SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
2
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
PREFEITO
Gilberto Kassab
SECRETÁRIA MUNICIPAL DA SAÚDE
Maria Cristina Faria da Silva Cury
de: mai. de 2005 a 11 de out. de 2006
Maria Aparecida Orsini de Carvalho Fernandes
de: 11 de out. de 2006 à publicação deste
COORDENADORA DA ATENÇÃO BÁSICA
Maria de Fátima Faria Duayer
de: abr. de 2006 a 07 de nov. de 2006
Neide Miyako Hasegawa
de: 07 de nov. de 2006 à publicação deste
FICHA TÉCNICA
Projeto gráfico e editoração: Olho de Boi Comunicações
Impressão: Uni Repro Soluções para documentos
Fotos: Rogério Lacanna
Endereço: Coordenação da Atenção Básica – SMS
Rua General Jardim nº 36 – CEP: 01223-906 – Tel: 3218-4045
email: atencaobasica@prefeitura.sp.gov.br
protocolo7b.indd 2protocolo7b.indd 2 12/3/2007 18:18:1812/3/2007 18:18:18
3
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
DOCUMENTO DE ATUALIZAÇÃO DOS PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM
• SAÚDE DA CRIANÇA
• SAÚDE DA MULHER
• SAÚDE DO ADULTO
• SAÚDE DO IDOSO
GRUPO TÉCNICO RESPONSÁVEL
• MARIA DAS GRAÇAS LIRA OLIVEIRA –
COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE –
CENTRO-OESTE
• NAIRA REGINA DOS REIS FAZENDA –
COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA – SMS
• PATRICIA LUNA – UBS AE CARVALHO
• RAQUEL IRAN MIGUEL – CENTRO UNIVERSITÁRIO
ADVENTISTA DE SÃO PAULO
• REGINA TERESA CAPELARI – COORDENADORIA
REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE
COLABORADORES
• GLORIA MITYO SCHULZE – ASSOCIAÇÃO
CONGREGAÇÃO DE SANTA CATARINA – PSF
• LUCIANA MORAIS BORGES GUEDES – HOSPITAL
ALBERT EISTEIN – PSF
• MARINA ARENDS ROSCHEL – SUPERVISORA
TÉCNICA DE SAÚDE SANTO AMARO – CIDADE
ADEMAR
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
SÃO PAULO
2007
protocolo7b.indd 3protocolo7b.indd 3 12/3/2007 18:18:2212/3/2007 18:18:22
4
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Ficha Catalográfica
S241p
São Paulo (Cidade).
Secretaria da Saúde
Documento de atualização dos protocolos de enfermagem: saúde da criança, saúde da mulher, saúde do adulto e saúde
do idoso / Secretaria da Saúde / Coordenação da Atenção Básica. São Paulo, SMS, 2007.
29p.
1. Administração da saúde. 2. Manual de serviço. 3. Rotinas / Protocolos.
Atenção Básica. II. Título.
CDU 614
protocolo7b.indd 4protocolo7b.indd 4 12/3/2007 18:18:2312/3/2007 18:18:23
5
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Com a proposta de atender as necessidades de atualização dos Protocolos de Enfermagem da
Atenção Básica envolvendo a saúde da criança, saúde da mulher, do adulto, do idoso e para
assistência no tratamento em feridas, a Atenção Básica divulga este documento técnico e salienta:
De acordo com a lei do exercício profissional de enfermagem 7498/86, regulamentada pelo Decreto
94406/87, descreve no Art. 8º. Item I – É privativo do Enfermeiro:
e) Consulta de enfermagem;
f) Prescrição da assistência de enfermagem
Item II – Como integrante da equipe de saúde:
c) prescrição de medicamentos previamente estabelecidos em programas de saúde pública e em
rotina aprovada pela instituição de saúde.
Resolução COFEN nº 195/1997
Art. 1º. O Enfermeiro pode solicitar exames de rotina e complementares quando no exercício de suas
atividades profissionais.
A Secretaria estabeleceu através da Portaria 1004/03 SMS.G os Protocolos de Enfermagem na Atenção
aos Ciclos de vida, criança, mulher e adulto no que compõe a Atenção Básica no município de São
Paulo (DOM 31/01/03 p.12).
São conhecidos pela instituição como limites de atuação no município de São Paulo os seguintes
protocolos:
- Atenção à Saúde da Criança 3ª ed. Julho de 2004
- Atenção à Saúde da Mulher 3ª ed. Julho de 2004
- Atenção à Saúde do Adulto 3ª ed. Julho de 2004
- Atenção à Saúde do Idoso 1ª ed. Julho de 2004
- Documento de Atualização dos protocolos de Enfermagem, São Paulo, 2007
- Protocolo de Prevenção e Tratamento de Feridas, São Paulo, 2006
Destacamos que a atuação do Enfermeiro está embasada no seu conhecimento técnico-científico
sendo responsabilidade do profissional toda ação por ele praticada, ficando este, sujeito às
penalidades de acordo com a lei.
Coordenadora da Atenção Básica
APRESENTAÇÃO E CONSIDERAÇÕES LEGAIS
protocolo7b.indd 5protocolo7b.indd 5 12/3/2007 18:18:2812/3/2007 18:18:28
6
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
SUMÁRIO
6 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
0000
0101 SAÚDE DA CRIANÇA ....................8
APRESENTAÇÃO.................................................5
ACOMPANHAMENTO DA CRIANÇA.....................9
1.1 SUPLEMENTO VITAMÍNICO ...................................9
1.2 SUPLEMENTO DE FERRO .....................................9
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ÀS QUEIXAS
COMUNS NA INFÂNCIA......................................9
2.1 ESCABIOSE.......................................................9
2.2 PEDICULOSE...................................................10
2.3 DERMATITE AMONIACAL....................................11
2.4 PARASITOSE INTESTINAL...................................12
2.5 TOSSE E/OU PEITO CHEIO E/OU CORIZA E/OU
OBSTRUÇÃO NASAL...............................................14
2.6 TRATAR A DESIDRATAÇÃO COM SORO DE
REIDRATAÇÃO ORAL - SRO......................................15
protocolo7b.indd 6protocolo7b.indd 6 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
7
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
02
03
04
SAÚDE DA MULHER......................17
SAÚDE DO ADULTO.......................22
SAÚDE DO IDOSO .........................26
TÉCNICA DE COLETA DUPLA DO PAPANICOLAOU........18
COLETA DAS AMOSTRAS.............................................20
1 - REALIZAR A COLETA NO ECTOCÉRVICE............................ 20
2 - REALIZAR A COLETA DO CANAL CERVICAL
(ENDOCERVICE)..................................................................... 20
3 - FINALIZAÇÃO DO PROCEDIMENTO................................... 21
PROBLEMAS DERMATOLÓGICOS.................................23
1 - ESCABIOSE....................................................................... 23
2 - PEDICULOSE..................................................................... 23
3 - PARASITOSE INTESTINAL................................................. 25
AVALIAÇÃO LABORATORIAL ........................................27
INTERPRETAÇÃO DO MINI EXAME DO
ESTADO MENTAL .........................................................27
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA..............................28
protocolo7b.indd 7protocolo7b.indd 7 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
8
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
SAÚDE DA CRIANÇA
8
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
0101
protocolo7b.indd 8protocolo7b.indd 8 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
9
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
1 – Acompanhamento da criança
1.1 – Suplemento Vitamínico
A paritr de 07 dias de vida as crianças necessitam
de suplementação de vitamina A (2000 a 4000
unidades/dia) e vitamina D (400 a 800 unidades/
dia) durante o primeiro ano de vida, para prevenir
o raquitismo carencial (p. 18 - Mãe Paulistana
“Manual Técnico Saúde da Criança 1o
ano de
vida” - SMS/2006).
1.2 – Suplementação de Ferro
• Os RN de termo em aleitamento materno
exclusivo até os 6 meses devem iniciar
suplementação de ferro (1 a 2 mg/kg/dia de
ferro elementar) a partir de 6 meses de idade,
devendo ser mantido até completar 12 meses.
• Para os RN com peso ao nascer menor do
que 1500g, está indicada a suplementação de
ferro, na forma de sulfato ferroso, cuja dose
diária varia de 2 a 4 mg/kg/dia, recomendando-
se a maior dose para os menores de 1000g
ao nascer e a menor dose para os com
peso ao nascer maior ou igual a 1000g e/ou
que receberam mais de uma transfusão de
sanguínea no período neonatal, a partir de 2
semanas de vida e deverá ser mantida durante
o primeiro ano de vida (p. 18 - Mãe Paulistana
“Manual Técnico Saúde da Criança 1o
ano de
vida” - SMS/2006).
2 – Assistência de enfermagem às
queixas comuns na infância
2.1 – Escabiose
(em crianças maiores de 01 ano)
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• Que a transmissão se dá por contato pessoal,
sendo ocasionada por roupas ou objetos de
uso pessoal;
• Lavar sempre as roupas de cama e de uso
pessoal com água quente e passá-las a ferro ou
expô-las ao sol por várias horas;
• Prevenção na família;
• Tratamento simultâneo dos comunicantes do
núcleo familiar e/ou escolar.
Prescrição Medicamentosa
O tratamento pode ser feito com várias
medicações:
• Permetrina 5% (creme ou loção): aplicar por
duas noites consecutivas, retirando o produto
9
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 9protocolo7b.indd 9 12/3/2007 18:18:3212/3/2007 18:18:32
10
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
no período de 8 a 14 horas após a aplicação,
repetir o tratamento após uma semana;
• Monossulfiram 25%: diluir o medicamento
em água na proporção de 1:3 (uma parte de
monossulfiram para três de água). Aplicar por
três noites consecutivas e repetir após
uma semana.
2.2 – Pediculose (crianças maiores de 01 ano)
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• Hábitos adequados de higiene;
• Lavar os cabelos pela manhã, secar bem com
uma toalha, aplicar uma solução de vinagre
morno diluído em partes iguais de água (1:1),
deixar agir por 20 a 30 minutos e pentear os
cabelos com pente fino, com o objetivo de
remover as lêndeas manualmente;
• Lavar as roupas de uso pessoal e de cama com
água quente ou lavar normalmente e passar a
ferro, além de higienizar escovas, chapéus
e bonés;
Investigar outros casos no núcleo familiar e
escolar e tratá-los se for o caso.
Prescrição Medicamentosa
• Permetrina a 1% (loção capilar): orientar lavar
o cabelo com o xampu de uso habitual (sem
condicionador), enxaguar bem e secar com
toalha.
Com o cabelo ainda úmido, aplicar toda a
solução, de modo a encharcar todo o cabelo
e o couro cabeludo, especialmente na nuca e
atrás das orelhas.
Deixar agir por 10 minutos, enxaguar
abundantemente com água morna e repetir a
aplicação após uma semana;
Obs: Permetrina somente pode ser indicada
para crianças acima de 01 ano.
• Monossulfiram 25%: diluir o medicamento
em água na proporção de 1:3 (uma parte de
monossulfiram para três de água). Aplicar
duas noites consecutivas e remover a solução
lavando o couro cabeludo pela manhã ,
repetindo-se o procedimento após uma
semana.
protocolo7b.indd 10protocolo7b.indd 10 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
11
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
2.3 – Dermatite Amoniacal
(Dermatite de Fralda)
Ocorre devido ao contato constante e prolongado
com urina e fezes das fraldas.
A criança apresenta eritema brilhante nas
superfícies convexas das faces mediais e na
raiz das coxas, poupando pregas, nádegas e a
parte inferior do abdome. Com freqüência ocorre
infecção secundária por candida albicans. Nesse
caso a suspeita surge quando não há melhora do
quadro com os tratamentos habituais, o eritema é
mais intenso e aparecem pequenas lesões pápulo-
pústulo-vesiculares satélites (Caderno Temático da
Criança – SMS/SP).
Obs: Se o eritema for muito intenso, encaminhar
para avaliação médica.
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• Lavar o local com água morna a cada troca
de fralda;
• Uso moderado de sabonetes;
• Suspender o uso de lenços umedecidos, assim
como outros produtos industrializados (óleos,
lavanda, soluções de limpeza);
• Deixar a criança sem fralda o maior tempo
possível;
• Usar papa de amido de milho com água;
• Expor a área afetada ao sol uma vez ao dia de
05 a 15 minutos;
• Trocar a fralda descartável pela de pano;
• Lavar as fraldas de pano com sabão neutro;
• Suspender o uso do sabão em pó, alvejante
e/ou amaciantes;
• Fazer o último enxágüe das fraldas com água e
vinagre (para 1 litro de água, adicione 1 colher
de sopa de vinagre).
Prescrição Medicamentosa
Nos casos de infecção por Candida, indicar o
creme de nistatina tópica, cetoconazol (Fonte:
Caderno Temático da Criança – SMS/SP), ou
miconazol creme após cada troca de fralda por
05 dias, no mínimo.
Retornar após 05 dias para avaliação de
enfermagem.
protocolo7b.indd 11protocolo7b.indd 11 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
12
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
• Ascaridíase
•Tricocefalíase
•Ancilostomíase
•Enterobíase
ou Oxiuríase (no
tratamento com
qualquer uma das
medicações – repetir
o tratamento após 2
semanas)
Estrongiloidíase
Teníase
2.4 – Parasitose Intestinal
Tratamento Medicamentoso
PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
1 - Mebendazol
2 - Albendazol
1 - Tiabendazol
2 - Albendazol
1 - Mebendazol
2 - Albendazol
3 - Praziquantel
1 - Criança acima
de 10 Kg – 100
mg/dose (5 ml ou 1
cp) , v. oral 2 vezes
ao dia
2 - Crianças acima
de 02 anos – 400
mg/dia(10 ml ou 01
cp), v. oral)
1 - 25mg/Kg/dose, v.
oral - 2 vezes ao dia.
2 - Crianças acima
de 02 anos – 400
mg/dia (10 ml ou 01
cp, v. oral)
1 - Crianças acima
de 10 Kg – 200 mg/
dose (10 ml ou 2
cp), v. oral - 2 vezes
ao dia.
2 - Crianças acima
de 02 anos – 400
mg/dia(10 ml ou 01
cp, v. oral).
3 - 10 mg/Kg/dia,
v. oral
1 - Durante 03 dias.
2 - Dose única
1 - Durante 2 dias.
2 - Dose única
1 - Durante 04 dias.
2 - Durante 03 dias.
3 - Dose única
1 - Repetir o
Tratamento após
3 semanas.Efeitos
Colaterais: são
discretos – dor
abdominal, diarréia.
2 - Efeitos Colaterais:
dor abdominal,
diarréia, cefaléia
Efeitos Colaterais:
tonturas, anorexia,
náuseas, vômitos e
sonolência
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
protocolo7b.indd 12protocolo7b.indd 12 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
13
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
13
PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
Giardíase
Amebíase
1 - Metronidazol
2 - Albendazol
Metronidazol
1 - 15 a 20 mg/Kg/dia,
v. oral – 2 vezes ao dia.
2 - Crianças acima de
02 anos – 400 mg/dia,
v. oral.
1 - 35 a 50 mg/Kg/dia,
v. oral – 3 vezes ao dia.
1 - Durante 05 dias
2 - Durante 05 dias
Para quadros leves e
moderados, 5 dias.
Para quadros graves,
10 dias
1 - Administrar após
as refeições. Efeitos
Colaterais mais
freqüentes: náuseas,
cefaléia, gosto
metálico.
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
13
protocolo7b.indd 13protocolo7b.indd 13 12/3/2007 18:18:3812/3/2007 18:18:38
14
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
2.5 – Tosse e/ou Peito Cheio e/ou Coriza e/ou
Obstrução Nasal
No momento da Sistematização da Assistência
de Enfermagem, deve-se seguir o fluxo de
atendimento da p. 44 (Protocolo da Saúde da
Criança - SMS-SP/2003) e, identificando-se
um Resfriado Comum, orientar os cuidados de
enfermagem que estão abaixo:
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• O aumento da ingestão hídrica (água, sucos
de frutas, chás) para fluidificar as secreções,
facilitando sua eliminação;
• Lavagem nasal com soro fisiológico 0,9%
ou solução nasal de uso tópico - cloreto de
sódio 0,9% e benzalcônio fr. (Relação de
medicamentos essenciais da rede básica - SMS);
• Inalação com 3 a 5 ml de soro fisiológico 0,9%
três vezes ao dia para fluidificação e remoção
de secreções (se necessário);
• Deixar a criança em decúbito elevado ao dormir;
• Remover a umidade, mofo ou bolor da casa;
• Manter a casa ventilada;
• Umidificação do ambiente doméstico;
• Evitar fumar na presença da criança;
• Oferecer dieta fracionada;
• Sinais de alerta: respiração rápida, tiragens e
ruídos respiratórios;
• Controle da temperatura;
• Se necessário, o uso de analgésicos:
Paracetamol 200mg/ml, 1 gota/Kg ou Dipirona
500 mg/ml, 1 gota/2 Kg ou de 10 a 15 mg/Kg de
6 em 6 horas.
Embora a tosse, sintoma muito comum nos
resfriados, incomode a criança e a família, é
importante lembrar que é uma queixa autolimitada
que não deve ser suprimida e, na maioria das
vezes, é um reflexo protetor que ajuda a remover as
secreções da via respiratória. Seu alívio pode ser
obtido pelo uso de preparações caseiras com alto
teor de açúcar (ex: leite com açúcar queimado),
pois aumenta a produção de saliva e estimula
a deglutição, interferindo no reflexo da tosse.
O açúcar pode ainda recobrir as terminações
nervosas e agir como uma barreira protetora contra
sua estimulação (Caderno Temático da Criança
– SMS-SP/2003).
protocolo7b.indd 14protocolo7b.indd 14 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
15
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
IDADE PESO SRO (ml)
Até 4 meses Menor de 6 Kg 200 - 400
4 a 11 meses 6 a menor de 10 Kg 400 - 700
12 a 23 meses 10 a menor de 12 Kg 700 - 900
2 a 5 anos 12 a 19 Kg 900 - 1400
2.6 – Tratar a Desidratação com Soro de
Reidratação Oral (SRO)
Desidratação - Plano B – Anexo 07 (pág. 56
– Protocolo de Enfermagem - complementação)
As crianças com desidratação deverão permanecer
no serviço de saúde até a reidratação completa,
por um período de 4 horas.
Durante o período de 4 horas, administrar,
no serviço de saúde, a quantidade de SRO
recomendada abaixo.
Observação:
• Avaliar a criança em intervalos de 30 minutos e
pesá-la a cada 2 horas.
• Não se deve utilizar, de início, o antiemético,
pois a hidratação oral é suficiente para controlar
os vômitos.
• Para uma Terapia de Reidratação Oral (TRO) ser
eficaz, a criança deverá receber de 50 a
100 ml/Kg em um período de 4 a 6 horas.
Quando a criança chegar ao serviço com
menos de 02 horas antes do encerramento
das atividades, não há tempo suficiente para
a Hidratação Oral. A conduta a ser tomada
dependerá da avaliação das condições de risco
individual e situacional da criança:
Fatores de Risco Individuais
• Criança abaixo de 2 meses;
• Menores de 01 ano que nasceram com
baixo peso;
• Desnutrição moderada ou grave.
Fatores de Risco Situacionais
• Dificuldade de acesso ao hospital;
• Responsável pela criança ou mãe analfabetas;
• Crianças provenientes de micro-áreas sociais
de risco.
protocolo7b.indd 15protocolo7b.indd 15 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
16
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Quando a criança apresentar qualquer um
desses fatores, ficará difícil somente orientar a
hidratação oral em casa. Sendo assim, deve ser
solicitada a avaliação médica na Unidade ou o
encaminhamento para o pronto socorro.
Não havendo fatores de risco, pode ser feita
a orientação para a mãe ou responsável
para que a Hidratação seja feita no domicílio,
acompanhada da visita do ACS para verificar
a realização do procedimento e se a criança
apresenta sinais de melhora.
Orientação para a Hidratação Oral no
Domicílio
Orientar para:
• Preparar a SRO: 01 envelope para 01 litro
de água fervida ou filtrada, devendo ser
desprezado o soro que sobrar após 24 horas
do preparo;
• Oferecer a SRO de acordo com a sede da
criança. Inicialmente, de 50 a 100 ml de SRO/Kg
no período de 4 a 6 horas;
• Manter o aleitamento materno;
• Suspender outros alimentos durante a
Reidratação.
Manutenção:
• Crianças até 12 meses: 50 a 100ml após cada
evacuação aquosa;
• Crianças maiores de 12 meses: 100 a 200 ml
após cada evacuação aquosa;
• Crianças de 10 anos ou mais: à vontade.
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
protocolo7b.indd 16protocolo7b.indd 16 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
17
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
SAÚDE DA MULHER
02
17
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 17protocolo7b.indd 17 12/3/2007 18:18:5612/3/2007 18:18:56
18
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Conforme a orientação apresentada no Manual de
Coleta do Papanicolaou e Ensino do Auto-Exame
da Mama (Fundação Oncocentro de São Paulo –
2004), enviado para todas as UBS no ano de 2005,
descrevemos abaixo a técnica da coleta dupla
(ectocérvice e do canal cervical (endocérvice)) do
Papanicolaou, não sendo mais indicada a coleta de
fundo de saco.
TÉCNICA DE COLETA DUPLA DO
PAPANICOLAOU
CONDIÇÕES IDEAIS PARA UMA AMOSTRA
DE QUALIDADE
• Não estar menstruada. Preferencialmente,
aguardar o 5º dia após o término da
menstruação;
• A presença de pequeno sangramento de
origem não menstrual não é impeditivo para a
coleta, principalmente nas mulheres no pós-
menopausa;
• Não usar creme vaginal nem ter sido submetida
a exames intravaginais (ultrassonografia) por 2
dias antes do exame.
INICIANDO O PROCEDIMENTO DA COLETA
• Solicitar para a paciente que esvazie a bexiga.
• Em seguida, peça que ela retire a parte
inferior da roupa, dando-lhe um lençol para
que se cubra;
• Ajudar a cliente a posicionar-se na mesa;
• Iniciar o exame através da inspeção da vulva e
da vagina;
• Escolha o espéculo mais adequado ao tamanho
da vagina da paciente;
• Introduzir o espéculo sem lubrificá-lo com
óleo ou vaselina. Recomenda-se somente
em casos de pessoas idosas ou de vagina
ressecada o uso do espéculo umedecido
com soro fisiológico;
• Introduzi-lo em posição vertical e ligeiramente
inclinada (inclinação de 15º);
protocolo7b.indd 18protocolo7b.indd 18 12/3/2007 18:18:5612/3/2007 18:18:56
19
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Lembre-se:Lembre-se:
A paciente pode
ter sofrido alguma
intervenção cirúrgica
no colo ou uma
histerectomia.
Nos casos de
mulheres que tenham
sofrido Histerectomia
Parcial (com
manutenção do colo
uterino), a coleta deve
ser realizada como de
hábito, inclusive com a
escova endocervical.
Nos casos de
Histerectomia Total, a
coleta pode ser feita
no fundo da vagina
(fundo cego).
• Iniciada a introdução, faça uma rotação de 90
graus deixando-o em posição transversa, de
modo que a fenda de abertura do espéculo
fique na posição horizontal;
Uma vez introduzido totalmente na vagina, abra-
o lentamente e com delicadeza. Se, ao visualizar
o colo, houver grande quantidade de muco ou
secreção, seque-o delicadamente com uma gaze
montada em uma pinça, sem esfregar para não
perder a qualidade do material colhido.
protocolo7b.indd 19protocolo7b.indd 19 12/3/2007 18:18:5712/3/2007 18:18:57
20
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
COLETA DAS AMOSTRAS
A coleta é dupla: do ectocérvice e do canal cervical
(endocérvice);
As amostras são colhidas separadamente.
1 – Realizar a coleta no ectocérvice:
• Utilizar a espátula de madeira tipo Ayre do lado
que apresenta reentrância;
• Encaixar a ponta mais longa da espátula no
orifício externo do colo apoiando-a firmemente,
fazendo uma raspagem na mucosa ectocervical
em movimento rotativo de 360° em torno de todo
o orifício, procurando exercer uma pressão firme,
mas delicada, sem agredir o colo, para não
prejudicar a qualidade da amostra.
• Estender o material ectocervical na lâmina
dispondo-o no sentido horizontal, ocupando 2/3
da parte transparente da lâmina em movimentos
de ida e volta, esfregando a espátula com suave
pressão e garantindo uma amostra uniforme.
2 – Realizar a coleta do Canal Cervical
(endocérvice):
• Recolha o material introduzindo a escova
delicadamente no canal cervical, girando-a 360º;
• Fazer um esfregaço na lâmina ocupando o 1/3
restante da lâmina, estenda o material rolando a
escova de cima para baixo;
• Fazer a fixação da lâmina imediatamente
após a Coleta, armazenando as lâminas
separadamente e em recipiente adequado.
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
1 - Extremidade Fosca indentificação da lâmina
2 - Espaço para Esfregaço Ectocervical
3 - Espaço para Esfregaço Endocervical
360o
1
2 3
protocolo7b.indd 20protocolo7b.indd 20 12/3/2007 18:18:5812/3/2007 18:18:58
21
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
21
3 – Finalização do Procedimento:
• Fechar o espéculo;
• Retirar delicadamente o espéculo;
• Inspecionar a vulva e períneo;
• Retirar as luvas;
• Auxiliar a paciente a descer da mesa;
• Solicitar que ela se troque;
• Avisar a paciente que um pequeno
sangramento poderá ocorrer após a coleta;
• Avisar a paciente quanto à retirada do resultado
do exame, conforme a rotina da Unidade.
21
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Coleta em Grávida:
Por ocasião da consulta em mulheres com suspeita
de gravidez, ou primeira consulta de enfermagem
do pré-natal, visando-se tratar as possíveis
patologias infecciosas intercorrentes, bem como
em caráter de prevenção de neoplasias e lesões
HPV induzidas:
Coletar amostra do fundo-de-saco vaginal posterior
e da ectocérvice, mas não da endocérvice, para
não estimular contrações uterinas.
Coleta em Virgens:
Deve ser realizada por profissional médico a seu
critério, em casos extremamente específicos.
Obs.: O funcionário deverá utilizar o equipamento
de proteção individual (EPI), indicado para o
procedimento.
Observações importantes:
EXAMES DE ROTINA PARA INICIAR O PRÉ-NATAL
(p.10 do manual)
• GLICEMIA EM JEJUM = repetir o exame entre
a 28ª e a 30ª semana
• SOROLOGIAS HIV e VDRL = repetir o exame
entre a 28ª e a 30ª semana
• URUCULTURA = realizar nos três trimestres de
gestação
AVALIAÇÃO DE RISCO
VULNERABILIDADE (p.49 do manual – anexo2)
O enfermeiro deve atentar-se às questões
de vulnerabilidade citadas no Protocolo e às
patologias que possam sugerir uma gravidez de
alto risco (p.50). Desta forma, havendo suspeita,
deverá encaminhar à consulta médica para
classificação de risco.
Fonte: 1996-2006 INCA - Ministério da Saúde
protocolo7b.indd 21protocolo7b.indd 21 12/3/2007 18:18:5912/3/2007 18:18:59
22
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
SAÚDE DO ADULTO
22
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
03
protocolo7b.indd 22protocolo7b.indd 22 12/3/2007 18:19:0612/3/2007 18:19:06
23
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
A atualização apresentada a seguir tem como
objetivo complementar a assistência do(a)
enfermeiro(a) durante a consulta de enfermagem
realizada ao usuário adulto, visando a prevenção
de doenças, a promoção da saúde e o tratamento
necessário, de competência do enfermeiro, em
relação a alguns problemas de saúde.
Problemas Dermatológicos
1- Escabiose
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• Que a transmissão se dá por contato pessoal,
sendo ocasionada por roupas ou objetos de
uso pessoal;
• Lavar sempre as roupas de cama e de uso
pessoal e passá-las a ferro ou expô-las ao sol
por várias horas;
• Prevenção na família;
• Tratamento dos comunicantes do núcleo familiar
e/ou social.
Prescrição Medicamentosa
O tratamento pode ser feito com várias
medicações:
• Permetrina 5% (creme ou loção): aplicar por
duas noites consecutivas, repetindo-se após
uma semana;
• Monossulfiram 25% : diluir o medicamento
em água na proporção de 1:2 (uma parte de
monossulfiram para duas de água). Aplicar
após o banho, por duas noites consecutivas,
repetindo-se após uma semana.
Obs.: em caso de lesões infectadas ou de prurido
intenso, o paciente deve ser encaminhado para
avaliação e conduta médica.
2 – Pediculose
Cuidados de Enfermagem
Orientar:
• Hábitos adequados de higiene;
• Lavar os cabelos pela manhã, secar bem com
uma toalha, aplicar uma solução de vinagre
morno diluído em partes iguais de água (1:1),
deixar agir por 20 a 30 minutos e pentear os
cabelos com pente fino, com o objetivo de
remover as lêndeas manualmente;
• Lavar as roupas de uso pessoal e de cama,
além de escovas, chapéus e bonés;
• Investigar outros casos no núcleo familiar e
social e, se for necessário, tratá-los.
protocolo7b.indd 23protocolo7b.indd 23 12/3/2007 18:19:0712/3/2007 18:19:07
24
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Prescrição Medicamentosa
• Permetrina 1% (loção capilar): orientar lavar o
cabelo com o xampu de uso habitual, enxaguar
bem e secar com toalha.
Com o cabelo ainda úmido, aplicar toda
a solução de permetrina 1%, de modo a
encharcar todo o cabelo e o couro cabeludo,
especialmente na nuca e atrás das orelhas.
Deixar agir por 10 minutos, enxaguar
abundantemente com água morna e repetir a
aplicação após uma semana;
• Monossulfiram 25%: diluir o medicamento
em água na proporção de 1:2 (uma parte do
medicamento para duas de água). Aplicar
duas noites consecutivas e remover a solução
lavando o couro cabeludo pela manhã,
repetindo-se o procedimento após
uma semana.
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
protocolo7b.indd 24protocolo7b.indd 24 12/3/2007 18:19:0812/3/2007 18:19:08
25
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
3 – Parasitose Intestinal
Tratamento Medicamentoso
• Ascaridíase
• Tricocefalíase
• Ancilostomíase
• Enterobíase ou
Oxiuríase (no
tratamento com
qualquer uma das
medicações –
repetir o tratamento
após 2 semanas)
Teníase
Giardíase
Amebíase
Fonte: Caderno Temático da Criança – SMS – 2003 – págs. 222-228.
PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO
1 - Mebendazol
2 - Albendazol
1 - Mebendazol
2 - Albendazol
1 - Metronidazol
2 - Albendazol
1 - Metronidazol
1 - 100 mg/dose - 1 cp
/ v. oral - 2 vezes ao dia
2 - 400 mg/dia - v. oral
1 - 200 mg/dose - 2
cp - V. Oral - 2 vezes
ao dia.
2 - 400 mg/dia - 01 cp
- V. oral.
1 - 500mg/dia - v. oral.
2 - 400mg/dia - v. oral.
1 - 750mg/dose - v.
oral - 3 vezes ao dia.
1 - Durante 03 dias.
2 - Dose única
1 - Durante 04 dias.
2 - Durante 03 dias.
1 - Durante 05 dias
2 - Durante 05 dias
1 - Para quadros leves
e moderados, 5 dias.
Para quadros graves,
10 dias
1 - Efeitos Colaterais:
discretos - dor
abdominal, diarréia.
2 - Efeitos Colaterais:
dor abdominal,
diarréia, cefaléia
1 - Administrar após as
refeições.Evitar o uso
de bebidas alcoólicas.
Efeitos Colaterais: mais
freqüentes: náuseas,
cefaléia, gosto
metálico.
25
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 25protocolo7b.indd 25 12/3/2007 18:19:1012/3/2007 18:19:10
26
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
SAÚDE DO IDOSO
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
04
26 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 26protocolo7b.indd 26 12/3/2007 18:19:1212/3/2007 18:19:12
27
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
AVALIAÇÃO LABORATORIAL
(p. 10 do Protocolo do Idoso):
Exames laboratoriais básicos devem ser
solicitados conforme gravidade do caso,
visando identificar possíveis alterações como:
Hemoglobina, Hematócrito, VHS, Albumina,
Creatinina, Potássio, Glicemia, Hemoglobina
Glicada, Colesterol HDL e LDL, Triglicerídeos,
Cálcio, Fósforo, Ácido Úrico, Fosfatase Alcalina,
Clearence da Creatinina, TSH e PSA.
(Referência: Protocolo de Atenção Integral à
Pessoa Idosa - Campinas - 2005)
INTERPRETAÇÃO DO MINI EXAME
DE ESTADO MENTAL
(pág. 37 do Protocolo do Idoso)
PONTUAÇÃO ESCOLARIDADE ACHADOS
<24 Altamente Escolarizado Possível demência
<18 Ginásio Possível demência
<14 Analfabeto Possível demência
27
protocolo7b.indd 27protocolo7b.indd 27 12/3/2007 18:19:1412/3/2007 18:19:14
28
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
1 – CAETANO, Norival. Guia de Remédios. 7ª edição.
São Paulo: Editora Escala, 2005.
2 – Dicionário de Administração de Medicamentos na
Enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB, 2005.
3 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção Integrada às
Doenças Prevalentes na Infância. Organização
Mundial de Saúde & Organização Pan-Americana de
Saúde. 1999.
4 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dermatologia na Atenção
Básica – Cadernos de Atenção Básica nº9. Brasília:
2002.
5 – SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE – COGEST.
Caderno Temático da Criança. São Paulo: Imprensa
Oficial, 2003.
6 – SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE – COGEST.
Relação de Medicamentos Essenciais para a Rede
Básica. São Paulo: 2005
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
7 – SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO
PAULO – FUNDAÇÃO ONCOCENTRO. Manual de
Procedimentos – Coleta do Papanicolaou e Ensino
do Auto-Exame das Mamas. 2ª edição revisada. São
Paulo: 2004.
8 – SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. MÃE
PAULISTANA. Manual Técnico Saúde da Criança 1o
ano de vida. São Paulo. 2006.
protocolo7b.indd 28protocolo7b.indd 28 12/3/2007 18:19:2312/3/2007 18:19:23
29
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem:
- saúde da criança
- saúde da mulher
- saúde do adulto
- saúde do idoso
Responsável Técnico:
Naira Regina dos Reis Fazenda
Coordenação da Atenção Básica:
Rua General Jardim, 36 - 8o
andar
Tel.: (011) 3218-4045 / 3218-4062
email: atencaobasica@prefeitura.sp.gov.br
protocolo7b.indd 29protocolo7b.indd 29 12/3/2007 18:19:2312/3/2007 18:19:23
30
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
Anotações
protocolo7b.indd 30protocolo7b.indd 30 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
31
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 31protocolo7b.indd 31 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
32
Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
protocolo7b.indd 32protocolo7b.indd 32 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
33
Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP
DOCUMENTO DE ATUALIZAÇÃO DOS
PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM
• SAÚDE DA CRIANÇA
• SAÚDE DA MULHER
• SAÚDE DO ADULTO
• SAÚDE DO IDOSO
protocolo7b.indd 33protocolo7b.indd 33 12/3/2007 18:19:2812/3/2007 18:19:28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (17)

Jornal do Sindsprev/RJ - Jun.2018
Jornal do Sindsprev/RJ - Jun.2018Jornal do Sindsprev/RJ - Jun.2018
Jornal do Sindsprev/RJ - Jun.2018
 
11 secretaria municipal da saúde
11 secretaria municipal da saúde11 secretaria municipal da saúde
11 secretaria municipal da saúde
 
Rede de atenção psicossocial crs sul roda de conv infancia14
Rede de atenção psicossocial  crs sul roda de conv  infancia14Rede de atenção psicossocial  crs sul roda de conv  infancia14
Rede de atenção psicossocial crs sul roda de conv infancia14
 
Sintonia 12-05-17
Sintonia 12-05-17Sintonia 12-05-17
Sintonia 12-05-17
 
SUS amplia internação domiciliar
SUS amplia internação domiciliarSUS amplia internação domiciliar
SUS amplia internação domiciliar
 
Reunião tan grupo condutor agosto 2013
Reunião tan grupo condutor agosto 2013Reunião tan grupo condutor agosto 2013
Reunião tan grupo condutor agosto 2013
 
Mais médicos
Mais médicosMais médicos
Mais médicos
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
 
2015 VD MFCaula disciplina mfc ufop
2015  VD MFCaula disciplina mfc ufop2015  VD MFCaula disciplina mfc ufop
2015 VD MFCaula disciplina mfc ufop
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Saúde lança plano de assistência domiciliar
Saúde lança plano de assistência domiciliarSaúde lança plano de assistência domiciliar
Saúde lança plano de assistência domiciliar
 
Saúde do trabalhador em MG
Saúde do trabalhador em MGSaúde do trabalhador em MG
Saúde do trabalhador em MG
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Manual pratico para_elaboracao_projetos_ubs
Manual pratico para_elaboracao_projetos_ubsManual pratico para_elaboracao_projetos_ubs
Manual pratico para_elaboracao_projetos_ubs
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013
 
Sintonia 17-03-17
Sintonia 17-03-17Sintonia 17-03-17
Sintonia 17-03-17
 
Manual estrutura ubs
Manual estrutura ubsManual estrutura ubs
Manual estrutura ubs
 

Destaque

Seminário Viajosfera - Tony Galvez
Seminário Viajosfera - Tony GalvezSeminário Viajosfera - Tony Galvez
Seminário Viajosfera - Tony GalvezViaje na Viagem
 
Seminário Viajosfera - Sergio Branco
Seminário Viajosfera - Sergio BrancoSeminário Viajosfera - Sergio Branco
Seminário Viajosfera - Sergio BrancoViaje na Viagem
 
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.Marc Alegre
 
Manual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosaManual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosaLetícia Spina Tapia
 
Cv jhessica ribeiro_cardoso
Cv jhessica ribeiro_cardosoCv jhessica ribeiro_cardoso
Cv jhessica ribeiro_cardosoJhessica Cardoso
 
The Lexical Approach- Thaís Duarte
The Lexical Approach- Thaís DuarteThe Lexical Approach- Thaís Duarte
The Lexical Approach- Thaís Duarteprofthaisduarte
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Imagens forum 04 10-2012 2
Imagens forum 04 10-2012 2Imagens forum 04 10-2012 2
Imagens forum 04 10-2012 2jef.argolo
 
D15 al 20 de abril de 2013. b
D15 al 20 de abril de 2013. bD15 al 20 de abril de 2013. b
D15 al 20 de abril de 2013. bcnjelsalvado
 
Apresentação teleduc
Apresentação teleducApresentação teleduc
Apresentação teleducAnize Carpes
 

Destaque (20)

Seminário Viajosfera - Tony Galvez
Seminário Viajosfera - Tony GalvezSeminário Viajosfera - Tony Galvez
Seminário Viajosfera - Tony Galvez
 
Universal Private Banking
Universal Private BankingUniversal Private Banking
Universal Private Banking
 
Seminário Viajosfera - Sergio Branco
Seminário Viajosfera - Sergio BrancoSeminário Viajosfera - Sergio Branco
Seminário Viajosfera - Sergio Branco
 
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.
La Tavella, Agricultura 2.0. Agricultura sense intermediaris.
 
Manual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosaManual boas praticas para pessoa idosa
Manual boas praticas para pessoa idosa
 
Cv jhessica ribeiro_cardoso
Cv jhessica ribeiro_cardosoCv jhessica ribeiro_cardoso
Cv jhessica ribeiro_cardoso
 
Cortesía UK
Cortesía UKCortesía UK
Cortesía UK
 
Apresentação 4
Apresentação 4Apresentação 4
Apresentação 4
 
The Lexical Approach- Thaís Duarte
The Lexical Approach- Thaís DuarteThe Lexical Approach- Thaís Duarte
The Lexical Approach- Thaís Duarte
 
Formspring
FormspringFormspring
Formspring
 
Demo1
Demo1Demo1
Demo1
 
Dia das crianças edna ppt
Dia das crianças edna pptDia das crianças edna ppt
Dia das crianças edna ppt
 
OpenStreetMap España 2009-2010
OpenStreetMap España 2009-2010OpenStreetMap España 2009-2010
OpenStreetMap España 2009-2010
 
Gestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e InovaçãoGestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e Inovação
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Imagens forum 04 10-2012 2
Imagens forum 04 10-2012 2Imagens forum 04 10-2012 2
Imagens forum 04 10-2012 2
 
Crt 160
Crt 160Crt 160
Crt 160
 
D15 al 20 de abril de 2013. b
D15 al 20 de abril de 2013. bD15 al 20 de abril de 2013. b
D15 al 20 de abril de 2013. b
 
Celebrem nadal
Celebrem nadalCelebrem nadal
Celebrem nadal
 
Apresentação teleduc
Apresentação teleducApresentação teleduc
Apresentação teleduc
 

Semelhante a Protocolos de enfermagem 2007

Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaManual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaCentro Universitário Ages
 
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1Morgana Oliveira
 
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Creche Segura
 
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1Letícia Spina Tapia
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridenteFelipe Ferreira
 
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSF
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSFProtocolo para prescrição de Enfermeiros no PSF
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSFPriscille Almeida
 
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.pptoficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.pptsumaya Sobrenome
 
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoPolítica nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoeriiclima
 
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009Atividades Realizadas Psf Emaús 2009
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009Professor Robson
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Letícia Spina Tapia
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcangurugisa_legal
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaJosy Tosta
 
Atenção à saúde do recém nascido volume 3
Atenção à saúde do recém nascido volume  3Atenção à saúde do recém nascido volume  3
Atenção à saúde do recém nascido volume 3pryloock
 
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...bibliotecasaude
 
Protocolo de Cuidados Domiciliares
Protocolo de Cuidados DomiciliaresProtocolo de Cuidados Domiciliares
Protocolo de Cuidados DomiciliaresLetícia Spina Tapia
 

Semelhante a Protocolos de enfermagem 2007 (20)

Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaManual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
 
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...
RECÉM-NASCIDO: atenção à saúde. Publicação para profissionais. Volume 1 Minis...
 
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1
Atencao saude recem_nascido_profissionais_v1
 
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1Atenção a saúde do recém nascido volume 1
Atenção a saúde do recém nascido volume 1
 
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1
Atenção a saúde do recém nascido - Volume 1
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridente
 
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSF
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSFProtocolo para prescrição de Enfermeiros no PSF
Protocolo para prescrição de Enfermeiros no PSF
 
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.pptoficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
 
SaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdfSaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdf
 
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª ediçãoPolítica nacional de atenção básica, 4ª edição
Política nacional de atenção básica, 4ª edição
 
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009Atividades Realizadas Psf Emaús 2009
Atividades Realizadas Psf Emaús 2009
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
 
Manual 4 rnpt
Manual 4 rnptManual 4 rnpt
Manual 4 rnpt
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguru
 
Política de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criançaPolítica de Atenção Integral à saúde da criança
Política de Atenção Integral à saúde da criança
 
Atenção à saúde do recém nascido volume 3
Atenção à saúde do recém nascido volume  3Atenção à saúde do recém nascido volume  3
Atenção à saúde do recém nascido volume 3
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
 
Protocolo de Cuidados Domiciliares
Protocolo de Cuidados DomiciliaresProtocolo de Cuidados Domiciliares
Protocolo de Cuidados Domiciliares
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoCartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoLetícia Spina Tapia
 
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOS
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOSO QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOS
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOSLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Cartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de MedicaçãoCartilha COREN - Erros de Medicação
Cartilha COREN - Erros de Medicação
 
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOS
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOSO QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOS
O QUE DEVEMOS SABER SOBRE MEDICAMENTOS
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Protocolos de enfermagem 2007

  • 1. 2 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP PREFEITO Gilberto Kassab SECRETÁRIA MUNICIPAL DA SAÚDE Maria Cristina Faria da Silva Cury de: mai. de 2005 a 11 de out. de 2006 Maria Aparecida Orsini de Carvalho Fernandes de: 11 de out. de 2006 à publicação deste COORDENADORA DA ATENÇÃO BÁSICA Maria de Fátima Faria Duayer de: abr. de 2006 a 07 de nov. de 2006 Neide Miyako Hasegawa de: 07 de nov. de 2006 à publicação deste FICHA TÉCNICA Projeto gráfico e editoração: Olho de Boi Comunicações Impressão: Uni Repro Soluções para documentos Fotos: Rogério Lacanna Endereço: Coordenação da Atenção Básica – SMS Rua General Jardim nº 36 – CEP: 01223-906 – Tel: 3218-4045 email: atencaobasica@prefeitura.sp.gov.br protocolo7b.indd 2protocolo7b.indd 2 12/3/2007 18:18:1812/3/2007 18:18:18
  • 2. 3 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP DOCUMENTO DE ATUALIZAÇÃO DOS PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM • SAÚDE DA CRIANÇA • SAÚDE DA MULHER • SAÚDE DO ADULTO • SAÚDE DO IDOSO GRUPO TÉCNICO RESPONSÁVEL • MARIA DAS GRAÇAS LIRA OLIVEIRA – COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE – CENTRO-OESTE • NAIRA REGINA DOS REIS FAZENDA – COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA – SMS • PATRICIA LUNA – UBS AE CARVALHO • RAQUEL IRAN MIGUEL – CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO • REGINA TERESA CAPELARI – COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE COLABORADORES • GLORIA MITYO SCHULZE – ASSOCIAÇÃO CONGREGAÇÃO DE SANTA CATARINA – PSF • LUCIANA MORAIS BORGES GUEDES – HOSPITAL ALBERT EISTEIN – PSF • MARINA ARENDS ROSCHEL – SUPERVISORA TÉCNICA DE SAÚDE SANTO AMARO – CIDADE ADEMAR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SÃO PAULO 2007 protocolo7b.indd 3protocolo7b.indd 3 12/3/2007 18:18:2212/3/2007 18:18:22
  • 3. 4 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Ficha Catalográfica S241p São Paulo (Cidade). Secretaria da Saúde Documento de atualização dos protocolos de enfermagem: saúde da criança, saúde da mulher, saúde do adulto e saúde do idoso / Secretaria da Saúde / Coordenação da Atenção Básica. São Paulo, SMS, 2007. 29p. 1. Administração da saúde. 2. Manual de serviço. 3. Rotinas / Protocolos. Atenção Básica. II. Título. CDU 614 protocolo7b.indd 4protocolo7b.indd 4 12/3/2007 18:18:2312/3/2007 18:18:23
  • 4. 5 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Com a proposta de atender as necessidades de atualização dos Protocolos de Enfermagem da Atenção Básica envolvendo a saúde da criança, saúde da mulher, do adulto, do idoso e para assistência no tratamento em feridas, a Atenção Básica divulga este documento técnico e salienta: De acordo com a lei do exercício profissional de enfermagem 7498/86, regulamentada pelo Decreto 94406/87, descreve no Art. 8º. Item I – É privativo do Enfermeiro: e) Consulta de enfermagem; f) Prescrição da assistência de enfermagem Item II – Como integrante da equipe de saúde: c) prescrição de medicamentos previamente estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde. Resolução COFEN nº 195/1997 Art. 1º. O Enfermeiro pode solicitar exames de rotina e complementares quando no exercício de suas atividades profissionais. A Secretaria estabeleceu através da Portaria 1004/03 SMS.G os Protocolos de Enfermagem na Atenção aos Ciclos de vida, criança, mulher e adulto no que compõe a Atenção Básica no município de São Paulo (DOM 31/01/03 p.12). São conhecidos pela instituição como limites de atuação no município de São Paulo os seguintes protocolos: - Atenção à Saúde da Criança 3ª ed. Julho de 2004 - Atenção à Saúde da Mulher 3ª ed. Julho de 2004 - Atenção à Saúde do Adulto 3ª ed. Julho de 2004 - Atenção à Saúde do Idoso 1ª ed. Julho de 2004 - Documento de Atualização dos protocolos de Enfermagem, São Paulo, 2007 - Protocolo de Prevenção e Tratamento de Feridas, São Paulo, 2006 Destacamos que a atuação do Enfermeiro está embasada no seu conhecimento técnico-científico sendo responsabilidade do profissional toda ação por ele praticada, ficando este, sujeito às penalidades de acordo com a lei. Coordenadora da Atenção Básica APRESENTAÇÃO E CONSIDERAÇÕES LEGAIS protocolo7b.indd 5protocolo7b.indd 5 12/3/2007 18:18:2812/3/2007 18:18:28
  • 5. 6 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP SUMÁRIO 6 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 0000 0101 SAÚDE DA CRIANÇA ....................8 APRESENTAÇÃO.................................................5 ACOMPANHAMENTO DA CRIANÇA.....................9 1.1 SUPLEMENTO VITAMÍNICO ...................................9 1.2 SUPLEMENTO DE FERRO .....................................9 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ÀS QUEIXAS COMUNS NA INFÂNCIA......................................9 2.1 ESCABIOSE.......................................................9 2.2 PEDICULOSE...................................................10 2.3 DERMATITE AMONIACAL....................................11 2.4 PARASITOSE INTESTINAL...................................12 2.5 TOSSE E/OU PEITO CHEIO E/OU CORIZA E/OU OBSTRUÇÃO NASAL...............................................14 2.6 TRATAR A DESIDRATAÇÃO COM SORO DE REIDRATAÇÃO ORAL - SRO......................................15 protocolo7b.indd 6protocolo7b.indd 6 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
  • 6. 7 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 02 03 04 SAÚDE DA MULHER......................17 SAÚDE DO ADULTO.......................22 SAÚDE DO IDOSO .........................26 TÉCNICA DE COLETA DUPLA DO PAPANICOLAOU........18 COLETA DAS AMOSTRAS.............................................20 1 - REALIZAR A COLETA NO ECTOCÉRVICE............................ 20 2 - REALIZAR A COLETA DO CANAL CERVICAL (ENDOCERVICE)..................................................................... 20 3 - FINALIZAÇÃO DO PROCEDIMENTO................................... 21 PROBLEMAS DERMATOLÓGICOS.................................23 1 - ESCABIOSE....................................................................... 23 2 - PEDICULOSE..................................................................... 23 3 - PARASITOSE INTESTINAL................................................. 25 AVALIAÇÃO LABORATORIAL ........................................27 INTERPRETAÇÃO DO MINI EXAME DO ESTADO MENTAL .........................................................27 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA..............................28 protocolo7b.indd 7protocolo7b.indd 7 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
  • 7. 8 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP SAÚDE DA CRIANÇA 8 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 0101 protocolo7b.indd 8protocolo7b.indd 8 12/3/2007 18:18:3112/3/2007 18:18:31
  • 8. 9 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 1 – Acompanhamento da criança 1.1 – Suplemento Vitamínico A paritr de 07 dias de vida as crianças necessitam de suplementação de vitamina A (2000 a 4000 unidades/dia) e vitamina D (400 a 800 unidades/ dia) durante o primeiro ano de vida, para prevenir o raquitismo carencial (p. 18 - Mãe Paulistana “Manual Técnico Saúde da Criança 1o ano de vida” - SMS/2006). 1.2 – Suplementação de Ferro • Os RN de termo em aleitamento materno exclusivo até os 6 meses devem iniciar suplementação de ferro (1 a 2 mg/kg/dia de ferro elementar) a partir de 6 meses de idade, devendo ser mantido até completar 12 meses. • Para os RN com peso ao nascer menor do que 1500g, está indicada a suplementação de ferro, na forma de sulfato ferroso, cuja dose diária varia de 2 a 4 mg/kg/dia, recomendando- se a maior dose para os menores de 1000g ao nascer e a menor dose para os com peso ao nascer maior ou igual a 1000g e/ou que receberam mais de uma transfusão de sanguínea no período neonatal, a partir de 2 semanas de vida e deverá ser mantida durante o primeiro ano de vida (p. 18 - Mãe Paulistana “Manual Técnico Saúde da Criança 1o ano de vida” - SMS/2006). 2 – Assistência de enfermagem às queixas comuns na infância 2.1 – Escabiose (em crianças maiores de 01 ano) Cuidados de Enfermagem Orientar: • Que a transmissão se dá por contato pessoal, sendo ocasionada por roupas ou objetos de uso pessoal; • Lavar sempre as roupas de cama e de uso pessoal com água quente e passá-las a ferro ou expô-las ao sol por várias horas; • Prevenção na família; • Tratamento simultâneo dos comunicantes do núcleo familiar e/ou escolar. Prescrição Medicamentosa O tratamento pode ser feito com várias medicações: • Permetrina 5% (creme ou loção): aplicar por duas noites consecutivas, retirando o produto 9 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 9protocolo7b.indd 9 12/3/2007 18:18:3212/3/2007 18:18:32
  • 9. 10 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP no período de 8 a 14 horas após a aplicação, repetir o tratamento após uma semana; • Monossulfiram 25%: diluir o medicamento em água na proporção de 1:3 (uma parte de monossulfiram para três de água). Aplicar por três noites consecutivas e repetir após uma semana. 2.2 – Pediculose (crianças maiores de 01 ano) Cuidados de Enfermagem Orientar: • Hábitos adequados de higiene; • Lavar os cabelos pela manhã, secar bem com uma toalha, aplicar uma solução de vinagre morno diluído em partes iguais de água (1:1), deixar agir por 20 a 30 minutos e pentear os cabelos com pente fino, com o objetivo de remover as lêndeas manualmente; • Lavar as roupas de uso pessoal e de cama com água quente ou lavar normalmente e passar a ferro, além de higienizar escovas, chapéus e bonés; Investigar outros casos no núcleo familiar e escolar e tratá-los se for o caso. Prescrição Medicamentosa • Permetrina a 1% (loção capilar): orientar lavar o cabelo com o xampu de uso habitual (sem condicionador), enxaguar bem e secar com toalha. Com o cabelo ainda úmido, aplicar toda a solução, de modo a encharcar todo o cabelo e o couro cabeludo, especialmente na nuca e atrás das orelhas. Deixar agir por 10 minutos, enxaguar abundantemente com água morna e repetir a aplicação após uma semana; Obs: Permetrina somente pode ser indicada para crianças acima de 01 ano. • Monossulfiram 25%: diluir o medicamento em água na proporção de 1:3 (uma parte de monossulfiram para três de água). Aplicar duas noites consecutivas e remover a solução lavando o couro cabeludo pela manhã , repetindo-se o procedimento após uma semana. protocolo7b.indd 10protocolo7b.indd 10 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
  • 10. 11 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 2.3 – Dermatite Amoniacal (Dermatite de Fralda) Ocorre devido ao contato constante e prolongado com urina e fezes das fraldas. A criança apresenta eritema brilhante nas superfícies convexas das faces mediais e na raiz das coxas, poupando pregas, nádegas e a parte inferior do abdome. Com freqüência ocorre infecção secundária por candida albicans. Nesse caso a suspeita surge quando não há melhora do quadro com os tratamentos habituais, o eritema é mais intenso e aparecem pequenas lesões pápulo- pústulo-vesiculares satélites (Caderno Temático da Criança – SMS/SP). Obs: Se o eritema for muito intenso, encaminhar para avaliação médica. Cuidados de Enfermagem Orientar: • Lavar o local com água morna a cada troca de fralda; • Uso moderado de sabonetes; • Suspender o uso de lenços umedecidos, assim como outros produtos industrializados (óleos, lavanda, soluções de limpeza); • Deixar a criança sem fralda o maior tempo possível; • Usar papa de amido de milho com água; • Expor a área afetada ao sol uma vez ao dia de 05 a 15 minutos; • Trocar a fralda descartável pela de pano; • Lavar as fraldas de pano com sabão neutro; • Suspender o uso do sabão em pó, alvejante e/ou amaciantes; • Fazer o último enxágüe das fraldas com água e vinagre (para 1 litro de água, adicione 1 colher de sopa de vinagre). Prescrição Medicamentosa Nos casos de infecção por Candida, indicar o creme de nistatina tópica, cetoconazol (Fonte: Caderno Temático da Criança – SMS/SP), ou miconazol creme após cada troca de fralda por 05 dias, no mínimo. Retornar após 05 dias para avaliação de enfermagem. protocolo7b.indd 11protocolo7b.indd 11 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
  • 11. 12 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP • Ascaridíase •Tricocefalíase •Ancilostomíase •Enterobíase ou Oxiuríase (no tratamento com qualquer uma das medicações – repetir o tratamento após 2 semanas) Estrongiloidíase Teníase 2.4 – Parasitose Intestinal Tratamento Medicamentoso PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO 1 - Mebendazol 2 - Albendazol 1 - Tiabendazol 2 - Albendazol 1 - Mebendazol 2 - Albendazol 3 - Praziquantel 1 - Criança acima de 10 Kg – 100 mg/dose (5 ml ou 1 cp) , v. oral 2 vezes ao dia 2 - Crianças acima de 02 anos – 400 mg/dia(10 ml ou 01 cp), v. oral) 1 - 25mg/Kg/dose, v. oral - 2 vezes ao dia. 2 - Crianças acima de 02 anos – 400 mg/dia (10 ml ou 01 cp, v. oral) 1 - Crianças acima de 10 Kg – 200 mg/ dose (10 ml ou 2 cp), v. oral - 2 vezes ao dia. 2 - Crianças acima de 02 anos – 400 mg/dia(10 ml ou 01 cp, v. oral). 3 - 10 mg/Kg/dia, v. oral 1 - Durante 03 dias. 2 - Dose única 1 - Durante 2 dias. 2 - Dose única 1 - Durante 04 dias. 2 - Durante 03 dias. 3 - Dose única 1 - Repetir o Tratamento após 3 semanas.Efeitos Colaterais: são discretos – dor abdominal, diarréia. 2 - Efeitos Colaterais: dor abdominal, diarréia, cefaléia Efeitos Colaterais: tonturas, anorexia, náuseas, vômitos e sonolência Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem protocolo7b.indd 12protocolo7b.indd 12 12/3/2007 18:18:3312/3/2007 18:18:33
  • 12. 13 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 13 PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO Giardíase Amebíase 1 - Metronidazol 2 - Albendazol Metronidazol 1 - 15 a 20 mg/Kg/dia, v. oral – 2 vezes ao dia. 2 - Crianças acima de 02 anos – 400 mg/dia, v. oral. 1 - 35 a 50 mg/Kg/dia, v. oral – 3 vezes ao dia. 1 - Durante 05 dias 2 - Durante 05 dias Para quadros leves e moderados, 5 dias. Para quadros graves, 10 dias 1 - Administrar após as refeições. Efeitos Colaterais mais freqüentes: náuseas, cefaléia, gosto metálico. Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 13 protocolo7b.indd 13protocolo7b.indd 13 12/3/2007 18:18:3812/3/2007 18:18:38
  • 13. 14 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 2.5 – Tosse e/ou Peito Cheio e/ou Coriza e/ou Obstrução Nasal No momento da Sistematização da Assistência de Enfermagem, deve-se seguir o fluxo de atendimento da p. 44 (Protocolo da Saúde da Criança - SMS-SP/2003) e, identificando-se um Resfriado Comum, orientar os cuidados de enfermagem que estão abaixo: Cuidados de Enfermagem Orientar: • O aumento da ingestão hídrica (água, sucos de frutas, chás) para fluidificar as secreções, facilitando sua eliminação; • Lavagem nasal com soro fisiológico 0,9% ou solução nasal de uso tópico - cloreto de sódio 0,9% e benzalcônio fr. (Relação de medicamentos essenciais da rede básica - SMS); • Inalação com 3 a 5 ml de soro fisiológico 0,9% três vezes ao dia para fluidificação e remoção de secreções (se necessário); • Deixar a criança em decúbito elevado ao dormir; • Remover a umidade, mofo ou bolor da casa; • Manter a casa ventilada; • Umidificação do ambiente doméstico; • Evitar fumar na presença da criança; • Oferecer dieta fracionada; • Sinais de alerta: respiração rápida, tiragens e ruídos respiratórios; • Controle da temperatura; • Se necessário, o uso de analgésicos: Paracetamol 200mg/ml, 1 gota/Kg ou Dipirona 500 mg/ml, 1 gota/2 Kg ou de 10 a 15 mg/Kg de 6 em 6 horas. Embora a tosse, sintoma muito comum nos resfriados, incomode a criança e a família, é importante lembrar que é uma queixa autolimitada que não deve ser suprimida e, na maioria das vezes, é um reflexo protetor que ajuda a remover as secreções da via respiratória. Seu alívio pode ser obtido pelo uso de preparações caseiras com alto teor de açúcar (ex: leite com açúcar queimado), pois aumenta a produção de saliva e estimula a deglutição, interferindo no reflexo da tosse. O açúcar pode ainda recobrir as terminações nervosas e agir como uma barreira protetora contra sua estimulação (Caderno Temático da Criança – SMS-SP/2003). protocolo7b.indd 14protocolo7b.indd 14 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
  • 14. 15 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP IDADE PESO SRO (ml) Até 4 meses Menor de 6 Kg 200 - 400 4 a 11 meses 6 a menor de 10 Kg 400 - 700 12 a 23 meses 10 a menor de 12 Kg 700 - 900 2 a 5 anos 12 a 19 Kg 900 - 1400 2.6 – Tratar a Desidratação com Soro de Reidratação Oral (SRO) Desidratação - Plano B – Anexo 07 (pág. 56 – Protocolo de Enfermagem - complementação) As crianças com desidratação deverão permanecer no serviço de saúde até a reidratação completa, por um período de 4 horas. Durante o período de 4 horas, administrar, no serviço de saúde, a quantidade de SRO recomendada abaixo. Observação: • Avaliar a criança em intervalos de 30 minutos e pesá-la a cada 2 horas. • Não se deve utilizar, de início, o antiemético, pois a hidratação oral é suficiente para controlar os vômitos. • Para uma Terapia de Reidratação Oral (TRO) ser eficaz, a criança deverá receber de 50 a 100 ml/Kg em um período de 4 a 6 horas. Quando a criança chegar ao serviço com menos de 02 horas antes do encerramento das atividades, não há tempo suficiente para a Hidratação Oral. A conduta a ser tomada dependerá da avaliação das condições de risco individual e situacional da criança: Fatores de Risco Individuais • Criança abaixo de 2 meses; • Menores de 01 ano que nasceram com baixo peso; • Desnutrição moderada ou grave. Fatores de Risco Situacionais • Dificuldade de acesso ao hospital; • Responsável pela criança ou mãe analfabetas; • Crianças provenientes de micro-áreas sociais de risco. protocolo7b.indd 15protocolo7b.indd 15 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
  • 15. 16 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Quando a criança apresentar qualquer um desses fatores, ficará difícil somente orientar a hidratação oral em casa. Sendo assim, deve ser solicitada a avaliação médica na Unidade ou o encaminhamento para o pronto socorro. Não havendo fatores de risco, pode ser feita a orientação para a mãe ou responsável para que a Hidratação seja feita no domicílio, acompanhada da visita do ACS para verificar a realização do procedimento e se a criança apresenta sinais de melhora. Orientação para a Hidratação Oral no Domicílio Orientar para: • Preparar a SRO: 01 envelope para 01 litro de água fervida ou filtrada, devendo ser desprezado o soro que sobrar após 24 horas do preparo; • Oferecer a SRO de acordo com a sede da criança. Inicialmente, de 50 a 100 ml de SRO/Kg no período de 4 a 6 horas; • Manter o aleitamento materno; • Suspender outros alimentos durante a Reidratação. Manutenção: • Crianças até 12 meses: 50 a 100ml após cada evacuação aquosa; • Crianças maiores de 12 meses: 100 a 200 ml após cada evacuação aquosa; • Crianças de 10 anos ou mais: à vontade. Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem protocolo7b.indd 16protocolo7b.indd 16 12/3/2007 18:18:5412/3/2007 18:18:54
  • 16. 17 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP SAÚDE DA MULHER 02 17 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 17protocolo7b.indd 17 12/3/2007 18:18:5612/3/2007 18:18:56
  • 17. 18 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Conforme a orientação apresentada no Manual de Coleta do Papanicolaou e Ensino do Auto-Exame da Mama (Fundação Oncocentro de São Paulo – 2004), enviado para todas as UBS no ano de 2005, descrevemos abaixo a técnica da coleta dupla (ectocérvice e do canal cervical (endocérvice)) do Papanicolaou, não sendo mais indicada a coleta de fundo de saco. TÉCNICA DE COLETA DUPLA DO PAPANICOLAOU CONDIÇÕES IDEAIS PARA UMA AMOSTRA DE QUALIDADE • Não estar menstruada. Preferencialmente, aguardar o 5º dia após o término da menstruação; • A presença de pequeno sangramento de origem não menstrual não é impeditivo para a coleta, principalmente nas mulheres no pós- menopausa; • Não usar creme vaginal nem ter sido submetida a exames intravaginais (ultrassonografia) por 2 dias antes do exame. INICIANDO O PROCEDIMENTO DA COLETA • Solicitar para a paciente que esvazie a bexiga. • Em seguida, peça que ela retire a parte inferior da roupa, dando-lhe um lençol para que se cubra; • Ajudar a cliente a posicionar-se na mesa; • Iniciar o exame através da inspeção da vulva e da vagina; • Escolha o espéculo mais adequado ao tamanho da vagina da paciente; • Introduzir o espéculo sem lubrificá-lo com óleo ou vaselina. Recomenda-se somente em casos de pessoas idosas ou de vagina ressecada o uso do espéculo umedecido com soro fisiológico; • Introduzi-lo em posição vertical e ligeiramente inclinada (inclinação de 15º); protocolo7b.indd 18protocolo7b.indd 18 12/3/2007 18:18:5612/3/2007 18:18:56
  • 18. 19 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Lembre-se:Lembre-se: A paciente pode ter sofrido alguma intervenção cirúrgica no colo ou uma histerectomia. Nos casos de mulheres que tenham sofrido Histerectomia Parcial (com manutenção do colo uterino), a coleta deve ser realizada como de hábito, inclusive com a escova endocervical. Nos casos de Histerectomia Total, a coleta pode ser feita no fundo da vagina (fundo cego). • Iniciada a introdução, faça uma rotação de 90 graus deixando-o em posição transversa, de modo que a fenda de abertura do espéculo fique na posição horizontal; Uma vez introduzido totalmente na vagina, abra- o lentamente e com delicadeza. Se, ao visualizar o colo, houver grande quantidade de muco ou secreção, seque-o delicadamente com uma gaze montada em uma pinça, sem esfregar para não perder a qualidade do material colhido. protocolo7b.indd 19protocolo7b.indd 19 12/3/2007 18:18:5712/3/2007 18:18:57
  • 19. 20 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP COLETA DAS AMOSTRAS A coleta é dupla: do ectocérvice e do canal cervical (endocérvice); As amostras são colhidas separadamente. 1 – Realizar a coleta no ectocérvice: • Utilizar a espátula de madeira tipo Ayre do lado que apresenta reentrância; • Encaixar a ponta mais longa da espátula no orifício externo do colo apoiando-a firmemente, fazendo uma raspagem na mucosa ectocervical em movimento rotativo de 360° em torno de todo o orifício, procurando exercer uma pressão firme, mas delicada, sem agredir o colo, para não prejudicar a qualidade da amostra. • Estender o material ectocervical na lâmina dispondo-o no sentido horizontal, ocupando 2/3 da parte transparente da lâmina em movimentos de ida e volta, esfregando a espátula com suave pressão e garantindo uma amostra uniforme. 2 – Realizar a coleta do Canal Cervical (endocérvice): • Recolha o material introduzindo a escova delicadamente no canal cervical, girando-a 360º; • Fazer um esfregaço na lâmina ocupando o 1/3 restante da lâmina, estenda o material rolando a escova de cima para baixo; • Fazer a fixação da lâmina imediatamente após a Coleta, armazenando as lâminas separadamente e em recipiente adequado. Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem 1 - Extremidade Fosca indentificação da lâmina 2 - Espaço para Esfregaço Ectocervical 3 - Espaço para Esfregaço Endocervical 360o 1 2 3 protocolo7b.indd 20protocolo7b.indd 20 12/3/2007 18:18:5812/3/2007 18:18:58
  • 20. 21 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 21 3 – Finalização do Procedimento: • Fechar o espéculo; • Retirar delicadamente o espéculo; • Inspecionar a vulva e períneo; • Retirar as luvas; • Auxiliar a paciente a descer da mesa; • Solicitar que ela se troque; • Avisar a paciente que um pequeno sangramento poderá ocorrer após a coleta; • Avisar a paciente quanto à retirada do resultado do exame, conforme a rotina da Unidade. 21 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Coleta em Grávida: Por ocasião da consulta em mulheres com suspeita de gravidez, ou primeira consulta de enfermagem do pré-natal, visando-se tratar as possíveis patologias infecciosas intercorrentes, bem como em caráter de prevenção de neoplasias e lesões HPV induzidas: Coletar amostra do fundo-de-saco vaginal posterior e da ectocérvice, mas não da endocérvice, para não estimular contrações uterinas. Coleta em Virgens: Deve ser realizada por profissional médico a seu critério, em casos extremamente específicos. Obs.: O funcionário deverá utilizar o equipamento de proteção individual (EPI), indicado para o procedimento. Observações importantes: EXAMES DE ROTINA PARA INICIAR O PRÉ-NATAL (p.10 do manual) • GLICEMIA EM JEJUM = repetir o exame entre a 28ª e a 30ª semana • SOROLOGIAS HIV e VDRL = repetir o exame entre a 28ª e a 30ª semana • URUCULTURA = realizar nos três trimestres de gestação AVALIAÇÃO DE RISCO VULNERABILIDADE (p.49 do manual – anexo2) O enfermeiro deve atentar-se às questões de vulnerabilidade citadas no Protocolo e às patologias que possam sugerir uma gravidez de alto risco (p.50). Desta forma, havendo suspeita, deverá encaminhar à consulta médica para classificação de risco. Fonte: 1996-2006 INCA - Ministério da Saúde protocolo7b.indd 21protocolo7b.indd 21 12/3/2007 18:18:5912/3/2007 18:18:59
  • 21. 22 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP SAÚDE DO ADULTO 22 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 03 protocolo7b.indd 22protocolo7b.indd 22 12/3/2007 18:19:0612/3/2007 18:19:06
  • 22. 23 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP A atualização apresentada a seguir tem como objetivo complementar a assistência do(a) enfermeiro(a) durante a consulta de enfermagem realizada ao usuário adulto, visando a prevenção de doenças, a promoção da saúde e o tratamento necessário, de competência do enfermeiro, em relação a alguns problemas de saúde. Problemas Dermatológicos 1- Escabiose Cuidados de Enfermagem Orientar: • Que a transmissão se dá por contato pessoal, sendo ocasionada por roupas ou objetos de uso pessoal; • Lavar sempre as roupas de cama e de uso pessoal e passá-las a ferro ou expô-las ao sol por várias horas; • Prevenção na família; • Tratamento dos comunicantes do núcleo familiar e/ou social. Prescrição Medicamentosa O tratamento pode ser feito com várias medicações: • Permetrina 5% (creme ou loção): aplicar por duas noites consecutivas, repetindo-se após uma semana; • Monossulfiram 25% : diluir o medicamento em água na proporção de 1:2 (uma parte de monossulfiram para duas de água). Aplicar após o banho, por duas noites consecutivas, repetindo-se após uma semana. Obs.: em caso de lesões infectadas ou de prurido intenso, o paciente deve ser encaminhado para avaliação e conduta médica. 2 – Pediculose Cuidados de Enfermagem Orientar: • Hábitos adequados de higiene; • Lavar os cabelos pela manhã, secar bem com uma toalha, aplicar uma solução de vinagre morno diluído em partes iguais de água (1:1), deixar agir por 20 a 30 minutos e pentear os cabelos com pente fino, com o objetivo de remover as lêndeas manualmente; • Lavar as roupas de uso pessoal e de cama, além de escovas, chapéus e bonés; • Investigar outros casos no núcleo familiar e social e, se for necessário, tratá-los. protocolo7b.indd 23protocolo7b.indd 23 12/3/2007 18:19:0712/3/2007 18:19:07
  • 23. 24 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Prescrição Medicamentosa • Permetrina 1% (loção capilar): orientar lavar o cabelo com o xampu de uso habitual, enxaguar bem e secar com toalha. Com o cabelo ainda úmido, aplicar toda a solução de permetrina 1%, de modo a encharcar todo o cabelo e o couro cabeludo, especialmente na nuca e atrás das orelhas. Deixar agir por 10 minutos, enxaguar abundantemente com água morna e repetir a aplicação após uma semana; • Monossulfiram 25%: diluir o medicamento em água na proporção de 1:2 (uma parte do medicamento para duas de água). Aplicar duas noites consecutivas e remover a solução lavando o couro cabeludo pela manhã, repetindo-se o procedimento após uma semana. Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem protocolo7b.indd 24protocolo7b.indd 24 12/3/2007 18:19:0812/3/2007 18:19:08
  • 24. 25 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 3 – Parasitose Intestinal Tratamento Medicamentoso • Ascaridíase • Tricocefalíase • Ancilostomíase • Enterobíase ou Oxiuríase (no tratamento com qualquer uma das medicações – repetir o tratamento após 2 semanas) Teníase Giardíase Amebíase Fonte: Caderno Temático da Criança – SMS – 2003 – págs. 222-228. PARASITOSES DROGAS DOSES DURAÇÃO OBSERVAÇÃO 1 - Mebendazol 2 - Albendazol 1 - Mebendazol 2 - Albendazol 1 - Metronidazol 2 - Albendazol 1 - Metronidazol 1 - 100 mg/dose - 1 cp / v. oral - 2 vezes ao dia 2 - 400 mg/dia - v. oral 1 - 200 mg/dose - 2 cp - V. Oral - 2 vezes ao dia. 2 - 400 mg/dia - 01 cp - V. oral. 1 - 500mg/dia - v. oral. 2 - 400mg/dia - v. oral. 1 - 750mg/dose - v. oral - 3 vezes ao dia. 1 - Durante 03 dias. 2 - Dose única 1 - Durante 04 dias. 2 - Durante 03 dias. 1 - Durante 05 dias 2 - Durante 05 dias 1 - Para quadros leves e moderados, 5 dias. Para quadros graves, 10 dias 1 - Efeitos Colaterais: discretos - dor abdominal, diarréia. 2 - Efeitos Colaterais: dor abdominal, diarréia, cefaléia 1 - Administrar após as refeições.Evitar o uso de bebidas alcoólicas. Efeitos Colaterais: mais freqüentes: náuseas, cefaléia, gosto metálico. 25 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 25protocolo7b.indd 25 12/3/2007 18:19:1012/3/2007 18:19:10
  • 25. 26 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP SAÚDE DO IDOSO Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem 04 26 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 26protocolo7b.indd 26 12/3/2007 18:19:1212/3/2007 18:19:12
  • 26. 27 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP AVALIAÇÃO LABORATORIAL (p. 10 do Protocolo do Idoso): Exames laboratoriais básicos devem ser solicitados conforme gravidade do caso, visando identificar possíveis alterações como: Hemoglobina, Hematócrito, VHS, Albumina, Creatinina, Potássio, Glicemia, Hemoglobina Glicada, Colesterol HDL e LDL, Triglicerídeos, Cálcio, Fósforo, Ácido Úrico, Fosfatase Alcalina, Clearence da Creatinina, TSH e PSA. (Referência: Protocolo de Atenção Integral à Pessoa Idosa - Campinas - 2005) INTERPRETAÇÃO DO MINI EXAME DE ESTADO MENTAL (pág. 37 do Protocolo do Idoso) PONTUAÇÃO ESCOLARIDADE ACHADOS <24 Altamente Escolarizado Possível demência <18 Ginásio Possível demência <14 Analfabeto Possível demência 27 protocolo7b.indd 27protocolo7b.indd 27 12/3/2007 18:19:1412/3/2007 18:19:14
  • 27. 28 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP 1 – CAETANO, Norival. Guia de Remédios. 7ª edição. São Paulo: Editora Escala, 2005. 2 – Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB, 2005. 3 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância. Organização Mundial de Saúde & Organização Pan-Americana de Saúde. 1999. 4 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dermatologia na Atenção Básica – Cadernos de Atenção Básica nº9. Brasília: 2002. 5 – SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE – COGEST. Caderno Temático da Criança. São Paulo: Imprensa Oficial, 2003. 6 – SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE – COGEST. Relação de Medicamentos Essenciais para a Rede Básica. São Paulo: 2005 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 7 – SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO – FUNDAÇÃO ONCOCENTRO. Manual de Procedimentos – Coleta do Papanicolaou e Ensino do Auto-Exame das Mamas. 2ª edição revisada. São Paulo: 2004. 8 – SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. MÃE PAULISTANA. Manual Técnico Saúde da Criança 1o ano de vida. São Paulo. 2006. protocolo7b.indd 28protocolo7b.indd 28 12/3/2007 18:19:2312/3/2007 18:19:23
  • 28. 29 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem: - saúde da criança - saúde da mulher - saúde do adulto - saúde do idoso Responsável Técnico: Naira Regina dos Reis Fazenda Coordenação da Atenção Básica: Rua General Jardim, 36 - 8o andar Tel.: (011) 3218-4045 / 3218-4062 email: atencaobasica@prefeitura.sp.gov.br protocolo7b.indd 29protocolo7b.indd 29 12/3/2007 18:19:2312/3/2007 18:19:23
  • 29. 30 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Anotações protocolo7b.indd 30protocolo7b.indd 30 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
  • 30. 31 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 31protocolo7b.indd 31 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
  • 31. 32 Documento de Atualização dos Protocolos de Enfermagem Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP protocolo7b.indd 32protocolo7b.indd 32 12/3/2007 18:19:2412/3/2007 18:19:24
  • 32. 33 Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP DOCUMENTO DE ATUALIZAÇÃO DOS PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM • SAÚDE DA CRIANÇA • SAÚDE DA MULHER • SAÚDE DO ADULTO • SAÚDE DO IDOSO protocolo7b.indd 33protocolo7b.indd 33 12/3/2007 18:19:2812/3/2007 18:19:28