Variações lexicais

553 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Variações lexicais

  1. 1. Variações Lexicais: Os Estrangeirismos IFSP – Instituto Federal De Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo 2º Semestre de Licenciatura em Letras Sociolinguística, ministrada por Flávio Biasutti Valadares
  2. 2.  Mediador: Thiago Vandré da Silva  Participantes da Mesa:  Núbia Vieira Costa  Rafael Wöss Correa  Especialisa da Mesa:  Professor Luiz Henrique Siloto
  3. 3. O que são Estrangeirismos? Aportuguesados ou não aportuguesados
  4. 4.  “O tipo mais simples de influência que uma língua pode exercer em outra é o ‘empréstimo’ de vocábulos. Sempre que há empréstimo cultural, há probabilidade de empréstimo para os termos correspondentes” (Sapir, 1971, p. 193)
  5. 5.  Latim contatos com outras línguas Alatinadas  “as palavras de procedências várias, que foram transmitidas pelos romanos, como as ibéricas, célticas, germânicas, etc., foram primeiro alatinadas.” (Coutinho, 1976, p. 189)
  6. 6.  Ocupação da Península Ibérica pelos Romanos entre 127 a.C e 400 d.C  Latim Clássico e Latim Vulgar  416 d. C - Ocupação da Península pelos Germânicos (Domínio em 624 d.C)
  7. 7. 711 – Decadência dos Visigodos, invasão dos Árabes
  8. 8. Século VIII – Cristãos Ibéricos  Rei Afonso VI de Leão e Castela dá o condado Portucalense a D. Henrique  Independência de Portugal  Português ganha forma e deixa o Galego Português
  9. 9. Português no Brasil  “Construindo nos fins da idade-Média (sic) com elementos Célticos, latinos, gregos, árabes e góticos, a língua portuguesa tem recebido nos últimos cinco séculos as mais variadas contribuições, desde a influência do Frances, até a (sic) do tupi, do quinchua, do caraíba, na América ; do quimbundo e dialetos cafreais, na Africa; do chinês, do tâmul, do malaio, na Ásia e na Oceania.” (Figueiredo, 1938, p.8)
  10. 10.  Escravidão  Influência da Língua Africana:  Abadá: Túnica folgada e comprida. Atualmente, no Brasil, é o nome dado a uma camisa ou camiseta usada pelos integrantes de blocos e trios elétricos carnavalescos.  Axé: Saudação. Força vital e espiritual.  Berimbau: Instrumento musical, composto de um arco de madeira com uma corda de arame vibrada por uma vareta, tendo uma cabaça oca como caixa de ressonância.
  11. 11.  Cafofo: Lugar que serve para guardar objetos usados.  Coque: Bater na cabeça com o nó dos dedos.  Janaína: Um dos nomes de Iemanjá.  Muamba: Cesto para carregar mercadorias. Contrabando.  Samba: Do “semba”, dança de umbigada ou de peitada praticada em algumas regiões da África.
  12. 12. Influência Cultural Francesa:
  13. 13. Imigração Europeia: Século XIX
  14. 14.  Não deve haver idiomas sem estrangeirismos e alguns destes também em Português não são de hoje nem de ontem, pois já tem idade de vários séculos [...] (Machado, 1994, p.14)
  15. 15. Análise e Pesquisa Veja Capricho Vogue
  16. 16. Veja – Propaganda do novo tablet da Samsung
  17. 17. Capricho – Propaganda da loja Puket
  18. 18. Vogue Brasil – Propaganda da vodka Absolut Elyx
  19. 19. Propaganda da Mitsubishi – Pajero Full
  20. 20. Pesquisa  O que você pensa sobre o uso de termos de língua estrangeira nas propagandas de revista? É correto ou não?  O uso destes termos já atrapalhou seu entendimento?  A seu ver, qual é a intenção do publicitário ao utilizar empréstimos linguísticos nas propagandas?
  21. 21. Dados dos participantes - Veja
  22. 22. Dados dos participantes - Veja
  23. 23. O que você pensa sobre o uso de termos de língua estrangeira nas propagandas de revista? É correto ou não?  OPINIÕES  “O uso dos chamados “estrangeirismos” é comum em todos os meios de comunicação e atualmente muitas pessoas tem pelo menos o mínimo de estudo da língua inglesa, por isso, não há problema em utilizar palavras desta língua nas propagandas”  “Acho que o uso destes termos não causa nenhum problema, a não ser que sejam utilizados em excesso.”
  24. 24. O uso destes termos já atrapalhou seu entendimento? A seu ver, qual é a intenção do publicitário ao utilizar estrangeirismos nas propagandas?   “Em parte para causar o efeito de que sendo um produto do exterior, é melhor do que o nacional e também para demonstrar o efeito da globalização no sentido de que se torna imprescindível o aprendizado de uma segunda língua.”  “O publicitário busca conquistar a atenção dos leitores com o uso de palavras de outra língua, pois ao se deparar com um termo que no primeiro momento lhe é estranho, o leitor detém sua atenção por mais tempo neste termo e ao redor dele.” 20% Não 80% Sim
  25. 25. Dados dos participantes Capricho
  26. 26. Dados dos participantes Capricho
  27. 27. O que você pensa sobre o uso de termos de língua estrangeira nas propagandas de revista? É correto ou não?
  28. 28. Opiniões:   “Penso que o uso de termos de língua estrangeira em revistas faz parte da propaganda em que esse termo está contextualizado e, por vezes, torna o anúncio mais atrativo. Considero correto, desde que o termo utilizado esteja em consonância com a propaganda” “Não acho correto, pois deveríamos primeiro valorizar a nossa língua. Em minha opinião, estrangeirismo é uma forma de mostrar qual língua e país é dominante.”  “Acho interessante, um meio de nos familiarizarmos com a língua mais falada do mundo"  “Essa, em minha opinião, é uma pergunta com resposta de contexto relativo. Particularmente, não sou de total aprovação dos termos estrangeiros em propagandas de revistas brasileiras pelo fato de termos uma língua com tantas palavras como o português, inclusive mais que a língua inglesa. No entanto se a expressão ou termo em outra língua for mais interessante a ponto de valorizar muito mais a propaganda, é válido usa-la.”
  29. 29. O uso destes termos já atrapalhou seu entendimento? A seu ver, qual é a intenção do publicitário ao utilizar estrangeirismos nas propagandas?     “É do conhecimento de todos que a língua oficial do mundo é a inglesa, então colocar termos desta língua fica como um incentivo a conhecermos este outro idioma e aprimorar ainda mais nosso conhecimento em outras culturas” “Acho que é um apelo para o público, que por sua vez, acha que está inteirado com o mundo globalizado e a atualidade, sendo que na verdade está inserido no sistema dos países em desenvolvimento que buscam "copiar" os países já desenvolvidos” “Para deixar a linguagem mais parecida com a que os adolescentes costumam uar em redes sociais e no dia-a-dia”
  30. 30. Dados dos participantes – Vogue Brasil
  31. 31. Dados dos participantes – Vogue Brasil  O que você pensa sobre o uso de termos de língua estrangeira nas propagandas de revista? É correto ou não?
  32. 32. Opiniões:  “Penso que o uso de termos em língua estrangeira em anúncios da Vogue, bem como de demais publicações do segmento (no caso, moda) é uma estratégia muito feliz dos publicitários em definir e atingir seu público-alvo e consumidor da revista. O público que acompanha a Vogue faz parte de um grupo de pessoas que tem maior poder aquisitivo, faz constantemente viagens internacionais, adquire produtos de ordem cosmética, alimentícia e vestuário de marcas estrangeiras e tem contato com pessoas de diversas nacionalidades”  “Muitas vezes o contexto exige que a palavra seja estrangeira para denominar termos técnicos”
  33. 33. O uso destes termos já atrapalhou seu entendimento? A seu ver, qual é a intenção do publicitário ao utilizar estrangeirismos nas propagandas?   “Torná-la mais atraente para quem lê”  “O artifício linguístico que traz palavras em outros idiomas para conteúdos e propagandas vinculadas ao universo da moda (e até consequentemente, do consumo de luxo e da beleza), aproxima o público consumidor do produto a ser vendido”
  34. 34. Referências Bibliográficas     SOUZA, Fabiana Kelly de. Estrangeirismos da publicidade na sala de aula < http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/pt/arquivos/sielp2012/575.pdf> Acesso em: 27 de Setembro de 2013 SANTANA.Messias dos Santos. Estrangeirismos na língua portuguesa: uma visão histórica.http://www.filologia.org.br/xv_cnlf/tomo_2/142.pdf > Acesso em: 04 de Outubro de 2013 ASTILHO. Ataliba T. de. Como, onde e quando nasceu a língua portuguesa? http://www.museulinguaportuguesa.org.br/files/mlp/texto_9.pdf > Acesso em: 26 de setembro de 2013 TEIXEIRA. Madalena Teles de Vasconcelos Dias. Os estrangeirismos no léxico português – Uma perspectiva diacrônica. http://repositorio.ipsantarem.pt/bitstream/10400.15/691/1/Os%20estrangeirismos%20no > Acesso em 27 de Agosto de 2013

×