SlideShare uma empresa Scribd logo
11
ImagensIlustrativas
Pense no que é importante
Proteção Auditiva
2
Vivemos em um mundo
ruidoso. Não podemos vê-los,
porém sabemos que os sons
inconvenientes estão presentes
diariamente em nossas vidas.
No ambiente de trabalho, a
exposição frequente aos
ruídos de alta intensidade,
vão, abruptamente em alguns
casos, ou gradativamente em
outros, reduzindo nossa
habilidade auditiva por meio
de um processo irreversível.
Por esta razão, conhecer os
conceitos sobre som, ruídos,
riscos envolvidos à exposição
e as possibilidade de realizar a
apropriada atenuação com
a utilização de EPI, são
necessários para uma correta
ação preventiva das empresas
e seus colaboradores.
Conheça o range de produtos
MSA destinados a proteção
auditiva.
Antes de falarmos em ruído, é
necessário uma definição para
a palavra som.
O som é uma forma de energia
e, como tal, obedece às leis
fundamentais da física.
Segundo definição dada pela
ABNT, o som é“toda e qualquer
vibração ou onda mecânica em
um meio elástico (no ar, água
ou outro meio) dentro da faixa
de áudio frequência.”Quando a
intensidade ou frequência
destas vibrações, transmitidas
na forma de ondas, agride e
não é conveniente ao
sistema auditivo dos seres
humanos, o som altera seu
nome e passa a se chamar
ruído.
O ruído tem sido uma
ameaça constante à saúde do
trabalhador desde as primeiras
atividades industriais.
Exposições em excesso podem
provocar alterações tempo-
Medição
de Ruídos
O ruído possui duas unidades
de grandeza. A frequência,
que é o número de vezes
que a oscilação de pressão
é repetida, na unidade de
tempo, normalmente, é
medida em ciclos por
segundo ou Hertz (Hz).
A outra grandeza é a
intensidade, que pode ser
definida como o volume do
som ou ruído, cuja unidade é
o decibel (dB). É caracterizada
por som forte ou fraco.
Decolagem
de avião
BritadeiraMotor de
automóvel
Conversa
normal
SussurrosSons da
natureza
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
110
120
130
140
150
dB
Intensidade de som gerado em diferentes situações
hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025
PressãoSonora
Tempo (s)
hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025
PressãoSonora
Tempo (s)
PressãoSonora
Tempo (s)
hms 0.001 0.002 0.003 0.004 0.005 0.006 0.007
hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025
PressãoSonora
Tempo (s)
Frequência(Hz)
IntensidadeSonora(dB)
Som grave
baixa frequência = sons graves
Baixa amplitude
Baixa amplitude = baixo volume
Alta amplitude
Alta amplitude = alto volume
Som agudo
alta frequência = sons agudos
rárias (zumbido nos ouvidos),
sendo que estes efeitos de
curto prazo geralmente
tendem a desaparecer após
alguns minutos ou após o
afastamento da fonte ruidosa.
No entanto, repetidas
exposições a ruídos mais
intensos podem conduzir
a uma perda auditiva
permanente.
A perda auditiva é um
problema muito mais sério
do que se imagina: milhões
de pessoas estão em risco
no local de trabalho, no
lazer e em casa.
Proteção auditiva
3
Limites de
Tolerância para
Ruído
A agressão causada pelo
ruído ao sistema auditivo do
ser humano está associado
basicamente a três grandezas:
intensidade, e frequência da
onda sonora e período ao qual
o indivíduo ficará exposto ao
som.
Obviamente, cada indivíduo
possui uma sensibilidade au-
dível diferente do outro e que
pode variar com a idade, sexo,
etnia e exposições anteriores.
Os limites de intensidade
sonora que pode ser alcançada
pelo ser humano é de 0dB até
120dB e a frequência entre
20Hz até 20.000Hz. Os sons
que são produzidos abaixo
dos 20Hz são denominados
infra-sons e os produzidos
acima dos 20.000Hz,
denominados ultra-sons.
Apesar do alcance ser estendi-
do aos limites apresentados, há
uma limitação com relação a in-
tensidade permitida para o ser
humano sem que haja nenhum
problema de saúde.
Esta limitação auditiva, aplica-
da tanto para ruído contínuo
ou intermitente co-relaciona a
intensidade ao tempo em que
o indivíduo estará exposto e
está regulamentada de acordo
com o Anexo I da Norma
Regulamentadora (NR 15),
Portaria 3.214 de 08/06/1978
(Ministério doTrabalho e
Emprego), que dispões sobre
o programa de Prevenção de
Riscos Ambientais.
Tabela de tolerância auditiva - Anexo I NR15, Portaria 3.215
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
98
100
102
104
105
106
108
110
112
114
115
8 horas
7 horas
6 horas
5 horas
4 horas e 30 minutos
4 horas
3 horas e trinta minutos
3 horas
2 horas e 40 minutos
2 horas e 15 minutos
2 horas
1 hora e 45 minutos
1 hora e 15 minutos
1 hora
45 minutos
35 minutos
30 minutos
25 minutos
20 minutos
15 minutos
10 minutos
8 minutos
7 minutos
Máxima exposição diária
permissível
Nível de ruído
db (A)
Sons Graves Sons Agudos
20 Hz 200 Hz 2 000 Hz 20 000 Hz
Gama audívelInfra-sons Ultra-sons
Proteção auditiva
4
A exposição repetida ao ruído
excessivo pode levar à perda
irreversível da audição. Como
o processo de perda é lento
e progressivo, o indivíduo só
consegue perceber quando as
lesões já estão avançadas.
Os trabalhadores que sofrem
com perda auditiva começam
a ter dificuldades para perce-
ber os sons agudos, tais como
toques de telefones, apitos,
campainhas e, posteriormente,
começam a ter dificuldades
de escutar as outras pessoas e
sofrem de zumbidos e tonturas.
A perda da audição, ainda que
parcial, tem uma grande influ-
ência negativa na qualidade de
vida do ser humano, causando
danos ao seu comportamento
individual, social e psíquico,
como: perda da auto-estima,
insegurança, ansiedade,
inquietude, estresse, depres-
são, alterações do sono, maior
irritabilidade, isolamento etc.
Quando não é possível eliminar
ou reduzir a níveis seguros as
fontes de exposição de ruídos,
faz-se necessário o uso de
Equipamentos de Proteção
Individual: o protetor
auditivo.
Aimportânciadousodos
protetoresauditivos
O protetor auditivo é a solução
mais simples e eficiente de
atenuar o som e permitir a pro-
teção do trabalhador contra os
altos níveis de ruído e a perda
auditiva.
Basicamente existem dois tipos
deproteçãoauditivaindividual:
os protetores de inserção, tam-
bém conhecidos como plugue
e os abafadores tipo concha.
Os plugues podem ser de in-
serção moldável, desenvolvido
em espuma que se expande e
adequa-se ao ouvido do indiví-
duo e os modelos de inserção
pré moldados geralmente
confeccionados em silicone.
Os abafadores tipo concha,
como o próprio nome diz, são
compostos por duas conchas
que contém espuma na parte
interna da cavidade, interliga-
das por um arco.
Outra opção largamente
utilizada no mercado é o kit
abafador de ruídos, que é uma
solução composta por duas
conchas que se encaixam nas
laterais do capacete e permi-
tem a proteção conjugada da
cabeça e dos ouvidos.
5
A Atenuação de Ruído do Protetor Auditivo
A atenuação de ruído
fornecida pelo protetor
auditivo depende de alguns
parâmetros relacionados:
	 1 - Usuário: formato e 		
	 geometria dos ouvidos,
	 colocação do protetor e 		
	 experiência do usuário no 	
	 uso do protetor auditivo.
	 2 -Tipo do protetor: pode 	
	 ser do tipo plugue ou
	 conchas, desenvolvidos em 	
	 diferentes formatos
	 geométricos, materiais, 		
	 dimensões etc.
	 3 - Ambiente: níveis de
	 ruído em função da
	 frequência, uso de outros
	 equipamentos de proteção
	 individual, entre outras.
Em função deste número de
variáveis, a determinação de
atenuação do protetor auditivo
deve ser feita de forma esta-
tística. Qualquer avaliação de
atenuação do protetor auditivo
feita de forma individual é
considerada completamente
errada.
A atenuação de ruído do pro-
tetor deve ser medida no labo-
ratório, em ambiente acústico
qualificado, utilizando normas
nacionais e/ou internacionais.
REAT (Real Ear Attenuation at
Threshold) é o método inter-
nacional mais comum e mais
usado para medição de atenu-
ação de ruído dos protetores
auditivos.
Em 1997 foi aprovada a norma
para os ensaios dos protetores
auditivos ANSI S12.6, onde exis-
tem dois métodos, um deles
conhecido como Método B
(subject fit) - colocação do
protetor pelo ouvinte - e que
atualmente está sendo aplica-
do no mercado brasileiro.
Neste método, os ouvintes
que participam dos ensaios
no laboratório não devem ter
experiência do uso do protetor,
eles simplesmente lêem as
instruções disponíveis no
manual de instrução do
produto, o executor do teste
não pode colocar o protetor e/
ou modificar a colocação e/ou
conversar com eles durante o
teste. Os ouvintes participam
poucas vezes nos testes e são
substituidos frequentemente.
Resultados de pesquisas
mostram que a aproximação
dos valores de atenuação
medidos no laboratório com
a norma ANSI S12.6(B) são
mais próximos dos valores do
mundo real.
Os protetores auditivos MSA
possuem certificado de apro-
vação emitido pelo MTE e são
testados e aprovados com os
capacetes MSA. Portanto, só
oferecem legalidade de uso e
performance adequada quan-
do utilizados nesta configura-
ção, ou seja, quando utilizados
em conjunto com o nº de CA
do capacete, que é indicado
no respectivo CA do protetor
auditivo.
Referência bibliográfica: Livro - Ruído: Fundamentos e
Controle, autor Samir N.Y. Gerges, NR Editora, segunda
edição 2000, 700 páginas.
Proteção auditiva
6
Prêmium Plug
Norma ANSI S12.6 - Método B
Abafador de RuídosTipo Arco Comfo 500
Norma ANSI S12.6 - Método B
• Produzido em silicone -
maior higiene, durabilidade
e conforto ao canal auditivo.
• Três flanges para encaixe
nos diferentes formatos de
orelha.
• Opção de fornecimento
com mini capacete, para
facilitar a armazenagem e
transporte do produto
auditivo.
• Arco que gira 360º :
para melhor acomodação à
orelha do usuário.
• Opção de tira de
sustentação para usuário
que necessita utilizar o
abafador com outros EPI´s.
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
19,7 20,9 22,4 21,0 24,1 - 25,6 - 32,4
15 dB
6,3 6,0 7,4 4,8 5,4 - 5,8 - 9,1
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
6,9 14,7 19,7 20,6 30,4 - 32,7 - 32,5
17 dB
2,7 1,9 1,7 2,7 3,6 - 2,9 - 2,9
218154
218333
Prêmium Plug 100 pares
Produto / Quantidade Código
Prêmium Plug 100 pares
embalagem especial, mini capacete
COMFO 500 - Caixa com 15 295486
COMFO 500 - Kit higiênico
CódigoProduto / Quantidade
C.A.10.666
C.A.820
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Plugue de Inserção
Abafador de Ruídos Comfo 500
Proteção auditiva
7
Abafador de RuídosTipo Arco
Norma ANSI S12.6 - Método B
Abafador de RuídosTipo Arco XLS
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador para Uso com Capacete MSA
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador de Ruídos XLS
Norma ANSI S12.6 - Método B
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
11,9 20,3 26,2 32,9 33,9 - 30,1 - 32,5
22 dB
3,1 2,7 2,5 2,3 3,1 - 2,2 - 3,9
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
12,5 18,7 27,4 29,0 30,0 - 36,0 - 37,5
21 dB
4,6 4,4 4,1 3,0 2,2 - 2,2 - 4,3
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
9,7 15,7 21,3 25,1 29,0 - 24,5 - 23,1
15 dB
4,7 5,4 4,1 3,0 4,4 - 5,2 - 5,5
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
9,9 16,4 25,3 28,2 32,2 - 35,7 - 35,5
20 dB
4,6 3,0 2,8 2,2 2,6 - 2,9 - 5,5
NRRsf
Abafador de Ruídos Cinza
Abafador de Ruídos Amarelo
Abafador de Ruídos Azul
Kit Higiênico
297421
297761
297760
CódigoProduto / Quantidade
Abafador de Ruídos XLS 216745
CódigoProduto
Kit Abafador de Ruídos Cinza 297423
CódigoProduto / Quantidade
Kit Abafador de Ruídos XLS
Kit Higiênico XLS
216746
216747
CódigoProduto
C.A.4026
C.A.15624
C.A.28089
C.A.27971
Abafador de Ruídos Mark V
Abafador de Ruídos XLS
Código unitário.
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Código unitário.
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Código unitário.
Código unitário.
• Arco que gira 360º :
para melhor acomodação à
orelha do usuário.
• Opção de tira de
sustentação para usuário
que necessita utilizar o
abafador com outros EPI´s.
8
Abafador de RuídosTipo Arco HPE
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador de Ruídos HPE
Norma ANSI S12.6 - Método B
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
21,0 24,2 27,4 33,4 31,2 - 36,2 - 38,9
26 dB
2,9 1,5 2,2 1,6 1,6 - 2,6 - 3,7
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
16,2 19,1 25,7 28,6 31,7 - 36,0 - 39,3
22 dB
3,9 3,6 2,8 2,7 2,6 - 3,1 - 6,4
Abafador de Ruídos HPE 216751
CódigoProduto
Kit Abafador de ruídos HPE
Kit Higiênico HPE
216752
216753
CódigoProduto
C.A.15623
C.A.27972
Abafador de Ruídos HPE
Código unitário.
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Código unitário.
9
Abafador de Ruídos left/RIGHT
O abafador de ruídos
left/RIGHT foi desenvolvido
baseado em um único
conceito:
Todosnóssomosdiferentes
• As cabeças e as orelhas das
pessoas possuem formatos
e tamanhos diferentes.
• Não somos simétricos.
Nosso lado esquerdo é
diferente do nosso lado
direito.
• As aplicações e as
preferências individuais
não são idênticas.
Seu revolucionário formato,
com personalizações dos lados
esquerdo e direito, possibilita
a perfeita acomodação
na cabeça e garante um
grande conforto e maior
produtividade.
O left/RIGHT está disponível
em três tamanhos: LOW,
MEDIUM e HIGH, com
diferentes atenuações de
ruídos e cores para atender
as mais diversas necessidades
e preferências.
Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT LOW
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT LOW
Norma ANSI S12.6 - Método B
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
7,4 13,7 22,9 30,3 25,3 - 31,0 - 29,5
18 dB
1,8 1,6 2,8 4,0 3,4 - 3,6 - 3,8
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
6,4 10,8 19,2 25,1 25,3 - 29,1 - 27,2
15 dB
3,1 2,7 4,0 5,0 4,2 - 3,6 - 4,3
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
Abafador de Ruídos - LOW 218499
Produto Código
Kit abafador de ruídos - LOW
Kit higiênico - LOW
218500
10092878
CódigoProduto
C.A.26803
C.A.26805
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Proteção auditiva
10
Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT MEDIUM
Norma ANSI S12.6 - Método B
Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT HIGH
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT MEDIUM
Norma ANSI S12.6 - Método B
Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT HIGH
Norma ANSI S12.6 - Método B
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
10,1 19,7 27,0 34,8 31,2 - 33,7 - 34,6
22 dB
2,2 2,6 3,9 4,3 4,2 - 2,9 - 4,2
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
13,7 22,1 31,9 35,7 32,2 - 35,3 - 36,9
25 dB
3,0 2,4 3,5 2,5 3,2 - 2,5 - 5,6
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000
8,2 16,0 23,5 28,0 29,7 - 31,8 - 34,4
18 dB
5,6 4,7 3,9 3,9 4,3 - 2,7 - 2,5
NRRsf
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf
13,7 20,4 27,6 31,2 29,9 - 31,9 - 35,0
20 dB
2,6 3,9 4,3 7,1 5,7 - 5,9 - 6,6
Média (dB)
Desvio Padrão (dB)
Abafador de ruídos - MEDIUM 218501
CódigoProduto
Abafador de ruídos - HIGH 218503
CódigoProduto
Kit abafador de ruídos - MEDIUM
Kit higiênico - MEDIUM
218502
10092879
CódigoProduto
Kit Abafador de ruídos - HIGH
Kit Higiênico - HIGH
218504
10092880
Produto Código
C.A.26801
C.A.26800
C.A.26802
C.A.26804
Código unitário
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Código unitário
O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas.
Código unitário.
Código unitário.
12
ProteçãoAuditiva
Perguntas e Respostas Frequentes
Com qual frequência
devo trocar as partes
substituíveis do meu
abafador de ruídos?
Recomendamos que o Kit
higiênico seja substituído no
mínimo a cada seis meses, em
condições normais de uso.
Substitua sempre o kit higiêni-
co do protetor auditivo pelo
mesmo modelo.
Se o revestimento de espuma
ficar molhado, seque-o ao ar
livre antes de inseri-lo nova-
mente.
Eu posso utilizar kit aba-
fador de ruídos de outro
fornecedor no capacete
MSA?
Não. Somente é legalmente
válido o uso do kit abafador
de ruídos com o respectivo
capacete com o qual o produto
foi testado, aprovado e obtido
o certificado de aprovação
emitido pelo Ministério do
Trabalho e Emprego MTE.
Os certificados de aprovação
(CA) para os protetores audi-
tivos devem mencionar com
qual CA de capacete o produto
foi validado.
Como é feita a medição
de atenuação de um
protetor auditivo?
A medição de atenuação é
baseada na exposição dos ou-
vintes ao ruído gerado em sala
acústica, em faixas de frequên-
cia e determinação do limiar de
audição de um indivíduo sem
protetor e com protetor.
A diferença entre as duas me-
didas fornece a atenuação do
protetor para aquele indivíduo.
Ultizando-se uma amostragem
mais significativa, obtém-se os
valores de atenuação e desvio
padrão (ambos dados em dB)
dos protetores em faixas de
frequências de 1/8.
Para simplificar a análise da
tabela de atenuação do pro-
tetor auditivo, é realizada uma
sucessão de cálculos matemá-
ticos que resulta em um único
número denominado NRRsf
(noise reduction rate subject
fit) ou para os brasileiros, nível
de redução de ruídos, método
colocação pelo usuário.
Um abafador com
atenuação mais alta é
melhor que um modelo
com atenuação mais
baixa?
Não necessariamente. A defini-
ção da melhor atenuação está
associada com uma avaliação
prévia do nível de ruído do
local de trabalho onde será
utilizado o protetor auditivo.
Lembre-se que o NRRsf é
somente um número calculado
que auxilia na interpretação da
tabela de medição de atenu-
ação. O ideal é identificar a
frequência do ruído e analisar a
atenuação naquela condição.
Atenuar demais pode ser
prejudicial à saúde e potencia-
lizar condições inseguras de
trabalho.
13
Como deve ser feita
a higienização do
protetor auditivo tipo
concha?
Antes de guardar o protetor
auditivo, deve-se fazer uma
higienização com água morna
e sabão neutro. As almofadas
das conchas são preenchidas
com espumas, que não devem
ser lavadas e sim substituídas
por um novo kit higiênico.
Use somente os Kits
higiênicos da MSA para fazer
as substituições.
?
Qual a vida útil dos
Abafadores de Ruídos
da MSA?
O tempo de vida útil é
indefinido, já que está
diretamente relacionado com
as influências do calor e do frio,
além da solicitação mecânica e
influências químicas.
A MSA do Brasil recomenda a
substituição periódica dos
selos e das espumas (pelo
menos duas vezes ao ano,
dependendo do uso), o que
ajuda o usuário a manter o nível
adequado de atenuação dos
protetores auditivos.
Com relação às demais partes
que compõem o produto, as
mesmas devem ser descartadas
quando estiverem fisicamente
comprometidas (inspeção
visual) ou quando for impossí-
vel limpá-los utilizando apenas
métodos convencionais de
higienização.
Cabe ao empregado usuário
de EPI, uma vez devidamente
treinado e orientado, utilizar
o equipamento apenas para
a finalidade a que se destina,
responsabilizando-se pela
guarda, conservação,
higienização do equipamento.
Abafadores de ruídos
com atenuação de 17dB
e 19dB NRRsf, podem
ser considerados dife-
rentes em relação ao
nível de atenuação?
Como o teste é empírico, feito
com participantes inexpe-
rientes e que não se repetem,
é praticamente impossível
repetir exatamente o mesmo
ensaio.
Portanto qualquer variação
menor do que ±3dB nos
valores de atenuação não pode
ser considerada relevante nos
ensaios segundo a norma ANSI
S12.6 - método B.
Qual a diferença entre
NRR e NRRsf e qual deve
ser levada em conside-
ração no Brasil?
A obtenção do NRR é feita utili-
zando indivíduos treinados na
utilização de protetores e orien-
tados e supervisionados na sua
colocação antes da realização
dos ensaios.
Atualmente no Brasil utilizamos
a norma (ANSI S12.6 - método
B), onde os participantes do
ensaio desconhecem o uso
de protetores auditivos, assim
como não podem ser orien-
tados para a sua colocação,
devendo apenas seguir as
orientações que constam nas
embalagens. Os resultados
deste método, denominado
NRRsf (Noise reduction rate
subject fit) tem-se mostrado
mais próximo da realidade no
ambiente de trabalho.
Nota: este folheto contém informações gerais
sobre os produtos de comercialização da MSA.
Os equipamentos somente devem ser usados
por pessoal treinado, com pleno conhecimento
de usos , aplicações e limitações. As instruções
que acompanham os equipamentos devem ser
lidas e observadas. Para mais detalhes, consulte
a MSA do Brasil.
Equipamentos sujeitos a alterações sem prévio aviso. REV.00 JUN/11
IMPRESSÃO: Junho/2011
MSA do Brasil Equipamentos e Instrumentos de Segurança Ltda.
Av. Roberto Gordon, 138 - CEP 09990-901 - Diadema - SP
Tel.: (11) 4070-5999 - Fax: (11) 4070-5990
Internet: www.msanet.com.br E-mail: vendas@msanet.com.br
BR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4. treinamento ppr
4. treinamento ppr4. treinamento ppr
4. treinamento ppr
Nilton Goulart
 
Regras de ouro
Regras de ouroRegras de ouro
Regras de ouro
AdrianaFrrer
 
Ruído Laboral
Ruído LaboralRuído Laboral
Ruído Laboral
Clotilde Vieira
 
PAIR - Perda Auditiva
PAIR - Perda AuditivaPAIR - Perda Auditiva
PAIR - Perda Auditiva
Paula Ferreira
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
Nilton Goulart
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptxTREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
HeleniceGonalves1
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
Nilton Goulart
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
HugoDalevedove
 
Espacos confinados
Espacos confinadosEspacos confinados
Espacos confinados
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
Engenharia de Segurança
Engenharia de SegurançaEngenharia de Segurança
Engenharia de Segurança
Winer Augusto da Fonseca
 
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..pptTREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
NilsonLemosMachado1
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
vanderli cunha
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
Aula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco QuímicoAula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco Químico
Alexandre Batista de Almeida
 
Sinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúdeSinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúde
carolinasousa
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
Fabio Sousa
 
Treinamento epi epc
Treinamento epi epcTreinamento epi epc
Treinamento epi epc
Bellucio Ribeiro
 
Orientação de uso do extintor de incêndio
Orientação de uso do extintor de incêndioOrientação de uso do extintor de incêndio
Orientação de uso do extintor de incêndio
Fluir Incêndio
 
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptxPROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
Junior Segurança
 

Mais procurados (20)

4. treinamento ppr
4. treinamento ppr4. treinamento ppr
4. treinamento ppr
 
Regras de ouro
Regras de ouroRegras de ouro
Regras de ouro
 
Ruído Laboral
Ruído LaboralRuído Laboral
Ruído Laboral
 
PAIR - Perda Auditiva
PAIR - Perda AuditivaPAIR - Perda Auditiva
PAIR - Perda Auditiva
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptxTREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
 
1. treinamento pca
1. treinamento pca1. treinamento pca
1. treinamento pca
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
Espacos confinados
Espacos confinadosEspacos confinados
Espacos confinados
 
Engenharia de Segurança
Engenharia de SegurançaEngenharia de Segurança
Engenharia de Segurança
 
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..pptTREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA..ppt
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
Aula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco QuímicoAula 001 Risco Químico
Aula 001 Risco Químico
 
Sinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúdeSinalização de segurança e saúde
Sinalização de segurança e saúde
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
 
Treinamento epi epc
Treinamento epi epcTreinamento epi epc
Treinamento epi epc
 
Orientação de uso do extintor de incêndio
Orientação de uso do extintor de incêndioOrientação de uso do extintor de incêndio
Orientação de uso do extintor de incêndio
 
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptxPROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
PROTEÇÃO AUDITIVA .pptx
 

Destaque

Transpetro pca da 3 m do brasil
Transpetro   pca da 3 m do brasilTranspetro   pca da 3 m do brasil
Transpetro pca da 3 m do brasil
Jr Junior
 
Agentes físicos - O ruido ocupacional
Agentes físicos - O ruido ocupacionalAgentes físicos - O ruido ocupacional
Agentes físicos - O ruido ocupacional
Tânia Silva
 
Cartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditivaCartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditiva
Eliete F Souza Silva
 
PCA - Programa de Conservação Auditiva
PCA -  Programa de Conservação AuditivaPCA -  Programa de Conservação Auditiva
PCA - Programa de Conservação Auditiva
Devania Silva
 
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Erick Luiz Coutinho dos Santos
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
Ainoan
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Claudio Cesar Pontes ن
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
Daniel Lira
 
Protetor auricular
Protetor auricularProtetor auricular
Protetor auricular
Mariene Candeia
 
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mamaManejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 

Destaque (10)

Transpetro pca da 3 m do brasil
Transpetro   pca da 3 m do brasilTranspetro   pca da 3 m do brasil
Transpetro pca da 3 m do brasil
 
Agentes físicos - O ruido ocupacional
Agentes físicos - O ruido ocupacionalAgentes físicos - O ruido ocupacional
Agentes físicos - O ruido ocupacional
 
Cartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditivaCartilha de protecao auditiva
Cartilha de protecao auditiva
 
PCA - Programa de Conservação Auditiva
PCA -  Programa de Conservação AuditivaPCA -  Programa de Conservação Auditiva
PCA - Programa de Conservação Auditiva
 
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00Programa de conservação auditiva PCA rev.00
Programa de conservação auditiva PCA rev.00
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
 
Protetor auricular
Protetor auricularProtetor auricular
Protetor auricular
 
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mamaManejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
Manejo das pacientes com alto risco para câncer de mama
 

Semelhante a Prote o_auditiva

Edição 9
Edição 9Edição 9
Edição 9
gimenezeassociados
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
ssuser238e8f
 
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptxCópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
AnglicaArantes2
 
504
504504
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Felipe Voga
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
Gustavo3248
 
Prot audit-samir
Prot audit-samirProt audit-samir
Prot audit-samir
Fernanda Checchinato
 
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.pptagente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
ssuser4f703e
 
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mgExposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
Clailon Breno
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Simone
 
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Robson Peixoto
 
Protecao henrique
Protecao henriqueProtecao henrique
Protecao henrique
Fernanda Checchinato
 
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Iara Silva Guimaraes
 
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao RuidoEdicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
Santos de Castro
 
AgraçAo Sonora
AgraçAo SonoraAgraçAo Sonora
AgraçAo Sonora
mega
 
Ruidos
RuidosRuidos
00000401 (1)
00000401 (1)00000401 (1)
00000401 (1)
Claudia Ferreira
 
O som e a saúde
O som e a saúdeO som e a saúde
O som e a saúde
osomeasaude
 
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADORATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
Unoeste
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
Gilson Adao
 

Semelhante a Prote o_auditiva (20)

Edição 9
Edição 9Edição 9
Edição 9
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
 
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptxCópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
Cópia de TREINAMENTO PROTEÇÃO AUDITIVA.pptx
 
504
504504
504
 
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA   Prof. Felipe VogaAula de PPRA   Prof. Felipe Voga
Aula de PPRA Prof. Felipe Voga
 
Proteção auditiva
Proteção auditivaProteção auditiva
Proteção auditiva
 
Prot audit-samir
Prot audit-samirProt audit-samir
Prot audit-samir
 
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.pptagente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
agente-fc3adsico-ruido-introduc3a7c3a3o-a-sms.ppt
 
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mgExposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
Exposição ocupacional ao ruído em marmoria localizada no município de uberaba mg
 
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone TavaresRiscos FíSicos,Por Simone Tavares
Riscos FíSicos,Por Simone Tavares
 
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
 
Protecao henrique
Protecao henriqueProtecao henrique
Protecao henrique
 
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
Proteoauditiva 140422100537-phpapp01
 
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao RuidoEdicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
Edicao13 Declaracao De Guerra Ao Ruido
 
AgraçAo Sonora
AgraçAo SonoraAgraçAo Sonora
AgraçAo Sonora
 
Ruidos
RuidosRuidos
Ruidos
 
00000401 (1)
00000401 (1)00000401 (1)
00000401 (1)
 
O som e a saúde
O som e a saúdeO som e a saúde
O som e a saúde
 
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADORATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
ATUAÇÃO FONOAUDIOLOGIA NA ÁREA DA AUDIOLOGIA VOLTADA A SAÚDE DO TRABALHADOR
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
 

Prote o_auditiva

  • 1. 11 ImagensIlustrativas Pense no que é importante Proteção Auditiva
  • 2. 2 Vivemos em um mundo ruidoso. Não podemos vê-los, porém sabemos que os sons inconvenientes estão presentes diariamente em nossas vidas. No ambiente de trabalho, a exposição frequente aos ruídos de alta intensidade, vão, abruptamente em alguns casos, ou gradativamente em outros, reduzindo nossa habilidade auditiva por meio de um processo irreversível. Por esta razão, conhecer os conceitos sobre som, ruídos, riscos envolvidos à exposição e as possibilidade de realizar a apropriada atenuação com a utilização de EPI, são necessários para uma correta ação preventiva das empresas e seus colaboradores. Conheça o range de produtos MSA destinados a proteção auditiva. Antes de falarmos em ruído, é necessário uma definição para a palavra som. O som é uma forma de energia e, como tal, obedece às leis fundamentais da física. Segundo definição dada pela ABNT, o som é“toda e qualquer vibração ou onda mecânica em um meio elástico (no ar, água ou outro meio) dentro da faixa de áudio frequência.”Quando a intensidade ou frequência destas vibrações, transmitidas na forma de ondas, agride e não é conveniente ao sistema auditivo dos seres humanos, o som altera seu nome e passa a se chamar ruído. O ruído tem sido uma ameaça constante à saúde do trabalhador desde as primeiras atividades industriais. Exposições em excesso podem provocar alterações tempo- Medição de Ruídos O ruído possui duas unidades de grandeza. A frequência, que é o número de vezes que a oscilação de pressão é repetida, na unidade de tempo, normalmente, é medida em ciclos por segundo ou Hertz (Hz). A outra grandeza é a intensidade, que pode ser definida como o volume do som ou ruído, cuja unidade é o decibel (dB). É caracterizada por som forte ou fraco. Decolagem de avião BritadeiraMotor de automóvel Conversa normal SussurrosSons da natureza 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 dB Intensidade de som gerado em diferentes situações hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025 PressãoSonora Tempo (s) hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025 PressãoSonora Tempo (s) PressãoSonora Tempo (s) hms 0.001 0.002 0.003 0.004 0.005 0.006 0.007 hms 0.0005 0.0010 0.0015 0.0020 0.0025 PressãoSonora Tempo (s) Frequência(Hz) IntensidadeSonora(dB) Som grave baixa frequência = sons graves Baixa amplitude Baixa amplitude = baixo volume Alta amplitude Alta amplitude = alto volume Som agudo alta frequência = sons agudos rárias (zumbido nos ouvidos), sendo que estes efeitos de curto prazo geralmente tendem a desaparecer após alguns minutos ou após o afastamento da fonte ruidosa. No entanto, repetidas exposições a ruídos mais intensos podem conduzir a uma perda auditiva permanente. A perda auditiva é um problema muito mais sério do que se imagina: milhões de pessoas estão em risco no local de trabalho, no lazer e em casa. Proteção auditiva
  • 3. 3 Limites de Tolerância para Ruído A agressão causada pelo ruído ao sistema auditivo do ser humano está associado basicamente a três grandezas: intensidade, e frequência da onda sonora e período ao qual o indivíduo ficará exposto ao som. Obviamente, cada indivíduo possui uma sensibilidade au- dível diferente do outro e que pode variar com a idade, sexo, etnia e exposições anteriores. Os limites de intensidade sonora que pode ser alcançada pelo ser humano é de 0dB até 120dB e a frequência entre 20Hz até 20.000Hz. Os sons que são produzidos abaixo dos 20Hz são denominados infra-sons e os produzidos acima dos 20.000Hz, denominados ultra-sons. Apesar do alcance ser estendi- do aos limites apresentados, há uma limitação com relação a in- tensidade permitida para o ser humano sem que haja nenhum problema de saúde. Esta limitação auditiva, aplica- da tanto para ruído contínuo ou intermitente co-relaciona a intensidade ao tempo em que o indivíduo estará exposto e está regulamentada de acordo com o Anexo I da Norma Regulamentadora (NR 15), Portaria 3.214 de 08/06/1978 (Ministério doTrabalho e Emprego), que dispões sobre o programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Tabela de tolerância auditiva - Anexo I NR15, Portaria 3.215 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 horas e 30 minutos 4 horas 3 horas e trinta minutos 3 horas 2 horas e 40 minutos 2 horas e 15 minutos 2 horas 1 hora e 45 minutos 1 hora e 15 minutos 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos Máxima exposição diária permissível Nível de ruído db (A) Sons Graves Sons Agudos 20 Hz 200 Hz 2 000 Hz 20 000 Hz Gama audívelInfra-sons Ultra-sons Proteção auditiva
  • 4. 4 A exposição repetida ao ruído excessivo pode levar à perda irreversível da audição. Como o processo de perda é lento e progressivo, o indivíduo só consegue perceber quando as lesões já estão avançadas. Os trabalhadores que sofrem com perda auditiva começam a ter dificuldades para perce- ber os sons agudos, tais como toques de telefones, apitos, campainhas e, posteriormente, começam a ter dificuldades de escutar as outras pessoas e sofrem de zumbidos e tonturas. A perda da audição, ainda que parcial, tem uma grande influ- ência negativa na qualidade de vida do ser humano, causando danos ao seu comportamento individual, social e psíquico, como: perda da auto-estima, insegurança, ansiedade, inquietude, estresse, depres- são, alterações do sono, maior irritabilidade, isolamento etc. Quando não é possível eliminar ou reduzir a níveis seguros as fontes de exposição de ruídos, faz-se necessário o uso de Equipamentos de Proteção Individual: o protetor auditivo. Aimportânciadousodos protetoresauditivos O protetor auditivo é a solução mais simples e eficiente de atenuar o som e permitir a pro- teção do trabalhador contra os altos níveis de ruído e a perda auditiva. Basicamente existem dois tipos deproteçãoauditivaindividual: os protetores de inserção, tam- bém conhecidos como plugue e os abafadores tipo concha. Os plugues podem ser de in- serção moldável, desenvolvido em espuma que se expande e adequa-se ao ouvido do indiví- duo e os modelos de inserção pré moldados geralmente confeccionados em silicone. Os abafadores tipo concha, como o próprio nome diz, são compostos por duas conchas que contém espuma na parte interna da cavidade, interliga- das por um arco. Outra opção largamente utilizada no mercado é o kit abafador de ruídos, que é uma solução composta por duas conchas que se encaixam nas laterais do capacete e permi- tem a proteção conjugada da cabeça e dos ouvidos.
  • 5. 5 A Atenuação de Ruído do Protetor Auditivo A atenuação de ruído fornecida pelo protetor auditivo depende de alguns parâmetros relacionados: 1 - Usuário: formato e geometria dos ouvidos, colocação do protetor e experiência do usuário no uso do protetor auditivo. 2 -Tipo do protetor: pode ser do tipo plugue ou conchas, desenvolvidos em diferentes formatos geométricos, materiais, dimensões etc. 3 - Ambiente: níveis de ruído em função da frequência, uso de outros equipamentos de proteção individual, entre outras. Em função deste número de variáveis, a determinação de atenuação do protetor auditivo deve ser feita de forma esta- tística. Qualquer avaliação de atenuação do protetor auditivo feita de forma individual é considerada completamente errada. A atenuação de ruído do pro- tetor deve ser medida no labo- ratório, em ambiente acústico qualificado, utilizando normas nacionais e/ou internacionais. REAT (Real Ear Attenuation at Threshold) é o método inter- nacional mais comum e mais usado para medição de atenu- ação de ruído dos protetores auditivos. Em 1997 foi aprovada a norma para os ensaios dos protetores auditivos ANSI S12.6, onde exis- tem dois métodos, um deles conhecido como Método B (subject fit) - colocação do protetor pelo ouvinte - e que atualmente está sendo aplica- do no mercado brasileiro. Neste método, os ouvintes que participam dos ensaios no laboratório não devem ter experiência do uso do protetor, eles simplesmente lêem as instruções disponíveis no manual de instrução do produto, o executor do teste não pode colocar o protetor e/ ou modificar a colocação e/ou conversar com eles durante o teste. Os ouvintes participam poucas vezes nos testes e são substituidos frequentemente. Resultados de pesquisas mostram que a aproximação dos valores de atenuação medidos no laboratório com a norma ANSI S12.6(B) são mais próximos dos valores do mundo real. Os protetores auditivos MSA possuem certificado de apro- vação emitido pelo MTE e são testados e aprovados com os capacetes MSA. Portanto, só oferecem legalidade de uso e performance adequada quan- do utilizados nesta configura- ção, ou seja, quando utilizados em conjunto com o nº de CA do capacete, que é indicado no respectivo CA do protetor auditivo. Referência bibliográfica: Livro - Ruído: Fundamentos e Controle, autor Samir N.Y. Gerges, NR Editora, segunda edição 2000, 700 páginas. Proteção auditiva
  • 6. 6 Prêmium Plug Norma ANSI S12.6 - Método B Abafador de RuídosTipo Arco Comfo 500 Norma ANSI S12.6 - Método B • Produzido em silicone - maior higiene, durabilidade e conforto ao canal auditivo. • Três flanges para encaixe nos diferentes formatos de orelha. • Opção de fornecimento com mini capacete, para facilitar a armazenagem e transporte do produto auditivo. • Arco que gira 360º : para melhor acomodação à orelha do usuário. • Opção de tira de sustentação para usuário que necessita utilizar o abafador com outros EPI´s. 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 19,7 20,9 22,4 21,0 24,1 - 25,6 - 32,4 15 dB 6,3 6,0 7,4 4,8 5,4 - 5,8 - 9,1 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf Média (dB) Desvio Padrão (dB) 6,9 14,7 19,7 20,6 30,4 - 32,7 - 32,5 17 dB 2,7 1,9 1,7 2,7 3,6 - 2,9 - 2,9 218154 218333 Prêmium Plug 100 pares Produto / Quantidade Código Prêmium Plug 100 pares embalagem especial, mini capacete COMFO 500 - Caixa com 15 295486 COMFO 500 - Kit higiênico CódigoProduto / Quantidade C.A.10.666 C.A.820 O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Plugue de Inserção Abafador de Ruídos Comfo 500 Proteção auditiva
  • 7. 7 Abafador de RuídosTipo Arco Norma ANSI S12.6 - Método B Abafador de RuídosTipo Arco XLS Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador para Uso com Capacete MSA Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador de Ruídos XLS Norma ANSI S12.6 - Método B 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 11,9 20,3 26,2 32,9 33,9 - 30,1 - 32,5 22 dB 3,1 2,7 2,5 2,3 3,1 - 2,2 - 3,9 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 12,5 18,7 27,4 29,0 30,0 - 36,0 - 37,5 21 dB 4,6 4,4 4,1 3,0 2,2 - 2,2 - 4,3 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 9,7 15,7 21,3 25,1 29,0 - 24,5 - 23,1 15 dB 4,7 5,4 4,1 3,0 4,4 - 5,2 - 5,5 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 9,9 16,4 25,3 28,2 32,2 - 35,7 - 35,5 20 dB 4,6 3,0 2,8 2,2 2,6 - 2,9 - 5,5 NRRsf Abafador de Ruídos Cinza Abafador de Ruídos Amarelo Abafador de Ruídos Azul Kit Higiênico 297421 297761 297760 CódigoProduto / Quantidade Abafador de Ruídos XLS 216745 CódigoProduto Kit Abafador de Ruídos Cinza 297423 CódigoProduto / Quantidade Kit Abafador de Ruídos XLS Kit Higiênico XLS 216746 216747 CódigoProduto C.A.4026 C.A.15624 C.A.28089 C.A.27971 Abafador de Ruídos Mark V Abafador de Ruídos XLS Código unitário. O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Código unitário. O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Código unitário. Código unitário. • Arco que gira 360º : para melhor acomodação à orelha do usuário. • Opção de tira de sustentação para usuário que necessita utilizar o abafador com outros EPI´s.
  • 8. 8 Abafador de RuídosTipo Arco HPE Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador de Ruídos HPE Norma ANSI S12.6 - Método B 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 21,0 24,2 27,4 33,4 31,2 - 36,2 - 38,9 26 dB 2,9 1,5 2,2 1,6 1,6 - 2,6 - 3,7 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf Média (dB) Desvio Padrão (dB) 16,2 19,1 25,7 28,6 31,7 - 36,0 - 39,3 22 dB 3,9 3,6 2,8 2,7 2,6 - 3,1 - 6,4 Abafador de Ruídos HPE 216751 CódigoProduto Kit Abafador de ruídos HPE Kit Higiênico HPE 216752 216753 CódigoProduto C.A.15623 C.A.27972 Abafador de Ruídos HPE Código unitário. O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Código unitário.
  • 9. 9 Abafador de Ruídos left/RIGHT O abafador de ruídos left/RIGHT foi desenvolvido baseado em um único conceito: Todosnóssomosdiferentes • As cabeças e as orelhas das pessoas possuem formatos e tamanhos diferentes. • Não somos simétricos. Nosso lado esquerdo é diferente do nosso lado direito. • As aplicações e as preferências individuais não são idênticas. Seu revolucionário formato, com personalizações dos lados esquerdo e direito, possibilita a perfeita acomodação na cabeça e garante um grande conforto e maior produtividade. O left/RIGHT está disponível em três tamanhos: LOW, MEDIUM e HIGH, com diferentes atenuações de ruídos e cores para atender as mais diversas necessidades e preferências. Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT LOW Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT LOW Norma ANSI S12.6 - Método B 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 7,4 13,7 22,9 30,3 25,3 - 31,0 - 29,5 18 dB 1,8 1,6 2,8 4,0 3,4 - 3,6 - 3,8 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 6,4 10,8 19,2 25,1 25,3 - 29,1 - 27,2 15 dB 3,1 2,7 4,0 5,0 4,2 - 3,6 - 4,3 Média (dB) Desvio Padrão (dB) Abafador de Ruídos - LOW 218499 Produto Código Kit abafador de ruídos - LOW Kit higiênico - LOW 218500 10092878 CódigoProduto C.A.26803 C.A.26805 O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Proteção auditiva
  • 10. 10 Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT MEDIUM Norma ANSI S12.6 - Método B Abafador de RuídosTipo Arco left/RIGHT HIGH Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT MEDIUM Norma ANSI S12.6 - Método B Kit Abafador de Ruídos left/RIGHT HIGH Norma ANSI S12.6 - Método B 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 10,1 19,7 27,0 34,8 31,2 - 33,7 - 34,6 22 dB 2,2 2,6 3,9 4,3 4,2 - 2,9 - 4,2 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 13,7 22,1 31,9 35,7 32,2 - 35,3 - 36,9 25 dB 3,0 2,4 3,5 2,5 3,2 - 2,5 - 5,6 Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 8,2 16,0 23,5 28,0 29,7 - 31,8 - 34,4 18 dB 5,6 4,7 3,9 3,9 4,3 - 2,7 - 2,5 NRRsf Média (dB) Desvio Padrão (dB) 250125Frequência (Hz) 500 1000 2000 3150 4000 6300 8000 NRRsf 13,7 20,4 27,6 31,2 29,9 - 31,9 - 35,0 20 dB 2,6 3,9 4,3 7,1 5,7 - 5,9 - 6,6 Média (dB) Desvio Padrão (dB) Abafador de ruídos - MEDIUM 218501 CódigoProduto Abafador de ruídos - HIGH 218503 CódigoProduto Kit abafador de ruídos - MEDIUM Kit higiênico - MEDIUM 218502 10092879 CódigoProduto Kit Abafador de ruídos - HIGH Kit Higiênico - HIGH 218504 10092880 Produto Código C.A.26801 C.A.26800 C.A.26802 C.A.26804 Código unitário O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Código unitário O kit higiênico é composto por 2 selos e 2 espumas internas. Código unitário. Código unitário.
  • 11. 12 ProteçãoAuditiva Perguntas e Respostas Frequentes Com qual frequência devo trocar as partes substituíveis do meu abafador de ruídos? Recomendamos que o Kit higiênico seja substituído no mínimo a cada seis meses, em condições normais de uso. Substitua sempre o kit higiêni- co do protetor auditivo pelo mesmo modelo. Se o revestimento de espuma ficar molhado, seque-o ao ar livre antes de inseri-lo nova- mente. Eu posso utilizar kit aba- fador de ruídos de outro fornecedor no capacete MSA? Não. Somente é legalmente válido o uso do kit abafador de ruídos com o respectivo capacete com o qual o produto foi testado, aprovado e obtido o certificado de aprovação emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego MTE. Os certificados de aprovação (CA) para os protetores audi- tivos devem mencionar com qual CA de capacete o produto foi validado. Como é feita a medição de atenuação de um protetor auditivo? A medição de atenuação é baseada na exposição dos ou- vintes ao ruído gerado em sala acústica, em faixas de frequên- cia e determinação do limiar de audição de um indivíduo sem protetor e com protetor. A diferença entre as duas me- didas fornece a atenuação do protetor para aquele indivíduo. Ultizando-se uma amostragem mais significativa, obtém-se os valores de atenuação e desvio padrão (ambos dados em dB) dos protetores em faixas de frequências de 1/8. Para simplificar a análise da tabela de atenuação do pro- tetor auditivo, é realizada uma sucessão de cálculos matemá- ticos que resulta em um único número denominado NRRsf (noise reduction rate subject fit) ou para os brasileiros, nível de redução de ruídos, método colocação pelo usuário. Um abafador com atenuação mais alta é melhor que um modelo com atenuação mais baixa? Não necessariamente. A defini- ção da melhor atenuação está associada com uma avaliação prévia do nível de ruído do local de trabalho onde será utilizado o protetor auditivo. Lembre-se que o NRRsf é somente um número calculado que auxilia na interpretação da tabela de medição de atenu- ação. O ideal é identificar a frequência do ruído e analisar a atenuação naquela condição. Atenuar demais pode ser prejudicial à saúde e potencia- lizar condições inseguras de trabalho.
  • 12. 13 Como deve ser feita a higienização do protetor auditivo tipo concha? Antes de guardar o protetor auditivo, deve-se fazer uma higienização com água morna e sabão neutro. As almofadas das conchas são preenchidas com espumas, que não devem ser lavadas e sim substituídas por um novo kit higiênico. Use somente os Kits higiênicos da MSA para fazer as substituições. ? Qual a vida útil dos Abafadores de Ruídos da MSA? O tempo de vida útil é indefinido, já que está diretamente relacionado com as influências do calor e do frio, além da solicitação mecânica e influências químicas. A MSA do Brasil recomenda a substituição periódica dos selos e das espumas (pelo menos duas vezes ao ano, dependendo do uso), o que ajuda o usuário a manter o nível adequado de atenuação dos protetores auditivos. Com relação às demais partes que compõem o produto, as mesmas devem ser descartadas quando estiverem fisicamente comprometidas (inspeção visual) ou quando for impossí- vel limpá-los utilizando apenas métodos convencionais de higienização. Cabe ao empregado usuário de EPI, uma vez devidamente treinado e orientado, utilizar o equipamento apenas para a finalidade a que se destina, responsabilizando-se pela guarda, conservação, higienização do equipamento. Abafadores de ruídos com atenuação de 17dB e 19dB NRRsf, podem ser considerados dife- rentes em relação ao nível de atenuação? Como o teste é empírico, feito com participantes inexpe- rientes e que não se repetem, é praticamente impossível repetir exatamente o mesmo ensaio. Portanto qualquer variação menor do que ±3dB nos valores de atenuação não pode ser considerada relevante nos ensaios segundo a norma ANSI S12.6 - método B. Qual a diferença entre NRR e NRRsf e qual deve ser levada em conside- ração no Brasil? A obtenção do NRR é feita utili- zando indivíduos treinados na utilização de protetores e orien- tados e supervisionados na sua colocação antes da realização dos ensaios. Atualmente no Brasil utilizamos a norma (ANSI S12.6 - método B), onde os participantes do ensaio desconhecem o uso de protetores auditivos, assim como não podem ser orien- tados para a sua colocação, devendo apenas seguir as orientações que constam nas embalagens. Os resultados deste método, denominado NRRsf (Noise reduction rate subject fit) tem-se mostrado mais próximo da realidade no ambiente de trabalho.
  • 13. Nota: este folheto contém informações gerais sobre os produtos de comercialização da MSA. Os equipamentos somente devem ser usados por pessoal treinado, com pleno conhecimento de usos , aplicações e limitações. As instruções que acompanham os equipamentos devem ser lidas e observadas. Para mais detalhes, consulte a MSA do Brasil. Equipamentos sujeitos a alterações sem prévio aviso. REV.00 JUN/11 IMPRESSÃO: Junho/2011 MSA do Brasil Equipamentos e Instrumentos de Segurança Ltda. Av. Roberto Gordon, 138 - CEP 09990-901 - Diadema - SP Tel.: (11) 4070-5999 - Fax: (11) 4070-5990 Internet: www.msanet.com.br E-mail: vendas@msanet.com.br BR