Coesão e coerência textual

8.287 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Coesão e coerência textual

  1. 1. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br />
  2. 2. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br /> Na construção de um texto, assim como na fala, usamos mecanismos para garantir ao interlocutor a compreensão do que se lê / diz.  Esses mecanismos lingüísticos que estabelecem a conectividade e a retomada do que foi escrito / dito são os referentes textuais e buscam garantir a coesão textual para que haja coerência, não só entre os elementos que compõem a oração, como também entre a seqüência de orações dentro do texto. <br />
  3. 3. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br />A importância da coesão para a transmissão de uma mensagem está<br />contida na própria palavra texto. Derivado do latim textum (tecido, em<br />português), o termo texto sugere a noção de costura. Assim como e<br />um tecido não basta haver uma justaposição dos fios, um texto precisa<br />de que suas partes se entremeiem e interrelacionem. Nesses nós entre<br />as informações, semelhantes aos pontos da costura, encontramos os<br />mecanismos coesivos, que explicitam o encadeamento entre as ideias.<br />A fim de tornar essa explicação mais clara, leia atentamente o texto a<br />seguir, refletindo sobre o papel coesivo das estruturas em destaque.<br />
  4. 4. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br />Após 9 meses de nova ortografia no Brasil, adoção em Portugal é indefinida<br />Apesar de manifesto, tema está fora da campanha eleitoral portuguesa. Logo após entrar<br />em vigor, editoras brasileiras já atualizaram dicionários.<br /> ( Fernanda Calgaro e Giovana Sanchez, do G1, em São Paulo)<br />Há nove meses adotada no Brasil, a reforma ortográfica ainda não tem um cronograma<br />oficial para ser aplicada em Portugal. Ratificada por quatro países (Cabo Verde e São<br />Tomé e Príncipe também assinaram o acordo), a mudança nas regras ortográficas tem<br />causado polêmica entre os portugueses.<br />Apesar de não estar na pauta das campanhas para as eleições gerais deste domingo<br />(27), o tema foi parar na Assembleia em maio deste ano, quando uma petição para tentar<br />reverter o acordo foi assinada por 113.206 pessoas e discutida na Comissão de Ética e<br />Sociedade.<br />Um dos signatários, o escritor e ex-deputado do Parlamento europeu Vasco Graça<br />Moura, diz que a reforma é "uma barbaridade e um chorrilho de asneiras, que não<br />permite atingir qualquer unidade da língua". Ele acredita que ainda é possível reverter o<br />acordo legalmente. "É inconstitucional, face à Constituição Portuguesa, ainda não<br />foi ratificado por todos os países signatários e é impossível aplicá-lo sem a existência de<br />um vocabulário ortográfico assente e acordado entre todos os países que começaram<br />por subscrever o documento, além de criar inúmeros problemas às crianças, aos<br />professores e aos idosos, sem nenhuma contrapartida útil."<br />
  5. 5. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br />As palavras destacadas nessa notícia estabelecem, de diferentes formas,<br />relações entre suas partes constituintes. Por exemplo, um dos pontos centrais<br />do texto – a nova ortografia – é retomado em diversas frases por algumas das<br />expressões sublinhadas, garantindo que as novas informações apresentadas<br />se “costurem” em torno desse mesmo eixo. <br />Construções como “(o) tema”, “a reforma ortográfica”, “mudança nas regras<br />ortográficas”, “a reforma”, o “documento”, “o acordo”, “o acordo<br />ortográfico” e “a nova ortografia” asseguram tal unidade ao texto, formando<br />uma cadeia coesiva que aponta para a mesma expressão, presente no título:<br />“nova ortografia”. <br />Além disso, no trecho “Há jornais que já a adotaram”, o pronome em<br />destaque retoma novamente a expressão “nova ortografia”, contribuindo para<br />o encadeamento das ideias.<br />
  6. 6. COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL<br />Ao observarmos os verbos em destaque, percebemos que seus<br />respectivos sujeitos estão ocultos, isto é, não estão explicitamente<br />apresentados ao lado dos verbos. No entanto, o leitor é capaz de<br />perceber que ambas as orações iniciadas pelas palavras sublinhadas<br />dizem respeito ao já mencionado acordo, em torno do qual se<br />estrutura o texto.<br />"É inconstitucional, face à Constituição Portuguesa...”<br />“... ainda não foi ratificado por todos os países...”<br />Identificar que palavras estabelecem coesão em um texto é condição<br />imprescindível para desempenhar com eficiência sua competência<br />comunicativa. <br />

×