muito metafórica.
© Edições ASA II, SA
Podem ser conectores:
• Conjunções coordenativas e subordinativas;
• Advérbios conectivos (agora, assim, depois, então,
enfim…);
• Complexos verbais (quer dizer…);
• Locuções preposicionais e adverbiais (com efeito, do
mesmo modo, a jeito de conclusão, por outro lado…);
• Orações (para concluir, pelo que referi acima,
resumindo…)
Os conectores estabelecem relações entre as
diversas frases ou partes do texto, assumindo
diferentes valores, a saber:
1. Relação temporal;
2. Relação de contraste (oposição/concessão);
3. Relação de adição;
4. Relação de causa-efeito (causal/consecutiva);
5. Confirmação/exemplificação;
6. Explicação/reformulação;
7. Síntese/conclusão;
8. Alternância/alternativa.
© Edições ASA II, SA
1. Apesar de Miguel Torga e Sophia serem
poetas contemporâneos, a sua poesia é
bastante diferente!
2. Com efeito, tanto um como o outro
abordam a temática da liberdade, no
entanto fazem-no de modo distinto.
3. Enquanto em Torga sentimos o pulsar do
mundo rural, perdido na infância, em
Sophia partimos da urbe e sonhamos
horizontes marinhos, por vezes de
© Edições ASA II, SA
5. Compatibilidade entre as informações temporais e
aspetuais.
Para que um texto seja coeso, as informações
temporais têm de ser compatíveis com a
informação aspetual, verificando-se:
 Correlação entre os tempos verbais:
Quando Miguel Torga publicou Novos Contos da
Montanha, dedicou a obra às gentes transmontanas.
© Edições ASA II, SA
 Correlação entre a localização temporal e os tempos verbais:
Ontem, assisti a um seminário sobre o Modernismo
Português.
No próximo período, faremos uma ação de formação sobre
Eugénio de Andrade
 Compatibilidade entre o valor aspetual dos verbos e o valor
semântico dos conectores utilizados:
Enquanto lia o poema, o aluno sublinhava as palavras –
-chave.
 Ordenação textual linear dos factos representados no texto:
Mal comprei o livro, li-o. (E não: Mal li o livro, comprei-o)
© Edições ASA II, SA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

O Diario
O DiarioO Diario
O Diario
 
2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimista2. textos de carácter intimista
2. textos de carácter intimista
 
A Poesia Visual
A  Poesia  VisualA  Poesia  Visual
A Poesia Visual
 
Poema visual 8º ano
Poema visual 8º anoPoema visual 8º ano
Poema visual 8º ano
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]Formacao de palavras[1]
Formacao de palavras[1]
 
Exercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textualExercícios sobre tipo e gênero textual
Exercícios sobre tipo e gênero textual
 
Pressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidosPressupostos e-subentendidos
Pressupostos e-subentendidos
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Resenha 9o. ano
Resenha 9o. anoResenha 9o. ano
Resenha 9o. ano
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Predicados e-termos-da-oracao1
Predicados e-termos-da-oracao1Predicados e-termos-da-oracao1
Predicados e-termos-da-oracao1
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
 

Destaque

Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Edson Alves
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominalEdson Alves
 
Cefet/Coltec Aula 6 Conjunções/Conectivos - Provas cefet
Cefet/Coltec Aula 6   Conjunções/Conectivos - Provas cefetCefet/Coltec Aula 6   Conjunções/Conectivos - Provas cefet
Cefet/Coltec Aula 6 Conjunções/Conectivos - Provas cefetProfFernandaBraga
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opiniãoEdson Alves
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátriosEdson Alves
 
Mecanismos de coesão textual
Mecanismos de coesão textualMecanismos de coesão textual
Mecanismos de coesão textualHélio Consolaro
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Edson Alves
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Edson Alves
 
O adverbio 1323196780
O adverbio 1323196780O adverbio 1323196780
O adverbio 1323196780ameliapadrao
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opniãoEdson Alves
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominalEdson Alves
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativoEdson Alves
 

Destaque (20)

Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Coesão e conexão
Coesão e conexãoCoesão e conexão
Coesão e conexão
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Cefet/Coltec Aula 6 Conjunções/Conectivos - Provas cefet
Cefet/Coltec Aula 6   Conjunções/Conectivos - Provas cefetCefet/Coltec Aula 6   Conjunções/Conectivos - Provas cefet
Cefet/Coltec Aula 6 Conjunções/Conectivos - Provas cefet
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátrios
 
Mecanismos de coesão textual
Mecanismos de coesão textualMecanismos de coesão textual
Mecanismos de coesão textual
 
Cohesion textual
Cohesion textualCohesion textual
Cohesion textual
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8
 
O adverbio 1323196780
O adverbio 1323196780O adverbio 1323196780
O adverbio 1323196780
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opnião
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 

Semelhante a COESÃO TEXTUAL

Coesotextual 131101081141-phpapp01
Coesotextual 131101081141-phpapp01Coesotextual 131101081141-phpapp01
Coesotextual 131101081141-phpapp01Graciete Nobre
 
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"Edilson A. Souza
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubHilsa Mota
 
05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivasNAPNE
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2Sadiasoares
 
Metáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística CognitivaMetáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística CognitivaGe Homrich
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonFrancione Brito
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Helen Cristina
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Alice MLK
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010ma.no.el.ne.ves
 
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto EscritoProdução Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto EscritoWallysson Maia
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161luisprista
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2miesbella
 
A conjunção na construção do texto..ppt
A conjunção na construção do texto..pptA conjunção na construção do texto..ppt
A conjunção na construção do texto..pptProfessorGabrielSoar
 

Semelhante a COESÃO TEXTUAL (20)

Coesotextual 131101081141-phpapp01
Coesotextual 131101081141-phpapp01Coesotextual 131101081141-phpapp01
Coesotextual 131101081141-phpapp01
 
Fala e escrita.ppt
Fala e escrita.pptFala e escrita.ppt
Fala e escrita.ppt
 
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"
Intertextualidades - "Vou-me embora pra pasárgada"
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
 
05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2
 
Metáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística CognitivaMetáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística Cognitiva
 
Conexoes frasicas
Conexoes frasicasConexoes frasicas
Conexoes frasicas
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Resumo Tp2
Resumo   Tp2Resumo   Tp2
Resumo Tp2
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM
 
Metalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidadeMetalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidade
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
 
AULA_1.pptx
AULA_1.pptxAULA_1.pptx
AULA_1.pptx
 
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto EscritoProdução Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
 
Slide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptxSlide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptx
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 160-161
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2
 
A conjunção na construção do texto..ppt
A conjunção na construção do texto..pptA conjunção na construção do texto..ppt
A conjunção na construção do texto..ppt
 

Mais de Edson Alves

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorialEdson Alves
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xEdson Alves
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redaçãoEdson Alves
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxeEdson Alves
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadasEdson Alves
 
Av de português maio - prova 2- 8º
Av de português   maio - prova 2- 8ºAv de português   maio - prova 2- 8º
Av de português maio - prova 2- 8ºEdson Alves
 
Av de português maio - prova 1 - 8º
Av de português   maio - prova 1 - 8ºAv de português   maio - prova 1 - 8º
Av de português maio - prova 1 - 8ºEdson Alves
 
Av de português maio 9º ano
Av  de português maio  9º anoAv  de português maio  9º ano
Av de português maio 9º anoEdson Alves
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisEdson Alves
 
Gênero autobiografia
Gênero autobiografiaGênero autobiografia
Gênero autobiografiaEdson Alves
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisEdson Alves
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativosEdson Alves
 
Uso dos porquês.
Uso dos porquês.Uso dos porquês.
Uso dos porquês.Edson Alves
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativosEdson Alves
 

Mais de Edson Alves (16)

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorial
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss x
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redação
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadas
 
Av de português maio - prova 2- 8º
Av de português   maio - prova 2- 8ºAv de português   maio - prova 2- 8º
Av de português maio - prova 2- 8º
 
Av de português maio - prova 1 - 8º
Av de português   maio - prova 1 - 8ºAv de português   maio - prova 1 - 8º
Av de português maio - prova 1 - 8º
 
Av de português maio 9º ano
Av  de português maio  9º anoAv  de português maio  9º ano
Av de português maio 9º ano
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Gênero autobiografia
Gênero autobiografiaGênero autobiografia
Gênero autobiografia
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativos
 
Uso dos porquês.
Uso dos porquês.Uso dos porquês.
Uso dos porquês.
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativos
 

Último

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavrasMary Alvarenga
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

COESÃO TEXTUAL

  • 2. Um texto não é uma simples soma de frases aleatórias, distribuídas por parágrafos. A coesão é fundamental para que o tecido verbal se assuma como texto. É necessário que as suas diferentes partes estejam interligadas e articuladas, através de mecanismos linguísticos.© Edições ASA II, SA
  • 3. Mecanismos linguísticos responsáveis pela coesão textual 1. Cadeias de referência 2. Repetições 3. Substituições lexicais 4. Conectores interfrásicos 5. Compatibilidade entre as informações temporais e aspetuais. © Edições ASA II, SA
  • 4. 1. Cadeias de referência Em todos os textos há vocábulos ou expressões linguísticas que não são autónomos, que só se percebem pela relação que estabelecem com outros termos. O João é simpático. Ele tem muitos amigos. Tem também muitas meninas que o adoram… © Edições ASA II, SA
  • 5. Os termos sublinhados remetem todos para a mesma entidade extralinguística, materializada, no início, na expressão nominal – o João. Há ainda omissão do sujeito na terceira frase, cujo verbo se encontra na terceira pessoa gramatical, o que remete para a mesma expressão nominal. © Edições ASA II, SA
  • 6. Processos que se integram nas cadeias de referência a) Anáfora b) Catáfora c) Elipse d) Correferência não anafórica© Edições ASA II, SA
  • 7. a) Anáfora Expressão linguística que remete para outra anteriormente apresentada, designando-se esta por antecedente. Sophia de Mello Breyner Andresen é uma poetisa fantástica. Os seus poemas cantam o mar, a floresta, a© Edições ASA II, SA
  • 8. a) Catáfora Expressão linguística que remete para outra posteriormente apresentada no contexto verbal, originando uma certa expectativa. Como eu gosto dela!... Da poesia da Sophia.© Edições ASA II, SA
  • 9. Há várias classes de palavras que podem funcionar como anáfora ou catáfora, a saber: • Pronomes: indefinidos, relativos, pessoais, demonstrativos, possessivos; • Determinantes possessivos; • Advérbios ou locuções adverbiais de lugar; • Adjetivos Numerais (também como Pronome). © Edições ASA II, SA
  • 10. © Edições ASA II, SA c) Elipse Omissão de uma expressão que facilmente se subentende no contexto, evitando, assim, repetições indesejáveis. Miguel Torga é um dos autores representativos da literatura portuguesa do séc. XX. [ ] Nasceu em S.
  • 11. © Edições ASA II, SA d) Correferência não anafórica As expressões linguísticas são autónomas; só no contexto é que remetem para o mesmo referente. Miguel Torga é um homem fantástico. O poeta nasceu em S. Martinho de Anta. “Miguel Torga” e “O poeta” remetem para a mesma personagem. É o conhecimento do mundo que, aqui, está em causa.
  • 12. © Edições ASA II, SA 2. Repetição Nem sempre é possível recorrer a outros processos linguísticos para evitar a repetição da mesma palavra ou expressão, sob pena de gerar ambiguidade. Outras vezes, a repetição é propositada e contribui para a intenção comunicativa do enunciador, como se comprova com o poema de Sophia de Mello Breyner Andresen.
  • 13. © Edições ASA II, SA “Porque os outros se mascaram mas tu não Porque os outros usam a virtude Para comprar o que não tem perdão Porque os outros têm medo mas tu não Porque os outros são os túmulos caiados
  • 14. © Edições ASA II, SA 3. Substituições lexicais Substituição de um termo ou expressão linguística por outro/outra com que estabelecem relações de: • Sinonímia/Antonímia; • Hiperonímia/ Hiponímia; • Holonímia/Meronímia. Este processo de coesão textual, em relação à repetição, é mais enriquecedor em termos de conteúdo, porque permite a introdução de mais informação.
  • 15. © Edições ASA II, SA 1. Miguel Torga redigiu vários diários, mas também escreveu imensos poemas. (sinónimos) 2. Da sua obra literária (hiperónimo) constam poemas, ensaios, contos. (hipónimos)
  • 16. © Edições ASA II, SA 3. Os seus poemas (holónimo) são, frequentemente, compostos por uma ou mais estrofes. (merónimo) O termo “estrofes” não substitui, na frase, o termo “poemas”, mas retoma-o.
  • 17. © Edições ASA II, SA 4. Conectores interfrásicos (coesão interfrásica) Os conectores interfrásicos são responsáveis pela interdependência semântica entre as frases que constituem o texto e orientam a interpretação do leitor/ouvinte. Gosto muito da obra de Eugénio de Andrade, porque tem uma escrita muito metafórica.
  • 18. © Edições ASA II, SA Podem ser conectores: • Conjunções coordenativas e subordinativas; • Advérbios conectivos (agora, assim, depois, então, enfim…); • Complexos verbais (quer dizer…); • Locuções preposicionais e adverbiais (com efeito, do mesmo modo, a jeito de conclusão, por outro lado…); • Orações (para concluir, pelo que referi acima, resumindo…)
  • 19. Os conectores estabelecem relações entre as diversas frases ou partes do texto, assumindo diferentes valores, a saber: 1. Relação temporal; 2. Relação de contraste (oposição/concessão); 3. Relação de adição; 4. Relação de causa-efeito (causal/consecutiva); 5. Confirmação/exemplificação; 6. Explicação/reformulação; 7. Síntese/conclusão; 8. Alternância/alternativa. © Edições ASA II, SA
  • 20. 1. Apesar de Miguel Torga e Sophia serem poetas contemporâneos, a sua poesia é bastante diferente! 2. Com efeito, tanto um como o outro abordam a temática da liberdade, no entanto fazem-no de modo distinto. 3. Enquanto em Torga sentimos o pulsar do mundo rural, perdido na infância, em Sophia partimos da urbe e sonhamos horizontes marinhos, por vezes de © Edições ASA II, SA
  • 21. 5. Compatibilidade entre as informações temporais e aspetuais. Para que um texto seja coeso, as informações temporais têm de ser compatíveis com a informação aspetual, verificando-se:  Correlação entre os tempos verbais: Quando Miguel Torga publicou Novos Contos da Montanha, dedicou a obra às gentes transmontanas. © Edições ASA II, SA
  • 22.  Correlação entre a localização temporal e os tempos verbais: Ontem, assisti a um seminário sobre o Modernismo Português. No próximo período, faremos uma ação de formação sobre Eugénio de Andrade  Compatibilidade entre o valor aspetual dos verbos e o valor semântico dos conectores utilizados: Enquanto lia o poema, o aluno sublinhava as palavras – -chave.  Ordenação textual linear dos factos representados no texto: Mal comprei o livro, li-o. (E não: Mal li o livro, comprei-o) © Edições ASA II, SA